Blog do André Rocha

Vitória para o Palmeiras virar a chave do Paulista e, enfim, evoluir
Comentários 4

André Rocha

Há vitórias no futebol que são mais importantes pelo significado do que pela afirmação de uma maneira de jogar. O Palmeiras precisava de um triunfo em jogo considerado grande para, enfim, virar a chave da final paulista e ganhar paz e confiança para trabalhar e, enfim, evoluir.

Os 2 a 0 sobre o Boca Junior em La Bombonera vão inebriar os analistas de resultados pela raridade que é superar a equipe xeneize em seu lendário estádio. Mas não foram construídos com atuação sólida. A equipe continua com problemas na saída de bola e na construção das jogadas. Muito pela tensão, pelo medo de errar em um ambiente saturado de pressão.

Mas soube explorar as muitas deficiências coletivas do frágil time argentino, que vive das jogadas individuais de Pavón. Defensivamente, concedeu espaços generosos concedidos pelos flancos por conta de um ultrapassado 4-3-1-2 armado por Guillermo Schelotto.

Assim Marcos Rocha recebeu com total liberdade para colocar a bola na cabeça de Keno no primeiro gol. No segundo, passe longo aleatório, saída atrapalhada do goleiro Rossi e rebote para Willian tentar e Lucas Lima conseguir na segunda finalização, com categoria.

Apesar da falta de dinâmica do meia mais adiantado e próximo de Borja no 4-2-3-1 de Roger Machado. Vive de espasmos, assim como a equipe. Precisa de consistência, integração entre os setores, fluência. Sem ''quebrar'' a bola. Sem medo. Sem precisar tanto das intervenções do goleiro Jailson.

A vitória que confirma a classificação e praticamente garante a liderança do Grupo 8 da fase de grupos da Libertadores pode ser uma primeira etapa de transformação. Do ambiente externo condicionado a resultados transferindo calma para o campo. Para o trabalho enfim seguir com foco no desempenho. Na evolução. Tudo que o Palmeiras precisa.


Bayern de Munique comprova: quem tem um não tem nenhum contra o Real Madrid
Comentários 2

André Rocha

O Bayern planejou um ''arrastão'' em Munique com pressão no campo de ataque e um quinteto com Robben e Ribéry nas pontas, Muller e Lewandowski no centro de ataque e James Rodríguez por trás. Mas desta vez Jupp Heynckes não foi tão feliz.

Perdeu Robben logo aos nove minutos. Entrou Thiago Alcântara, enviando Muller para o lado direito num 4-3-3. Menos pressão e jogo direto, mas trabalho no meio-campo com posse. Mas ainda domínio.

Porque o Real Madrid adotou postura conservadora na Allianz Arena. Um 4-1-4-1 com Lucas Vázquez e Isco pelos flancos e Cristiano Ronaldo no ataque. A estratégia era clara: conter o volume adversário, rodar a bola e esperar o momento de explorar os espaços às costas dos zagueiros Boateng e Hummels com seu atacante mais letal.

Não funcionou e o Bayern foi se instalando no campo de ataque. Mas foi às redes aproveitando lenta recomposição do time merengue no contragolpe e o passe de James encontrando Kimmich livre no espaço exato entre Marcelo, Casemiro, Sergio Ramos e Kroos. O inteligentíssimo defensor alemão olhou para a área, viu Keylor Navas tentando antecipar o cruzamento e os companheiros marcados. Não teve dúvida: finalizou bem tirando do goleiro.

O mandante cresceu com a torcida, o atual bicampeão europeu sentiu. E aí veio o pecado do Bayern. Este blogueiro não gosta nem costuma fazer analogias do futebol com atos de violência, mas a imagem é inevitável: o time bávaro enfiou a faca, mas não girou. E manter esse Real vivo é um risco enorme.

Mesmo com Cristiano Ronaldo cumprindo sua pior atuação nesta edição da Liga dos Campeões. Isolado, errou mais que o habitual. Ainda assim, sua presença impõe respeito. A ponto de ensaiar uma bicicleta e distrair o sistema defensivo alemão, deixando Marcelo livre para dominar e empatar.

Jogo que poderia ter sido resolvido e a vaga encaminhada no gol perdido por Ribéry no primeiro tempo. A mais inacreditável das muitas chances desperdiçadas. Dominou na canela com total liberdade pela esquerda. Quando aconteceu o mesmo em contragolpe rápido iniciado pelo erro de Rafinha, Asensio, que substituiu Isco na volta do intervalo, tirou do goleiro Ulreich.

Heynckes pode lamentar as lesões – além de Robben, Boateng também saiu no primeiro tempo para a entrada de Süle. Mas o Real não são os adversários na Bundesliga. Nem Besiktas ou Sevilla. Não pode dar chance. 58% de posse, treze finalizações contra sete. Cinco no alvo. Lewandowski ainda perdeu no final. Só uma bola nas redes e a virada implacável.

Agora terá que buscar um milagre em Madri. Contra um time experiente e escaldado pelo susto da Juventus nas quartas. Que vem sobrando nesses duelos de mata-mata em que o mental e as individualidades vêm sendo preponderantes. Improvável. Porque contra esse Real quem tem um não tem nenhum. O time de Zidane está mais próximo da terceira final consecutiva.


Liverpool é um carro só com acelerador e Klopp, o Nigel Mansell do futebol
Comentários 5

André Rocha

Quem acompanhava a F-1 nos tempos de Ayrton Senna e Nélson Piquet certamente se recorda de Nigel Mansell, piloto inglês que a Williams tentou fazer campeão mundial na segunda metade dos anos 1980 e só conseguiu em 1992. No ano seguinte, partiu para a Fórmula Indy, sendo campeão no primeiro ano.

Apelidado de ''Leão'', é considerado por muitos o piloto mais louco da história do automobilismo por disputar provas com campeões como a dupla brasileira, Alain Prost e Niki Lauda pisando fundo no acelerador e partindo para cima, mesmo sem a técnica dos concorrentes. Por isso protagonizou ''pegas'' épicos e também cometeu erros bizarros, como disparar na ponta, empilhar voltas mais rápidas…e acabar a prova sem combustível a curvas da bandeirada final.

Jurgen Klopp é treinador, não piloto. Time de futebol não é carro. Mas cabe o paralelo. Porque o Liverpool do técnico ''maluco beleza'' parece só ter acelerador.

Nos 5 a 2 sobre a Roma no Anfield Road, o time italiano conseguiu conter a explosão do adversário negando espaços com um 5-4-1 sem a bola. Os Reds sofreram e sentiram mais ainda com a saída por lesão logo aos 15 minutos de Oxlade-Chamberlain, um dos meias do 4-3-3 que acionam o tridente Salah-Firmino-Mané.

Mas quando enfim encontrou a brecha para ligar o turbo…Dois de Salah, outro par de Firmino e um de Mané. Atacantes que agora totalizam 89 gols e 40 assistências no universo dos 122 em jogos oficiais. Na Liga dos Campeões, são dez de Salah e Firmino, oito de Mané.

Pressiona e acelera. Jogo direto até chegar ao trio da frente. Firmino se mexe e abre espaços, Salah e Mané infiltram em diagonal. Maneira de jogar que curiosamente ganhou encaixe com a saída de Philippe Coutinho. Ainda que o brasileiro seja meia que pensa correndo, a equipe inglesa na formatação atual parece ter incorporado de vez a essência de seu treinador.

Os efeitos colaterais desta intensidade máxima, porém, também se fizeram presentes. Klopp costuma dizer que prefere um futebol mais rock and roll. Mas às vezes parece um produtor que coloca todos os instrumentos na distorção e grava o resultado. Quando é preciso pisar no freio, diminuir o volume, controlar o jogo com a bola ou negando espaços aos adversários o rendimento sempre cai.

Contra o City na fase anterior, o segundo tempo depois dos 3 a 0 nos primeiros 45 minutos do jogo de ida só não foi mais complicado porque o time de Guardiola não conseguiu transformar o domínio e os espaços em finalizações e gols. Na volta no Etihad Stadium, a primeira etapa podia ter causado muito mais estragos caso os citizens fossem mais contundentes.

Os gols de Dzeko e Perotti, de pênalti, foram consequência da redução de ritmo. Também da saída de Salah, administrando o desgaste por conta deste ritmo insano. Cansado e sem o melhor jogador da Premier League e candidato a grande rival de Messi e Cristiano Ronaldo como o craque da temporada, o time da casa transformou uma classificação encaminhada para a final na esperança de novo ''milagre'' na capital italiana. No apito final, alegria dos romanistas e preocupação da torcida do time vencedor.

Só que o Liverpool tem jogo físico e contragolpe letal, algo que faltou ao Barcelona no Estádio Olímpico. A chance dos italianos é o treinador alemão reprimir o próprio instinto em nome do resultado. Se acelerar e partir para a troca de golpes como se não houvesse amanhã, nem vantagem, a chance de surpresa diminui bastante.

Porque Klopp é o Nigel Mansell do futebol. Um leão que só ruge na velocidade máxima.


Grêmio e Atlético-PR: um zero a zero para só se falar de futebol
Comentários 22

André Rocha

A maior prova de respeito do Renato Gaúcho campeão da América por Fernando Diniz e seu Atlético Paranaense foi o Grêmio completo, concentrado e repetindo a marcação implacável no campo de ataque da final da Libertadores contra o Lanús.

Só assim para impor a superioridade de quase dois anos de trabalho do atual treinador. Mais de três se pensarmos em um estilo que veio com Roger Machado e ganhou polimento, consciência e objetividade com Renato. Não porque Diniz seja um gênio ou mago. Apenas quer seu time jogando futebol durante noventa minutos, em qualquer estádio.

A atuação mais consistente do time que pratica o melhor futebol do país terminou sem gols, apesar das 20 finalizações – apenas seis na direção da meta do goleiro Santos. O Atlético Paranaense se recuperou na segunda etapa e só não impôs mais dificuldades pela expulsão de Camacho.

Com inferioridade numérica e atletas já desgastados por uma disputa intensa, Diniz não foi romântico nem suicida. Priorizou o ponto na Arena do Grêmio. Porque isso faz parte do futebol competitivo. Assim como a revolta pela primeira etapa de domínio absoluto do adversário. E certamente o discurso de Renato exaltando o grande jogo seria bem diferente se fosse numa partida de ida de um mata-mata sem gol qualificado, por exemplo. O pragmatismo também faz parte do jogo. Só não precisa ser o elemento único.

Algumas ideias básicas precisam ser resgatadas no Brasil. A primeira é de que a busca por um futebol ofensivo, capaz de envolver o adversário e chegar à meta do oponente nada tem de romântico ou idealista. Muito menos é algo condicionado a quanto o clube pode gastar contratando os mais valiosos jogadores. Ou seja, um privilégio das potências europeias. É apenas uma das muitas formas de se praticar o esporte bretão e buscar o objetivo final que é a vitória. Com suas virtudes, defeitos e riscos.

Diniz vai um pouco além, quer seus jogadores resgatando aquele prazer original de ter a bola e se divertir dentro da responsabilidade de um trabalho. Algo que tantos fazem nas mais diversas atividades humanas em todo o planeta. E está provado que o rendimento aumenta exatamente quando no exercício profissional o indivíduo nem lembra que é pago para fazer aquilo. Faria até de graça se não tivesse contas para quitar.

Um contraponto nesse ambiente em que parece que tudo tem que ser sofrido. Nesta mesma segunda rodada do Brasileirão tivemos um clássico nacional entre Palmeiras e Internacional no Pacaembu. Gol único de Dudu no primeiro tempo. Celebração? Para o jogador não havia clima para isto diante de tanta tensão e cobrança. O momento máximo do mais emocionante dos esportes não passava de uma obrigação. Onde estava o prazer?

A mentalidade imediatista e que trata o resultado como um fim em si mesmo dificulta o entendimento de que o jogo é um processo. Eventualmente acontece num clique, na reunião e identificação imediata dos talentos. Também é possível vencer trabalhando mal e na base do sofrimento. Mas o que o Grêmio consegue fazer não se constroi de uma hora para outra. O Atlético está no início de sua trajetória.

Precisa ter margem de erro para o aprendizado e a correção. No Brasil parece um pecado mortal. A urgência é tão grande que se o time gaúcho tivesse vencido por um a zero com o chute de Luan no primeiro tempo que parou no travessão depois de um equívoco na saída de bola atleticana para muitos já seria motivo para demitir Diniz. A perda de um ponto dentro de um campeonato com 38 rodadas é mais importante que a consolidação de um modelo de jogo que pode render mais vitórias e pontos lá na frente. Que já conquistou quatro em duas rodadas.

Talvez por isso o zero a zero. Para que seja lembrado apenas pelo futebol praticado. Sem a arbitragem ou qualquer outra questão periférica como protagonista. Onde os desenhos táticos foram quase irrelevantes diante da dinâmica, da mobilidade e também da simplicidade de alguns movimentos que mostraram o óbvio: se um companheiro dá opção, o passe fica mais fácil. E passando o time progride em direção à meta adversária de forma mais coordenada. Não precisa ser gênio, nem craque. Apenas querer e saber fazer.

A partida parou pouco e o tempo passou rápido para quem assistiu com olhos de ver. Sem a ânsia do gol. Do ''jogaço'' em que não há uma bola na rede como consequência de jogada construída. Para muitos, se houver oito gols, quatro para cada lado, marcados de forma aleatória, na ligação direta ou na furada grotesca do zagueiro é o que vale. Legítimo apreciar apenas a emoção instantânea do futebol. Extrair só a adrenalina.

O que se pede aqui não é unanimidade nem ditadura de uma maneira de jogar. Há várias e todas com seu valor. O post só espera respeito à essência do esporte que é o jogo. O que Grêmio e Atlético Paranaense praticaram com excelência em Porto Alegre. Mesmo sem os maiores orçamentos do país. Mesmo sem bolas nas redes.

(Estatísticas: Footstats)


Centroavante para quê, Corinthians?
Comentários 3

André Rocha

A importância de Jô como artilheiro, pivô e atacante que abre espaços no Corinthians campeão paulista e brasileiro em 2017 é inegável e até dispensa estatísticas para comprová-la.

Mas em 2018 a mudança de Fabio Carille descartando as opções de centroavante – Kazim e Júnior Dutra – e incluindo um volante para dar liberdade a Jadson e Rodriguinho como ''falsos noves'' deu liga sem mudar a identidade da equipe.

Estão lá as duas linhas de quatro compactas, a concentração, a última linha defensiva bem posicionada, as rápidas transições ofensiva e defensiva. Sem a referência, não há mais um homem fixo na área adversária, mas vários chegando.

Nos 4 a 0 sobre o Paraná em Vila Capanema, primeiro chegou Rodriguinho, o goleador da nova fase. Sidcley dois minutos depois. Na segunda etapa, Clayson que entrou na vaga de Jadson aproveitou jogada pela direita e depois serviu o volante Gabriel.

É claro que a ausência de Maycon, que vai para o Shakhtar Donetsk na parada para a Copa do Mundo, não terá a reposição com mesma qualidade com Renê Júnior. Mas dentro de um time organizado e com modelo de jogo assimilado a adaptação de uma nova peça é mais rápida e menos traumática.

Mais um passeio no modo Corinthians. Posse de bola quase empatada, sete finalizações contra nove do Paraná. Quatro no alvo. Nas redes. A equipe de Rogerio Micale tentou jogar, mas é um trabalho no início de um time voltando à Série A. Contra uma rara equipe consciente jogando em alto nível no país fica bem mais complicado.

Roger chega do Internacional e Carille ganha mais uma opção ofensiva. Importante para uma temporada longa e dura, com várias frentes. Mas hoje a dinâmica ofensiva do campeão brasileiro e bi paulista pode prescindir das características de um atacante de referência. Centroavante para quê?

(Estatísticas: Footstats)


Goleada na última final de Iniesta também sinaliza Barcelona do futuro
Comentários Comente

André Rocha

O Barcelona vencer a Copa do Rei não é nenhuma novidade, nem título a celebrar tanto assim, considerando o nível que o clube alcançou na década. Nas últimas dez edições foram seis conquistas, quatro consecutivas em um total de trinta. O maior vencedor do torneio.

Ainda na ressaca da surpreendente e até vexatória eliminação na Liga dos Campeões para a Roma, considerando as prateleiras bem separadas entre os clubes no cenário europeu, a conquista vale mais pelo simbolismo de ser a última decisão de Iniesta com a camisa blaugrana antes da mais que provável partida em direção ao futebol chinês.

Mas se os 5 a 0 sobre o Sevilla no Wanda Metropolitano, em Madri, reverenciam o passado com um dos últimos atos de seu camisa oito histórico, chegando a 31 títulos pelo clube, também sinalizam o futuro.

O primeiro gol foi simbólico. Com o adversário adiantando a marcação desde a área do Barça, o goleiro Cillessen, titular no torneio enquanto Ter Stegen joga nas outras competições, não fez a bola circular desde a defesa dentro da proposta tradicional do jogo de posição. Sem trocas de passes até o time se instalar no campo do oponente.

Lançamento direto para Philippe Coutinho, novamente pela direita, explorando os espaços às costas da defesa avançada do rival para arrancar e servir Luis Suárez. Jogada simples, objetiva e inteligente. Para que aumentar a margem de erro perto da sua própria meta se é possível chegar ao gol na mesma ação?

O resto foi consequência, com o Sevilla deixando um verdadeiro latifúndio às costas de Banega e N'Zonzi que Messi, Coutinho e Iniesta aproveitaram, cada um com um gol. Do argentino completando linda assistência de calcanhar de Jordi Alba, do brasileiro cobrando pênalti que sofreu e Messi cedeu generosamente. O mais belo do meia veterano, tabelando com Messi. Lembrando o ''velho'' Barça lá da Era Guardiola. Mas que precisa se adaptar aos novos tempos.

Para isso conta com Suárez, o centroavante que  dá profundidade aos ataques. Chama lançamentos e está sempre pronto para receber as ''pifadas'' de Messi. Intenso até a medula. Dois gols que encaminharam a goleada.

Agora a missão é confirmar o ''doblete'', fazer um bom superclássico contra o Real Madrid e tentar o título espanhol invicto. Para o treinador Ernesto Valverde é a chance de deixar a impressão de uma primeira temporada positiva no clube, apesar das críticas justas ao comportamento coletivo ao longo da temporada, especialmente na noite trágica na capital italiana.

Sem Iniesta e com Coutinho, em sua primeira conquista no novo clube, resta montar um Barcelona mais parecido com o rival Real Madrid que vem sobrando na Europa: adaptável, mutante. Capaz de se impor dentro de uma disputa que privilegie a técnica ou mais física ou de velocidade. Com Messi cada vez mais passador e ''ritmista'' na reta final da carreira, necessitando de jogadores rápidos e fortes ao redor como contraponto.

Vale a comemoração de mais um título numa era vencedora. Especialmente pela imagem de Iniesta erguendo a taça. Mas é preciso refletir, porque a régua criada pela própria excelência não aceita apenas a supremacia no país. Para voltar a vencer a Champions a velha escola não é mais suficiente. Deve ir com o eterno camisa oito.

O primeiro gol na final da Copa do Rei é um bom indício do que o futuro reserva ao Barça.


São Paulo e Internacional: gigantes ancorados no passado precisam despertar
Comentários 3

André Rocha

Em 2006, Internacional e São Paulo decidiram a Libertadores. Dois anos depois, o tricolor paulista era tricampeão brasileiro e o Colorado vencia uma Copa Sul-Americana com Tite no comando técnico.

Uma década se passou desde então e a eliminação da dupla na Copa do Brasil antes das oitavas de final, quando entram os times envolvidos com Libertadores, é emblemática. Ainda que os méritos de Atlético Paranaense e Vitória sejam enormes.

Simbolizam clubes que depois de um período muito vitorioso acreditaram na utopia de ostentarem uma fórmula vencedora no cíclico futebol brasileiro. Confundiram manutenção da linha de trabalho com ''continuismo''. Hoje se veem dando voltas em torno do próprio rabo.

No Internacional, de 2002 a 2016 orbitaram no comando Fernando Carvalho, Giovanni Luigi e Vitório Piffero, culminando com a página mais triste da história do clube: o rebaixamento. Só assim para vingar uma candidatura de oposição. Mas nem tanto assim, já que Marcelo Medeiros, o atual presidente, trabalhou na direção das categorias de base na gestão de Fernando Carvalho.

É claro que a década não pode ser considerada perdida. Além do bem sucedido plano de sócio-torcedor e a modernização do Beira-Rio, o Inter conquistou outra Libertadores em 2010 e impôs um domínio estadual com oito conquistas, seis consecutivas. A importância dada ao Gauchão até se entende pela rivalidade com o Grêmio.

O período sem conquistas relevantes do tricolor, incluindo um rebaixamento em 2005, talvez tenha acomodado ainda mais o Colorado. Só com a virada na ''Era Renato Gaúcho'' desde a Copa do Brasil em 2016, coincidindo com o próprio rebaixamento,  para a constatação do mau momento vir forte. Mas mudar a direção do olhar não é fácil. Mais simples continuar tratando o passado como referência e ainda depender do talento de Andrés D'Alessandro aos 37 anos.

O mesmo vale para o São Paulo. De 2006 a 2014 com Juvenal Juvêncio. Depois Carlos Miguel Aidar até a renúncia e a chegada de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Sempre os mesmos cardeais no poder, blindados por um estatuto antiquado e protecionista.

Ultrapassado por Corinthians e Palmeiras com suas arenas e pelo Santos na Era Neymar. Sem o poder do Morumbi como único grande palco na cidade para jogos e espetáculos. Mas principalmente pela fé de que bastava seguir a mesma receita de bolo para tudo voltar aos ''bons tempos''.

Nestes dez anos, apenas a Sul-Americana de 2012 como conquista com alguma relevância. Nenhum estadual. Ainda a seca histórica na Copa do Brasil, que em 2019 completa 30 anos. Pior é a sensação de que um gigante de seis títulos brasileiros, três Libertadores e três Mundiais está, na prática, se tornando um time médio.

As trocas seguidas de treinadores e jogadores demonstram uma incerteza quanto ao futuro. Paradoxalmente, o clube sempre parece mirar o passado atrás de um porto seguro. Contar com Raí, Ricardo Rocha e Lugano na diretoria é um exemplo claro. Só que eles não entram mais em campo. E as decisões nestes primeiros meses não parecem muito diferentes das práticas dos antecessores.

É preciso despertar. Também ter a humildade de aprender com os rivais. Se Corinthians e Grêmio hoje possuem uma identidade no futebol, São Paulo e Internacional continuam sem face. Ou com um rosto envelhecido desejando o vigor do passado. Sem ruptura ou reinvenção.

Só ficou a grandeza da história. Mas de gigantes ancorados, que ainda não se convenceram que o tempo não pára e é preciso seguir em frente, sem o olhar fixo no retrovisor.


Racing atropela Vasco na noite das escolhas infelizes de Zé Ricardo
Comentários 8

André Rocha

É difícil se defender contra o Racing no Cilindro, em Avellaneda. O time de Eduardo Coudet tem muito volume de jogo na execução do arrojado 4-1-3-2. Também movimentação, com os meias Centurión, Solari e Zaracho se juntando a Lisandro López e Lautaro Martínez. Com o apoio incondicional de sua gente a missão fica ainda mais complicada.

Mas Zé Ricardo facilitou com uma formação que só faltou estender tapete vermelho para o time da casa atacar durante 45 minutos pela direita. Evander não tem intensidade para atuar pelo lado e deixou Henrique sozinho. Contra o lateral Saravia e mais Zaracho ou Centurión e Lisandro ou Lautaro. Mobilidade, trocas de passes e as arrancadas com dribles de Zaracho, o melhor em campo.

Por ali saíram dois gols, de Centurión e Lautaro. E dois pênaltis. O primeiro inexistente, do próprio Evander sobre Saravia e outro de Erazo derrubando Lautaro. Lisandro bateu ambos pessimamente para defesas de Martín Silva. No total, foram nove finalizações, sete no alvo. Podia ter terminado 4 a 0. E Zé Ricardo nada fez para corrigir.

Talvez porque o Vasco ofensivamente até criou alguns problemas, aproveitando os buracos que o time argentino deixa entre os quatro da defesa mais o volante Nery Domínguez e os cinco mais ofensivos. Mas foram cinco finalizações e nenhuma na direção do jovem goleiro Juan Musso.

Só no intervalo Zé Ricardo agiu. Trocou Evander por Rildo e mexeu na linha de meio-campo do 4-1-4-1 cruzmaltino. Wellington foi para o lado direito, Wagner centralizou e Rildo ficou pela esquerda. Até corrigiu razoavelmente o problema defensivo, mas não conseguiu conter o ''arrastão'' do Racing no início da segunda etapa.

Primeiro um golaço de Zaracho em bela arrancada e depois mais um pênalti, desta vez convertido por Lisandro, que correu o risco de repetir Martín Palermo desperdiçando três cobranças. Com 3 a 0 no placar, porém, ficou mais fácil ser corajoso. Depois foi controlar e descansar Lautaro e Centurión, além da substituição na volta do intervalo para preservar o zagueiro Sigali, já com cartão amarelo. Entrou Barbieri, que seguiu com pouco trabalho na segunda etapa.

Zé Ricardo só foi efetuar a segunda substituição ao 40 minutos da segunda etapa. Caio Monteiro no lugar do volante Bruno Silva. E acabou o jogo goleado com uma mudança a fazer. Difícil entender, ainda que o elenco não ofereça tantas opções assim.

No total, 62% de posse do Racing e 14 finalizações, dez no alvo. Um 6 a 0 não teria sido nenhum absurdo. Atropelo  do líder do Grupo 5, agora com sete pontos em três rodadas. O Vasco se complica, inclusive no saldo de gols que pode definir a segunda vaga. Agora está em cinco negativos. Mas serão duas partidas em São Januário para se recuperar.

A missão de Zé Ricardo é reorganizar o time com escolhas mais felizes e menos questionáveis que em Avellaneda.

(Estatísticas: Footstats)


Entra técnico, sai jogador…e o Flamengo não sai do lugar. Está repetitivo
Comentários 23

André Rocha

Você já leu aqui neste blog:

1 – Que Diego é importante na bola parada, como na cobrança de escanteio que terminou gol de Henrique Dourado, logo aos sete minutos no empate do Flamengo por 1 a 1 com o Independiente Santa Fé no Maracanã com portões fechados. Mas atrapalha demais a fluência do time ao prender demais a bola e não arriscar passes que quebram as linhas da defesa adversária. De novo: domina, gira, dá mais um toque e toca para o lado. Atrasa tudo;

2 – Que no momento de dificuldade, quando o oponente nega espaços – como o Santa Fé do treinador interino Agustín Julio, armado num 4-2-3-1 – o time rubro-negro abusa dos cruzamentos. Ou depende deles para criar as melhores oportunidades. Jogadas aleatórias, nada pensadas. Desta vez foram 28, nem tantos em relação a outros jogos, mas simplesmente não há repertório;

3 – Quando acontece algo novo e surpreendente, como a bela tabela entre Diego e Paquetá logo aos dois minutos de jogo, a conclusão não é precisa. Desta vez foi Diego a desperdiçar. A primeira das 15 finalizações, seis no alvo. O Fla, porém, segue ''arame liso''. Já o Santa Fé concluiu sete vezes, três no alvo. Na chance mais cristalina, Anderson Plata aproveitou contragolpe iniciado com passe errado de Diego e serviu Wilson Morelo, artilheiro da Libertadores com oito gols. Empate;

4 – No momento em que a coisa complica, os garotos precisam resolver. Ou assumem esta responsabilidade. Mas Vinicius Júnior e Lincoln, muito meninos, pecam pela afobação e Paquetá apela para as jogadas individuais. Mas insiste e na Libertadores o jogo é menos parado com faltas. Armou vários contragolpes do time colombiano na segunda etapa. Continua sendo o melhor da equipe, mas contribui pouco na construção, em fazer a bola circular mais rapidamente;

5 – E Dourado não pode exercer a mesma função de Guerrero. Não sabe fazer pivô, a bola bate e volta. É jogador de último toque e só. Saiu fazendo cara feia para o jovem treinador Maurício Barbieri, mas fora o gol nada produziu. Lincoln entrou com outras características, não é pivô. Assim como Filipe Vizeu. Fla ficou órfão deste suporte na frente e não encontra soluções para criar de outras formas.

Porque entra treinador, sai jogador…e o Flamengo não sai do lugar. Os mesmos erros, recursos semelhantes. O treinador assume, mantém praticamente os mesmos jogadores esperando resultados diferentes. Foi Rueda sucedendo Zé Ricardo, depois Carpegiani e agora Barbieri, que sem resultados não deve permanecer.

Qual será o próximo a sofrer com um time ancorado, sempre prestes a afundar? A equipe pode até inverter a lógica de 2017 e obter a classificação para o mata-mata da Libertadores com vitórias fora de casa. Mas se não subverter tudo e buscar novas saídas continuará previsivel, engessada. Com Maracanã lotado como no treino da véspera ou sem torcida.

O torcedor vai falar de garra, espírito…Talvez os jogadores pudessem até se posicionar exigindo uma ruptura. Mas como, se Diego, um dos principais líderes, é uma das causas do fraco desempenho coletivo? Em campo, o Fla tenta, mas não funciona. Por isso o desânimo. Não dá para vencer sempre na fibra.

Este time deve futebol e seguirá devendo se não houver um fato novo consistente. Com a atual diretoria comandada por Eduardo ''Vamos Levando'' Bandeira de Mello é improvável. Desculpe, está repetitivo. Mas é simples assim.

(Estatísticas: Footstats)


Everton no São Paulo: persistência é a virtude; leitura de jogo, o defeito
Comentários 12

André Rocha

Imagem: Divulgação São Paulo

Everton é do São Paulo por três anos e cerca de 15 milhões de reais. Com 29 anos, a expectativa é pelo retorno de desempenho em campo e não pensando numa futura venda.

Em uma primeira observação, o melhor encaixe no time comandado por Diego Aguirre é como ala pela esquerda em um sistema de três zagueiros, como o treinador já utilizou neste início de trabalho. Mas com a possível saída de Marcos Guilherme pelo fim do empréstimo do Atlético Paranaense no fim de junho, Everton tende a ser mais útil pela ponta.

O ex-jogador do Flamengo deixa 100% em campo. Não é referência de garra ou fibra, nem demonstra liderança perante os companheiros. Mas faz todo o corredor esquerdo, de uma linha de fundo à outra durante os 90 minutos, mesmo já chegando aos 30 anos.

O problema é a leitura de jogo. Um dos problemas para a adaptação de Everton Ribeiro como ponta articulador no time rubro-negro era que quando cortava da direita para dentro e levantava a cabeça não encontrava um colega infiltrando no espaço correto. Nem Everton, que ou afunilava e esperava a bola com o centroavante, ou não fazia a diagonal e permanecia aberto, sem dar opção.

Sem contar os erros nas tomadas de decisão. Muitas vezes irritou os flamenguistas tentando o drible quando deveria passar ou concluindo de maneira precipitada no momento em que tinha espaço para conduzir e finalizar com mais chance de acerto. Ou vice-versa.

Mas nunca desiste. Na tentativa e erro acaba sendo mais produtivo que os que se abatem. Exemplo clássico no último Fla-Flu, semifinal da Taça Rio: Carpegiani colocou Vinicius Júnior e recuou Everton como lateral. Pecou nas investidas à linha de fundo, mas acabou acertando um belo chute que empatou o clássico.

A boa notícia para o são-paulino é que ele vem de sua melhor temporada, ao menos nos números de gols e assistências: em 2017 foram dez bolas nas redes e 13 passes para gols em 57 partidas. No último Brasileiro, foi o que mais acertou cruzamentos, o segundo mais efetivo nos dribles e o terceiro nas finalizações do Fla, segundo o Footstats. Também o que mais acertou desarmes entre os jogadores do setor ofensivo. É participativo, não se omite. Mas também foi o líder na equipe em impedimentos. De novo a dificuldade para vislumbrar a melhor ação ofensiva.

O problema do tricolor paulista, porém, segue o mesmo: a falta de sequência. Everton é a nona contratação para a temporada e o clube já mudou de treinador com menos de três meses de temporada. Não adianta reunir as individualidades e esperar a mágica acontecer. Não costuma funcionar na primeira prateleira da Europa, que dirá no futebol brasileiro.

Everton não é jogador para vestir camisa e compensar no talento os problemas coletivos. Precisa de tempo para evoluir com os companheiros dentro de uma proposta de jogo. Persistência para compensar a leitura deficiente.

A má notícia é que o São Paulo não tem investido em continuidade. Dirigentes e torcida querem uma resposta rápida. Eis o maior risco de dar errado novamente.