Blog do André Rocha

Robinho e o país dos bagaços que se acham suco puro
Comentários 42

André Rocha

Tem presidente que não aceita salvar as laranjas podres e é colocada para fora do saco. Por outro lado, o senador que chupa até o caroço tem sempre alguém para lhe garantir no bolo.

Tem bajulador e aspone na carona dos que detém o poder e, por isso, se julgam importantes. Tem também os que já fizeram algo um dia e tratam como título de nobreza, vitalícia e hereditária. Tem os que se encostam atrás da aposentadoria depois de oito anos de mandato.

Tem os boleiros que por terem ''estado lá'' acham que podem ciscar por toda parte, em todas as funções. Mesmo que com o microfone ou com a prancheta na mão não consigam sair do óbvio e do lugar comum. Sem conhecimento para agregar à vivência.

Mas estes sempre têm vez no país do ''sabe com quem está falando?'' Da autoridade adquirida e nunca questionada. Do ''chupou laranja com quem?'' para se perpetuar no poder, ou na prateleira de cima. Mesmo que já esteja caindo pelas tabelas.

Robinho é só mais um exemplo. Do ex-futuro melhor do mundo na década passada a uma reta final de carreira num Atlético Mineiro que pensou ter respirado, mas tem de volta a agonia da luta para se manter na Série A. Ao final da rodada pode estar apenas a três pontos do Z-4. Camisa sete que era reserva com Rogerio Micale, agora titular com Oswaldo de Oliveira, outro que roda pelos clubes mais pelos serviços prestados em um tempo que não volta mais.

Provocou Moisés Ribeiro com a velha ''carteirada'': ''jogou aonde?'' Atitude comum na crueldade boleira, naquilo que eles dizem que fica no campo. Mas que, na prática, circula por todos os setores da sociedade. A elite querendo manter o status quo, a classe média que não quer o pobre junto com seu filho na universidade. Nas castas informais que não podem se misturar.

Mas no campo vale o que se joga e a Chapecoense saiu do Independência com vitória de virada por 3 a 2. Moisés sobe com sua equipe para longe do inferno e estaciona o outrora favorito ao título na escalada que busca o ''G-7''. Porque chupar laranja com Ronaldo Fenômeno, Zidane, Beckham e Roberto Carlos no Real Madrid em 2005 não garante ninguém doze anos depois.

Nem no país dos bagaços que se acham suco puro.


Mais uma “decisão”, outro “não jogo”. Corinthians e Grêmio se anulam
Comentários 1

André Rocha

O futebol brasileiro está num labirinto. O discurso é de concentração máxima, erro zero. Não sofrer gol e na frente esperar um lampejo, a bola parada e, principalmente, o erro do adversário.

O ''jogar simples'' se resume a não arriscar. O fluxo de passes é sempre o mais óbvio e as equipes aceitam que o adversário induza a circulação da bola procurando o flanco para o cruzamento. O discurso de jogadores e treinadores é sempre o mesmo: ''jogo decidido no detalhe'', ''quem errar menos vai levar vantagem''.

Uma palavra tão brasileira neste esporte e na vida vem sendo esquecida: criatividade. Criar espaços através de tabelas, triangulações. O passe diferente que fura as linhas de marcação. O drible. Ou ao menos uma jogada pensada e treinada, como uma inversão de jogo que encontre o atacante no um contra um. Ou a movimentação para a infiltração que surpreende.

Se ninguém erra, nada acontece. Nos jogos decisivos, com todos ligados e o rival bem estudado e mapeado, há o ''não jogo''. Como foi Cruzeiro x Flamengo na final da Copa do Brasil. O mando de campo tem inflenciado pouco. No máximo na maior posse de bola.

Corinthians e Grêmio voltaram a competir com força. Intensidade, pressão no homem da bola, força mental. Diante da queda de desempenho recente, uma boa notícia. Mas para se impor faltou o talento. Faltou Jadson, autor do gol da vitória em Porto Alegre. Faltou Luan, de volta ao time de Renato Gaúcho.

O Grêmio, que precisava do resultado para uma última tentativa de aproximação na tabela,  teve a oportunidade mais marcante, com Edilson carimbando o travessão de Cássio. Na bola parada…No final, o cruzamento que Jael, substituto de Lucas Barrios, não concluiu com precisão.

É muito pouco. A rigor, as equipes se anularam. Na saída de campo, as mesmas justificativas, como se fosse normal. Algo inevitável. Não é. Desta vez a pausa foi de três dias, mas já foi de dez e a bola jogada por aqui não sai desse dilema: todo o esforço e estudo voltado para anular as virtudes do oponente, quase nada para potencializar as próprias vqualidades.

Mais um empate sem gols numa ''decisão'', com aspas porque não valia sequer a liderança na disputa por pontos corridos. Mais 90 minutos de indigência de ideias. Algo precisa ser feito. Para ontem.


Tite é mais 1994 que 1982 e 2002
Comentários 3

André Rocha

No programa ''Boa Noite Fox'' na segunda-feira, Tite disse que entre vencer como em 1994 e perder como em 1982 ele prefere ser campeão como em 2002. Resposta diplomática, fugindo da grande discussão do futebol brasileiro há mais de 20 anos. Que perdura exatamente porque o quinto título mundial conquistado na Ásia não trouxe respostas e foi tratado como um caso isolado, sem legado. Mesmo com sete vitórias.

Aquela equipe de Luiz Felipe Scolari foi montada às pressas, combinando o time que vencera a Venezuela e garantira a vaga no Mundial apenas na última rodada das Eliminatórias e uma ideia guardada por Felipão desde 1999, quando a seleção, então comandada por Vanderlei Luxemburgo, atropelou a Argentina em Porto Alegre por 4 a 2: unir Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo no ataque.

Tite fala tanto em mérito e vencer jogando limpo, que não quer arbitragem ajudando nem prejudicando. Difícil, então, aprovar uma campanha de 100% apoiada em dois grandes erros de arbitragem: o pênalti sobre Luizão convertido por Rivaldo na virada por 2 a 1 sobre a Turquia na estreia e, principalmente, o gol de Wilmots para a Bélgica no primeiro tempo da partida pelas oitavas de final muito mal anulado pela arbitragem do jamaicano Peter Prendergast, que alegou falta do atacante sobre Roque Junior. Um absurdo que facilitou a construção dos 2 a 0 na segunda etapa em lampejos de Rivaldo e Ronaldo.

Brasil 2002 que dependia dos talentos para decidir na frente. Defensivamente, marcava por encaixe e Edmilson variava como zagueiro e volante de acordo com o número de atacantes do adversário. Fazia perseguições individuais e, consequentemente, sofria com buracos na retaguarda. Tudo que Tite não faz.

Então aparecia o goleiro Marcos para salvar. Inclusive na decisão contra uma Alemanha enfraquecida sem Michael Ballack. Antes dos gols de Ronaldo o arqueiro precisou trabalhar para evitar que o adversário abrisse vantagem. Também brilhou no sofrido primeiro tempo contra os belgas.

A seleção de Tite combina muito mais com a de 1994. Não só por ter Taffarel em sua comissão técnica. Questionada pelos resultados apertados e por ter sido a primeira campeã na disputa por pênaltis na história das Copas. Mas que prezava a segurança defensiva, marcava por zona e trabalhava coletivamente, com bola no chão, para potencializar o talento de Bebeto e Romário no ataque.

Só não teve mais posse de bola que a Holanda nas quartas de final. Jogo com o único erro de arbitragem favorável à equipe de Carlos Alberto Parreira: a falta cavada e cobrada por Branco que colocou a mão no rosto de Overmars. Decisiva nos 3 a 2. Mas nos 90 minutos controlou o jogo, abriu 2 a 0 com tranquilidade e permitiu o empate num lapso de desconcentração.

Nos outros jogos dominou os adversários, mesmo no empate por 1 a 1 com a Suécia na primeira fase ou com um homem a menos após a expulsão de Leonardo na vitória sobre os Estados Unidos no dia 4 de julho. Até na final contra a Itália no Estádio Rose Bowl. Paradoxalmente, Romário, o craque da Copa, podia também ter sido o artilheiro e tornado a campanha mais sólida em resultados. Perdeu vários gols, inclusive dois feitos, na semifinal e na grande decisão, já na prorrogação.

Pela falta de um craque no meio-campo ganhou o rótulo de ''retranqueira''. Mas tinha solidez defensiva, mesmo com a zaga formada pelos reservas Aldair e Márcio Santos, e criava tantos pelos flancos com as duplas Jorginho-Mazinho e Leonardo/Branco-Zinho como pelo centro com Bebeto e Romário. Todos alimentados pelos ótimos passes de Dunga, outra peça fundamental subestimada.

Tite também tem mais a ver com o universo de 1994 do que com o de 1982, que tanto exalta. Primeiro porque dificilmente veremos sua seleção na Rússia com uma formação que nunca havia estado em campo, como Telê Santana fez na Espanha com o meio-campo formado por Cerezo, Falcão, Sócrates e Zico com o suporte de Eder pela esquerda e Serginho na frente.

Muito menos observaremos todos no ataque na base da intuição deixando generosos espaços para os adversários. E como em 2002, erros graves de arbitragem favoreceram o escrete canarinho, como os pênaltis do zagueiro Luisinho não marcados na estreia contra a então União Soviética e o claríssimo de Junior sobre Maradona quando o placar estava 1 a 0 para os brasileiros sobre os argentinos no Estádio Sarriá.

Para alguém com a leitura de jogo do treinador da seleção brasileira a resposta soou estranha. Talvez seja uma maneira de exaltar Felipão e buscar uma reaproximação com quem admirou tanto e depois se transformou em desafeto.  Mas, honestamente, pensando no que aconteceu em campo e na visão de futebol de Tite é difícil encontrar alguma lógica.


City 2×1 Napoli – O “segredo” de Guardiola faz a diferença num grande jogo
Comentários Comente

André Rocha

Nos primeiros 20 minutos do jogo no Etihad Stadium, o Manchester City conseguiu reproduzir a grande virtude do Barcelona e do Bayern de Munique comandados por Pep Guardiola: a dinâmica do ''homem livre''.

Ou seja, a capacidade de ter superioridade numérica em todas as fases do jogo. Seja no início da construção das jogadas desde o goleiro Ederson, passando pelos laterais Walker e Delph ora descendo por dentro e deixando os pontas Sterling e Sané abrindo o campo, ora o inverso. Com Fernandinho recuando para auxiliar os zagueiros Stones e Otamendi.

A saída correta com passes limpos faz a equipe entrar na intermediária do oponente com mais jogadores no setor em que está a bola. Seja pelos flancos, com Walker, De Bruyne e Sterling à direita e Delph, David Silva e Sané do lado oposto, ou pelo centro com Fernandinho, De Bruyne, Silva, um dos laterais atacando por dentro e ainda o trabalho de pivô cada vez mais apurado de Gabriel Jesus. Sempre tem alguém livre dando opção para fazer o jogo fluir.

O resultado prático disso tudo contra o ótimo Napoli de Maurizio Sarri, líder da Série A italiana com 100% de aproveitamento em oito rodadas, foi um volume de jogo absurdo que criou pela esquerda com David Silva para encontrar Walker na área como atacante e Sterling abrindo o placar. Depois a jogada pela direita para mais uma assistência do meia De Bruyne como ponta para o toque simples e preciso de Jesus. 2 a 0 em 13 minutos.

Podia ter virado goleada num universo de onze finalizações e 63% de posse de bola. Mas os citizens não estavam jogando contra qualquer um e o Napoli, depois de compreender o que estava acontecendo, passou a se proteger melhor, vigiar os flancos, acertar a marcação por pressão no campo de ataque e, enfim, sair para jogar.

Teve a chance de equilibrar no placar com o pênalti de Walker sobre Albiol, mas Mertens bateu mal e Ederson pegou. Na segunda etapa de Napoli com seu 4-1-4-1 mais ajustado com Hamsik encontrando no brasileiro Allan, que entrou na vaga de Insigne, um companheiro mais qualificado para a articulação no meio. Até o pênalti tolo de Fernandinho sobre o lateral esquerdo Ghoulam que Diawara não desperdiçou.

Guardiola teve a humildade de reconhecer a qualidade do adversário e recuar linhas, compactar num 4-1-4-1 para buscar as transições em velocidade. Em seguida tentou recuperar posse e o controle de jogo com Gundogan e Bernardo Silva nas vagas de David Silva e Sterling. Depois tirou Jesus e colocou Danilo para administrar o resultado. Um pragmatismo mais que compreensível pelo contexto.

Reação do Napoli que se refletiu nos números. Chegou a oito finalizações. Metade das do City, mas muito melhor que na primeira etapa, assim como os 45% de posse. O início avassalador da equipe inglesa foi a diferença em um grande jogo, graças ao ''segredo'' de Guardiola que parece cada vez mais assimilado pelo time que no momento apresenta o melhor futebol da Europa.

(Estatísticas: UEFA)


Corinthians perde solidez e depende de Cássio, que pode repetir Cavalieri
Comentários 6

André Rocha

A derrota por 2 a 0 para o redivivo Bahia de Paulo Cesar Carpegiani em Salvador foi construída objetivamente com uma falha de Fagner aproveitada por Vinicius e um contragolpe de fim de jogo finalizado por Régis com o goleiro na área para tentar o empate.

Mas o Corinthians novamente não jogou bem e foi dominado por um oponente em franca evolução. Revés fora de casa que até pode ser tratado como normal dentro do equilíbrio natural do Brasileiro.

O grande fator complicador é que o desempenho começou a cair na fase ofensiva pela dificuldade de criar espaços nas defesas adversárias quando ganhou status de favorito com o turno quase perfeito e passou a ser mais estudado. Também porque despencou o nível do trio Jadson-Rodriguinho-Romero que acabou isolando Jõ e tornando a equipe mais dependente de seu centroavante e nos últimos três jogos de Clayson, autor de quatro gols.

O sistema defensivo, porém, também teve queda nítida de desempenho. Tanto individual quanto coletivo. Antes as alterações na última linha e a ausência de Gabriel ou Maycon na proteção da retaguarda eram menos sentidas. Agora há impacto. Porque perdeu intensidade e concentração. Até de Guilherme Arana e Balbuena, antes os grandes destaques.

Por isso Cássio vem trabalhando tanto. Segundo o Footstats é o goleiro com mais defesa na Série A, empatado com Jean, do Bahia. Média de 2,4 defesas por jogo. Fica atrás na média só de Douglas Friedrich (Avaí) e de Fernando Miguel (Vitória) entre os que mais atuaram.

A questão é que geralmente, e a lógica sugere, o líder não faz seu arqueiro trabalhar tanto. É mais seguro, consistente e protege melhor sua meta. Tanto que entre os cinco primeiros só Cássio não está lutando para fugir do Z-4 ou, no mínimo, ocupando a segunda página da tabela – além dos três já citados está Aranha, da Ponte Preta. O sexto é Vanderlei, do Santos vice-líder, mas que atua no estilo ''bate-volta'' e sofre muitos ataques.

Se Cássio mantiver essa média e o Corinthians confirmar o título, será o segundo caso na história do Brasileiro por pontos corridos com 20 clubes. O primeiro foi Diego Cavalieri em 2012. Campeão com o Fluminense da defesa menos vazada junto com o Grêmio. Muito graças ao seu goleiro, que vivia fase esplendorosa e salvava um sistema não tão coeso assim. Também ''mascarava'' os números.

O líder não tem a melhor defesa nem na frieza da matemática. Pelo menos até o Santos enfrentar o Vitória na segunda-feira. Agora tem 17 sofridos em 28 partidas, um a mais que o segundo colocado. A recuperação no campeonato, a partir do duelo contra o Grêmio em Itaquera na quarta, passa pela volta da coordenação e da segurança que marcaram o time de Fabio Carille em seus melhores momentos na temporada.

Algo se perdeu e é melhor resgatar enquanto a vantagem no topo da tabela permite.


Zé Ricardo sendo Mannarino no Vasco que já pensa em “G-7”
Comentários 6

André Rocha

José Ricardo Mannarino sempre que pode assume o italiano do sobrenome no futebol. Na visão mais clichê da escola tetracampeã mundial: privilegia a defesa.

Não que despreze o futebol bem jogado. No Flamengo campeão da Copinha em 2016 posicionava o técnico volante Ronaldo solitário à frente da defesa, quatro meias com características ofensivas se aproximando de Filipe Vizeu. Mas todos com função sem a bola. No fundo, o que o treinador preza é a organização.

A marca do Vasco que venceu o Botafogo no Maracanã e alcança o segundo triunfo consecutivo. Em seis jogos, 61% de aproveitamento e derrota apenas para o Corinthians com o gol polêmico de Jô. Um dos quatro sofridos. Dois empates, vitórias com vantagem mínima que fazem a equipe dormir na oitava posição. Com o G-6 podendo ganhar mais uma vaga pelo Brasileiro por conta da boa campanha do Cruzeiro campeão da Copa do Brasil, é possível sonhar.

Foi o clássico em que pela primeira vez o time comandado por Zé Ricardo teve menos posse de bola que o Botafogo de Jair Ventura – terminou com 39%. Sem a obrigação de protagonismo que carregava no Flamengo. Cedeu espaços, compactou setores na execução do 4-2-3-1 que dá liberdade a Nenê mais próximo de Thalles, substituto do argentino Andrés Rios, suspenso pela expulsão contra o Avaí.

Mais uma vez, destaque para o surpreendente Wellington. Volante tratado inicialmente como o ''Márcio Araújo do Vasco'', apresenta dinâmica bem diferente. Participa da construção das jogadas com passes simples, porém certos, e ainda aparece na frente para finalizar. Como no chute na trave direita de Gatito Fernández no primeiro tempo.

Zé Ricardo perdeu Wagner, que com Nenê e Mateus Vital garantem mobilidade no trio de meias. Mas como todos tendem a procurar o setor esquerdo, o corredor do lado oposto fica aberto para o apoio de Madson. O lateral ganhou companhia com a entrada de Yago Pikachu. Na esquerda, Ramon guarda mais sua posição e só desce com segurança.

Concentração e coordenação dos setores para controlar espaços e equilibrar as ações contra qualquer equipe. Jogo definido no detalhe, em lances discutíveis na sequência e que geraram polêmica depois de Nenê colocar nas redes e explodir a massa vascaína. Este que escreve não viu pênalti no toque de Madson que pegou na coxa antes de acertar o braço na disputa com Pimpão. No gol, a impressão depois de rever é de que o toque do meia foi no peito. Dificil para a arbitragem.

De novo faltou contundência ao Botafogo. Das 16 finalizações, apenas duas no alvo. Também criatividade, mesmo com João Paulo e Marcus Vinicius se juntando a Bruno Silva na articulação. O Vasco contribuiu com desempenho coletivo sem a bola e boas atuações de Breno, Anderson Martins e Jean. Defesa forte, como quer seu treinador.

Porque no Vasco, Zé Ricardo pode ser Zé Ricardo. Na essência. Mais Mannarino do que nunca.

(Estatísticas: Footstats)

 


Carta aberta a Cuca: vá a Nápoles ver Sarri, não para a Cidade do Galo
Comentários 6

André Rocha

Caro Alexi Stival,

Não nos conhecemos, mas acompanho sua carreira há bastante tempo. Desde o Goiás em 2003. Devo reconhecer que o seu Botafogo chegou a me encantar em 2007. Sua inquietação e vontade de fazer diferente chamaram a minha atenção.

Só que o futebol mudou muito de lá para cá. No mundo todo e no Brasil um pouquinho atrasado. E a solução que você, Cuca, encontrou para colocar no currículo os títulos que faltavam para torná-lo mais pesado foi na contramão do que se faz nos principais centros.

Em termos, porque a tão decantada intensidade sempre esteve presente nas suas equipes. A pressão na saída de bola também. O resto, porém, ficou anacrônico. Marcação por encaixe, perseguições individuais nos setores. Ofensivamente, muitas ligações diretas e foco exagerado nas jogadas de bola parada.

Assim venceu a Libertadores com o Atlético Mineiro em 2013. Mas tente fazer um exercício: compare a qualidade técnica dos jogadores que tinha disponível, de primeira prateleira na América do Sul, com o enorme sofrimento para conseguir as classificações e o triunfo final.

O ''São'' Victor desde a defesa na cobrança de Riascos contra o Tijuana e a enorme felicidade naquele apagão no Estádio Independência contra o Newell's Old Boys que deu tempo para uma última mobilização, inclusive com a torcida, para buscar o gol salvador que levou a disputa para os pênaltis. Você correu muitos riscos, talvez desnecessários para uma equipe com Leonardo Silva e Marcos Rocha em plena forma e um quarteto ofensivo com Bernard, Tardelli, Ronaldinho Gaúcho e Jô.

Não acredite nessa lenda urbana espalhada nas torcidas brasileiras de que ''sofrido é mais gostoso''. Para você que já confessou que gosta de ter tudo sob controle, viver no fio da navalha é oscilar entre vitória e derrota o tempo todo.

Como aconteceu ano passado com o Palmeiras campeão brasileiro. Muitas das vitórias apertadas no returno, quando você assumiu uma postura mais pragmática pela disputa da liderança com o Flamengo, podiam ter se transformado em empates ou mesmo reveses. Lembra do sufoco que levou no Independência do Galo? Ou do coelho que Gabriel Jesus precisou tirar da cartola para achar o empate em casa contra o Fla?

Ali deu tudo certo. Mas era possível fazer bem mais. Com esses seus métodos tudo precisa dar muito certo. Quando saem um pouco do planejado acontece o que ocorreu agora em 2017. Sem desempenho e resultado. Porque um é consequência do outro. Essa sua fórmula muito focada no placar final perde a essência do jogo.

Dizem que às vezes os inimigos trazem os melhores conselhos. Não que eu seja um, sou apenas um crítico. Nada a ver com clubismo, como muitos palmeirenses me acusam. Tenho enorme respeito e carinho pelo clube alviverde, que proporcionou a quem ama o esporte grandes espetáculos de times fantásticos. Muito menos fiquei frustrado com a perda do título pelo Flamengo. Quem acompanhava o clube, inclusive conversando com profissionais, sabia que a sequência de viagens cobraria o preço no fim da temporada. E sempre achei esse papo de ''cheirinho'' uma tolice – aliás, você deve ter agradecido muito esse combustível para manter seus jogadores focados.

Entenda: o jornalista que trabalha com futebol, mergulhado no tema como este que escreve, desenvolve convicções e teses. E a vaidade humana faz ele torcer mais por elas do que por qualquer time, inclusive o de coração. Tanto que agora em 2017 preferia o Corinthians do primeiro turno na liderança do Brasileiro do que o Fla de Zé Ricardo, um time sem imaginação e apelando demais para os cruzamentos.

Por tudo isso deixo uma sugestão: faça o que você sinalizou na virada do ano e vá a Nápoles acompanhar o trabalho de Maurizio Sarri. Aproveite a chance de intercâmbio. No Brasil reza a lenda de que para jogar bonito é preciso ter grandes craques. Sarri subverte isso com um orçamento bem distante da que a milionária Juventus ostenta. Aposta na troca de passes com qualidade desde a defesa, passando pelos brasileiros Allan e Jorginho no meio, se instalando no campo do adversário e deixando para acelerar no último terço  com Callejón, Hamsik, Mertens e Insigne. Muita mobilidade sem um típico centroavante desde a saída de Higuaín e um estilo bonito de ver.

Não conquista porque a Juve domina o futebol na Itália e no continente a concorrência é ainda mais cruel. Mas imagine você com respaldo para trabalhar trazendo esses novos conceitos. Mostrando que se reciclou, buscou aprimoramento. Ainda que o Brasil seja o incrível país que não valoriza o estudo, sua chance de sucesso é imensa. Seria um olho atento na terra dos ''cegos''.

Com sua obsessão por trabalho e ensaio parecida com a de Sarri, os movimentos do seu time seriam precisos. E marcando por zona, como se faz no mundo todo, não teria um problema grave que encarou em 2017: a dificuldade dos jogadores em se adaptar a este sistema de marcação antiquado, em desuso.

É bem possível que o Atlético queira de volta o estilo ''Galo Doido'', até porque virou algo cultural e nenhum treinador depois de você conseguiu desconstruir. Chegará como rei, com carta branca para trabalhar do seu jeito. Mas não será um momento para reflexão? Porque se repetir o insucesso voltará á vala comum dos treinadores brasileiros. Deixará o topo e a linha de sucessão de Tite na seleção brasileira.

Tite que é um belo exemplo de pausa para aprimoramento e volta em outro patamar. Hoje reconhecido como um dos melhores do planeta. Perdoe o clichê, mas seria um passo para trás e uns dez à frente em seguida. Por que não?

Desejo a você muita felicidade na escolha e lamento sua saída do Palmeiras. Se não como analista de futebol, mas como pessoa. Sei bem o que é ficar sem fazer o que se gosta e não desejo a ninguém. Mas torço de todo coração que aproveite a saída do olho do furacão para pensar bem e fazer a melhor escolha para sua carreira.  O futebol brasileiro merece e até precisa.

Deixo aqui um forte e respeitoso abraço.


Quando o trabalho é ruim, ter tempo só piora. Vivemos num círculo vicioso
Comentários 6

André Rocha

Os treinadores têm razão quando afirmam que jogar quarta e domingo, ou a cada três dias, é um crime com o atleta profissional pela necessidade de tempo para recuperação e treinamentos num esporte praticado com tanta intensidade e tamanha exigência física e mental.  Assim como é impossível negar que nas pausas de datas FIFA há um enorme risco de desmobilização e perda de foco com jogadores em suas seleções e o próximo compromisso mais distante.

O fato, porém, é que novamente o tempo jogou contra a maior parte das equipes e tivemos uma rodada de Brasileiro na Série A após dez dias com um futebol mal jogado, times instáveis contando com alguns espasmos de talento e organização.

Porque se acostumou a trabalhar mal por aqui. Apagando incêndio, abafando crises e pressões com resultados. Raciocínio imediatista que se reflete no campo. A prioridade é o básico para não perder: bloqueio defensivo e a bola parada. Ofensivamente, os treinos em campo reduzido não parecem trazer um propósito de evolução coletiva, apenas tentar habituar a jogar sem espaços e pensar mais rápido para minimizar erros.

A melhora que normalmente ocorre na mudança de treinador tem muito mais a ver com o impacto da mudança. O reserva que se motiva, o titular não quer perder espaço. Pessoas novas quase sempre deixam o ambiente mais arejado. O poder da novidade, que acaba quando falta conteúdo no dia a dia.

O futebol brasileiro se habituou a reagir e perdeu o foco no desempenho. Por mais que Tite tenha deixado o caminho das pedras mostrando na prática que jogar bem deixa o time mais próximo das vitórias. O legado mais forte, porém, é o do ''jogo para ganhar, não para jogar''. É motivar, exigir concentração, erro zero para não sofrer gols e tentar achar um no lampejo, na jogada aérea, no aleatório. Depois explorar contragolpes.

Quando o trabalho é ruim, ter tempo só piora. Como deixar o atleta ligado com o jogo daqui a dez dias? Neste cenário, o treino para melhorar os movimentos coletivos na construção de jogadas pode ser visto pelo próprio comandado como ''encher linguiça''. Porque deixou de ser importante.

Ninguém quer jogar porque na tentativa vem o erro a ser aproveitado pelo adversário. Atacar significa dar espaços, se fragilizar na perda da bola. O mais seguro é reagir. Mas como fazê-lo se o mando de campo, o maior investimento ou a camisa mais pesada manda o time grande atacar e se impor? Vem então o desespero e a busca de qualquer muleta para se apoiar, principalmente os erros de arbitragem. A técnica que qualifica a tática e a estratégia está escanteada.

O último campeão brasileiro deveria ser a referência. O Palmeiras de Cuca, porém, é o grande exemplo desta roda viva. Quanto mais dias de trabalho tem menos joga. E não adianta apelar para os jogadores acostumados com os métodos do treinador e repetir as práticas do ano passado. Aquilo foi a exceção, não a regra. Replicar o roteiro não garante o final feliz.

Vivemos num círculo vicioso difícil de romper. A luz no final do túnel é voltar ao básico: jogar bola. Com naturalidade. Ataque e defesa com pesos iguais, como na essência do jogo. Voltarmos aos fundamentos, principalmente o passe. Fazer melhor e tratar o resultado como consequência.

Mais futebol, menos disputa por pontos. Não há outra saída para este labirinto.


Não há time mais aleatório no Brasileirão que o Santos
Comentários Comente

André Rocha

Gol sofrido aos quatro minutos de jogo no Moisés Lucarelli, numa rara hesitação do goleiro Vanderlei que Naldo aproveitou. Depois um domínio territorial com média de 63% de posse e seis finalizações contra duas da Ponte Preta, mas sem muitas ideias e deixando brechas entre os setores na execução confusa do 4-2-3-1 habitual para contragolpes que o adversário não soube dar acabamento.

O time de Eduardo Baptista tentava controlar os espaços num 4-1-4-1 organizado e forte pela direita com Nino Paraíba e Emerson para cima do frágil Zeca. Pelo setor, a estocada que encontrou Lucca livre na área para perder gol feito. Na volta, a nona assistência de Bruno Henrique, desta vez pela direita, e mais um gol de Ricardo Oliveira. No minuto final do primeiro tempo transformando um 2 a 0 que não seria nada absurdo em um empate por 1 a 1 que também carregava uma certa lógica.

Porque não há time mais aleatório nesta edição do Brasileiro que o Santos. Time da trocação, do jogo aberto, da aposta na qualidade do quarteto ofensivo, da dupla de zaga formada por Lucas Veríssimo e David Braz, ainda que expostos, e do goleiro Vanderlei.

E por que ainda disputa o título, ao menos na matemática? Porque o nível geral é fraco e nesta proposta de bater e levar cria mais problemas para os adversários mais reativos que outros quando tem a obrigação de atacar. Como não há uma equipe tão superior no trabalho coletivo, nem o líder Corinthians, o Santos vai pontuando e se mantendo no pelotão da frente.

Podia ter vencido em Campinas. No segundo tempo de postura mais agressiva da Ponte, com Eduardo Baptista trocando Emerson Sheik por Leo Gamalho e deslocando Lucca para o lado direito. Depois tirando os meias Naldo e Jean Patrick e colocando Jadson e Felipe Saraiva para reoxigenar o meio-campo e seguir atacando. Mesmo depois da tola expulsão de Fernando Bob que reagrupou o time num 4-4-1.

Levir seguiu em silêncio, pelos problemas de saúde, e não fez nenhuma substituição. Zero. Mesmo com o desgaste por conta da intensidade do oponente e até por necessidade em uma equipe não ajustada.

E quase saiu com a vitória, se o ''garçom'' Bruno Henrique não perdesse gol feito completando mal centro preciso de Lucas Lima da direita. Na 12ª finalização de um time com inegável vocação ofensiva, mas que parece tomar decisões sem um plano. O tempo todo. Como se contasse com o acaso para proteger o talento e a vontade de vencer.

Quem entende esse Santos?

(Estatísticas: Footstats)


Cruzeiro de Mano passa o Grêmio e pode repetir Flu 2007, de Renato Gaúcho
Comentários 5

André Rocha

Foto: Denis Dias/Gazeta Press

O Cruzeiro foi o primeiro campeão brasileiro da era dos pontos corridos. O primeiro e único a vencer também a Copa do Brasil, no 2003 mágico da ''tríplice coroa''. Quase repetiu o feito em 2014, mas o arquirrival Atlético impediu vencendo a final mineira da Copa do Brasil.

2017 foi o ano do penta no grande torneio nacional de mata-mata, nos pênaltis contra o Flamengo.  Pode também ser o de uma nova grande campanha no Brasileiro depois de duas edições após o bicampeonato flertando mais com Z-4 que com título ou vaga na Libertadores.

Com a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio em Porto Alegre, gol de Rafael Sóbis, eterno ídolo do Internacional, maior rival do adversário, o time de Mano Menezes ultrapassa Santos e o próprio time gaúcho para dormir na vice-liderança do Brasileiro. Se mantiver os bons resultados abrirá uma vaga na Libertadores dentro da competição por pontos corridos.

O mesmo que conseguiu o Fluminense em 2007. Campeão da Copa do Brasil em 6 de junho vencendo o Figueirense em Florianópolis, gol de Roger Machado, hoje treinador. Antecessor de Renato Gaúcho no Grêmio, comandante do tricolor carioca há uma década. O eterno falastrão que no ano seguinte diria que ''brincaria'' no Brasileiro se vencesse a Libertadores e, com a derrota nos pênaltis para a LDU no Maracanã, terminou o ano sem conquistas. Como corre o risco agora depois de tantas bravatas e autoelogios ao longo da temporada – mas também bom futebol, que parece cada vez mais perdido em funções de tantas alterações na equipe base.

Naquele 2007, porém, Renato conseguiu manter o Flu alerta e, mesmo com vaga assegurada no torneio continental e vendo o São Paulo disparar para o então bicampeonato que viraria tri no ano seguinte, fez ótimo segundo turno. Vencendo, inclusive, o incrível Flamengo de Joel Santana que acabou uma posição acima, pelo número de vitórias. Com isso abriu uma vaga na Libertadores que acabou caindo no colo…do Cruzeiro, à época comandado por Dorival Júnior.

Há uma década, o Grêmio, então sob o comando de Mano Menezes, chegou à final da Libertadores contra o Boca Juniors de forma até surpreendente. Foi, porém, superado pela equipe de Juan Roman Riquelme e não pôde retornar no ano seguinte. Por pouco, já que terminou o Brasileiro em sexto lugar. Dois pontos atrás… do Cruzeiro.

Em dez anos o mundo da bola girou e agora encontra clubes, personagens e contextos parecidos. Como será o desfecho desta vez? O Cruzeiro de Mano Menezes está sereno, o Grêmio de Renato tem motivos para se preocupar. Mas ainda pode virar o jogo bonito em 2017, inclusive encarando o Real Madrid nos Emirados Árabes Unidos. Quem vai saber?