Blog do André Rocha

Atendendo ao pedido de Eduardo Baptista, uma pergunta sobre futebol

André Rocha

Isolando todas as polêmicas dentro e fora do campo, antes e depois da partida em Montevidéu, Eduardo Baptista, mais que nas substituições depois do intervalo da virada por 3 a 2 sobre o Peñarol, acertou ao dizer que no Brasil se fala pouco de futebol.

O que desgraçadamente alguns colegas tratam, com desdém, como ''apenas campo e bola''. Exatamente o que condiciona e pauta todo o resto. O jogo em si.

Por isso, em homenagem ao técnico corajoso que tende a ser mais respeitado por uns e ainda mais perseguido por outros, e atendendo ao seu pedido de questionamentos sobre futebol, o blog deixa uma pergunta ao Eduardo:

Se desde 21 de dezembro do ano passado o Palmeiras sabia que enfrentaria o Peñarol e obviamente havia a possibilidade de ao longo do torneio cruzar com equipes fortes no jogo aéreo e direto, na ''primeira'' e ''segunda'' bola como ele mesmo disse na coletiva…por que não houve nenhum teste anterior, durante a fase de grupos do Paulista, por exemplo, utilizando três zagueiros de ofício?

Porque o que se viu em campo foi um time completamente descoordenado nos movimentos coletivos. Perdido. Jean e Egídio não sabiam se comportar como alas, os jogadores ficaram espaçados e sem encontrar os companheiros. Erros seguidos de passes, sem chances de Guerra acionar Roger Guedes e Michel Bastos nas pontas, muito menos Borja isolado.

Tudo para evitar os cruzamentos e sofrer dois gols de bolas cruzadas.Um horror em 45 minutos. Treinado apenas no dia anterior. Com pelo menos nove partidas – vá lá, tirando os clássicos locais – para testar em um grupo que o Palmeiras nadou de braçadas, terminou dez pontos à frente.

Não dava para experimentar o sistema com três zagueiros – mesmo que não tivesse Dracena, Vitor Hugo e Mina disponíveis ao mesmo tempo – ao menos uma vez? Em dois treinamentos numa semana livre?

Uma experiência numa partida importante de Libertadores fora de casa. De tudo que aconteceu na intrépida quarta-feira e no tenso início da quinta palmeirense, foi o mais difícil de entender.

Mas isso é o menos importante, claro. O resultado aconteceu, virada com sofrimento ''é mais gostoso'' e na pauta vem primeiro a pancadaria, depois os gritos do treinador na coletiva, mais as polêmicas com Felipe Melo, Roger Guedes, Alexandre Mattos.

Por último, o ''campo e bola''. Ou seja, só o que vai definir até onde vai o Palmeiras na Libertadores. Bobagem…