Blog do André Rocha

Neymar, um extraterrestre na estreia em Paris

André Rocha

Um começo discreto jogando mais pela esquerda no 4-3-3, só buscando o centro para abrir o corredor para as descidas do lateral Kurzawa. Bem diferente da mobilidade da estreia contra o Guingamp.

Mas bastou o Toulouse mostrar resistência se fechando em duas linhas de quatro compactas e abrir o placar com Max Gradel aproveitando falha de posicionamento de Daniel Alves para Neymar despertar na sua estreia com a camisa do PSG no Parc des Princes.

Dribles, duas bolas nas traves, tabelas, duas assistências, um pênalti sofrido e convertido por Cavani, dois gols. O segundo foi o último dos 6 a 2, já num clima de final de pelada em churrasco, mas fez a alegria do torcedor com a habilidade absurda do brasileiro.

Descomplicando com o auxílio luxuoso de Rabiot, autor do segundo gol, uma disputa que podia ter sido mais parelha. Principalmente quando Unai Emery trocou Thiago Motta por Pastore e perdeu Verratti expulso. Podia ter se complicado no trabalho defensivo.

Mas o próprio meia argentino acertou bela conclusão no ângulo depois do gol do zagueiro Jullien aproveitando vacilo de Thiago Silva. E Neymar sobrou em um universo de 66% de posse e 23 finalizações dos donos da casa contra seis. A mais bela em cobrança de escanteio como uma tacada de bilhar do camisa dez e fantástica virada de Kurzawa.

Está claro que o nível técnico e a capacidade de improviso da contratação mais cara da história destoam na Ligue 1. Um extraterrestre voando no primeiro ato em Paris.

(Estatísticas: Ligue 1)