Blog do André Rocha

Copa União 1987: acaba, enfim, o longo recibo que o Flamengo passou à CBF

André Rocha

Pronto! O STF decreta o Sport campeão brasileiro de 1987, ratificando decisões das outras instâncias, e o Flamengo não pode mais recorrer.

Um recibo de 31 anos que o clube  passou à CBF suplicando o reconhecimento ou divisão do título da competição que deveria ter sido um marco para o futebol brasileiro. Dando poder a quem tem história, torcida e paixão. Não uma caneta para definir quem é campeão ou não.

Ricardo Teixeira usou como barganha o quanto pôde para ter o clube de maior torcida do país como aliado. Depois o Fla recorreu à Justiça gastando tempo e energia que deveria ter sido direcionada à liderança de um movimento de ruptura, criando de fato uma liga de clubes para organizar os principais campeonatos do país. Não passou da falida Primeira Liga.

E pior: com essa luta para ostentar oficialmente o título de campeão brasileiro, o Flamengo desvalorizou sua própria conquista. Uma das mais memoráveis do clube, não só pela reunião de estrelas na equipe, mas pela incrível recuperação no torneio – ali, sim, o ''deixou chegar…'' se fez presente como em outras poucas oportunidades.

Se só valia se fosse com o rótulo de campeão brasileiro, o que restou agora do esforço de Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Edinho, Leonardo, Andrade, Aílton, Zinho, Zico, Renato Gaúcho, Bebeto, do treinador Carlinhos e dos demais que participaram da conquista?

Bastava manter a coerência de 1988: se não disputou o quadrangular por não reconhecer na entidade a autoridade para decretar o campeão brasileiro do ano anterior, bastava seguir na mesma linha e dar ao torneio que conquistou o peso que tinha na época. Os dirigentes preferiram o caminho do populismo, de fazer média. Com a torcida e com a CBF. Bem feito…

Pelo menos agora esse tema morre de vez. É o que se espera. Quem sabe com o Fla enfim acordando para a grande lição de 1987: a CBF é o grande obstáculo para o crescimento do futebol brasileiro.