Blog do André Rocha

Lesões podem moldar o Brasil mais “corintiano” de Tite

André Rocha

A lesão de Danilo, substituto de Daniel Alves, abriu espaço para Fagner na lateral direita. E a atuação do jogador do Corinthians na vitória sobre a Costa Rica foi bem satisfatória. Sem comprometer atrás e sabendo o momento de atacar por dentro ou bem aberto. Fez belo cruzamento na cabeça de Gabriel Jesus no início do segundo tempo. Bola no travessão.

Agora Douglas Costa é quem se contunde. Mais uma vez. Infelicidade depois de entrar pela direita no segundo tempo da última partida criando espaços com dribles e acionando os atacantes. No contragolpe, assistência para Neymar no última ataque. Willian pode seguir no time.

Mas a tendência, até pela vantagem do empate contra a Sérvia e depois, caso classifique, nos jogos eliminatórios é reforçar o meio-campo. Pode ser com Fred, mas Renato Augusto está na frente. Não só por ser jogador de confiança de Tite e ter entrado bem contra a Suíça, mas também por ter sido o titular na Eliminatória.

Caso se confirme, teremos o Brasil mais ''corintiano'' de Tite. Não só porque Fagner e Renato Augusto jogaram na equipe campeã brasileira de 2015, mas principalmente pelas características. Partindo do deslocamento de Philippe Coutinho para a ponta direita no 4-1-4-1. Ou seja, o jogador que parte do flanco e vem para dentro circulando às costas dos volantes adversários para criar superioridade numérica no meio e abrir espaços para os companheiros.

No Corinthians era a função de Jadson. Deixando o corredor para Fagner, mas também para os deslocamentos de Elias e Vagner Love. Na seleção, funções que seriam de Paulinho e Gabriel Jesus ou Firmino. Jogadores que vem sofrendo pelo desenho um pouco mais engessado na frente com dois ponteiros típicos.

O 4-1-4-1 possível com Fagner e Renato Augusto na vaga que seria de Douglas Costa, mas deslocando Coutinho para o lado direito ser o ''ponta articulador'' das Eliminatórias, abrindo espaços no corredor para Fagner, Paulinho e Gabriel Jesus (Tactical Pad).

Repete a dinâmica da Eliminatória, mas com uma diferença: Fagner é mais agudo que Daniel Alves, que atacava mais por dentro e o Brasil não tinha uma opção de velocidade na chegada ao fundo. Necessário por ter um ponta que é meia e se desloca.

Casemiro seguiria protegendo a defesa, como fazia Ralf. Marcelo e Neymar alternariam o posicionamento aberto e por dentro. Com mais liberdade, já que contarão com o suporte de Renato Augusto na proteção do setor e na saída de bola. Mais do que era preciso defensivamente com os jovens Guilherme Arana e Malcom. Em tese, uma formação mais equilibrada.

No final do ano do hexacampeonato brasileiro do Corinthians, Tite disse em entrevista a este blogueiro que, sem nenhum tipo de comparação técnica, tinha o Barcelona do trio MSN como referência na organização ofensiva. Messi como o ponta criativo, Suárez que muitas vezes entrava no espaço do argentino e Neymar como ponteiro mais atacante infiltrando em diagonal. Levou para a seleção e mudou pelas circunstâncias. Pode retornar agora.

É legítimo questionar os nomes escolhidos e os critérios do treinador. Mas ao menos na combinação de características é, em tese, um time mais homogêneo. E Tite já conheceu o sucesso com esta fórmula. Sofrendo um pouco no início para voar no final em 2015. É o que se espera três anos depois, na rota do hexa.

O Corinthians campeão brasileiro de 2015, referência de Tite para o início do trabalho na seleção. Jadson é o ponta que vem por dentro e Elias, Love e Fagner aproveitavam o espaço (Tactical Pad).