Blog do André Rocha

Toni Kroos é a Alemanha. Nunca duvide deles

André Rocha

Toni Kroos foi muito mal na estreia. Talvez desgastado física e mentalmente pela temporada do Real Madrid tricampeão da Liga dos Campeões. Muito provavelmente sentindo a mudança na Alemanha em relação ao clube. Com a mesma função de auxílio aos zagueiros na saída de bola, mas com menos companheiros para fazer a transição ofensiva. Sem um Casemiro de guardião. E velocidade nunca foi seu forte.

Atuação muito ruim na estreia, como toda a Alemanha. Especialmente no primeiro tempo, atropelado pela intensidade e pelos contragolpes de manual dos mexicanos. Contra a Suécia, erro de passe, novo contra-ataque e belo gol de Toivonen. Tudo parecia ruir em outro primeiro tempo com desempenho bem abaixo. Podia ter sofrido mais gols e os suecos podem e devem reclamar de pênalti claro sobre o centroavante autor do gol não marcado pelo árbitro Szymon Marciniak.

Mas Kroos, além de craque, é alemão. Que vencendo ou perdendo mostram força mental quase inquebrantável. Nunca desistem, nunca deixam de acreditar. Não é acaso que tenham vencido a Hungria em 1954 e a Holanda em 1974, duas das maiores seleções de todos os tempos. Ambas de virada. Porque só eles são capazes de não desistir quando o mundo todo os considera derrotados. Como em 1982, perdendo por 3 a 1 na prorrogação da França na semifinal e buscando o empate para vencer nos pênaltis.

A entrada de Mario Gomez no lugar de Draxler fez com que a Alemanha se mantivesse no campo de ataque, mas empurrando a última linha de defesa sueca para a própria área. Kimmich e Hector abrindo o campo, Muller e Reus fazendo dupla com os laterais e se juntando a Gomez e Werner quando a jogada saía do lado oposto. Boateng e Kroos iniciando a construção e Rudiger pronto para se defender das saídas rápidas suecas.

Empate com Reus, depois pressão, bola na trave, defesas inacreditáveis do goleiro Olsen. 71% de posse, persistência e eletricidade no ar, mesmo exagerando nos cruzamentos: 44. Os suecos foram cansando de se defender em suas linhas de quatro cada vez mais acuadas, na retranca ''handebol''.

Mas veio novo golpe para os alemães. Duríssimo. Expulsão de Boateng, o zagueiro que conduzia o time à frente. Joachim Low não tinha escolha. Tirou Hector e colocou Brandt. Ao invés de repor a defesa, reoxigenou o ataque. Brandt bateu na trave. Muller e Werner cometeram erros grosseiros no ataque. Neuer salvou uma defesa totalmente exposta.

Mas havia Kroos. Questionado, criticado. De fato, abaixo do seu desempenho habitual. De um dos grandes meio-campistas da história do seu país, da Europa e do planeta. De incrível precisão em passes e cruzamentos. De gols um pouco mais raros. Mas a falta pela esquerda era a última chance de não depender de golear a Coréia do Sul e torcer para que México e Suécia não empatassem.

Toni Kroos acreditou e colocou todo o talento. Apesar do cansaço físico, da confiança abalada. Mas é alemão. E craque. Cobrança perfeita, no ângulo oposto. Na última das 16 finalizações de sua equipe. A quinta no alvo. Um golaço catártico, até para quem não torce para os campeões mundiais. Mas ama o futebol. E respeita quem não é derrotado antes por si mesmo. Na própria cabeça.

Alemanha viva. Muito. Agora até favorita à vaga pelo confronto menos complicado, enquanto a Suécia precisa vencer o líder México. Ainda pode terminar em primeiro e, talvez, fugir do Brasil nas oitavas. Ou encontrá-los caso a Suíça confirme o favoritismo contra a Costa Rica e consiga um placar capaz de chegar ao topo da classificação no grupo.

Em uma Copa imprevisível e de disputas quase sempre muito parelhas, não é possível descartar qualquer hipótese. Mas nunca duvide da capacidade de se redimir dos alemães. E menos ainda de Toni Kroos. O grande símbolo de uma vitória tão típica quanto épica.

(Estatísticas: FIFA)