Blog do André Rocha

Só Vinicius Júnior está se ajudando no Real Madrid

André Rocha

A semana foi de boas notícias para o Real Madrid. Os 3 a 0 em casa sobre a Roma na estreia da Liga dos Campeões mostraram que o time segue muito forte, mesmo sem Zidane e Cristiano Ronaldo. Já a rodada da liga espanhola, com vitória também no Santiago Bernabéu por 1 a 0 sobre o Espanyol e o empate por 2 a 2 entre Barcelona e Girona no Camp Nou, deixa o time merengue com os mesmos 13 pontos do Barça, só ficando atrás no saldo de gols (5 a 3).

Mas no sábado faltou tato ao treinador Julen Lopetegui. Incluiu Vinicius Júnior entre os relacionados, encheu de esperanças torcedores, mídia e fãs do jovem talento na Espanha e no Brasil, alimentou uma esperança no jogador…para sequer colocá-lo no banco de reservas.

Vinicius assistiu à partida e depois teve que se juntar ao Real Castilla para o jogo fora de casa no dia seguinte contra o Cultural Leonesa. Jogou com naturalidade, sofreu pênalti, arriscou suas jogadas características partindo com a bola dominada partindo do lado esquerdo e desperdiçou algumas chances.

Está claro que não é um jogador pronto. Nem poderia aos 18 anos, a menos que fosse um daqueles fenômenos que surgem de tempos em tempos. Vinicius vai precisar de tempo para se adaptar ao jogo no mais alto nível europeu. Ainda erra muito por afobação nas tomadas de decisão. Mas a qualidade, o toque diferente está lá. O clube espanhol pagou 45 milhões avaliando o potencial do jogador, não pelo que já entrega em campo.

O problema é que só ele parece estar se ajudando. Com paciência, sem a ansiedade de fãs e imprensa, que se empolgam com qualquer drible ou gol bonito em treinamentos que são transmitidos para todo o mundo e se espalham pelas redes sociais. Alguns lá na pré-temporada criaram uma ilusão de que bastaria encaixá-lo na vaga do CR7 e o Real estaria pronto para seguir soberano no continente.

Não é assim que funciona. Vinicius Júnior era a peça desequilibrante do Flamengo que liderou o Brasileiro até a parada para a Copa do Mundo e faz uma falta enorme ao treinador Maurício Barbieri, mas o futebol jogado por aqui não é parâmetro. Talvez fosse melhor até emprestá-lo a um time de menor investimento na primeira divisão espanhola para que ganhasse minutos em partidas com nível de competição mais alto. Na terceira divisão já está virando alvo dos adversários, inclusive gerando protestos por ''distorcer a competição'', como acusou o presidente do Cultural Leonesa.

Vinicius sabe que chegou cedo ao topo da carreira, vestindo a camisa do maior time da Europa e do planeta. Não tem pressa, quer aprender para se afirmar com maturidade. Lopetegui tem o direito de utilizá-lo quando bem entender e a concorrência com Bale, Isco e Asensio é pesada para o brasileiro. Mas um pouco de sensibilidade sempre ajuda.

O menino já tem os olhos do mundo voltados para si. Não precisa criar expectativas para depois frustrar os fãs e até alimentar os críticos que desconfiam das possibilidades do atacante promissor – no Brasil, aqueles que deram a Vinicius o absurdo apelido de ''Neguebinha''. Ele só precisa de calma e confiança, já que conta com o principal:  talento e todo o tempo do mundo.