Blog do André Rocha

Não há time mais aleatório no Brasileirão que o Santos
Comentários Comente

André Rocha

Gol sofrido aos quatro minutos de jogo no Moisés Lucarelli, numa rara hesitação do goleiro Vanderlei que Naldo aproveitou. Depois um domínio territorial com média de 63% de posse e seis finalizações contra duas da Ponte Preta, mas sem muitas ideias e deixando brechas entre os setores na execução confusa do 4-2-3-1 habitual para contragolpes que o adversário não soube dar acabamento.

O time de Eduardo Baptista tentava controlar os espaços num 4-1-4-1 organizado e forte pela direita com Nino Paraíba e Emerson para cima do frágil Zeca. Pelo setor, a estocada que encontrou Lucca livre na área para perder gol feito. Na volta, a nona assistência de Bruno Henrique, desta vez pela direita, e mais um gol de Ricardo Oliveira. No minuto final do primeiro tempo transformando um 2 a 0 que não seria nada absurdo em um empate por 1 a 1 que também carregava uma certa lógica.

Porque não há time mais aleatório nesta edição do Brasileiro que o Santos. Time da trocação, do jogo aberto, da aposta na qualidade do quarteto ofensivo, da dupla de zaga formada por Lucas Veríssimo e David Braz, ainda que expostos, e do goleiro Vanderlei.

E por que ainda disputa o título, ao menos na matemática? Porque o nível geral é fraco e nesta proposta de bater e levar cria mais problemas para os adversários mais reativos que outros quando tem a obrigação de atacar. Como não há uma equipe tão superior no trabalho coletivo, nem o líder Corinthians, o Santos vai pontuando e se mantendo no pelotão da frente.

Podia ter vencido em Campinas. No segundo tempo de postura mais agressiva da Ponte, com Eduardo Baptista trocando Emerson Sheik por Leo Gamalho e deslocando Lucca para o lado direito. Depois tirando os meias Naldo e Jean Patrick e colocando Jadson e Felipe Saraiva para reoxigenar o meio-campo e seguir atacando. Mesmo depois da tola expulsão de Fernando Bob que reagrupou o time num 4-4-1.

Levir seguiu em silêncio, pelos problemas de saúde, e não fez nenhuma substituição. Zero. Mesmo com o desgaste por conta da intensidade do oponente e até por necessidade em uma equipe não ajustada.

E quase saiu com a vitória, se o ''garçom'' Bruno Henrique não perdesse gol feito completando mal centro preciso de Lucas Lima da direita. Na 12ª finalização de um time com inegável vocação ofensiva, mas que parece tomar decisões sem um plano. O tempo todo. Como se contasse com o acaso para proteger o talento e a vontade de vencer.

Quem entende esse Santos?

(Estatísticas: Footstats)


Cruzeiro de Mano passa o Grêmio e pode repetir Flu 2007, de Renato Gaúcho
Comentários 5

André Rocha

Foto: Denis Dias/Gazeta Press

O Cruzeiro foi o primeiro campeão brasileiro da era dos pontos corridos. O primeiro e único a vencer também a Copa do Brasil, no 2003 mágico da ''tríplice coroa''. Quase repetiu o feito em 2014, mas o arquirrival Atlético impediu vencendo a final mineira da Copa do Brasil.

2017 foi o ano do penta no grande torneio nacional de mata-mata, nos pênaltis contra o Flamengo.  Pode também ser o de uma nova grande campanha no Brasileiro depois de duas edições após o bicampeonato flertando mais com Z-4 que com título ou vaga na Libertadores.

Com a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio em Porto Alegre, gol de Rafael Sóbis, eterno ídolo do Internacional, maior rival do adversário, o time de Mano Menezes ultrapassa Santos e o próprio time gaúcho para dormir na vice-liderança do Brasileiro. Se mantiver os bons resultados abrirá uma vaga na Libertadores dentro da competição por pontos corridos.

O mesmo que conseguiu o Fluminense em 2007. Campeão da Copa do Brasil em 6 de junho vencendo o Figueirense em Florianópolis, gol de Roger Machado, hoje treinador. Antecessor de Renato Gaúcho no Grêmio, comandante do tricolor carioca há uma década. O eterno falastrão que no ano seguinte diria que ''brincaria'' no Brasileiro se vencesse a Libertadores e, com a derrota nos pênaltis para a LDU no Maracanã, terminou o ano sem conquistas. Como corre o risco agora depois de tantas bravatas e autoelogios ao longo da temporada – mas também bom futebol, que parece cada vez mais perdido em funções de tantas alterações na equipe base.

Naquele 2007, porém, Renato conseguiu manter o Flu alerta e, mesmo com vaga assegurada no torneio continental e vendo o São Paulo disparar para o então bicampeonato que viraria tri no ano seguinte, fez ótimo segundo turno. Vencendo, inclusive, o incrível Flamengo de Joel Santana que acabou uma posição acima, pelo número de vitórias. Com isso abriu uma vaga na Libertadores que acabou caindo no colo…do Cruzeiro, à época comandado por Dorival Júnior.

Há uma década, o Grêmio, então sob o comando de Mano Menezes, chegou à final da Libertadores contra o Boca Juniors de forma até surpreendente. Foi, porém, superado pela equipe de Juan Roman Riquelme e não pôde retornar no ano seguinte. Por pouco, já que terminou o Brasileiro em sexto lugar. Dois pontos atrás… do Cruzeiro.

Em dez anos o mundo da bola girou e agora encontra clubes, personagens e contextos parecidos. Como será o desfecho desta vez? O Cruzeiro de Mano Menezes está sereno, o Grêmio de Renato tem motivos para se preocupar. Mas ainda pode virar o jogo bonito em 2017, inclusive encarando o Real Madrid nos Emirados Árabes Unidos. Quem vai saber?


A “camisa de força” que tirou a Holanda da Copa e aposenta Arjen Robben
Comentários 5

André Rocha

ESCREVE FELIPE DOS SANTOS SOUZA (colunista de futebol holandês no site Trivela e criador do blog Espreme a Laranja, sobre o mesmo assunto)

Por muito tempo, a Holanda teve o status de ser “o país da tática”. Justo: um país cuja extensão territorial é seis vezes menor do que a do estado de São Paulo teve a sorte de ter dois papas, em Rinus Michels e Johan Cruyff. Papas que aprenderam tudo com quem deixou sementes – como os técnicos Vic Buckingham e Jack Reynolds, que treinaram Michels no Ajax.

Papas que tiveram contemporâneos de inteligência tática também avançada, no banco (Ernst Happel e Wiel Coerver, antíteses de Michels) e no campo (Ruud Krol e Willem van Hanegem). Papas que deixaram ideias, até para que fossem questionadas, como foram por Louis van Gaal, a grande nêmesis de Cruyff, campeoníssimo com o Ajax nos anos 1990 – jogando de modo totalmente diferente do Futebol Total dos ‘70. E acima de tudo, papas que mudaram conceitos no modo como o futebol é jogado.

Mas tudo isso acabou.

A ausência da Holanda na Euro 2016 já deixava sinais da defasagem tática que o país vive em campo. E a confirmação veio com a primeira ausência em Copas da Laranja desde 2002 – fora de uma sequência Euro-Copa pela primeira vez desde o torneio europeu de 1984 e o Mundial de 1986. Há muitos fatores que podem explicar a derrocada holandesa. Mas dentro de campo, o principal deles é o apego excessivo aos velhos cânones holandeses: o 4-3-3 com pontas e a incessante troca de passes para tentar manter a posse de bola.

Obviamente, tais hábitos não são problemas. Basta citar que, nos mais badalados times europeus, jogar com três atacantes tem sido até habitual, seja falando de Bale-Cristiano Ronaldo-Asensio ou de Neymar-Cavani-Mbappé. A diferença: não há como jogar com três atacantes se a velocidade dos setores de trás não ajudar na marcação.

Eis um dos males da seleção holandesa: a lentidão do 4-3-3 habitual é exasperante. Em regra, a equipe tenta atacar pelas pontas, usando principalmente os laterais – normalmente, Daley Blind pela esquerda e a aposta da vez pela direita (ora o ofensivo Kenny Tete, que começou bem no Lyon, ora o mais defensivo Daryl Janmaat). Porém, em geral, os adversários estão bem compostos defensivamente. Resultado: os laterais precisam recuar a bola para os zagueiros, que recuam para os goleiros, que recomeçam as jogadas… e assim sucessivamente.

Holanda contra França: com adversário bem posicionado, saída de bola fica prejudicada (imagem: reprodução Sky Sports)

Quando enfim surge um espaço para atacar, novamente há prejuízo. Claro que o meio-campo tenta ajudar, com a volta dos volantes (Strootman e Wijnaldum) para buscarem a bola. Todavia, isso não acontece com os atacantes, que não voltam para oferecerem opções de jogada. Janssen fica preso entre as linhas, sendo mais hábil para tentar o pivô do que para finalizar, quesito em que tem falhado. Resta Robben. Cuja jogada “padrão” está cada vez mais manjada: ao preparar o corte para a perna esquerda, geralmente já há um zagueiro em cima dele – e outro na cobertura. Sendo assim, com os atacantes sem espaço para movimentação, a Holanda fica sem ação ofensiva. E com um buraco aberto no meio, pela demora de Strootman e Wijnaldum na recomposição, a Holanda vira presa fácil para contra-ataques.

Qualquer perda de bola no meio-campo rende espaço para contra-ataques adversários (imagem: reprodução Sky Sports)

Na defesa, a marcação por zona está absolutamente desorganizada. Basta citar o gol de empate de Belarus, na penúltima rodada: uma inversão de jogo simples pegou Maksim Volodko livre na esquerda, sem marcação, para chegar à área e vazar Cillessen.

Contra Belarus, Janmaat não fechou a direita. E Valadko ficou livre para o empate (imagem: reprodução Sky Sports)

E a Holanda não conseguiu criar alternativas de jogo para reagir. Um dado do jogo contra Belarus prova isso: a Laranja tentou sete chutes a gol durante o primeiro tempo. Em seis deles, Robben participou da jogada. Isto é: mesmo aos 33 anos, já perto da fase final da carreira, o atacante do Bayern ainda era indispensável. Era, porque ele se aposenta da seleção sem Mundial a disputar.

Portanto, já não deveria ser tão fundamental assim. Até porque a Holanda já teve, recentemente, uma prova de como rever conceitos táticos pode dar certo: a Copa de 2014. Jogando em seu estilo (4-3-3, bem aberta), num amistoso contra a França, em março daquele ano, a equipe de Louis van Gaal foi facilmente superada: o placar ficou no 2 a 0 para os Bleus, e poderia ter sido até maior, tal a superioridade dos mandantes em Saint-Denis.

Porém, no primeiro tempo daquele amistoso, Strootman – peça-chave no meio-campo de Van Gaal – lesionou um dos joelhos. Arriscou jogar no final de semana seguinte, defendendo a Roma pelo Campeonato Italiano, sobrecarregou o outro joelho e rompeu o ligamento cruzado. O volante estava fora da Copa. A partir daquele momento, Van Gaal teve de queimar as pestanas para achar um jeito de tornar a Holanda competitiva. Até porque ainda se acreditava na Espanha – e o Chile já dava claros sinais de evolução.

O treinador da seleção holandesa, então, engoliu em seco seu desejo de ofensividade. Entendeu: com o que tinha em mãos, ou protegia a defesa, ou a Holanda ficaria na primeira fase da Copa (palpite que muitos tinham, aliás). Daí, a preferência pelo 5-3-2, com três zagueiros e Nigel de Jong como o “cão de guarda” habitual no meio-campo. Com um tanto de dedicação e outro tanto de sorte – quem diria que Robben teria alguns dos melhores dias de sua carreira no Brasil? -, a Holanda conseguiu um terceiro lugar surpreendente e elogiável.

A lição estava dada. Mas nenhum dos sucessores quis segui-la: nem Guus Hiddink, nem Danny Blind, nem Dick Advocaat. Seguiu-se o 4-3-3, os pontas, a aposta no que os holandeses chamam “toevalsspel”, o jogo da coincidência. Trocando em miúdos: acreditar que, a qualquer momento, uma arrancada de Robben poderá definir as coisas.

Não pode mais. Pelo menos sem uma organização, não pode. E por causa de um orgulho tático que já não tem mais razão de ser, a Holanda ficou fora da Euro e da Copa do Mundo. Com uma geração de jogadores de nível mediano, e um campeonato de nível técnico trágico (PSV e Ajax foram eliminados nas fases preliminares dos torneios europeus, e o Feyenoord teve duas atuações terríveis na Liga dos Campeões), é a hora exata para uma das seleções mais tradicionais do mundo se reformular. Aprender não só a criar jogadores mais capacitados para as exigências atuais do futebol, mas também saber que o 4-3-3 é apenas uma possível opção, não a única.

É isso. Ou então, viver de passado. O pior é que nem é possível falar em “passado de glórias”, já que a Holanda só tem a Euro 1988 em sua galeria.

ESCREVEU FELIPE DOS SANTOS SOUZA


Vitória à prova de clichês reforça: Brasil será sério sempre até a Rússia
Comentários 7

André Rocha

A seleção brasileira tinha todo direito de escalar reservas e não se preocupar com o resultado que beneficiaria o Chile e poderia complicar a grande rival Argentina na última rodada das Eliminatórias.

Tite podia ter sacado Philippe Coutinho e Neymar no intervalo de uma disputa tensa, especialmente para o adversário, por estarem com um cartão amarelo, para evitar a expulsão e a suspensão para a estreia do Mundial na Rússia.

As 41 mil pessoas no Allianz Parque podiam ter testemunhado uma despedida em ritmo de treino do líder absoluto nas Eliminatórias. Mas esse Brasil de Tite é à prova de clichês. Refuta o comodismo, a indolência. O jogar só se for para valer.

Não está pronto para ser favorito ao hexa. É um dos candidatos pelos motivos de sempre: maior campeão, único presente em todas as edições. Tem qualidade e comando. Mas perdeu dois anos de gestão, processos, experiências, jogos. Nunca podemos esquecer o objetivo inicial quando a CBF enfim se curvou ao óbvio e deu a chance que Tite esperava desde 2014: não ficar de fora da Copa.

Mas ninguém pode dizer que essa equipe, incluindo comissão e jogadores, não entrega 100%. Cada um em seu ofício. Teve a melhor atuação brasileira na altitude de La Paz pelas eliminatórias que este que escreve lembra ter visto, superior até à última vitória na Bolivia (Santa Cruz de La Sierra) – 2 a 0 em 1985, gols de Casagrande. Só faltou o gol, porém não manchou o bom desempenho.

Na despedida, triunfo com autoridade e profissionalismo que manda para casa o campeão das últimas edições da Copa América. Paulinho para descomplicar na segunda etapa um primeiro tempo difícil no rebote da bola parada, Gabriel Jesus ganhando presentes na volta ao estádio do Palmeiras. De Neymar e Willian em contragolpes  de manual. No primeiro, lançamento primoroso de Coutinho. No último, defendendo a meta do estreante Ederson como se valesse a vida, a vaga no Mundial. Seriedade máxima.

Uma carta de intenções para a sequência de trabalho até a Copa. O Brasil pode voltar sem taça, mas será forte e sério. Sempre. Melhor assim.

 


Messi deve, sim, ser cobrado na Argentina pelo nível mais alto da história
Comentários 55

André Rocha

Foto: Alejandro Pagni (AFP/Getty Images)

Este que escreve ama e acompanha o futebol há mais de três décadas e não viu ao vivo ninguém melhor que Lionel Messi. Nenhum jogador combinou tão bem técnica, habilidade e objetividade por tanto tempo. Já completou uma década atuando em altíssimo nível e concorrendo ao prêmio de melhor do mundo – sua primeira indicação foi no ano em que Kaká venceu e o argentino terminou em segundo lugar.

Mesmo em uma temporada não tão inspirada, como a passada, é capaz de faturar a Chuteira de Ouro da UEFA pelos 37 gols no Campeonato Espanhol e só perder a artilharia da Liga dos Campeões para Cristiano Ronaldo na grande decisão, com o Barcelona eliminado nas quartas de final pela Juventus.

As conquistas e os recordes com o time catalão o colocam entre os maiores da história do esporte. Mas para as gerações que ainda colocam o desempenho na seleção como o grande parâmetro para avaliar o tamanho de um jogador, nas quais me incluo, é impossível negar que falta a Messi algo maior com a camisa albiceleste.

Os fãs mais apaixonados defendem o camisa dez alegando que ele não pode ser responsabilizado pelo caos na AFA, com constantes trocas de treinadores e sérios problemas de gestão, incluindo corrupção. Também que não tem culpa se seus companheiros não acompanham seu nível. Ainda assim, é o maior artilheiro da seleção bicampeã mundial, com 58 gols.

Não resta dúvida que depositar toda a culpa em um indivíduo pela falta de conquistas em um esporte coletivo sempre soará injusto. E Messi quase sempre entregou desempenho. Só que estamos tratando do mais alto nível. A excelência. O topo. E aí há uma dívida, sim.

Porque é inaceitável a Argentina passar pela Era Messi sem nenhuma conquista relevante. É absurdo estar há 24 anos sem títulos. Mais ainda se recordarmos que em todas as decisões o genial atacante teve chances cristalinas, que não costuma desperdiçar no seu clube, e falhou. Nas três últimas, definidas na prorrogação ou na disputa de pênaltis, podiam ter mudado a história.

Por mais que concordemos que ''a bola não entra por acaso'', naqueles segundos não havia AFA, companheiros medíocres ou qualquer outro obstáculo. Era Messi, o goleiro do oponente e seu ofício de marcar gols. Não podia desperdiçar.

Assim como a Argentina não pode ficar fora de uma Copa do Mundo. Caso aconteça será inevitável lembrar das oportunidades que ele também perdeu. Ou por errar a finalização, ou por preferir passar para os conterrâneos menos confiáveis na missão de ir às redes.

Porque Messi foi criado e moldado no jogo posicional do Barcelona. No qual cada jogador sabe exatamente sua função no trabalho da equipe. Por mais que Pep Guardiola diga que o time que comandou e fez história trabalhava para que o mais talentoso brilhasse, Messi pensa coletivamente. Arranca para fazer o gol, mas se percebe que passar a bola aumentará as chances de êxito ele não hesitará em fazê-lo. Está no DNA. Porém já deu tempo de perceber que é obrigatório assumir mais a responsabilidade representando seu país.

É cruel acusá-lo de ser ''menos argentino'' por não ter história em um clube de lá e ter saído cedo para a Europa. Até porque ninguém acreditou e investiu naquele menino com problemas hormonais que impediam seu desenvolvimento ósseo. Por isso a gratidão e o propósito de encerrar a carreira no Barcelona.

Mas segue faltando o gol decisivo para quem já marcou tantos. 579 como profissional, para ser mais exato. Deve o toque preciso que define para que lado vai a taça. Por mais méritos que tenham o Brasil de 2007 e o Chile em 2015 nas Copas América que faturaram e, principalmente, a Alemanha no título mundial vencido no Brasil, o direito de errar na frente do goleiro adversário tem que ser menor para Messi.

Porque ele está no Olimpo, com Pelé, Maradona e outros poucos. Mas por enquanto ainda olhando para cima ao mirar aqueles que levaram taças para seus povos. Até Cristiano Ronaldo e a conquista da Eurocopa se colocam acima. Se não é melhor, o português está maior que seu grande rival. Ainda que admitamos que este mostrou menos desempenho no título que conquistou do que Messi nas competições que deixou escapar.

Por isso não pode falhar na terça contra o Equador em Quito, nem em uma eventual repescagem. Se não for à Rússia ficará para sempre um degrau abaixo. Por mais duro que seja reconhecer isto para quem venera o talento genial do argentino.


A Espanha está na Copa do Mundo da Rússia e é bom ficar de olho nela
Comentários 1

André Rocha

A Espanha enfrentou a Albânia em Alicante no meio de uma turbulência política com a Catalunha e Piqué no olho do furacão. Entrou em campo sem Carvajal, Busquets, Iniesta e Morata. Mais Diego Costa, sem ritmo de jogo. O adversário é o terceiro colocado do Grupo G e chegou à penúltima rodada das eliminatórias ainda com chances de superar a Itália, a outra favorita. Disputou a fase final da Eurocopa 2016, um feito inédito.

Pois a equipe de Julen Lopetegui não tomou conhecimento e impôs seu estilo que mantém a valorização da posse de bola, mas ganha volume e aceleração quando entra na área do oponente. E a contundência na frente que faltou em vários momentos, mesmo na equipe bicampeão europeia e campeã do mundo.

Num 4-1-4-1 com o ótimo Saúl Níguez no lugar de Busquets, Rodrigo – brasileiro naturalizado, filho de Adalberto, ex-lateral do Flamengo nos anos 1980 e campeão mundial sub-20 em 1983, como único atacante. Intensa movimentação do quarteto Koke-Thiago Alcântara-David Silva-Isco. Com direito a recital dos dois últimos.

A Roja que deu espetáculo contra a Itália atuando sem uma referência no ataque também sabe jogar com pivô. Abre o campo com os laterais. Jordi Alba pela esquerda e o jovem Odriozola da Real Sociedad à direita. Autor do cruzamento para Thiago Alcântara marcar o último gol dos 3 a 0 ainda no primeiro tempo.

Com o empate da Itália em 1 a 1 com a Macedônia, a confirmação matemática da classificação em primeiro lugar. Invicta. Oito vitórias, um empate fora de casa com a Itália. 35 gols marcados, três sofridos. A Espanha tem renovação e maturidade, tem Isco vivendo o auge da carreira. País dos clubes que dominam o futebol mundial nos últimos anos, mesmo considerando o ''fator'' Messi e Cristiano Ronaldo, além dos outros estrangeiros das seleções mundiais que são Real Madrid e Barcelona.

O grupo parece mais vivido e homogêneo, com mais opções confiáveis para uma realidade de Copa do Mundo que o da Alemanha. Tem mais tempo de trabalho que o Brasil de Tite e conquistas recentes que transferem mais respeito que a França, vice em casa da Eurocopa, pode conseguir. É bom ficar de olho nesta Espanha.


O drama na Bombonera e de Messi na conta das escolhas de Jorge Sampaoli
Comentários 22

André Rocha

O futebol é cada vez mais coletivo. Mas o de seleções um pouco menos, por não ter o tempo dos clubes para treinamentos e a quantidade de partidas por temporada para adquirir entrosamento.

No caso da Argentina, com Jorge Sampaoli estreando em junho e fazendo seu primeiro jogo oficial em setembro, a qualidade individual ganha uma importância ainda maior. Na pressão sufocante da Bombonera e na urgência pelo resultado, a necessidade de jogadores talentosos e habituados a decidir em alto nível era imensa.

E o treinador tratado como um sopro de esperança deixou Dybala e Icardi no banco de reservas e caíram nos pés de Benedetto, ''Papu'' Gómez e Rigoni, que entrou na vaga de Di María no segundo tempo, as melhores oportunidades completando passes de Messi. Gênio argentino, que recuava, armava etambém teve três boas oportunidades de ir às redes.

Mas o Peru de Ricardo Gareca se fechou num compacto 4-1-4-1 totalmente concentrado em negar espaços e dificultar as finalizações do camisa dez albiceleste. A rigor, só ele podia decidir.

Piorou quando Sampaoli colocou Gago em campo. No sacrifício, durou oito minutos. Volante de passe qualificado, mas com a carreira prejudicada por lesões. Perdeu uma substituição, uma chance de resolver na individualidade. De definir o passe de Messi. Entrou Enzo Pérez…

Foram 19 finalizações, sete no alvo que consagraram o goleiro Pedro Gallese. O Peru ameaçou duas vezes, uma em cada tempo: cruzamento de Trauco e finalização perigosa de Farfán para fora e, no último lance, a cobrança de falta de Guerrero que fez Romero trabalhar. O drama podia ter virado tragédia.

A Argentina ainda respira e tem como vantagem enfrentar o eliminado Equador. Mas com os olhos do mundo voltados para este jogo e a chance de entrar para a história por tirar Messi do Mundial da Rússia pode motivar o franco-atirador. E ainda depende de outros resultados, inclusive do líder Brasil contra o Chile no Allianz Parque.

Era obrigatório vencer em casa, até para resgatar confiança. As escolhas de Sampaoli complicaram tudo e fizeram a Bombonera viver uma agonia de 90 minutos. Messi também sofreu. Lutou, criou e finalizou. Novamente não decidiu e segue devendo para o nível de um dos melhores jogadores da história do esporte. A última chance será em Quito na terça.

(Estatísticas: Footstats)

 

 


Dorival Júnior, exclusivo: “Aqui se olha para o futebol sem enxergá-lo”
Comentários 2

André Rocha

Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net

Um misto de alívio, esperança e preocupação norteou o papo com o treinador Dorival Júnior sobre o momento do São Paulo: time fora da zona de rebaixamento, mas sem o direito de perder a concentração na pausa de dez dias para a data FIFA. Margem de erro pequena, mas otimismo quanto à evolução da equipe, além do incômodo com o imediatismo e a cobrança excessiva por resultados.

BLOG – O São Paulo vem jogando uma vez por semana há algum tempo e agora tem pausa de dez dias – dois dias de folga e sete sessões de treinamentos. O time saiu da zona de rebaixamento depois de 13 rodadas. Qual o risco de um relaxamento ou desmobilização?

DORIVAL JÚNIOR – O cuidado maior deve ser na dosagem dos treinamentos. Se aumentar o volume de trabalho pode ser prejudicial, mas também não pode tirar o pé do acelerador. Equilibrar as informações diárias sobre a condição dos atletas com o feeling de tantas experiências parecidas. O importante é que não percamos competitividade nesta pausa.

BLOG – Sua equipe, até por necessidade, vai tentar propor o jogo no dia 11, em Belo Horizonte contra o Atlético Mineiro?

DORIVAL JÚNIOR – Nossa situação não permite celebrar esse alívio na tabela. Temos que respeitar as nossas características, mas também as particularidades do adversário. Não podemos nos comportar como ''sparring'', precisamos pontuar. Será jogo de superação. Com segurança, mas sem deixar de ser agressivo.

BLOG – Como você avalia a evolução do São Paulo nos últimos jogos com uma formação sem um volante na proteção, com Petros à frente da defesa?

DORIVAL JÚNIOR – A aproximação dos setores está deixando os atletas mais confortáveis e já é possível arriscar movimentos diferentes, como dois dos atacantes voltando e os outros dois infiltrando na última linha do adversário. Estamos conseguindo confundir mais a marcação com a mobilidade de Lucas Fernandes, Marcos Guilherme, Cueva e Pratto. Tivemos alguma dificuldade na criação das jogadas contra o Sport, mas faz parte do processo.

Sem a bola, me agrada muito notar que eles estão mais interessados e preocupados com o trabalho defensivo. A colaboração de todos na compactação vem corrigindo um erro grave nos gols tomados, que era a equipe muito espaçada. Agora a última linha está mais protegida e também bem posicionada.

BLOG – Você é um treinador que preza muito a posse de bola e o estilo mais ofensivo. Como está vendo o Brasileiro com predomínio do jogo mais reativo? Mudou algo nas suas convicções?

DORIVAL JÚNIOR – É preocupante. Mas o que noto é que muitos dos que reclamam do futebol jogado no Brasil são os mesmos que cobram resultados imediatos.  É um assunto muito debatido, mas sem dados concretos. É algo que está incomodando, mas pode tirar da zona de conforto. Eu tenho conceitos e uma visão de futebol. Já venci e perdi propondo jogo ou reagindo à iniciativa do adversário. Não vou mudar. Para mim o futebol, na fase ofensiva, é posse de bola, deslocamentos, velocidade e infiltração.

BLOG – Mas você concorda que o dito ''futebol moderno'' chegou aqui primeiro pela dinâmica defensiva e ainda estamos atrasados na evolução da construção do jogo?

DORIVAL JÚNIOR – Concordo, mas esse desequilíbrio existe praticamente no mundo todo. O trabalho defensivo evoluiu demais. Antes era privilégio de Itália, Alemanha, Inglaterra…Na Alemanha houve primeiro uma mudança de mentalidade e depois a chegada do Guardiola. É uma nova escola de futebol.

Mas no mundo todo houve um acréscimo no jogo coletivo sem a bola, por pragmatismo, que não foi acompanhado pelo trabalho ofensivo. A única evolução foi a busca maior da amplitude no ataque com os pontas. É provável que as defesas prevaleçam sobre os ataques durante algum tempo. Cabe a nós, treinadores, complementarmos nosso trabalho e dar mais qualidade às ações de ataque.

BLOG – Então o futebol hoje está mais para Mourinho que Guardiola?

DORIVAL JÚNIOR – Foi uma transformação rápida, uma mudança por necessidade. Aproxima as linhas, marca por zona. Agora usando até cinco homens, exatamente para negar espaços no fundo do campo. Fecha o centro, induz o rival a abrir a jogada para interceptar o cruzamento. Houve mais inovações neste aspecto e mais times jogando desta maneira.

BLOG – Qual a dificuldade de trabalhar conceitos de jogo em um elenco que mal se conhece, mexido, desentrosado e sofrendo enorme pressão para vencer e subir na classificação?

DORIVAL JÚNIOR – No Santos eu tive dois anos e pude trabalhar uma filosofia e ir encaixando algumas situações ao longo do tempo. Aqui eu preciso adaptar, dentro das minhas convicções. Não posso me dar ao luxo de arriscar muito, por tudo que você expôs na pergunta. Primeiro proteger, depois fazer os jogadores acreditarem na proposta.

BLOG – Você falou em ''proteção''. E os muitos gols sofridos, especialmente no início do trabalho, que geraram muitas críticas?

DORIVAL JUNIOR – É questão de tempo de trabalho. Tem jogador que mal se conhece. Em outubro, quase no fim da temporada, muitos não completaram sequer uma dúzia de partidas pelo clube. É o Militão adaptado à lateral direita, vários problemas. Mas querem soluções rápidas. Aqui se olha o futebol sem enxergá-lo. São cobranças descabidas e uma visão deturpada em todos os segmentos.

BLOG – Ainda dentro deste tema, como é possível orientar o Pratto com essa ansiedade de dez rodadas sem marcar gols?

DORIVAL JÚNIOR – Internamente ele sabe da sua importância. É um cara coletivo, mas com ambições. O grupo vem administrando isso muito bem. Todos têm noção da sua contribuição na abertura de espaços, nos deslocamentos. Sua movimentação compensa a falta de gols. Como gestor procuro tranquilizá-lo, por mais que ele seja experiente. Mostrar que está no caminho correto e que as coisas vão acontecer naturalmente. E sua importância não é só dentro de campo, tem a liderança que contribui demais.

BLOG – O fato de termos o oitavo colocado separado do 18º por apenas quatro pontos ajuda por motivar a conseguir uma sequência de bons resultados e respirar aliviado ou é preocupante porque os jogos serão mais duros e qualquer vacilo significa a volta ao incômodo Z-4?

DORIVAL JÚNIOR – Em todas as edições do Brasileiro da Série A que disputei o returno foi bem mais disputado que o turno. É uma constante e este ano parece ainda mais dura a concorrência. Os jogos serão mais parelhos e essa distância mínima deixa tudo ainda mais complicado. Sem dúvida é a edição mais difícil que já disputei e será assim até a última rodada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Se é momento para testes, por que não um Brasil à la Real Madrid?
Comentários 6

André Rocha

Foto: Ricardo Botelho (FolhaPress)

Para o jogo contra a Bolívia em La Paz na quinta-feira, Tite confirma a mudança forçada – Alex Sandro no lugar dos lesionados Marcelo e Filipe Luís na lateral esquerda – e uma por opção: Thiago Silva na vaga de Marquinhos, formando a zaga com Miranda.

A outra alteração em relação à última rodada das Eliminatórias é o retorno de Philippe Coutinho ao lado direito da linha de meias do 4-1-4-1 à frente de Casemiro. Com a saída de Willian, a mudança de perfil, como afirma o próprio treinador: ''Tenho um mais vertical e agudo, que ataca os espaços (Willian), e outro mais construtor (Coutinho)''.

Coutinho constroi porque é meia. Dos bons. Mas costuma render melhor partindo da esquerda ou do centro. Na própria seleção, seus grandes momentos, incluindo o golaço sobre a Argentina, foi saindo do lado direito para circular às costas dos volantes adversários. Quando abre ainda fica desconfortável, não tem o timing para as combinações com Daniel Alves.

Tite deixa claro que sua convicção é na qualificação deste 4-1-4-1 até a Copa, com a variação do desenho tático para o 4-2-3-1 com Coutinho por dentro e Willian pela direita. Legítimo, até pelo pouco tempo de trabalho até aqui e menos ainda até o Mundial da Rússia.

Mas por que não um teste para ter um coelho na cartola, algo para surpreender os rivais que certamente depois de confirmarem suas vagas na Copa vão dissecar um dos candidatos ao título? E isto é possível sem mexer na formação titular.

O Real Madrid conquistou Espanhol e Liga dos Campeões na temporada europeia passada e cresceu na reta final quando Zinedine Zidane, sem o lesionado Gareth Bale, colocou Isco em seu lugar. Com isso mudou também o sistema: de um 4-3-3 rígido, com Casemiro na proteção e dois meio-campistas mais organizadores – Modric e Kroos – e o trio ''BBC'' na frente. para um 4-3-1-2 mais flexível, com ou sem a bola.

Porque Isco ganhou liberdade para circular e também permitiu que Cristiano Ronaldo não fosse nem centroavante, nem ponteiro, mas atacante numa dupla com Benzema. Trocando de lado, buscando as diagonais, tabelando. A  troca deu liberdade aos laterais Carvajal e Marcelo para apoiarem ao mesmo tempo, abrindo o sistema defensivo adversário.

Sem a bola, duas linhas de quatro. A do meio-campo bastante móvel,em função do posicionamento de Isco no retorno. Se ele volta pela direita, Casemiro e Modric fecham o meio e Kroos abre à esquerda; se retorna pela esquerda é Modric quem abre pela direita e Kroos se junta ao volante brasileiro no centro. Quando Isco recompõe centralizado, Casemiro se adianta na compactação e Modric e Kroos fecham os flancos.

O 4-3-1-2 com Isco se aproximando da dupla Cristiano Ronaldo-Benzema e voltando na recomposição formando uma linha de quatro móvel com Casemiro, Modric e Kroos, de acordo com o posicionamento do camisa 22 na recomposição (Tactical Pad).

Tudo executado com naturalidade e inteligência, como atua o time merengue, especialmente nos jogos grandes, decisivos. É uma equipe que se adapta às necessidades da disputa e sabe jogar com posse, instalado no campo de ataque, ou em transições ofensivas rápidas, aproveitando os espaços às costas da defesa do oponente.

Na seleção, Coutinho pode ser Isco, jogando solto, sem a obrigação de ficar ou partir do setor direito. Com isso se aproximaria mais da dupla Gabriel Jesus-Neymar, todos com autonomia para circular e procurar espaços para surpreender as retaguardas com tabelas, triangulações, infiltrações em diagonal dos atacantes.

Tite não gosta de tirar Neymar do setor esquerdo. De fato, é onde a estrela brasileira mais rende. Mas a liberdade para o talento nunca é improdutiva e as trocas com Gabriel Jesus, as diagonais mais curtas, mesmo saindo da esquerda, podem tornar o camisa dez ainda mais letal. Mais próximo da meta adversária.

Sem a bola, a lógica seria a mesma do atual bicampeão europeu: Coutinho se juntaria a Casemiro, Paulinho e Renato Augusto e a distribuição dos quatro na linha à frente da defesa se daria de acordo com o camisa onze, No caso da seleção poderia haver outra referência: o posicionamento de Paulinho e Renato Augusto, que costumam trocar muito. De lado e de função. Paulinho recua para usar seu poder de marcação. Já com Renato mais atrás o objetivo é ganhar um organizador e qualificar a saída de bola.

O meio-campo em losango na seleção teria a mesma dinâmica do Real Madrid, com Philippe Coutinho como meia de ligação e referência para a composição da segunda linha de quatro no momento defensivo. Na frente, Gabriel Jesus e Neymar com liberdade e nas laterais Daniel Alves e Marcelo aproveitando os corredores abertos (Tactical Pad).

Tite tem Casemiro e Marcelo, quando este voltar, para obter ainda mais detalhes sobre a execução. Sem contar que a referência continua sendo o seu amigo Carlo Ancelotti, já que a base do modelo de jogo, ainda que tenha amadurecido e se aprimorado, vem do italiano, que tinha Zidane como auxiliar em sua passagem pelo clube, de 2013 a 2015. Ou seja, não seria algo a surgir ''do nada''.

Até porque o sistema não seria algo inédito para o comandante canarinho. Com outra dinâmica, o 4-4-2 com o meio-campo em losango já foi utilizado. O mais marcante no Internacional campeão da Copa Sul-Americana em 2008 e vice da Copa do Brasil no ano seguinte. Com Sandro ou Edinho plantado à frente da defesa, Magrão e Guiñazu pelos lados e D'Alessandro como ''enganche'', articulando para a dupla Taison-Nilmar. Tempos de menos compactação e mais encaixes e perseguições individuais, mas ainda um 4-3-1-2.

Uma possibilidade, nada complexa. Algo para sair um pouco do plano original e da sua variação mais conhecida. Sem mudar a escalação ou afetar o entrosamento. Porém mexendo nas peças para ter uma alternativa. Por que não um Brasil à la Real Madrid?


A incompetência que trava o Flamengo bom pagador
Comentários 3

André Rocha

A estratégia dos preparadores de goleiros com Muralha definindo um mesmo canto em todas as cobranças de pênalti na decisão da Copa do Brasil, sem nenhuma inversão para surpreender os cobradores e, pior, com a informação chegando aos jogadores do Cruzeiro no Mineirão foi apenas mais um equívoco do departamento de futebol do Flamengo.

Um novo obstáculo para o clube no seu grande objetivo desde 2013: transformar as dívidas equacionadas e o aumento das receita em time forte, competitivo. Vencedor. Transformar investimento em desempenho e, consequentemente, resultado.

Mas ainda um erro pequeno diante de outros absurdos, como disputar um Brasileiro rodando o país sem considerar o enorme desgaste de viagens seguidas e jogando sem a vantagem real do mando de campo. Ou contratações mais que questionáveis, como Conca pela questões físicas, ainda que praticamente sem custos, e Berrío, que não era exatamente o ponteiro driblador e finalizador que Zé Ricardo havia pedido. Dois cartuchos queimados sem mudar o patamar da equipe.

Se a Copa do Brasil era uma meta de conquista em 2017, por que reforçar o elenco apenas quando as inscrições já estavam encerradas? No Brasileiro, o primeiro turno do Corinthians mostra que começar bem o campeonato pode ser uma vantagem a ser administrada no returno. Como, se o grupo de atletas só fica completo em agosto?

Exatamente quando a temporada afunila e não há tempo para treinar. O resultado é que o Flamengo, com estas práticas, acaba formando o time para vencer o Carioca. Aí, sim, os reforços ficam nivelados fisicamente e o tempo, ainda que não o ideal, para treinamentos melhora o entrosamento. Mas só mesmo para a disputa regional, porque o elenco disponível de fevereiro a maio não foi capaz de superar a fase de grupos da Libertadores. Mais um vexame continental.

Os muitos pecados podem ajudar a construir o seguinte cenário no final de 2017: sem títulos relevantes, talvez até sem o consolo da Sul-Americana, que agora é prioridade. E por colocar mais um torneio acima do Brasileiro, acabar sem uma vaga no G-6.

Em campo, como você já leu AQUI, o time segue ''arame liso'', ''pecho frio'' e com elos fracos. Não mudou tanto assim com Reinaldo Rueda. Porque, como você também já viu neste blog, não há como esperar resultados diferentes com escolhas semelhantes.

O ''gargalo'' está na gestão. No presidente Bandeira de Mello que acumula a vice-presidência de futebol e já se mostrou mais político que executivo, no CEO Fred Luz que não tem experiência no esporte, no diretor de futebol Rodrigo Caetano sem poder de decisão e aparentemente acomodado e no gerente Mozer que parece sem função na prática.

Não há outro termo, por maior que seja o respeito aos profissionais e à uma administração que viabilizou financeiramente um clube que parecia ladeira abaixo rumo à insolvência: é a incompetência que trava o Flamengo em seus planos ambiciosos. É urgente mudar nomes e métodos antes que cheguem à tola conclusão de que o Fla campeão é o do caos e das dívidas, não o bom pagador.

Nem voltar ao inferno, nem seguir no limbo. Caminhar é preciso.