Blog do André Rocha

Arquivo : atleticonacional

Reinaldo Rueda e Flamengo: relação que já nasce imediatista
Comentários Comente

André Rocha

Reinaldo Rueda é mais um treinador estrangeiro a desembarcar no Brasil cercado de expectativas. Campeão da Libertadores com o Atlético Nacional, alimenta a esperança do torcedor do Flamengo de colocar na rota do sucesso e das conquistas o elenco milionário construída pela gestão financeira responsável do clube.

Em relação à imprensa será visto com a desconfiança habitual pelos que refutam a presença de comandantes estrangeiros no país. Mas como tem perfil estudioso, porém não é nenhum garoto com seus 60 anos pode agradar aos mais atualizados, mas também à “velha guarda”.

No entanto, a relação entre Rueda e Fla já nasce com urgências. Imediatista. Simbolizada pela chegada ao Rio de Janeiro e a viagem logo em seguida para Belo Horizonte acompanhar a derrota por 2 a 0 para o Atlético Mineiro. Pela necessidade de recuperação no Brasileiro, porque há uma semifinal de Copa do Brasil contra o Botafogo aquecida pela rivalidade regional e também a urgência em conquistar um título internacional e a Sul-Americana aparece como ótima oportunidade.

Talvez a única com o treinador colombiano. Porque no melhor dos cenários o Flamengo será uma mera ponte para o grande sonho de Rueda: voltar a comandar a seleção do seu país, mas desta vez em um ciclo completo de Copa do Mundo. Não como “bombeiro” para buscar o milagre da classificação para o Mundial, como aconteceu, sem sucesso, no ciclo de 2006.

Ele é o favorito  para suceder o argentino José Pekerman depois do Mundial da Rússia. A informação de bastidor é de que há uma cláusula de liberação sem multa no contrato (atualização pós anúncio oficial: não há a cláusula contratual, mas o risco continua o mesmo) . Ou seja, se não demiti-lo antes, o Fla pode ficar sem técnico no segundo semestre do ano que vem. A única competição que poderia comandar do início ao fim seria o estadual.

Diante da falta de opções mais confiáveis é uma aposta válida. Rueda é antenado e bom gestor de grupo. Tem perfil semelhante ao de Tite. Não por acaso foi atrás de Carlo Ancelotti na Alemanha para buscar aprimoramento de suas ideias. É mais administrador de elencos que um gênio criativo. No Atlético Nacional deu sequência a um projeto que passou pelas mãos de Juan Carlos Osorio e conseguiu seis títulos em sete finais disputadas. Sem reveses, já que o que não conquistou, da Copa Sul-Americana, foi cedido em solidariedade à Chapecoense.

Mas não faz milagres. Com o desmanche da equipe de Medellín, sem Berrío, Guerra e Borja que vieram atuar no futebol brasileiro, caiu na fase de grupos da Libertadores. Com duas derrotas para o Botafogo. Manteve a proposta ofensiva e sofreu com o jogo reativo do time de Jair Ventura.

Não quer dizer que será derrotado na quarta-feira. Assim como seus títulos na Colômbia nada garantem agora. É uma nova história. Um idioma a aprender, uma cultura a descobrir. Resultadista e intensa, até cruel nas cobranças.

Rueda pode dar muito certo, mesmo com a péssima primeira impressão que certamente teve no Estádio Independência. Consolidar a recuperação de Berrío, fazer Diego e Everton Ribeiro se entenderem na criação, aproveitar o compatriota Cuéllar de maneira mais efetiva no meio-campo, posicionar melhor o sistema defensivo e dar mais chances aos jovens do elenco – também teve passagem pela seleção sub-20 da Colômbia.

Armar o time no 4-2-3-1 ou no 4-4-2 que utilizou no Nacional ou seguir o exemplo de Tite e implantar o 4-3-3/4-1-4-1 bebendo na fonte de Ancelotti. Construir um modelo de jogo forte e competitivo, potencializando as qualidades individuais através do coletivo.

A questão é o tempo. O encaixe precisa ser rápido, a margem para testes e experiências é mínima. E há uma massa de torcedores ansiosa, querendo tudo para ontem. Rueda sabe, ou deveria saber, que os mesmos que clamaram nas redes sociais para que ele viesse e fizeram festa no aeroporto podem pedir sua saída na primeira sequência ruim.

Que não seja mais um triturado por nossa máquina de moer que já vitimou ou desgastou Gareca, Osorio, Bauza, Aguirre, Fossati, entre outros estrangeiros. Paciência é artigo raro por aqui, ainda mais com quem não fala nossa língua. Boa sorte a Rueda! Ele vai precisar…


Pimpão é o símbolo do Botafogo no limite, mas classificado
Comentários Comente

André Rocha

Botafogo novamente no 4-3-1-2 variando para as duas linhas de quatro que sacrifica Pimpão pela esquerda, mas é forte nos contragolpes exatamente com a referência de velocidade. Faltou contundência ao Atlético Nacional que rondou a área adversária e forçou pelos flancos com Quiñonez e Ibargüen (Tactical Pad).

A pré-temporada apressada e intensa para quem precisa passar pelas fases iniciais da Libertadores sempre cobra o preço em algum momento do ano. Precisa ser competitivo muito rapidamente e tem jogos duríssimos no momento em que o ideal é ganhar força gradativamente.

O Botafogo foi de entrega total diante de Colo Colo e Olimpia. Depois um grupo duro, com o atual campeão Atlético Nacional, mais Estudiantes e Barcelona de Guayaquil. Sem respiro.

Natural oscilar em desempenho. Quando tentou propor jogo se complicou no Engenhão contra o Barcelona. Era preciso vencer para não ter que pontuar na rodada final contra os argentinos. O desafio era encarar o time colombiano em recuperação, de bela atuação na volta da decisão da Recopa Sul-Americana atropelando a Chapecoense.

Era preciso sacrifício. E jogar no limite é com Rodrigo Pimpão. No 4-3-1-2 armado por Jair Ventura, é o atacante de velocidade com piques seguidos. Só que também precisa voltar pela esquerda para compor a segunda linha do 4-4-2 que é a variação tática para bloquear os flancos.

Primeiro tempo sofrido. Gol perdido por Roger em contragolpe puxado por Pimpão logo no início. Atlético Nacional no habitual 4-2-3-1 que dá liberdade a Macnelly Torres na articulação e força pelos flancos, desta vez com Quiñonez e Ibargüen.

60% de posse, sete finalizações a cinco de quem precisava dos três pontos para sobreviver. O Botafogo tentava controlar o jogo sem a bola para acelerar a transição ofensiva. Mas pecava nos passes. Muitas bolas longas e inversões. Ficou menos com a bola e errou mais: 23 a 20.

Quando trabalhou no chão com passe mais curto que permitiu descer em bloco, Lindoso encontrou Pimpão em seu primeiro deslocamento saindo do lado esquerdo. Arranque e finalização precisa. O quarto no torneio continental.

O gol no início da segunda etapa para afirmar a maneira de jogar e minar as forças dos colombianos, que seguiram insistindo pelos lados, mas sem contundência. Até pela atuação impecável do jovem zagueiro Igor Rabello. Reinaldo Rueda arriscou um 4-4-2 com o atacante Luis Carlos Ruiz na vaga do volante Aldo. Jair respondeu com velocidade: Guilherme no lugar de Roger.

Mas sem poupar as energias de Pimpão, que seguia indo e voltando pela esquerda. Até sair exausto para entrar Gilson. Guilherme perdeu a chance de ampliar, assim como Carli desviando cobrança de escanteio. Foram 12 finalizações, uma a menos que os visitantes. Nada menos que 23 desarmes certos contra dez. Seguiu errando mais passes, porém compensou com fibra e a eficiência na conclusão.

O símbolo de todas as virtudes é Pimpão. Deixando 100% no campo. O prêmio veio em forma de vaga nas oitavas-de-final na Libertadores. A competição mais importante que foi priorizada. Desde o início, com todos os sacrifícios. Um exemplo.

(Estatísticas: Footstats)


Vitória histórica para afirmar o Botafogo como um time pronto e maduro
Comentários Comente

André Rocha

Eram 44 anos sem uma vitória fora de casa na Libertadores. Era o quarto adversário tradicional nesta edição, depois de Colo Colo, Olimpia e Estudiantes. O Atlético Nacional, atual campeão, no Atanasio Girardot.

Sem o bom zagueiro Marcelo, sem Aírton e Montillo. A ausência do argentino, ao menos, fez o Botafogo de Jair Ventura voltar ao 4-3-1-2 que varia para o 4-4-2 sem a bola do Brasileiro, dando liberdade a Camilo.

Linhas compactas para negar espaços e controlar o jogo sem a bola. A trinca de volantes formada por Lindoso, Bruno Silva e João Paulo marcando por zona e tirando espaços de Macnelly Torres, o meia criativo do 4-3-3 armado por Reinaldo Rueda.

A chave novamente era Pimpão, que voltava pela esquerda na segunda linha de quatro e ainda era a referência de velocidade para os contragolpes. Depois de um impedimento inexistente, o atacante acelerou a transição ofensiva, mas soube aguardar a chegada dos companheiros para atacar em bloco e João Paulo, pela direita, colocar na cabeça de Camilo.

Uma das três finalizações alvinegras, duas no alvo. Contra os 62% de posse e as cinco finalizações do time da casa. Pouco, mais pelo mérito alvinegro na organização ofensiva que só tinha dificuldades contra os dribles do ponteiro Ibargüen pela esquerda.

Segundo tempo com Rueda trocando Bernal por Aldo Ramírez para melhorar a produção do meio-campo. Jair Ventura perdeu Pimpão que, sacrificado com função tão exaustiva, estourou o músculo. Entrou Guilherme.

Jovem atacante enviado para o lado direito e Camilo recuou à esquerda num 4-1-4-1 com Lindoso mais plantado entre a defesa e o meio. O time sentiu a falta de seu atacante mais incisivo e recuou. Rueda fez a leitura e abriu Cristian Dájome como ala pela direita e mandou Daryo Moreno para o centro do ataque. O zagueiro Nájera saiu e o lateral Bocanegra ficou um pouco mais fixo.

A pressão aumentou, o time colombiano rondou mais a área e finalizou nove vezes em 45 minutos. Mas sem a chance cristalina. Jair reoxigenou o time com juventude: Fernandes e Sassá nas vagas de Camilo e Roger. Era se defender e esperar a chance do contra-ataque letal.

Plano executado com perfeição. Nos acréscimos, a arrancada de Guilherme e a finalização precisa no canto esquerdo de Armani. O Atlético estava invicto em casa em 2017 e não perdia para equipes estrangeiras há dois anos em seu estádio.

Mas o Botafogo foi maduro, ganhou casca com o poder de superação desde o ano passado. De candidato ao rebaixamento no Brasileiro a classificado para as fases eliminatórias. Depois só pedreiras e vagas conquistadas no limite. Agora um grupo duríssimo.

Até aqui, nada foi um obstáculo capaz de conter o Botafogo que parece pronto para tudo nesta Libertadores. Depois da vitória histórica, o próximo desafio é o Barcelona. Não o espanhol, mas o colíder do grupo com a mesma campanha em todos os critérios. Em Guayaquil. Quem pode duvidar do time de Jair Ventura?

(Estatísticas: Footstats)

 


Uma vitória que simboliza a reconstrução com dignidade da Chapecoense
Comentários Comente

André Rocha

Mais que todas as homenagens, lágrimas, palavras de esperança e gestos de solidariedade e gratidão antes, durante e depois da bola rolar, o que fica de lição deste Chapecoense x Atlético Nacional é a vaia da torcida para o desentendimento entre Macnelly Torres e Moisés no segundo tempo. Algo que normalmente é exaltado nos campos brasileiros como “futebol de verdade”. Que sirva de exemplo.

Em campo, a sexta vitória consecutiva na temporada da equipe montada do zero sob o comando de Vagner Mancini significa bem mais que a vantagem do empate na partida de volta pela Recopa Sul-Americana.

Simboliza uma reconstrução com a dignidade que virou marca do clube catarinense. Planejamento dentro da realidade, sem projetos megalomaníacos. Sabendo exatamente onde pode pisar. Também sem exigir caridade.

Sim, é preciso olhar pelas famílias dos que se foram na tragédia do ano passado, mas o tamanho da perda e a necessidade de reagir rápido para estar minimamente pronto em 2017 justificam o estabelecimento de prioridades. Não há parâmetros para medir a dor e o desatino.

Em campo, a  nova Chape parte de uma proposta pragmática para ser competitiva de forma mais rápida. Nos jogos grandes se baseia em concentração defensiva, velocidade nos contragolpes e muito foco nas jogadas aéreas com bola parada.

No 4-1-4-1 com Andrei Girotto atento à cobertura de Apodi, mesmo com este trabalhando mais como lateral e não como o ala de outros tempos. João Pedro, ex-Palmeiras, virou meia com Luiz Antonio no centro e Rossi e Arthur Caike nas pontas, deixando Tulio de Melo à frente.

A Chape deixava os zagueiros do Atlético Nacional saírem jogando e começava o bloqueio a partir de zagueiros e laterais para ter superioridade numérica onde estava a bola quando o adversário entrasse no seu campo. Mesmo assim teve dificuldades.

Porque o campeão da Libertadores, apesar das muitas mudanças na base vencedora de Reinaldo Rueda, continua muito forte. Trabalha a bola, tem mobilidade e variação tática – do 4-2-3-1 para o 4-4-2 quando o atacante Dayro Moreno se junta ao centroavante Luis Carlos Ruiz e Bernal ocupava o lado direito no meio.

Jogo igual, definido na bola parada pelo time menos ajustado. Pênalti bem cobrado por Reinaldo e o golpe de cabeça de Luiz Otávio, substituto do lesionado Douglas Grolli. O empate do Atlético na jogada trabalhada finalizada por Macnelly Torres.

Ao contrário do que diz o clássico de Jackson do Pandeiro, este jogo bem que podia terminar 1 a 1. Com todos vencedores, o que não deixou de acontecer na alma de cada um. Mas se no jogo da gratidão o Atlético não entregou o resultado como fez com a Copa Sul-Americana, a Chapecoense precisava mais do triunfo.

Para consolidar um novo tempo. De entrega de todos que fazem um novo time para o clube emergente. De vontade de seguir vencendo independentemente da compaixão inevitável quando os olhos miram a Arena Condá.


O mundo cão volta a latir alto para a Chapecoense
Comentários Comente

André Rocha

Wagner Mancini Chape

Primeiro foram as declarações lamentáveis de Marco Polo Del Nero, Fernando Carvalho e Vitório Piffero ainda na dor recente da tragédia. Depois algumas homenagens prometidas que não aconteceram por detalhes tão pequenos diante da enorme perda, em contraste com toda a generosidade do Atlético Nacional , dos colombianos, do Barcelona e de outros cantos do planeta.

Agora, com a Chapecoense definindo diretoria e comissão técnica, as declarações do novo técnico Wagner Mancini lamentando a postura de times da Série A que inicialmente se colocaram à disposição para colaborar na reconstrução do elenco e agora disponibilizam apenas as peças descartáveis de sua folha salarial.

Como quem no final do ano revira o guarda-roupa e os armários para doar  sapatos velhos e camisetas furadas, como se o necessitado fosse uma lixeira do que não se quer mais. Tudo para passar o Natal com a “consciência tranquila”.

Na prática, os clubes querem empurrar os próprios problemas para quem está precisando de ajuda. Não seria nada complicado se os “coirmãos” se reunissem e cada um disponibilizasse um reserva com potencial ou um jovem promissor. Com o devido cuidado para equilibrar o elenco por faixa etária e posição.

A Chapecoense não perdeu “apenas” 19 jogadores. Boa parte do planejamento também se foi com os dirigentes que estavam no avião da Lamia, sem contar a comissão técnica. Então até mesmo uma certa hesitação neste início na avaliação das possíveis contratações é mais que compreensível.

A maior tragédia da história dos esportes deixa um trauma ainda difícil de dimensionar. A falta de confiança nos pares também prejudica na hora de analisar as ofertas. Está claro que a missão não é, nem será fácil.

Não é tratar como “coitadinho”, mas entender o impacto do ocorrido na vida de uma instituição ainda jovem, sem o lastro de outras e ganhando visibilidade maior agora por algo que ninguém gostaria que tivesse acontecido.

Por isto o blog insiste com a ideia de imunizar a Chapecoense de rebaixamento ao menos no ano que vem. No Brasileiro e também no estadual, pois está claro que o início da reformulação terá uma enorme complexidade. É hora de mostrar as duas grandes virtudes que levaram o clube ao seu auge: humildade sem complexo de inferioridade e noção de suas possibilidades.

Triste ver que depois dos corpos enterrados o mundo cão volta a latir alto e forte para quem ainda necessita tanto de um abraço. Sincero e solidário. A Chape vai precisar de toda força do mundo inteiro para se reerguer.

 


O Atlético Nacional não merecia! Time, torcida, povo…
Comentários Comente

André Rocha

A semifinal do novo formato do Mundial Interclubes costuma ser cruel para o campeão da Libertadores, pela tensão de uma estreia com tamanho favoritismo. Mesmo para o Corinthians, último sul-americano que conquistou o planeta em 2012.

Mas foi duro ver o Atlético Nacional sofrer a maior derrota de um campeão do nosso continente. Justo o clube colombiano que emocionou o Brasil e o mundo com tanta solidariedade na tragédia da Chapecoense.

Em campo é possível lamentar muita coisa, principalmente o bom primeiro tempo com 60% de posse, 16 finalizações e duas bolas na trave. Muito volume de jogo com o volante Uribe se juntando a Macnelly Torres e aparecendo na área adversária e finalizar, os ponteiros Berrio e Mosquera buscando as diagonais e o pivô de Borja, deixando as jogadas de fundo para os laterais Bocanegra e Díaz.

Mas tanta volúpia ofensiva cobrava um preço: apenas os zagueiros Aguilar e Henríquez, este muito lento e estabanado, e o volante Arias ficavam atrás para conter os contragolpes do Kashima Antlers. Há tempos o futebol japonês não se resume à correria. Inclusive em tempos recentes a seleção e alguns clubes pecaram por caminharam direção contrária: ficaram previsíveis e lentos pelo excesso na troca de passes.

O campeão japonês comandado por Ishi Masatada parece combinar melhor a qualidade no passe e a rapidez nas transições ofensivas. Sem contar a disciplina e a concentração já conhecidas para a execução do esquema com as linhas de quatro bem próximas e sabendo adiantar a marcação. Ainda assim, cedeu espaços e poderia ter saído atrás no placar.

Mas foi às redes no pênalti polêmico, com o uso do recurso eletrônico. Depois da jogada finalizada. Falta clara de Berrio em Nishi, mas com o zagueiro japonês impedido. Que não participou do lance porque foi derrubado. Se chegasse na bola, o ataque seria anulado. Prova de que o uso do vídeo é mais que válido, mas não vai resolver tudo.

A cobrança precisa de Shoma Doi é que começou a definir a semifinal. Porque o Atlético sentiu o golpe, voltou do intervalo mais desorganizado e menos fluente na frente. Piorou com a entrada de Guerra no lugar de Arias que recuou Uribe. Ainda assim, o empate só não veio porque Cristian Dájome perdeu à frente do goleiro Sogahata.

Com linhas adiantadas e no desespero, o Atlético deixou espaços generosos para os contragolpes que terminaram no gol de calcanhar de Endo e o golpe final de Suzuki. 3 a 0 ficou pesado demais para quem teve 61% de posse e 24 conclusões contra apenas dez dos japoneses.

O Atlético não merecia…time, torcida e povo que foram puro coração com os brasileiros. Mas no Japão o emocional também atrapalhou. Uma pena.

 

 

 


“Vamos, vamos Chape!” e a noite da pureza em Medellín
Comentários Comente

André Rocha

Atanasio Girardot Chape

O Atanásio Girardot virou Arena Condá aos gritos de “Vamos, vamos Chape!”, o canto que rodou o mundo no vídeo da comemoração no vestiário depois da classificação do clube catarinense para a decisão da Copa Sul-Americana.

Impossível não derramar lágrimas no momento mais tocante de uma noite mágica, ainda que vista por este que escreve pela televisão. Uma atmosfera de generosidade com velas e flores que alcançou a todos. Um evento capaz de fazer repensar a vida, os valores, a postura diante das disputas esportivas.

52 mil pessoas dentro do estádio, outra multidão ainda maior fora. Dispondo de seu tempo apenas para homenagear um clube distante, outrora desconhecido, que seria adversário e virou um coirmão na acepção mais pura da palavra. Na noite da pureza em Medellín.

Cidade marcada pelo sangue da barbárie protagonizada por narcotraficantes, que ganhou notoriedade no planeta por causa de Pablo Escobar e suas atrocidades. Rotulada de violenta e perigosa. Capaz de um gesto de grandeza sem precedentes na história do esporte.

Em Chapecó, um estádio também lotado chorava pelos seus herois que partiram. Igualmente tocante e inesquecível. Mas eram os seus. O surpreendente neste mundo tão pragmático e egocêntrico é fazer tanto pelo outro. Sem nenhuma ligação direta além da compaixão e do amor de uma nova família que nasce.

O Atlético Nacional nem precisa mais disputar o Mundial Interclubes agora em dezembro. O planeta já é seu. E Medellín é aqui.

 


É no sofrimento que se vê quem é quem
Comentários Comente

André Rocha

Mensagens de apoio do mundo todo, solidariedade de jogadores e torcedores de outros clubes do Brasil, a avalanche de solicitações para a campanha de sócio-torcedor da Chapecoense, as lágrimas de Renato Gaúcho e todo o altruísmo do Atlético Nacional em Medellín e junto à Conmebol, abrindo mão de um título internacional.

Tantos outros movimentos para amparar e oferecer o ombro aos atingidos pela tragédia que ficaram, em memória aos que se foram. Atos que mostram que não podemos generalizar na descrença na humanidade. O que dói é que também não foi preciso um dia para termos os primeiros sinais do quanto temos de pequenos e mesquinhos.

Como Marco Polo Del Nero pressionando a Chapecoense nas entrelinhas a colocar um time em campo na rodada final do Brasileiro contra o Atlético Mineiro na Arena Condá. Semana que vem. No mundo ideal não haveria mais futebol no país em 2016. Para Del Nero a dor é um detalhe menor. Não surpreende vindo de quem tem a frieza de seguir a vida e não abdicar do comando do futebol brasileiro, mesmo com o risco de ser preso caso se aventure numa viagem internacional.

Quase tão cruel, mas igualmente infeliz foi Fernando Carvalho, vice de futebol do Internacional. Na espontaneidade da afirmação sem pensar na repercussão, ao falar o que pensa e sente, revelou a indiferença à dor humana e a preocupação apenas com seu quintal. E desta vez nem a rivalidade com o eixo Rio-São Paulo estava em jogo, era um par do sul do país.

Lamentar o adiamento da rodada e falar em “tragédia particular” chega a ser ridículo, porque o Inter convive com o Z-4 por sua própria incompetência. Nenhuma fatalidade. Falar que “como a consternação é geral, como a solidariedade é unânime de todo mundo, não é hora de reclamar” faz entender que se houvesse uma brecha, se não pegasse tão mal, se não desgastasse tanto a imagem do clube, Fernando Carvalho pensaria em protestar.

Sem contar o nosso Congresso Nacional, que aproveitou nossa dor para, na calada da noite, aprovar o que não teria coragem de fazê-lo no centro das atenções. Ou até teriam, tamanha a desfaçatez. Enquanto chorávamos veio a facada pelas costas.

É triste, mas não assusta. Porque quem vive no próprio mundinho é incapaz de se colocar no lugar do outro. Até quando esse outro está ferido de morte. Se entrar na frente dos próprios interesses se transforma num obstáculo a ser ultrapassado. Nem que seja com hipocrisia.

Porque não somos todos bondade, mas felizmente a dor ainda nos une. Não a todos. Porque é no sofrimento que se vê quem é quem.

 


Final da Libertadores e título do Atlético Nacional detonam velhos clichês
Comentários Comente

André Rocha

“Brasileiros e argentinos são favoritos absolutos e só perdem para si mesmos” – O Atlético Nacional de Medellín tem tradição e um título, em 1989. O Independiente Del Valle do Equador nem campeão equatoriano foi. Zero grife, nenhuma camisa que entorta varal. Mas sobraram organização, futebol atual, trabalho sério dentro de uma ideia de jogo. Com a conquista da Sul-Americana pelo Santa Fé, a Colômbia agora manda na América do Sul.

“Para ganhar Libertadores tem que bater e catimbar. É guerra!” – O time colombiano venceu jogando bola. Em 14 jogos, dez vitorias, três empates e só uma derrota. Ataque mais efetivo, defesa menos vazada.

Sim, houve polêmica na arbitragem do confronto com o São Paulo e na decisão no Atanasio Girardot o Del Valle pode reclamar de um pênalti de Henríquez sobre Uchuari no segundo tempo. Mas a melhor equipe leva a taça. A campanha com mais pontos no novo formato, superando o Boca Juniors em 2003 com 32. Incrível aproveitamento de 79%.

“Para vencer tem que contratar craques consagrados”. O atacante Miguel Borja desequilibrou com cinco gols nas quatro partidas decisivas. Veio do Cortuluá. Descartado pelo São Paulo, nenhum outro brasileiro se interessou. Perdeu chance cristalina aos 19 segundos na grande final em Medellín, mas não desperdiçou a oportunidade de marcar o gol do título.

“O camisa dez precisa desequilibrar”. Sornoza foi fundamental na campanha do time equatoriano, marcando seis gols neste torneio continental acionando os velozes Julio Angulo e Cabezas pelos flancos e Jose Angulo na frente. Mas não jogou no primeiro tempo e nem voltou do intervalo. Uchuari deu mais dinâmica na transição ofensiva.

Já Macnelly Torres viveu de lampejos e dependeu da qualidade dos passes de Mejía e Guerra para ter posse de bola (terminou com 60%) e controlar o jogo. Na final, o dez não jogou.

O Atlético teve talento aliado ao trabalho coletivo aprimorado por Reinaldo Rueda, sucessor de Juan Carlos Osorio, e precisão na ida ao mercado. Sofreu, mas venceu um oponente valoroso. Que os clubes brasileiros tenham a humildade para aprender com os finalistas que detonaram alguns dos nossos velhos clichês.

(Estatísticas: Conmebol)


São Paulo foi fé e garra, mas também organização. Não bastou
Comentários Comente

André Rocha

Externamente o discurso do São Paulo era de fé, garra, peso da camisa. Recursos para manter time e torcida mobilizados. Legítimos.

Mas Edgardo Bauza sabia que só isso não bastava. Por isso organizou seu time e cobrou concentração e paciência. Duas linhas de quatro, Centurión circulando para criar superioridade numérica pelos lados e o artilheiro Calléri na área do Atlético em Medellín.

Defender e atacar, sem afobação. Pelo menos no início sem espaçar os setores em busca dos gols necessários. Conseguiu aos oito pelo atalho à esquerda, com Michel Bastos e Mena. Oitavo gol do argentino, bela contratação pontual que mudou o tricolor de patamar ofensivamente. Houve ainda bola no travessão.

O problema é que o risco calculado continua sendo um perigo. Adiantar as linhas sempre significará expor o veterano Lugano. Líder incontestável, ídolo histórico do clube. Mas que não suporta mais o trabalho de recuperação e cobertura de um zagueiro.

Sabendo não ser possível acompanhar Borja na velocidade, tentou antecipar o movimento do adversário e errou. Bola nas costas, Bruno não alcançou, terceiro gol do atacante revelação pelo Atlético Nacional.

Empate que não desmanchou o time de Bauza. O São Paulo seguiu coordenando bem os setores e não entregou a bola para a equipe mais técnica. Hudson teve a chance de garantir a sobrevida no final do primeiro tempo, mas foi desequilibrado por Bocanegra. Pênalti ignorado por Patrício Polic.

A arbitragem sul-americana que costuma ser caseira era um obstáculo a mais para o time brasileiro. O principal, porém, era a consistência e o volume de jogo dos comandados de Reinaldo Rueda que empilharam chances e fizeram Denis trabalhar.

Quando Bauza arriscou Kardec na vaga de Hudson, escancarou as costas dos volantes Thiago Mendes e Wesley para Macnelly Torres acionar Berrio e Moreno alternando pelos flancos e Borja, que matou o jogo e o confronto num pênalti discutível. De novo o apito caseiro. Com as expulsões de Wesley e Lugano a disputa acabou.

O torcedor passional tem o direito de jogar a derrota na conta da arbitragem e lamentar as ausências de Maicon e Ganso, mas não pode questionar a eliminação na semifinal da Libertadores. O São Paulo lutou e fez campanha digna. O time mais forte vai decidir quem é melhor da América.