Blog do André Rocha

Arquivo : atléticoparanaense

Não é a derrota de Fernando Diniz, mas a vitória de Abel Braga
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC

Quando se contrata Fernando Diniz você compra uma ideia. Que precisa de tempo. Para aperfeiçoar os métodos, adaptar melhor o elenco à proposta de jogo e trabalhar as divisões de base para que o jovem entre no time profissional já sabendo o que fazer. O próprio treinador também necessita de vivência para aprimorar sua visão, o feeling. Como em qualquer ofício. É da vida.

A mágica no futebol é raríssima. O Barcelona de Guardiola vinha de Johan Cruyff, mas também do antecessor Frank Rijkaard. A combinação das escolas holandesas e espanholas apenas ganhou atualização e novos elementos. E havia material humano para executá-la com excelência. O mesmo para a origem, a Holanda de 1974. Rinus Michels reuniu o que se fazia no Ajax e no Feyenoord e deu ênfase à intensidade e a um movimento radical: o “arrastão” com todos correndo na direção da bola ao mesmo tempo para roubar e partir com superioridade numérica ou deixar um ou mais adversários em impedimento.

Diniz só não pode entrar na roda viva do futebol brasileiro, condicionada apenas a resultados imediatos. Se for para ser assim é melhor nem contratar. Ou abraça o projeto acreditando ser possível criar uma identidade e lá na frente fazer história ou entra no bolo da tentativa e erro.

Mas há jogos e jogos. E os 2 a 0 aplicados pelo Fluminense no Maracanã sobre o Atlético Paranaense foi o do espetáculo através do contragolpe. Este movimento tão incompreendido. Ou visto de uma forma até contraditória. Se é praticado por um time sem estrelas ou de um treinador com discurso mais pragmático é tratado como único recurso para compensar as limitações técnicas.

Por outro lado,caso o time conte com craques ou venda uma imagem de “jogo bonito” eles entram no pacote do “espetáculo”. Como os muitos do Manchester City campeão inglês de Guardiola. Ou os vários do Brasil de 1970, no calor do México aproveitando a preparação física realizada com muita antecedência e métodos modernos para a época. Mas confundem com “magia”.

O time de Abel Braga empilhou contragolpes. Uma goleada não teria sido nenhum absurdo no universo de treze finalizações, seis no alvo. Duas nas redes com Jadson concluindo e Thiago Heleno fazendo contra e depois Marcos Júnior. O Atlético finalizou 16, mas apenas três na direção da meta de Julio César. Com 66% de posse.

O detalhe que passa despercebido por quem olha os números e interpreta como domínio do time visitante é que a proposta de negar espaços e aproveitar os cedidos pelo oponente visa dificultar as finalizações “limpas”. Com liberdade. E usar a velocidade na transição ofensiva para criar as chances cristalinas.

E nisto o Flu foi preciso, até pelo maior tempo de trabalho. Um 5-4-1 organizado, com linhas próximas e estreitando a marcação no setor em que estava a bola. Alternando marcação no próprio campo com a adiantada para dificultar a construção da equipe de Diniz desde a defesa.

Bola retomada, saída rápida e com muita gente. E o mérito de Abel no Flu é privilegiar quem sabe jogar. Jadson e Richard são volantes com passes rápidos e certos, os alas Gilberto e Marlon descem com vigor e confiança, mas também técnica. Sornoza é o organizador, Marcos Júnior é o típico ponteiro ligeirinho que corre mais que pensa, mas dá sequência aos ataques e tem momentos de lucidez. Assim como Pedro vai evoluindo e mostrando não ser apenas o tradicional centroavante rompedor.

Nada muito sofisticado, até porque o orçamento tricolor não permite. Mas a proposta é voltada para o ataque, sempre. Mesmo que seja reagindo à iniciativa do adversário. E fica mais fácil quando se sabe o que o oponente vai fazer. O grande risco das ideias de Diniz sem o modelo bem assimilado e jogadores capazes de surpreender na jogada individual é a previsibilidade. Não há surpresa. O time terá a bola, ocupará o campo de ataque e trocará passes até encontrar uma brecha.

Pior ainda com uma recomposição lenta e sem defensores rápidos nas coberturas. Se transforma num convite aos rivais. Não por acaso as cinco derrotas seguidas. Ajustes imediatos são necessários, sem abrir mão dos princípios. Insistir apenas por “filosofia inegociável” será pouco inteligente, para dizer o mínimo.

Assim como é obtuso não reconhecer os méritos de quem faz um jogo potencializando virtudes e explorando as deficiências do adversário. Questão de lógica pura e simples. Porque o objetivo deste esporte que tanto amamos não mudou: colocar a bola na rede e vencer fazendo mais gols que o outro time. Há maneiras e maneiras de conseguir este intuito. Tolo é quem acredita nos que vendem a ideia de que só há uma. Ou a mais “nobre”.

Até Guardiola, ícone e referência dos defensores do jogo de posse como o “Santo Graal” do esporte,  já entendeu que é preciso ser “camaleão”, jogar por demanda, de acordo com o que pede o confronto. A especialidade do Real Madrid de Zinedine Zidane que pode ser tricampeão europeu e do mundo. Que também não surgiu por mágica. Veio da semente de Carlo Ancelotti e da manutenção de uma base.

Diniz é jovem na função e vai aprender. Pode e deve tirar lições, inclusive de Abel Braga.  O veterano treinador é que foi o grande vencedor na noite da beleza do contra-ataque no Maracanã.

(Estatísticas: Footstats)

 


Grêmio e Atlético-PR: um zero a zero para só se falar de futebol
Comentários Comente

André Rocha

A maior prova de respeito do Renato Gaúcho campeão da América por Fernando Diniz e seu Atlético Paranaense foi o Grêmio completo, concentrado e repetindo a marcação implacável no campo de ataque da final da Libertadores contra o Lanús.

Só assim para impor a superioridade de quase dois anos de trabalho do atual treinador. Mais de três se pensarmos em um estilo que veio com Roger Machado e ganhou polimento, consciência e objetividade com Renato. Não porque Diniz seja um gênio ou mago. Apenas quer seu time jogando futebol durante noventa minutos, em qualquer estádio.

A atuação mais consistente do time que pratica o melhor futebol do país terminou sem gols, apesar das 20 finalizações – apenas seis na direção da meta do goleiro Santos. O Atlético Paranaense se recuperou na segunda etapa e só não impôs mais dificuldades pela expulsão de Camacho.

Com inferioridade numérica e atletas já desgastados por uma disputa intensa, Diniz não foi romântico nem suicida. Priorizou o ponto na Arena do Grêmio. Porque isso faz parte do futebol competitivo. Assim como a revolta pela primeira etapa de domínio absoluto do adversário. E certamente o discurso de Renato exaltando o grande jogo seria bem diferente se fosse numa partida de ida de um mata-mata sem gol qualificado, por exemplo. O pragmatismo também faz parte do jogo. Só não precisa ser o elemento único.

Algumas ideias básicas precisam ser resgatadas no Brasil. A primeira é de que a busca por um futebol ofensivo, capaz de envolver o adversário e chegar à meta do oponente nada tem de romântico ou idealista. Muito menos é algo condicionado a quanto o clube pode gastar contratando os mais valiosos jogadores. Ou seja, um privilégio das potências europeias. É apenas uma das muitas formas de se praticar o esporte bretão e buscar o objetivo final que é a vitória. Com suas virtudes, defeitos e riscos.

Diniz vai um pouco além, quer seus jogadores resgatando aquele prazer original de ter a bola e se divertir dentro da responsabilidade de um trabalho. Algo que tantos fazem nas mais diversas atividades humanas em todo o planeta. E está provado que o rendimento aumenta exatamente quando no exercício profissional o indivíduo nem lembra que é pago para fazer aquilo. Faria até de graça se não tivesse contas para quitar.

Um contraponto nesse ambiente em que parece que tudo tem que ser sofrido. Nesta mesma segunda rodada do Brasileirão tivemos um clássico nacional entre Palmeiras e Internacional no Pacaembu. Gol único de Dudu no primeiro tempo. Celebração? Para o jogador não havia clima para isto diante de tanta tensão e cobrança. O momento máximo do mais emocionante dos esportes não passava de uma obrigação. Onde estava o prazer?

A mentalidade imediatista e que trata o resultado como um fim em si mesmo dificulta o entendimento de que o jogo é um processo. Eventualmente acontece num clique, na reunião e identificação imediata dos talentos. Também é possível vencer trabalhando mal e na base do sofrimento. Mas o que o Grêmio consegue fazer não se constroi de uma hora para outra. O Atlético está no início de sua trajetória.

Precisa ter margem de erro para o aprendizado e a correção. No Brasil parece um pecado mortal. A urgência é tão grande que se o time gaúcho tivesse vencido por um a zero com o chute de Luan no primeiro tempo que parou no travessão depois de um equívoco na saída de bola atleticana para muitos já seria motivo para demitir Diniz. A perda de um ponto dentro de um campeonato com 38 rodadas é mais importante que a consolidação de um modelo de jogo que pode render mais vitórias e pontos lá na frente. Que já conquistou quatro em duas rodadas.

Talvez por isso o zero a zero. Para que seja lembrado apenas pelo futebol praticado. Sem a arbitragem ou qualquer outra questão periférica como protagonista. Onde os desenhos táticos foram quase irrelevantes diante da dinâmica, da mobilidade e também da simplicidade de alguns movimentos que mostraram o óbvio: se um companheiro dá opção, o passe fica mais fácil. E passando o time progride em direção à meta adversária de forma mais coordenada. Não precisa ser gênio, nem craque. Apenas querer e saber fazer.

A partida parou pouco e o tempo passou rápido para quem assistiu com olhos de ver. Sem a ânsia do gol. Do “jogaço” em que não há uma bola na rede como consequência de jogada construída. Para muitos, se houver oito gols, quatro para cada lado, marcados de forma aleatória, na ligação direta ou na furada grotesca do zagueiro é o que vale. Legítimo apreciar apenas a emoção instantânea do futebol. Extrair só a adrenalina.

O que se pede aqui não é unanimidade nem ditadura de uma maneira de jogar. Há várias e todas com seu valor. O post só espera respeito à essência do esporte que é o jogo. O que Grêmio e Atlético Paranaense praticaram com excelência em Porto Alegre. Mesmo sem os maiores orçamentos do país. Mesmo sem bolas nas redes.

(Estatísticas: Footstats)


São Paulo e Internacional: gigantes ancorados no passado precisam despertar
Comentários Comente

André Rocha

Em 2006, Internacional e São Paulo decidiram a Libertadores. Dois anos depois, o tricolor paulista era tricampeão brasileiro e o Colorado vencia uma Copa Sul-Americana com Tite no comando técnico.

Uma década se passou desde então e a eliminação da dupla na Copa do Brasil antes das oitavas de final, quando entram os times envolvidos com Libertadores, é emblemática. Ainda que os méritos de Atlético Paranaense e Vitória sejam enormes.

Simbolizam clubes que depois de um período muito vitorioso acreditaram na utopia de ostentarem uma fórmula vencedora no cíclico futebol brasileiro. Confundiram manutenção da linha de trabalho com “continuismo”. Hoje se veem dando voltas em torno do próprio rabo.

No Internacional, de 2002 a 2016 orbitaram no comando Fernando Carvalho, Giovanni Luigi e Vitório Piffero, culminando com a página mais triste da história do clube: o rebaixamento. Só assim para vingar uma candidatura de oposição. Mas nem tanto assim, já que Marcelo Medeiros, o atual presidente, trabalhou na direção das categorias de base na gestão de Fernando Carvalho.

É claro que a década não pode ser considerada perdida. Além do bem sucedido plano de sócio-torcedor e a modernização do Beira-Rio, o Inter conquistou outra Libertadores em 2010 e impôs um domínio estadual com oito conquistas, seis consecutivas. A importância dada ao Gauchão até se entende pela rivalidade com o Grêmio.

O período sem conquistas relevantes do tricolor, incluindo um rebaixamento em 2005, talvez tenha acomodado ainda mais o Colorado. Só com a virada na “Era Renato Gaúcho” desde a Copa do Brasil em 2016, coincidindo com o próprio rebaixamento,  para a constatação do mau momento vir forte. Mas mudar a direção do olhar não é fácil. Mais simples continuar tratando o passado como referência e ainda depender do talento de Andrés D’Alessandro aos 37 anos.

O mesmo vale para o São Paulo. De 2006 a 2014 com Juvenal Juvêncio. Depois Carlos Miguel Aidar até a renúncia e a chegada de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Sempre os mesmos cardeais no poder, blindados por um estatuto antiquado e protecionista.

Ultrapassado por Corinthians e Palmeiras com suas arenas e pelo Santos na Era Neymar. Sem o poder do Morumbi como único grande palco na cidade para jogos e espetáculos. Mas principalmente pela fé de que bastava seguir a mesma receita de bolo para tudo voltar aos “bons tempos”.

Nestes dez anos, apenas a Sul-Americana de 2012 como conquista com alguma relevância. Nenhum estadual. Ainda a seca histórica na Copa do Brasil, que em 2019 completa 30 anos. Pior é a sensação de que um gigante de seis títulos brasileiros, três Libertadores e três Mundiais está, na prática, se tornando um time médio.

As trocas seguidas de treinadores e jogadores demonstram uma incerteza quanto ao futuro. Paradoxalmente, o clube sempre parece mirar o passado atrás de um porto seguro. Contar com Raí, Ricardo Rocha e Lugano na diretoria é um exemplo claro. Só que eles não entram mais em campo. E as decisões nestes primeiros meses não parecem muito diferentes das práticas dos antecessores.

É preciso despertar. Também ter a humildade de aprender com os rivais. Se Corinthians e Grêmio hoje possuem uma identidade no futebol, São Paulo e Internacional continuam sem face. Ou com um rosto envelhecido desejando o vigor do passado. Sem ruptura ou reinvenção.

Só ficou a grandeza da história. Mas de gigantes ancorados, que ainda não se convenceram que o tempo não pára e é preciso seguir em frente, sem o olhar fixo no retrovisor.


Atlético de Diniz já afeta status quo do futebol no Brasil. Mas nem tanto
Comentários Comente

André Rocha

  1. Atlético Paranaense e Chapecoense protagonizaram na Arena da Baixada um raro duelo no Brasil entre modelos diametralmente opostos. A maneira de entender futebol de Fernando Diniz nada tem a ver com a de Gilson Kleina.

Sem certo ou errado. Como tudo na vida, depende do contexto e do gosto pessoal de cada um. Mas no Brasil, com exceção do Grêmio, tudo fica muito condicionado a questões como mando de campo, peso da camisa, colocação na tabela, capacidade de investimento. Quem tem mais é empurrado para o ataque, normalmente sem saber muito o que fazer com esta responsabilidade.

A equipe de Diniz sabe. Saída com os três defensores – não necessariamente zagueiros, como mostrou a escalação dos meio-campistas Pavez e Bruno Guimarães no trio da retaguarda – e circulação da bola inteligente com o time se instalando no campo de ataque. Os alas Jonathan e Thiago Carleto abrindo o campo e contando com a movimentação do trio de ataque Nikão, Ribamar e Pablo e o suporte por dentro de Matheus Rossetto e Camacho. No mínimo dois jogadores dando opções de passe, mobilidade para mexer com a marcação adversária.

Chapecoense se fechando num 5-4-1 com o volante Amaral afundando no meio dos zagueiros – também meio-campista virando defensor, mas com lógica inversa em relação ao oponente – e mais Márcio Araújo na proteção da defesa. Saída nas bolas longas de Canteros para Arthur Caike e Wellington Paulista ou a velocidade de Apodi conduzindo pela direita.

Um tomando a iniciativa, outro apenas reagindo. Desenho tão claro que induzia quem está habituado a ver futebol no Brasil a imaginar o que é previsível na maior parte dos casos: quem nega espaços vai levar vantagem. Impressão que só aumentou na primeira etapa de 74% de posse atleticana e nove finalizações, mas apenas duas no alvo.

Ficou ainda mais forte quando a Chape abriu o placar com Wellington Paulista finalizando cobrança de falta pela esquerda. Ao Atlético, sem espaços, faltava qualidade no acabamento das jogadas para concretizar o domínio. Diniz não tem o talento. Do meio-campista que acerta inversões de lado com passes longos, também do meia que encaixa o passe que quebra as linhas de defesa e do atacante que desequilibra nos dribles.

É uma proposta que por mais que tenha os movimentos treinados precisa da jogada diferente. O Atlético não tem poder de investimento para tanto. Mas há a intenção de traduzir os conceitos em resultados.

E o time da casa virou. Com Pablo na jogada aérea. Depois Nikão chutando forte depois de uma rebatida. Em seguida, Carleto na cobrança de falta. Com a Chape abalada e escancarada, duas saídas em velocidade e os gols de Matheus Rossetto e Ederson. Cinco a um. Com apenas 58% de posse e impressionante eficiência nas finalizações: total de sete, seis no alvo e cinco vencendo Jandrei.

Nenhuma jogada construída com início, meio e fim no fundo das redes do oponente. As ideias de Fernando Diniz merecem o incentivo por já afetarem o status quo do futebol jogado no país. E certamente receberá os elogios pela maior goleada na rodada de abertura do Brasileirão. Também colecionará gente torcendo o nariz e rezando para dar errado, já que o novo, ou o que foge do “feijão com arroz”, sempre incomoda os mais tradicionalistas e/ou pragmáticos.

Mas, a rigor, não foi tão transgressor assim. Ao menos na construção do placar neste primeiro ato de Diniz na Série A nacional.

(Estatísticas: Footstats)


Qualquer projeção para o Brasileirão é chute, puro e simples
Comentários Comente

André Rocha

Todo ano era a mesma tortura. Fim dos estaduais e logo aparecia alguém pedindo projeções para o Brasileirão. Título, vagas na Libertadores, rebaixados. Em maio. Para um campeonato que acaba no fim de novembro. Com uma janela de transferências que parece nunca fechar. Agora Libertadores, Sul-Americana e Copa do Brasil durando o ano todo.

E quem é pago para analisar tinha que recorrer ao tiro no escuro. Para ser cobrado depois porque para muita gente quem trabalha com futebol tem que ser adivinho e cravar o que vai acontecer, mesmo com tantas variáveis possíveis. Como se jornalistas de Economia ou Política tivessem que prever todas as oscilações de mercado ou diplomáticas e traçar um cenário preciso até o fim do ano para serem considerados minimamente competentes.

Na era dos memes e da zoeira que sempre carrega um pouco de covardia, mas dá para tirar de letra, o que é dito ou escrito tem que valer por seis meses. Se errar logo vêm os mantras “tá fácil ser jornalista”, “por isso não exigem diploma” e outras pérolas dos “jênios” da internet. Os profetas do acontecido que ficam calados no conforto do anonimato para garantirem que sabiam lá atrás e quem é pago para isso tinha que carregar a mesma certeza.

Mas como imaginar o que virá? Mesmo descontando toda a imprevisibilidade do esporte, no Brasil é ainda mais complicado. Imaginem os guias da competição já furados com as prováveis saídas de Everton do Flamengo para o São Paulo, de Maycon do Corinthians para o Shakhtar Donetsk e de Roger do Internacional para o Corinthians.

Sem contar que o time que joga o melhor futebol do país, o Grêmio, até por sua cultura copeira, deve novamente poupar jogadores na competição por pontos corridos e priorizar Libertadores e Copa do Brasil. E o Corinthians, atual campeão e favorito natural, desta vez não terá o respiro do ano passado e também dividirá esforços. Com elencos mexidos o tempo todo.

E os grandes orçamentos, como Flamengo e Palmeiras, regidos pelos humores e arroubos de dirigentes-torcedores, embalados por redes sociais? Com escolhas mais políticas que técnicas. Sem ideias ou norte, ao menos por enquanto. Só agora começam a entender a importância de ter uma identidade, como o Cruzeiro de Mano Menezes vai tentando implementar, mas também muito condicionado a resultados, até pelo alto investimento na formação do elenco.

São Paulo, Vasco, Fluminense, Botafogo, Internacional, Atlético Mineiro, Bahia, Chapecoense, Vitória e o Atlético Paranaense de Fernando Diniz formam um “blocão” de incógnitas que podem circular entre zona de Libertadores e Z-4. Como de costume, Ceará, Paraná e América-MG, os times que subiram além do “gigante redimido”, são cantados como bolas da vez para cair pela famosa dificuldade de se manter depois do acesso. Ainda que Enderson Moreira e Marcelo Chamusca tenham trabalhos consolidados em seus clubes e possam, sim, tornar suas equipes competitivas. Quem vai saber?

Para completar, um campeonato com seus desequilíbrios por forças das circunstâncias. Como um time encarar os reservas do Grêmio e outro sofrer diante da equipe principal de Renato Gaúcho focada naquela rodada específica. Ou o time beneficiado pela perda do mando de campo do adversário. Três pontos que podem fazer toda diferença. Na tabela ou no estado de ânimo de uma equipe.

Por isso o equilíbrio que gera a emoção que muitos confundem como qualidade ou virtude. Será que nossos times vão usar a concentração e a organização não só para defender e teremos times atacando melhor? Ou será novamente o campeonato do futebol reativo, de contragolpe? Nenhum time vive e viverá mais este dilema do que o Santos do DNA ofensivo, mas agora comandado pelo pragmático Jair Ventura.

Com pressão por resultados, viagens e mais viagens e pouco tempo em campo para treinar é difícil imaginar algo mais elaborado. Por mais que os treinadores da nova safra tentem. E ainda tem o vestiário, ambiente sempre espinhoso e que diz muito da verdade do campo. Por isto a lacuna ainda não preenchida pelos jovens comandantes buscando afirmação para substituírem de vez os da “Velha Guarda”.

A sorte está lançada. Vejamos quem será o mais competente, contando também com a proteção tão bem-vinda do acaso. Palpites? Ainda bem que desta vez ninguém pediu nada ao blogueiro. Projeção a esta altura é chute, puro e simples. Melhor analisar rodada a rodada. Até porque quem pensa jogo a jogo sempre está mais perto da taça nesta loucura que é o Brasileirão.

 


Fernando Diniz e a República do feijão com arroz
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Divulgação/Atlético Paranaense

Fernando Diniz foi tema na semana que passou por deixar o Guarani, depois de iniciar um projeto de reformulação no departamento de futebol, e aceitar a proposta do Atlético Paranaense. Havia uma cláusula de liberação no contrato com o clube de Campinas caso recebesse uma proposta de um time da Série A. O que o blogueiro pode dizer é que se fosse o treinador não pediria a cláusula e se fosse dirigente do Bugre não aceitaria.

Mas fora a questão ética, a chegada de Diniz a um time da primeira divisão, com um título brasileiro em sua história, reabriu a discussão sobre as possibilidades do técnico de estilo personalíssimo que chamou atenção do país com o Audax vice-campeão paulista em 2016. Muito ceticismo e o velho temor de que não transforme sua visão de futebol em resultados.

Este que escreve teve contato direto com Diniz apenas uma vez, em um evento. Participamos da mesma dinâmica de grupo. Superficialmente pareceu um profissional com ideias claras e preocupação com todos os aspectos do esporte, inclusive a dimensão humana. Mas em suas entrevistas dá a impressão, que pode estar equivocada, de não ter os conceitos bem claros em termos de metodologia para colocá-los em prática. Sem contar o relacionamento um tanto tenso com seus comandados. Aspectos que podem melhorar com o tempo e a maturidade, obviamente.

O maior estigma que carrega, porém, é o da ousadia. De buscar o novo. Conviver com o risco. No futebol brasileiro, isto significa enfrentar uma resistência quase intransponível. Porque vivemos na República do feijão com arroz.

Nossa cultura no esporte sempre se baseou no talento e na simplicidade. Cada jogador em sua posição e bola para os craques decidirem. Goleiro defende com as mãos, zagueiros tiram a bola da área, laterais correm, volantes marcam, meias criam, pontas driblam e vão à linha de fundo e o centroavante faz o gol.

Até hoje há quem não entenda o ponta marcar lateral. Ora, foi o nosso futebol que criou essa necessidade! No dia que um lateral apoiou e, junto com o ponta, fez dois contra um adversário apenas, o ponteiro precisou recuar para ajudar. Questão matemática e lógica. Zagallo e Telê Santana foram os primeiros “falsos pontas” e o conceito ganhou o mundo com a Inglaterra em 1966 recuando Ball e Peters, um em cada flanco, para formar o típico 4-4-2.

Além do conservadorismo, o desprezo pelo novo vem do nosso resultadismo insano. Todo jogo é fundamental, decisivo e tem que ser vencido. Contra o pequeno no estadual não pode perder porque o rival vai disparar na liderança. Nos clássicos nem pensar. No Brasileiro de pontos corridos todo jogo é importante e nas competições de mata-mata o caráter eliminatório torna tudo ainda mais tenso.

Ai do goleiro que tentar sair jogando com os pés e errar, do zagueiro que tentar um passe mais complexo. Ai do treinador que mudar a função de um atleta e este não for bem, algo que pode acontecer na sua posição original por uma infinidade de motivos.

Nunca há espaço para experiências, testes, amadurecimento de uma maneira de jogar. Tem que vencer. E aí surge uma outra lógica simplista: se a equipe tem craques ou jogadores mais qualificados que os rivais joga no ataque. Senão fecha a casinha e ganha “na tática”.

Tática que no Brasil ainda é sinônimo de “camisa de força”. De um recurso para quem não tem talento. Voltemos a 2012. Nos confrontos entre Corinthians x Santos pela Libertadores como a mídia trabalhou os jogos? Era Neymar contra Tite. A estrela de um lado e o time organizado pelo treinador do outro. Como se um não tivesse qualidade e o outro só necessitasse de um lampejo do mais talentoso para vencer.

Brasileiro, em geral, acredita que só é preciso ter organização para defender. Na hora de atacar fica tudo por conta da intuição dos jogadores. No máximo uma ou duas jogadas ensaiadas, na maioria das vezes na bola parada. Por isso a dificuldade de infiltrar em sistemas defensivos que cada vez mais negam espaços.

Ainda assim a opção quase sempre é pelo simples. Repare nos elogios que são feitos aos auxiliares que viram interinos/efetivos ou do treinador, mesmo renomado, assim que assume um time: “não inventou como o antecessor” é quase invariável quando as vitórias acontecem – normalmente por uma mera questão motivacional, o tal “fato novo”.

O treinador não conhece o elenco, não teve tempo para treinar. O que vai fazer? Só pode simplificar. Mas não pode ser assim sempre. O trabalho precisa evoluir, ganhar nuances, variações. O jogador tem que crescer junto com a equipe, ficar mais versátil. Progredir.

A maioria não quer. “Time que está ganhando não se mexe”, “o torcedor tem que saber de memória a escalação” e outras máximas que não cabem mais no futebol em 2017. Mas há uma enorme negação ao novo. Desde as mudanças nas regras até a maneira de se jogar.

Por isso tantos torcem o nariz para Guardiola. Até porque “o que um espanhol tem a ensinar ao futebol cinco vezes campeão do mundo?” Se manter no topo sem aprender, reciclar e atualizar é utopia e o Brasil vem pagando caro por esta visão curta, obtusa.

Fernando Diniz vai para o olho do furacão (sem trocadilho). Já será visto com má vontade por muitos pela maneira como chegou ao Atlético. Mais ainda por tentar quebrar paradigmas. A cada erro na saída de bola, a cada gol sofrido no contragolpe por adiantar seu time e valorizar a posse de bola terá que encarar o sorriso cínico e o deboche de quem quer as coisas sempre nos mesmos lugares.

O futebol é o esporte mais apaixonante do planeta por ser simples e poder ser praticado por qualquer um, sem exigência de peso, altura, impulsão…Mas profissionalismo não é pelada. Tem que avançar. A visão conservadora é pouco inteligente e, na prática, funciona como uma bigorna amarrada às pernas. Tudo que o país que já foi referência e parou no tempo não precisa.

Já passou da hora de temperar melhor esse feijão com arroz. O problema é convencer os que acham que vão “gourmetizar” o nosso jogo sem entender que a evolução é irreversível. Quem estacionar será atropelado. Simples assim.


2017 foi cruel com o Botafogo. Começou e terminou antes da hora
Comentários Comente

André Rocha

É legítimo e compreensível que os botafoguenses descarreguem suas frustrações sobre Jair Ventura, jogadores e diretoria do Botafogo pela décima colocação no Brasileiro que deixa de fora da Libertadores em 2018. Depois de trafegar em boa parte do campeonato na zona de classificação. Mesmo com as vagas cedidas por Grêmio e Cruzeiro e ainda a que o Flamengo pode deixar para o nono colocado com o título da Copa Sul-Americana. Ficou no quase.

O “quase”, aliás, foi a tônica do Botafogo na temporada. No Carioca, mesmo priorizando a Libertadores, chegou à semifinal e só foi superado pelo campeão invicto Flamengo. Algoz na Copa do Brasil já nas semifinais, com o gol de Diego na jogada improvável de Orlando Berrío. Na Libertadores só caiu para o campeão Grêmio em dois duelos parelhos. Duros reveses, mas todos diante de equipes superiores.

Porque o time de Jair Ventura jogou sempre no limite. Perdendo peças e, por conta das muitas limitações no orçamento, recorrendo às divisões de base e a reforços que quase nunca mantiveram o nível dos que saíam. Por isso sempre precisando estabelecer prioridades.

Abandonando o estadual em alguns momentos porque jogava a vida no torneio continental. Como sobreviveu até as quartas de final e ainda havia a Copa do Brasil o Brasileiro sempre ficou um pouco de lado. Quando Jair forçou a barra e colocou todos os titulares para encarar a maratona o time penou e sofreu reveses inacreditáveis, como as viradas de São Paulo e Vitória nos últimos minutos no Estádio Nilton Santos.

O Botafogo teve que queimar etapas de preparação no início. Precisava estar definido e competitivo para as fases anteriores à de grupos na Libertadores. A vitória contra o Colo Colo no Nilton Santos foi no primeiro dia de fevereiro. O Atlético Paranaense também viveu esta realidade, mas não foi tão longe nas demais competições de mata-mata.

O Botafogo pagou pela própria competência. Que não foi suficiente para buscar os títulos contra equipes mais fortes, mas levou até onde foi possível. Com dignidade e honrando as cores durante a maior parte do tempo.

Só que o gás acabou antes. Como um carro de F-1 mais modesto que tenta duelar com os das construtoras mais poderosas e cobra demais do motor e da estrutura. Ou quebra ou acaba o combustível. O Botafogo morreu nas últimas cinco rodadas do Brasileiro. O rendimento individual e coletivo despencou e os resultados foram mera consequência: três derrotas – uma em casa para o lanterna e rebaixado Atlético-GO –  e dois empates.  O derradeiro na despedida em Engenho de Dentro contra o Cruzeiro em clima de férias. Se vencesse cumpriria sua meta no campeonato.

Não deu. Que o Botafogo mantenha a ideia de continuidade refletida pela vitória do candidato da situação, Nelson Mufarrej, com o atual presidente Carlos Eduardo Pereira como vice. Não há razão para demitir Jair Ventura e sua comissão. Os erros aconteceram, sim. Talvez um melhor planejamento na questão física ou um pouco mais de coragem contra o Flamengo na Copa do Brasil. Quem sabe uma proposta mais consistente na necessidade de atacar e propor o jogo.

Mas a impressão mais forte é de que 2017 foi mesmo cruel por ter começado e terminado antes da hora. É humano que a torcida procure um responsável ou bode expiatório. Mas desta vez, mais do que em qualquer outra, o alvinegro quase sempre supersticioso e pessimista tem razão para culpar a sorte. Ou a falta dela.

 


Brasileiro volta à sua programação normal
Comentários Comente

André Rocha

O Corinthians venceu sendo pressionado e com menos posse que o Atlético Paranaense na Arena da Baixada: apenas 38%. Finalizou seis vezes contra 15 do time mandante. Walter pegou pênalti cobrado por Nikão, saiu lesionado e os visitantes terminaram com o terceiro goleiro, Caíque. Mas foi às redes com o heroi improvável Giovanni Augusto, que entrara na vaga de Clayson, que virou titular exatamente por salvar a equipe com gols entrando no segundo tempo.

Volta a disparar na liderança porque o Palmeiras penou diante do Vitória com a insistência de Alberto Valentim com a última linha de defesa avançada contra um ataque veloz e que aproveita os espaços às costas da retaguarda. 3 a 1 no Barradão. Dois de Yago Costa, um de Tréllez. De tanto dizer que o foco era o G-4…

O Santos de Elano segue aleatório como o de Levir Culpi. Mesmo com um pouco mais de cuidado com a posse de bola com Renato à frente da defesa, ainda depende muito das defesas de Vanderlei e dos lampejos na frente. Na quinta assistência de Lucas Lima, o oitavo gol de Ricardo Oliveira. Mas depois vieram os espaços entre os setores, o cansaço e a virada do Vasco de Zé Ricardo, no chutaço de Evander e na bela cobrança de falta de Nenê.

A vice-liderança volta a cair no colo do Grêmio temporariamente mais focado no Brasileiro, embora com a equipe muito mexida. No gol de Ramiro, a vitória em Campinas sobre a Ponte Preta. Oito pontos atrás do líder, mas ainda priorizando outro torneio, a final da Libertadores contra o Lanús.

O time de Fabio Carille volta a criar gordura no topo da tabela, concorrentes vacilando e o Grêmio, quase sem querer, como o anti-Corinthians. O Brasileiro volta à programação normal no pelotão da frente. Mas agora, faltando apenas cinco rodadas, a “grade” não deve mudar muito até o final.

(Estatisticas: Footstats)

 


Foco, tempo e até desespero devem nortear segundo turno do Brasileirão
Comentários Comente

André Rocha

O Corinthians está com o Brasileiro nas mãos. Até aqui, pelo menos, é aquele caso em que tudo conspira a favor. Inclusive a pausa entre um turno e outro para recuperar e treinar a equipe por conta da viagem da Chapecoense. Com Grêmio, Santos e Flamengo envolvidos em outras competições e Palmeiras na ressaca da eliminação da Libertadores com 14 pontos atrás que podem virar 17, o atual líder disparado pode até se planejar para buscar também o título da Sul-Americana.

Competição que ainda envolve outros cinco brasileiros. Com dois confrontos nacionais  – Sport x Ponte Preta e Flamengo x Chapecoense – que podem reduzir a quarto para as quartas de final. Mesmo número de times na disputa das semifinais da Copa do Brasil. Um a mais que nas quartas da Libertadores.

Dez times dividindo atenções, outros dez disputando somente o Brasileiro. Com apenas quatro rodadas de dezenove no meio da semana. Parece claro que o foco e o tempo para treinar têm grandes chances de fazer a diferença e até superar o nível técnico e tático das equipes.

Sem contar o desespero. Aquele que, pela dificuldade na tabela, torna o adversário difícil de ser batido. Sim, a fuga do Z-4. Que parece ter o Atlético-GO condenado, mas ainda matematicamente vivo, dependendo de uma arrancada que hoje soa improvável. Um olhar mais atento à tabela, porém, revela que o Fluminense, disputando a Sul-Americana, está apenas cinco pontos à frente da Chapecoense, 17ª colocada e com um jogo a menos.

Qualquer vacilo será fatal. É onde mora a esperança são-paulina. Mesmo com todos os equívocos e com a equipe oscilando até psicologicamente, há qualidade, especialmente de Hernanes desequilibrando nas últimas vitórias, e agora tempo para se preparar. O que Dorival Júnior mais precisava. E nada mais para distrair. Uma sequência de bons resultados e pode até sobrar uma vaga na Sul-Americana.

A disputa pelas seis primeiras colocações ganha novos postulantes, como os Atléticos, mineiro e paranaense. Os únicos junto com o Palmeiras entre os onze primeiros com foco absoluto na Série A. Uma vantagem considerável em meio a tanto equilíbrio, com exceção do Corinthians.

A Primeira Liga não deu certo pelo servilismo dos clubes à CBF e agora se encontra soterrada pelos demais torneios. Para muitos será um engodo, um problema de logística. Hoje soa como um prêmio de consolação, uma taça para não deixar 2017 de mãos abanando. Vale menos que o estadual.

O maior desafio, sem dúvida, é o do Botafogo. Com elenco não tão robusto, um clássico carioca no torneio nacional e um duelo brasileiro na Libertadores contra o Grêmio, uma das melhores equipes do país. A um ponto do G-6, que seria a garantia de volta ao torneio continental independentemente do desempenho no mata-mata. Mas a seis da zona de rebaixamento, o que exige um certo cuidado.

Neste cenário, o returno reserva alguns jogos que serão esvaziados pela utilização de reservas e outros que podem ganhar contornos épicos, com times até com tempo para se preparar, mas tão envolvidos emocionalmente que não resistirão ao maldito “jogo para ganhar e não para jogar”. Valendo a vida. Para quem gosta de emoção e não torce o nariz para a fórmula de pontos corridos será um prato cheio.

Se nos dois extremos da tabela os destinos de Corinthians e Atlético-GO parecem selados, todo o resto carrega suas dúvidas e um contexto construído jogo a jogo. Dependente de outras competições, que agora contemplam toda temporada. Vejamos o que o novo calendário reservará à nossa liga neste primeiro ano.


Vasco é mais um que sofre para propor jogo. O espaço vale ouro!
Comentários Comente

André Rocha

Mesmo em Volta Redonda, a torcida do Vasco compareceu empolgada com a recuperação da equipe utilizando os jovens das divisões de base. E Milton Mendes não decepcionou, escalando o quarteto ofensivo do 4-2-3-1 com Guilherme Costa, Mateus Vital e a badalada dupla de 17 anos: Paulinho e Paulo Vítor.

Só que a condição de favorito e a obrigação de atacar pelo mando de campo e a posição do Atlético Paranaense, lutando para sair da parte de baixo da tabela, criaram um cenário desfavorável, já uma marca deste Brasileiro: quem tem a bola e precisa propor o jogo, por necessidade ou pela cultura de fazer valer o mando de campo, se complica.

Fabiano Soares é um treinador reconhecido por sua capacidade de montar equipes que apostam em compactação defensiva. Mesmo sem encher o time de volantes. O 4-2-3-1 atleticano tinha o estreante Esteban Pavez à frente da retaguarda com Matheus Rosseto no centro, Pablo e Nikão nas pontas, Lucho González mais adiantado se aproximando de Ribamar. Nada defensivo pelas características dos atletas.

Formavam, porém, duas linhas de quatro bem próximas e mostrando coordenação nos setores. Ou seja, uma barreira. E aí pesou a falta de experiência e de um meia que pense mais para criar os espaços, ainda que Mateus Vital não seja tão vertical e rápido.

Na base brasileira ainda se valoriza muito o jogador que vai para cima, tem “alegria nas pernas”, os “ligeirinhos”. Mas estimula-se pouco o raciocínio e o senso coletivo para trabalhar e criar espaços. Não é problema apenas do Vasco, foi uma cultura criada para exportação que vai tentando ser transformada, mas ainda há muito a evoluir.

Na prática, o Vasco tentou criar espaços com toques curtos, aproximação e movimentação para acelerar no último terço. Mas, além da precipitação dos jovens na frente, a equipe de Milton Mendes se ressentia da ausência de um toque mais qualificado de trás. Desde a zaga com Rafael Marques e Jomar, passando pelos volantes Jean e Bruno Paulista.

O Atlético fazia o mesmo quando descia em bloco, com muita mobilidade. Mas foi mais perigoso e marcou o gol único da partida quando teve algo cada vez mais valioso futebol atual: espaço! Saída rápida de Pablo para Rossetto – meio-campista promissor, que defende e ataca com qualidade – e deste para Ribamar aproveitando falha de Henrique, que substituiu o lesionado Ramon ainda no primeiro tempo.

Com Thalles no lugar de Guilherme Costa, a referência para sair de cinco cruzamentos no primeiro tempo para 36 no segundo. Milton Mendes trocou Paulinho por Manga Escobar. Adiantou pouco, pois continuou só tendo velocidade batendo na parede.  Baixou a posse de 63% para 58%, subiu o número de finalizações para 16.  E tome bola na área!

Chance cristalina, porém, só no lance final, já nos acréscimos. Cruzamento de Manga que passou por Weverton e bateu na trave esquerda e, no rebote, Paulo Vitor disparou no travessão. Mais no desespero, no abafa final. Sem jogada trabalhada. Sem pensar, só correndo e lutando.

Assim só com espaços. Por isso ele vale ouro no Brasileirão. Estagnou o Vasco e aliviou o Atlético na tabela.

(Estatísticas: Footstats)