Blog do André Rocha

Arquivo : borja

Um Palmeiras ainda “híbrido” sofre diante do Cruzeiro, o teste mais forte
Comentários Comente

André Rocha

A expectativa e a pressão pela vitória em casa sobre o Cruzeiro que deixaria o Palmeiras a três pontos do líder do Brasileiro e maior rival atrapalharam mais uma vez. O favoritismo continua pesando nesta edição do campeonato.

Mas o que atrapalhou mesmo o atual campeão brasileiro foi o processo de mudar uma maneira de jogar e de pensar futebol na reta final da temporada. É quase como virar do avesso sair do estilo Cuca para o que Alberto Valentim quer para a equipe.

Principalmente no trabalho sem a bola, na transição defensiva. Porque quem está acostumado a marcar perseguindo o adversário vai sofrer para defender tendo a bola e o espaço como referências. Do “cada um pega o seu até o fim da jogada” para a marcação por zona é uma mudança radical.

Ainda mais com a última linha de defesa tão adiantada como quer Valentim para empurrar o adversário para o próprio campo. É um trabalho coletivo que depende muito da pressão que se exerce sobre o oponente que está com a bola para dificultar o passe. Mas como saber se tem que pressionar no setor se antes a ordem era pegar o jogador?

Toda a complexidade deste processo se viu nos dois gols cruzeirenses. No passe longo com liberdade para Diogo Barbosa receber atrás de Mayke e cruzar para Juninho, correndo para evitar a finalização, jogar nas redes de Fernando Prass. Gol contra na única “conclusão” na direção da meta alviverde no primeiro tempo.

Porque com a bola o Palmeiras mostrou a evolução dos últimos jogos. Troca de passes, revezamento de funções entre Jean, Tche Tche e Moisés, embora este sempre ficasse mais adiantado na linha de meias; mobilidade de Keno e Dudu buscando o centro para se juntar a Borja, que novamente encontrou problemas para fazer o jogo associativo – tabelas, trabalho de pivô, preparar jogadas. Mas estava na área para buscar o empate duas vezes.

A primeira em jogada pela esquerda com Egídio, depois o centro de Dudu da direita encontrando o camisa nove. Cruzamentos rasteiros, um em cada tempo. Ainda que as jogadas aéreas continuassem presentes, principalmente na necessidade de criar espaços e atacar. Foram 46 cruzamentos no total. Outra herança do “Cucabol” difícil de largar – se esta é a intenção de Valentim, diga-se.

A defesa adiantada com o lento Edu Dracena foi furada no segundo gol, de Robinho, que acabara de entrar na vaga de Rafael Marques. No Cruzeiro de Mano Menezes bem posicionado, com linhas próximas e saída em velocidade. Bem mais perigoso na segunda etapa de cinco finalizações, todas no alvo. Subindo a posse de 37% para 40%. Outro protagonista de um belo duelo.

Palmeiras das 21 finalizações que transformaram Fabio no grande destaque individual da partida. Que partiu para o abafa no final com Roger Guedes na ponta, Borja e Deyverson na área celeste, porém não conseguiu o objetivo que mudaria oficialmente o discurso de G-4 como meta para a realidade: a chance do bicampeonato nunca pareceu tão palpável.

São cinco pontos de diferença para o dérbi em Itaquera. Uma vitória com autoridade diminuiria para três e minaria ainda mais a confiança do abalado Corinthians ao longo da semana. Agora é confronto aberto, imprevisível. Alberto Valentim tem cinco dias para fazer ajustes e deixar o Palmeiras mais com sua assinatura do que a do antecessor. Não o time “híbrido” que sofreu no teste mais forte até aqui.

(Estatísticas: Footstats)


Palmeiras vai se desintoxicando do “Cucabol”. Se o Corinthians vacilar…
Comentários Comente

André Rocha

As vitórias sobre o lanterna Atlético-GO fora e Ponte Preta em casa ainda não são parâmetros para uma avaliação mais profunda do trabalho de Alberto Valentim no Palmeiras.

Mas alguns sinais já são bastante positivos. A começar pela valorização do controle da bola e precisão nos passes. A posse nos dois jogos teve média de 57% do tempo. A quantidade de passes também aumentou: 551 em Goiânia, 434 no Pacaembu. Média de 93% na efetividade. Bem acima da média de 364 e 88% de acertos.

O maior tempo com a bola não teve como consequência um menor número de finalizações para a equipe que tinha um estilo essencialmente vertical: foram 15 contra o Atlético e 14 diante da Ponte. Pouco acima da média de 12 por jogo.

No entanto, não é fácil se desintoxicar do “Cucabol”, que nunca se resumiu apenas aos cruzamentos e às cobranças de lateral na área adversária, que continuam sendo utilizadas.

O interino Alberto Valentim quer um sistema defensivo mais posicionado, com linhas compactas e sem as perseguições individuais tão longas que são a marca do treinador campeão brasileiro de 2016. Natural que os jogadores instintivamente ainda deixem seu setor para “caçar” um adversário. Egídio sofreu bastante e a Ponte Preta encontrou no lado esquerdo alviverde o melhor “atalho” para criar oportunidades.

O time também segue recorrendo às ligações diretas e eventualmente apressa a conclusão das ações de ataque sem rodar a bola e criar o espaço para a chance cristalina. Afinal, para a maioria dos atletas foram 14 meses de um estilo rústico e apenas quatro com Eduardo Baptista tentando alterar uma maneira de jogar. Sem respaldo e com muita pressão.

Valentim terá mais tranquilidade e confiança para convencer os atletas a praticar um futebol mais atual. Não há mais a sombra do sucesso do “Porco Doido”. As soluções até aqui são simples, porém inteligentes: qualidade e mobilidade na execução da proposta de jogo baseada num sistema 4-2-3-1.

No meio-campo com Bruno Henrique e Tche Tche alternando proteção à retaguarda e apoio e Moisés mais adiantado, acionando os ponteiros Keno e Dudu, que sempre buscam as diagonais se aproximando do centroavante – Willian e depois Borja, que voltou a marcar e com um trabalho ofensivo mais ajustado pode enfim render o que se espera do colombiano.

Keno é o grande destaque até aqui. Um gol e quatro assistências. Participação nos cinco gols marcados. O ponta que volta na recomposição auxiliando o lateral Mayke e se apresenta à frente, ora aberto, ora entrando no “facão”. O crescimento coletivo potencializado as individualidades.

A outra boa notícia é o aproveitamento de quem sabe jogar. Felipe Melo voltou a ser utilizado. Arouca também surge como opção depois de nove meses fora por lesão. Agora não é mais preciso ter fôlego para marcar correndo o jogo todo.

Sem complicar. Porque não é preciso criar algo tão elaborado para se destacar no deserto de ideias do futebol jogado no Brasil. Com a qualidade que tem nas mãos, Valentim pode construir uma equipe com condições de apresenta o melhor futebol do campeonato nesta reta final.

E se o Corinthians vacilar…São nove pontos de diferença entre os rivais na tabela. Com um confronto direto, em Itaquera. Se o líder continuar sem evolução no desempenho e, consequentemente, aproveitamento nos resultados é possível sonhar.

Caso não dê tempo para buscar o título, garantir a vaga direta na fase de grupos da Libertadores e, principalmente, entregar uma equipe mais preparada e moderna para o próximo treinador, caso não seja efetivado, são duas metas interessantes para Valentim. O trabalho até aqui é curto, porém promissor. Ainda mais para quem recebeu um “legado” tão complicado.

(Estatísticas: Footstats)


Os méritos (e a estrela) de Cuca na volta ao Palmeiras
Comentários Comente

André Rocha

Enfrentar em casa o combalido Vasco voltando à Série A era o melhor dos cenários para a volta de Cuca na estreia do campeão Palmeiras no Brasileiro.

Melhor ainda quando marca os gols em momentos decisivos da partida: logo no início, aos seis minutos, no pênalti tolo de Jomar sobre Dudu que Jean converteu. No final da primeira etapa, quando o Vasco havia equilibrado a disputa e Guerra aproveitou rebote de Martín Silva em chute de Jean. O terceiro no primeiro ataque da segunda etapa, com Borja. Quarto e último na reta final, em novo pênalti do desastroso Jomar sobre Dudu e outro gol de Borja.

Não é justo, porém, atribuir apenas à sorte a construção do placar. Longe disso. O primeiro mérito de Cuca foi resgatar rapidamente a intensidade, desde o primeiro toque na bola com jogada ensaiada em ligação direta. Bem ao seu estilo.

Com a recuperação do Vasco, com o jovem Douglas ditando o rimo no meio-campo, mas muito sacrifício da equipe sem a bola para compensar a participação nula de Nenê e Luis Fabiano, o comandante alviverde trocou o posicionamento de Jean e Tchê Tchê.

Este saiu do trio de meio-campistas no 4-3-3 que variava para o 4-2-3-1 com o avanço de Guerra e foi para a lateral direita. Dentro da marcação individual planejada, Jean cuidaria de Douglas.

Não deu tão certo na parte defensiva. Mas na frente confundiu a marcação cruzmaltina e, na troca, Tchê Tchê passou, Jean se projetou para finalizar e Guerra aproveitar no segundo. No terceiro, jogada de Tchê Tchê como lateral e gol de Borja.

Cuca foi perfeito ao dar confiança ao atacante colombiano, criticado pelo alto investimento e baixo desempenho até aqui. Começou errando lances bobos. Com espaços para acelerar, cresceu naturalmente. Dois gols e o carinho do treinador para enfim dar a resposta esperada.

Assim como Dudu, mantido capitão com Cuca. O melhor em campo partindo da esquerda para desarticular o bloqueio adversário. Dois pênaltis sofridos, duas chances desperdiçadas. Mas voltando a desequilibrar. Não é por acaso. Técnico e craque do time construíram uma relação de confiança mútua.

O primeiro tempo deve ser o norte do Vasco para o Brasileiro. Finalizou nove vezes contra seis do Palmeiras. Boa chance com Pikachu em lançamento primoroso de Douglas. Gol perdido pelo jovem volante no erro de Jean na saída de bola. No final da primeira etapa, poderia ter mudado o jogo. O problema é ser competitivo e ter velocidade na transição ofensiva com dois veteranos na frente.

O Palmeiras de Cuca repete os 4 a 0 do ano passado na estreia  – em 2016 a vítima foi o Atlético-PR. O elenco está mais rico, mas desta vez há uma Libertadores para dividir atenções. Ainda assim, o status de favorito se reforça. Pelos méritos e também pela estrela de Cuca, que faz clube e torcida acreditarem mais na própria força.

(Estatísticas: Footstats)


Pratto e Borja, dois perfis de centroavante que ainda funcionam
Comentários Comente

André Rocha

Lucas Pratto queria jogar e não ser reserva de Fred no Galo, o São Paulo precisava de um centroavante mais qualificado que Chávez e Gilberto e ganhou espaço no orçamento com a venda de David Neres para o Ajax. O Atlético Mineiro também precisava de um alívio na folha salarial. Ótima oportunidade para as três partes.

O Palmeiras tinha dinheiro para investir, mas não um nome para repor Gabriel Jesus à altura e fazer o elenco efetivamente mudar de patamar, já que antes as aquisições apenas compensavam a perda da maior estrela para o Manchester City. Agora tem Miguel Borja, do Atlético Nacional campeão da Libertadores.

O argentino e o colombiano são contratações de impacto no mercado nacional porque são perfis de centroavante que ainda funcionam num cenário em que o jogador fixo entre os zagueiros hoje é mais referência para a defesa adversária do que para o próprio ataque.

Pratto é versátil, sabe recuar para jogar entre as linhas, já atuou como atacante atrás do centroavante em Genoa e Vélez Sarsfield. Tem timing e estatura para o jogo físico e aéreo na área adversária, é bom na pressão no campo adversário, sabe abrir espaços e tem bom passe vertical para infiltração em diagonal dos ponteiros. Características muito úteis para a proposta de jogo de Ceni. Sem contar a liderança e a fibra para cativar uma torcida que anda carente de ídolos além do treinador.

Já Borja tem características parecidas com as de Gabriel Jesus. Sai para os lados, tem velocidade para contragolpes, mas também presença física na área e recursos técnicos como finalizador. Personalidade e contundência em jogos grandes,técnica, agilidade, explosão. Para ajudar, o entrosamento com Guerra. Uma ascensão surpreendente aos 24 anos depois de uma carreira errante, com muitos empréstimos e vindo do Cortuluá para ser decisivo na conquista da Libertadores do Atlético Nacional.

Nos dois casos a tendência é ter encaixe imediato, sem maiores problemas de adaptação. O São Paulo fica mais forte e pode acelerar a assimilação das ideias do técnico para ficar competitivo mais rapidamente. Já o Palmeiras consolida sua condição de favorito à conquista da Libertadores. Tem todas as ferramentas para formar o time mais forte do continente.

Sem garantias, mas com ótimos indícios.

 


Final da Libertadores e título do Atlético Nacional detonam velhos clichês
Comentários Comente

André Rocha

“Brasileiros e argentinos são favoritos absolutos e só perdem para si mesmos” – O Atlético Nacional de Medellín tem tradição e um título, em 1989. O Independiente Del Valle do Equador nem campeão equatoriano foi. Zero grife, nenhuma camisa que entorta varal. Mas sobraram organização, futebol atual, trabalho sério dentro de uma ideia de jogo. Com a conquista da Sul-Americana pelo Santa Fé, a Colômbia agora manda na América do Sul.

“Para ganhar Libertadores tem que bater e catimbar. É guerra!” – O time colombiano venceu jogando bola. Em 14 jogos, dez vitorias, três empates e só uma derrota. Ataque mais efetivo, defesa menos vazada.

Sim, houve polêmica na arbitragem do confronto com o São Paulo e na decisão no Atanasio Girardot o Del Valle pode reclamar de um pênalti de Henríquez sobre Uchuari no segundo tempo. Mas a melhor equipe leva a taça. A campanha com mais pontos no novo formato, superando o Boca Juniors em 2003 com 32. Incrível aproveitamento de 79%.

“Para vencer tem que contratar craques consagrados”. O atacante Miguel Borja desequilibrou com cinco gols nas quatro partidas decisivas. Veio do Cortuluá. Descartado pelo São Paulo, nenhum outro brasileiro se interessou. Perdeu chance cristalina aos 19 segundos na grande final em Medellín, mas não desperdiçou a oportunidade de marcar o gol do título.

“O camisa dez precisa desequilibrar”. Sornoza foi fundamental na campanha do time equatoriano, marcando seis gols neste torneio continental acionando os velozes Julio Angulo e Cabezas pelos flancos e Jose Angulo na frente. Mas não jogou no primeiro tempo e nem voltou do intervalo. Uchuari deu mais dinâmica na transição ofensiva.

Já Macnelly Torres viveu de lampejos e dependeu da qualidade dos passes de Mejía e Guerra para ter posse de bola (terminou com 60%) e controlar o jogo. Na final, o dez não jogou.

O Atlético teve talento aliado ao trabalho coletivo aprimorado por Reinaldo Rueda, sucessor de Juan Carlos Osorio, e precisão na ida ao mercado. Sofreu, mas venceu um oponente valoroso. Que os clubes brasileiros tenham a humildade para aprender com os finalistas que detonaram alguns dos nossos velhos clichês.

(Estatísticas: Conmebol)


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>