Blog do André Rocha

Arquivo : campeonatocarioca

Taça Guanabara não pode ser ilusão mais uma vez para o Flamengo
Comentários Comente

André Rocha

Foram 33 cruzamentos em 90 minutos, mais os acréscimos. No vigésimo sétimo, o centro de Diego para Rever tocar e Kadu fazer contra. O gol para descomplicar um jogo em que o Boavista negou espaços com duas linhas de quatro  – Fellype Gabriel e Erick Flores voltando pelos lados com Pará e Renê.

O problema do Flamengo novamente foi a falta de jogadas mais criativas. Infiltrações em diagonal, tabelas por dentro. Difícil surpreender o adversário. Muito por causa de Diego. Parece perseguição, mas não é o caso. Inegável a importância do camisa dez pela liderança positiva, pela entrega absoluta, a concentração para auxiliar sem a bola na execução do 4-1-4-1. Em especial, a técnica nos cruzamentos e chutes, com bola rolando ou parada.

Mas repare que sempre que Diego recebe a bola e alguém se projeta para a jogada que vai furar as linhas de marcação o meia hesita. Domina, gira, dá mais um toque. Tempo suficiente para a marcação adversária se armar e só restar duas jogadas: abrir para um companheiro levantar a bola na área ou ele mesmo cruzar.

Para um time que planeja se instalar no campo de ataque e trabalhar a bola – terminou com 61,5% de posse – essa lentidão na circulação da bola na zona de decisão ou último terço atrapalha a criação de espaços. Não é o caso de barrar o camisa dez, mas tentar orientá-lo a soltar a bola mais rapidamente. Pode ajudá-lo, inclusive, na dura concorrência por uma vaga entre os 23 de Tite para a Copa do Mundo.

Em Cariacica, a tarde infeliz de Henrique Dourado até em jogadas simples complicou ainda mais. Mas pela disparidade entre as equipes , o time de Paulo César Carpegiani finalizou 20 vezes, cinco no alvo contra nenhuma do Boavista na direção da meta de César em um total de nove.

Com Rodinei e Vinícius Júnior, o time rubro-negro buscou mais o fundo na segunda etapa, ganhou velocidade pela direita e habilidade no um contra um do lado oposto. Com o cansaço do adversário a reta final foi de domínio absoluto e o segundo gol que definiu a conquista do primeiro turno do Carioca no lançamento de Everton Ribeiro que Vinícius Júnior raspou para tirar do goleiro Rafael.

21º título da Taça Guanabara e vaga garantida no quadrangular final do estadual. Mas não pode mais uma vez iludir pensando nas ambições do clube para a temporada, a começar pela disputa dura já na fase de grupos da Libertadores. Para a proposta de jogo de Carpegiani, nitidamente insatisfeito à beira do campo, há muito a evoluir. Na lógica do futebol brasileiro, os resultados ao menos ajudam a aumentar a confiança. Mas não bastam.

(Estatísticas: Footstats)

 


Flamengo está mais móvel, mas com Diego e Dourado ainda vive de cruzamentos
Comentários Comente

André Rocha

Foram praticamente 70 minutos de domínio absoluto do Flamengo na vitória por 3 a 1 sobre o Botafogo em Volta Redonda pela semifinal da Taça Guanabara. Aproveitando as limitações e a queda brusca de confiança do Botafogo depois de ser eliminado pela Aparecidense na Copa do Brasil.

Com titulares e a estreia de Henrique Dourado, o time de Paulo César Carpegiani repetiu a mobilidade do 4-1-4-1 da vitória por 1 a 0 sobre o Nova Iguaçu. Everton Ribeiro e Diego alternando à direita e por dentro, o mesmo com Lucas Paquetá e Everton do lado oposto. Cuéllar mais plantado e Dourado na referência.

A movimentação chama atenção porque não há inversões no posicionamento apenas quando a bola sai e os jogadores fazem a troca, mas também com o time em progressão. Em vários momentos envolveu com relativa facilidade o sistema defensivo do rival com bola no chão, tabelas, triangulações e ultrapassagens.

Apesar de mais móvel, fica nítido que o Fla ainda vive de cruzamentos, com bola parada ou rolando. Em especial de Diego, o jogador que mais levantou bolas na área no clássico: 13 dos 31. Recorde do Fla na temporada. Foram 21 contra Volta Redonda e Cabofriense e 22 contra o Bangu com a garotada. 23 diante do Vasco, 24 contra o Nova Iguaçu já com Diego. Mas sem uma típica referência com boa estatura na frente.

Porque o meia ainda é lento para fazer a bola circular. Domina, gira, dá mais um toque. Com isso o adversário tem tempo para se reorganizar defensivamente. Sem opções e segurança para um passe mais vertical, acaba jogando na área. Como é o responsável pelas bolas paradas, natural que seja o que mais cruza.

Com o “Ceifador”, só no primeiro tempo foram 18. Natural que se busque o centroavante eficiente no jogo aéreo, mas para um time que em 2017 basicamente viveu das jogadas aéreas e Carpegiani busca mudar esse perfil, o número não deixou de ser alto.

Valeu pelos gols, um em cada tempo. No primeiro, centro de Diego e Everton cabeceou livre em mais uma falha grotesca da defesa do Bota que vacilou pelo alto nos dois gols da Aparecidense. No segundo, novo cruzamento do camisa dez para Paquetá servir Dourado.

Destaque novamente para o jovem meia que terminou a temporada passada como o grande destaque do time. Dinâmica para ir e voltar, consciência, lucidez e intensidade tanto para articular por dentro ou buscar o fundo como ponteiro. Um recital até cansar e sair para dar lugar a Vinícius Júnior.

Mas paradoxalmente o gol do Botafogo, primeiro sofrido pelo Fla no ano, começou em um erro de passe de Paquetá. Contragolpe, Réver sentiu o desgaste em sua primeira partida na temporada e não acompanhou Kieza. Com o centroavante, Ezequiel e Renatinho, o alvinegro ensaiou uma reação na chuva e aproveitando o cansaço dos titulares rubro-negros no segundo jogo neste Carioca.

Vinícius Júnior resolveu no último contragolpe do jogo em bela finalização. Para deixar claro o abismo entre os rivais neste momento. Também tornar o Flamengo ainda mais favorito para a final contra o Boavista.

O mais importante, porém, foi sinalizar que o time rubro-negro busca um novo modelo de jogo com Carpegiani. Mais móvel, envolvente. Falta ser mais criativo e insistir menos nos cruzamentos. Algo a ser trabalhado até a Libertadores.

(Estatísticas: Footstats)


Nenhum time grande repetiu mais a escalação em 2018 que o Botafogo
Comentários Comente

André Rocha

Em 2018, os grandes times vêm aproveitando os estaduais para fazer experiências, rodar o elenco, dar minutos a jovens da base, entrosar os jogadores contratados.

O Botafogo de Felipe Conceição optou pela manutenção e aposta na repetição para evoluir. Só não escalou os mesmos onze iniciais nas quatro rodadas do Carioca porque Joel Carli se lesionou na estreia e Marcelo Conceição entrou no seu lugar na zaga.

Os outros dez continuaram os mesmos: Jefferson; Arnaldo, Igor Rabello e Gilson; Matheus Fernandes; Rodrigo Pimpão, João Paulo, Leo Valencia e Luiz Fernando; Brenner. Nas duas vitórias na temporada – sobre o Macaé por 2 a 1 e Boavista por 1 a 0 – o treinador também mandou a campo os mesmos reservas: Dudu Cearense, Ezequiel -este entrou em todas as partidas – e Renatinho.

Nenhum time entre os grandes nos principais estaduais repetiu tanto a formação titular até aqui. Alguns, inclusive, começaram com reservas, como o Grêmio e o Atlético Mineiro, e o Flamengo iniciou com os garotos do sub-20 e aos poucos vai inserindo titulares.

O objetivo do alvinegro é claro: assimilar mais rapidamente um modelo de jogo diferente do antecessor Jair Ventura, melhorar a sintonia entre os jogadores e buscar os resultados para ganhar confiança. Equipe e o novo comandante em sua primeira experiência nos profissionais.

O desempenho até aqui não é de empolgar e nem deve ser. É um processo.  Mas Brenner vai se firmando como o goleador e a referência no ataque, João Paulo dita o ritmo no meio-campo e Arnaldo é opção interessante de velocidade pela direita, como no gol contra o Macaé.

A equipe vai se habituando a ficar mais com a bola, rodar, inverter o jogo. Desenvolve a paciência para abrir espaços em defesas fechadas. Ainda falta um pouco de mobilidade, mais diagonais dos ponteiros Pimpão e Luiz Fernando, infiltrações de Valencia.

Ainda tende a recuar demais quando abre vantagem no placar e tentar controlar os espaços e não a posse. Ainda assim, é o time que mais acerta passes entre os grandes cariocas, segundo o Footstats.

Questão de ajuste. E tempo. Felipe Conceição consegue fazer sua equipe pontuar e evoluir. Não é um trabalho simples, mas vai passo a passo, jogo a jogo. Repetindo para fazer melhor.


Vitórias com a garotada dão respaldo ao trabalho correto do Flamengo
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Antônio Scorza/Agência O Globo

Não há como garantir uma temporada bem sucedida do Flamengo em 2018. É até provável que com Paulo César Carpegiani no comando o time titular siga com as mesmas dificuldades do ano passado. Principalmente por ter um grupo de jogadores para privilegiar o jogo mais direto, de contragolpes, e não dentro da proposta do clube de propor o jogo no campo de ataque com posse de bola.

Mas uma coisa é inegável: o início de temporada é correto no planejamento e tem conseguido um saldo positivo na execução. O elenco voltou às atividades no dia 13 de janeiro com estreia no Carioca marcada para o dia 17.

A solução foi utilizar a garotada sub-20 e aos poucos inserir os profissionais já dando minutos em ritmo de competição. Uma escolha arriscada pelo resultadismo característico do nosso futebol, ainda mais com a urgência da maior torcida do país e a repercussão de tudo que acontece na Gávea e no Ninho do Urubu. O São Paulo estreou com derrota poupando os titulares e a pressão começou cedo.

Mas os meninos responderam bem, em desempenho e resultado. Na Copa São Paulo, chegando à final contra o São paulo, e nos primeiros jogos do estadual. Três vitórias, quatro gols marcados e nenhum sofrido. Ainda que Volta Redonda, Cabofriense e Bangu não sejam parâmetro de avaliação, ser testado com visibilidade dá “casca” aos garotos.

Também aumentaram a confiança de Vinicius Júnior. Já com cinco gols no profissional ao ir às redes diante da Cabofriense, novamente na Arena da Ilha. A joia do Real Madrid ainda a serviço do Fla também serviu Lincoln no gol da vitória sobre o Bangu após bela jogada individual. Na partida que marcou o retorno do jovem de maior destaque em 2017: Lucas Paquetá.

Léo Duarte voltou muito bem na zaga, Jean Lucas vai ganhando cancha, Ronaldo retornou com o espaço que tanto pediu antes de partir para o Atlético-GO. E ainda Lucas Silva, Vítor Gabriel, Klébinho, Thuler, o goleiro Gabriel Batista…Todos aproveitando o estadual para consolidar um dos momentos decisivos na carreira de qualquer jogador: a transição da base para o profissional.

A grande questão a resolver é que os garotos, por características, também precisam de espaço para acelerar, não trabalham com toques rápidos e deslocamentos para abrir defesas mais fechadas. Algo a ser trabalhado por titulares e reservas, já que o time, em qualquer competição, entrará com a responsabilidade de atacar na maioria das partidas.

A boa notícia para Carpegiani é que o treinador ganha opções. Se o titular não corresponder já terá um jovem menos verde para lançar num jogo maior, em um momento mais importante da temporada. O torcedor conhece, sabe o que esperar. A “grife” sem desempenho ganha uma sombra real que pode minimizar a ida do clube mais tímida ao mercado até aqui.

Como deve ser. Como é tradição nos momentos mais vencedores do Flamengo. As vitórias dão respaldo ao técnico, aos meninos e tranquilidade aos titulares na volta, já pensando em Libertadores. Não assegura o sucesso, mas já é um bom início.

 


Pressionar qualquer time brasileiro agora é covardia. Cenário é dramático!
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Marcello Zambrana/AGIF

O ano virou com a constatação de que nossos times estavam atualizando seus conceitos no trabalho defensivo. Sem a bola vemos compactação, coordenação dos setores, concentração e preocupação em negar espaços ao adversário. Algo já ficando parecido com o que se vê pela TV nos grandes campeonatos do mundo.

Mas é nítido que falta organização para atacar. Tudo ainda fica entregue à intuição e ao talento. Vemos pouco jogo associativo, deslocamentos para dar opção ao companheiro, ultrapassagens apenas para atrair a marcação. Trabalho coletivo, fundamental exatamente para criar espaços em retaguardas sólidas e bem fechadas.

Começa 2018 com suas não mais que duas semanas de pré-temporada e já temos times pressionados. Por torcida, imprensa, dirigentes… Ainda que a maioria dos adversários nos estaduais não joguem a Série A do Brasileiro e muitos sequer tenham divisão para disputar no segundo semestre, os treinadores também têm acesso às informações para qualificar o trabalho sem a bola. Aproximar setores ou mesmo estacionar um ônibus na frente da própria área.

Em 15, 20 dias de treinos e jogos não foi possível resolver os problemas de 2017. Ainda mais para quem trocou de treinador e mudou a base titular. Logo, o sofrimento para abrir defesas está lá. Muitas vezes em gramados ruins, com o calor do verão, etc.

É covardia cobrar demais agora. Não é passar pano ou blindar. Apenas ser razoável. Qualidade com regularidade neste início é utopia. Quem conseguir agora tem que se preocupar, porque pode faltar nos momentos mais importantes. Ainda que se trate como relevante a reta final dos estaduais.

Agora é o momento de testar, oscilar. Errar. Pedir a cabeça de Dorival Júnior no São Paulo pela estreia com derrota utilizando reservas no Paulista contra o São Bento só porque o time flertou com o Z-4 em 2017 e não ganha um título desde 2012 beira a insanidade. Ganhar do Novorizontino no Morumbi virou obrigação. Com o empate sem gols, vaias e mais cobranças. Dorival já sinaliza uma mudança no planejamento. Como questionar alguém que já se sente ameaçado em um ambiente já conturbado por conflitos políticos e outras particularidades?

O mesmo vale para todos os clubes, uns mais e outros nem tanto. Palmeiras, Flamengo e Internacional começaram com duas vitórias. Cada um com seu contexto. Mas também não estão isentos das mazelas de um calendário inchado, irresponsável. Inclusive podem pagar mais à frente pelo sucesso inicial. Porque não há tempo.

É obrigação vencer o pequeno. No clássico não pode perder. No Brasileiro todo jogo é importante. Libertadores é prioridade, Copa do Brasil é mata-mata, tiro curto, tem que dar tudo. Por mais que se alegue que na elite do futebol do país os salários estão muito acima da média do trabalhador comum e que muitos dariam a vida para ter como ofício algo tão prazeroso como jogar bola, a exigência é desproporcional. Massacrante.

Com o problema para criar espaços tudo fica ainda mais complexo. Então tome cruzamentos, na bola parada ou com ela rolando (ou voando)! Resultadismo para atender o imediatismo e seguir empregado, poder sair na rua, viver em paz.

Muitos dirão “quem não quer pressão que vá trabalhar em outra coisa”. Não estão de todo errados, é o ônus de tantas vantagens e privilégios. O que se questiona é a pouca inteligência de não entender os processos, exigir soluções mágicas e duradouras. Vencer sempre. Sem trégua. Se não atender, troca. E troca até “dar certo”.

Sem tempo não há trabalho, entrosamento e o produto final que pode resolver essa carência de ideias quando se está com a bola. A pressão por mudanças é o veneno tratado como remédio. Treinadores e jogadores não precisam de salvo conduto, cabide de emprego ou estabilidade de serviço público. Só de um pouco de paz. Sem gente histérica perseguindo, com ou sem microfone – ou teclado do computador ou celular com acesso às redes sociais.

O cenário já é dramático no final de janeiro! Pelo visto, serão mais onze meses no mesmo dilema.


A análise possível e o protesto necessário na estreia do Botafogo em 2018
Comentários Comente

André Rocha

Não existe um time entrar em campo para um jogo oficial com 12 dias de preparação. Doze. Não pode no futebol que se diz profissional. É impossível abrir o post sem este protesto. É necessário.

Por mais que o Botafogo, por todas as diferenças possíveis, carregue a obrigação de se impor contra a Portuguesa da Ilha do Governador em qualquer cenário, mesmo com o adversário treinando há 75 dias, a análise precisa ser relativizada.

É óbvio que o time comandado por Felipe Conceição é um grande incógnita, desde o elenco até o novo treinador em sua primeira experiência no profissional. Parece mais fraco sem Victor Luís na lateral esquerda, Bruno Silva no meio-campo e Roger no ataque. A busca por contratações é complexa pelas sérias limitações no orçamento.

Mas não dá para cobrar muita coisa além de fibra e a indignação com a derrota. A vontade para tentar no abafa se impor pela camisa. Para compensar a falha coletiva na jogada parada que terminou no primeiro gol de Sassá e o erro grosseiro de Jefferson no segundo do camisa 11.

Diminuiu no pênalti no toque (bizarro!) no braço de Romarinho e cobrado por Brenner e insistiu na variação do 4-2-3-1 para o 4-1-4-1 com as cinco substituições até empatar na assistência do centroavante para o gol de Marcos Vinicius no lance final.

Apresentou um rascunho de novas ideias, com mais aproximações e triangulações, tentando valorizar a posse de bola para ocupar o campo de ataque e criar espaços. Mas o hábito de definir rapidamente a jogada dos tempos de Jair Ventura persiste e atrapalha quando surge a obrigação de atacar. Por isso a insistência com os cruzamentos procurando Brenner. Algo que é absolutamente natural.

Porque não existe futebol sério e profissional com 12 dias de preparação. Só na “lógica” da estrutura federativa do futebol brasileiro que incha o calendário e enche a programação dos detentores dos direitos de transmissão. Com a conivência da direção do Botafogo, alinhada à FFERJ. Que devia ser alvo dos protestos da torcida, mais do que os jogadores. Atletas que não podem ser tratados como vítimas porque deviam se organizar como um foco importante de resistência ao status quo.

Mas a bola rolou. E para o alvinegro já tem clássico contra o Fluminense no sábado. Algo tão aleatório e sem sentido quanto a estreia do Bota em 2018.

 

 


Carpegiani no Flamengo em 2018 é aposta maior que em 1981
Comentários Comente

André Rocha

Ao desembarcar no Rio de Janeiro, Reinaldo Rueda disse que foram irresponsáveis e precipitados os que divulgaram a negociação em curso com a federação do Chile. Para horas depois confirmar a saída do Flamengo para comandar a seleção campeã das últimas Copas América.

Se esperou demais pela resposta do treinador colombiano, ao menos o clube agiu rápido e anunciou seu substituto: Paulo César Carpegiani.

68 anos, vindo de um trabalho até interessante no Bahia, embora tenha assumido a equipe na 14º e entregado na 12ª no Brasileiro. Mas nem esta passagem, nem a também curta pelo Coritiba em 2016/17, ambas com a missão de livrar as equipes do rebaixamento, são parâmetros para a sua nova empreitada.

Os motivos são óbvios: visibilidade tão grande quanto as cobranças e maior capacidade de investimento. Mas principalmente a obrigação de jogar como protagonista, no campo de ataque e com posse de bola. Por mais que Coxa e o tricolor baiano tivessem uma proposta ofensiva em muitos momentos, não é o mesmo que carregar a responsabilidade de se impor.

A passagem vitoriosa em 1981/1982 serve ainda menos como referência. Estreante na nova função com apenas 32 anos, comandando aqueles que tinham sido seus companheiros de treinos, jogos e concentrações poucos meses antes. Sucedendo Dino Sani para resgatar os conceitos e a maneira de jogar consagrada por Cláudio Coutinho. A única mudança significativa foi a escalação de Lico montando uma equipe móvel e de toque curto liderada por Zico e com conceitos avançados para a época: sem pontas de ofício, com os laterais Leandro e Júnior liberados para apoiar ao mesmo tempo e um centroavante, Nunes, que não ficava fixo na área e abria espaços para os companheiros que chegavam de trás.

Time que em maio de 1982 “unificou” os títulos, algo só alcançado pelo Santos de Pelé vinte anos antes. Era o último campeão estadual, brasileiro, sul-americano e mundial. Todas as conquistas com Carpegiani. Mas era outro esporte se comparado com o atual. Mais lento, menos intenso e dinâmico.

A segunda passagem, em 2000, foi polêmica pela demissão inexplicável de Carlinhos, campeão estadual e da Copa Mercosul no ano anterior e querido por todos na Gávea. Os jogadores não derrubaram Carpegiani, mas sentiam falta do antigo comandante e, mesmo com o investimento da ISL, um 5 a 1 aplicado pelo Vasco na rodada final da Taça Guanabara com show de Romário num domingo de Páscoa resultou em demissão e fez voltar Carlinhos, que seria bicampeão carioca.

Alguns bons trabalhos, como no Cerro Porteño que o credenciou a comandar a seleção paraguaia na Copa de 1998. Mas também a fama de “Professor Pardal” por improvisações mal sucedidas. Participou da campanha do rebaixamento do Corinthians em 2007. Último título em 2009, o estadual pelo Vitória. Com as transformações recentes no esporte, ainda que no Brasil elas aconteçam de forma bem mais vagarosa, não há como vislumbrar a linha de trabalho do velho/novo treinador rubro-negro.

Carpegiani aprecia jogadores versáteis e exige mobilidade e agilidade na frente. Mas seus times costumam render aproveitando o espaço cedido pelo adversário e não criando brechas para infiltração. Assim foi na execução do 4-1-4-1/4-2-3-1 no Bahia. Ou seja, o mesmo problema dos tempos de Zé Ricardo que Rueda não conseguiu encontrar uma solução.

Sua vantagem em relação à maioria de seus contemporâneos é ser mais antenado com a dinâmica do futebol atual. No Flamengo, o risco de ser tratado com desdém pela lógica boleira de “ganhou o quê?” é menor por ter sido o comandante nas conquistas mais importantes do clube. Foi companheiro no meio-campo e depois treinador de Zico. Certamente terá a aprovação e críticas mais brandas dos ídolos daquela geração, sempre chamados a opinar sobre os rumos do futebol.

Ainda assim, hoje é uma aposta maior do que era há quase 37 anos. Naquele período, sua missão era dar continuidade ao que funcionava. Agora é transformar o jogo burocrático, sem ideias, em algo criativo e moderno. O Flamengo precisava de ruptura, uma guinada de 180 graus na visão de futebol. Na urgência resolveu olhar para o passado, o mais glorioso de sua história.

Uma incógnita do tamanho da missão de Carpegiani.

 


2017 foi cruel com o Botafogo. Começou e terminou antes da hora
Comentários Comente

André Rocha

É legítimo e compreensível que os botafoguenses descarreguem suas frustrações sobre Jair Ventura, jogadores e diretoria do Botafogo pela décima colocação no Brasileiro que deixa de fora da Libertadores em 2018. Depois de trafegar em boa parte do campeonato na zona de classificação. Mesmo com as vagas cedidas por Grêmio e Cruzeiro e ainda a que o Flamengo pode deixar para o nono colocado com o título da Copa Sul-Americana. Ficou no quase.

O “quase”, aliás, foi a tônica do Botafogo na temporada. No Carioca, mesmo priorizando a Libertadores, chegou à semifinal e só foi superado pelo campeão invicto Flamengo. Algoz na Copa do Brasil já nas semifinais, com o gol de Diego na jogada improvável de Orlando Berrío. Na Libertadores só caiu para o campeão Grêmio em dois duelos parelhos. Duros reveses, mas todos diante de equipes superiores.

Porque o time de Jair Ventura jogou sempre no limite. Perdendo peças e, por conta das muitas limitações no orçamento, recorrendo às divisões de base e a reforços que quase nunca mantiveram o nível dos que saíam. Por isso sempre precisando estabelecer prioridades.

Abandonando o estadual em alguns momentos porque jogava a vida no torneio continental. Como sobreviveu até as quartas de final e ainda havia a Copa do Brasil o Brasileiro sempre ficou um pouco de lado. Quando Jair forçou a barra e colocou todos os titulares para encarar a maratona o time penou e sofreu reveses inacreditáveis, como as viradas de São Paulo e Vitória nos últimos minutos no Estádio Nilton Santos.

O Botafogo teve que queimar etapas de preparação no início. Precisava estar definido e competitivo para as fases anteriores à de grupos na Libertadores. A vitória contra o Colo Colo no Nilton Santos foi no primeiro dia de fevereiro. O Atlético Paranaense também viveu esta realidade, mas não foi tão longe nas demais competições de mata-mata.

O Botafogo pagou pela própria competência. Que não foi suficiente para buscar os títulos contra equipes mais fortes, mas levou até onde foi possível. Com dignidade e honrando as cores durante a maior parte do tempo.

Só que o gás acabou antes. Como um carro de F-1 mais modesto que tenta duelar com os das construtoras mais poderosas e cobra demais do motor e da estrutura. Ou quebra ou acaba o combustível. O Botafogo morreu nas últimas cinco rodadas do Brasileiro. O rendimento individual e coletivo despencou e os resultados foram mera consequência: três derrotas – uma em casa para o lanterna e rebaixado Atlético-GO –  e dois empates.  O derradeiro na despedida em Engenho de Dentro contra o Cruzeiro em clima de férias. Se vencesse cumpriria sua meta no campeonato.

Não deu. Que o Botafogo mantenha a ideia de continuidade refletida pela vitória do candidato da situação, Nelson Mufarrej, com o atual presidente Carlos Eduardo Pereira como vice. Não há razão para demitir Jair Ventura e sua comissão. Os erros aconteceram, sim. Talvez um melhor planejamento na questão física ou um pouco mais de coragem contra o Flamengo na Copa do Brasil. Quem sabe uma proposta mais consistente na necessidade de atacar e propor o jogo.

Mas a impressão mais forte é de que 2017 foi mesmo cruel por ter começado e terminado antes da hora. É humano que a torcida procure um responsável ou bode expiatório. Mas desta vez, mais do que em qualquer outra, o alvinegro quase sempre supersticioso e pessimista tem razão para culpar a sorte. Ou a falta dela.

 


Em 1982, Vasco mudou meio time para ser campeão. Por que não o Corinthians?
Comentários Comente

André Rocha

A derrota do Corinthians para a Ponte Preta foi daquelas de jogar a toalha. Time completo, semana para treinamentos buscando ajustes, adversário acessível…Pior que a derrota foi notar que não houve evolução. Técnica, tática ou anímica. Mesmo com o abafa no final que transformou o goleiro Aranha no herói da Ponte. O líder estacionou no desempenho e os resultados são apenas consequência. Ridículos 33% de aproveitamento no returno.

Como bem disse o nosso Júlio Gomes em seu blog aqui no UOL, O treinador Fabio Carille precisa de uma revolução. Mudar o desenho tático ou simplesmente trocar peças, ainda que o elenco não seja tão robusto e homogêneo. Incomodar o outrora titular absoluto, motivar o então reserva. Sair da pasmaceira e da maneira de jogar que os adversários aprenderam a mapear e anular.

Loucura? Pode ser. Arriscar um desastre logo em casa diante do Palmeiras, maior rival e grande candidato a tomar a liderança, mesmo com cinco pontos atrás? Talvez. Mas o momento sugere que não agir parece a pior escolha.

Se buscar na história do futebol brasileiro, o Corinthians vai encontrar um exemplo bem sucedido dessa transformação repentina e radical: o Vasco campeão carioca em 1982.

Foto: Arquivo O Globo

Antes que digam que não dá para comparar campeonato brasileiro com estadual vale a contextualização. Não era um carioca qualquer. Primeiro pelo valor que ele tinha naquela época para os clubes, com enorme rivalidade que fazia olhar até com certo desdém para competições nacionais e internacionais. Um tanto provinciano, mas os próprios personagens da época admitem esta visão.

Depois porque o Vasco sofria com cinco anos sem conquistas, acumulando vice-campeonatos para Fluminense e, principalmente, para o Flamengo em sua “Era de Ouro”. Para piorar, frustrações também no Brasileiro, com eliminação para o Guarani na semifinal de 1978 e derrota na decisão do ano seguinte para o Internacional.

Na própria edição de 1982 não houve comemoração de conquista de um turno. A Taça Guanabara ficou com o Flamengo e a Taça Rio com o América. O Vasco chegou ao triangular final pela melhor campanha geral.

No último jogo do returno, a inspiração para a mudança geral do treinador Antonio Lopes, hoje diretor de futebol do Botafogo. Vitória por 3 a 1 sobre o Flamengo com a equipe considerada reserva. Em campo, o goleiro Acácio no lugar de Mazaropi, Galvão na vaga de Rosemiro, Ivan substituindo Nei, Ernani no lugar de Geovani e Jerson na ponta-esquerda, só não substituindo Marquinho porque este atuou no meio-campo.

Lopes gostou do que viu e surpreendeu mantendo os cinco como titulares para a etapa decisiva. Meio time! A imprensa na época tratou o treinador como louco, com críticas pesadas e até piadas. Mazaropi e Rosemiro tinham história no clube e Geovani, 18 anos, era tratado como uma joia – seria craque e artilheiro do Mundial Sub-20 no ano seguinte com a seleção brasileira.

Com muita fibra e liderado por Roberto Dinamite, venceu o América por 1 a 0, gol de Ivan, um dos que se transformaram em titulares. Com grande atuação do goleiro Acácio, o mesmo que fechou a meta do Serrano dois anos antes na lendária vitória sobre o Flamengo por 1 a 0, gol do atacante Anapolina, que tirou a chance do rubro-negro de conquistar o inédito tetracampeonato da Era Maracanã.

Na decisão, time mantido. Contra o Flamengo de Zico. Com dez dos onze titulares que venceram o Liverpool no ano anterior por 3 a 0 e entraram para a história. Apenas Figueiredo na zaga no lugar de Mozer. Mas vivendo uma ressaca não só pelo revés de Leandro, Júnior e Zico na Copa do Mundo de 1982, mas principalmente pela eliminação recente na Libertadores para o Peñarol.

Na superação e na fibra, o Vasco cumpriu a melhor atuação no campeonato e venceu por 1 a 0. Curiosamente, o gol do título foi marcado por um dos titulares que foram parar no banco de reservas: Marquinho, pequenino que subiu entre Leandro, Figueiredo e Marinho, bem mais altos, para completar cobrança de escanteio de Pedrinho Gaúcho pela esquerda para explodir a massa vascaína no Maracanã com 113 mil pagantes.

O fim da sequência de insucessos. Acabou decretando também o fim do ciclo daquela formação do Flamengo que, remodelado e com Carlos Alberto Torres no lugar de Paulo César Carpegiani, conquistaria o Brasileiro de 1983. Graças às defesas de Acácio, à liderança de Dinamite, à entrega absoluta de Galvão, Ivan, Ernani e Jerson, que agarraram a oportunidade e deixaram tudo em campo. Acima de tudo, à coragem de Antonio Lopes para mudar tanto a base titular numa reta final de campeonato.

Por que não o Corinthians, 35 anos depois? Por que não pensar, por exemplo, em Leo Príncipe na vaga de Fagner que vai ladeira abaixo, perdendo até a vaga que parecia certa na seleção brasileira por conta da confiança de Tite? Ou Clayson e Pedrinho nas pontas, Camacho ou Fellipe Bastos na vaga do disperso Maycon. Vale testar com a certeza de que algo precisa ser feito. E rápido.

O Vasco de 1982 é um exemplo. Outro cenário, outra competição. Mas a mesma necessidade de se reinventar. Agora para voltar a vencer e não protagonizar um dos maiores vexames de sua história.


O campeão carioca deu as caras no Fla-Flu da Sul-Americana
Comentários Comente

André Rocha

Não foi só apenas a coincidência da repetição do placar da primeira final do Carioca, também com gol de Everton. O Flamengo da partida de ida das quartas-de-final da Sul-Americana lembrou o campeão estadual.

E neste bolo é possível incluir também a semifinal contra o Botafogo na Copa do Brasil. Diante dos rivais locais em disputas de mata-mata o time rubro-negro apresenta a fibra e a concentração que faltaram em tantos outros momentos da temporada. A rivalidade mais uma vez é o que move o Fla, seja com Zé Ricardo ou Reinaldo Rueda.

Concentração defensiva com duas linhas de quatro compactas para conter o volume ofensivo tricolor e organização para atacar. Desta vez com a criatividade de Everton Ribeiro, que percebeu a infiltração de Willian Arão e serviu com precisão em tempo e espaço. Finalização do camisa cinco e, no rebote de Diego Cavalieri, o gol de Everton.

Construção da vitória no primeiro tempo de controle e eficiência, mesmo com a saída de Rever, lesionado, para a entrada de Rhodolfo. Seis finalizações, duas no alvo. O Fluminense terminou com 52% de posse, cinco conclusões, mas apenas uma na direção da meta de Diego Alves, com Henrique Dourado batendo cruzado. Foram 13 desarmes corretos rubro-negros contra oito do rival.

Reação do time de Abel no segundo tempo, com bola na trave de Marcos Júnior, grande defesa de Diego Alves em chute de Gustavo Scarpa e pressão depois das entradas de Wendell e Wellington Silva nas vagas de Orejuela e Marcos Júnior. 13 finalizações e 57% de posse. Mas encontrou um Fla atento, encerrando a partida com 24 desarmes corretos. Podia ter ampliado em cabeçada de Juan. Entrega de Diego, Everton Ribeiro, sacrifício de Lucas Paquetá, novamente o substituto de Paolo Guerrero. Mudança de espírito.

Vantagem mínima, porém considerável. Valeu na primeira decisão estadual para confirmar na volta – triunfo por 2 a 1. O Flu está vivo, mas a má notícia é que não terá pela frente o Flamengo apático e disperso de boa parte da temporada. Nos clássicos fica claro que o time é outro.  O campeão carioca que deu as caras na Sul-Americana.

(Estatísticas: Footstats)