Blog do André Rocha

Arquivo : cristianoronaldo

Cristiano Ronaldo, o maior artilheiro “minimalista”. Acima de Romário
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Curto de La Torre (AFP)

“Não entro em campo para jogar bonito ou bem, entro para fazer gols”. A frase é de Romário, em 2002 quando atuava pelo Fluminense. Nove anos antes, foi chamado de “gênio da grande área” por Johan Cruyff.

Genial e genioso, não teve paciência e foco para ser atleta. Só queria jogar. Quando botou na cabeça que seria o melhor do mundo voou no Barcelona e na seleção brasileira campeã mundial de 1994.

Depois seguiu jogando por prazer, administrando a vida noturna e em campo buscando fazer o essencial. Os treinos físicos e os trabalhos coletivos o irritavam. Ele queria exercitar situações de jogo e, especialmente, se preparar para estar bem colocado na área para o último toque. Às vezes com uma dose de sadismo: o chute saía fraco, mas o suficiente para sair do alcance do goleiro em desespero.

Romário não quis se medir entre os maiores por muito tempo. Voltou ao Brasil como melhor do mundo em 1995, depois ainda se aventurou no Valencia, mas a passagem foi breve. Preferiu retornar à terra na qual tinha o trono garantido. Empilhou gols – mais de mil, segundo suas contas – até o fim da carreira. Cada vez tocando menos na bola, mas sempre letal.

Corte para 2017. Na Europa, no mais alto nível. Em mentalidade, a antítese de Romário. Apesar da semelhança na “marra”. O foco absoluto na carreira, na preparação física. No trabalho. Mas com o mesmo objetivo: estar pronto para o golpe final e decisivo.

Cristiano Ronaldo vinha de um período inconstante na temporada. Antes do confronto com o Bayern de Munique pelas quartas-de-final da Liga dos Campeões, apenas um par de gols do maior artilheiro da história da competição em oito partidas. Na liga espanhola, números melhores: 19 gols em 24 jogos. Pouco, porém, para quem se acostumou a manter uma média igual ou superior a um gol por partida.

Pois o “Penaldo”, apelido maldoso pelos gols de pênalti, acusado por seus “haters” de só marcar contra times pequenos e nos jogos menos importantes, foi às redes nada menos que cinco vezes nos dois confrontos com um gigante do Velho Continente. Sem penalidade máxima.

Sim, estava impedido nos dois decisivos, marcados na prorrogação do Santiago Bernabéu. A arbitragem novamente pesou mando de campo, camisa, marca e mídia no principal torneio de clubes do planeta. Uma lástima.

Mas saltou aos olhos mais uma vez a economia eficiente do goleador português que bateu a marca dos 100 gols na Champions. Nos 180 minutos, ele basicamente só se fez notar nos gols. Ainda que seu instinto de ponta o faça buscar a bola nos flancos e arrancar, as jogadas normalmente não têm sequência. Ou a bola é entregue a um companheiro para que o camisa sete parta para a área adversária.

Cristiano Ronaldo sabe que para superar Messi nas premiações individuais precisa dos títulos no Real Madrid e na seleção, mais os gols. Números. Porque não é possível igualar nas jogadas geniais. Por isso a concentração para não desperdiçar oportunidades.

De cabeça, pé direito ou esquerdo, com bola rolando ou não. O ponta que é o melhor centroavante do mundo. Com a experiência de seus 32 anos, 14 atuando na elite do futebol mundial, vai ficando mais objetivo nos gestos técnicos. Enquanto Messi precisa abrir espaços diante de fortes bloqueios defensivos, o português espera. A falha do rival ou a chance cristalina. Sempre bem posicionado.

É bem provável que Cristiano Ronaldo não ganhe uma Copa do Mundo ou chegue perto da milésima bola na rede, mesmo contando jogos não oficiais como Romário. Mas como artilheiro “minimalista”, o homem do toque final, o maior goleador da história do Real Madrid já supera o brasileiro.

Porque quer sempre e não de vez em quando. Entre os melhores, no cenário menos confortável. Fazendo cinco no Bayern, não no Barreira, hoje Boavista, de Bacaxá. Para o mundo ver, não no quintal de casa.


A força mental e a confiança de que tudo vai dar certo do Real Madrid
Comentários Comente

André Rocha

Se desta vez o sorteio da Liga dos Campeões não foi “generoso” colocando o Bayern de Munique de Carlo Ancelotti no caminho, o contexto acabou dando dois presentes para o Real Madrid no jogo de ida das quartas-de-final em Munique. Primeiro a ausência de Lewandowski, artilheiro da Bundesliga com 26 gols. Uma lesão no ombro tirou o centroavante e referência da equipe de Carlo Ancelotti.

Ainda assim, o time bávaro fez bom primeiro tempo. Com Arturo Vidal recuando próximo aos zagueiros para qualificar a saída de bola e acionando o lado direito como o setor forte. Porque os merengues se defendiam em duas linhas de quatro, com Bale voltando à direita e Toni Kroos abrindo pela esquerda. Mas o alemão era lento no movimento e deixava Marcelo sozinho contra Lahm e Robben.

Mesmo com Thomas Muller desconfortável no centro do ataque e uma atuação bem abaixo da média na temporada de Thiago Alcântara, havia volume e presença ofensiva. Vidal apareceu bem ao se antecipar a Nacho, substituto do lesionado Pepe na zaga, e acertar um “tiro” de cabeça que Keylor Navas não impediu.

Mas houve o pecado capital em disputa tão parelha. O segundo “presente” que o Real recebeu: um pênalti inexistente contra, já que não houve toque no braço de Carvajal depois do chute de Ribéry. Vidal isolou. E o Bayern murchou já no final do primeiro tempo. O paradoxo do futebol: se o árbitro Nicola Rizzoli não tivesse errado talvez o time alemão não sentisse tanto a chance desperdiçada de fazer 2 a 0 e abrir vantagem confortável.

Voltou na segunda etapa desorientado. É possível que a falta de adversários à altura na Bundesliga atrapalhe nesses momentos de dificuldade. O  Real, porém, também voltou mais aceso, congestionando o setor esquerdo com Casemiro e Sergio Ramos atentos na cobertura.

Acima de tudo, a equipe de Zidane é muito forte mentalmente. Atual campeã do torneio, líder da liga espanhola. Não é um primor coletivamente, mas todos sabem o que precisam fazer: os laterais defendem e apoiam abertos para espaçar a marcação, os meio-campistas trabalham a bola, o trio de ataque acelera e se procura para tabelas. Futebol simples e eficiente, respaldado no talento.

Como é Cristiano Ronaldo, que apareceu e fez a diferença já aos dois minutos completando passe de Carvajal. Especialmente depois da expulsão de Javi Martínez, por duas faltas seguidas punidas com cartões, o que era uma oscilação emocional virou desmanche e o Real passeou.

Recuperou a posse de bola (terminou com 51%) e finalizou nada menos que 16 vezes em pouco mais de 45 minutos, contra duas do time da casa. O centésimo gol de Ronaldo na Champions podia ter vindo na conclusão que Neuer tirou com o braço lembrando uma manchete de vôlei.

Mas o português não perde a concentração e, segundos depois, finalizou de novo e a bola passou entre as pernas de Neuer. Cem gols em competições europeias de clubes – 98 na Champions e dois pela Supercopa. Fenômeno, mesmo sem um desempenho tão notável nesta edição quanto nas últimas.

Ainda houve um gol bem anulado de Sergio Ramos. Mas a virada em Munique parece ter definido o confronto. Porque o Real Madrid de Zidane tem qualidade e entrosamento, mas também a confiança de que tudo vai dar certo. É quase impossível que dê tudo tão errado no Santiago Bernabéu.

(Estatísticas: UEFA)

 


Quartas da Champions: duelos de gigantes e entre semelhantes
Comentários Comente

André Rocha

ATLÉTICO DE MADRID x LEICESTER CITY – Dureza para os dois times. Para o Atlético porque entra como favorito absoluto, obrigado a propor jogo e dar o contragolpe. Para o Leicester também, já que será azarão, mas não tanto como se encarasse um gigante como Bayern, Barcelona e Real Madrid.

Interessante para ver essa versão do time de Simeone, que ocupa o campo de ataque e valoriza mais a posse de bola no ritmo de Saúl Ñíguez, mas sem deixar de ser compacto e concentrado, diante do campeão inglês que só joga em velocidade, vai entregar tudo no trabalho defensivo para definir em casa com o melhor de Vardy e Mahrez.

FAVORITO – Atlético de Madrid

BORUSSIA DORTMUND x MONACO – Duelo de intensidade máxima e vocação ofensiva, com times se arriscando dentro e fora de casa. Porém sem tanto controle de jogo. Ou seja, quem abrir vantagem na ida sofrerá se quiser administrá-la na volta.

Dembelé e Aubameyang contra Bernardo Silva e Mbappé. Thomas Tuchel versus Leonardo Jardim. Confronto sem a pompa dos duelos de gigantes, mas que promete demais. Muitos gols. Time alemão leva pequena vantagem pela cancha maior na competição.

FAVORITO – Borussia Dortmund

BAYERN DE MUNIQUE X REAL MADRID – Simplesmente 16 títulos em campo. Carlo Ancelotti, o mentor e campeão de “la decima”, contra Zidane, o aprendiz e atual vencedor. Dois times com camisa e experiência. Mas é difícil imaginar alguma novidade tática, já que são treinadores mais administradores que construtores.

Mesmo que a marcação individual tenha ficado para trás, é impossível não imaginar duelos como Bale x Alaba e a luta no meio-campo com Casemiro, Modric, Kroos de um lado; Xabi Alonso, Vidal e Thiago Alcântara do outro. Mais Robben contra Marcelo. Quem controlar a posse não leva vantagem necessariamente. Aposta na “sede” dos bávaros de recuperar o domínio europeu e no retrospecto positivo no confronto.

FAVORITO – Bayern de Munique

BARCELONA X JUVENTUS – A reedição da final da temporada 2014/15. Mas desta vez com o time catalão sem a consistência da última conquista e a equipe que domina a Itália há tempos mais cascuda e querendo revanche da decisão no Estádio Olímpico de Berlim.

A Juve parece ter uma formação mais equilibrada, com Mandzukic sendo o centroavante que infiltra pela esquerda para se juntar a Higuaín e Dybala no centro e receber as bolas de Cuadrado e Daniel Alves, que conhece muito bem o adversário. Mas o Barça, apesar das oscilações e dos problemas defensivos, tem o tridente genial e a sensação de que pode tudo depois dos 6 a 1 sobre o PSG.

FAVORITO – Barcelona

 

 


O maior zagueiro-artilheiro manda para casa o Napoli do “falso nove”
Comentários Comente

André Rocha

O primeiro tempo em Napoles foi de intensidade máxima do time da casa e, principalmente, da movimentação do belga Mertens como “falso nove”, recuando e abrindo espaços para a ultrapassagem do trio Callejón-Hamsik-Insigne. Enlouquecendo Casemiro, Pepe e Sergio Ramos.

Emblemática no gol único nos primeiros 45 minutos. Infiltração precisa de Insigne. Uma das quatro finalizações na direção da meta de Keylor Navas, no total de onze contra cinco – quatro a dois no alvo.

Faltava um gol para o envolvente Napoli do ótimo técnico Maurizio Sarri e o San Paolo parecia pronto para criar a atmosfera que construiria a virada histórica na segunda etapa. Mas no outro lado havia o atual campeão europeu.

Um time gelado que parecia engessado e lento e passou a competir mais. Com Cristiano Ronaldo e Benzema alternando na esquerda e no centro, com o francês mais pelo lado. Modric mais ágil e Toni Kroos participativo.

E tem Sergio Ramos. Impressionante seu tempo de bola nas jogadas aéreas. A impulsão também ajuda a se impor. O movimento tem força e precisão. Dois escanteios dos pés de Kroos, um gol e outro golpe desviado por Mertens. Em cinco minutos.

A disputa acabou pelo efeito surpresa que anestesiou o estádio. Com técnica e organização, o Real controlou o jogo. Mertens murchou, Morata fechou a conta nos acréscimos. Os 6 a 2 no agregado do confronto das oitavas-de-final são um exagero pelo que se jogou. Cristiano Ronaldo segue devendo gols e bola nesta edição da Liga dos Campeões.

Mas os merengues impõem respeito pelaa camisa com as onze taças. Também têm talento e confiança para fazer mais com menos. E conta com um “supertrunfo”: Sergio Ramos, que sofreu com o “falso nove”, mas foi novamente o autêntico e maior zagueiro-artilheiro decisivo para salvar sua equipe mais uma vez.

(Estatísticas: UEFA)

 


Futebol não é só tática! Na alma, Sevilla encerra a invencibilidade do Real
Comentários Comente

André Rocha

Zidane surpreendeu ao mandar a campo pela primeira vez o seu Real Madrid com três zagueiros. Ou uma linha de cinco atrás, tendência recente com o sucesso do Chelsea de Antonio Conte na Premier League.

A lógica é simples: se o adversário trabalha a bola para encontrar espaços, infiltrar nos últimos vinte metros e finalizar, por que não ter mais jogadores para evitar a jogada mais importante? A receita de Mourinho e tantos outros treinadores para parar Barcelona e as equipes de Guardiola ou qualquer time que queira a bola.

Como o Sevilla de Jorge Sampaoli, que é equipe de posse, linhas adiantadas e circulação de bola com tabelas e triangulações no ritmo do redivivo Nasri, que, junto com N’Zonzi, afundou Ganso no banco. Até encontrar as diagonais em velocidade de Ben Yedder, artilheiro da equipe, e Vitolo. Atacantes abertos que encontram parcerias nos flancos com os laterais Mariano e Escudero. Proposta ofensiva.

A resposta merengue foi Nacho entrando na zaga com Varane e Sergio Ramos. Carvajal e Marcelo eram alas no ataque e quase pontas quando o Real Madrid avançava a marcação e pressionava no campo de ataque. Sem a bola, formavam o cinturão de proteção da meta de Keylor Navas com o suporte de Casemiro, preciso nos desarmes.

O time visitante e líder do Espanhol não se incomodava em perder o meio-campo e deixar o mandante controlar a posse (56% no primeiro tempo). A ideia era evitar a ação ofensiva trabalhada que cria a oportunidade cristalina, o adversário na cara do gol.

Conseguiu na primeira etapa. O momento mais perigoso foi com N’Zonzi em cobrança de escanteio. Já o Real, nos contragolpes às costas de Mariano, teve duas espetadas de Cristiano Ronaldo e Benzema. Só faltou a conclusão precisa para coroar o jogo controlado.

A segunda etapa começou com intensidade máxima do time de Sampaoli, muita movimentação e uma bola roubada que virou contragolpe e Ben Yedder, pela primeira vez com espaços às costas de Nacho, parou em Navas.

Taticamente, porém, o Real seguia dono do plano mais bem executado. Logo ameaçou em dois contragolpes até o pênalti do goleiro Sergio Rico em Carvajal, após vacilo de Escudero. Confusão, catimba, provocação de Vitolo, mas nada impediu que Cristiano Ronaldo cobrasse com a precisão costumeira.

Zidane trocou o exausto Kroos por Kovacic. Poderia ter tirado Benzema e colocado Morata para ganhar fôlego nos contragolpes, mas o controle era do Real. Mesmo com Sampaoli arriscando tudo com Sarabia no lugar de Iborra, mas para abrir à direita e enviar Ben Yedder para se juntar no centro do ataque a Jovetic, que substituiu Franco Vázquez.

O Sevilla se mandou, correu riscos com os lentos zagueiros Pareja e Rami contra Cristiano Ronaldo. Mas futebol não é só tática ou estratégia. É também alma, fibra e atmosfera no estádio. E o Ramón Sánchez-Pijzuán ferveu no gol contra de Sergio Ramos, vaiado o jogo todo pelas provocações na Copa do Rei e ainda por conta da saída conturbada do clube. Na bola parada, quando o “abafa” era a única saída.

Com o Real tonto vendo o herói de tantas conquistas recentes com gols nos últimos minutos desta vez ser o vilão e acuado pelos gritos vindo das arquibancadas e pela entrega dos jogadores dentro, veio a virada no chute de Jovetic que Navas espalmou para dentro.

Sim, Sampaoli foi feliz ao colocar presença física na área adversária para ter mais chances de finalizar. Mas isso qualquer treinador faria. Fazer o óbvio às vezes é mérito também.

Zidane provavelmente será responsabilizado pela primeira derrota após 40 jogos. Talvez um técnico mais vivido fizesse o time parar o jogo, quem sabe com trocas no final para ganhar tempo. Porém na estratégia ele acertou mais que errou no duelo contra um dos melhores treinadores do planeta, que rapidamente já faz o Sevilla mudar de patamar no país e no continente.

Mas o futebol é espetacular por essas histórias errantes, sem roteiro definido. Instável, emocionante, imprevisível. Que deixa tudo em suspense, em aberto. Como ficou o Espanhol com o Sevilla voltando à vice-liderança e trazendo o Barça para perto do Real Madrid. Temos um campeonato.

(Estatísticas: Whoscored.com)

 


Cristiano Ronaldo é o craque do presente e referência para o futuro
Comentários Comente

André Rocha

cristiano-ronaldo

Lionel Messi é um gênio atemporal e o grande jogador desta era, na visão deste que escreve. Um dos melhores da história. Como Maradona será sempre lembrado como o maior dos anos 1980 e 1990, ainda que Platini, Zico, Van Basten, Matthaus e outros tenham conquistado premiações individuais e títulos com seus times e seleções no período.

O maior mérito de Cristiano Ronaldo, consagrado o melhor de 2016 pela “France Football” e agora pela FIFA, é ter a exata noção de como rivalizar com o argentino: nos números e nos títulos de equipes. E na seleção, com a Eurocopa do ano passado agora separando os dois. Conquistando como zebra o que o outro não conseguiu na condição de favorito.

“Não foi justo, Messi marcou mais gols e deu mais assistências no ano”. Cristiano Ronaldo foi artilheiro da Liga dos Campeões, o torneio mais importante entre os clubes, com 16 gols. Só não foi o recorde por um gol para igualar…Cristiano Ronaldo, que marcou 17 em 2013/14.

“Só marca de pênalti e gol fácil”. Quanto o argentino daria de sua fortuna por uma conclusão na pequena área sem goleiro ou pela penalidade não desperdiçada na final da Copa América Centenário contra o Chile?

“Não foi decisivo nas finais de Champions e Eurocopa”. Sem os três contra o Wolfsburg pelos merengues e os dois, um de letra, mais uma assistência na primeira fase da Euro diante da Hungria no empate em 3 a 3 e nem haveria decisões para disputar.

O português é craque com estatísticas e momentos geniais a menos de um mês de completar 32 anos por saber amadurecer com inteligência. Trabalha obsessivamente para seguir como um espetacular atleta, mantendo um baixíssimo índice de gordura e alto desempenho. Mas, ao mesmo tempo, já procura os atalhos em campo.

O objetivo é estar inteiro, física e mentalmente, para ser decisivo. Cristiano Ronaldo hoje sabe o momento de estar na ponta e buscar a diagonal e a hora de se enfiar na área adversária como centroavante. Mas também pode fechar uma linha de meio num 4-1-4-1 pela esquerda e se entregar ao trabalho defensivo, como fez, por exemplo, nos 2 a 1 sobre o Barcelona na temporada passada.

O maior artilheiro da história do Real Madrid e da seleção portuguesa também sinaliza o caminho que está por vir. Com o jogo cada vez mais intenso em alto nível e o calendário inchado por FIFA e UEFA, o jogador precisa ser um superatleta para suportar a carga e também encontrar forças e fôlego para aprimorar os fundamentos sempre que possível sem o risco de exaurir os músculos. Profissionalismo absoluto.

Precisão técnica, o lema do futebol nos próximos anos. A marca desta máquina de gols, já uma lenda. Quatro vezes o melhor do mundo. Craque do presente e referência para o futuro.

 

 


Procura-se um time para Lionel Messi
Comentários Comente

André Rocha

Lionel Messi tem 13 gols no Espanhol e dez na Champions League em 20 partidas – 14 pela liga nacional, seis no torneio continental. Em 2016 foi às redes 59 vezes e serviu 31 assistências em 61 jogos.

No empate com o Villareal com arbitragem polêmica que fez o Barcelona perder a segunda colocação para o Sevilla de Sampaoli, evitou uma derrota que podia ter sido trágica com uma fantástica cobrança de falta no final da partida.

Na Argentina, salvou a seleção no último jogo de 2016 com um golaço, também em cobrança de falta que está virando especialidade, e mais duas assistências nos 3 a 0 sobre a Colômbia que fez a albiceleste ao menos ficar na zona de classificação na repescagem das eliminatórias sul-americanas.

Messi viu Cristiano Ronaldo faturar a Bola de Ouro da “France Football” e provavelmente levar amanhã em Zurique também o prêmio da FIFA. Porque Real Madrid e Portugal conquistaram os títulos mais importantes da Europa na temporada. Equipes que nos momentos decisivos trabalharam coletivamente e não dependeram tanto de sua estrela maior.

Já Barça e Argentina precisam demais de seu camisa dez pela falta de uma proposta de jogo que não necessite tanto do brilho de seu craque. O time catalão porque está mais que previsível e o técnico Luis Enrique não encontra alternativas para variar as ações ofensivas e surpreender os rivais nos jogos mais complicados. Na seleção, o trabalho de Edgardo Bauza, ainda no início, sofre por falta de repertório.

Sem desempenho da equipe, Messi precisa buscar mais o jogo e partir com bola dominada para tentar a vitória pessoal ou usar sua visão de jogo privilegiada para colocar um companheiro na cara do gol. Agora adiciona as cobranças de falta em seus múltiplos recursos para desequilibrar. Ou igualar as forças entre times organizados e suas equipes, talentosas, mas capengas no jogo coletivo.

Eis o paradoxo de Messi: para recuperar o domínio dos prêmios individuais, o gênio argentino precisa de um time. Na acepção da palavra. Para potencializar seu enorme talento e não sobreviver por causa dele.


Messi e Cristiano Ronaldo: um deve um pouco ao outro o lugar na história
Comentários Comente

André Rocha

Messi e CR7

Em 2013, o filme “Rush – No Limite da Emoção” relembrou a rivalidade de Niki Lauda e James Hunt na disputa do Mundial de Fórmula 1 de 1976, marcado pelo grave acidente que deformou o piloto austríaco com queimaduras.

Uma história romantizada, que carrega naturalmente nas tintas para se adaptar à narrativa do cinema. Lauda era o nerd arrogante e perfeccionista, Hunt o louco mergulhado no mito “sexo, drogas e velocidade”. Como a história do automobilismo criou o mito Senna, o arquétipo do bom moço em contraste com Piquet, Alain Prost e depois Michael Schumacher, com personalidades mais controversas e competitivas.

Como se alguém pudesse ser uma coisa só, um personagem “flat”, reto, sem desvios, dúvidas, contradições.

Tentam fazer o mesmo com a maior rivalidade entre dois craques na história do futebol. Cristiano Ronaldo, o vaidoso que exalta seus feitos, seus carros, suas modelos a tiracolo. Lionel Messi, o moço tímido e pacato, que quase não fala e não gosta de aparecer.

Como se o português não fosse um exemplo de profissionalismo e uma liderança positiva no Real Madrid e na seleção, além de protagonizar belas histórias de solidariedade e altruísmo, e o outrora discreto Messi não fosse capaz de aderir a um visual que misturava Neymar com Chuck Norris ou usar ternos “exóticos” nas premiações da FIFA ou criticar publicamente a desorganização da AFA.

A única verdade em todas essas rivalidades, tanto nas mais respeitosas quanto nas notoriamente agressivas, é o quanto o sucesso de um impacta no desempenho do outro.

Ou alguém duvida que a Bola de Ouro da “France Football” para Cristiano Ronaldo na mesma semana da conquista do título mundial de clubes com o Real Madrid com três gols do astro português não influiu na atuação antológica do camisa dez argentino do Barcelona nos 4 a 1 sobre o Espanyol, com direito a uma sequência mágica de dribles no segundo gol, marcado por Luís Suárez?

É assim desde 2008, quando Cristiano Ronaldo ganhou sua primeira Bola de Ouro ainda no Manchester United e Messi na sequência explodiu todo seu talento com a Era Guardiola no Barça. A ponto de fazer o português aceitar a proposta do Real Madrid para competir de mais perto, em mais competições e com toda a atenção do planeta.

Há oito anos eles alternam no posto de melhor da temporada. A ponto de atrair votos no piloto automático, até quando em uma temporada específica outros fossem superiores em desempenho e resultado – como Wesley Sneijder em 2010, por exemplo. Mas não há dúvidas de que são os melhores desta era e nunca houve uma disputa pelo olimpo tão marcante.

Nem com números tão absolutos. Goleadores máximos da história de seus clubes, quebram recordes seguidos e disputam gol a gol a artilharia do maior torneio de clubes do planeta, a Liga dos Campeões. Messi tem mais conquistas no Barcelona, mas agora Cristiano alcançou o feito que falta ao argentino: o título relevante pela seleção com a Eurocopa que Portugal venceu este ano.

Tudo para colocar ainda mais molho nesta disputa que provoca verdadeiras guerras nas redes sociais e muita discussão nas mesas de bar e nos programas de debate na mídia. Quem é melhor? Talvez Messi encante mais por ser uma espécie de mistura do melhor de Pelé e Maradona. A arte vertical, os dribles mágicos na direção do gol e o passe preciso e objetivo que coloca o companheiro na cara do gol.

Mas como questionar o melhor finalizador que o mundo já viu? Uma evolução de Romário que agora, atuando mais dentro da área adversária, aprimora as finalizações de todas as formas – pé direito, canhota, cabeça, chutes de média e longa distância, falta e pênalti. Incrível máquina de fazer gols que hoje se concentra em estar preparado física e mentalmente para decidir com o mínimo possível de toques.

Dois gênios que se alimentam da motivação de superar um ao outro. Eles se precisam. Difícil prever o que será de um quando o outro parar – o português é dois anos mais velho. Talvez enfim deem lugar a outro como protagonistas do futebol moderno. Por ora parece improvável, porque a distância é grande. Jogam em outra dimensão.

Desfrutemos, pois. Sem a necessidade humana de execrar um para exaltar o outro. Curtindo as qualidades e também os defeitos. Estimulando a competição sadia e a relação distante pelas personalidades distintas, mas cada vez mais cordial, ao menos em público. Como na foto que ilustra este post.

Elevaram a disputa a um nível inimaginável e, por isso, um deve um pouco ao outro o lugar na história do esporte. Como Lauda há 40 anos deve a Hunt o exemplo de obstinação ao voltar às pistas e competir logo após o acidente, mesmo com dores quase insuportáveis. Como Senna disse pouco antes de morrer que sentia falta do rival aposentado Prost e, de certa forma, fora tricampeão mundial por causa do francês.

Ser o melhor no que se faz deve vir de dentro. Mas quando lá fora existe uma referência para superar é difícil criar limites. Messi e Cristiano Ronaldo vão superando todos. Felizes somos nós que podemos acompanhar em tempo real uma das mais incríveis histórias do mais apaixonante dos esportes. Quem sabe nas telas dos cinemas quando bater a saudade da dupla nos campos?


Hala Madrid! Mas futebol não é, nunca foi e jamais será apenas dinheiro
Comentários Comente

André Rocha

O futebol não é só dinheiro.

O Real Madrid confundiu jogar naturalmente, controlar e dosar o ritmo com a perda da competitividade depois do gol de Benzema logo aos nove minutos da final do Mundial Interclubes.

Veio então o bom e organizado Kashima Antlers e seu grande talento Shibasaki para lembrar que abismo técnico, financeiro e midiático só se concretiza no campo se atrelado à competência. Empate no final do primeiro tempo, virada no início da segunda etapa com gols de seu camisa dez – meio-campista de área a área que jogaria em pelo menos metade da Série A brasileira – e alimentou o sonho.

Às vezes a camisa pesa mais que o poder financeiro e o árbitro Janny Sizakwe pipocou quando deveria ter punido Sergio Ramos com o segundo cartão amarelo e, consequentemente, a expulsão do zagueiro. Poderia ter mudado a história da decisão.

Então Cristiano Ronaldo apareceu, embora nunca tenha se escondido. Tropeçou na bola em um contragolpe, perdeu gol à frente do bom goleiro Sogahata. No momento em que o time merengue mais precisava, porém, converteu o pênalti sobre Lucas Vázquez que garantiu a prorrogação, se Endo não tivesse perdido uma grande chance no lance final do tempo normal.

Em 15 minutos, o português resolveu a final com mais dois gols, desta vez com bola rolando. Para fechar um ano espetacular nas conquistas. Talvez nem tanto no desempenho. Minimalista, Cristiano não participa tanto na construção das jogadas, mas está inteiro durante os noventa minutos e mais uma prorrogação, se for necessário, para estar preparado para a finalização.

Desta vez protagonista na decisão. Três gols em finais de Mundial, só ele e Pelé, no duelo do Santos contra o Benfica em 1962.

Real cinco vezes campeão mundial.  Gigante, máquina de fazer dinheiro. Mas existe também a competência no uso dos recursos. Os três últimos campeões são Barcelona, Real Madrid duas vezes e Bayern de Munique. Times da primeira prateleira do futebol mundial, incluindo o universo das seleções.

Equipes entre as maiores, mais vencedoras e melhores da história. Sintonizadas e artífices da evolução recente do esporte. Com a qualidade que o dinheiro compra, mas também intensidade e setores bem coordenados. O mais alto nível.

Porque futebol nunca foi só dinheiro.

Se fosse, o Manchester United, das marcas mais valiosas do planeta, não estaria fora da Liga dos Campeões e, mesmo com Mourinho no comando, não sentiria tanta falta de Sir Alex Ferguson.

Se fosse, o Atlético de Madrid não teria surpreendido o mundo em 2014 com título espanhol e final de Champions e o Leicester City não viveria o conto de fadas na última temporada. Orçamentos bem mais modestos, mas rara excelência.

No mesmo Mundial com chancela da FIFA, quando o Barcelona já vivia a queda de Ronaldinho Gaúcho pós Copa de 2006, o Internacional de Gabiru não perdoou. Quando Liverpool e Chelsea ganharam a Europa sem a condição de melhores times do continente de fato, São Paulo e Corinthians conseguiram surpreender.

O próprio Real já viveu na pele o revés pela força do dinheiro. Em 2003 dispensou o operário Makelele que fazia o time funcionar e contratou a superestrela David Beckham para se juntar a Figo, Zidane, Ronaldo e Raúl. Contratação que disparou a venda de camisas, mas não rendeu títulos com todos os astros reunidos.

Hala Madrid! Mas o futebol jamais será apenas dinheiro. Porque sempre haverá um Kashima Antlers, a melhor história do Mundial de Clubes de 2016, para nos lembrar por que amamos tanto este jogo.

 

 

 

 

 


Por que os europeus nunca vacilam na semifinal do Mundial
Comentários Comente

André Rocha

A vantagem financeira é abissal e cristalina, mas dinheiro não é tudo. Tanto que muitos gigantes milionários tropeçam diante de nanicos em suas ligas.

O Real Madrid, sem Gareth Bale e poupando Sergio Ramos, teve dificuldades nos 90 minutos diante de um América do México bem organizado por Ricardo La Volpe. Com cinco na última linha de defesa, mas sem abdicar do jogo. Mais uma prova de que retranca não tem relação direta com sistema tático.

O time de Zidane, seguro e pragmático, soube girar a bola com paciência, sofrer sem desespero e esperar a brecha até a jogada de Cristiano Ronaldo, Modric, a assistência de Kroos e o belo gol de Benzema que descomplicou o jogo já nos acréscimos de um primeiro tempo de 58% de posse merengue e dez finalizações contra cinco dos mexicanos.

Segunda etapa de controle para dosar as energias, mesmo com alguns sustos pelo ímpeto do América, defendendo invencibilidade de 16 jogos. Zidane fechou sua equipe em duas linhas de quatro com James e Morata nas vagas de Kroos e Benzema e aguardou o melhor momento para o contragolpe letal.

Veio nos acréscimos com o primeiro gol de Cristiano Ronaldo no Mundial com a camisa do Real, em nova confusão da arbitragem com o auxilio do vídeo. Mas nem precisava.

Porque o Real, assim como os europeus que chegaram a todas as decisão do Mundial Interclubes desde 2005, jogou ao natural, como uma partida qualquer. Sem a tensão que os sul-americanos carregam – um misto de medo do vexame, preocupação com a estreia, expectativa altíssima que só aumenta a ansiedade.

Foi assim desde o São Paulo em 2005 nos 3 a 2 contra o Al-Ittihad até a dura derrota do Atlético Nacional para o Kashima Antlers. Passando pelos reveses de Internacional e Atlético Mineiro contra Mazembe e Raja Casablanca. Quase sempre o emocional prejudicando por um certo superdimensionamento da disputa.

Não acontece com os campeões da Liga dos Campeões. Não que eles desprezem o torneio – o Real poupou peças na vitória por 3 a 2 sobre o La Coruña pelo Espanhol antes da viagem. Mas pelo posicionamento do Mundial no meio da temporada no Velho Continente, o peso é diferente.

Para os sul-americanos em geral é o fecho de ouro de um ano vencedor, muitas vezes com uma preparação longa demais, com prioridade total e até desprezando outras competições. O europeu não vai largar sua liga ou a Champions por isso.

Vem funcionando e o Real, que ampliou sua série invicta para 35 jogos, está em mais uma decisão. A segunda no novo formato. Em 2014 superou o argentino San Lorenzo, agora enfrentará o campeão japonês. Outra escola, outra atmosfera diante do anfitrião. Mas o mesmo favoritismo do continente que venceu oito em onze edições. Sem fraquejar na semifinal por deixar acontecer naturalmente.

Se tudo der errado na final de domingo será histórico, até um vexame. Mas não o fim dos tempos em Madrid.

(Estatísticas: Real Madrid)