Blog do André Rocha

Arquivo : cruzeiro

Cruzeiro, o estreante mais consistente da quarta-feira de futebol precoce
Comentários Comente

André Rocha

Foram 14 dias de preparação do Cruzeiro para a estreia oficial no estadual contra o Tupi no Mineirão. Não se faz futebol com qualidade em duas semanas.

Mas pela base já montada e a essência do modelo de jogo já assimilada, o time de Mano Menezes conseguiu apresentar um rascunho de futebol mais interessante. Mesmo com o encaixe de Fred que já mudou toda a dinâmica do ataque em sua reestreia que atraiu mais de 40 mil cruzeirenses.

Com o camisa nove no centro de ataque, alguns movimentos mudaram. Como Rafinha jogando aberto pela direita e contando com o apoio por dentro de Lucas Romero, improvisado na lateral direita enquanto Edilson não estreia. Mais o suporte de Robinho no 4-3-3/4-1-4-1 como o desenho tático.

Do lado oposto, o inverso: De Arrascaeta buscando as diagonais se juntando a Fred e Egídio descendo quase colado à linha da lateral para espaçar a marcação adversária. Ariel Cabral dando opção de passes. Sempre em triangulações pelos lados e o centroavante fazendo o trabalho de pivô. Ocupação inteligente do campo de ataque e volume de jogo sem dar muitas chances aos contragolpes do adversário.

Fred desperdiçou algumas chances, mas teve movimentação até interessante para uma estreia. Atraiu marcação e foi um facilitador. Tabelou com Rafinha, que serviu Robinho no primeiro gol em bela jogada coletiva. Depois o próprio Rafinha completou de letra assistência de Henrique. Dois a zero, jogo resolvido.

A chance de Mano mandar a campo Thiago Neves e Rafael Sóbis, além de estrear Bruno Silva, que apoiou bem aberto pela direita e descansou um pouco Lucas Romero. Rodar o elenco será fundamental para dar minutos e descanso a todos em um calendário inchado.

Se a garotada do Flamengo fez bonito nos 2 a 0 em Volta Redonda e o Santos teve o placar mais dilatado nos 3 a 0 fora de casa sobre o Linense, o desempenho do Cruzeiro foi o mais consistente entre os grandes clubes na quarta-feira de futebol precoce no Brasil.

 


Você rejeitaria Tite depois da Copa do Mundo ou só vale para os “gringos”?
Comentários Comente

André Rocha

Reinaldo Rueda conduziu mal a saída do Flamengo para comandar a seleção chilena. Agora não vem mais ao caso, mas, observando à distância, havia várias maneiras, em tese, de ser mais transparente com o clube brasileiro.

Só que o caso de mais um treinador sul-americano deixando o país para aceitar uma proposta de seleção, se juntando a Osório, que saiu do São Paulo para o México, e Bauza, do mesmo clube para a Argentina, está construindo uma imagem de que os técnicos estrangeiros não cumprem  contratos e usam o Brasil como “trampolim”.

O nome disso, sem meias palavras, é xenofobia. Um pouco de reserva de mercado por parte dos treinadores daqui, tema que volta sempre que surge uma oportunidade. No caso de Rueda, na chegada e na saída – será por ter “tomado” um emprego tão cobiçado como ser o treinador do time de maior torcida do país?

Muito também pela visão de que treinadores de outros países do continente nada tem a acrescentar por aqui, enfrentam a barreira do idioma e não apresentam grande vantagem nos aspectos táticos e estratégicos. Talvez pela falta de tempo para trabalhar num calendário inchado, com imediatismo, resultadismo e pressão desproporcional. Os que já estão aqui se acostumaram com o ciclo. Para o “forasteiro” requer mais tempo.

Simplesmente não faz sentido. Principalmente a acusação de não cumprirem contrato. Quem cumpre? Os clubes, que demitem por qualquer sequência de resultados ruins? Como esquecer da demissão de Jorge Fossati do Internacional classificado para a semifinal da Libertadores de 2010? Ou Ricardo Gareca do Palmeiras, Diego Aguirre do Atlético Mineiro e Paulo Bento do Cruzeiro? Nem é questão de discutir cada caso, mas os clubes não hesitaram na hora de descartar os profissionais.

Os treinadores brasileiros, que cansados de levar um pé no traseiro agora deixam os clubes por qualquer proposta mais vantajosa estão errados também? Como Guto Ferreira, da Chapecoense para o Bahia e deste para o Internacional? Ou Fernando Diniz, sem disputar um jogo sequer pelo Guarani e partindo para o Atlético Paranaense?

Sem contar os casos dos brasileiros que saíram para seleções. Como Joel Santana em 2008, deixando o Flamengo para comandar a África do Sul que seria anfitriã da Copa do Mundo dois anos depois. Se pensarmos em “seleções” mundiais como o Real Madrid, como esquecer Vanderlei Luxemburgo abandonando o Santos campeão brasileiro em 2004 para comandar o Real Madrid?

E Tite? Ele mesmo admite e pede perdão ao Corinthians por ter “deixado o clube na mão” no ano passado para comandar a seleção brasileira. Não deixa de ser o mesmo caso: treinador que encerra seu contrato com um clube para acertar com uma federação. No caso, a CBF, entidade que o próprio Tite via com reservas e assinou manifesto de repúdio às suas práticas. E como ficou o ano do então campeão brasileiro, que já havia sofrido um desmanche no início da temporada?

Questão de ponto de vista. Este que escreve até discordou na época da decisão do melhor treinador brasileiro, mas depois compreendeu que era a realização de um sonho. O contexto também mostrou que acabou sendo melhor para a seleção, já que o risco de ficar de fora do Mundial era real.

Mas se ele deixar a CBF ao final da Copa da Rússia você ficaria com um pé atrás ou mesmo rejeitaria no caso do seu time de coração fechar contrato com Tite por ele não ter cumprido o acordo com o Corinthians? Foi exatamente o mesmo caso de Bauza, que foi servir ao futebol do seu país. Ou a crítica só vale para os “gringos”?

Rueda foi mal no fim do ciclo do Flamengo, mas daí a generalizar e rotular o caráter de profissionais estrangeiros vai uma distância enorme. Do tamanho do preconceito de tantas vozes que estão gritando desde o anúncio da saída do colombiano. Tudo muito conveniente.


O que o Cruzeiro ganha e perde com Fred
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Divulgação/Cruzeiro

A melhor versão da seleção brasileira com Mano Menezes foi sem um atacante na referência. Neymar abrindo espaços para Hulk, Kaká e Oscar. Fred foi preterido e agradeceu aos céus quando o treinador foi demitido e Luiz Felipe Scolari assumiu em 2013. Criticou publicamente o ex-comandante do escrete canarinho. Para terminar em quarto lugar na Copa do Mundo no Brasil no ano seguinte. Com Fred titular nos 7 a 1. A última partida dele com a camisa verde e amarela.

Se a polêmica que nasceu com o anúncio do retorno do centroavante ao clube depois de 13 anos para ser comandado por Mano Menezes já foi encerrada pelos dois em entrevistas, a questão no campo segue gerando dúvidas.

Porque o Cruzeiro ganha, mas também perde com a presença de Fred no ataque. Na temporada 2017, os melhores momentos do time celeste foram sem um típico camisa nove na frente. Na conquista da Copa do Brasil com Sóbis ou Raniel na reta final depois da saída de Ramón Ábila; no Brasileiro usando a dupla Thiago Neves-De Arrascaeta alternando no centro do ataque, mas com mobilidade, trocando com os ponteiros Rafinha, Alisson e Elber, além de Robinho, mais articulador.

Mano diz que seu time criava, mas não era contundente. No Brasileiro, a equipe mineira marcou 47 gols em 38 rodadas, foi apenas o 10º ataque mais efetivo. O artilheiro foi Thiago Neves com 11 gols em 33 partidas. Um a menos que Fred em 30. Atacante que precisou de menos que cinco tentativas para ir às redes. O Cruzeiro terminou com 11, a quinta pior equipe na relação gols/finalizações. Mesmo sendo o segundo colocado no total de conclusões, só atrás do Flamengo.

Portanto, na principal competição nacional, com números mais consistentes em 38 rodadas, mesmo considerando que o time priorizou a Copa do Brasil e teve um relaxamento natural depois do título, a necessidade de contratar um atacante mais definidor ficou clara. No popular, o time foi “arame liso”: cercava, porém não feria os rivais.

Mas a questão central é: a equipe vai seguir criando e tendo fluência ofensiva com um camisa nove mais fixo? Porque Fred será referência do ataque, mas também para a defesa adversária. Tem 34 anos e a mobilidade nunca foi sua maior virtude.

Mano sabe bem disso e já sinalizou a mudança no estilo de sua equipe: “Muitas vezes no ano passado, o Cruzeiro precisou de um jogador mais de movimentação porque precisa construir a jogada. Então, se nós contratamos um jogador que é um 9, vamos ter que construir a jogada diferente para esse jogador”, explicou o treinador na coletiva da reapresentação do elenco.

Mais do que nunca, futebol é um jogo de espaços. As equipes atuam em não mais que 25 metros. O atacante precisa se mexer para abrir brechas na retaguarda do oponente e dar opção para receber e finalizar com o time no ataque. Também necessita de velocidade para receber às costas da defesa em contragolpes. O Cruzeiro de Mano gosta de se fechar compacto guardando a própria área, com os ponteiros bastante recuados. Quando a bola é roubada e o adversário pressiona, a rapidez do jogador mais adiantado é fundamental.

Basta notar a dinâmica das referências da função nos principais clubes: Suárez, Cristiano Ronaldo, Cavani, Lewandowski, Diego Costa, Lukaku, Morata, Aguero, Gabriel Jesus, Roberto Firmino…Todos finalizadores, mas que chamam lançamentos. Assim como Jô, campeão e artilheiro no Corinthians. Também participativos com e sem a bola.

Não dá mais para contar com um centroavante que seja o responsável apenas pelo último toque. A tendência é que ele faça o time travar ou, no mínimo, ser mais previsível, principalmente nos jogos grandes. Os pontas e meias trabalham para ele finalizar, sem grandes variações. Até porque os companheiros muitas vezes se acomodam com a presença de alguém que assume a responsabilidade pelos gols. O Cruzeiro, assim como aconteceu com o Atlético Mineiro nas duas últimas temporadas, pode perder em dinâmica e trabalho coletivo. Mesmo com Bruno Silva e David, em tese, acrescentando força e rapidez ao setor ofensivo.

Mas ganha, além de um grande artilheiro, um rosto, uma liderança. O jogador midiático, o procurado para entrevistas depois dos jogos. O personagem que pode chamar o foco para si e poupar um companheiro menos calejado para suportar críticas. Com vivência em Libertadores. Para a gestão de vestiário é importante.

Obviamente se a sintonia com Mano seguir afinada como nas entrevistas antes de começar a rotina desgastante física e mentalmente na temporada. Fred deve ficar no banco ou até de fora em alguns jogos para administrar o fôlego e não estourar os músculos. Como será o diálogo como o treinador de personalidade forte para definir a dosagem? A conferir.

A parceria pode dar certo, é claro. Motivado, em paz e com uma equipe bem ajustada, Fred tem condições de ainda ser bem útil no futebol brasileiro. Mas o Cruzeiro de Mano terá que lidar com as perdas e ganhos dessa mudança importante em seu ataque para 2018.

(Estatísticas: Footstats)


Corinthians, Grêmio ou a evolução? O que você quer do seu time em 2018?
Comentários Comente

André Rocha

Com a volta ao trabalho dos times das Séries A e B, a temporada 2018 dá os primeiros passos no Brasil. Desta vez com um retrocesso em relação a 2017: apenas duas semanas de pré-temporada por conta da pausa para a Copa do Mundo.

A lógica grita mais do que nunca que os estaduais devem servir como um torneio preparatório. Para os envolvidos em Libertadores, uma competição para testes e ajustes. O problema é que quando chegam os clássicos as cidades vivem uma espécie de vertigem, valorizando além da conta as rivalidades locais. Em busca de um título que é tratado como nada ao final da temporada pelos grandes.

O Corinthians foi campeão paulista e brasileiro. Mas o contexto ajudou, já que o time não disputou o principal torneio do continente, teve uma eliminação prematura da Copa do Brasil e não deu tanta importância à Copa Sul-Americana. Passou o ano praticamente dedicado a uma competição apenas.

O que não tira os méritos de vencedor com uma identidade. Construída por Mano Menezes e Tite, resgatada por Fabio Carille. O pilar na organização defensiva e o trabalho com a bola buscando triangulações, ultrapassagens e os apoios, inclusive de Jô como pivô. Peça fundamental que vai para o Japão e cria uma necessidade inesperada de buscar outras soluções no ataque. Mas não tira o norte do futebol do clube. Há uma linha mestra.

Assim como no Grêmio de Renato Gaúcho. Da ideia de propor o jogo, trocar passes e acelerar no ataque para infiltrar. Aproveitando alicerces já construídos e dando o acabamento que terminou no tricampeonato sul-americano. Mas não foi suficiente para superar o Real Madrid no Mundial de Clubes. Porque do outro lado havia uma seleção intercontinental, mas também por seguir faltando algo por aqui.

O futebol jogado no país foi marcado pela evolução sem a bola. Os conceitos de compactação, bloqueio dos espaços, pressão no homem da bola com marcação adiantada ou não e coordenação dos setores com a concentração máxima buscando o erro zero já foram assimilados. Até porque desde Carlos Alberto Parreira em 1994, ou mesmo Zagallo em 1970, a máxima “se não levarmos gol nosso talento decide na frente” continua valendo.

Só que apenas o talento não é suficiente para furar este bloqueio que tem uma sofisticação sem precedentes no futebol mundial. Nasceu com José Mourinho para enfrentar Pepe Guardiola. Foi lapidado e aprimorado por Diego Simeone, Carlo Ancelotti, Massimiliano Allegri e outros. Não é fácil entrar.

Ainda mais em um jogo ainda pobre coletivamente no que se refere à criação de espaços. Porque aprendemos a jogar com a bola e tentando abrir no drible, no blefe, na finta. Individualmente. Basta ver como pensamos futebol. Ainda acreditamos no “time no papel”, da reunião de craques que funciona como mágica. Adoramos comparar jogador por posição, buscar O cara do time, do campeonato. Veneramos Messi por driblar e conduzir com incrível habilidade e muitos torcem o nariz para Cristiano Ronaldo por seu estilo mais vertical e objetivo.

Questão de cultura, de história. Acreditamos no gênio Garrincha com cognitivo baixo, mas que no campo entende tudo. Nosso garoto é estimulado a partir para cima. Repare no nosso futebol em campo. Ele é pouco associativo, colaborativo. Quem se apresenta quer a bola, sem entender muitas vezes que dar a opção facilita o companheiro na tomada de decisão. Mesmo que ele resolva tentar o drible.

Há uma vaidade intrínseca. O lateral desce querendo chegar ao fundo ou finalizar. Se o ponteiro não passar em duas ultrapassagens, na terceira ele não vai. Não importa se a jogada pessoal do outro pode terminar em gol. O meia que diz que seu orgulho é dar assistências porque quer os louros dos “80% do gol foi meu” e do “te consagrei”. O centroavante aceita a responsabilidade de ser o finalizador porque vai sair no portal de esportes que ele “deu um show” se for às redes. Ainda que tenha tocado pouco na bola além dos gols que marcou. O que importa é botar para dentro.

Nosso jogo é fragmentado, ainda indigente na ideia de que atacar é estar pronto para defender (perde e pressiona) e vice-versa. O resultado prático, na maioria das vezes, é a busca do gol que fura o muro através dos cruzamentos, com bola rolando ou parada. Basta uma equipe estar bem fechada para o que está atacando começar a levantar bolas na área.

Faltam ideias, como arrastar pacientemente o rival para um lado e surpreendê-lo na inversão rápida de lado. O toque curto e o deslocamento para cansar o oponente física e mentalmente. A quase sempre vaiada bola recuada para o goleiro com o intuito de tirar um pouco o rival da trincheira. Há pressa, um futebol que sente muito – tem que ter garra, fibra, ser guerreiro, deixar o sangue – e pensa pouco.

O que teremos em 2018? Times se baseando no Corinthians e, por tabela, no Cruzeiro de Mano Menezes com princípios muito semelhantes ou no Grêmio apostando mais na técnica e no protagonismo? Mais equipes verticais, pouco se importando com a posse e aproveitando os espaços às costas da defesa do time que ataca ou controlando o jogo com a bola, se instalando no campo rival e assumindo os riscos da proposta ofensiva?

Ou ainda a evolução disso, que é o futebol por demanda. Inteligente, sabendo responder a cada necessidade que o jogo apresenta. Sabendo atacar e reagir. Um híbrido de Corinthians e Grêmio que, obviamente, saem na frente por já terem percorrido parte do caminho. Ataque e defesa numa ação contínua. O futebol total inspirado nos grandes centros. O dinheiro a menos, os jogos a mais, a desordem administrativa e as mudanças nos elencos são problemas, sem dúvida. Mas não podem ser bengalas eternas.

O que você quer para o seu time? Apenas títulos, não importando como vence? Ou jogar bem transformando o desempenho em resultados torna a conquista mais prazerosa, como Tite vem mostrando na rediviva seleção brasileira, uma realidade ainda distante da nossa pelos craques atuando na Europa? Com talento e, principalmente, a leitura de jogo e dos espaços que faltam em nossos campos.

O mercado mais modesto da maioria dos clubes pode ser positivo, investindo em entrosamento, jogar de memória, afinar a sintonia. Para que nosso futebol entre definitivamente no século 21, defendendo e atacando. Com menos lacunas, ainda que só dentro de campo. Apesar de uma gestão amadora e politiqueira na CBF, nas federações e em quase todos os clubes. Não custa sonhar.


Por que nem em sonho Renato Gaúcho foi melhor que Cristiano Ronaldo
Comentários Comente

André Rocha

Imagem: reprodução TV Globo

Renato Portaluppi é um personagem sensacional da história do futebol brasileiro. Irreverente, provocador, controverso, carismático. Incendiou o debate sobre futebol no país desde o ano passado com a frase “quem não sabe estuda, quem sabe vai para a praia”.

Várias bravatas e polêmicas desde que surgiu como jogador no Grêmio em 1982. Com personalidade e confiança. Aos vinte anos já partindo para cima do consagrado Leovegildo Júnior em uma final de Brasileiro. Um ano depois, decidindo o Mundial de Clubes com dois belos gols sobre o Hamburgo em Tóquio após ser protagonista também na conquista da Libertadores.

Este blogueiro viu Renato muitas vezes ao vivo no Maracanã e já o teve como ídolo. Entre os anos 1980 e 1990 chegou a jogar suas peladas de rua com as meias arriadas no meio da canela e imitar os trejeitos do atacante. Inclusive reclamando dos colegas que não passavam a bola.

Agora Renato é o treinador campeão da América e decidindo o Mundial no sábado contra o Real Madrid de Cristiano Ronaldo. Melhor do mundo em 2017, recordista com cinco Bolas de Ouro junto com Messi. Mas o Portaluppi insiste em dizer que foi melhor que o português. E muita gente boa concorda…

Obviamente que com o jogo no sábado o gaúcho não deve se arriscar a provocar gratuitamente a estrela do adversário. Mas nos últimos anos em muitas oportunidades e usando várias justificativas ele se colocou acima do camisa sete do time merengue e da seleção portuguesa.

Sendo assim, o blog humildemente se dá o direito de cumprir sua função jornalística de buscar a versão mais próxima dos fatos dentro de uma comparação subjetiva. Para isto usa algumas das declarações do maior ídolo gremista:

1 – “Na minha época não havia internet para verem minhas jogadas”

Justo. No final da sua carreira a Grande Rede ainda engatinhava. Assim como as emissoras de TV por assinatura. O público dos grandes centros não viram todas as grandes atuações no Grêmio em Estaduais, embora só tenha conquistado os títulos de 1985 e 1986 e visto o rival Inter ganhar três. Mas também não conferiu as suas muitas expulsões e confusões com companheiros e repórteres que tantas vezes prejudicaram o tricolor gaúcho. Sem contar o individualismo tão questionado à época.

Por outro lado, as atuações de Cristiano Ronaldo no Real Madrid e na seleção portuguesa são dissecadas duas vezes por semana. Virtudes e defeitos expostos para o mundo todo, que vê atuações mágicas e gols em profusão. Mas também os erros de passe, os gols perdidos. Tudo exposto, com estatísticas detalhadas. Sem romantismo ou mitificações que ocultam os problemas.

2 – “Jogar o Campeonato Espanhol pelo Real Madrid é fácil, quero ver disputar Libertadores e Brasileiro”

Aqui Renato, talvez de propósito, tenha esquecido de um detalhe importante: Cristiano Ronaldo também joga Liga dos Campeões, o principal torneio de clubes do planeta. Com concorrência forte. E ainda assim é o maior artilheiro da história da competição com 114 gols e tem quatro conquistas. Renato ganhou duas Libertadores, uma como treinador.

Mesmo com todas as dificuldades do torneio sul-americano há três décadas – violência dentro e fora de campo, arbitragens mais que suspeitas e gramados impraticáveis – não há como comparar a competitividade de uma Champions atual, especialmente em suas fases de mata-mata, com a Libertadores de qualquer época.

Renato pode questionar a disparidade de Barcelona e Real Madrid na Espanha. Mas Renato também disputou campeonatos nacionais por grandes times e só venceu a Copa União de 1987.

3 – “Queria vê-lo sendo campeão nos times em que joguei, com salários atrasados, companheiros menos qualificados e gramados ruins”

Aqui a velha mania brasileira de achar que para provar a capacidade os melhores precisam render nos piores cenários. Como um chef de cozinha obrigado a produzir um prato sofisticado em uma cozinha suja, com equipamentos danificados e produtos fora da validade. “Quero ver Guardiola treinando o São Cristóvão!” Não faz sentido. Em qualquer atividade os mais qualificados querem as melhores condições para trabalhar. Porque merecem.

Além disso, Cristiano Ronaldo joga num grande time contra equipes fortíssimas e se destaca. Como na última Champions, marcando dez gols contra Bayern de Munique, Atlético de Madri e Juventus no mata-mata. Não há disparidade. Se compararmos com a realidade brasileira, Renato também foi campeão em timaços. E com menor equilíbrio de forças em termos individuais.

Na própria conquista nacional há 30 anos, Renato jogou no time de Jorginho, Leonardo, Zinho e Bebeto, que seriam campeões mundiais com a seleção em 1994, mais Leandro, Edinho, Andrade e Zico, craques consagrados e veteranos. Mais Aílton, vencedor por onde passou e autor do gol do último título brasileiro do Grêmio em 1996. Uma constelação muito superior às dos seus adversários. Basta recordar que o craque do Internacional, finalista daquele torneio, era Cláudio Taffarel. No Galo semifinalista, Renato “Pé Murcho” era o destaque. Nem sinal de um Messi para concorrer à Bola de Ouro. Da revista Placar.

Aqui vale uma lembrança importante: o brasileiro foi o destaque do Flamengo e ganhou o grande prêmio individual da época. Mas teve sua presença questionada no clube por conta do egoísmo. O técnico Carlinhos chegou a considerar a hipótese de tirá-lo do time e efetivar Alcindo. Foi Zico quem encerrou a discussão ressaltando a importância do camisa sete, que passou a soltar um pouco mais a bola e foi responsável por duas assistências para os quatro gols de Bebeto na reta final. Sem contar a arrancada histórica que decidiu os 3 a 2 contra o Atlético-MG no Mineirão na semifinal.

Prender a bola foi o maior motivo para as muitas críticas a Renato na Roma. Uma única temporada em 1988/89. 23 jogos, zero gols e algumas atuações que viraram piada na Itália. Alegar pouco tempo de adaptação é legítimo. Mas chegar com pose de estrela, declarações polêmicas e, principalmente, a insistência em tentar driblar contra os melhores defensores do mundo foram soluções pouco inteligentes e abreviaram o retorno ao Brasil. Quando foi testado entre os grandes falhou miseravelmente. Veja mais do pífio desempenho de Renato no time da capital NESTE VÍDEO.

Já Cristiano Ronaldo saiu do Sporting aos 18 anos e amadureceu rápido com Alex Ferguson no Manchester United. No início também pecando pelo excesso de dribles e firulas, mas não demorou a compreender o estilo do futebol inglês. Luiz Felipe Scolari na seleção portuguesa também auxiliou neste processo. Na dura Premier League se destacou com o tricampeonato de 2006 a 2009 e venceu sua primeira Bola de Ouro. Em 196 jogos, marcou 84 gols.

4 – “Joguei dez anos na seleção brasileira em alto nível”

Outra meia verdade. De fato, Renato esteve presente em muitas convocações entre 1983 e 1993. Mas pouco tempo como titular absoluto.

Seu melhor momento foi nas Eliminatórias de 1985 nos jogos contra Bolívia e Paraguai. Driblou quem apareceu pela frente e colocou bolas na cabeça de Casagrande. Mas no ano seguinte já não era unanimidade. Telê não gostava do estilo boêmio e, principalmente, do individualismo. Mesmo se não tivesse sido cortado por chegar de madrugada na concentração com Leandro, certamente seria reserva na Copa do Mundo do México. Estava abaixo de Muller, titular na maioria dos jogos daquele Mundial.

Como foi a quinta opção na Itália em 1990. Atrás dos titulares Muller e Careca e até dos lesionados Bebeto e Romário. Jogou apenas alguns minutos contra a Argentina e pouco rendeu.

Renato alega que a disputa na frente era forte na sua época. Sem dúvida o futebol brasileiro era prolífico em atacantes. Mas ele não foi inquestionável sequer na bizarra Copa América de 1991. Disputou vaga no time de Falcão com o não mais que razoável Mazinho, do Bragantino. Em 44 partidas, apenas cinco gols.

Cristiano Ronaldo não teve tanta concorrência na seleção portuguesa. Mas sobra como o maior artilheiro com 79 gols e conseguiu levar o país à maior conquista de sua história: a Eurocopa de 2016. E Renato Gaúcho não teve com a camisa da seleção sequer uma atuação próxima da antológica de Ronaldo nos 3 a 2 sobre a Suécia que garantiram os portugueses na Copa do Mundo no Brasil há três anos.

5 – “Eu rendia bem nas três posições do ataque, ele só funciona pela esquerda”

Sem sombra de dúvidas o maior equívoco na análise feita por Renato em 2014, no programa “Bola da Vez” na ESPN Brasil . Certamente agora, estudando o atacante para tentar pará-lo, deve ter mudado de opinião. Cristiano Ronaldo foi Bola de Ouro em 2008 atuando a maior parte do tempo aberto na direita pelos Red Devils. Mas participava de intensa movimentação na frente, aparecendo no meio ao alternar com Rooney.

Na reta final da temporada 2008/09, foi deslocado para o centro do ataque. Mesmo jogando de costas para a defesa a contragosto, levou o time inglês à decisão com grande atuação na semifinal contra o Arsenal em Londres: 3 a 1, com dois gols e uma assistência.

De fato, é pela esquerda que o português rende melhor, infiltrando em diagonal, cortando para dentro e finalizando. Mas a excelência em todos os setores do ataque fizeram os técnicos Paulo Bento na seleção e Carlo Ancelotti, e agora Zinedine Zidane no Real Madrid darem cada vez mais liberdade de movimentação ao camisa sete. E ele segue desequilibrando, aumentando a média de gols, quebrando recordes. Inclusive como maior artilheiro da história do Mundial de Clubes com seis tentos

Renato sempre funcionou bem pelas pontas. Buscando a linha de fundo ou cortando para dentro para chutar. Mas no centro só foi render mais no final da carreira. Especialmente em 1995, no Fluminense campeão carioca e semifinalista do Brasileiro. Atrás do centroavante, fosse Ézio, Leonardo ou Valdeir. Quando já não tinha tanta força física e velocidade, mas compensava com boa colocação e visão de jogo. Só aí apareceram os bons passes no centro.

Cristiano é mais completo. Finaliza bem de pé direito e de canhota. Faz gols de cabeça e em cobranças de faltas e pênaltis. Se preciso participa da articulação de jogadas pelos dois lados e aparece no centro para finalizar. Faz tudo muito melhor e mais rápido que Renato.

O massacre nos números dispensa comentários: Renato fez cerca de 192 gols em toda a carreira, por Grêmio, Flamengo, Botafogo, Cruzeiro, Atlético-MG, Fluminense, Bangu e seleção. Ronaldo só no Real tem incríveis 420 gols em 413 jogos, média superior a um por partida. E mais 114 assistências. Muito para quem no Brasil é menosprezado e tratado como um mero fazedor de gols. “Um Dadá Maravilha com grife” já foi dito sobre um dos maiores da história.

De todos os jogadores que colocaram Renato no banco da seleção brasileira, talvez apenas Romário, no auge de 1993 e 1994, barrasse o português. Talvez…Este que escreve não viu melhor finalizador que Cristiano Ronaldo.

Por isso não é possível levar a sério a comparação. Ou é dever resgatar e detalhar acontecimentos para quem não viu Renato em ação. Desculpe, Gaúcho…Mas nem em sonho você foi melhor. Resta a chance de superar a estrela madridista, mas à beira do campo comandando os gremistas. Quem sabe?

[Este post é uma atualização do publicado em 4 de fevereiro de 2014. Veja AQUI o original]


Um Palmeiras ainda “híbrido” sofre diante do Cruzeiro, o teste mais forte
Comentários Comente

André Rocha

A expectativa e a pressão pela vitória em casa sobre o Cruzeiro que deixaria o Palmeiras a três pontos do líder do Brasileiro e maior rival atrapalharam mais uma vez. O favoritismo continua pesando nesta edição do campeonato.

Mas o que atrapalhou mesmo o atual campeão brasileiro foi o processo de mudar uma maneira de jogar e de pensar futebol na reta final da temporada. É quase como virar do avesso sair do estilo Cuca para o que Alberto Valentim quer para a equipe.

Principalmente no trabalho sem a bola, na transição defensiva. Porque quem está acostumado a marcar perseguindo o adversário vai sofrer para defender tendo a bola e o espaço como referências. Do “cada um pega o seu até o fim da jogada” para a marcação por zona é uma mudança radical.

Ainda mais com a última linha de defesa tão adiantada como quer Valentim para empurrar o adversário para o próprio campo. É um trabalho coletivo que depende muito da pressão que se exerce sobre o oponente que está com a bola para dificultar o passe. Mas como saber se tem que pressionar no setor se antes a ordem era pegar o jogador?

Toda a complexidade deste processo se viu nos dois gols cruzeirenses. No passe longo com liberdade para Diogo Barbosa receber atrás de Mayke e cruzar para Juninho, correndo para evitar a finalização, jogar nas redes de Fernando Prass. Gol contra na única “conclusão” na direção da meta alviverde no primeiro tempo.

Porque com a bola o Palmeiras mostrou a evolução dos últimos jogos. Troca de passes, revezamento de funções entre Jean, Tche Tche e Moisés, embora este sempre ficasse mais adiantado na linha de meias; mobilidade de Keno e Dudu buscando o centro para se juntar a Borja, que novamente encontrou problemas para fazer o jogo associativo – tabelas, trabalho de pivô, preparar jogadas. Mas estava na área para buscar o empate duas vezes.

A primeira em jogada pela esquerda com Egídio, depois o centro de Dudu da direita encontrando o camisa nove. Cruzamentos rasteiros, um em cada tempo. Ainda que as jogadas aéreas continuassem presentes, principalmente na necessidade de criar espaços e atacar. Foram 46 cruzamentos no total. Outra herança do “Cucabol” difícil de largar – se esta é a intenção de Valentim, diga-se.

A defesa adiantada com o lento Edu Dracena foi furada no segundo gol, de Robinho, que acabara de entrar na vaga de Rafael Marques. No Cruzeiro de Mano Menezes bem posicionado, com linhas próximas e saída em velocidade. Bem mais perigoso na segunda etapa de cinco finalizações, todas no alvo. Subindo a posse de 37% para 40%. Outro protagonista de um belo duelo.

Palmeiras das 21 finalizações que transformaram Fabio no grande destaque individual da partida. Que partiu para o abafa no final com Roger Guedes na ponta, Borja e Deyverson na área celeste, porém não conseguiu o objetivo que mudaria oficialmente o discurso de G-4 como meta para a realidade: a chance do bicampeonato nunca pareceu tão palpável.

São cinco pontos de diferença para o dérbi em Itaquera. Uma vitória com autoridade diminuiria para três e minaria ainda mais a confiança do abalado Corinthians ao longo da semana. Agora é confronto aberto, imprevisível. Alberto Valentim tem cinco dias para fazer ajustes e deixar o Palmeiras mais com sua assinatura do que a do antecessor. Não o time “híbrido” que sofreu no teste mais forte até aqui.

(Estatísticas: Footstats)


O Brasileiro da “favoritofobia”. Será o Palmeiras a próxima vítima?
Comentários Comente

André Rocha

O Brasileirão começou em maio com favoritismo do campeão Palmeiras, com a volta de Cuca, mais Flamengo e Atlético Mineiro correndo por fora. Times dos elencos milionários, camisas pesadas…e muita responsabilidade.

No campeonato do futebol reativo e dos problemas para criar espaços e jogadas, essa condição sempre foi desconfortável. Inclusive para o Corinthians do turno quase perfeito. Considerado “azarão”, mesmo com o título paulista.

Na virada para o returno, com tempo para treinar por conta do adiamento do jogo contra a Chapecoense, o time de Fabio Carille, enfim, ganhava a condição de favorito absoluto ao título, o sétimo da história do clube. No entanto, além da desmobilização já tratada neste blog (leia AQUI), a obrigação de atacar também minou gradativamente as forças do líder.

Queda consolidada na derrota para a Ponte Preta em Campinas por 1 a 0, com a “lei do ex” vigorando no gol de Lucca. Ainda no topo da tabela, com seis pontos de vantagem. Mas uma vitória do Palmeiras de Alberto Valentim contra o Cruzeiro será suficiente para transferir o bastão, ou devolvê-lo a quem parecia o maior candidato lá na primeira rodada.

Eis o perigo. Amanhã todos os olhos estarão voltados para o Allianz Parque e o time alviverde enfrentará um cenário complexo: obrigação de vencer como favorito e enfrentando um adversário forte, franco-atirador pelo título da Copa do Brasil e com o treinador Mano Menezes pronto para estacionar um ônibus na frente da própria área.

Nos triunfos contra Atlético-GO e Ponte Preta era o time em crise, depois da demissão de Cuca. Diante dos reservas do Grêmio em Porto Alegre, o favoritismo era relativo pelo mando de campo e a responsabilidade não era tão grande. Amanhã a conversa é outra. Se vencer fica a três pontos do maior rival e, tanto na bola jogada quanto no aspecto anímico, passa a ser o grande favorito ao bicampeonato.

A história da competição mostra que a missão não é tão fácil. Como será o amanhã? Responda quem puder.

Por isso o time mais consistente do Brasileiro é o Botafogo. Exatamente porque é reconhecido por sua solidez e competitividade, mas nunca favorito. Até porque na maior parte do campeonato dividiu atenções com Copa do Brasil e Libertadores. Sempre correndo por fora, com elenco no limite e orçamento limitado. Sempre concentrado, mas quase nunca tenso.

Porque o Brasileiro 2017 é o da “favoritofobia”. Quem será a próxima vítima?


Cruzeiro de Mano passa o Grêmio e pode repetir Flu 2007, de Renato Gaúcho
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Denis Dias/Gazeta Press

O Cruzeiro foi o primeiro campeão brasileiro da era dos pontos corridos. O primeiro e único a vencer também a Copa do Brasil, no 2003 mágico da “tríplice coroa”. Quase repetiu o feito em 2014, mas o arquirrival Atlético impediu vencendo a final mineira da Copa do Brasil.

2017 foi o ano do penta no grande torneio nacional de mata-mata, nos pênaltis contra o Flamengo.  Pode também ser o de uma nova grande campanha no Brasileiro depois de duas edições após o bicampeonato flertando mais com Z-4 que com título ou vaga na Libertadores.

Com a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio em Porto Alegre, gol de Rafael Sóbis, eterno ídolo do Internacional, maior rival do adversário, o time de Mano Menezes ultrapassa Santos e o próprio time gaúcho para dormir na vice-liderança do Brasileiro. Se mantiver os bons resultados abrirá uma vaga na Libertadores dentro da competição por pontos corridos.

O mesmo que conseguiu o Fluminense em 2007. Campeão da Copa do Brasil em 6 de junho vencendo o Figueirense em Florianópolis, gol de Roger Machado, hoje treinador. Antecessor de Renato Gaúcho no Grêmio, comandante do tricolor carioca há uma década. O eterno falastrão que no ano seguinte diria que “brincaria” no Brasileiro se vencesse a Libertadores e, com a derrota nos pênaltis para a LDU no Maracanã, terminou o ano sem conquistas. Como corre o risco agora depois de tantas bravatas e autoelogios ao longo da temporada – mas também bom futebol, que parece cada vez mais perdido em funções de tantas alterações na equipe base.

Naquele 2007, porém, Renato conseguiu manter o Flu alerta e, mesmo com vaga assegurada no torneio continental e vendo o São Paulo disparar para o então bicampeonato que viraria tri no ano seguinte, fez ótimo segundo turno. Vencendo, inclusive, o incrível Flamengo de Joel Santana que acabou uma posição acima, pelo número de vitórias. Com isso abriu uma vaga na Libertadores que acabou caindo no colo…do Cruzeiro, à época comandado por Dorival Júnior.

Há uma década, o Grêmio, então sob o comando de Mano Menezes, chegou à final da Libertadores contra o Boca Juniors de forma até surpreendente. Foi, porém, superado pela equipe de Juan Roman Riquelme e não pôde retornar no ano seguinte. Por pouco, já que terminou o Brasileiro em sexto lugar. Dois pontos atrás… do Cruzeiro.

Em dez anos o mundo da bola girou e agora encontra clubes, personagens e contextos parecidos. Como será o desfecho desta vez? O Cruzeiro de Mano Menezes está sereno, o Grêmio de Renato tem motivos para se preocupar. Mas ainda pode virar o jogo bonito em 2017, inclusive encarando o Real Madrid nos Emirados Árabes Unidos. Quem vai saber?


A incompetência que trava o Flamengo bom pagador
Comentários Comente

André Rocha

A estratégia dos preparadores de goleiros com Muralha definindo um mesmo canto em todas as cobranças de pênalti na decisão da Copa do Brasil, sem nenhuma inversão para surpreender os cobradores e, pior, com a informação chegando aos jogadores do Cruzeiro no Mineirão foi apenas mais um equívoco do departamento de futebol do Flamengo.

Um novo obstáculo para o clube no seu grande objetivo desde 2013: transformar as dívidas equacionadas e o aumento das receita em time forte, competitivo. Vencedor. Transformar investimento em desempenho e, consequentemente, resultado.

Mas ainda um erro pequeno diante de outros absurdos, como disputar um Brasileiro rodando o país sem considerar o enorme desgaste de viagens seguidas e jogando sem a vantagem real do mando de campo. Ou contratações mais que questionáveis, como Conca pela questões físicas, ainda que praticamente sem custos, e Berrío, que não era exatamente o ponteiro driblador e finalizador que Zé Ricardo havia pedido. Dois cartuchos queimados sem mudar o patamar da equipe.

Se a Copa do Brasil era uma meta de conquista em 2017, por que reforçar o elenco apenas quando as inscrições já estavam encerradas? No Brasileiro, o primeiro turno do Corinthians mostra que começar bem o campeonato pode ser uma vantagem a ser administrada no returno. Como, se o grupo de atletas só fica completo em agosto?

Exatamente quando a temporada afunila e não há tempo para treinar. O resultado é que o Flamengo, com estas práticas, acaba formando o time para vencer o Carioca. Aí, sim, os reforços ficam nivelados fisicamente e o tempo, ainda que não o ideal, para treinamentos melhora o entrosamento. Mas só mesmo para a disputa regional, porque o elenco disponível de fevereiro a maio não foi capaz de superar a fase de grupos da Libertadores. Mais um vexame continental.

Os muitos pecados podem ajudar a construir o seguinte cenário no final de 2017: sem títulos relevantes, talvez até sem o consolo da Sul-Americana, que agora é prioridade. E por colocar mais um torneio acima do Brasileiro, acabar sem uma vaga no G-6.

Em campo, como você já leu AQUI, o time segue “arame liso”, “pecho frio” e com elos fracos. Não mudou tanto assim com Reinaldo Rueda. Porque, como você também já viu neste blog, não há como esperar resultados diferentes com escolhas semelhantes.

O “gargalo” está na gestão. No presidente Bandeira de Mello que acumula a vice-presidência de futebol e já se mostrou mais político que executivo, no CEO Fred Luz que não tem experiência no esporte, no diretor de futebol Rodrigo Caetano sem poder de decisão e aparentemente acomodado e no gerente Mozer que parece sem função na prática.

Não há outro termo, por maior que seja o respeito aos profissionais e à uma administração que viabilizou financeiramente um clube que parecia ladeira abaixo rumo à insolvência: é a incompetência que trava o Flamengo em seus planos ambiciosos. É urgente mudar nomes e métodos antes que cheguem à tola conclusão de que o Fla campeão é o do caos e das dívidas, não o bom pagador.

Nem voltar ao inferno, nem seguir no limbo. Caminhar é preciso.

 


Cruzeiro, justo campeão! Mas fraca final é novo alerta para o nosso futebol
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Gilvan de Souza (Flamengo)

O Cruzeiro foi o time do melhor goleiro, nos 180 minutos e na disputa por pênaltis. O título da Copa do Brasil também premiou o trabalho mais longo e consolidado de Mano Menezes, mantido mesmo quando muito questionado no momento de baixa.

A campanha é inquestionável, por ter sido construída desde as fases iniciais e, principalmente, por ter eliminado na semifinal o Grêmio, único brasileiro sobrevivente na Libertadores e que (ainda) pratica o melhor futebol do país.

A disputa final, sim, é que deixou a desejar. Não só pela tensão característica das decisões e pelo muito que estava em jogo no confronto entre clubes que investiram tanto e não tinham uma conquista recente mais pesada para validar o esforço, na nossa mentalidade tão imediatista e que condiciona o trabalho correto ao resultado final.

Cruzeiro e Flamengo protagonizaram um típico jogo entre grandes no Brasil: práticas atualizadas no trabalho defensivo e ainda muito arcaicas e insipientes para justamente superar esse bloqueio com ocupação mais inteligente dos espaços.

Muita preocupação em compactar setores, estreitar o cerco na frente da área para evitar as infiltrações pelo centro ou nas diagonais, evitar superioridade numérica em todos os setores, especialmente pelos flancos. Muita pressão sobre o adversário que está com a bola no terço final do campo, onde nasce a jogada criativa para a finalização.

Por isso Reinaldo Rueda preferiu mandar Everton para o sacrifício, mesmo voltando de lesão. Ele e Berrío executaram a função de ida e volta nas pontas, apoiando os laterais Pará e Trauco. No meio, a proteção de Cuéllar e Willian Arão e Diego, mais uma vez, muito lento, prendendo demais a bola, atrasando as transições ofensivas e fazendo o time depender demais do trabalho de retenção de bola e pivô de Paolo Guerrero na frente.

Mano Menezes teve que conviver com lesões que o obrigaram a mexer na equipe. Primeiro Raniel, logo aos cinco minutos. O jovem atacante, escalado para atacar os espaços e acelerar para cima dos veteranos Rever e Juan, nitidamente somatizou tanta ansiedade e distendeu as duas coxas. Entrou De Arrascaeta, que mudou a dinâmica na frente sem a referência e o time ficou sem profundidade, especialmente à direita com Robinho, que é mais um ponta articulador e não tem o apoio de Ezequiel, que guarda mais o setor.

O meia saiu no intervalo, também por questões físicas, para a entrada de Rafinha, que foi ocupar o espaço à direita com mais intensidade e rapidez. Mas ainda sem aproveitar bem os contra-ataques. Seguiu assim pela esquerda quando Alisson sentiu e deu lugar a Elber.

No Mineirão, o time mandante não se preocupou em ter a posse e tomar a iniciativa. Controlava os espaços, negava brechas aos adversários, fechava o centro e induzia o oponente a abrir a jogada e forçar o cruzamento, mais simples de ser interceptado. Ainda mais contra um Flamengo novamente tendo a bola, mas sem saber bem o que fazer com ela.

No final, foram 53% de posse rubro-negra e 15 finalizações, quatro na direção da meta de Fabio. A mais difícil no final, em jogada pessoal de Guerrero, que cresceu quando Lucas Paquetá entrou na vaga de Everton. O jovem meia procurava o centro para articular com Diego e Arão e abria espaço para o peruano fazer sua jogada característica: receber na esquerda, cortar para dentro e bater para o gol. Sem o sacrifício pelo centro, sempre tendo que girar para servir ou tentar o chute.

O Cruzeiro viveu de uma ou outra incursão pela esquerda, com a movimentação de Arrascaeta indefinindo a marcação de Pará e a cobertura de Rever. Teve a grande chance na saída grotesca da meta de Alex Muralha que o camisa dez uruguaio não aproveitou na segunda etapa. Foram 13 conclusões, só uma no alvo.

Os números de jogadas finalizadas dão a impressão de um jogo bonito, até aberto, com ações bem elaboradas. Mas eis o ponto crucial no futebol jogado atualmente no Brasil: as finalizações acontecem, mas a marcação é tão próxima e intensa que as oportunidades cristalinas são raríssimas. Os chutes mascados, as cabeçadas em divididas. Poucas tabelas e triangulações com o passe diferente que surpreende. Ou a jogada combinada que começa de um lado e na inversão pega o rival em inferioridade numérica para buscar a linha de fundo e encontrar um companheiro livre.

Não acontece porque o futebol brasileiro, na sua pressão insana por resultados imediatos, obriga os treinadores a primeiro “arrumar a cozinha”. E os conceitos mais modernos são uma sofisticação do “fechar a casinha”. Na frente? Ou pressiona e tenta roubar a bola perto da meta adversária, ensaia a bola parada ou depende do lampejo dos mais talentosos. Se treina pouco o ataque. No máximo um campo reduzido, mas sem maiores orientações.

É pouco. Foi insuficiente em Belo Horizonte para definir o campeão nos 90 minutos. Na disputa por pênaltis, a Muralha, grande personagem da final por todo o contexto, foi no mínimo infeliz na “estratégia” de pular sempre no canto direito. Piorou com a enorme competência do time celeste nas cobranças.

O Flamengo tinha um elo fraco na meta e outro em Diego, coroado craque da competição, mas de atuações pífias na reta final. Sem confiança, cobrou mal e Fabio pegou. Quinto título cruzeirense, quarto vice do time carioca. Emoção e festa depois da cobrança de Thiago Neves que chegou a gerar uma pequena polêmica por um suposto segundo toque na bola no meia que escorregou. Nada ilegal.

Venceu o melhor, ou o mais bem sucedido em sua estratégia. A bola jogada, porém, não foi para se guardar na memória. Mais uma vez. A fraca final é outro grito de alerta para o nosso jogo, que precisa fechar o ciclo e se modernizar também quando estiver com a bola. Começa a ficar urgente.

(Estatísticas: Footstats)