Blog do André Rocha

Arquivo : eliminatorias

Fim dos 100% do Brasil de Tite é compensado pelo valor do teste
Comentários Comente

André Rocha

O calor e a umidade em Barranquilla foram obstáculos tão grandes quanto a boa atuação da Colômbia no segundo tempo, não por acaso coincidindo com a maior produção de James Rodríguez, o meia central do 4-2-3-1 armado por Jose Pekerman. Na jogada bem trabalhada do camisa dez com Arias contra Filipe Luís sem o suporte de Renato Augusto, o cruzamento na cabeça de Falcao García, que se antecipou a Marquinhos para empatar.

Um raro vacilo brasileiro dentro de uma atuação segura de acordo com o contexto. Tite acertou ao acrescentar Fernandinho e Roberto Firmino às mudanças obrigatórias – Thiago Silva no lugar do lesionado Miranda e Filipe Luís no lugar do suspenso Marcelo. Descansou Casemiro e guardou Gabriel Jesus para a segunda etapa na vaga de Firmino, que não brilhou mas novamente contribuiu coletivamente. Mais importante: experimentou sua equipe.

Manteve Willian entre os titulares e o ponteiro pela direita do 4-1-4-1 correspondeu com bom trabalho no setor, em dupla com Daniel Alves. E ainda apareceu no centro para receber passe de Neymar, após lançamento preciso de Fernandinho, para acertar um chutaço no ângulo de Ospina. Golaço único da primeira etapa, logo depois da parada para a retirada de um cachorro do gramado.

A assistência de Neymar foi o ápice de uma atuação mais solidária. No esforço na recomposição e, principalmente, por soltar mais rapidamente a bola e fazer o jogo fluir. Quando tentou as jogadas individuais era o único recurso, como na bela arrancada desde a intermediária brasileira até a área colombiana no segundo tempo. O craque voltando aos eixos, mesmo sem desequilibrar, foi uma boa notícia.

Também a confiança do treinador ao arriscar novamente Philippe Coutinho no lugar de Renato Augusto, mudando o desenho tático para o 4-2-3-1 com o recuo de Paulinho, novamente atuando mais avançado na linha de meias. O Brasil nunca abdicou de jogar e isto é sempre positivo e merece reconhecimento.

Assim como a manutenção do desempenho, mesmo com quase meio time alterado. O fim dos 100% de aproveitamento com Tite nas Eliminatórias era esperado, até pelo peso zero do resultado na classificação. Importante foi o valor do teste e a boa resposta de maturidade de uma seleção que parece pronto, mas ainda está em formação.


História mostra que favoritismo um ano antes da Copa do Mundo é pura ilusão
Comentários Comente

André Rocha

Entre dezembro de 1981 e outubro de 1983, a Itália disputou 16 partidas. Nenhuma vitória nas seis primeiras, sem triunfos nas seis últimas. Venceu apenas quatro: Argentina, Brasil, Polônia e Alemanha. Exatamente as que lhe deram o terceiro título mundial na Copa da Espanha.

Favoritismo? Zero, mesmo com a manutenção de boa parte do grupo da Copa de 1978 que venceu a campeão e anfitriã Argentina e terminou em quarto perdendo dois jogos, para Holanda e Brasil, por detalhes. Mas nas Eliminatórias ficou atrás da antiga Iugoslávia. Não há dúvidas, era zebra. Até pelo escândalo de manipulação de resultados, o “Totonero”, que comprometeu o futebol do país.

Parecido com o de 2006 que rebaixou a campeã Juventus e também tirou qualquer favoritismo de uma Azzurra igualmente forte e talentosa comandada por Marcelo Lippi. Outro título inesperado, quando o Brasil era favorito.

Aliás, chegar como principal candidato só fez bem ao Brasil no Chile em 1962. Ainda assim, com superação da ausência de Pelé. Garrincha e o “apito amigo” contra a Espanha ajudaram a construir o bicampeonato. O último, sendo o outro em 1934/38 dos italianos.

A Alemanha pode repetir o feito na Rússia. A conquista da Copa das Confederações reforçou a impressão de que a renovação está sendo bem conduzida por Joachim Low. Com Kimmich no lugar de Lahm e Toni Kroos suprindo a aposentadoria de Schweinsteiger. Mais Draxler, Brant, Stindl, Werner, Hector se juntando a Ozil, Muller, Hummels, Neuer.

Se em 2014 a chegada de Pep Guardiola ao Bayern de Munique foi influência clara no modelo de jogo alemão, desta vez a inspiração, ou variação do estilo, parece vir da Inglaterra, mas de um treinador italiano: o 5-4-1/3-4-3 do Chelsea de Antonio Conte. Para propor o jogo ou reagir de acordo com as circunstâncias. Um time inteligente.

Como já era há três anos, mas foi um tanto menosprezado pelo revés na Eurocopa dois anos antes na semifinal contra a Itália de Balotelli. A ponto de transformar a final da Copa das Confederações entre Brasil e Espanha em uma espécie de “tira-teima” entre a campeã mundial e bi da Eurocopa e o anfitrião buscando recuperar protagonismo.

A seleção de Luiz Felipe Scolari venceu e foi mais uma a se iludir com a conquista. Como Dunga em 2009 e Parreira em 2005. A convicção de que o grupo estava fechado e o trabalho pronto só necessitando de manutenção foi ilusória. Porque o que define os rumos do Mundial é a temporada europeia que se encerra com a Copa.

Basta lembrar a queda de rendimento de Paulinho e Fred e o período de adaptação de Neymar no Barcelona que minaram as forças de um trabalho de um ano e meio, incompleto. Assim como o de Tite agora, que acabou de completar doze meses. Dois anos perdidos com Dunga que podem fazer falta.

Porque haverá menos testes e chances de observação. Ou tempo para o amadurecimento da proposta de jogo. É um processo que vai queimando etapas por necessidade. O treinador assumiu precisando de resultados e evolução rápida. Pelo próprio mérito, as nove vitórias seguidas nas Eliminatórias alçaram a equipe diretamente do risco de ficar de fora de sua primeira Copa do Mundo à condição de uma das favoritas.

Mais rápido que isso só em 1993, quando os 2 a 0 sobre o Uruguai com atuação antológica de Romário levaram o escrete canarinho do futuro incerto ao protagonismo. Em uma partida, por conta de um atacante genial que depois confirmou seu estrelato com a taça que não vinha há 24 anos e a Bola de Ouro como melhor do mundo.

Mas a grande favorita era a Itália de Roberto Baggio, o grande jogador do ano anterior. Assim como em 2002 as apostas recaíam sobre Argentina e França, que em 1998 superou em casa o Brasil de Ronaldo, candidatíssimo ao bi. Sob o comando de Platini, os franceses eram os favoritos em 1986. Mas havia um Maradona pelo caminho. Gênio que colocou a Argentina na final em 1990, mas havia uma Alemanha na decisão para confirmar a alternância de poder.

Resumo da ópera: falar em favoritismo no ano anterior é puro chute. Até porque este Mundial tende a não repetir os dois últimos, com as vencedoras tendo como bases as melhores equipes do mundo à época. Espanha do Barcelona e Alemanha do Bayern de Munique. Com entrosamento, movimentos já executados de memória. Seleções maduras, com craques no esplendor.

Mesmo os espanhois em 2010 não chegaram com tal status. Nema conquista da Euro 2008 minimizou o fato de não fazer parte do seleto grupo de campeões. A derrota para os Estados Unidos que tirou a chance de um duelo contra o Brasil de Dunga no ano anterior fez da grande seleção daquele período uma incógnita. Talvez por isso tenha triunfado.

Agora a Alemanha titular, em tese, tem apenas Neuer, Kimmich, Hummels e Muller do time bávaro. Na Espanha,  Barcelona e Real Madrid dominam naturalmente, mas o time merengue bicampeão europeu também cede apenas quatro: Carvajal, Sergio Ramos, Isco e Asensio. A França poderia se basear em PSG e Monaco, mas as mudanças na janela de transferência pulverizaram qualquer chance de ter uma ou duas equipes como referências.

O Brasil, como bem disse Renato Augusto numa coletiva recente, está “no bolo”. É candidato, como foi até no fiasco de 1990. Um ano antes, vencera a Copa América e Itália e Holanda, outras favoritas. Mas sucumbiu no Mundial pela queda técnica e lesões de seus grandes destaques: Bebeto, Careca e Romário.

Contexto, circunstâncias, o imponderável.Tudo isso pesa em um ano. Por isso é tão difícil pensar em junho de 2018. O dinamismo do mundo atual já é absurdo. No futebol mais ainda. Mais prudente celebrar a evolução brasileira e evitar falar em grupo fechado, sistema definido ou qualquer coisa que sugira uma estabilidade que não se sustenta. Serve apenas como linha mestra para não se perder no planejamento.

A Copa não começa agora. Melhor segurar a ansiedade e respeitar a sequência e o tempo de cada seleção. A pressa, neste caso, é ainda mais inimiga.


Dois falsos 9, laterais pontas, show de Isco. O “caos ordenado” da Espanha
Comentários Comente

André Rocha

A Itália de Gianpiero Ventura resolveu encarar de peito aberto a Espanha no Santiago Bernabéu. De Rossi plantado à frente da retaguarda, Verratti na armação; Candreva e Insigne pelas pontas, Belotti e Immobile na frente. Bem diferente do sistema com três zagueiros, linhas próximas, rapidez e objetividade nas transições ofensivas dos tempos de Antonio Conte que acabaram na grande vitória por 2 a 0 sobre os espanhois nas oitavas de final da Eurocopa 2016.

A Espanha de Julen Lopetegui respondeu com a radicalização da fórmula da vitória na final continental de 2012. Se há cinco anos Cesc Fábregas era o falso nove nos 4 a 0 em Kiev que deram o bicampeonato para a “Roja”, desta vez havia dois: Iniesta e David Silva, os mais veteranos do setor ofensivo, ficavam mais adiantados quando a equipe perdia a bola e se transformavam nos articuladores quando a recuperava.

A dupla era ultrapassada por Asensio e Isco, os pontas que se alternavam pelos lados e voltavam para formar a segunda linha de quatro com Busquets e Koke. Na retomada, buscavam as diagonais ou os espaços entre as linhas. Carvajal e Jordi Alba também passavam voando pelos flancos. Abrindo o campo e confundindo ainda mais a espaçada marcação da Azzurra.

O resultado foi um espetáculo de posse de bola com verticalidade, mobilidade, tabelas e triangulações efetivas. Qualidade ocupando o campo de ataque ou jogando nos contragolpes. Mesmo que o conceito de “falso nove” moderno seja do Barcelona de Pep Guardiola com Messi, ficou clara a mudança de bastão para o Real Madrid de Zinedine Zidane no modelo de jogo da seleção.

Especialmente por causa de Isco, o melhor jogador em atividade no planeta entre os “terráqueos” – ou seja, tirando Messi e Cristiano Ronaldo do debate. Impressionante a evolução técnica e tática do meia. A naturalidade com que circula às costas dos volantes adversários, sai da ponta para dentro servindo os companheiros ou finalizando. Com bola parada ou rolando. Golaços em cobrança de falta e jogada individual.

O destaque absoluto dos 3 a 0 – com Morata, que entrou na vaga de Iniesta e o time voltou a ter uma referência na frente – que encaminham a vaga direta para o Mundial na Rússia e podem sinalizar o futuro da Espanha que domina o cenário entre os clubes e tem potencial para voltar a ser protagonista entre as seleções. O “caos ordenado” atacando por todos os lados e tirando a referência da retaguarda do oponente. A Itália não faz a mínima ideia do que a atropelou.


Philippe Coutinho para descomplicar o jogo e mexer com a cabeça de Tite
Comentários Comente

André Rocha

O individualismo de Neymar travou a seleção brasileira por quase 60 minutos na Arena do Grêmio. Porque com Willian, e não Philippe Coutinho, o camisa dez jogou mais solto, com liberdade de movimentação e recuando para buscar a bola. Assumiu o papel de ponta articulador e não infiltrador.

Renato Augusto recuava para auxiliar a saída de bola e espetar Marcelo – como Toni Kroos faz no Real Madrid, sem nenhuma comparação entre os meio-campistas organizadores. Faltava, porém, rapidez na circulação da bola. Só Paulinho conseguiu a vitória pessoal e concluiu com perigo. Uma das quatro finalizações contra apenas uma dos equatorianos, três a zero no alvo. Em um universo de 75% de posse de bola. Pouco.

Também pela organização defensiva do Equador com duas linhas de quatro, Antonio Valencia e Fidel Martínez fechando os flancos e Fernando Gaibor tentando se aproximar de Enner Valencia, a referência de velocidade que fez Marquinhos e Miranda, depois Thiago Silva, trabalharem.

Neymar também atrapalhou prendendo a bola deixando o jogo mais tenso, violento. Sem fluência e com a conivência da arbitragem, que deixou de anotar faltas claras. Jogo duro.

Até Renato Augusto dar lugar a Coutinho e o Brasil se reorganizar num 4-2-3-1 tão esperado como alternativa. Móvel e fluido. Com toque mais fácil e veloz, até porque Neymar passou a trabalhar mais adiantado, longe da zona de criação. E também mais espaço depois de Paulinho abrir o placar completando escanteio e acalmando a Arena que pedia Luan.

Então veio o espetáculo com jogadas mais plásticas e o golaço de Coutinho após lindo chapéu de Gabriel Jesus. Mesmo sem ritmo do meia do Liverpool e o Barcelona na cabeça. Com 2 a 0, a brecha para testar Luan no lugar de Willian e agradar o torcedor do Grêmio. Neymar seguiu jogando sozinho e errando muito. Mas sem se omitir jamais. Como deve ser.

Nona vitória seguida em jogos oficiais, liderança garantida até o final das Eliminatórias. Mas o que valeu mesmo foi Coutinho descomplicar o jogo e mexer com a cabeça de Tite. A disputa pediu uma experiência e a resposta foi positiva. O 4-1-4-1 não pode ser um dogma.

(Estatísticas: Footstats)

 

 


Seleção: testar novidades ou entrosar e criar variações na base titular?
Comentários Comente

André Rocha

A partir dos duelos contra Equador e Colômbia pelas Eliminatórias a seleção brasileira viverá um dilema causado pela competência de Tite, comissão técnica e jogadores.

Por conta das oito vitórias seguidas alcançou a vaga para a Copa do Mundo da Rússia. Encontrou uma base titular muito rapidamente e deu liga de maneira veloz quase na mesma proporção. Mas continua sendo um trabalho de pouco mais de um ano e um universo de apenas onze partidas, incluindo amistosos contra Colômbia, Argentina e Austrália.

É pouco, mas conseguiu muito. O objetivo principal. E terminar a disputa sul-americana em primeiro lugar nada significa objetivamente para o Mundial. Por isso fica a impressão de que seria o momento para fazer testes. Para evitar o grupo fechado, a pouca importância dada ao momento dos jogadores e a preferência pela manutenção do que deu certo anteriormente. Ideias que prejudicaram Parreira, Dunga e Felipão nas três últimas Copas do Mundo.

Desta vez não houve Copa das Federações. Ou das ilusões: de time pronto e imbatível, sem considerar todas as variáveis e possibilidades de mudanças em doze meses. O engano da receita de sucesso infalível. O que deve ser evitado.

Mas por conta do espaçamento entre as partidas e das poucas sessões de treinos é natural que Tite fique tentado a ver seus titulares em ação mais vezes. Para consolidar ideias, construir o jogar de memória na execução do 4-1-4-1 já bem ajustado e até criar variações sem mexer nas peças. Ou só deixar Phillippe Coutinho de lado neste momento por não estar em ritmo de competição, sem jogar no Liverpool e esperando o desfecho deste interminável interesse do Barcelona.

Willian deve começar a partida na Arena do Grêmio, o que muda as características porque o ponteiro do Chelsea atua mais aberto e circula menos que Coutinho. Perde o ponta articulador, mas pode abrir o campo e até aproveitar Daniel Alves descendo mais por dentro.

Não seria, porém, o momento de testar mais gente, mesclar a escalação com reservas para observá-los em ação num cenário competitivo, com os adversários ainda buscando a classificação? De repente testar Luan e buscar um jogo entrelinhas mais envolvente tentando reeditar o sucesso da parceria com Neymar. Experimentar e manter todos atentos, motivados, sem risco de acomodação. Mas sem perder a identidade como equipe.

Difícil escolha que só reforça a crítica à CBF por ter perdido dois anos com Dunga quando era claro o momento do melhor treinador brasileiro que se sentia pronto para o cargo. O trabalho estaria mais maduro, haveria duas disputas de Copa América como bagagem e o planejamento teria menos urgências.

Agora cabe a Tite definir o caminho até o ano que vem. Dosando manutenção, aprimoramento e busca constante de meritocracia. Entrosar, variar e testar na justa medida. Um desafio que começa na quinta-feira em Porto Alegre.

 


Tite, Neymar e o gosto pelo desempenho
Comentários Comente

André Rocha

Sempre que pode em todas as entrevistas desde que assumiu a seleção brasileira, Tite ressalta a importância de jogar bem e construir o resultado naturalmente pelo desempenho. Logo após a goleada sobre o Uruguai, o treinador falou que sua equipe estava “pegando gosto pelo desempenho”.

Para o jogo na Arena Corinthians havia clima de festa, retorno de Tite ao estádio que conhece tão bem, expectativa pela combinação de resultados que garantiria matematicamente o Brasil na Copa da Rússia.

Com bola rolando, um Paraguai fechado e batendo e provocando Neymar. Tentando jogar no erro ou na dispersão brasileira. Só ameaçou no erro na saída de bola que Derlis quase aproveitou no primeiro tempo.

A seleção jogou. Não foi brilhante, mas já transmite algo fundamental: segurança. É um time confiável. Que vai ser sério e competitivo, mas querendo fazer bem feito. Nos movimentos coletivos e nas jogadas individuais.

Trabalhou a bola até Philippe Coutinho arrancar pela direita, buscar a diagonal, receber o belo toque de calcanhar de Paulinho e, aproveitando a falha do zagueiro Paulo da Silva na leitura da jogada e chegar atrasado, colocar no canto e transformar a confiança em tranquilidade.

Serenidade de Neymar. Uma impressionante espiral de maturidade nos últimos tempos. Talvez Tite e Luis Enrique, seu treinador no Barcelona, tenham contribuído. Mas parece algo mais do craque que agora entende seu tamanho.

Apanhou, não reclamou. Sofreu e perdeu pênalti, mas em nenhum momento perdeu o foco. Seguiu atento à sua função no jogo, atacando e defendendo pela esquerda, buscando a diagonal. Coroado com um golaço, o segundo.

A senha para virar passeio em Itaquera. Com o time tranquilo, Tite gritando à beira do campo seguidas vezes: “Vamos jogar!” A torcida no estádio pedindo olé e a seleção vertical, objetiva. Mesmo depois do gol da redenção de Marcelo. Respeitando o adversário, o público.

Acima de tudo, o cuidado com o desempenho. Para o resultado ser mera consequência. Algo que devia ser um parâmetro para todos os setores da sociedade. Planeja, executa, faz o melhor sem tentar controlar os resultados. Sem jeitinho, sem subterfúgios. Se o oponente for melhor ou mais feliz, é da vida. Vale a consciência tranquila.

O Brasil de Tite e Neymar gosta do desempenho. Quem gosta de futebol e de ver a coisa bem feita, que transcende as oito (ou nove, se contar o amistoso contra a Colômbia) vitórias seguidas, tem que exaltar essa seleção.

 


Messi suspenso pode ser inferno para Argentina em 2017. Ou o céu em 2018
Comentários Comente

André Rocha

A Argentina de Edgardo Bauza lembra o Santos de Neymar sob o comando de Muricy Ramalho em 2011/12: a dependência de seu craque maior se reflete nos números. Aproveitamento de campeão (ou líder) com ele e de rebaixado na sua ausência.

Nas Eliminatórias, a albiceleste ganhou 15 dos 18 pontos com Messi. Derrota apenas contra o Brasil no Mineirão. 83% de aproveitamento. Sem ele, porém, foram sete pontos em 21. 33% dos pontos.

Sintomático. E preocupante com a suspensão de quatro jogos do camisa dez por ofender o assistente brasileiro Emerson Augusto de Carvalho na vitória sobre o Chile por 1 a 0 em Buenos Aires.

Se a AFA não conseguir diminuir a pena, Messi ficará de fora contra Bolívia e Uruguai fora e definindo a vida em casa diante de Venezuela e Peru. Voltaria na última rodada diante do Equador, em Quito. Está em terceiro com 22 pontos. O cálculo é de 28 pontos para alcançar ao menos a zona da repescagem. Ou seja, se não pontuar fora terá que vencer as duas na Argentina.

O desempenho e os resultados mostram que a equipe de Bauza viverá um inferno para conseguir a classificação em uma disputa parelha, fora o Brasil de Tite.

Bauza terá que montar uma equipe mais competitiva. Talvez até apelar para retrancas longe de Buenos Aires e uma estratégia pragmática, abusando de jogadas aéreas e ligações diretas para o ataque que segue com bom nomes – Higuaín, Di María, Aguero…

Mas caso consiga a pontuação para a disputa do Mundial da Rússia, o descanso forçado de Messi em 2017 pode refletir numa vantagem física na Copa. Repousando em datas FIFA, o gênio argentino chegaria menos desgastado.

Como, por exemplo, Ronaldo Fenômeno e Rivaldo na Copa de 2002. Voltaram na reta final da temporada europeia e chegaram voando na Ásia. Mesmo Zidane em 2006, na reta final da carreira, jogou menos pelo Real Madrid e também disputou a Copa na Alemanha mais inteiro.

Na Copa do Brasil em 2014, Messi conseguiu desequilibrar nas primeiras partidas, mas na reta final ficou claro que a parte física pesou, além dos adversários mais complicados, e o rendimento caiu bastante. A ponto de mudar dieta e preparação física para arrebentar na temporada seguinte e faturar a tríplice coroa e a Bola de Ouro pelo Barcelona.

Ano que vem pode ser diferente. Para isso, porém, A Argentina terá que jogar por sua estrela mais brilhante. Os números mostram que não será nada fácil.


Seleção de Tite é o Brasil que dá certo
Comentários Comente

André Rocha

Era o que se dizia nos sombrios anos 1980 sobre Nelson Piquet, depois Ayrton Senna no automobilismo. Mais recentemente, Carlos Alberto Parreira já não foi tão feliz ao se referir à CBF.

Mas na crise em todas as instâncias que vive o Brasil, ver a seleção de Tite com a segurança de quem sabe o que precisa fazer, unindo serenidade, conhecimento e confiança, é inspirador.

Compensando os erros de um Marcelo em noite nada produtiva. Falha grotesca no recuo para Alisson que Cavani entrou na frente para sofrer e converter o pênalti que abriu o placar. Pela primeira vez o Brasil de Tite saía atrás. No Centenário. Com nove minutos de jogo.

Mas a organização transmite segurança. As linhas próximas no 4-1-4-1 dão opções de passe para sair da marcação pressão do rival. Conceitos bem assimilados não permitem que a equipe se desmanche mentalmente.

Arrancada de Neymar, Paulinho recebe entre as linhas e empata com um golaço. Uma das três finalizações em 45 minutos, duas no alvo. Com 76% de posse. Ainda com dificuldades para conter o jogo físico uruguaio que proporcionou seis finalizações, mas apenas uma na direção da meta do Alisson.

O segundo tempo foi um primor. Roberto Firmino, nitidamente desconfortável na primeira etapa, enfim acertou o pivô, girou e finalizou. No rebote, o segundo de Paulinho. O contestado meio-campista que completou o triplete no último lance da partida e consolidou sua condição de melhor em campo. Atuando mais à frente com o recuo de Renato Augusto para ajudar Marcelo no combate e na saída de bola.

Entre eles, a pintura de Neymar ganhando de Coates e tocando por cima de Martín Silva em um contragolpe mortal. Para coroar uma atuação essencialmente sólida. Finalizou menos, mas de onze acertou sete e colocou quatro nas redes. Precisou de só cinco desarmes certos contra 16 uruguaios. Porque o posicionamento é preciso.

Classificação garantida para o Mundial da Rússia. No continente está claro que não há concorrentes. É hora de encarar as principais seleções do mundo para o polimento e as observações que faltam.

Por ora, os resultados sustentados pelo desempenho são um alento. Em tempos tão cinzentos, o Brasil de Tite é um facho de luz que iluminou a noite em Montevidéu.

(Estatísticas: Footstats)


Seleção é reunir os melhores jogadores ou as peças que fazem o melhor time?
Comentários Comente

André Rocha

Em fevereiro de 1969, João Saldanha assumiu a seleção brasileira e anunciou a convocação definindo titulares e reservas. Eram as “Feras do Saldanha”: os melhores jogadores atuando no país, dois por posição. Base de Botafogo, Santos e Cruzeiro, as equipes mais fortes à época.

Conseguiu a classificação para o Mundial e formaria cerca de 80% do escrete campeão no ano seguinte no México. Com Zagallo sucedendo o polêmico Saldanha e fazendo pequenos ajustes. Ou seja, combinando as características dos jogadores para formar a equipe até hoje considerada a melhor de todos os tempos.

Na falta de um zagueiro mais técnico para jogar com Brito, improvisou Piazza. Barrou Marco Antonio, lateral esquerdo mais ofensivo, e encaixou Everaldo, que descia menos e liberava Carlos Alberto Torres do lado oposto. Rivellino no lugar de Paulo César Caju, por compor melhor o meio-campo com Clodoaldo e Gerson e deixar Pelé solto, se aproximando de Tostão e Jairzinho entrando em diagonal a partir da direita.

Outros tempos, de eliminatórias disputadas em poucos jogos apenas no ano anterior à Copa. A convocação servia como um teste em todas as instâncias, inclusive convivência, gestão de grupo, comportamento. Se tudo desse certo, o grupo da Copa estaria praticamente pronto.

Criou-se o senso comum de que selecionar seria seguir fielmente o significado do verbo: escolher. Os melhores. Por mérito, pelo que cada um desempenha em seu clube. Sem grandes preocupações com conjunto. Afinal, “as feras se entendem”.

Corte para 2017. Tempos de futebol cada vez mais coletivo, estudado, pensado. Agora com datas FIFA em que a seleção se reúne para disputar eliminatórias, amistosos. Com a Copa do Mundo ainda a cada quatro anos, mas agora também a disputa continental e a Copa das Confederações com o mesmo intervalo.

Nas eliminatórias, o grupo de convocados se reúne, fica junto por cerca de dez dias, joga e retorna para a rotina dos clubes. Com cortes por lesões, afastamentos por não jogar regularmente e outras dificuldades.

A tarefa do selecionador é complexa: ele tem a base formada para garantir entrosamento, mas mesmo bem sucedida precisa estar aberta a quem estiver com desempenho acima da média. Tem que se preocupar também com o vestiário, ter atletas de sua confiança. Mas sem prejuízo técnico.

Taticamente, a convicção de que se deve convocar os mais qualificados e só então definir sistema e modelo de jogo de acordo com os atletas já não é tão sólida. Porque o jogador pode não estar no auge, ou outro da mesma posição estar voando. E a proposta de jogo precisa estar assimilada.

Mas dentro do organismo que é uma equipe de futebol, a combinação de características é bem mais importante que em 1970. Com sintonia, jogando de memória, melhor ainda. Não por acaso as duas últimas campeãs mundiais, Espanha e Alemanha, tinham como base os três times mais poderosos do planeta: Barcelona, Real Madrid e Bayern de Munique.

Em 1982, Telê Santana preferiu não utilizar mais jogadores do Flamengo que em maio daquele ano era o último campeão estadual, brasileiro, sul-americano e intercontinental. Sem Careca e Reinaldo e não tão confiante assim em Serginho e Roberto Dinamite, podia ter dado oportunidade a Nunes. Centroavante limitado, mas que se entendia com Zico, Leandro e Júnior no olhar e, o principal, sabia abrir espaços para os meio-campistas procurando os flancos. Preferiu o Chulapa.

Jogador “de grupo” é importante, mas com critério. Para evitar a saia justa de 1998: Cafu suspenso para a semifinal contra a Holanda e a lateral direita caindo no colo de Zé Carlos, que estava na França muito mais pela carência na posição e por arrancar gargalhadas dos colegas imitando porco, galinha e passarinho…

No Brasil de Tite há um ainda contestado homem de confiança: Paulinho. Tomando como base o Corinthians campeão brasileiro de 2015, referência para Tite, ele é Elias. Ou seja, o meia da linha de quatro à frente do volante no 4-1-4-1 que mais defende e infiltra que organiza, missão esta de Renato Augusto. Numa ponta um meia articulador – antes Jadson, agora Philippe Coutinho – e na outra um atacante que infiltre em diagonal, mais agudo. No Corinthians Malcom, na seleção um imenso “upgrade” com Neymar.

Pela necessidade imediata de desempenho e resultado quando assumiu, Tite fez o simples: com a estrutura tática na cabeça, pinçou jogadores que executassem as funções avaliando qualidade no campo e equilíbrio fora dele. Aposta certeira em Gabriel Jesus no comando do ataque. Paulinho fundamental no auxílio a Fernandinho no cerco a Messi no Mineirão e ainda foi às redes no último gol dos 3 a 0.

Nas laterais, sim, apostou no talento. Prefere trabalhar Daniel Alves e Marcelo na sua linha de defesa “posicional” à italiana do que investir em laterais mais defensivos. Entre Filipe Luís e Marcelo preferiu o jogador do Real Madrid. Mas insiste com Fagner na reposição pela direita. Por pura confiança no defensor que já viveu fases melhores. Com Tite.

O treinador vai encaixando as melhores peças no quebra-cabeças. Respondendo à pergunta do título do post: um pouco dos dois. Escolher o atleta mais capacitado e imaginá-lo dentro da engrenagem. Com sabedoria e sempre pensando no coletivo.

Nesta sequência das Eliminatórias contra Uruguai e Paraguai, o Brasil deve confirmar a vaga no Mundial da Rússia. A próxima etapa será de polimento e testes, inclusive em amistosos contra as mais fortes seleções do planeta, como quer a comissão técnica.

Tudo para chegar à convocação final e pesar igualmente: o trabalho realizado, o momento de cada jogador, a convivência em grupo e a confiança do treinador. Provavelmente não serão “as feras do Tite”, haverá dois ou três nomes contestados como em qualquer lista. Que serão lembrados se o hexa não vier.

Mas podem no conjunto de virtudes e defeitos formar um Brasil forte para buscar em 2018 o que não conseguiu em casa.


Diegos, Souza e Ribas, são trunfos de Tite para mudar o jogo e manter foco
Comentários Comente

André Rocha

Um Diego, o Souza, não é centroavante no Sport, embora já tenha atuado como referência na frente no próprio time pernambucano, no Vasco e em outros clubes. O outro, o Ribas, por suas características, obrigou o técnico Zé Ricardo a desfazer no Flamengo o 4-1-4-1, sistema de sua preferência e também o de Tite, e deixar o meia mais centralizado e adiantado num 4-2-3-1.

Se Tite sempre afirma que procura escolher os jogadores com o pensamento de que eles cumpram na seleção as funções que exercem nos clubes, a convocação da dupla para as vagas dos lesionados Gabriel Jesus e Lucas Lima – este também em má fase –  seria uma incoerência, certo?

Pode ser. E quase invariavelmente há polêmicas e divergências a cada lista divulgada. Mas está claro que Tite os trata como reservas. E a ideia é utilizá-los para mudar o jogo, se for preciso.

Porque Gabriel Jesus até sabe fazer trabalho de pivô – e estava aprimorando no ataque posicional de Pep Guardiola no Manchester City. Mas na seleção sua principal virtude era aproveitar os espaços às costas da defesa e usar sua velocidade e rapidez de raciocínio e execução.

Roberto Firmino, o provável substituto para os jogos contra Uruguai e Paraguai, segue a mesma linha e não vem sendo tão efetivo nas finalizações pelo Liverpool. Então, se precisar de presença física na área e faro de gol, Tite conta com Diego Souza, um dos artilheiros do Brasileiro do ano passado com 14 gols.

O mesmo vale para o Diego do Flamengo, que não se enquadra nas características de meio-campista que Tite aprecia como os centrais da linha de quatro à frente do volante mais fixo. Não é reposição a Renato Augusto, o mais cerebral.

O meia rubro-negro é jogador de condução de bola e finalização. Não passe e controle. E sofre diante de marcações mais compactas e estreitas, porque precisa dominar, girar para depois decidir o que fazer com a bola. Por isso teve dificuldades na Europa nos últimos anos. Tite alega que ele entrou bem diante da Colômbia, mas era o segundo tempo de um amistoso festivo.

Ainda assim, se ele precisar em um momento de sufoco, de um meia que pise na área adversária e acrescente presença física e contundência, Diego tem muito acrescentar. Já marcou dez gols em 24 jogos pelo Flamengo.

Convocar os dois depois do amistoso no Engenhão contra a Colômbia serve também e principalmente como um aviso importante. Palavras do próprio treinador na coletiva depois da divulgação dos nomes: “Então quero passar uma mensagem aos atletas: prepare-se, jogue muito nos seus clubes, tenham um bom preparamento físico. Atleta de alto nível a exigência é essa. Precisamos disso. Aí está a oportunidade. Diego no lugar do Gabriel é a oportunidade”.

É o remédio que Tite enxerga para evitar acomodação e grupo fechado, problemas brasileiros na preparação desde o último título mundial em 2002. Agora não tem Copa das Federações, ou das Ilusões, para vencer e se considerar preparado para o Mundial. É uma vantagem.

A outra é manter todos focados e atentos. Os Diegos aproveitaram suas chances e entraram no radar.