Blog do André Rocha

Arquivo : fabiocarille

A “identidade Corinthians” resiste, mas até quando?
Comentários Comente

André Rocha

A goleada por 7 a 2 sobre o Deportivo Lara, talvez pela profunda crise na Venezuela, fez lembrar os confrontos com os times semiamadores do país de décadas passadas. Mas o Corinthians cumpriu seu papel goleando e, com o resultado, garantindo a vaga nas oitavas de final da Libertadores e encaminhando a liderança do Grupo 7.

O que segue impressionando é a capacidade de reinvenção da equipe dentro da já decantada “identidade Corinthians”. Até Mantuan, inseguro e hesitante na reposição ao lesionado Fagner, vai ganhando confiança pela direita. Tanto na composição da linha de quatro quanto no aproveitamento do corredor deixado por Pedrinho. Joia da base enfim alçada ao profissional e acrescentando drible e inventividade ao quarteto ofensivo.

Ataque que perdeu Jô, pivô eficiente e que fazia a equipe jogar, e se adapta à dinâmica sem centroavante. Na Venezuela, a veia de artilheiro ficou com Jadson e seus três gols. Rodriguinho, melhor finalizador, parece fadado aos gols decisivos, não em jogos fáceis. Sidcley entrou na vaga deixada por Guilherme Arana e é mais um que rende no time ajustado. Gol e assistência para Jadson.

O modelo é a chave que os concorrentes começam a entender e buscar. Se há uma maneira de jogar que não é definida de acordo com o treinador da vez fica mais fácil assimilar os movimentos. Desde a posição corporal na hora de defender a meta de Cássio. Balbuena ensina Mantuan, Henrique e Sidcley e são protegidos pela linha de quatro mais à frente, porém compacta, com os volantes e ponteiros.

Na saída para o ataque, a busca pelas triangulações e a já famosa concentração para não desperdiçar oportunidades. Por isso, mesmo com o decréscimo no nível técnico com a perda de peças o desempenho médio não cai.

Ao menos por enquanto. Porque a proposta do Al-Hilal por Fabio Carille pode levar também alguns titulares. Maycon vai para o Shakhtar Donetsk depois da Copa do Mundo, Cássio e Fagner estarão no período de preparação da seleção brasileira com o Brasileiro rolando e a janela europeia também pode fazer um estrago no elenco.

O Corinthians sofre ao não transferir a organização e a competência dentro de campo para a gestão. Ainda que seja complicado, em qualquer cenário, competir com a moeda e a economia mais fortes de outros centros, o clube deveria resistir mais. Tem receitas para isto. Mas a dificuldade de gerir as finanças com um estádio caro para pagar é obstáculo para um domínio que podia ser maior e corre o risco de evaporar a qualquer momento.

A alternância de poder no Brasil costuma ser implacável. A concorrência aprende com quem está dominando e o time vencedor do período se acomoda nas velhas fórmulas ou paga a conta de um investimento sem sustentação do orçamento. O São Paulo tricampeão brasileiro e hoje decadente é o exemplo mais clássico e duradouro.

O Corinthians respira e segue vencendo. Os sustos, porém, devem vir pelo caminho. Osmar Loss pode ser a nova solução caseira e o elenco ser reciclado mais uma vez. Ao menos o clube aprendeu com o hiato de Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira o que não deve fazer. Mas até quando resiste a identidade do maior vencedor do país nesta década?


Corinthians sofre sem seu “camisa dez” nas conquistas recentes: o tempo
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Daniel Augusto Jr. /Agência Corinthians

Sim, muitos vão dizer que o verdadeiro trunfo corintiano é o “apito amigo”. Tema recorrente. E chato. Porque sempre o alvo é quem está vencendo no período. Já foi o Flamengo, o São Paulo, o Palmeiras, o Fluminense…Agora o maior campeão dos últimos dez anos no Brasil. Coincidência?

O vício de colocar tudo na conta da arbitragem é tão grande que já contaminou até a Liga dos Campeões, cada vez mais popular e com mais jogos transmitidos em TV aberta. O alvo? Claro, o Real Madrid bicampeão e em mais uma final. Um choro que parece inesgotável. Este que escreve prefere ficar com as declarações dos alemães Hummels e Muller após a eliminação do Bayern de Munique: culparam os próprios erros, a incompetência por não transformar 33 finalizações em mais de três gols no confronto. Sem “bengala”. Não por acaso são campeões do mundo.

Voltemos ao Corinthians. Duas derrotas seguidas, para Atlético Mineiro e Independiente. Perdendo os 100% e a liderança no Brasileiro e se complicando no Grupo 7 da LIbertadores, embora siga no topo da classificação e ainda com boas chances de garantir vaga nas oitavas de final.

Momento natural de oscilação na temporada. Todos passam por isto. E o elenco curto, desequilibrado e já desgastado por disputar o estadual até o fim sofre mais. Responsabilidade da gestão, que conta com estádio próprio, receita alta de TV e, mesmo assim, não consegue se equilibrar nas finanças e investir proporcionalmente.

Venceu em 2017 porque contou com o verdadeiro “camisa dez” do Corinthians nas conquistas recentes: o tempo. Para descanso e treinamentos. Do corpo e da mente. Fundamental para a equipe que prioriza o trabalho coletivo, a intensidade e a concentração.

Não houve como Fabio Carille corrigir com um mísero treinamento os muitos erros do revés no Estádio Independência no fim de semana. A preparação para o duelo com o “Rei de Copas” e atual campeão da Sul-Americana em Itaquera teve que ser na base da conversa e dos vídeos. Porque se a ideia é que o treino tenha a intensidade e a dinâmica do jogo, ainda que mais curto, o risco de lesão é praticamente o mesmo de uma partida oficial.

Ano passado não teve essa “roda viva”. Eliminado na Copa do Brasil pelo Internacional antes das oitavas de final e priorizando o Brasileiro durante a disputa da Copa Sul-Americana, o Corinthians teve semanas e semanas cheias de preparação, enquanto os rivais se degladiavam em outras frentes. Abriu vantagem no início e depois administrou até o fim.

O mesmo que ocorreu em 2011, no começo desta trajetória vencedora na década. Eliminado pelo Tolima antes mesmo da fase de grupos do torneio continental e sem a possibilidade de disputar a Copa do Brasil, concentrou esforços no Brasileiro e se impôs contra um Vasco campeão da Copa do Brasil e que se dividiu até o fim entre a principal competição nacional e a Copa Sul-Americana.

No ano seguinte, prioridade absoluta para a Libertadores e, depois da conquista, o Brasileiro foi uma longa preparação de Tite e seus comandados para o Mundial de Clubes. O último brasileiro a superar o vencedor da Liga dos Campeões.

O foco fez a diferença também em 2015. Eliminado nas oitavas da Libertadores e da Copa do Brasil, Tite teve tempo para ajustar seu 4-1-4-1 acrescentando conceitos ofensivos que estudou em seu 2014 “sabático” e fez o time voar na reta final jogando bem e bonito. Mais uma taça para a coleção.

Não é impossível terminar 2018 com mais uma conquista além do bi paulista. A mentalidade vencedora desenvolvida nos últimos anos não pode ser desprezada e se for possível priorizar algo com chances reais de conquista as chances aumentam consideravelmente. A parada para a Copa do Mundo deve ajudar na recuperação do gás para o segundo semestre.

Mas sem tempo entre aviões, hoteis e estádios, a missão fica bem mais difícil. Para qualquer um. Não é por acaso que o único time campeão brasileiro e da Libertadores na mesma temporada tenha sido o Santos de Pelé em 1962/1963. Mas fazendo apenas cinco jogos na Taça Brasil em 1962 e quatro no ano seguinte. E vencer a Copa do Brasil e o Brasileiro é um feito apenas do Cruzeiro de Vanderlei Luxemburgo e Alex em 2003. Campeão da Libertadores e da Copa do Brasil? Não existe. Culpa também de um calendário inchado e que é conivente com a estrutura federativa que sustenta CBF e federações.

Se fracassar, o Corinthians ao menos trará um alento para sua torcida e quem gosta mais de futebol do que de reclamar de arbitragem: sem taças não tem “mimimi”. Ou até terá, porque virou mania nacional. Afinal, dói menos diminuir quem dá a volta olímpica no final.

 


Centroavante para quê, Corinthians?
Comentários Comente

André Rocha

A importância de Jô como artilheiro, pivô e atacante que abre espaços no Corinthians campeão paulista e brasileiro em 2017 é inegável e até dispensa estatísticas para comprová-la.

Mas em 2018 a mudança de Fabio Carille descartando as opções de centroavante – Kazim e Júnior Dutra – e incluindo um volante para dar liberdade a Jadson e Rodriguinho como “falsos noves” deu liga sem mudar a identidade da equipe.

Estão lá as duas linhas de quatro compactas, a concentração, a última linha defensiva bem posicionada, as rápidas transições ofensiva e defensiva. Sem a referência, não há mais um homem fixo na área adversária, mas vários chegando.

Nos 4 a 0 sobre o Paraná em Vila Capanema, primeiro chegou Rodriguinho, o goleador da nova fase. Sidcley dois minutos depois. Na segunda etapa, Clayson que entrou na vaga de Jadson aproveitou jogada pela direita e depois serviu o volante Gabriel.

É claro que a ausência de Maycon, que vai para o Shakhtar Donetsk na parada para a Copa do Mundo, não terá a reposição com mesma qualidade com Renê Júnior. Mas dentro de um time organizado e com modelo de jogo assimilado a adaptação de uma nova peça é mais rápida e menos traumática.

Mais um passeio no modo Corinthians. Posse de bola quase empatada, sete finalizações contra nove do Paraná. Quatro no alvo. Nas redes. A equipe de Rogerio Micale tentou jogar, mas é um trabalho no início de um time voltando à Série A. Contra uma rara equipe consciente jogando em alto nível no país fica bem mais complicado.

Roger chega do Internacional e Carille ganha mais uma opção ofensiva. Importante para uma temporada longa e dura, com várias frentes. Mas hoje a dinâmica ofensiva do campeão brasileiro e bi paulista pode prescindir das características de um atacante de referência. Centroavante para quê?

(Estatísticas: Footstats)


Garotada, torcida única e “Venturabol”. O Santos dos contrastes no Pacaembu
Comentários Comente

André Rocha

Foi diferente ver o Pacaembu com torcida única do Santos contra o time mais popular de São Paulo. Não que o alvinegro praiano não possa desfrutar da vantagem que os rivais têm de mandar seus jogos na maior cidade da América Latina. Muito menos que sua gente não tenha capacidade de lotar estádios maiores que a Vila Belmiro. Foi apenas inusitado. Um contraste com os domingos de Morumbi dividido de outros tempos. Não exatamente melhores, mas diferentes.

Tão estranho quanto a visão distorcida de que Jair Ventura é o José Mourinho da nova geração de treinadores no Brasil. O seu Botafogo não dava a bola para o adversário, mesmo jogando em casa, e abusava do pragmatismo se defendendo independentemente do contexto da partida.

A crítica ao jovem técnico é comum a tantos outros no país: suas equipes precisam de espaços para atacar. Quando é preciso criá-los se complica. E aí apela para o recurso mais simples: roda a bola de um lado para outro até cruzar na área. Uma espécie de “Venturabol”.

É preciso entender que não há nenhum preconceito contra as bolas levantadas. A questão é que quando elas não são consequência de uma ação ofensiva bem trabalhada na qual o jogador pelo flanco chega ao fundo em condições de servir seu companheiro. O cruzamento mais comum é aquele que quase sempre está mais para o zagueiro que para o atacante.

Daniel Guedes cruzou 20 bolas no empate em 1 a 1 com o Corinthians. Acertou duas. Jean Mota foi mais eficiente: de 12 no total acertou três. Total de 47, com nove acertos. Números comuns, na média brasileira de quem precisa atacar. Mas que refletem a opção por uma jogada que, da forma com que é executada, não tem eficiência, nem eficácia. Mesmo quando a equipe termina a partida com 53% de posse de bola.

Só quando Cássio largou nos pés do jovem Diogo Vítor, 21 anos. Que entrara na vaga de Rodrygo, de 17, em sua estreia como titular substituindo o suspenso Gabigol. Para empatar e salvar o time da derrota que parecia encaminhada pelo chute de Renê Júnior ainda no primeiro tempo.

Revés que poderia ter sido decretado na segunda etapa com oportunidades desperdiçadas pelo time de Fabio Carille, novamente com Jadson e Rodriguinho mais soltos, alternando na função de “falso nove”. Inicialmente parecia que a queda de energia no estádio, a terceira em três meses, tinha beneficiado os visitantes.

Mas os garotos salvaram o time da derrota. Que poderia ter se transformado em virada se aos 45 minutos o árbitro Luiz Flávio de Oliveira marcasse dentro da área, como de fato aconteceu, a falta de Balbuena em Léo Cittadini anotada fora. Cittadini, outro que chegou menino ao Santos e no clássico, substituindo Renato, tornou o meio-campo mais dinâmico e o time mais agressivo. Foram 15 finalizações, três a mais que o Corinthians – seis para cada lado no alvo. Mesmo sem Gabigol, suspenso.

O Santos sempre parece mais forte quando usa a garotada. Mesmo se não abrir a defesa adversária respeitando a tradição do clube, com bola no chão, técnica e habilidade. Mais um contraste histórico no domingo de Pacaembu com jeito de Vila Belmiro.

(Estatísticas: Footstats)


Rodriguinho de “falso 9” no dérbi conecta Corinthians 2011/12 ao de 2015
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Rivaldo Gomes/FolhaPress

Fabio Carille despistou ao dizer que Romero começaria no centro do ataque contra o Palmeiras na Arena Corinthians. Mas se o próprio treinador campeão brasileiro tem boa memória certamente lembrou dos 6 a 1 sobre o São Paulo em 2015.

Era auxiliar de Tite, que escalou reservas e começou com Romero centralizado e o veterano Danilo deslocado pelo lado direito. Rapidamente trocou o posicionamento ao notar que o ataque perdera rapidez e capacidade de abrir o jogo e buscar o fundo. O atual comandante da seleção resgatou a ideia de Danilo “falso nove” dos títulos brasileiro de 2011 e da Libertadores no ano seguinte.

Jorge Henrique e Emerson pelas pontas, Danilo e Alex no centro à frente da dupla de volantes Ralf-Paulinho. Sem referência no ataque. Ou só quando Emerson e Danilo trocavam e o camisa 11 ficava mais adiantado, como na final da Libertadores contra o Boca Juniors. Dois gols e a história que hoje rende uma vaga ao Sheik no elenco corintiano.

2011/12 e 2015. Até 2018. Passado e presente se conectaram no dérbi quando Romero seguiu pela direita e no centro Rodriguinho atuou como “falso nove”. Sem a bola era o jogador mais adiantado da equipe e nas ações ofensivas procurava os espaços entre a defesa e o meio-campo do Palmeiras confundindo os zagueiros Antônio Carlos e Thiago Martins, que não sabiam se guardavam o posicionamento ou saíam para pressionar.

Como no golaço que abriu o placar. Com o falso nove da primeira Era Tite, mas também a troca de passes e a fluência que foi marca da conquista de 2015: 28 passes em um minuto e 23 segundos até Rodriguinho receber às costas de Felipe Melo, indefinir a marcação, cortar Borja e Antonio Carlos e colocar no canto de Jailson.

Rodriguinho recebe às costas de Felipe Melo, indefine o comportamento dos zagueiros pela presença de Jadson. Na sequência, o golaço do “falso nove” que abriu o placar no clássico paulista (Reprodução Premiere).

Goleiro expulso na polêmica do clássico: o pênalti sobre Renê Júnior marcado depois da conclusão da jogada. O árbitro Raphael Claus usou as marcas na coxa do volante corintiano para configurar força excessiva do infrator e justificar a punição. Explicação plausível, ainda que a orientação seja de evitar mostrar o vermelho já que houve a penalidade máxima do esporte.

Mas Jadson bateu para fora tirando muito de Fernando Prass. Com um a mais, o Corinthians ficou mais forte e envolvente até Rodriguinho sofrer o segundo pênalti e Clayson bater no meio do gol para finalizar os 2 a 0 que encerra a invencibilidade do Palmeiras de Roger em 2018.

Também sinaliza o futuro. Seja para a estreia na Libertadores ou vislumbrando a entrada de Alex Teixeira. Contratação ousada considerando os problemas financeiros do Corinthians, mas que pode dar muito certo pela técnica e leitura de jogo do atacante que foi bem no Shakhtar Donetsk, teve propostas de Liverpool e Chelsea, mas seu clube preferiu a grana farta da China. Pode ser um atacante móvel mais adiantado ou atuar pelos flancos neste sistema com “falso nove”.

A julgar pelo desempenho no clássico, Carille deve pensar com carinho nesta segunda opção. Unindo passado e presente para manter o Corinthians forte. Com a cultura de vitória que sempre aparece nos grandes jogos e deu as caras no dérbi mais uma vez.


Cultura da vitória ajuda Corinthians quando falta futebol
Comentários Comente

André Rocha

Não deixou de ser decepcionante que o Corinthians, logo quando escalou de início Júnior Dutra de início na vaga de Kazim junto à base titular, tenha apresentado um desempenho coletivo pouco satisfatório.

Muito por méritos do Novorizontino de Doriva, bem organizado, negando espaços a Rodriguinho e Jadson e atacando o setor de Fágner com a velocidade de Juninho, especialmente no primeiro tempo. Com Clayson errando até jogadas simples, Romero era o único escape pelo flanco na execução do 4-1-4-1. Mas quando o paraguaio serviu Rodriguinho na primeira jogada bem trabalhada, o meia perdeu gol feito.

Já Pedro Henrique não desperdiçou sua chance na bola parada. Típico gol da vitória sofrida, administrada com calma e, claro, a confiança adquirida com os títulos recentes. Quando falta futebol, o atual campeão brasileiro e paulista se impõe na mentalidade vencedora, na segurança que transmite e no respeito que desperta nos adversários.

Três pontos apesar dos 52% de posse e das oito finalizações do time da casa contra seis dos visitantes. Mesmo com a impressão durante boa parte dos 90 minutos que o gol do Novorizontino estava “maduro”. Ainda que Emerson Sheik pouco tenha contribuído quando entrou na segunda etapa. Virou moda dizer que o Corinthians “sabe sofrer”. Na prática, não passa de experiência em jogar controlando os espaços.

Ainda há muito a evoluir – clichê inevitável pelo ridículo período de pré-temporada. A equipe de Fabio Carille já mostra organização e movimentos assimilados desde o ano passado. Falta mais fluência, consistência, regularidade. Deve vir com o tempo.

Por ora, quando falta futebol a cultura da vitória ajuda a descomplicar jogos como em Novo Horizonte.

 


Golaço é a mostra de que vale o “risco Jadson-Rodriguinho” no Corinthians
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Gazeta Press

Juninho Capixaba conduz a bola aberto pela esquerda. Kazim não está na referência do ataque, mas Rodriguinho, que recebe o passe do novo titular da lateral e serve Jadson. Um golaço pela jogada coletiva logo no primeiro minuto do Majestoso no Pacaembu. Com seis jogadores chegando ao ataque.

Flagrante da jogada iniciada pela esquerda com Juninho Capixaba e a bola chegando em Rodriguinho mais na referência do que Kazim. Jadson infiltra pela meia esquerda para marcar o primeiro gol no Majestoso. Seis corintianos no campo de ataque (Reprodução Premiere)

A vitória corintiana por 2 a 1 foi decretada na impulsão e no golpe certeiro de Balbuena após o empate tricolor com Brenner. Em um universo de 62% de posse e dez finalizações são-paulinas contra sete. Mas o time de Fabio Carille teve momentos de belas trocas de passes e jogadas que envolveram o sistema defensivo do rival. Apesar dos erros grosseiros, até bizarros, de Kazim.

Porque o Corinthians agora tem mais qualidade entre as intermediárias com a dupla de meias. Não só na articulação como nas infiltrações por dentro, pelo “funil”. Mais difíceis de conter do que as diagonais dos ponteiros Romero e Clayson, peças fundamentais na compensação dessa perda na proteção da defesa pelo meio com a saída de um volante e a presença de meias não tão intensos no trabalho sem a bola.

O esperado nesta execução do 4-1-4-1 é que os pontas joguem de uma linha de fundo à outra para permitir que a última linha de defesa fique mais estreita, com os laterais Fagner e Capixaba próximos aos zagueiros Balbuena e Pedro Henrique. Bloqueando mais o meio que os flancos. Com isso, Gabriel pode ficar mais fixo no centro, sem tantos deslocamentos para as coberturas.

Mas há efeitos colaterais, como no gol de Brenner, que completou o centro de Militão, em mais uma jogada no setor de Capixaba, com a bola encontrando o atacante fechando apenas para concluir. Fagner estava mais por dentro e não conseguiu alcançar. Mérito do ataque, mas também falha da retaguarda.

No gol do São Paulo, última linha do Corinthians estreita bloqueando o lado direito do ataque do São Paulo, mas o passe de Militão encontrou Brenner mais aberto e Fagner, por dentro, não conseguiu alcançar. Mérito do ataque do São Paulo, mas também um problema de posicionamento que necessita de ajuste (Reprodução Premiere)

Questão de acerto no posicionamento e na dinâmica da transição defensiva. Mas o ganho no volume e na fluência do jogo corintiano já é sensível. Como já dito neste blog, esta formação equilibra passe e velocidade. O campeão brasileiro joga melhor. E pode render ainda mais se encaixar um atacante com um mínimo de sintonia com os dois meias. Entre as peças disponíveis hoje deve ser Júnior Dutra.

Carille já afirmou que a volta ao 4-2-3-1 pode acontecer a qualquer momento, especialmente em jogos fora de casa pela Libertadores. Mas está provado que vale o “risco Jadson-Rodriguinho”. Não para “jogar bonito”, mas sim por representar uma evolução do atual treinador, se aproximando mais do modelo de jogo de Tite no Corinthians em 2015.

(Estatísticas: Footstats)


Corinthians volta ao 4-1-4-1 equilibrando melhor passe e velocidade
Comentários Comente

André Rocha

O resultadismo é algo tão sério no Brasil que o Corinthians sofreu críticas por ter sofrido a virada de 4 a 2 para os Rangers com um time reserva e repleto de improvisações que, pelo desentrosamento, sofre mais a falta de ritmo de competição que o adversário no meio da temporada. Tantas vezes a análise se restringe ao placar e não mais que isto.

Valem os dois primeiros períodos de 45 minutos para observar o que pretende Fabio Carille neste início de temporada. E tanto no empate contra o PSV por 1 a 1 com vitórias nos pênaltis e na derrota para o time escocês, a resposta do atual campeão brasileiro foi positiva. Não por ter “vencido” os dois períodos, mas pelo desempenho.

A equipe volta ao 4-1-4-1 consagrado por Tite em 2015 e rascunhado no início do ano passado até Rodriguinho passar a atuar mais adiantado. Mas desta vez com uma alteração que mudou alguns jogos decisivos na reta final do Brasileiro: Jadson no meio-campo e Clayson na ponta esquerda, com Romero sendo transferido para o lado direito. Na frente, Kazim ocupando a vaga de Jô.

A primeira impressão é de um jogo mais fluido e que equilibra melhor o passe e a velocidade nas ações ofensivas. Com Jadson pela direita e Maycon ou Camacho fazendo dupla com Gabriel à frente da defesa num 4-2-3-1, o meio-campo era mais preenchido, porém faltava uma infiltração mais rápida pela direita além das descidas de Fagner.

Lembrando 2015, quando Jadson cortava para dentro, Elias ou Vagner Love apareciam naquele espaço para surpreender a defesa com uma rapidez de deslocamento que não havia em Rodriguinho ou Jô no ano passado. O time ficou menos ágil, especialmente no momento da queda de produção de Maycon.

Agora a equipe tem o passe no meio com Rodriguinho e Jadson, que se movimentam ora recuando para qualificar o toque na intermediária, ora buscando os espaços entre a defesa e o meio-campo do adversário. Os pontas Romero e Clayson aceleram buscando o fundo ou as infiltrações em diagonais e Kazim vem surpreendendo com mobilidade e um trabalho de pivô  eficiente, ainda que longe do nível alcançado por Jô.

Nos três gols marcados, duas assistências de Jadson para Rodriguinho, na estreia com bola parada e na segunda partida em jogada bem trabalhada. Mais um chute cruzado de Kazim após se desmarcar pelo lado direito. O centroavante saiu da área em vários momentos e os companheiros tentaram aproveitar o espaço deixado. Em alguns momentos faltou sincronia, o que absolutamente natural.

Sem a bola, compactação dos setores, responsabilidade dos ponteiros fechando os flancos no auxílio aos laterais Fagner e Juninho Capixaba ou Guilherme Romão. O do setor atacado recua mais e o do lado oposto fica pronto para o contragolpe. Gabriel ajuda os zagueiros Balbuena e Pedro Henrique a bloquear as penetrações pelo centro. Nos 90 minutos com os titulares a meta de Cássio não foi vazada.

Corinthians de volta ao 4-1-4-1 com Gabriel entre as linhas de quatro e o ponteiro do lado atacado – na imagem, Clayson fechando o setor esquerdo – fica mais recuado que o do lado oposto (Reprodução Sportv).

Pouco importa o placar final. A informação preciosa para os corintianos é que o equipe manteve a base, tem modelo de jogo assimilado, mesmo com a mudança no desenho tático. Também entrosamento e apresentou um repertório até interessante no ataque para um início de trabalho. O resultado é o que menos importa no Torneio da Flórida.


Corinthians, Grêmio ou a evolução? O que você quer do seu time em 2018?
Comentários Comente

André Rocha

Com a volta ao trabalho dos times das Séries A e B, a temporada 2018 dá os primeiros passos no Brasil. Desta vez com um retrocesso em relação a 2017: apenas duas semanas de pré-temporada por conta da pausa para a Copa do Mundo.

A lógica grita mais do que nunca que os estaduais devem servir como um torneio preparatório. Para os envolvidos em Libertadores, uma competição para testes e ajustes. O problema é que quando chegam os clássicos as cidades vivem uma espécie de vertigem, valorizando além da conta as rivalidades locais. Em busca de um título que é tratado como nada ao final da temporada pelos grandes.

O Corinthians foi campeão paulista e brasileiro. Mas o contexto ajudou, já que o time não disputou o principal torneio do continente, teve uma eliminação prematura da Copa do Brasil e não deu tanta importância à Copa Sul-Americana. Passou o ano praticamente dedicado a uma competição apenas.

O que não tira os méritos de vencedor com uma identidade. Construída por Mano Menezes e Tite, resgatada por Fabio Carille. O pilar na organização defensiva e o trabalho com a bola buscando triangulações, ultrapassagens e os apoios, inclusive de Jô como pivô. Peça fundamental que vai para o Japão e cria uma necessidade inesperada de buscar outras soluções no ataque. Mas não tira o norte do futebol do clube. Há uma linha mestra.

Assim como no Grêmio de Renato Gaúcho. Da ideia de propor o jogo, trocar passes e acelerar no ataque para infiltrar. Aproveitando alicerces já construídos e dando o acabamento que terminou no tricampeonato sul-americano. Mas não foi suficiente para superar o Real Madrid no Mundial de Clubes. Porque do outro lado havia uma seleção intercontinental, mas também por seguir faltando algo por aqui.

O futebol jogado no país foi marcado pela evolução sem a bola. Os conceitos de compactação, bloqueio dos espaços, pressão no homem da bola com marcação adiantada ou não e coordenação dos setores com a concentração máxima buscando o erro zero já foram assimilados. Até porque desde Carlos Alberto Parreira em 1994, ou mesmo Zagallo em 1970, a máxima “se não levarmos gol nosso talento decide na frente” continua valendo.

Só que apenas o talento não é suficiente para furar este bloqueio que tem uma sofisticação sem precedentes no futebol mundial. Nasceu com José Mourinho para enfrentar Pepe Guardiola. Foi lapidado e aprimorado por Diego Simeone, Carlo Ancelotti, Massimiliano Allegri e outros. Não é fácil entrar.

Ainda mais em um jogo ainda pobre coletivamente no que se refere à criação de espaços. Porque aprendemos a jogar com a bola e tentando abrir no drible, no blefe, na finta. Individualmente. Basta ver como pensamos futebol. Ainda acreditamos no “time no papel”, da reunião de craques que funciona como mágica. Adoramos comparar jogador por posição, buscar O cara do time, do campeonato. Veneramos Messi por driblar e conduzir com incrível habilidade e muitos torcem o nariz para Cristiano Ronaldo por seu estilo mais vertical e objetivo.

Questão de cultura, de história. Acreditamos no gênio Garrincha com cognitivo baixo, mas que no campo entende tudo. Nosso garoto é estimulado a partir para cima. Repare no nosso futebol em campo. Ele é pouco associativo, colaborativo. Quem se apresenta quer a bola, sem entender muitas vezes que dar a opção facilita o companheiro na tomada de decisão. Mesmo que ele resolva tentar o drible.

Há uma vaidade intrínseca. O lateral desce querendo chegar ao fundo ou finalizar. Se o ponteiro não passar em duas ultrapassagens, na terceira ele não vai. Não importa se a jogada pessoal do outro pode terminar em gol. O meia que diz que seu orgulho é dar assistências porque quer os louros dos “80% do gol foi meu” e do “te consagrei”. O centroavante aceita a responsabilidade de ser o finalizador porque vai sair no portal de esportes que ele “deu um show” se for às redes. Ainda que tenha tocado pouco na bola além dos gols que marcou. O que importa é botar para dentro.

Nosso jogo é fragmentado, ainda indigente na ideia de que atacar é estar pronto para defender (perde e pressiona) e vice-versa. O resultado prático, na maioria das vezes, é a busca do gol que fura o muro através dos cruzamentos, com bola rolando ou parada. Basta uma equipe estar bem fechada para o que está atacando começar a levantar bolas na área.

Faltam ideias, como arrastar pacientemente o rival para um lado e surpreendê-lo na inversão rápida de lado. O toque curto e o deslocamento para cansar o oponente física e mentalmente. A quase sempre vaiada bola recuada para o goleiro com o intuito de tirar um pouco o rival da trincheira. Há pressa, um futebol que sente muito – tem que ter garra, fibra, ser guerreiro, deixar o sangue – e pensa pouco.

O que teremos em 2018? Times se baseando no Corinthians e, por tabela, no Cruzeiro de Mano Menezes com princípios muito semelhantes ou no Grêmio apostando mais na técnica e no protagonismo? Mais equipes verticais, pouco se importando com a posse e aproveitando os espaços às costas da defesa do time que ataca ou controlando o jogo com a bola, se instalando no campo rival e assumindo os riscos da proposta ofensiva?

Ou ainda a evolução disso, que é o futebol por demanda. Inteligente, sabendo responder a cada necessidade que o jogo apresenta. Sabendo atacar e reagir. Um híbrido de Corinthians e Grêmio que, obviamente, saem na frente por já terem percorrido parte do caminho. Ataque e defesa numa ação contínua. O futebol total inspirado nos grandes centros. O dinheiro a menos, os jogos a mais, a desordem administrativa e as mudanças nos elencos são problemas, sem dúvida. Mas não podem ser bengalas eternas.

O que você quer para o seu time? Apenas títulos, não importando como vence? Ou jogar bem transformando o desempenho em resultados torna a conquista mais prazerosa, como Tite vem mostrando na rediviva seleção brasileira, uma realidade ainda distante da nossa pelos craques atuando na Europa? Com talento e, principalmente, a leitura de jogo e dos espaços que faltam em nossos campos.

O mercado mais modesto da maioria dos clubes pode ser positivo, investindo em entrosamento, jogar de memória, afinar a sintonia. Para que nosso futebol entre definitivamente no século 21, defendendo e atacando. Com menos lacunas, ainda que só dentro de campo. Apesar de uma gestão amadora e politiqueira na CBF, nas federações e em quase todos os clubes. Não custa sonhar.


Corinthians, hepta de 1990 a 2017. Um título a cada quatro anos não é acaso
Comentários Comente

André Rocha

Heptacampeão brasileiro. Maior vencedor de 1971 para cá. Ou desde 1990, na conquista do time de Nelsinho Baptista e Neto. Passando pelo bi de 1998/1999 com a equipe de Vanderlei Luxemburgo herdada por Oswaldo de Oliveira. O tetra com Tevez, Mascherano, Nilmar, Roger e Antonio Lopes recebendo o time de Marcio Bittencourt em 2005. Depois a “Era Tite”, começando em 2011 mais pragmático, quatro anos depois com criatividade e um futebol mais envolvente.

A conquista do time de Fabio Carille pode ser incluída neste período, já que o ex-auxiliar seguiu princípios de jogo e de gestão de elenco do atual treinador da seleção brasileira. Mais ou menos como Oswaldo de Oliveira e Luxemburgo há 19 anos.

A primeira vez que a CBF foi buscar no clube o melhor treinador do país. Depois de Luxa, Parreira em 2003 pela relação sempre próxima do campeão mundial de 1994 com a entidade, mas também pela temporada vencedora no ano anterior – campeão do Rio-São Paulo, Copa do Brasil e vice brasileiro. Mano Menezes em 2010 pelas conquistas de Paulista e Copa do Brasil. Por último, Adenor Leonardo Bacchi. Com dois anos de atraso, perdidos com Dunga.

Não é por acaso. Se fora de campo a gestão nunca foi exemplar, mesmo com sonhos realizados como o CT Joaquim Grava e o estádio próprio em Itaquera, dentro de campo o Corinthians teve excelência. Em técnica e tática.

Desde 2008, com Mano a partir do inferno na Série B, construiu uma identidade. Coisa rara no país. Baseada em organização defensiva, intensidade, concentração e mentalidade vencedora. O ápice em 2012 com Tite e o sonhado título da Libertadores e o último Mundial Interclubes conquistado por um sul-americano. Os dois comandantes se revezaram até Tite deixar o clube para investir no sonho de dirigir a seleção.

Um hiato com Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, retomada da linha de trabalho e de conduta com Carille. Do turno invicto e quase perfeito com 82% de aproveitamento, a queda brusca a partir da vigésima rodada e a confirmação da conquista na reta final. Com três rodadas de antecedência, desde a quinta no topo da tabela. Líder por 30 rodadas, ilustrando a superioridade durante todo o campeonato. Se os concorrentes priorizaram outras competições, que aplaudam o vencedor.

Nos últimos quatro triunfos para o título, a vantagem mínima em três partidas para agradar o “maloqueiro sofredor”. Sem brilho, mas com fibra. E a confiança de quem venceu tanto recentemente e confia em sua ideia de jogo. Mesmo recheada com muito pragmatismo na reta final.

Contra o Fluminense, a primeira virada, a mais importante. Em casa, para celebrar com sua gente.

Susto com Henrique abrindo o placar no primeiro ataque tricolor, gols de Jô para consagrar o artilheiro do campeonato com 18 gols e o grande protagonista na campanha inteira. Sustentando o ataque e o time quando a defesa vacilou, Rodriguinho oscilou, Romero cansou, Jadson e Maycon despencaram em desempenho e perderam espaços para Clayson e Camacho. Mas o camisa dez ressurgiu para marcar o gol dos 3 a 1.

Apesar da campanha de extremos, foi o melhor pelos gramados do país na principal competição nacional. Mais uma vez. Com uma maneira de jogar e levar a taça para casa. O sétimo título em 28 edições, um a cada quatro anos. Que sirva de exemplo para os demais. Até porque se continuarem dormindo, o domínio vira dinastia.