Blog do André Rocha

Arquivo : Fellaini

A França difícil de bater e ser batida está na final
Comentários Comente

André Rocha

A única vitória francesa por mais de um gol até aqui na Copa do Mundo foi sobre o Uruguai nas quartas. Dois a zero graças à fantástica defesa de Lloris no primeiro tempo e à falha grotesca de Muslera na segunda etapa aceitando chute de Griezmann.

Sim, o placar de 4 a 3 contra a Argentina foi um tanto mentiroso. Na melhor atuação da equipe de Didier Deschamps, a seleção de Messi virou para 2 a 1 sem controle do jogo e marcou no final diminuindo para um gol a grande distância na bola jogada. Graças a Mbappé na grande atuação individual da Copa.

A França é essencialmente competitiva. O 4-2-3-1 com Matuidi como “ponta volante” pela esquerda deu liga contra o Peru e foi se assentando em um modelo de jogo sem grande controle através da posse. Organização defensiva e paciência para acelerar com Pogba conduzindo, Griezmann tocando rápido e fácil e Mbappé disparando.

Giroud é o pivô, o facilitador para os demais. Com força e estatura empurra a linha de defesa para trás e cria espaços às costas dos volantes. Se desloca e trabalha sem bola. Reforça o jogo aéreo. Chega à final sem gols, mas com utilidade.

A França não tem tanta fluidez e parece se preocupar mais com a organização ofensiva. Se movimenta pouco quando desce para não se descoordenar na volta. O espaço deixado por Matuidi só vem sendo aproveitado pelas descidas do lateral Lucas Hernández. Griezmann flutua pouco por ali, Mbappé também podia aparecer mais.

A antítese da Bélgica versátil, móvel e mutante. Sem o suspenso Meunier, Roberto Martínez colocou Dembele no meio-campo e posicionou Chadli pela direita, defendendo como lateral e atacando bem aberto. Do lado oposto, Vertonghen era lateral sem a bola e o zagueiro pela esquerda em um trio quando a equipe descia em bloco. Hazard abria o campo como ponta esquerda.

Em números, um 3-2-4-1 atacando e um 4-2-3-1 na recomposição que se movia de acordo com a perseguição de Fellaini a Pogba. A França respondia com Kanté ligado em De Bruyne partindo da direita, mas com liberdade.

Desta vez Lukaku foi centroavante. E sofreu contra a melhor zaga do Mundial na Rússia: Varane impecável na técnica e posicionamento e Umtiti implacável no vigor e na velocidade. Também no deslocamento e no movimento de ataque à bola para completar escanteio de Griezmann. De novo a bola parada decidindo.

Gol único e decisivo. Apesar da luta de Hazard e da pressão belga. A França negou espaços, mas não foi fulminante nos contragolpes. Com apenas 40% de posse, finalizou 19 vezes. Só cinco no alvo. Porque não cria chances cristalinas. Falta a jogada diferente com mais frequência. Há potencial, mas na prática acontece poucas vezes.

Também não cede. Os belgas rodaram a bola, mas a concentração defensiva dos Bleus permitiu apenas nove conclusões. Três na direção da meta de Lloris. Sofrimento só no início da semifinal em São Petersburgo e na pressão final, incluindo a defesa do arqueiro francês em chute de Witsel.

Beleza só no giro com calcanhar de Mbappé para o chute de Giroud. A França encarnou o papel da favorita pragmática que não quer desperdiçar a chance do título, o segundo da história. Depois do vice da Eurocopa em casa.

É time duro de bater no rival, mas ainda mais difícil de ser batido. Por isto está na final. A terceira da França nos últimos seis mundiais. Uma potência que merece respeito.

(Estatísticas: FIFA)


Bélgica terá confiança abalada ou vai ganhar “casca” com o susto japonês?
Comentários Comente

André Rocha

O roteiro do duelo pelas oitavas de final entre os  belgas favoritos e os japoneses classificados apenas por menor número de cartões que Senegal teve o final esperado, mas com o roteiro mais inusitado possível.

Porque a Bélgica com os titulares repetiu em jogo eliminatório os erros defensivos que não causaram estragos contra Tunísia e Panamá na fase de grupos. De posicionamento e também logo após a perda da bola. Muitos espaços entre os setores na execução do 3-4-3/5-2-3 e sobrecarga no trabalho de Witsel atrás dos alas Meunier e Carrasco, do meia De Bruyne e do trio ofensivo.

O Japão começou compactando duas linhas de quatro e aos poucos foi avançando na troca de passes no ritmo de Shibasaki, com Kagawa aceso e os ponteiros Haraguchi e Inui se entendendo bem pelos flancos com Sakai e Nagatomo. Na defesa, Yoshida quase perfeito no duelo com Lukaku.

A Bélgica perdeu intensidade e as brechas ficaram ainda maiores. Os japoneses foram implacáveis com Haraguchi e Inui. Quando a Bélgica despertou, perdia por 2 a 0.

Mas paradoxalmente a vantagem criou o cenário mais complicado para os japoneses. Mais baixos e fracos, costumam sofrer com “abafas”. Roberto Martínez trocou Carrasco e Mertens por Fellaini e Chadli. Esvaziou um tanto o lado direito, que só tinha Meunier no corredor. Mas descarregou cruzamentos na área japonesa.

Até Vertonghen diminuir em cabeçada que encobriu o goleiro Kawashima – um arqueiro mais alto sofreria o gol? Depois o empate com Fellaini em nova jogada aérea. Parecia que era a senha para uma virada até tranquila dos belgas na pressão. Talvez pensando numa possível prorrogação, a Bélgica diminuiu a rotação.

Com Honda em campo, o Japão reequilibrou as forças e recobrou confiança a ponto de buscar o gol da vitória já nos acréscimos. Deu trabalho a Courtois, mas também cedeu espaços. No ato final, o contragolpe de manual que terminou na assistência de Meunier para Chadli, o heroi improvável dos 3 a 2.

Foram 24 finalizações, mas apenas oito no alvo. 56% de posse dos belgas muito mais na pressão. Volume de jogo e qualidade, mas também deficiências sem a bola. Roberto Martínez deve repensar formação, sistema e estratégia contra o Brasil nas quartas.

A dúvida é se a virada com sofrimento surpreendente servirá para abalar a confiança dos belgas na própria capacidade ou criar uma “casca” para o maior jogo desta geração. É melhor que Tite se prepare para a segunda hipótese.

(Estatísticas: FIFA)


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>