Blog do André Rocha

Arquivo : fluminense

Por que nem em sonho Renato Gaúcho foi melhor que Cristiano Ronaldo
Comentários Comente

André Rocha

Imagem: reprodução TV Globo

Renato Portaluppi é um personagem sensacional da história do futebol brasileiro. Irreverente, provocador, controverso, carismático. Incendiou o debate sobre futebol no país desde o ano passado com a frase “quem não sabe estuda, quem sabe vai para a praia”.

Várias bravatas e polêmicas desde que surgiu como jogador no Grêmio em 1982. Com personalidade e confiança. Aos vinte anos já partindo para cima do consagrado Leovegildo Júnior em uma final de Brasileiro. Um ano depois, decidindo o Mundial de Clubes com dois belos gols sobre o Hamburgo em Tóquio após ser protagonista também na conquista da Libertadores.

Este blogueiro viu Renato muitas vezes ao vivo no Maracanã e já o teve como ídolo. Entre os anos 1980 e 1990 chegou a jogar suas peladas de rua com as meias arriadas no meio da canela e imitar os trejeitos do atacante. Inclusive reclamando dos colegas que não passavam a bola.

Agora Renato é o treinador campeão da América e decidindo o Mundial no sábado contra o Real Madrid de Cristiano Ronaldo. Melhor do mundo em 2017, recordista com cinco Bolas de Ouro junto com Messi. Mas o Portaluppi insiste em dizer que foi melhor que o português. E muita gente boa concorda…

Obviamente que com o jogo no sábado o gaúcho não deve se arriscar a provocar gratuitamente a estrela do adversário. Mas nos últimos anos em muitas oportunidades e usando várias justificativas ele se colocou acima do camisa sete do time merengue e da seleção portuguesa.

Sendo assim, o blog humildemente se dá o direito de cumprir sua função jornalística de buscar a versão mais próxima dos fatos dentro de uma comparação subjetiva. Para isto usa algumas das declarações do maior ídolo gremista:

1 – “Na minha época não havia internet para verem minhas jogadas”

Justo. No final da sua carreira a Grande Rede ainda engatinhava. Assim como as emissoras de TV por assinatura. O público dos grandes centros não viram todas as grandes atuações no Grêmio em Estaduais, embora só tenha conquistado os títulos de 1985 e 1986 e visto o rival Inter ganhar três. Mas também não conferiu as suas muitas expulsões e confusões com companheiros e repórteres que tantas vezes prejudicaram o tricolor gaúcho. Sem contar o individualismo tão questionado à época.

Por outro lado, as atuações de Cristiano Ronaldo no Real Madrid e na seleção portuguesa são dissecadas duas vezes por semana. Virtudes e defeitos expostos para o mundo todo, que vê atuações mágicas e gols em profusão. Mas também os erros de passe, os gols perdidos. Tudo exposto, com estatísticas detalhadas. Sem romantismo ou mitificações que ocultam os problemas.

2 – “Jogar o Campeonato Espanhol pelo Real Madrid é fácil, quero ver disputar Libertadores e Brasileiro”

Aqui Renato, talvez de propósito, tenha esquecido de um detalhe importante: Cristiano Ronaldo também joga Liga dos Campeões, o principal torneio de clubes do planeta. Com concorrência forte. E ainda assim é o maior artilheiro da história da competição com 114 gols e tem quatro conquistas. Renato ganhou duas Libertadores, uma como treinador.

Mesmo com todas as dificuldades do torneio sul-americano há três décadas – violência dentro e fora de campo, arbitragens mais que suspeitas e gramados impraticáveis – não há como comparar a competitividade de uma Champions atual, especialmente em suas fases de mata-mata, com a Libertadores de qualquer época.

Renato pode questionar a disparidade de Barcelona e Real Madrid na Espanha. Mas Renato também disputou campeonatos nacionais por grandes times e só venceu a Copa União de 1987.

3 – “Queria vê-lo sendo campeão nos times em que joguei, com salários atrasados, companheiros menos qualificados e gramados ruins”

Aqui a velha mania brasileira de achar que para provar a capacidade os melhores precisam render nos piores cenários. Como um chef de cozinha obrigado a produzir um prato sofisticado em uma cozinha suja, com equipamentos danificados e produtos fora da validade. “Quero ver Guardiola treinando o São Cristóvão!” Não faz sentido. Em qualquer atividade os mais qualificados querem as melhores condições para trabalhar. Porque merecem.

Além disso, Cristiano Ronaldo joga num grande time contra equipes fortíssimas e se destaca. Como na última Champions, marcando dez gols contra Bayern de Munique, Atlético de Madri e Juventus no mata-mata. Não há disparidade. Se compararmos com a realidade brasileira, Renato também foi campeão em timaços. E com menor equilíbrio de forças em termos individuais.

Na própria conquista nacional há 30 anos, Renato jogou no time de Jorginho, Leonardo, Zinho e Bebeto, que seriam campeões mundiais com a seleção em 1994, mais Leandro, Edinho, Andrade e Zico, craques consagrados e veteranos. Mais Aílton, vencedor por onde passou e autor do gol do último título brasileiro do Grêmio em 1996. Uma constelação muito superior às dos seus adversários. Basta recordar que o craque do Internacional, finalista daquele torneio, era Cláudio Taffarel. No Galo semifinalista, Renato “Pé Murcho” era o destaque. Nem sinal de um Messi para concorrer à Bola de Ouro. Da revista Placar.

Aqui vale uma lembrança importante: o brasileiro foi o destaque do Flamengo e ganhou o grande prêmio individual da época. Mas teve sua presença questionada no clube por conta do egoísmo. O técnico Carlinhos chegou a considerar a hipótese de tirá-lo do time e efetivar Alcindo. Foi Zico quem encerrou a discussão ressaltando a importância do camisa sete, que passou a soltar um pouco mais a bola e foi responsável por duas assistências para os quatro gols de Bebeto na reta final. Sem contar a arrancada histórica que decidiu os 3 a 2 contra o Atlético-MG no Mineirão na semifinal.

Prender a bola foi o maior motivo para as muitas críticas a Renato na Roma. Uma única temporada em 1988/89. 23 jogos, zero gols e algumas atuações que viraram piada na Itália. Alegar pouco tempo de adaptação é legítimo. Mas chegar com pose de estrela, declarações polêmicas e, principalmente, a insistência em tentar driblar contra os melhores defensores do mundo foram soluções pouco inteligentes e abreviaram o retorno ao Brasil. Quando foi testado entre os grandes falhou miseravelmente. Veja mais do pífio desempenho de Renato no time da capital NESTE VÍDEO.

Já Cristiano Ronaldo saiu do Sporting aos 18 anos e amadureceu rápido com Alex Ferguson no Manchester United. No início também pecando pelo excesso de dribles e firulas, mas não demorou a compreender o estilo do futebol inglês. Luiz Felipe Scolari na seleção portuguesa também auxiliou neste processo. Na dura Premier League se destacou com o tricampeonato de 2006 a 2009 e venceu sua primeira Bola de Ouro. Em 196 jogos, marcou 84 gols.

4 – “Joguei dez anos na seleção brasileira em alto nível”

Outra meia verdade. De fato, Renato esteve presente em muitas convocações entre 1983 e 1993. Mas pouco tempo como titular absoluto.

Seu melhor momento foi nas Eliminatórias de 1985 nos jogos contra Bolívia e Paraguai. Driblou quem apareceu pela frente e colocou bolas na cabeça de Casagrande. Mas no ano seguinte já não era unanimidade. Telê não gostava do estilo boêmio e, principalmente, do individualismo. Mesmo se não tivesse sido cortado por chegar de madrugada na concentração com Leandro, certamente seria reserva na Copa do Mundo do México. Estava abaixo de Muller, titular na maioria dos jogos daquele Mundial.

Como foi a quinta opção na Itália em 1990. Atrás dos titulares Muller e Careca e até dos lesionados Bebeto e Romário. Jogou apenas alguns minutos contra a Argentina e pouco rendeu.

Renato alega que a disputa na frente era forte na sua época. Sem dúvida o futebol brasileiro era prolífico em atacantes. Mas ele não foi inquestionável sequer na bizarra Copa América de 1991. Disputou vaga no time de Falcão com o não mais que razoável Mazinho, do Bragantino. Em 44 partidas, apenas cinco gols.

Cristiano Ronaldo não teve tanta concorrência na seleção portuguesa. Mas sobra como o maior artilheiro com 79 gols e conseguiu levar o país à maior conquista de sua história: a Eurocopa de 2016. E Renato Gaúcho não teve com a camisa da seleção sequer uma atuação próxima da antológica de Ronaldo nos 3 a 2 sobre a Suécia que garantiram os portugueses na Copa do Mundo no Brasil há três anos.

5 – “Eu rendia bem nas três posições do ataque, ele só funciona pela esquerda”

Sem sombra de dúvidas o maior equívoco na análise feita por Renato em 2014, no programa “Bola da Vez” na ESPN Brasil . Certamente agora, estudando o atacante para tentar pará-lo, deve ter mudado de opinião. Cristiano Ronaldo foi Bola de Ouro em 2008 atuando a maior parte do tempo aberto na direita pelos Red Devils. Mas participava de intensa movimentação na frente, aparecendo no meio ao alternar com Rooney.

Na reta final da temporada 2008/09, foi deslocado para o centro do ataque. Mesmo jogando de costas para a defesa a contragosto, levou o time inglês à decisão com grande atuação na semifinal contra o Arsenal em Londres: 3 a 1, com dois gols e uma assistência.

De fato, é pela esquerda que o português rende melhor, infiltrando em diagonal, cortando para dentro e finalizando. Mas a excelência em todos os setores do ataque fizeram os técnicos Paulo Bento na seleção e Carlo Ancelotti, e agora Zinedine Zidane no Real Madrid darem cada vez mais liberdade de movimentação ao camisa sete. E ele segue desequilibrando, aumentando a média de gols, quebrando recordes. Inclusive como maior artilheiro da história do Mundial de Clubes com seis tentos

Renato sempre funcionou bem pelas pontas. Buscando a linha de fundo ou cortando para dentro para chutar. Mas no centro só foi render mais no final da carreira. Especialmente em 1995, no Fluminense campeão carioca e semifinalista do Brasileiro. Atrás do centroavante, fosse Ézio, Leonardo ou Valdeir. Quando já não tinha tanta força física e velocidade, mas compensava com boa colocação e visão de jogo. Só aí apareceram os bons passes no centro.

Cristiano é mais completo. Finaliza bem de pé direito e de canhota. Faz gols de cabeça e em cobranças de faltas e pênaltis. Se preciso participa da articulação de jogadas pelos dois lados e aparece no centro para finalizar. Faz tudo muito melhor e mais rápido que Renato.

O massacre nos números dispensa comentários: Renato fez cerca de 192 gols em toda a carreira, por Grêmio, Flamengo, Botafogo, Cruzeiro, Atlético-MG, Fluminense, Bangu e seleção. Ronaldo só no Real tem incríveis 420 gols em 413 jogos, média superior a um por partida. E mais 114 assistências. Muito para quem no Brasil é menosprezado e tratado como um mero fazedor de gols. “Um Dadá Maravilha com grife” já foi dito sobre um dos maiores da história.

De todos os jogadores que colocaram Renato no banco da seleção brasileira, talvez apenas Romário, no auge de 1993 e 1994, barrasse o português. Talvez…Este que escreve não viu melhor finalizador que Cristiano Ronaldo.

Por isso não é possível levar a sério a comparação. Ou é dever resgatar e detalhar acontecimentos para quem não viu Renato em ação. Desculpe, Gaúcho…Mas nem em sonho você foi melhor. Resta a chance de superar a estrela madridista, mas à beira do campo comandando os gremistas. Quem sabe?

[Este post é uma atualização do publicado em 4 de fevereiro de 2014. Veja AQUI o original]


Corinthians, hepta de 1990 a 2017. Um título a cada quatro anos não é acaso
Comentários Comente

André Rocha

Heptacampeão brasileiro. Maior vencedor de 1971 para cá. Ou desde 1990, na conquista do time de Nelsinho Baptista e Neto. Passando pelo bi de 1998/1999 com a equipe de Vanderlei Luxemburgo herdada por Oswaldo de Oliveira. O tetra com Tevez, Mascherano, Nilmar, Roger e Antonio Lopes recebendo o time de Marcio Bittencourt em 2005. Depois a “Era Tite”, começando em 2011 mais pragmático, quatro anos depois com criatividade e um futebol mais envolvente.

A conquista do time de Fabio Carille pode ser incluída neste período, já que o ex-auxiliar seguiu princípios de jogo e de gestão de elenco do atual treinador da seleção brasileira. Mais ou menos como Oswaldo de Oliveira e Luxemburgo há 19 anos.

A primeira vez que a CBF foi buscar no clube o melhor treinador do país. Depois de Luxa, Parreira em 2003 pela relação sempre próxima do campeão mundial de 1994 com a entidade, mas também pela temporada vencedora no ano anterior – campeão do Rio-São Paulo, Copa do Brasil e vice brasileiro. Mano Menezes em 2010 pelas conquistas de Paulista e Copa do Brasil. Por último, Adenor Leonardo Bacchi. Com dois anos de atraso, perdidos com Dunga.

Não é por acaso. Se fora de campo a gestão nunca foi exemplar, mesmo com sonhos realizados como o CT Joaquim Grava e o estádio próprio em Itaquera, dentro de campo o Corinthians teve excelência. Em técnica e tática.

Desde 2008, com Mano a partir do inferno na Série B, construiu uma identidade. Coisa rara no país. Baseada em organização defensiva, intensidade, concentração e mentalidade vencedora. O ápice em 2012 com Tite e o sonhado título da Libertadores e o último Mundial Interclubes conquistado por um sul-americano. Os dois comandantes se revezaram até Tite deixar o clube para investir no sonho de dirigir a seleção.

Um hiato com Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, retomada da linha de trabalho e de conduta com Carille. Do turno invicto e quase perfeito com 82% de aproveitamento, a queda brusca a partir da vigésima rodada e a confirmação da conquista na reta final. Com três rodadas de antecedência, desde a quinta no topo da tabela. Líder por 30 rodadas, ilustrando a superioridade durante todo o campeonato. Se os concorrentes priorizaram outras competições, que aplaudam o vencedor.

Nos últimos quatro triunfos para o título, a vantagem mínima em três partidas para agradar o “maloqueiro sofredor”. Sem brilho, mas com fibra. E a confiança de quem venceu tanto recentemente e confia em sua ideia de jogo. Mesmo recheada com muito pragmatismo na reta final.

Contra o Fluminense, a primeira virada, a mais importante. Em casa, para celebrar com sua gente.

Susto com Henrique abrindo o placar no primeiro ataque tricolor, gols de Jô para consagrar o artilheiro do campeonato com 18 gols e o grande protagonista na campanha inteira. Sustentando o ataque e o time quando a defesa vacilou, Rodriguinho oscilou, Romero cansou, Jadson e Maycon despencaram em desempenho e perderam espaços para Clayson e Camacho. Mas o camisa dez ressurgiu para marcar o gol dos 3 a 1.

Apesar da campanha de extremos, foi o melhor pelos gramados do país na principal competição nacional. Mais uma vez. Com uma maneira de jogar e levar a taça para casa. O sétimo título em 28 edições, um a cada quatro anos. Que sirva de exemplo para os demais. Até porque se continuarem dormindo, o domínio vira dinastia.

 

 


Virada do Flu na contramão do Brasileiro. Bota não soube jogar sem a bola
Comentários Comente

André Rocha

Quando o Botafogo abriu o placar no Nilton Santos logo no primeiro minuto do clássico, a impressão seria de que o Fluminense sairia goleado. Primeiro pelo abalo de uma eliminação doída na Sul-Americana para o Flamengo, maior rival.

Depois porque o jogo ficava à feição para a equipe de Jair Ventura. Bastava recuar linhas, controlar fechando espaços e aproveitar os espaços cedidos por um adversário que normalmente não se caracteriza pela organização defensiva. Também falha individualmente, como no erro de Renato Chaves que gerou o contra-ataque que passou por Brenner e terminou na assistência de Rodrigo Pimpão para Marcos Vinícius ir ás redes.

Ou seja, seria mais um jogo típico deste Brasileirão: uma equipe faz o gol no erro do oponente, adota postura reativa e aproveita as transições ofensivas em velocidade. O Flu seria a vítima da vez. Time jovem, com confiança abalada.

Mas o alvinegro confundiu tranquilidade com passividade. Perdeu intensidade e passou a se defender mal, deixando brechas entre os setores. O tricolor só não aproveitou antes do intervalo porque faltou efetividade na frente: 63% de posse e dez finalizações, mas só uma no alvo. O Bota teve chances mais claras de ampliar. Duas conclusões na direção da meta de Diego Cavalieri num total de quatro.

Com o intervalo, a expectativa de que Jair Ventura fizessem os jogadores retomarem a concentração, mas a impressão era de que havia uma certeza de que o adversário não teria forças para reagir. Pulverizada com o chute no travessão de Gustavo Scarpa logo no primeiro minuto da segunda etapa.

O Flu seguiu ocupando o campo de ataque, rondando a área, mas sem criar espaços. Pois o Botafogo disperso e apático tratou de cedê-los. Primeiro num erro na saída para o ataque que permitiu que Henrique Dourado servisse Marcos Júnior para, enfim, a finalização precisa.

Depois, com as substituições, o Botafogo até ganhou mais fôlego e vigor físico com as entradas de Guilherme, Gilson e Vinicius Tanque nas vagas de Marcos Vinícius, Pimpão e Brenner. No melhor contragolpe, porém, faltou leitura de jogo a Guilherme para aproveitar a igualdade numérica contra a defesa adversária – quatro contra quatro.

Scarpa não desperdiçou quando recebeu livre à direita, arrancou em diagonal e, quando todos imaginavam a finalização de canhota, o camisa dez serviu com inteligência para o jovem Matheus Alessandro virar heroi. Revelado em um torneio de favelas, entrando na vaga de Richard para ocupar a lateral direita, com Mateus Norton, improvisado pelo lado, voltando ao meio-campo.

As entradas de Wellington Silva e Wendel nas vagas dos exaustos Marcos Júnior e Sornoza mantiveram a qualidade e o ritmo na transição ofensiva do Flu. O que falta em coordenação dos setores sobrou em coragem e capacidade de recuperação. A primeira virada do time no campeonato. Para aliviar a pressão e dar tranquilidade a Abel, que, por tudo que viveu, merece um final de ano ao menos com serenidade.

O Botafogo, que finalizou só uma vez na segunda etapa, sofre mais uma virada em casa nos últimos minutos. Contra São Paulo e Vitória pareceu mais desconcentração e cansaço depois de bons momentos na partida. Desta vez foi apenas a consequência de uma atuação que beirou o ridículo na maior parte do jogo.

Faltou competência para jogar sem bola. Uma raridade na competição.

(Estatísticas: Footstats)


No Fla-Flu insano e continental, segue o mais forte nos clássicos cariocas
Comentários Comente

André Rocha

O Fluminense se impôs no início com uma mudança tática que confundiu a marcação do rival: Marcos Júnior formando dupla de ataque com Henrique Dourado num 4-3-1-2 com Gustavo Scarpa centralizado. Por isso Trauco largou o seu setor para disputar com o meia tricolor e Lucas apareceu livre para abrir o placar.

Diego cumpriu sua melhor atuação com a camisa do Flamengo. Nem tanto pelo belo gol de falta que empatou o jogo pela primeira vez, mas pela movimentação mais inteligente, alguns toques de primeiro. Principalmente pela intensidade que colocou em cada lance.

Conduziu um time aguerrido como só se vê em clássicos estaduais. Principalmente os de caráter decisivo. Ainda mais em uma competição internacional. Mesmo quando Renato Chaves aproveitou vacilos de Filipe Vizeu e Willian Arão, um em cada tempo, para construir em cabeçadas uma vantagem de 3 a 1 difícil para um time que é pouco contundente – ou “arame liso” – e sem grande poder de reação (“pecho frio”) conseguir reverter.

Mas não num Fla-Flu. Assim foi na final da Taça Guanabara, perdida nos pênaltis muito pelo “fator Muralha”. De novo um 3 a 3. Outro jogo doido, um tanto aleatório. Reação que começou a ser gestada na entrada de Vinicius Júnior na vaga de Trauco. Everton foi para a lateral esquerda e a joia que fez o Real Madrid encher os cofres rubro-negros iniciou pela esquerda a jogada do gol de Vizeu, com bela assistência de calcanhar de Everton Ribeiro.

O suficiente para preocupar a empolgada torcida tricolor e reanimar a do Fla no Maracanã. Reinaldo Rueda colocou Paquetá na vaga de Cuéllar, que desta vez não foi bem. Vinicius Júnior foi para a ponta direita, Everton Ribeiro centralizou se juntando a Diego, Arão ficou na proteção à defesa que tinha Rafael Vaz no lugar de Juan, lesionado, e Paquetá se posicionou pela esquerda, mas abrindo todo o corredor para Everton. Nada muito organizado, mas com uma fibra que contagiou os torcedores.

Até a redenção de Arão. Um jogador que muitas vezes peca por dispersão e baixa intensidade, mas com presença de área importante para decretar os 3 a 3 que o Flu de Abel Braga não teve forças para mudar a história de mais uma eliminação em competições sul-americanas. Elenco jovem e limitado. Com Romarinho, Wendel e Pedro nas vagas de Marcos Júnior, Sornoza e Douglas, só restou a luta.

Pouco diante da experiência dos rubro-negros, que ganharam o tempo que puderam, especialmente Diego Alves. No último lance, Diego deixou de consagrar sua boa atuação completando em cima do xará Cavalieri bela assistência de Vinicius Júnior. O personagem a incendiar e mudar o Fla-Flu.

Que o Flamengo aprenda a repetir em duelos interestaduais no Brasileiro e internacionais na Sul-Americana, a partir da semifinal diante do Junior Barranquilla, a coragem, a entrega e a força mental que apresentou no clássico estadual. Deixar para trás de vez esse provincianismo de fazer questão de se impor apenas contra os rivais locais. Campeão carioca invicto, sem perder com os titulares em todas as competições, eliminando o Botafogo na semifinal da Copa do Brasil.

Algo que faz parte da cultura do futebol e que carrega o seu prazer e orgulho. Mas é pouco para o tamanho do investimento do clube e da paixão de sua gente.


O campeão carioca deu as caras no Fla-Flu da Sul-Americana
Comentários Comente

André Rocha

Não foi só apenas a coincidência da repetição do placar da primeira final do Carioca, também com gol de Everton. O Flamengo da partida de ida das quartas-de-final da Sul-Americana lembrou o campeão estadual.

E neste bolo é possível incluir também a semifinal contra o Botafogo na Copa do Brasil. Diante dos rivais locais em disputas de mata-mata o time rubro-negro apresenta a fibra e a concentração que faltaram em tantos outros momentos da temporada. A rivalidade mais uma vez é o que move o Fla, seja com Zé Ricardo ou Reinaldo Rueda.

Concentração defensiva com duas linhas de quatro compactas para conter o volume ofensivo tricolor e organização para atacar. Desta vez com a criatividade de Everton Ribeiro, que percebeu a infiltração de Willian Arão e serviu com precisão em tempo e espaço. Finalização do camisa cinco e, no rebote de Diego Cavalieri, o gol de Everton.

Construção da vitória no primeiro tempo de controle e eficiência, mesmo com a saída de Rever, lesionado, para a entrada de Rhodolfo. Seis finalizações, duas no alvo. O Fluminense terminou com 52% de posse, cinco conclusões, mas apenas uma na direção da meta de Diego Alves, com Henrique Dourado batendo cruzado. Foram 13 desarmes corretos rubro-negros contra oito do rival.

Reação do time de Abel no segundo tempo, com bola na trave de Marcos Júnior, grande defesa de Diego Alves em chute de Gustavo Scarpa e pressão depois das entradas de Wendell e Wellington Silva nas vagas de Orejuela e Marcos Júnior. 13 finalizações e 57% de posse. Mas encontrou um Fla atento, encerrando a partida com 24 desarmes corretos. Podia ter ampliado em cabeçada de Juan. Entrega de Diego, Everton Ribeiro, sacrifício de Lucas Paquetá, novamente o substituto de Paolo Guerrero. Mudança de espírito.

Vantagem mínima, porém considerável. Valeu na primeira decisão estadual para confirmar na volta – triunfo por 2 a 1. O Flu está vivo, mas a má notícia é que não terá pela frente o Flamengo apático e disperso de boa parte da temporada. Nos clássicos fica claro que o time é outro.  O campeão carioca que deu as caras na Sul-Americana.

(Estatísticas: Footstats)

 


Cruzeiro de Mano passa o Grêmio e pode repetir Flu 2007, de Renato Gaúcho
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Denis Dias/Gazeta Press

O Cruzeiro foi o primeiro campeão brasileiro da era dos pontos corridos. O primeiro e único a vencer também a Copa do Brasil, no 2003 mágico da “tríplice coroa”. Quase repetiu o feito em 2014, mas o arquirrival Atlético impediu vencendo a final mineira da Copa do Brasil.

2017 foi o ano do penta no grande torneio nacional de mata-mata, nos pênaltis contra o Flamengo.  Pode também ser o de uma nova grande campanha no Brasileiro depois de duas edições após o bicampeonato flertando mais com Z-4 que com título ou vaga na Libertadores.

Com a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio em Porto Alegre, gol de Rafael Sóbis, eterno ídolo do Internacional, maior rival do adversário, o time de Mano Menezes ultrapassa Santos e o próprio time gaúcho para dormir na vice-liderança do Brasileiro. Se mantiver os bons resultados abrirá uma vaga na Libertadores dentro da competição por pontos corridos.

O mesmo que conseguiu o Fluminense em 2007. Campeão da Copa do Brasil em 6 de junho vencendo o Figueirense em Florianópolis, gol de Roger Machado, hoje treinador. Antecessor de Renato Gaúcho no Grêmio, comandante do tricolor carioca há uma década. O eterno falastrão que no ano seguinte diria que “brincaria” no Brasileiro se vencesse a Libertadores e, com a derrota nos pênaltis para a LDU no Maracanã, terminou o ano sem conquistas. Como corre o risco agora depois de tantas bravatas e autoelogios ao longo da temporada – mas também bom futebol, que parece cada vez mais perdido em funções de tantas alterações na equipe base.

Naquele 2007, porém, Renato conseguiu manter o Flu alerta e, mesmo com vaga assegurada no torneio continental e vendo o São Paulo disparar para o então bicampeonato que viraria tri no ano seguinte, fez ótimo segundo turno. Vencendo, inclusive, o incrível Flamengo de Joel Santana que acabou uma posição acima, pelo número de vitórias. Com isso abriu uma vaga na Libertadores que acabou caindo no colo…do Cruzeiro, à época comandado por Dorival Júnior.

Há uma década, o Grêmio, então sob o comando de Mano Menezes, chegou à final da Libertadores contra o Boca Juniors de forma até surpreendente. Foi, porém, superado pela equipe de Juan Roman Riquelme e não pôde retornar no ano seguinte. Por pouco, já que terminou o Brasileiro em sexto lugar. Dois pontos atrás… do Cruzeiro.

Em dez anos o mundo da bola girou e agora encontra clubes, personagens e contextos parecidos. Como será o desfecho desta vez? O Cruzeiro de Mano Menezes está sereno, o Grêmio de Renato tem motivos para se preocupar. Mas ainda pode virar o jogo bonito em 2017, inclusive encarando o Real Madrid nos Emirados Árabes Unidos. Quem vai saber?


Fluminense sai da “zona morta’, vê Z-4 mais perto e terá que fazer escolhas
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Fluminense (Divulgação)

Desde o início do 2017, o Fluminense de Abel Braga vem recebendo um tratamento mais paciente e tolerante de torcida e imprensa. Muito por conta do carisma e da moral do treinador, ainda mais com a comoção pelo drama pessoal da morte trágica do filho João Pedro.

Também pela simpatia que desperta a vocação ofensiva do time de garotos, montado por conta dos problemas financeiros do clube. Chegou a ser o ataque mais positivo do país e, no Brasileiro, marcou 34 gols. Só é superado por Grêmio (41), Corinthians e Palmeiras (36).

Venceu a Taça Guanabara, perdeu o Carioca para o milionário Flamengo com arbitragem polêmica na final. Chegou a disputar a liderança do Brasileiro bem no início, depois caiu naturalmente. Segue, porém, com Henrique Dourado na artilharia, com 14 gols. Foi eliminado na Copa do Brasil pelo Grêmio no melhor momento deste na temporada. Continua vivo na Sul-Americana.

No meio do caminho perdeu Sornoza, destaque do time no estadual articulando as jogadas, e a estrela Gustavo Scarpa. Só agora tem os dois disponíveis simultaneamente. Elenco curto, com os problemas naturais do desgaste pela sequência de partidas. Mas a equipe flutuava numa zona intermediária. Vencia e se aproximava do G-6, depois era derrotado e caía para a segunda página da tabela. Mas nunca correndo maiores riscos de Z-4.

Até somar apenas cinco pontos em sete rodadas do returno. Três derrotas seguidas -Atlético-PR, Palmeiras e Grêmio – e última vitória sobre o Atlético Mineiro por 2 a 1, na 21ª. Só Coritiba e Sport, em queda livre, pontuaram menos.

Com 32 pontos, está em 15º, apenas um à frente do Avaí, 17º. Se a Ponte Preta, 18ª,  vencer o Flamengo no fechamento da rodada amanhã, segunda feira,no Moisés Lucarelli, a vantagem sobre o time de Campinas será apenas no saldo de gols. Nunca esteve tão próximo.

A jovem dupla de zaga com Reginaldo e Frazan que sofre sem proteção com a queda de rendimento de Orejuela fez Diego Cavalieri ressurgir na Arena do Grêmio com uma atuação que lembrou a melhor fase da carreira: Brasileiro de 2012, quando foi o único caso de goleiro do time campeão que também foi o mais acionado da competição.

Pelo menos que cinco grandes intervenções. Mas não conseguiu evitar o gol do jovem atacante Beto da Silva. O 36º sofrido, deixando o saldo negativo em dois gols. A oitava derrota do tricolor carioca no Brasileiro. Metade no returno.

Para piorar, Abel não tem sido feliz em suas decisões. No revés para o Palmeiras no Maracanã, o próprio comandante admitiu que devia ter poupado atletas depois da sofrida classificação para as quartas-de-final contra a LDU em Quito.

Em Porto Alegre, arriscou uma formação com Sornoza no meio, Wendell pela esquerda na linha de meias do 4-1-4-1. Sem uma referência de velocidade para os contragolpes que seriam necessários diante da equipe de Renato Gaúcho que, independentemente da formação, sempre adianta as linhas e propõe o jogo. Marcos Júnior só entrou na segunda etapa. Robinho ficou no banco. Difícil entender.

Assim como será complicado definir prioridade com um Fla-Flu definindo vaga na semifinal da Sul-Americana. Além da rivalidade, o objetivo do clube de enfim vencer um torneio continental vai pesar. E não há opções para dividir esforços. Será obrigatório escolher.

Se considerar o  mata-mata mais relevante pela chance de terminar o ano com vaga na Libertadores, pode sair da “zona morta” no Brasileiro e entrar no inferno do risco de rebaixamento. Para sair com um elenco jovem e com a confiança em baixa será ainda mais complicado.

O que fazer? Um dilema para Abel e seus pupilos na reta final de uma temporada que parecia tranquila e de transição.

 


O golaço e o recado de Ramon na vitória para iniciar novo ciclo no Vasco
Comentários Comente

André Rocha

Zé Ricardo estava no camarote, Valdir Bigode à beira do campo no comando interino. Um Vasco diferente com Nenê jogando mais solto no 4-2-3-1, Wagner pela esquerda e a surpresa: o argentino Andrés Rios no centro do ataque.

É possível atribuir a boa atuação cruzmaltina na vitória sobre o Fluminense por 1 a 0 à motivação natural pela mudança de treinador. Reservas que se motivam, titulares que não querem perder o lugar. Todos mais atentos e dispostos.

E o principal, dentro do contexto do Brasileiro: pôde jogar sem propor, ficar com a bola e ocupar o campo de ataque. Tarefa de um Fluminense em tese favorito antes da bola rolar, porém sem ideias para criar espaços. Armado por Abel Braga num 4-3-3 que tentava acelerar pelos flancos com os laterais Lucas e Léo se juntando a Wellington Silva e Gustavo Scarpa, que se alternavam nas pontas.

O problema era o meio-campo muito “duro”, sem um passe diferente ou a condução com qualidade. Seja de Orejuela ou Wendel. Muito menos de Marlon Freitas, que junto com Lucas falharam ao deixar espaços para Ramon acertar um chutaço no ângulo de Julio Cesar.

Lateral vascaíno que na entrevista na saída para o intervalo foi certeiro ao ressaltar a necessidade de jogar futebol com mais naturalidade. Talvez fosse uma alfinetada ou indireta para Milton Mendes, mas numa análise macro do que se joga no país é algo fundamental e urgente. Fala-se muito em intensidade, garra, entrega, compactação sem bola, mas pouco em qualidade técnica.

O que novamente faltou ao Flu na segunda etapa. Abel empilhou atacantes: Peu, Matheus Alessandro e Romarinho nas vagas de Marlon Freitas, Lucas e Wendel. Mas só aos 36 minutos o artilheiro Henrique Dourado apareceu com bela jogada, mas finalização pífia. Sintomático em uma atuação decepcionante para quem vinha em recuperação no campeonato.

Do outro lado, Rios foi boa surpresa fazendo interessante trabalho de pivô e dando sequência às jogadas. Algo para Zé Ricardo considerar como opção para a formatação do ataque. Mesmo desperdiçando oportunidades com Guilherme Costa e Paulinho, os substitutos de Wagner e Nenê, o desempenho foi seguro. Sem maiores sustos.

Mais uma derrota de quem teve a posse, ainda que a diferença tenha sido pequena (52%). O Vasco foi mais objetivo, finalizou 19 vezes, dez a mais que o rival. E 24 desarmes certos, o dobro do Flu. Entrega e organização, com a simplicidade de Valdir Bigode. Boa herança para o novo treinador.

Vida nova para o Vasco, que terminou o clássico na primeira página da tabela. Graças ao golaço de Ramon. Que os recados do lateral dentro e fora de campo tenham sido bem entendidos por um Vasco que pode jogar mais e terminar 2017 sem sustos.

(Estatísticas: Footstats)


Foco, tempo e até desespero devem nortear segundo turno do Brasileirão
Comentários Comente

André Rocha

O Corinthians está com o Brasileiro nas mãos. Até aqui, pelo menos, é aquele caso em que tudo conspira a favor. Inclusive a pausa entre um turno e outro para recuperar e treinar a equipe por conta da viagem da Chapecoense. Com Grêmio, Santos e Flamengo envolvidos em outras competições e Palmeiras na ressaca da eliminação da Libertadores com 14 pontos atrás que podem virar 17, o atual líder disparado pode até se planejar para buscar também o título da Sul-Americana.

Competição que ainda envolve outros cinco brasileiros. Com dois confrontos nacionais  – Sport x Ponte Preta e Flamengo x Chapecoense – que podem reduzir a quarto para as quartas de final. Mesmo número de times na disputa das semifinais da Copa do Brasil. Um a mais que nas quartas da Libertadores.

Dez times dividindo atenções, outros dez disputando somente o Brasileiro. Com apenas quatro rodadas de dezenove no meio da semana. Parece claro que o foco e o tempo para treinar têm grandes chances de fazer a diferença e até superar o nível técnico e tático das equipes.

Sem contar o desespero. Aquele que, pela dificuldade na tabela, torna o adversário difícil de ser batido. Sim, a fuga do Z-4. Que parece ter o Atlético-GO condenado, mas ainda matematicamente vivo, dependendo de uma arrancada que hoje soa improvável. Um olhar mais atento à tabela, porém, revela que o Fluminense, disputando a Sul-Americana, está apenas cinco pontos à frente da Chapecoense, 17ª colocada e com um jogo a menos.

Qualquer vacilo será fatal. É onde mora a esperança são-paulina. Mesmo com todos os equívocos e com a equipe oscilando até psicologicamente, há qualidade, especialmente de Hernanes desequilibrando nas últimas vitórias, e agora tempo para se preparar. O que Dorival Júnior mais precisava. E nada mais para distrair. Uma sequência de bons resultados e pode até sobrar uma vaga na Sul-Americana.

A disputa pelas seis primeiras colocações ganha novos postulantes, como os Atléticos, mineiro e paranaense. Os únicos junto com o Palmeiras entre os onze primeiros com foco absoluto na Série A. Uma vantagem considerável em meio a tanto equilíbrio, com exceção do Corinthians.

A Primeira Liga não deu certo pelo servilismo dos clubes à CBF e agora se encontra soterrada pelos demais torneios. Para muitos será um engodo, um problema de logística. Hoje soa como um prêmio de consolação, uma taça para não deixar 2017 de mãos abanando. Vale menos que o estadual.

O maior desafio, sem dúvida, é o do Botafogo. Com elenco não tão robusto, um clássico carioca no torneio nacional e um duelo brasileiro na Libertadores contra o Grêmio, uma das melhores equipes do país. A um ponto do G-6, que seria a garantia de volta ao torneio continental independentemente do desempenho no mata-mata. Mas a seis da zona de rebaixamento, o que exige um certo cuidado.

Neste cenário, o returno reserva alguns jogos que serão esvaziados pela utilização de reservas e outros que podem ganhar contornos épicos, com times até com tempo para se preparar, mas tão envolvidos emocionalmente que não resistirão ao maldito “jogo para ganhar e não para jogar”. Valendo a vida. Para quem gosta de emoção e não torce o nariz para a fórmula de pontos corridos será um prato cheio.

Se nos dois extremos da tabela os destinos de Corinthians e Atlético-GO parecem selados, todo o resto carrega suas dúvidas e um contexto construído jogo a jogo. Dependente de outras competições, que agora contemplam toda temporada. Vejamos o que o novo calendário reservará à nossa liga neste primeiro ano.


A falácia de que Diego é o meia criativo do Flamengo
Comentários Comente

André Rocha

Diego Ribas chegou ao Flamengo em julho do ano passado. Recebido com festa no aeroporto, alcançou rapidamente a condição de ídolo com gol na estreia contra o Grêmio, mais cinco bolas nas redes adversárias, três passes para gols e participação importante na campanha que levou o time ao terceiro lugar, disputando o topo da tabela em bola parte do Brasileiro.

Com a camisa dez na Libertadores, foi fundamental nas duas vitórias em casa, contra San Lorenzo e Atlético-PR, e fez muita falta no fatídico jogo da eliminação no Nuevo Gasometro. Quando se lesionou era considerado o melhor jogador do torneio continental. No seu retorno de lesão, continua contribuindo com liderança positiva e técnica nas conclusões e nas bolas paradas em uma equipe que peca pela pouca contundência.

Desde que surgiu no Santos, Diego é um meia habilidoso e bom finalizador. Já foi criativo também, mas agora dentro de um cenário de jogo mais intenso, com pressão constante sobre quem tem a bola, linhas compactas e marcação por zona na maior parte do tempo, vem enfrentando problemas.

Porque tem o hábito de dominar, girar, dar mais um toque e só depois tomar a decisão do que fazer com a bola. Normalmente gasta segundos preciosos para a fluência do jogo. Por isso perdeu espaço na Europa e acabou retornando. Mas mesmo por aqui, com a evolução tática gradual, especialmente no trabalho sem a bola, ele sofre na construção de jogadas.

Compensa com experiência, muita preparação física e mental, entrega absoluta e inteligência para procurar os flancos e fugir do bloqueio mais forte. Ainda assim, são raros os passes de primeira. Mais ainda as bolas que os portugueses costumam chamar de “passes de morte”. Ou seja, aqueles que furam as linhas de marcação e encontram os companheiros nas melhores condições para finalizar.

Como Scarpa achou Wendel no gol que abriu o placar do Fla-Flu e na enfiada para Richarlison infiltrar e sofrer pênalti de Juan nos 2 a 2 no Maracanã. Diego foi às redes em um gol de “abafa”, com Everton impedido na origem do lance. Nos acréscimos, Trauco empatou em chute forte que contou com uma irregularidade no gramado para sair do alcance do goleiro Julio César.

Dentro das propostas de jogo, o Fluminense foi superior. Porque joga mais fácil e o Fla faz muita força para atacar. Normalmente a bola gira, roda de um lado para o outro até encontrar espaço num flanco para fazer o cruzamento. Um estilo monocórdico.

As tabelas e infiltrações que marcaram a equipe rubro-negra comandada por Zé Ricardo nos seus melhores momentos desapareceram com a queda de produção do meio-campista que tem o passe mais vertical: Willian Arão. Confirmado pelo próprio treinador. Tite convoca Diego para a seleção, porém admite que ele tem características diferentes das de Lucas Lima, seu concorrente, agora junto com Rodriguinho, por uma vaga no meio-campo.

O Santos empatou sem gols com a Ponte Preta no Pacaembu no sábado. Mas criou oportunidades mais cristalinas que o Flamengo na vitória sobre o mesmo adversário na estreia da Arena da Ilha no meio da semana. Porque Lucas Lima acertou passes verticais que Bruno Henrique, Kayke e Copete não aproveitaram. Já o Fla viveu de bolas alçadas e marcou seus gols em cruzamentos de Diego e Vinicius Júnior para Rever e Leandro Damião.

É pouco. O repertório empobreceu. Por isso a busca desde o ano passado de um meia que parta da ponta e auxilie na articulação. Alan Patrick e Mancuello não funcionaram, o clube trouxe Conca, uma incógnita no aspecto físico, e agora espera ter encontrado a solução em Everton Ribeiro. Este, sim, um meia da linhagem de Jadson, Scarpa, Lucas Lima. Do toque surpreendente.

É inegável o valor de Diego, que deve seguir no time que pena tanto para fazer gols. Mas parte da responsabilidade do Fla só ficar atrás do Atlético-MG como o time que mais cruza na competição – média de quase 28 por partida, cinco de Diego – é de seu meia mais valioso. Mesmo com a atenuante do período de inatividade e estar disputando apenas a sua quarta partida desde o início após o seu retorno, e reconhecendo que ele fica sobrecarregado pela indigência de ideias de seus companheiros no setor.

A questão central é que o problema não é recente. Como Diego consegue ser decisivo de outras formas acaba passando despercebido e alimenta a falácia de que é um meia criativo. Mas Zé Ricardo espera o melhor condicionamento de Conca e a estreia de Everton Ribeiro para tornar o Flamengo menos previsível e mais eficiente no restante da temporada.

(Estatísticas: Footstats)