futebol – Blog do André Rocha http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte. Tue, 25 Jul 2017 14:12:54 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Como o destino de Neymar pode interferir no futuro da seleção brasileira http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/25/como-o-destino-de-neymar-pode-interferir-no-futuro-da-selecao-brasileira/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/25/como-o-destino-de-neymar-pode-interferir-no-futuro-da-selecao-brasileira/#comments Tue, 25 Jul 2017 13:58:25 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2998

O colega Marcelo Bechler garimpou a notícia no Esporte Interativo e o mundo todo foi atrás: Neymar estaria seguindo o caminho de Daniel Alves rumo a Paris para jogar no PSG. E de fato há interesse de ambas as partes no negócio milionário, mesmo com o risco de esbarrar no fair play financeiro da UEFA.

A reapresentação no Barcelona para a pré-temporada nos Estados Unidos, porém, parece estar fazendo o craque repensar a decisão de deixar o clube catalão. Piqué, Messi e Suárez seriam os mais dedicados a convencer o companheiro a continuar onde está. Há portanto um dilema que deve ter mais um capítulo hoje com uma entrevista coletiva agendada pelos franceses.

Além da ótima proposta financeira, a impressão é de que Neymar busca um time para chamar de seu, fugindo da hierarquia que coloca Messi acima de todos os outros – inclusive na história do Barcelona. Com a renovação do contrato do argentino até 2021, as perspectivas de protagonismo até os 30 anos do camisa onze seriam remotas.

Por outro lado, Neymar já está adaptado à cidade e à maneira de jogar do Barça. Mesmo com a troca de Luis Enrique por Ernesto Valverde no comando técnico, a filosofia tende a continuar a mesma. Mais uma temporada do trio MSN deve afinar ainda mais a sintonia, com os atacantes sul-americanos jogando “de memória”.

Uma decisão para o craque, seu pai e staff. A grande questão para o torcedor brasileiro é como o destino da grande estrela da seleção brasileira pode interferir no trabalho de Tite pensando no Mundial da Rússia no ano que vem.

Bem, se Neymar seguir no Barcelona, o treinador receberá um atleta ainda mais consciente taticamente e no jogo coletivo. Para dar liberdade a Messi circulando por todo o ataque e se aproximando de Suárez, Neymar é praticamente um “winger” pela esquerda, fechando uma segunda linha de quatro quando a equipe perde a bola. Preenche praticamente todo o corredor esquerdo, indo e voltando. Mais assistente que finalizador.

Tite dá um pouco mais de liberdade, mas quer Neymar partindo deste setor. Recompondo na transição defensiva e arrancando para infiltrar em diagonal nas ações de ataque. O perigo é recebê-lo extenuado por uma temporada em que o Barça vai tentar arrancar do Real Madrid a hegemonia na Europa e recuperá-la na Espanha. Uma exigência brutal no físico e no mental.

Já a França é um mistério que pode ser inspirador pela mudança de ares. No PSG de Unai Emery, a possibilidade de atuar em uma equipe com estilo mais vertical e intenso. Pode também ganhar mais liberdade para circular no ataque, fazendo companhia a Cavani ou mesmo revezando com o uruguaio que é extremamente dedicado e tem condições de também recompor pela esquerda.

Se mentalmente a primeira temporada num novo clube com status de estrela será exigente para mudar o patamar, especialmente na Liga dos Campeões, e recuperar o domínio na França depois de perder o título para o Monaco, em termos físicos o desgaste certamente será menor. A diferença do PSG em relação aos demais na League 1 – talvez até ao atual campeão, que perdeu muitas peças fundamentais na janela de transferência – vai permitir ser poupado nas partidas que precisar.

Tite, então, receberia Neymar mais inteiro para voar na Copa do Mundo. Se não conseguir o enorme feito de dar o título da Champions ao Paris Saint-Germain já na sua primeira temporada, a chance mais clara a curto prazo de conquistar a sonhada Bola de Ouro é o Mundial da Rússia.

Uma mudança tática também pode fazer Tite flexibilizar um pouco a sua forte convicção, construída em conversas com Dorival Júnior, Muricy Ramalho, Adilson Baptista e Rogério Micale, de que o melhor posicionamento para Neymar é pela esquerda num 4-1-4-1. Testar novas possibilidades, até para dificultar e surpreender os adversários que estudarão detalhadamente o Brasil até o ano que vem, é mais que saudável. É necessário.

Mas não podemos descartar o pior cenário: problemas de adaptação, mesmo com tantos brasileiros no elenco, desavenças com o treinador ou qualquer outro obstáculo ao protagonismo de Neymar na França. Aí Tite teria que fazer da seleção o refúgio de um talento questionado, pressionado e com o desgaste emocional que afeta o desempenho de qualquer profissional, em qualquer atividade.

Por isso o treinador brasileiro estará muito atento aos movimentos em Paris e Barcelona. O futuro de Neymar é uma variável importante para sinalizar como será o escrete canarinho na disputa de sua 21ª Copa do Mundo.

]]>
1
Garotada no ataque é a correção de rota do Vasco na temporada http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/24/garotada-no-ataque-e-a-correcao-de-rota-do-vasco-na-temporada/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/24/garotada-no-ataque-e-a-correcao-de-rota-do-vasco-na-temporada/#comments Mon, 24 Jul 2017 12:58:14 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2995

Antes do início do Brasileiro, as perspectivas do Vasco eram de segunda página da tabela, priorizando a manutenção na Série A. Já o dilema era como Milton Mendes poderia armar uma equipe intensa e jogando futebol atual com os veteranos Luis Fabiano e Nenê na frente.

Rapidamente o treinador percebeu que montar duas linhas de quatro e liberar as duas estrelas sobrecarregava os jogadores pelos lados, já que eles tinham que recompor e ainda aparecer na frente como referências de velocidade para receber os lançamentos. Sem contar a perda de vigor na pressão sobre os adversários na marcação adiantada.

Milton tentou deslocar Nenê pelo lado esquerdo para aproveitar a precisão do meia nos cruzamentos e não mexer em Mateus Vital na articulação central do 4-2-3-1. Não funcionou por sobrecarregar o lateral esquerdo Henrique. Ou seja, o problema apenas mudou de lugar.

O jeito era ser ofensivo em São Januário e buscar os pontos dentro de casa com linhas avançadas e aproveitando o melhor de suas “grifes”: a precisão de Nenê nos passes e nas bolas paradas e a presença de área e o poder de fogo de Luis Fabiano. Na intensidade da Série A parecia pouco.

E então Luis Fabiano se lesiona, Nenê resolve sair do clube e Milton recorre aos jovens da revigorada base cruzmaltina que já oxigenou os cofres do clube com a saída do talentoso Douglas para o Manchester City – negociação inevitável pelo potencial e visibilidade do meio-campista que joga de área a área.

Nos 2 a 1 sobre o Atlético Mineiro no Independência, Paulo Vítor e Paulinho, ambos com 17 anos, começaram jogando, Guilherme Costa, 23, entrou na vaga de Escudero na segunda etapa. Sem contar a sequência de Bruno Paulista, que não veio da base mas tem 21 anos e não permitiu que o rendimento do meio-campo tivesse uma queda brusca com a saída de Douglas. Nos gols vascaínos, o que faltava antes e agora sobra: rapidez e mobilidade.

Paulo Vítor, jogando mais adiantado, dispara, atrai a marcação da defesa adversária e deixa o caminho livre para Paulinho infiltrar em diagonal a partir da esquerda. No primeiro, passe de Escudero e toque sutil tirando do goleiro Giovanni. No segundo, contragolpe letal com assistência de Guilherme e golaço do camisa sete com a bola no ângulo.

A juventude no setor ofensivo é a correção de rota que o Vasco necessitava, ainda mais sem São Januário para explorar o mando de campo. Com mais viagens, mesmo que a Volta Redonda ainda no Rio de Janeiro, a equipe vai necessitar de mais fôlego e resistência.

Com jovens afirmados, mesmo com o retorno de Luis Fabiano ao centro do ataque, é possível sonhar com G-6, até pela “vantagem” de não ter nenhuma competição paralela a disputar. Ainda que, por ora, a meta inicial de seguir na primeira divisão logo depois do acesso seja mais realista e tire a pressão da garotada que só precisa de estímulo e minutos em campo.

]]>
1
Com Levir Culpi, Santos cresce no modo “briga de rua”: jogo de trocação http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/23/com-levir-culpi-santos-cresce-no-modo-briga-de-rua-jogo-de-trocacao/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/23/com-levir-culpi-santos-cresce-no-modo-briga-de-rua-jogo-de-trocacao/#comments Sun, 23 Jul 2017 16:41:18 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2993 O Santos de Dorival Júnior prezava posse de bola e troca de passes. Na reta final do trabalho de quase dois anos, o domínio era inócuo pela baixa efetividade da equipe que rodava, tocava, mas não finalizava e deixava a defesa exposta.

Levir chegou e não mudou o DNA ofensivo da equipe, algo até cultural no clube. Nas últimas partidas, incluindo os 3 a 0 sobre o Bahia, até arriscou mais encaixando Emiliano Vecchio no lugar de Thiago Maia, negociado com o Lille.

A execução do 4-3-3, porém, é vertical, direta. Não controla o jogo com a bola, ainda que seja o líder em posse e o segundo em acertos de passes na competição – muito mais pelo volume de jogo e pela vontade de atacar, dentro ou fora de casa, sem contar os altos índices nas quatro partidas ainda sob o comando do antecessor.

Também não há controle de espaços, com o time bem posicionado na fase defensiva. Por isso Vanderlei trabalha tanto e é o melhor goleiro da Série A. Assim como explica os muitos erros de Lucas Lima em lançamentos e cruzamentos. Força a assistência o tempo todo, buscando Kayke no centro do ataque ou os pontas Copete e Bruno Henrique jogando invertidos para infiltrar em diagonal.

O camisa dez tem só dois passes para gols – Bruno Henrique tem cinco. Mas é quem faz o time acelerar o tempo todo, agora com auxílio de Vecchio e a proteção de Yuri à frente da retaguarda.

O Bahia terminou o jogo no Pacaembu lotado com 51% de posse e 14 finalizações contra onze do time mandante. Mas Bruno Henrique aproveitou uma trinca de ações ofensivas rápidas, com pelo menos três santistas na área adversária para resolver a partida. O alvinegro praiano melhorou muito sua relação finalizações/gols: agora precisa de oito conclusões para ir às redes.

O Santos cresce e luta na parte de cima do Brasileiro no modo “briga de rua”. Aposta na trocação, no jogo aberto acreditando na força de seu ataque e no momento espetacular de seu goleiro para derrubar os rivais.  Até porque o mantra atual do futebol nacional é não ficar com a bola e jogar em transições o tempo todo.

Não chega a ser um “Peixe Doido”, como o Galo de Cuca que Levir herdou e manteve a intensidade no topo. Mas torna o time mais imprevisível e eficiente. Dorival caiu com uma vitória e três derrotas. Com Levir são oito triunfos, três empates e apenas um revés. 75% de aproveitamento que só ficaria atrás do líder Corinthians. Não é pouco.

 

(Estatísticas: Footstats)

]]>
15
Sai Roger, entra Rogério no Galo. Segue o conflito conceitos x resultadismo http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/21/sai-roger-entra-rogerio-no-galo-segue-o-conflito-conceitos-x-resultadismo/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/21/sai-roger-entra-rogerio-no-galo-segue-o-conflito-conceitos-x-resultadismo/#comments Fri, 21 Jul 2017 15:01:15 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2989

Foto: Bruno Cantini/CAM

Roger Machado foi demitido pela direção do Atlético Mineiro depois de uma derrota para o Bahia por 2 a 0 no Independência em que teve, segundo o Footstats, 66% de posse de bola, finalizou 23 vezes e teve a combinação infeliz de uma noite nada eficiente de seu artilheiro Fred e a atuação fantástica do goleiro adversário, Jean.

Entrega a equipe com o título mineiro, melhor campanha da fase de grupos da Libertadores e ainda vivo na Copa do Brasil, com vantagem para o confronto da volta, fora de casa, diante do Botafogo. Em 43 jogos, foram 23 vitórias, nove empates e 11 derrotas, com 60% de aproveitamento. O argumento mais forte para a dispensa, porém, foi o baixo aproveitamento dentro do Horto no Brasileiro: quatro derrotas em oito partidas. Preocupante pela necessidade de vitória em Belo Horizonte sobre o Jorge Wilstermann para seguir vivo no torneio continental.

Roger chegou ao Atlético credenciado pelo bom trabalho no Grêmio, construído em 2015 e que enfrentou problemas em 2016. Não por acaso, quando a responsabilidade aumentou e o tempo para treinamentos diminuiu. Antes sucedeu Felipão em uma terra arrasada e perspectiva de apenas lutar contra o rebaixamento. Mudou de patamar e ganhou mais competições para disputar.

E então veio o conflito que vai sufocando os novos treinadores que estão substituindo as velhas grifes no mercado: estudam, adquirem os conceitos, mas contam com uma pré-temporada ainda curta (já foi menor), cobrança por resultados desde os estaduais e ficam sem condições de colocar em prática o que encontram como condição de sucesso em qualquer conteúdo sério sobre o jogo – a repetição em treinamentos para que os jogadores assimilem.

Impossível no calendário de jogos a cada três dias. Ninguém treina, nem recupera. E então o treinador contratado por seu conteúdo e suas novas ideias, neste momento da temporada, precisa ser um mero gestor de vestiário e motivador. No máximo um estrategista para montar seu time jogo a jogo em cima das características dos adversários.

Filosofia? Modelo de jogo?  Isso devia ter sido trabalhado lá atrás, no início do ano. Mas lá também era obrigatório vencer. Roger teve a ilusão de que teria paz e respaldo depois de uma conquista em cima do maior rival e de cumprir a obrigação na Libertadores em um torneio fraco. No país do resultadismo combinado com o imediatismo? Sem chance.

É óbvio que o trabalho não pode ser considerado bom. Roger foi mais um, assim como Paulo Autuori e Diego Aguirre, a penar por querer coordenar e alternar os ritmos no “Galo Doido” que a torcida tanto ama. Quer intensidade máxima no Horto para sufocar o adversário. E dane-se se os treinadores que conseguiram aplicar isso viram seu time perder força ao longo da temporada e não saber controlar jogos que pediam outra postura. Está no imaginário popular.

Roger até cedeu, tirando um pouco a bola do chão. Na última partida foram 53 cruzamentos. Dez a menos que na derrota em casa para o Atlético Paranaense. A necessidade de garantir os três pontos exige soluções mais simples. Aquele arroz com ovo frito para matar a fome. O que incomoda é que nunca aparece o momento para buscar algo mais sofisticado. Não há convicção que resista.

Porque no futebol brasileiro ainda vigora a ideia de que o treinador tem que fazer o simples: fechar a casinha e deixar que os talentos decidam na frente. Fabio Carille se impõe no Corinthians seguindo a linha de Tite, com seus toques pessoais. Trabalhando num time base em que a maioria conhece os conceitos e já havia trabalhado com o treinador da seleção brasileira.

O vice-líder do Brasileiro é o Grêmio. De Renato Gaúcho, que chegou com seu carisma de maior ídolo do clube e contou com a ajuda de Valdir Espinoza e de uma comissão técnica qualificada, inclusive no departamento de análise de desempenho, para saber ouvir, fazer o polimento, ajustar o que estava errado e manter o que existia de bom. Exatamente o legado de Roger construído lá atrás.

O que ele não soube fazer em Minas Gerais e perdeu o emprego. Mas automaticamente vira sombra de qualquer treinador pressionado na Série A, embora tenha afirmado que não trabalha no Brasil em 2017.

Foto: Jornal O Tempo

Chega Rogério Micale no Galo. Campeão olímpico com a seleção, mas contestado e dispensado pela CBF por conta do fracasso com a sub-20 que não conseguiu classificação para o Mundial da categoria via Sul-Americano. Primeira experiência no futebol profissional em time de Série A. Perfil parecido com o de Roger, com a desvantagem junto a jogadores e imprensa mineira por não ter sido boleiro. Tem o crédito, porém, de já ter trabalhado nas divisões de base do clube. É homem de confiança de André Figueiredo, superintendente de futebol.

Entra direto na roda viva de jogos decisivos sem tempo para treinamentos. Se for pragmático, resgata a intensidade com marcação alta e um estilo mais vertical – ainda que os veteranos do ataque sejam um obstáculo para qualquer ideia mais agressiva e de jogo físico. Mas vai precisar de resultados. Imediatos, claro.

Pode ser mais um a se perder entre conceitos e as cobranças insanas num calendário sem respiro para quem está envolvido em três competições. Sem treinamentos não há novas ideias, apenas mais do mesmo. Precisando vencer para ontem. Eis o paradoxo dos novos comandantes do futebol brasileiro.

]]>
17
Precisamos falar sobre a arbitragem de Flamengo x Palmeiras http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/20/precisamos-falar-sobre-a-arbitragem-de-flamengo-x-palmeiras/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/20/precisamos-falar-sobre-a-arbitragem-de-flamengo-x-palmeiras/#comments Thu, 20 Jul 2017 04:51:55 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2982 Sim, o Flamengo novamente esbarrou em suas próprias deficiências – nulidade de Márcio Araújo na construção das jogadas que sobrecarrega Diego, que conduz demais a bola e se desgasta e sacrifica Everton Ribeiro, que não encontra um companheiro para dialogar e nitidamente sente a sequência de jogos a cada três dias.

Sem contar a proposta de jogo previsível e que, mesmo vencendo, insistiu em adiantar as linhas, ficar com a bola e novamente não transformar a superioridade nítida no primeiro tempo em mais gols além do chute de Pará e da vitória de Guerrero contra Luan depois de uma ligação direta para empatar o primeiro tempo.

Porque o time da casa levou a virada na Ilha do Governador em dois contragolpes com a última linha de defesa adiantada e espaçada. Melhor para Roger Guedes e Willian. Novamente Zé Ricardo foi infeliz nas substituições e o time caiu de produção. Na chance que teve para alcançar a vitória, Diego cobrou mal o pênalti e Jailson, surpresa de Cuca na escalação barrando Fernando Prass, fez bela defesa.

Sim, o Palmeiras mais uma vez sofreu com os encaixes e as perseguições individuais, marcas da ideia de jogo de seu treinador. Muito do domínio dos rubro-negros na primeira etapa foi pela fragilidade e espaçamento do sistema defensivo alviverde. Facilitando o principal ponto de distribuição do quarteto ofensivo do oponente: o pivô de Paolo Guerrero. O peruano recuava, atraía os zagueiros Mina e Luan e servia seus companheiros de ataque, em vantagem na velocidade sobre seus marcadores.Especialmente Michel Bastos no primeiro tempo, atuando como lateral. Uma avenida.

Mas Cuca foi perspicaz no segundo tempo. Trocou o posicionamento de Bastos e Zé Roberto, que mesmo servindo Willian no primeiro gol saiu do meio-campo para a lateral  guardar seu posicionamento e fechar o setor do apoio de Pará. Armou duas linhas de quatro, liberando Dudu, que não voltou com o lateral do Fla no primeiro gol, para jogar mais solto, fazendo “sombra” em Márcio Araújo e se aproximando de Borja.

O substituto do lesionado Willian perdeu a chance da vitória no final em novo contragolpe com a retaguarda adversária adiantada e mal posicionada. Thiago, que não foi bem no enfrentamento com os atacantes palmeirenses no primeiro tempo, salvou o Fla no chute cruzado do colombiano. Antes de ceder em breve o lugar a Diego Alves. Mais uma contratação que parece chegar tarde na temporada.

No saldo final, o empate acabou sendo o resultado mais adequado para o que foi a partida. Mas o jogo na Ilha do Governador teve um grande derrotado: Jailson Macedo Freitas. Uma típica arbitragem desastrosa do futebol brasileiro.

No primeiro tempo prejudicou demais o Flamengo. Na origem dos dois gols do Palmeiras, faltas claras de Mina sobre Guerrero. O peruano ainda foi derrubado pelo colombiano na área do time visitante em pênalti claro ignorado por Jailson. Sem contar uma disputa em que Everton Ribeiro caiu na área adversária. Lance duvidoso.

O mais absurdo, porém, foi parar o jogo para punir Bruno Henrique com cartão amarelo por agarrar Rafael Vaz antes e mesmo quando Diego bateu na bola. Ou seja, puniu o infrator antes que a falta dentro da área pudesse ser marcada. Este que escreve não se lembra de ver algo parecido em uma partida de futebol profissional

Muitos protestos de flamenguistas no estádio e nas redes sociais. Arbitragem mal intencionada?

O segundo tempo escancarou a incompetência e a vontade de compensar com outros erros os equívocos que não podiam mais ser corrigidos. Os palmeirenses cometeram 12 faltas na primeira etapa e dez na segunda. Apenas Bruno Henrique levou amarelo nos 45 minutos iniciais. Depois do intervalo, Mina, Borja, Luan, Jailson, Tche Tche, Michel Bastos, Dudu e Thiago Santos foram advertidos. Márcio Araújo e Mancuello pelo Flamengo.

Pendurou mais da metade do time do Palmeiras, passou a não marcar as faltas para os visitantes que assinalou anteriormente e na primeira queda de um jogador rubro-negro na área marcou pênalti de Michel Bastos sobre Geuvânio. Falta clara, mas menos que a de Mina sobre Guerrero no primeiro tempo. Qual o critério, afinal?

É óbvio que os erros de Jailson foram mais danosos ao Flamengo, mas já passou da hora de questionarmos compensações que muitas vezes são usadas como atenuantes por alguns comentaristas de arbitragem. O apitador erra e tenta equilibrar a balança acumulando interpretações absurdas que só irritam os dois lados e nada acrescentam.

Sim, temos um cenário em que o árbitro é pressionado demais, precisa ser profissionalizado, ainda não usufrui dos recursos tecnológicos para minimizar seus erros e muitas vezes é usado como muleta ou cortina de fumaça para atuações ruins dos times e bobagens de treinadores e dirigentes. Se acomodar na incompetência, porém, é a maior das falhas. Por isso precisamos falar de arbitragem, ainda que se prefira abordar o jogo.

Jailson Macedo Freitas estragou um clássico nacional, entre as equipes que disputaram a liderança em boa parte da última edição da Série A do Brasileiro. O mais trágico é a certeza de que não será a última vez.

(Estatísticas: Footstats)

 

]]>
450
Bonucci é o pilar da reconstrução do Milan “novo rico chinês” http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/19/bonucci-e-o-pilar-da-reconstrucao-do-milan-novo-rico-chines/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/19/bonucci-e-o-pilar-da-reconstrucao-do-milan-novo-rico-chines/#respond Wed, 19 Jul 2017 15:42:15 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2976

A grana farta que vem da China comprou 99,93% do Milan e mais à frente deve negociar a “flexibilização” do Fair Play financeiro da UEFA – contratar o que precisa, mais um excedente para depois ser punido com uma multa, que para tamanho investimento será “troco de bala,  e não poder trazer novos jogadores por uma ou duas temporadas.

Tudo muito questionável em termos éticos, mas são os novos tempos. Então vamos falar do que se pode esperar desta reconstrução rossonera no campo.

Vincenzo Montella foi mantido como treinador, até porque todas as grifes mundiais estão empregadas. Fez um trabalho relativamente bom na temporada dentro do contexto, recolocando o clube numa competição europeia. Em outros tempos, a vaga na fase preliminar da Liga Europa seria motivo de crise em uma camisa sete vezes campeã da Europa, mas agora tem a marca do retorno após três anos de “seca”.

Agora receberá um elenco promissor, mas heterogêneo, que terá que se entrosar na marra em uma pré-temporada mais comercial que esportiva na China, prática que vai se tornando cada vez mais comum em clubes que expandem seus tentáculos no mercado asiático.

O Milan conseguiu renovar com Gianluigi Donnarumma, o goleiraço de 18 anos que já despertou cobiça nos gigantes da Europa. Trouxe ainda os laterais Andrea Conti e Ricardo Rodríguez, o zagueiro Mateo Musacchio, os meio-campistas Kessié e Biglia, o meia Çalhanoglu e os atacantes Borini e André Silva. Há ainda a possibilidade de mais uma contratação para o ataque. Ambiciosa, para subir ainda mais o patamar da equipe no cenário do país e da Europa. Rumores de que o acerto com Belotti do Torino está bem encaminhado.

Mas mesmo que chegue uma estrela, a contratação que funciona como uma carta de intenções e pode em campo dar uma unidade a um projeto que antes dava a impressão de ser apenas torrar dinheiro para reunir bons jogadores – o que a rival Internazionale, em menor escala financeira, tem feito nos últimos anos sem muito sucesso – é Leonardo Bonucci.

Ainda que o zagueiro tenha deixado a Juventus mais por desavenças com o treinador Massimiliano Allegri que por convicção no projeto do Milan é alguém que chega com mentalidade vencedora, mesmo com duas derrotas em finais de Liga dos Campeões. Tem liderança e inteligência tática para ser um bom interlocutor de Montella. Alguém com personalidade para construir uma identidade futebolística com mais rapidez.

O novo Milan pode atuar no sistema com três zagueiros ou linha defensiva com quatro homens. Montella costuma trabalhar variando o desenho tático. Também a proposta de jogo, que pode ser de mais posse e ocupação do campo de ataque ou trabalhando em velocidade. Como pede o futebol atual.

O novo Milan pode atuar no 4-3-3, com laterais apoiando alternadamente, Biglia na proteção da retaguarda, Suso e Çalhanoglu nas pontas e André Silva no centro do ataque (Tactical Pad).

Musacchio pode fazer um trio com Bonucci e Romagnoli ou disputar posição com este último numa dupla. Conti e Rodríguez nas laterais defendendo e revezando no apoio. O meio com Biglia, Kessié ganha dinamismo e capacidade de recuperar a bola com o argentino, além da imposição física do marfinense. Podem se juntar a Bonaventura. Ou o trio disputar duas vagas.

Na frente, ponteiros que trabalham com os pés invertidos. Suso é canhoto e atua pela direita. Gosta do drible, da vitória pessoal e sabe alternar a busca pela diagonal para finalizar, mas também a linha de fundo, com o toque final de pé direito. Já o turco Çalhanoglu será o ponta articulador, criativo. Saindo da esquerda para ajudar o meio na organização com o pé direito. Sem contar a já conhecida eficiência na bola parada.

No centro do ataque, André Silva, o jovem e talentoso centroavante português que deve acelerar seu processo de amadurecimento como grande atacante no gigante italiano. Tem mobilidade e nas incursões de Çalhanoglu pelo centro, pode atacar o espaço à esquerda para infiltrar em diagonal em finalizar. Isso se não acabar eclipsado pela estrela pretendida para o ataque. E ainda há Borini e Bacca como opções.

Outra possibilidade é o 3-4-3, com Musacchio entrando no trio de zaga e Conti e Rodríguez atacando como alas e defendendo com laterais. No meio, Biglia e Kessié disputam duas posições com Bonaventura (Tactical Pad).

Este que escreve privilegiaria o 4-3-3 pela melhor combinação das características dos jogadores. Mas ter um time mutante, ou “camaleão”, sempre é interessante pela chance de surpreender os oponentes dentro de um futebol tão estudado. E este Milan certamente será dissecado pelos rivais preocupados com o retorno de uma camisa que entorta varal quando recheada com qualidade.

Não é elenco capaz de resgatar os tempos de Van Basten ou de Kaká, mas já é um começo. Com Bonucci, o pilar da reconstrução deste Milan “novo rico chinês” que tem sua marca explorada para desfrutar do dinheiro forasteiro. Sinal dos tempos. Que ao menos a resposta em campo traga um rival à altura para a ilha de excelência da Juventus na monocórdica Série A do Calcio.

]]>
0
Chelsea e Real Madrid: estratégias diferentes para inspirar times do Brasil http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/17/chelsea-e-real-madrid-estrategias-diferentes-para-inspirar-times-do-brasil/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/17/chelsea-e-real-madrid-estrategias-diferentes-para-inspirar-times-do-brasil/#comments Mon, 17 Jul 2017 13:03:02 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2974 Antes de qualquer ponderação é preciso explicar o óbvio, quase desenhar: a intenção do texto não é comparar a qualidade dos elencos dos milionários clubes da Inglaterra e da Espanha. Apenas as estratégias na gestão dos elencos. Mas também entendendo que é possível fazer uma proporcionalidade entre a capacidade dos clubes brasileiros citados e o nível do futebol jogado no país.

O Chelsea fez uma temporada 2015/16 para esquecer e não se classificou sequer para a Liga Europa. A prioridade absoluta era a Premier League, com as copas nacionais em paralelo da forma como os ingleses as vêm tratando nos últimos anos: escala reservas e só busca o título se não tiver algo mais importante em disputa. Ou seja, o que o tem restado ao Arsenal de Arsene Wenger.

A estratégia de Antonio Conte foi clara: depois de encontrar a formação com melhor relação desempenho/resultado, insistiu com ela e rodou bem pouco o elenco. Com a repetição de jogos e semanas livres para os treinos que funcionam mais como “polimento” após uma pré-temporada mais forte e longa que as do Brasil, a variação do 5-4-1 para o 3-4-3 ganhou ainda mais fluência. Os atletas passaram a executar as jogadas de memória, sem pensar muito e a equipe sobrou no Inglês.

Já vem sendo o trunfo do Corinthians na temporada. Equipe que ganhou corpo no Estadual, mas vacilou na Copa do Brasil com a eliminação para o Internacional. A arrancada espetacular no início do Brasileiro já sinaliza que a Sul-Americana, consequência da temporada irregular em 2016, ficará em segundo plano. A menos que abra uma vantagem na competição nacional tão confortável que permita inverter a lógica e poupar para um duelo decisivo no torneio continental.

O Real Madrid queria voltar a vencer o Espanhol depois de cinco anos e quebrar a hegemonia do rival Barcelona. Mas sem perder de vista a Liga dos Campeões, historicamente um alvo de conquista do maior campeão do torneio. A solução de Zinedine Zidane, depois de observar o desgaste de seus jogadores na temporada anterior, especialmente da estrela Cristiano Ronaldo foi simples, até um tanto antiquada: definir titulares e reservas. Treinar, condicionar e entrosar para que ambos estivessem prontos quando necessário.

Mas sem tapar os olhos para o desempenho e praticar a meritocracia. Tanto que Isco virou titular e Gareth Bale iniciou a decisão da Liga dos Campeões no seu País de Gales no banco. As partidas em que a equipe reserva seria utilizada foram definidas dentro de um planejamento, não necessariamente na partida do Espanhol que antecedia um duelo importante pela Champions.

O resultado: as duas taças em Madrid e todos voando no fim da temporada. Os titulares pelo descanso e os suplentes pela motivação e por conta do ritmo de competição. A dosagem certa para o futebol atual, que exige do atleta um enorme esforço mental – concentração absoluta para as tomadas de decisão corretas – e físico, com um aumento exponencial nas ações de alta intensidade – em especial os piques curtos para dar opção e receber a bola ou pressionar o adversário.

Flamengo, Palmeiras e Atlético Mineiro, pelo alto investimento em seus elencos e, por conta disso, não podendo descartar nenhuma competição na temporada, podem pensar em algo parecido. Envolvidos em três campeonatos, se tentarem insistir com os titulares em todos haverá esgotamento e desvantagem contra adversários que não estão na mesma maratona de jogos a cada três dias.

Já com equipes mistas, poupando apenas aqueles que os exames apontam próximos de estourar os músculos, o entrosamento sempre fica comprometido. Os famosos rodízios não têm dado muito resultado prático por conta da falta de sintonia entre os setores muito alterados.

Parece mais racional definir antes e escolher as partidas mais acessíveis. Não como o Grêmio fez, poupando contra Sport e Palmeiras fora de casa porque tinha jogos considerados prioritários no meio da semana. Pontos jogados fora que hoje fazem falta na luta para se aproximar do líder Corinthians.

É lógico que sempre é mais inteligente deixar alguns titulares no banco para alguma eventualidade. Mas mesmo concentrando e fazendo parte da logística da partida, não deixa de ser um repouso para pernas e mentes. Em clubes tão pressionados por conquistas é um alívio. Cobrar presença em todos os jogos para justificar os altos salários parece pouco inteligente. Porque o atleta não está cansado a ponto de não poder exercer seu ofício. A ausência é apenas para que ele mantenha o alto rendimento. Não são máquinas.

Já passou da hora dos clubes brasileiros deixarem de se preocupar tanto com decisões políticas, pautadas por reações de torcida e imprensa. Não há como controlar os resultados, por isso planejar para minimizar os equívocos parece sempre a melhor escolha. Inclusive surpresas agradáveis podem acontecer. Como os titulares do Real Madrid derrotados pelo Barcelona no Santiago Bernabéu, mas não deixando o rival se aproximar da liderança exatamente pelos pontos conquistados pelos reservas, inclusive em jogos longe de Madri.

Ninguém por aqui conta com uma seleção mundial no elenco. Mas o Brasileiro também não tem o nível do Espanhol – as competições internacionais mostram que Barça e Real não sobram por falta de rivais à altura, mas por estarem numa prateleira acima no futebol mundial pela competência dentro de campo.

Com a disputa ainda no primeiro turno é possível corrigir a rota e definir o planejamento. O Corinthians parece cada vez mais consciente que o “modo Chelsea” é o norte a seguir, mantendo a base e investindo em recuperação e treinamentos pensando no Brasileiro.

Já os que gastaram para rechear seus elencos precisam definir um caminho para não correrem o risco de terminar 2017 sem taças importantes para ostentar. O Real de Zidane ganhou a Espanha e a Europa com inteligência. É possível fazer parecido, mesmo sem tanto talento disponível.

 

 

]]>
2
Dorival Júnior vai penar com um São Paulo sem confiança e entrosamento http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/16/dorival-junior-vai-penar-com-um-sao-paulo-sem-confianca-e-entrosamento/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/16/dorival-junior-vai-penar-com-um-sao-paulo-sem-confianca-e-entrosamento/#comments Sun, 16 Jul 2017 21:17:03 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2971 Dorival Júnior resgatou o gosto pela posse de bola do trabalho de Rogério Ceni, em especial no início. O novo treinador quer um São Paulo protagonista, propondo o jogo. Mas está difícil. Porque são nove partidas sem vitória e time afundado na zona de rebaixamento, o que naturalmente abala a confiança.

Para piorar, o desentrosamento de um elenco muito mexido, com entradas e saídas de atletas. Na Arena Condá, o primeiro tempo de domínio, especialmente nas jogadas pela esquerda com aproximação de Junior Tavares, Jonatan Gómez e Cueva, não conseguiu proporcionar uma oportunidade cristalina. Porque a jogada pelo flanco sempre fugia de Lucas Pratto e Wellington Nem, exatamente pela falta de sintonia. O cruzamento era impreciso ou o atacante estava mal posicionado para finalizar.

Pouco ou nada adianta a posse sempre acima dos 65%. Ou até atrapalha, pois dá ao adversário o conforto de jogar posicionado atrás e saindo em transições ofensivas rápidas aproveitando espaços em uma retaguarda adiantada. Time sem confiança, erra o passe e está exposto.

Foi o que aconteceu na segunda etapa, principalmente depois do gol de Tulio de Melo na jogada aérea, ainda uma opção ofensiva interessante na Chapecoense agora comandada por Vinicius Eutrópio. Mesmo sentindo os desfalques, especialmente do forte lado esquerdo com Reinaldo e Arthur Caike, o 4-1-4-1 encontrou em Apodi do lado oposto a melhor saída em velocidade.

Dorival Júnior trocou Wellington Nem, Cueva e Petros, colocando Marcinho, Lucas Fernandes e Denilson. Mas era uma equipe nitidamente insegura, com medo de errar e evitando o passe diferente para as infiltrações. A bola rodava, rodava e nada acontecia.

Até o erro, a bola retomada e o chute preciso de Lucas Marques. A 15ª finalização da equipe mais objetiva para decretar os 2 a 0. Resultado que redime a Chape, que respira se afastando do Z-4. O São Paulo sofre, Dorival Júnior vai penar para implementar seus conceitos em elenco tão heterogêneo e ainda se conhecendo, com o primeiro turno se aproximando do fim.

O desafio só aumenta.

(Estatísticas: Footstats)

]]>
9
Corinthians e Grêmio na “retranca”? Então o Brasil de 1970 também fazia http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/15/corinthians-e-gremio-na-retranca-entao-o-brasil-de-1970-tambem-fazia/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/15/corinthians-e-gremio-na-retranca-entao-o-brasil-de-1970-tambem-fazia/#comments Sat, 15 Jul 2017 15:47:37 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2967

Surpreendeu nas redes sociais e nos comentários dos posts deste blog acerca das vitórias de Corinthians e Grêmio sobre Palmeiras e Flamengo, respectivamente, as críticas aos vencedores por supostamente jogarem na “retranca”.

Além da natural vocação brasileira de desmerecer quem está vencendo, ainda mais se for o rival, chamou a atenção o total desconhecimento da maneira de atuar das equipes que ocupam o topo da tabela no Brasileiro. Como se fosse obrigatório chegar no Allianz Parque e na Arena da Ilha e encarar dois clássicos nacionais que já decidiram edições desta mesma competição de peito aberto.

O Corinthians, líder absoluto, tinha ainda menos motivos para se expor. Afinal, eram 13 pontos de vantagem sobre o rival. Já o Grêmio teve postura ofensiva até abrir o placar, depois recolheu as linhas para negar espaços e tentar aproveitar os cedidos pelo adversário. O nome disso é inteligência.

Ou capacidade de se adaptar ao que o jogo apresenta. É óbvio que os times da casa atacariam mais. Por estarem em seus estádios, acostumados com o gramado e empurrados por atmosferas favoráveis criadas pelas torcidas. No caso do oponente, jogar bem é aceitar o volume de quem ataca, mas controlar os espaços e negar as brechas para a infiltração que proporcionam a chance cristalina. As finalizações acontecem, mas sempre dificultadas pela marcação, o que facilita o trabalho do goleiro.

Com menos posse de bola, a solução ofensiva é ser prático e objetivo. Finalizar menos, porém melhor. Até pela liberdade desfrutada por quem cria e conclui, consequência dos espaços cedidos pelo mandante. Acontece em todo lugar do mundo, em qualquer partida equilibrada.

Mas Corinthians e Grêmio foram”condenados”. “Retranca”, ” joga por uma bola”, “futebol feio e chato”. Como se fosse o padrão das equipes de Fabio Carille e Renato Gaúcho e não algo circunstancial. O grande erro dos torcedores rivais, em geral é opinar sobre o time tendo como base apenas os dois confrontos com o seu clube de coração. O pior é que parte da imprensa também se comporta da mesma maneira.

Como ser “retrancado” com os dois ataques mais positivos? O Corinthians como o time mais efetivo nos passes e quarto em posse de bola. O Grêmio que ataca dentro ou fora de casa com volume de jogo e que aposta na ofensividade até de seus volantes, Michel e Arthur, que são verdadeiros meio-campistas, defendendo e atacando. Por estar em sua arena, partiu para cima do líder no duelo da 10ª rodada.

Se defender com todos os jogadores no próprio campo quando necessário for retranca, então a seleção brasileira de 1970, considerada a melhor de todos os tempos, também pode ser considerada assim.

Porque a ideia de Zagallo, depois do fracasso do escrete canarinho na Copa do Mundo de 1966, era bem simples: as seleções europeias, à época, só criavam problemas quando tinham espaços para trabalhar. Se o Brasil se fechasse eles se atrapalhariam, perderiam a bola e cederiam campo para o nosso talento sobressair ainda mais.

Se antes os três ou quatro atacantes ficavam na linha média sem funções defensivas apenas esperando o momento de receber a bola e partir para o ataque, em 1970 todos voltavam. Até Tostão, o centroavante móvel mais adiantado. Ainda que os principais responsáveis pelos desarmes, antecipações e interceptações fossem os quatro da última linha de defesa, Clodoaldo e, às vezes, Gérson, a concentração de jogadores em 35 metros, mesmo sem a compactação de hoje, criava problemas para os adversários.

Bola roubada, saída em velocidade. Os lances que ficaram na história, como os lançamentos de Gérson para Pelé e Jairzinho marcarem gols espetaculares, são em contra-ataques. Na velocidade e no ritmo possíveis há quase 40 anos e no calor do México. Mas essencialmente contragolpes.

Dos 19 gols marcados em seis partidas, oito foram construídos em típicos contragolpes. Seis destes nos jogos eliminatórios. Sem contar o lendário gol perdido por Pelé no drible de corpo no goleiro uruguaio Mazurkiewick . Também em transição ofensiva rápida. Mais dois de falta e dois construídos em cobranças de escanteio e de lateral.

Impossível falar em “jogo feio” com tantos talentos reunidos, sem contar o entrosamento construído em jogos e treinamentos para aquele Mundial. E a intenção, obviamente, não é fazer comparações individuais. Apenas a proposta de jogo, baseada em negar espaços e aproveitá-los no ataque. Prática do timaço de 1970 que Corinthians e Grêmio reproduzem com as devidas atualizações na intensidade e no desempenho atlético.

Por isso Vanderlei Luxemburgo não cansa de repetir, sempre que perguntado, que o Brasil de 1970 foi uma revolução mais influente que a Holanda de 1974. Porque antes recuar todos atrás da linha da bola era prática de times pequenos. Ou do “ferrolho” suíço de Karl Rappan na Copa de 1938. Nem os times e a seleção italiana recuavam até os atacantes no trabalho defensivo.

Se Zagallo tirou a vergonha da “retranca”, José Mourinho deu a ela ainda mais inteligência e coordenação nos movimentos no final da década passada. Exatamente para gerar uma resposta à atualização do “futebol total” de Rinus Michels nos anos 1970 criada por Pep Guardiola no Barcelona.

Se a ideia do jogo de posição do Barça era atacar em bloco com posse de bola, abrir dois pontas para esgarçar a marcação, aproveitar os espaços entre as linhas e minar as forças do adversário pressionando a marcação assim que perde a bola, Mourinho fechou sua Internazionale e depois o Real Madrid com os ponteiros recuando como laterais e os quatro homens da defesa bem próximos formando uma linha de seis. À frente dela, três meio-campistas e até o único atacante bloqueando a entrada da área e dificultando o trabalho dos criativos Xavi e Iniesta.

Bola recuperada, saída em velocidade com poucos toques para otimizar os 30% de posse que restavam. Se conseguisse criar duas oportunidades precisava matar o jogo. Algumas vezes conseguiu, outras não. Outros treinadores aprimoraram essa ideia na sequência e quem encontrou a resposta mais letal à proposta de Guardiola foi Carlo Ancelotti no Real Madrid que atropelou o Bayern de Munique comandado pelo catalão em 2014.

Ninguém à época chamou o time merengue de “retranqueiro”. Porque era a saída inteligente para o que o oponente apresentava. Corinthians e Grêmio realizaram o trabalho defensivo correto porque sabem se comportar. Vêm de trabalhos com uma linha de pensamento, uma filosofia. Ideias que Carille e Renato vão tentando aprimorar.

Identidade que tem sido mais valiosa que todo o dinheiro investido por Palmeiras e Flamengo em contratações de peso. Os jogadores entram em campo e sabem o que precisam fazer. Jogo a jogo, situação a situação. Defendendo e atacando conforme a necessidade.

Questão de leitura de jogo coletivo, algo que falta culturalmente ao brasileiro, que acredita no talento individual puro. Mesmo que Zagallo e seu time genial tenham dado uma aula há 47 anos. Pena que quase ninguém entendeu.

]]>
12
Grêmio restabelece a verdade do campeonato. Hoje é mais time que o Flamengo http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/13/gremio-restabelece-a-verdade-do-campeonato-hoje-e-mais-time-que-o-flamengo/ http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2017/07/13/gremio-restabelece-a-verdade-do-campeonato-hoje-e-mais-time-que-o-flamengo/#comments Fri, 14 Jul 2017 00:57:44 +0000 http://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/?p=2965 O Grêmio vive um dilema na temporada. A alma de “copero y peleador” tende a privilegiar Libertadores e Copa do Brasil, mas o desempenho no Brasileiro mostra que é possível fazer ótima campanha e ainda buscar o título.

A derrota para o líder Corinthians em casa na décima rodada abalou a convicção e veio o revés em São Paulo, com os reservas, para o Palmeiras. Na sequência, a atuação espetacular do goleiro Douglas do Avaí que combinada com dois contragolpes dos visitantes impôs mais um jogo em sua arena sem pontuar.

Ainda assim, parecia claro que em meio às tantas oscilações dos candidatos a “anti-Corinthians” o time de Renato Portaluppi ainda era o mais qualificado. Provou isso na Arena da Ilha do Governador.

Sofrendo, sim. Porque enquanto teve um mínimo de organização o Flamengo pressionou, rondou a área. Terminou com 56% de posse e finalizou 21 vezes, nove no alvo. Ainda a bomba de Everton no travessão. Mas sem a chance cristalina. Também pela falta de Guerrero, mais como o pivô que dá sequência aos ataques do que propriamente como finalizador. Leandro Damião novamente decepcionou entrando de início.

O Grêmio cometeu 19 faltas contra onze da equipe mandante. Finalizou apenas quatro vezes, três no alvo. Teve no goleiro Léo, substituto de Marcelo Grohe, um dos destaques na disputa.

Mas não o maior. Porque Luan fez a diferença no gol único da partida. Quinto dele no campeonato. Ganhou dos volantes Márcio Araújo e Cuéllar, “tabelou” com Trauco e bateu fraco, no canto do jovem goleiro Thiago que não defendeu. O camisa sete desequilibrou, mesmo perdendo chance cristalina de matar o jogo na segunda etapa.

Contragolpe iniciado por um erro grosseiro de Diego, que cumpriu sua pior atuação com a camisa do Flamengo. Além da falta dos passes criativos que este blog tanto cobra do meia, também falhou em lances bobos, simples. Atrapalhou ainda mais com a vontade de ajudar e moral que tem no elenco. Continuou sendo o responsável pelas bolas paradas e não foi substituído.

Erro de Zé Ricardo, que repetiu as “soluções” de Cuca no dérbi paulista de ontem. Empilhou atacantes e esvaziou o meio-campo com as entradas de Filipe Vizeu, Mancuello e do estreante Geuvânio nas vagas de Cuéllar, Márcio Araújo e Trauco. Levantou 23 bolas na área na segunda etapa, 35 no total. De novo os cruzamentos quando não há espaços. Faltam ideias, fica tudo entregue às individualidades.

Desorganização controlada pelo time gaúcho. Renato, que usou essa prática costumeira no futebol brasileiro contra o Corinthians, desta vez reoxigenou o meio-campo com Jailson no lugar do extenuado Arthur e depois trocou Barrios por Everton para acelerar os contragolpes. Nem foi preciso.

Porque o Flamengo, assim como o Palmeiras, tem poder de investimento, mas o dinheiro não garante boas escolhas dentro de campo. Cai da vice-liderança porque não consegue dar o salto de desempenho. Sobrecarregado na criação, Everton Ribeiro desta vez não rendeu. Também errou muito no time que pecou coletivamente por falhas individuais.

O Grêmio restabelece a verdade do Brasileiro. Ainda que mais à frente priorize outras competições e perca a segunda colocação. Hoje é mais time que o Flamengo e só fica abaixo do líder absoluto.

(Estatísticas: Footstats)

]]>
64