Blog do André Rocha

Arquivo : Guardiola

Quebrar a saída “Lavolpiana” do Lanús pode ser atalho para o Grêmio
Comentários Comente

André Rocha

Jorge Almirón, treinador do Lanús, foi jogador do Atlas comandado pelo compatriota Ricardo La Volpe, campeão mundial como jogador em 1978,  de 1997 a 2000.  Os argentinos fizeram história no México com um time que não ganhou títulos, mas ficou na lembrança por ser uma equipe jovem e de futebol vistoso.

La Volpe chamou mesmo atenção do mundo em 2006, comandando a seleção mexicana na Copa realizada na Alemanha. Bola no chão e uma maneira de sair da defesa com dois zagueiros bem abertos e Rafa Márquez centralizado iniciando a construção do jogo. Rafa que jogou com Almirón no Atlas de La Volpe.

A intenção é ter um jogador de passe qualificado para fazer a equipe jogar desde a defesa e se instalar no campo adversário através de trocas de passes. Normalmente com os laterais adiantados e abrindo o campo, os meios-campistas voltando para auxiliar na articulação e os atacantes mais próximos para se movimentar e abrir espaços.

Movimento que chamou atenção de Guardiola, encerrando a carreira no mesmo país, atuando sob o comando de Juan Manuel Lillo no modesto Dorados de Sinaloa e, lesionado, fazendo uma espécie de estágio com o treinador que até hoje trata como mestre. Também aprendeu, ou aprimorou, e levou para seu Barcelona lendário a saída de bola que ficou conhecida como “Lavolpiana”.

Almirón também tem esse trabalho coletivo como base para o modelo de jogo do time que começa a decidir a Libertadores contra o Grêmio em Porto Alegre. É a equipe que mais troca passes na Libertadores, com cerca de 91% de aproveitamento no fundamento.

Na execução do 4-3-3 básico, que se converte naturalmente em 4-1-4-1 sem a bola, a saída é feita com os zagueiros Guerreño e Braghieri abrindo para o volante Marcone, melhor passador do torneio e um dos grandes destaques individuais do “Granate”, retornar entre eles para iniciar o jogo.

O trio do Lanús na saída de bola, com o volante Marcone recuando e os zagueiros Guerreño e Braghieri abrindo e dando opções de passe (Reprodução Fox Sports)

Inspirado no que Guardiola fez no Bayern de Munique com Lahm e Alaba e agora realiza no Manchester City com Walker e Delph, os laterais Gómez e Velázquez podem atacar bem abertos para esgarçar a marcação adversária ou por dentro, criando superioridade numérica no meio, e os pontas Silva e Acosta abrindo o campo.

Toda essa dinâmica complexa, desenvolvida desde 2015 por Almirón, constroi um volume de jogo sufocante para o oponente. Uma vez ocupado o campo de ataque é difícil sair, pois é uma equipe entrosada, que joga “de memória” e inicia a pressão assim que perde a bola. Dentro ou fora de casa.

Por isso um dos atalhos possíveis para o Grêmio em sua Arena é exatamente evitar que esse passe saia “limpo” de trás. Quebrar essa saída. Com Luan, Barrios e até Fernandinho pressionando o trio da saída de bola. Especialmente sobre Marcone, que é o elemento facilitador.

Além de dificultar a construção do jogo, o contragolpe costuma ser letal porque pega o adversário um tanto descoordenado, com os zagueiros espaçados e sem defender a própria área, laterais e meio-campistas mais adiantados. A transição defensiva é o grande complicador deste processo se há um erro, desarme ou interceptação do rival. No caso do Lanús pode ser ainda mais danoso, já que em boa parte das ações o goleiro Andrada se adianta para participar como uma espécie de “desafogo”.

Com Luan, Barrios e Fernandinho o Grêmio pode pressionar e complicar a saída “Lavolpiana” do Lanús e iniciar um contragolpe letal, com o adversário desarrumado (Tactical Pad).

Assim o Chile perdeu a Copa das Confederações para a Alemanha este ano. Pressão no volante Marcelo Díaz, que estava no meio dos dois zagueiros, bola roubada por Werner e gol de Stindl. O único da decisão. O Lanús enfrentou problemas com pressão do adversário no próprio campo contra a Chapecoense na fase de grupos. Bola roubada, saída rápida pela esquerda e o gol de cabeça de Wellington Paulista na vitória da equipe catarinense por 2 a 1, em Lanús. Contra o San Lorenzo na derrota por 2 a 0 no jogo de ida, o lateral Gómez quis sair jogando numa situação de pressão, perdeu a bola e cometeu pênalti convertido por Blandi no segundo gol.

Por mais personalidade e poder de recuperação que tenha demonstrado o Lanús até aqui, é uma final continental. Inédita para o clube de bairro da zona sul de Buenos Aires. O componente emocional deve ter forte influência e o Grêmio pode se aproveitar com intensidade e pressão, desde a saída de bola. “Lavolpiana” com Almirón, mas não perfeita. Uma bola roubada pode decidir a Libertadores.

(Estatísticas: Footstats)

 


City 2×1 Napoli – O “segredo” de Guardiola faz a diferença num grande jogo
Comentários Comente

André Rocha

Nos primeiros 20 minutos do jogo no Etihad Stadium, o Manchester City conseguiu reproduzir a grande virtude do Barcelona e do Bayern de Munique comandados por Pep Guardiola: a dinâmica do “homem livre”.

Ou seja, a capacidade de ter superioridade numérica em todas as fases do jogo. Seja no início da construção das jogadas desde o goleiro Ederson, passando pelos laterais Walker e Delph ora descendo por dentro e deixando os pontas Sterling e Sané abrindo o campo, ora o inverso. Com Fernandinho recuando para auxiliar os zagueiros Stones e Otamendi.

A saída correta com passes limpos faz a equipe entrar na intermediária do oponente com mais jogadores no setor em que está a bola. Seja pelos flancos, com Walker, De Bruyne e Sterling à direita e Delph, David Silva e Sané do lado oposto, ou pelo centro com Fernandinho, De Bruyne, Silva, um dos laterais atacando por dentro e ainda o trabalho de pivô cada vez mais apurado de Gabriel Jesus. Sempre tem alguém livre dando opção para fazer o jogo fluir.

O resultado prático disso tudo contra o ótimo Napoli de Maurizio Sarri, líder da Série A italiana com 100% de aproveitamento em oito rodadas, foi um volume de jogo absurdo que criou pela esquerda com David Silva para encontrar Walker na área como atacante e Sterling abrindo o placar. Depois a jogada pela direita para mais uma assistência do meia De Bruyne como ponta para o toque simples e preciso de Jesus. 2 a 0 em 13 minutos.

Podia ter virado goleada num universo de onze finalizações e 63% de posse de bola. Mas os citizens não estavam jogando contra qualquer um e o Napoli, depois de compreender o que estava acontecendo, passou a se proteger melhor, vigiar os flancos, acertar a marcação por pressão no campo de ataque e, enfim, sair para jogar.

Teve a chance de equilibrar no placar com o pênalti de Walker sobre Albiol, mas Mertens bateu mal e Ederson pegou. Na segunda etapa de Napoli com seu 4-1-4-1 mais ajustado com Hamsik encontrando no brasileiro Allan, que entrou na vaga de Insigne, um companheiro mais qualificado para a articulação no meio. Até o pênalti tolo de Fernandinho sobre o lateral esquerdo Ghoulam que Diawara não desperdiçou.

Guardiola teve a humildade de reconhecer a qualidade do adversário e recuar linhas, compactar num 4-1-4-1 para buscar as transições em velocidade. Em seguida tentou recuperar posse e o controle de jogo com Gundogan e Bernardo Silva nas vagas de David Silva e Sterling. Depois tirou Jesus e colocou Danilo para administrar o resultado. Um pragmatismo mais que compreensível pelo contexto.

Reação do Napoli que se refletiu nos números. Chegou a oito finalizações. Metade das do City, mas muito melhor que na primeira etapa, assim como os 45% de posse. O início avassalador da equipe inglesa foi a diferença em um grande jogo, graças ao “segredo” de Guardiola que parece cada vez mais assimilado pelo time que no momento apresenta o melhor futebol da Europa.

(Estatísticas: UEFA)


Dorival Júnior, exclusivo: “Aqui se olha para o futebol sem enxergá-lo”
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net

Um misto de alívio, esperança e preocupação norteou o papo com o treinador Dorival Júnior sobre o momento do São Paulo: time fora da zona de rebaixamento, mas sem o direito de perder a concentração na pausa de dez dias para a data FIFA. Margem de erro pequena, mas otimismo quanto à evolução da equipe, além do incômodo com o imediatismo e a cobrança excessiva por resultados.

BLOG – O São Paulo vem jogando uma vez por semana há algum tempo e agora tem pausa de dez dias – dois dias de folga e sete sessões de treinamentos. O time saiu da zona de rebaixamento depois de 13 rodadas. Qual o risco de um relaxamento ou desmobilização?

DORIVAL JÚNIOR – O cuidado maior deve ser na dosagem dos treinamentos. Se aumentar o volume de trabalho pode ser prejudicial, mas também não pode tirar o pé do acelerador. Equilibrar as informações diárias sobre a condição dos atletas com o feeling de tantas experiências parecidas. O importante é que não percamos competitividade nesta pausa.

BLOG – Sua equipe, até por necessidade, vai tentar propor o jogo no dia 11, em Belo Horizonte contra o Atlético Mineiro?

DORIVAL JÚNIOR – Nossa situação não permite celebrar esse alívio na tabela. Temos que respeitar as nossas características, mas também as particularidades do adversário. Não podemos nos comportar como “sparring”, precisamos pontuar. Será jogo de superação. Com segurança, mas sem deixar de ser agressivo.

BLOG – Como você avalia a evolução do São Paulo nos últimos jogos com uma formação sem um volante na proteção, com Petros à frente da defesa?

DORIVAL JÚNIOR – A aproximação dos setores está deixando os atletas mais confortáveis e já é possível arriscar movimentos diferentes, como dois dos atacantes voltando e os outros dois infiltrando na última linha do adversário. Estamos conseguindo confundir mais a marcação com a mobilidade de Lucas Fernandes, Marcos Guilherme, Cueva e Pratto. Tivemos alguma dificuldade na criação das jogadas contra o Sport, mas faz parte do processo.

Sem a bola, me agrada muito notar que eles estão mais interessados e preocupados com o trabalho defensivo. A colaboração de todos na compactação vem corrigindo um erro grave nos gols tomados, que era a equipe muito espaçada. Agora a última linha está mais protegida e também bem posicionada.

BLOG – Você é um treinador que preza muito a posse de bola e o estilo mais ofensivo. Como está vendo o Brasileiro com predomínio do jogo mais reativo? Mudou algo nas suas convicções?

DORIVAL JÚNIOR – É preocupante. Mas o que noto é que muitos dos que reclamam do futebol jogado no Brasil são os mesmos que cobram resultados imediatos.  É um assunto muito debatido, mas sem dados concretos. É algo que está incomodando, mas pode tirar da zona de conforto. Eu tenho conceitos e uma visão de futebol. Já venci e perdi propondo jogo ou reagindo à iniciativa do adversário. Não vou mudar. Para mim o futebol, na fase ofensiva, é posse de bola, deslocamentos, velocidade e infiltração.

BLOG – Mas você concorda que o dito “futebol moderno” chegou aqui primeiro pela dinâmica defensiva e ainda estamos atrasados na evolução da construção do jogo?

DORIVAL JÚNIOR – Concordo, mas esse desequilíbrio existe praticamente no mundo todo. O trabalho defensivo evoluiu demais. Antes era privilégio de Itália, Alemanha, Inglaterra…Na Alemanha houve primeiro uma mudança de mentalidade e depois a chegada do Guardiola. É uma nova escola de futebol.

Mas no mundo todo houve um acréscimo no jogo coletivo sem a bola, por pragmatismo, que não foi acompanhado pelo trabalho ofensivo. A única evolução foi a busca maior da amplitude no ataque com os pontas. É provável que as defesas prevaleçam sobre os ataques durante algum tempo. Cabe a nós, treinadores, complementarmos nosso trabalho e dar mais qualidade às ações de ataque.

BLOG – Então o futebol hoje está mais para Mourinho que Guardiola?

DORIVAL JÚNIOR – Foi uma transformação rápida, uma mudança por necessidade. Aproxima as linhas, marca por zona. Agora usando até cinco homens, exatamente para negar espaços no fundo do campo. Fecha o centro, induz o rival a abrir a jogada para interceptar o cruzamento. Houve mais inovações neste aspecto e mais times jogando desta maneira.

BLOG – Qual a dificuldade de trabalhar conceitos de jogo em um elenco que mal se conhece, mexido, desentrosado e sofrendo enorme pressão para vencer e subir na classificação?

DORIVAL JÚNIOR – No Santos eu tive dois anos e pude trabalhar uma filosofia e ir encaixando algumas situações ao longo do tempo. Aqui eu preciso adaptar, dentro das minhas convicções. Não posso me dar ao luxo de arriscar muito, por tudo que você expôs na pergunta. Primeiro proteger, depois fazer os jogadores acreditarem na proposta.

BLOG – Você falou em “proteção”. E os muitos gols sofridos, especialmente no início do trabalho, que geraram muitas críticas?

DORIVAL JUNIOR – É questão de tempo de trabalho. Tem jogador que mal se conhece. Em outubro, quase no fim da temporada, muitos não completaram sequer uma dúzia de partidas pelo clube. É o Militão adaptado à lateral direita, vários problemas. Mas querem soluções rápidas. Aqui se olha o futebol sem enxergá-lo. São cobranças descabidas e uma visão deturpada em todos os segmentos.

BLOG – Ainda dentro deste tema, como é possível orientar o Pratto com essa ansiedade de dez rodadas sem marcar gols?

DORIVAL JÚNIOR – Internamente ele sabe da sua importância. É um cara coletivo, mas com ambições. O grupo vem administrando isso muito bem. Todos têm noção da sua contribuição na abertura de espaços, nos deslocamentos. Sua movimentação compensa a falta de gols. Como gestor procuro tranquilizá-lo, por mais que ele seja experiente. Mostrar que está no caminho correto e que as coisas vão acontecer naturalmente. E sua importância não é só dentro de campo, tem a liderança que contribui demais.

BLOG – O fato de termos o oitavo colocado separado do 18º por apenas quatro pontos ajuda por motivar a conseguir uma sequência de bons resultados e respirar aliviado ou é preocupante porque os jogos serão mais duros e qualquer vacilo significa a volta ao incômodo Z-4?

DORIVAL JÚNIOR – Em todas as edições do Brasileiro da Série A que disputei o returno foi bem mais disputado que o turno. É uma constante e este ano parece ainda mais dura a concorrência. Os jogos serão mais parelhos e essa distância mínima deixa tudo ainda mais complicado. Sem dúvida é a edição mais difícil que já disputei e será assim até a última rodada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


A primeira vitória de Guardiola sobre o Chelsea, com a marca De Bruyne
Comentários Comente

André Rocha

Com a suspensão de David Luiz, Antonio Conte perdeu a peça fundamental em sua saída da defesa, que com passes longos faz a bola chegar mais rapidamente ao ataque, sem riscos da pressão adversária se transformar em bolas roubadas e contragolpes. Quase um “quarterback” de futebol americano.

Diante do Manchester City de Pep Guardiola, que adianta a marcação e propõe o jogo mesmo no Stamford Bridge, a dificuldade ficou clara. Ainda obrigou Fábregas, escalado para atuar mais avançado, a recuar e tentar qualificar o passe. O mesmo com Eden Hazard.

O resultado em campo era um time com os jogadores mais qualificados lá atrás e Kanté, Bakayoko e Azpilicueta, escalado na ala direita do 3-4-1-2 de Conte, na área dos visitantes. Alonso, ala esquerdo que joga solto, na “função Sorín” sempre presente na área adversária, desta vez não pôde se arriscar tanto por ter Sterling atacando o seu setor.

A lesão de Morata ainda no primeiro tempo induziu Conte a não colocar Batshuayi e mandar Willian a campo. Fazia algum sentido: se não tinha o homem da bola longa, não fazia sentido ter o pivô para reter na frente. Era melhor ganhar qualidade na construção. Os Blues, porém, na prática ficaram ainda mais desconfortáveis.

O Manchester City de Guardiola se defendeu atacando, ocupando o campo de ataque e adiantando e pressionando a marcação, dificultando a vida do Chelsea de Antonio Conte sem David Luiz e depois perdeu Morata, entrando Willian (Tactical Pad)

Porque mais uma vez a equipe de Guardiola se defendeu atacando. Com Walker e Delph, novamente improvisado na lateral esquerda, ora atacando por dentro ou abertos. Nas pontas, Sterling e Sané trocando de lado, buscando as diagonais ou ficando quase colados nas laterais para esgarçar a linha de cinco defensores do rival.

A solução do treinador para seguir tendo a bola, mas sem ser vítima das transições seguidas e insanas dos times ingleses, foi acelerar a troca de passes assim que entra no campo adversário. Sem a paciência dos toques até se instalar no campo de ataque e praticar o jogo de posição.

É aí que entra Kevin De Bruyne. O belga é a referência de toque veloz no campo de ataque. Marca, articula e finaliza. Também homem das bolas paradas. Completo. Novamente decisivo no golaço vencendo Courtois completando pivô de Gabriel Jesus.

O atacante brasileiro, jogando no centro como referência com a ausência de Aguero por conta de um acidente automobilístico na Holanda, teve dificuldades contra Rudiger, Christensen e Cahill, não deu sequência a algumas ações ofensivas importantes e só cresceu com espaços após o gol. Quase deixou o seu em bela finalização, não fosse as costas de Rudiger, com o goleiro já batido.

No final, com Pedro e Batshuayi nas vagas de Bakayoko e Hazard, o Chelsea tentou um abafa nas jogadas aéreas, mas o City estava prevenido com Stones e Otamendi e podia ter ampliado nos contragolpes. Atuação segura da equipe de Manchester com 62% de posse e nada menos que 17 finalizações contra quatro dos donos da casa.

Primeiro triunfo em 90 minutos de Guardiola sobre o Chelsea – vencera nos pênaltis em 2013 a Supercopa da Europa. O único time a vencer em turno e returno uma equipe do treinador catalão em uma liga nacional. Feito da temporada passada, de título. Desta vez os citizens, em plena disputa pela liderança com o rival United, estavam mais prontos e aproveitaram as ausências sentidas no time londrino.

Com a marca De Bruyne, cada vez mais desequilibrante. O meio-campista dos sonhos de qualquer time. Mais um a mudar de patamar nas mãos de Pep.

(Estatísticas: BBC)

 


No “clássico brasileiro” na Champions, o melhor em campo é da geração belga
Comentários Comente

André Rocha

No Etihad Stadium, três brasileiros do lado do Manchester City entre os titulares – Ederson, Fernandinho e Gabriel Jesus – mais Danilo no banco de reservas. No Shakhtar Donetsk, a legião de sempre: Ismailly, Fred, Marlos, Taison e Bernard na formação inicial e Dentinho, Márcio Azevedo e Alan Patrick como suplentes.

A novidade de Pep Guardiola foi o meio-campista Fabian Delph improvisado no lugar do lateral esquerdo Mendy. Mas apoiando por dentro, enquanto Sané, mantido entre os titulares, ficava bem aberto para esgarçar o sistema defensivo adversário. No lado oposto, a lógica inversa: o lateral Walker abrindo o campo e Gabriel Jesus procurando infiltrar em diagonal e se juntar a Aguero no centro do ataque. Variações por características dentro da proposta de jogo na execução do 4-3-3.

O time ucraniano se fechava com duas linhas de quatro compactas mantendo Taison mais adiantado, próximo ao argentino Facundo Ferreyra, atacante único do 4-2-3-1 armado pelo português Paulo Fontes. Fred, convocado por Tite na última lista, era o responsável por fazer a bola chegar ao quarteto ofensivo. Pelas pontas, o canhoto Marlos pela direita e Bernard, destro, à esquerda.

Shakthar que em nenhum momento abdicou de jogar, terminando com 46% de posse. Mas no início foi amassado pela pressão intensa do time inglês na saída de bola e muito volume de jogo de uma equipe que ataca por todos os lados. Especialmente pela qualidade no meio-campo. Fernandinho comandando a saída de bola, David Silva distribuindo e triangulando com ponteiro e lateral, normalmente à esquerda.

O destaque absoluto, porém, foi Kevin De Bruyne. Mais uma vez. Com seu passe vertical, sua visão de jogo privilegiada, a movimentação inteligente sempre dando opção para o passe. Faz o time de Guardiola jogar. Nem tão feliz na finalização quando Gabriel Jesus iniciou contragolpe veloz interceptando passe e arrancando até servir o belga, que colocou mal e permitiu defesa de Pyatov.

Mas quando foi o meia quem interrompeu a saída para o ataque do Shakhtar, a transição ofensiva rápida encontrou o camisa 17, que colocou no ângulo para abrir o placar e descomplicar o jogo. Consolidando o amplo domínio do time azul de Manchester na segunda etapa.

Inclusive com pênalti – que este que escreve não marcaria por considerar normal o choque entre Sané e o zagueiro Ivan Ordets – cobrado por Aguero para defesa de Pyatov. Sterling substituiu Jesus, de atuação sem brilho mas importante na movimentação e no trabalho coletivo, e definiu os 2 a 0 no final em mais um contra-ataque letal. Assistência de Bernardo Silva, que substituiu Aguero e trabalhou como uma espécie de “falso nove”. Outra experiência do treinador catalão.

Desta vez não houve goleada, mas pelas estatísticas não seria nenhum absurdo. Foram 14 finalizações, oito no alvo. Apenas quatro do Shakhtar, metade na direção da meta de Ederson. De qualquer forma, os três pontos colocam o City na liderança do Grupo F e confirmam o ótimo início de temporada. No ritmo de Kevin De Bruyne.

No “clássico brasileiro” na Liga dos Campeões, o melhor em campo foi um grande talento da geração belga que costuma ser alvo de chacota pela falta de grandes títulos. Como se o país fosse da primeira prateleira do futebol mundial em termos de conquistas.

Não é, mas conta com um meia raro, que o Brasil, por exemplo, só tem em Philippe Coutinho um jogador do mesmo nível no futebol mundial. Exaltado por Guardiola e admirado por quem ama o esporte sem preconceitos.

(Estatísticas:: Footstats)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Real Madrid, a “Lei de Guardiola” e o risco de repetir fiasco com Mourinho
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Getty Images

Pep Guardiola teve sua primeira experiência em um time de primeira divisão com o Barcelona na temporada 2008/2009. De lá para cá disputou oito ligas nacionais: quatro na Espanha, três na Alemanha e uma na Inglaterra. Mais um ano sabático em 2012/13. Venceu seis. Ou três quartos.

Mesmo que seus detratores relativizem tudo que o treinador venceu pela qualidade dos jogadores – talentos que ele ajudou a desenvolver ou evoluir e o maior exemplo é Lionel Messi – é um retrospecto impressionante para um profissional que ainda não completou dez anos de rodagem.

Por isso merece respeito sua tese de que “o título (da liga) se ganha nas oito últimas rodadas e se perde nas oito primeiras”.  Ainda que em várias delas, especialmente com o Bayern de Munique, seu time tenha vencido praticamente de ponta a ponta.

O Real Madrid de Zinedine  Zidane iniciou a temporada de forma primorosa, vencendo Barcelona e Manchester United e conquistando as Supercopas da Espanha e da Europa com sobras e jogando um futebol que conciliou arte e competitividade. Teve a bola contra os ingleses e no superclássico em Madrid e matou o time catalão nos contragolpes no Camp Nou. Sinalizava uma manutenção do domínio do país e no continente.

No entanto, os resultados nas cinco primeiras rodadas do Espanhol são decepcionantes: duas vitórias, dois empates e uma derrota, para o Real Betis de Quique Setién no Santiago Bernabéu. Em termos de desempenho, ao menos no único revés com a equipe mais completa, não houve queda acentuada. Faltou eficiência nas finalizações – foram 27, 12 de Cristiano Ronaldo e pelo menos três chances que o português não costuma desperdiçar.

Certamente Zidane não contava com tantos pontos perdidos, mas talvez o início menos intenso para voar no final da temporada faça parte do planejamento, com em 2016/17. Ou na recuperação em sua temporada de estreia, quando ficou a um mísero ponto do campeão Barça. A diferença é que quando assumiu sucedendo Rafa Benítez estava apenas dois pontos atrás dos blaugranas e a quatro do então líder Atlético de Madrid.

Agora são sete pontos. Distância considerável, ainda que com um ponto a menos em relação à fatídica jornada de 2012/2013. O ano do fiasco por conta do desgaste de José Mourinho com o elenco merengue que fez a equipe derrapar e o Barcelona, comandado por Tito Vilanova depois da saída de Guardiola, aproveitou para disparar e não perder mais. Terminou com 100 pontos, 15 a mais que o Real.

Os mesmos 100% de aproveitamento em cinco partidas, com gols de Messi em profusão. A mesma fome culé depois de perder o título na temporada anterior. Agora talvez pese um certo relaxamento madridista após tantas conquistas. Ou o foco, até pela cultura do clube, no tricampeonato inédito da Liga dos Campeões.

Seja como for, o inicio é preocupante e precisa de recuperação já a partir do jogo contra o Alavés fora de casa neste sábado. Para não valer a “Lei de Guardiola” e o Barcelona nem precise das oito últimas rodadas para confirmar seu 25º título nacional e se aproximar mais do grande rival, que ostenta a marca de 33 troféus. A conferir.


História mostra que favoritismo um ano antes da Copa do Mundo é pura ilusão
Comentários Comente

André Rocha

Entre dezembro de 1981 e outubro de 1983, a Itália disputou 16 partidas. Nenhuma vitória nas seis primeiras, sem triunfos nas seis últimas. Venceu apenas quatro: Argentina, Brasil, Polônia e Alemanha. Exatamente as que lhe deram o terceiro título mundial na Copa da Espanha.

Favoritismo? Zero, mesmo com a manutenção de boa parte do grupo da Copa de 1978 que venceu a campeão e anfitriã Argentina e terminou em quarto perdendo dois jogos, para Holanda e Brasil, por detalhes. Mas nas Eliminatórias ficou atrás da antiga Iugoslávia. Não há dúvidas, era zebra. Até pelo escândalo de manipulação de resultados, o “Totonero”, que comprometeu o futebol do país.

Parecido com o de 2006 que rebaixou a campeã Juventus e também tirou qualquer favoritismo de uma Azzurra igualmente forte e talentosa comandada por Marcelo Lippi. Outro título inesperado, quando o Brasil era favorito.

Aliás, chegar como principal candidato só fez bem ao Brasil no Chile em 1962. Ainda assim, com superação da ausência de Pelé. Garrincha e o “apito amigo” contra a Espanha ajudaram a construir o bicampeonato. O último, sendo o outro em 1934/38 dos italianos.

A Alemanha pode repetir o feito na Rússia. A conquista da Copa das Confederações reforçou a impressão de que a renovação está sendo bem conduzida por Joachim Low. Com Kimmich no lugar de Lahm e Toni Kroos suprindo a aposentadoria de Schweinsteiger. Mais Draxler, Brant, Stindl, Werner, Hector se juntando a Ozil, Muller, Hummels, Neuer.

Se em 2014 a chegada de Pep Guardiola ao Bayern de Munique foi influência clara no modelo de jogo alemão, desta vez a inspiração, ou variação do estilo, parece vir da Inglaterra, mas de um treinador italiano: o 5-4-1/3-4-3 do Chelsea de Antonio Conte. Para propor o jogo ou reagir de acordo com as circunstâncias. Um time inteligente.

Como já era há três anos, mas foi um tanto menosprezado pelo revés na Eurocopa dois anos antes na semifinal contra a Itália de Balotelli. A ponto de transformar a final da Copa das Confederações entre Brasil e Espanha em uma espécie de “tira-teima” entre a campeã mundial e bi da Eurocopa e o anfitrião buscando recuperar protagonismo.

A seleção de Luiz Felipe Scolari venceu e foi mais uma a se iludir com a conquista. Como Dunga em 2009 e Parreira em 2005. A convicção de que o grupo estava fechado e o trabalho pronto só necessitando de manutenção foi ilusória. Porque o que define os rumos do Mundial é a temporada europeia que se encerra com a Copa.

Basta lembrar a queda de rendimento de Paulinho e Fred e o período de adaptação de Neymar no Barcelona que minaram as forças de um trabalho de um ano e meio, incompleto. Assim como o de Tite agora, que acabou de completar doze meses. Dois anos perdidos com Dunga que podem fazer falta.

Porque haverá menos testes e chances de observação. Ou tempo para o amadurecimento da proposta de jogo. É um processo que vai queimando etapas por necessidade. O treinador assumiu precisando de resultados e evolução rápida. Pelo próprio mérito, as nove vitórias seguidas nas Eliminatórias alçaram a equipe diretamente do risco de ficar de fora de sua primeira Copa do Mundo à condição de uma das favoritas.

Mais rápido que isso só em 1993, quando os 2 a 0 sobre o Uruguai com atuação antológica de Romário levaram o escrete canarinho do futuro incerto ao protagonismo. Em uma partida, por conta de um atacante genial que depois confirmou seu estrelato com a taça que não vinha há 24 anos e a Bola de Ouro como melhor do mundo.

Mas a grande favorita era a Itália de Roberto Baggio, o grande jogador do ano anterior. Assim como em 2002 as apostas recaíam sobre Argentina e França, que em 1998 superou em casa o Brasil de Ronaldo, candidatíssimo ao bi. Sob o comando de Platini, os franceses eram os favoritos em 1986. Mas havia um Maradona pelo caminho. Gênio que colocou a Argentina na final em 1990, mas havia uma Alemanha na decisão para confirmar a alternância de poder.

Resumo da ópera: falar em favoritismo no ano anterior é puro chute. Até porque este Mundial tende a não repetir os dois últimos, com as vencedoras tendo como bases as melhores equipes do mundo à época. Espanha do Barcelona e Alemanha do Bayern de Munique. Com entrosamento, movimentos já executados de memória. Seleções maduras, com craques no esplendor.

Mesmo os espanhois em 2010 não chegaram com tal status. Nema conquista da Euro 2008 minimizou o fato de não fazer parte do seleto grupo de campeões. A derrota para os Estados Unidos que tirou a chance de um duelo contra o Brasil de Dunga no ano anterior fez da grande seleção daquele período uma incógnita. Talvez por isso tenha triunfado.

Agora a Alemanha titular, em tese, tem apenas Neuer, Kimmich, Hummels e Muller do time bávaro. Na Espanha,  Barcelona e Real Madrid dominam naturalmente, mas o time merengue bicampeão europeu também cede apenas quatro: Carvajal, Sergio Ramos, Isco e Asensio. A França poderia se basear em PSG e Monaco, mas as mudanças na janela de transferência pulverizaram qualquer chance de ter uma ou duas equipes como referências.

O Brasil, como bem disse Renato Augusto numa coletiva recente, está “no bolo”. É candidato, como foi até no fiasco de 1990. Um ano antes, vencera a Copa América e Itália e Holanda, outras favoritas. Mas sucumbiu no Mundial pela queda técnica e lesões de seus grandes destaques: Bebeto, Careca e Romário.

Contexto, circunstâncias, o imponderável.Tudo isso pesa em um ano. Por isso é tão difícil pensar em junho de 2018. O dinamismo do mundo atual já é absurdo. No futebol mais ainda. Mais prudente celebrar a evolução brasileira e evitar falar em grupo fechado, sistema definido ou qualquer coisa que sugira uma estabilidade que não se sustenta. Serve apenas como linha mestra para não se perder no planejamento.

A Copa não começa agora. Melhor segurar a ansiedade e respeitar a sequência e o tempo de cada seleção. A pressa, neste caso, é ainda mais inimiga.


Real Madrid, Zidane e a nova era do futebol por demanda
Comentários Comente

André Rocha

O Barcelona sofre tentando criar alternativas ao seu estilo de posse de bola após encontrar algumas boas respostas no auge do trio Messi-Suárez-Neymar em 2015, mas agora vivendo uma queda brusca. Pep Guardiola quebra a cabeça para adequar seus princípios de jogo outrora inegociáveis ao futebol jogado na Inglaterra. O Atlético de Madri de Simeone e José Mourinho com o Manchester United buscam alternativas para os momentos em que suas equipes precisam criar espaços porque têm a posse diante de equipes de menor investimento.

Jurgen Klopp e seu sucessor no Borussia Dortmund Thomas Tuchel tentaram encontrar a saída na intensidade máxima, nas transições contínuas baseadas no “gegenpressing”, mas penam com o mesmo problema que Marcelo Bielsa convive há pelo menos uma década: seus comandados não suportam tamanha a exigência física e mental.

O “futebol líquido”, conceito de Paco Seirul lo que consta no livro “Guardiola, a Metamorfose”, de Marti Perarnau e traduzido pela Editora Grande Área, ainda é algo fascinante no campo das ideias e provavelmente o veremos no futuro, com times fluidos, atacando e defendendo por todos os lados com ações mecanizadas, jogando de memória. Como alguém nascido no século 20, este que escreve ainda acredita que o talento é e será sempre fundamental.

Jupp Heynckes, em seu último ato como treinador, iniciou um processo de combinação de estilos com o Bayern de Munique campeão de tudo em 2013. Segunda equipe com mais posse de bola na Europa que pulverizou a primeira, o Barcelona, com 7 a 0 no placar agregado da semifinal da Liga dos Campeões com média de 40% de tempo com a bola.

No ano seguinte, Carlo Ancelotti ensaiou a melhor solução com o Real Madrid campeão de “La Decima”: um time híbrido, que se adapta bem ao ataque posicional, mas se for preciso acelera e é letal nos contragolpes. Mas naquele momento faltava entrosamento e um pouco de flexibilidade do trio BBC – Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo – um tanto duro, rígido, com a única variação do sistema tático: do 4-3-3 para o 4-4-2 com o recuo de Bale pela direita.

Zinedine Zidane assumiu em sua primeira oportunidade como treinador do time principal dos merengues resgatando as ideias do italiano, de quem era auxiliar técnico. Com a conquista da Liga dos Campeões e a possibilidade de planejar a temporada, foi amadurecendo, consolidando e aprimorando conceitos e agora parece chegar a algo novo. Mas não tanto assim.

Desde sempre times como Real Madrid jogam no campo de ataque na maioria das partidas. Cultura do clube, exigência da torcida, expectativa do adversário, da mídia, de todos. Apenas em alguns jogos, em contextos especiais, ou só quando constroi a vantagem no placar é permitido recuar linhas e jogar em contragolpes.

Só que dentro da dicotomia do futebol mundial nos últimos oito anos ou você era propositivo e ficava com a bola, ou reativo e explorava os espaços cedidos por quem decidia controlar o jogo com a posse. Com os estilos cada vez mais estudados, quem apresentava uma das ideias como filosofia quase imutável sofria quando precisava variar a proposta ou era surpreendido.

Como equipes pressionando a saída de bola do Barça e explorando os espaços às costas das retaguardas de Guardiola. Ou times dando a bola aos comandados de Mourinho e Simeone e explorando suas dificuldades.

O Real Madrid atual é mutante, “camaleão”. Se adapta ao que quer para o jogo ou ao que o adversário propõe. E pode mudar durante o jogo. Porque tem jogadores capazes de virar a chave sem que o treinador precise fazer alterações.

Carvajal e Marcelo podem jogar abertos no campo de ataque ou posicionados numa linha de quatro com Varane e Sergio Ramos, atentos na cobertura e no confronto direto com os atacantes do oponente se expostos ou fixos atrás, prontos também para o jogo aéreo, ofensivo ou defensivo.

No meio, Casemiro, Modric e Kroos. Se é preciso de requinte na saída de bola pressionada, o alemão recua para qualificar os passes, curtos ou longos. Se a necessidade é de proteção e imposição física lá está Casemiro, outra peça importante nas jogadas pelo alto. E se o jogo requer dinâmica, presença de área a área, acelerando ou cadenciando, Modric é completo. Versátil.

Isco foi o toque de Zidane para tornar tudo ainda mais fluido e mutável. É meia no 4-3-1-2, mas também é ponta fazendo dupla com o lateral. Indo e voltando. Se recua pela direita, Modric e Casemiro centralizam e Kroos fecha o lado esquerdo. Se volta à esquerda, Modric abre e Kroos fecha. Sempre em duas linhas de quatro.

Para liberar Cristiano Ronaldo e Benzema, que circulam por todos os setores do ataque. Ou Bale, que parece aceitar a reserva porque sabe que vai jogar muitas vezes. Zidane roda o elenco com naturalidade. Na temporada passada definindo titulares e reservas e mandando a campo dentro de um planejamento. De olho na meritocracia. Assim Isco virou titular.

Desta forma já começou a temporada 2017/2018 com dois títulos, num total de sete desde o início de 2016. Matando o Manchester United na Supercopa da Europa ficando com a bola. Depois encaminhou a Supercopa da Espanha com os 3 a 1 sobre o rival Barcelona jogando em transições rápidas e definiu o confronto com 2 a 0 no primeiro tempo e maior posse de bola que o time blaugrana pela primeira vez em nove anos.

Porque o jogo pedia. Basta ter leitura e inteligência e serenidade para tomar as melhores decisões, individuais ou coletivas. Capacidade de resolver problemas. Com bola rolando ou parada. Por baixo ou pelo alto. Entender a lógica da disputa e a melhor forma de superar o rival e construir vitórias e títulos com naturalidade.

Tudo sem abrir mão de conceitos atuais: compactação, pressão, preenchimento e ataque de espaços, jogo posicional, profundidade, amplitude, mobilidade. Temperados com mentalidade vencedora e confiança. Zidane não nasceu sabendo, nem é mágico. Mas sempre privilegiando a precisão técnica e em alguns momentos até deixando o adversário jogar. Como era num tempo distante que às vezes retorna em insights nesse vai e volta na linha do tempo.

Este é o Real Madrid de Zidane. O bicampeão europeu, líder de uma nova era do esporte que volta um pouco atrás para ser pragmático sem perder a leveza. Ofensivo e reativo, de acordo com o “freguês”. Dentro ou fora de casa. Nada mais simples e moderno, como ver a sua série favorita ou o time de coração na TV de casa ou em um dispositivo móvel. Como quiser e quando for possível.

Jogo de ataque e defesa descarnado de idealizações ou romantismos. É o futebol por demanda.


City vence, mas ideias confusas de Guardiola sacrificam Gabriel Jesus
Comentários Comente

André Rocha

Gabriel Jesus apareceu mais no primeiro tempo da estreia do Manchester City no Campeonato Inglês, fora de casa contra o Brighton, de volta à primeira divisão inglesa depois de 34 anos. Deu lençol, tocou a mão na bola em gol bem anulado que lhe rendeu um amarelo injusto. Depois não testou firme e permitiu bela defesa do goleiro Ryan completando cruzamento de Kun Aguero.

Na segunda etapa, só foi notado ao disputar com o zagueiro Dunk, que acabou marcando gol contra em um golpe de cabeça mais que estranho. O segundo gol, já que o primeiro foi de Aguero no primeiro contragolpe cedido pelo time da casa enquanto a partida estava empatada.

Assim como o Barcelona de Guayaquil na quarta feira contra o Palmeiras no Allianz Parque, o Brighton pagou por se empolgar com a atuação medíocre do adversário favorito, avançar suas linhas e ceder espaços entre as linhas.

Porque diante do 4-4-2 compacto armado pelo treinador Chris Hughton, que recuava os “wingers” como laterais e formava uma última linha defensiva com seis homens foi difícil entender a proposta de Pep Guardiola. Mandou a campo um 3-3-2-2, com Danilo improvisado na ala esquerda e Gabriel Jesus fazendo dupla de ataque com Aguero.

O resultado prática na maior parte do tempo foi uma posse de bola acima de 70%, porém estéril. Walker e Danilo bem abertos, David Silva e Kevin De Bruyne sacrificados na articulação, precisando de muita movimentação para dar opções de passe aos zagueiros Kompany, Stones e Otamendi e a Fernandinho, o único volante. Os que mais tocavam na bola.

O goleiro brasileiro Ederson assistiu ao jogo no primeiro tempo e teve um pouco mais trabalho depois do intervalo. Acabou falhando na saída da meta e foi apenas correto no trabalho com os pés. Vale observar a evolução na sequência da temporada.

Aguero e Jesus tentavam alternar na mobilidade e no trabalho de referência na frente, mas participavam pouco na zona de decisão porque os citizens tocavam, tocavam…até Danilo, isolado pela esquerda, cortar para o pé direito e jogar na área ou Walker buscar a linha de fundo. Ou as bolas frontais levantadas por De Bruyne, a maioria inócuas.

Contraproducente. Ainda que todos os princípios de jogo do treinador catalão estivessem lá. Difícil entender, ainda mais com Bernardo e Sané no banco de reservas. Aguero acabou se saindo melhor. Já Gabriel Jesus, mesmo finalizando quatro vezes, taticamente foi sacrificado, subaproveitado. Atuação apenas razoável. Não por sua culpa.

Guardiola segue indecifrável. Ao menos o seu City, na loucura que está sendo a primeira rodada da Premier League, conseguiu a vitória. Mas é preciso clarear as ideias na intenção de adaptar seu estilo ao futebol jogado na Inglaterra. O primeiro ato, apesar dos 2 a 0, pareceu bem confuso.


Premier League já começa insana, mas não pode virar um fim em si mesma
Comentários Comente

André Rocha

A liga mais forte do mundo começou com a incrível virada em Londres do Arsenal do inesgotável Arsene Wenger por 4 a 3 sobre o Leicester City. Gol da vitória marcado por Giroud, vindo do banco, aos 39 minutos do segundo tempo. Dois minutos antes, o empate com Ramsey, que também iniciou na reserva. Já no primeiro ato, um jogo típico da Premier League: intenso, maluco, imprevisível.

Com a grana farta da TV dividida de uma maneira mais equânime, os times médios e até os pequenos têm condições de investir em contratações e isso vem tornando o campeonato inglês cada vez mais equilibrado.

Se não conseguiu até aqui seduzir Messi e Cristiano Ronaldo, os gênios desta era, ao menos os treinadores com mais hype estão por lá: Guardiola, Mourinho, Klopp, Conte, Pochettino…Com exceção do fenômeno Zidane, bicampeão da Liga dos Campeões, apenas Carlo Ancelotti entre os mais vencedores dos últimos tempos não esteja por lá.

Por tudo isso se tornou uma competição de difícil prognóstico em relação a favoritismo ao título e às vagas nas competições europeias. Ótimo para a liga em si. Mas nem tanto para os clubes.

Porque enquanto Barcelona, Real Madrid, Juventus, Bayern de Munique, PSG e outros conseguem administrar seu calendário com respiros e uso de reservas, os ingleses precisam jogar no volume máximo durante toda a temporada. Muitas vezes não é possível dosar energias nem durante as partidas. Se baixar a guarda diante de uma equipe na zona de rebaixamento pode ser surpreendido.

Se juntar isso às copas nacionais com sua tradição e seus “replays” em caso de empate, aliviados pela federação com o cancelamento da prática nas quartas-de-final da Copa da Inglaterra, o cenário é ainda mais complexo. Ajudam a exaurir as forças, mesmo em elencos robustos. Sem contar os jogos em sequência no final de um ano e o início do seguinte, enquanto a grande maioria faz uma pausa para as festas de Natal e reveillón.

O resultado prático é que desde 2012, com o Chelsea, a Inglaterra não tem um vencedor da Champions. Mesmo considerando o domínio de Real Madrid e Barcelona, que contam com grandes times de sua história, é preocupante. Ainda que os próprios Blues e o Manchester United, neste período de seca, tenham conquistado a Liga Europa.

Fica a impressão de que faltam pernas e força mental para se concentrar na disputa do maior torneio de clubes do planeta porque o campeonato nacional exige demais semanalmente. Quem tenta dividir atenções vem sofrendo nas duas frentes. Não por acaso, Leicester e Chelsea venceram as duas últimas edições da Premier League por não estarem envolvidos em competições europeias. Tiveram semanas para repouso e treinamentos.

Mourinho preferiu arriscar tudo na Liga Europa na temporada passada ao perceber que os Red Devils não conseguiriam sequer a vaga de qualificação para a Champions. É uma disputa tão insana que não há garantias, uma margem mínima para planejar a temporada seguinte. Não há como fugir do clichê “pensar jogo a jogo” até que as pretensões possíveis fiquem mais claras. Hoje, imaginar um clube ganhando inglês e Liga dos Campeões é utopia.

Em campo, a consequência da loucura da Premier League é a dificuldade para controlar jogos, desacelerar. Como o City de Guardiola que não conseguiu conter a reação do Monaco no jogo da volta das oitavas de final da UCL depois dos 5 a 3 em Manchester. No jogo bate-volta, só há ataque e defesa, sem longos períodos entre as intermediárias. Sem pausas.

Os clubes mais poderosos vivem um dilema. Ostentam orçamentos de gigantes europeus, mas não conseguem ser tão competitivos além de suas fronteiras como gostariam porque se esfolam na luta doméstica.

É óbvio que o titulo inglês é sinônimo de prestígio, visibilidade e uma fatia maior do bolo das receitas de TV. Mas o asiático hoje prefere Barça e Real. Com Neymar no PSG isso talvez piore. Para manter ou ampliar o alcance global é preciso voltar a ser protagonista na Liga dos Campeões. Para isso é urgente repensar o calendário. Ou transferir o risco para a própria liga priorizando a Champions.

Qualquer coisa para não tornar a Premier League um fim em si mesmo.