Blog do André Rocha

Arquivo : jurgenklopp

Real Madrid tem vivência em finais. Liverpool precisa “enlouquecer” em Kiev
Comentários Comente

André Rocha

Carvajal, Varane, Sergio Ramos, Marcelo, Modric, Isco, Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo. Nove jogadores que estiveram em campo na primeira final de Liga dos Campeões do Real Madrid na década. Estádio da Luz, Lisboa, há exatos quatro anos.

Nove que sofreram e transformaram o alívio do golpe salvador de Sergio Ramos no último ataque na apoteose dos três gols na prorrogação sobre o Atlético de Madri e o êxtase de “La Decima” para o maior ganhador do torneio.

Em 2018, os nove estão entre os relacionados para a decisão contra o Liverpool em Kiev. Buscando o tricampeonato depois das conquistas em 2016 e 2017. A quarta final em cinco edições. Conhecem o clima, a diferença de mata-mata para jogo único, a expectativa, o batalhão de jornalistas, os olhos do mundo.

Contam também com algo fundamental: apenas experiências vitoriosas como referências para tentar repetir o feito e entrar definitivamente para a história como os primeiros tricampeões da era Champions. Igualando o lendário Bayern de Munique de Franz Beckenbauer e Gerd Muller, os últimos a ganhar a Europa três vezes seguidas.

Não é pouco. Muito menos algo para ser tratado de forma blasé, como se já estivessem fartos de levantar taças. A mentalidade vencedora do Real Madrid na Champions impressiona. E pode ser o grande trunfo na Ucrânia. Decisões são resolvidas na maioria das vezes com força mental e qualidade individual. Como a maioria dos onze duelos em 180 minutos ou mais de mata-mata deste time sob o comando de Zinedine Zidane. Sofrendo e saindo de situações difíceis com frieza e eficiência.

Em meio à tanta tensão, a confiança ajuda mais que qualquer vantagem tática que pode surgir no confronto. Os 4 a 1 sobre a Juventus em Cardiff foram a grande prova do rolo compressor que o Real Madrid pode se tornar quando a qualidade técnica e o entrosamento encontram o melhor cenário psicológico do duelo.

Tudo que o Liverpool precisa evitar. Se entrar aceitando a condição de “zebra”, apesar do que representa a camisa cinco vezes campeã, a chance de sucumbir é enorme. Até pela inexperiência em finais de todos, desde Jurgen Klopp até Mohamed Salah, artilheiro e candidato ao prêmio de melhor da temporada.

A solução? A mesma dos melhores momentos na temporada: pé fundo no acelerador. O “gegenpressing” de Klopp no volume máximo. Perde e pressiona com fúria por todo o campo. Como se não houvesse amanhã. Assumindo os riscos de um oponente com a técnica do Real se livrar e chegar com igualdade ou superioridade numérica no ataque.

Mas com boas chances também de recuperar e acionar rapidamente o tridente Salah-Firmino-Mané. De intensa movimentação do brasileiro que vai buscar as costas de Casemiro para acionar seus companheiros entrando em diagonal, nos espaços entre Carvajal e Varane ou Sergio Ramos e Marcelo. Defesa que não vem demonstrando a segurança de outros momentos desta trajetória vencedora recente. Pode causar estragos.

No “jogo mental” da decisão, o melhor cenário para os Reds é tirar o favorito do conforto de jogar como protagonista. Os vividos madridistas estão acostumados a encontrar medo nos olhares do outro lado do campo. O que farão se encontrarem fome, fúria e uma vontade inquebrantável de deixar a vida no campo em busca da glória? Ainda mais considerando que o Real vêm de sustos em casa contra Juventus e Bayern de Munique, quando foi dominado e podia ter sido eliminado.

Não será fácil para Klopp convencer seus comandados a deixarem o comportamento padrão de respeito, estudo, aprumar os nervos nos primeiros minutos. Ou a sedutora ideia de dar a bola ao Real e esperar os espaços aparecerem para seu ataque rápido e demolidor. Mas o Liverpool já fez isso antes e o desempenho caiu absurdamente. Inclusive com alguns riscos, como o primeiro tempo na volta em Manchester contra o City e a segunda etapa contra a Roma no Estádio Olímpico.

Diante do bicampeão do continente qualquer vacilo em 90 minutos pode ser letal. Melhor “enlouquecer” e, se tudo der errado, ser lembrado pela coragem de tentar fazer diferente. E para isto ninguém é melhor que Klopp, o “maluco beleza”, o Nigel Mansell do futebol. Capaz de transfomar Kiev num “hospício” e fazer história. Alguém duvida?


Real Madrid se sai melhor que o Liverpool nos clássicos antes de Kiev
Comentários Comente

André Rocha

Havia muito em jogo para Real Madrid e Liverpool contra Barcelona e Chelsea, respectivamente, na reta final das ligas nacionais, impedindo que os times pudessem se dedicar exclusivamente à final da Liga dos Campeões no dia 26 em Kiev.

Para os Reds era a chance de confirmar a vaga na próxima edição do principal torneio do continente. No Stamford Bridge contra um adversário direto na Premier League. Já o time merengue entraria no Camp Nou com a missão de impedir o título espanhol invicto do rival Barcelona e ainda “carimbar” a despedida de Iniesta do clássico.

Tirando tudo que foi desnecessário no duelo entre os últimos campeões espanhois e europeus, desde o Real se recusando a recepcionar em campo o adversário que confirmou a conquista na rodada anterior até as brigas, chutes e pontapés que tiraram muito da beleza de um jogo sempre especial, não é absurdo dizer que a equipe de Zinedine Zidane deu mais uma demonstração de força.

Por iniciar pressionado pela dupla Messi-Suárez mais acesa que o habitual e pelo gol do uruguaio logo aos nove minutos em saída rápida bem engendrada com assistência de Sergi Roberto. Mas responder rapidamente com jogada coletiva ainda mais bela: calcanhar de Cristiano Ronaldo para Kroos, centro do alemão para Benzema preparar e o gênio português finalizar a obra que iniciou. O 25º do vice artilheiro da competição.

Real com uma “velha novidade” de Zidane: o trio “BBC”, fazendo a variação do 4-3-3 para as duas linhas de quatro sem a bola com o recuo de Gareth Bale pela direita. Na transição ofensiva, muita movimentação dos três, enchendo mais a área adversária. Ao menos por 45 minutos, já que Cristiano Ronaldo, por precaução, teve que sair no intervalo, substituído por Asensio.

Não só porque sentiu uma entrada dura, aparentemente maldosa, de Piqué justamente no lance do gol que empatou a disputa. Também por conta da pancadaria que tomou conta do jogo, muito mal conduzido pelo árbitro Alejandro José Hernandez, que culminou na expulsão de Sergi Roberto, que ingenuamente agrediu Marcelo na frente do juiz.

Desta vez o Real pode reclamar muito das decisões da arbitragem. Principalmente pela falta clara de Suárez na disputa com Varane que terminou no golaço de Messi quanto na falta dentro da área do Barça não menos nítida de Jordi Alba em Marcelo. Podia ter mudado o clássico e complicado a vida e a invencibilidade do time da casa muito mais que o golaço de Bale, completando assistência de Asensio. Foram 17 finalizações contra 11 do time blaugrana.

Mesmo com os 2 a 2, a força mental e a cultura de vitória se fizeram presentes. O desempenho geral também foi satisfatório. Confirmando algo que já virou senso comum: é difícil superar este Real Madrid em jogo grande.

O Liverpool também costuma crescer neste tipo de confronto, mas não foi o caso do duelo em Londres. Porque o time de Jurgen Klopp, ainda que mantenha a proposta ofensiva longe do Anfield Road, não consegue reproduzir o “arrastão” num ciclo de pressão pós-perda, acelerar a circulação da bola e acionar o seu trio de ataque.

Salah, Firmino e Mané também pagam um pouco o preço do sucesso e da visibilidade. Estão mais estudados e, consequentemente, vigiados em campo. Ainda mais contra o time de Antonio Conte com sua linha de cinco defensores e mais Kanté e Bakayoko na proteção.

Deram algum trabalho ao goleiro Courtois na primeira etapa, mas nos minutos finais apelaram para os muitos cruzamentos procurando Solanke, que entrou na vaga do lateral esquerdo Robertson, e o zagueiro Van Dijk, que se transformou em um segundo centroavante. Sem ideias, sem brilho. Os torcedores podem até desdenhar, mas quando os espaços diminuem o fato é que Philippe Coutinho faz muita falta aos Reds.

Assim como a equipe se ressente de uma maior solidez defensiva, especialmente pelo alto. No centro da direita, Giroud subiu mais que Lovren para marcar o gol único do duelo, ainda no primeiro tempo. Na ausência do lesionado Oxlade-Chamberlain, Klopp deixou Henderson no banco e arriscou uma formação com Alexander-Arnold formando o meio-campo com Wijnaldum e Milner e Clyne entrando na lateral direita. Podia ter sido melhor.

Apesar dos 68% de posse, foram apenas dez finalizações dos visitantes contra 12 dos Blues, que também foram superiores em desarmes e no jogo aéreo. Resultado coerente com o que foi a partida disputada com a intensidade típica do Campeonato Inglês.

Agora é obrigatório vencer o Brighton em Anfield para chegar aos 75 pontos e garantir ao menos a quarta colocação. A menos que venha a apoteose na Ucrânia com o sexto título da Champions. Depois de onze anos sem chegar a uma decisão e treze da última conquista.

Missão que já era complicada por enfrentar o atual bicampeão e maior vencedor da história. Depois dos clássicos fica a impressão de que a tarefa ficou ainda mais difícil.

(Estatísticas: Whoscored.com)

 


Liverpool na final contra o Real Madrid em Kiev. E agora, atura ou surta?
Comentários Comente

André Rocha

Já era esperado que o Liverpool sofreria em Roma contra o time de Eusebio Di Francesco. Do jogo físico e direto, da tentativa e erro. Dos laterais Florenzi e Kolarov abrindo o campo e levantando bolas em profusão para Schick, Dzeko e quem mais aparecesse na área inglesa.

Porque a equipe de Jurgen Klopp, embora tenha ganhado alguma solidez defensiva depois da chegada do zagueiro holandês Van Dijk, quase sempre se complica quando precisa controlar o jogo só acelerando na saída para os contragolpes. Sem o “gegenpressing”, ou o perde-pressiona em intensidade máxima, do treinador alemão.

Ainda que Roberto Firmino esteja cada vez melhor como “falso nove”, finalizando ou acionando seus companheiros do ataque mais arrasador da Europa nesta temporada. Como no passe preciso controlando tempo e espaço para Mané no primeiro gol do jogo. Como tentou se conectar com um Salah desta vez sem a inspiração de boa parte da jornada 2017/18.

Se o apito fosse um pouco mais “caseiro” no Estádio Olímpico, os Reds poderiam ter se juntado ao Barcelona como vítimas do time da capital italiana. Ou bastaria o pênalti no toque de mão de Alexander-Arnold bloqueando o chute de El Shaarawy aos 17 minutos do segundo tempo. 3 a 2 com mais 28 minutos além dos acréscimos poderiam ter feito muito mais estragos que os gols de Nainggolan nos minutos finais que decretaram os 4 a 2.

O belga foi o personagem da partida também pela falha na saída para o ataque que culminou no contragolpe do gol do time visitante que abriu o placar. Mas a Roma mereceu todo o reconhecimento de seu torcedor ao final da partida. Foram 58% de posse, 84% de acerto nos passes e 23 finalizações contra 11 – seis a cinco no alvo. Foi além do limite.

Exatamente o que parece o mais indicado para o Liverpool na final contra o Real Madrid em Kiev. Futebol no volume máximo, pressão e aceleração. Recupera e aciona o tridente letal. Sem parar, Até cansar. Assim foi irresistível na temporada.

Mas é campo neutro, não Anfield Road. Uma final gigante envolvendo 17 títulos da principal competição da Europa. Diante do atual bicampeão, equipe técnica, com jogadores que desequilibram e que costumam se impor com incrível força mental. Não é tão simples encarar de peito aberto e expor contra Cristiano Ronaldo e seus companheiro uma defesa capaz de jogadas grotescas como o chute tresloucado de Lovren na própria área que bateu no rosto de Milner e empatou para a Roma.

O que fazer? Ser racional ou dar vazão aos próprios instintos? Tentar conter o favorito ou atacá-lo como se não houvesse amanhã? Atura ou surta? Como se comportar? Jurgen Klopp tem 24 dias para decidir o que fazer.

 


Liverpool é um carro só com acelerador e Klopp, o Nigel Mansell do futebol
Comentários Comente

André Rocha

Quem acompanhava a F-1 nos tempos de Ayrton Senna e Nélson Piquet certamente se recorda de Nigel Mansell, piloto inglês que a Williams tentou fazer campeão mundial na segunda metade dos anos 1980 e só conseguiu em 1992. No ano seguinte, partiu para a Fórmula Indy, sendo campeão no primeiro ano.

Apelidado de “Leão”, é considerado por muitos o piloto mais louco da história do automobilismo por disputar provas com campeões como a dupla brasileira, Alain Prost e Niki Lauda pisando fundo no acelerador e partindo para cima, mesmo sem a técnica dos concorrentes. Por isso protagonizou “pegas” épicos e também cometeu erros bizarros, como disparar na ponta, empilhar voltas mais rápidas…e acabar a prova sem combustível a curvas da bandeirada final.

Jurgen Klopp é treinador, não piloto. Time de futebol não é carro. Mas cabe o paralelo. Porque o Liverpool do técnico “maluco beleza” parece só ter acelerador.

Nos 5 a 2 sobre a Roma no Anfield Road, o time italiano conseguiu conter a explosão do adversário negando espaços com um 5-4-1 sem a bola. Os Reds sofreram e sentiram mais ainda com a saída por lesão logo aos 15 minutos de Oxlade-Chamberlain, um dos meias do 4-3-3 que acionam o tridente Salah-Firmino-Mané.

Mas quando enfim encontrou a brecha para ligar o turbo…Dois de Salah, outro par de Firmino e um de Mané. Atacantes que agora totalizam 89 gols e 40 assistências no universo dos 122 em jogos oficiais. Na Liga dos Campeões, são dez de Salah e Firmino, oito de Mané.

Pressiona e acelera. Jogo direto até chegar ao trio da frente. Firmino se mexe e abre espaços, Salah e Mané infiltram em diagonal. Maneira de jogar que curiosamente ganhou encaixe com a saída de Philippe Coutinho. Ainda que o brasileiro seja meia que pensa correndo, a equipe inglesa na formatação atual parece ter incorporado de vez a essência de seu treinador.

Os efeitos colaterais desta intensidade máxima, porém, também se fizeram presentes. Klopp costuma dizer que prefere um futebol mais rock and roll. Mas às vezes parece um produtor que coloca todos os instrumentos na distorção e grava o resultado. Quando é preciso pisar no freio, diminuir o volume, controlar o jogo com a bola ou negando espaços aos adversários o rendimento sempre cai.

Contra o City na fase anterior, o segundo tempo depois dos 3 a 0 nos primeiros 45 minutos do jogo de ida só não foi mais complicado porque o time de Guardiola não conseguiu transformar o domínio e os espaços em finalizações e gols. Na volta no Etihad Stadium, a primeira etapa podia ter causado muito mais estragos caso os citizens fossem mais contundentes.

Os gols de Dzeko e Perotti, de pênalti, foram consequência da redução de ritmo. Também da saída de Salah, administrando o desgaste por conta deste ritmo insano. Cansado e sem o melhor jogador da Premier League e candidato a grande rival de Messi e Cristiano Ronaldo como o craque da temporada, o time da casa transformou uma classificação encaminhada para a final na esperança de novo “milagre” na capital italiana. No apito final, alegria dos romanistas e preocupação da torcida do time vencedor.

Só que o Liverpool tem jogo físico e contragolpe letal, algo que faltou ao Barcelona no Estádio Olímpico. A chance dos italianos é o treinador alemão reprimir o próprio instinto em nome do resultado. Se acelerar e partir para a troca de golpes como se não houvesse amanhã, nem vantagem, a chance de surpresa diminui bastante.

Porque Klopp é o Nigel Mansell do futebol. Um leão que só ruge na velocidade máxima.


Nem Deus, nem farsa. Pep Guardiola é apenas o melhor em 10 anos de carreira
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Laurence Griffiths/Getty Images

Há muita romantização em torno da figura de Pep Guardiola. Alimentada por uma certa carga dramática e poética de Martí Perarnau em seus livros sobre o treinador, ainda que ele também desconstrua alguns mitos. Especialmente o de que é um esteta que despreza os resultados em nome da arte de jogar futebol.

A conquista da Premier League pelo Manchester City é o sétimo título em campeonatos nacionais por pontos corridos. Ou oitavo, se considerarmos a primeira experiência no Barcelona B campeão da terceira divisão espanhola. Em dez anos de carreira, com o hiato em 2012/13.

Com as duas Ligas dos Campeões que conquistou no Barça, o currículo construído até aqui é invejável. 23 títulos no total. José Mourinho tem 18 anos de carreira, Jurgen Klopp um a menos que o português, Carlo Ancelotti há 23 no comando técnico, 16 a menos que Jupp Heynckes. Antonio Conte tem uma temporada a mais que Guardiola. Mas nenhum chega perto na média de conquistas por temporada. Zidane com suas duas Champions e a liga espanhola pelo Real Madrid é quem parece competir nos resultados imediatos. Mas há um fator preponderante além dos títulos que separa Pep de seus pares: a influência na evolução do jogo.

Ele mesmo admite não ter inventado nada, só recombinado ideias. Mas basta um olhar mais atento à prática do esporte nos últimos dez anos para notar a mão do catalão. Tanto na proposta que virou a sua marca, com o jogo de posição através da construção desde a defesa com passes buscando a superioridade numérica no setor em que está a bola e a pressão sufocante após a perda, como nas respostas dos adversários.

A partir do “ônibus” de Mourinho até o caos de intensidade e pressão de Klopp. O maior mérito de Guardiola foi gerar ainda mais inquietação e busca de novas soluções em um esporte que se transforma o tempo todo. Com ele o futebol evoluiu 30 anos em dez. Eis o ponto de sua genialidade.

Talento que incomoda. Talvez por não fazer parte da elite do futebol mundial em termos de seleções: Brasil, Alemanha, Itália e Argentina. O que os gigantes teriam a aprender com um cara da Catalunha? Os tradicionalistas ou puristas preferem o jogo mais lúdico, menos intenso. Outros o mais físico, de choque. Ou simplesmente o costume no futebol de torcer pelo lado mais fraco.

Mas Guardiola não é infalível, longe disso. A obsessão pela vitória tem atrapalhado na Liga dos Campeões. Os relatos de Perarnau em seus livros descrevem um homem atormentado, dando voltas e voltas em torno do próprio time e do oponente em busca de algo diferente para surpreender. Não tem dado certo e já são cinco eliminações seguidas. Na maioria das vezes contando com o melhor jogo coletivo do continente.

Mas pecando em escalações e estratégias, passando do ponto, tirando naturalidade e carregando tensão em seus comandados. Sucumbindo diante de Cristiano Ronaldo, do “pupilo” Messi, da fortaleza defensiva de Simeone, do “one hit wonder” do Monaco e do “maluco beleza” Klopp.

Algo para melhorar, aprender. E Guardiola é louco por aprendizado e crescimento profissional. Não é e nunca foi um homem acomodado e “engenheiro de obra pronta” como acusam seus “haters”. Basta um resgate histórico feito com honestidade para posicionar as coisas.

Ele chegou ao comando do time principal do Barcelona depois de temporadas fracassadas de Frank Rijkaard. Elenco desgastado e envelhecido. Deco e Ronaldinho Gaúcho saíram e ele reconstruiu a equipe que tinha, sim, algumas estrelas. Mas não para automaticamente se transformar em uma equipe histórica, a melhor que este blogueiro viu em ação acompanhando futebol há mais de três décadas.

É óbvio que Guardiola estava bem confortável em Barcelona. Conhecia o clube e o que fez foi apenas acrescentar ou resgatar elementos da filosofia implementada por Johan Cruyff. Potencializou todos os talentos e criou uma simbiose quase perfeita. Natural que as grandes conquistas tenham sido em seu “berço” logo no início de sua trajetória no ofício de liderar fora de campo.

Mas ao analisar sua partida para Munique é preciso contextualizar o momento do acerto. Final de 2012. A realidade do Bayern era a perda da hegemonia nacional para o Borussia Dortmund de Klopp, então bicampeão nacional, e a derrota dura nos pênaltis para o Chelsea na final da Champions em casa. Heynckes questionado e partindo para a aposentadoria. O clube queria reciclar sua maneira de praticar o esporte e, claro, voltar a vencer.

O primeiro semestre de 2013, porém, apresentou o cenário de um time bávaro faturando a tríplice coroa e se impondo como o modelo. Guardiola chegou como contracultura e sofreu uma resistência maior do que a esperada. Aquilo citado acima: os alemães ganharam tudo sem Pep, por que teriam que se curvar a ele?

Direção, jogadores e o responsável pelo comando técnico acabaram aprendendo juntos e cresceram. Sobraram na Bundesliga, também pelo enfraquecimento do rival Dortmund que perdeu as maiores estrelas justamente para o Bayern. Viraram referência de futebol bem jogado no planeta e influenciaram diretamente no estilo da Alemanha campeã mundial, assim como o Barcelona fizera com a Espanha quatro anos antes.

Agora o Manchester City. Clube menos tradicional em uma liga bem mais parelha, embora não superior em técnica e tática à espanhola. Sofrimento na primeira temporada pela total falta de controle das partidas através da posse. Também por conta de um elenco envelhecido e desalinhado às ideias do treinador. Era preciso aprender e se adaptar. Com o Chelsea de Conte tomando a liderança e disparando, os detratores foram implacáveis: “Acabou a moleza dos campeonatos de um time só!”

Pois Guardiola fez sua equipe reinar absoluta em 2017/18. Conquista com cinco rodadas de antecedência, apenas duas derrotas. Números e desempenho impressionantes. E ainda faturando a Copa da Liga de carona.

Sim, gastando mais do que os outros. Mas rendendo bem acima na média do que a diferença entre os orçamentos. Tornando o time mais objetivo quando necessário e circulando a bola com mais velocidade. Na base titular com apenas dois acréscimos em relação à temporada passada: Ederson no gol e Walker na lateral. No mais, quase sempre um 4-3-3 com jogadores amadurecidos dentro da ideia de jogo. Especialmente De Bruyne, o melhor na média de atuações.

De novo os críticos reduzem o feito como se o Inglês de uma temporada para outra tivesse se transformado numa Bundesliga ou Ligue 1. A única semelhança é que um time reinou absoluto. O melhor, disparado. 88% de aproveitamento, ataque mais positivo e defesa menos vazada. Líder em posse de bola, acerto de passes, finalizações. Incríveis 28 vitórias em 33 partidas. Na liga mais parelha e dos jogos malucos.

Para ratificar a distância, os simbólicos 3 a 1 sobre o forte Tottenham em Wembley depois da traumática eliminação na Champions para o Liverpool, enquanto o United de Mourinho perdeu vergonhosamente em casa para o lanterna West Bromwich. A matemática apenas confirmava o óbvio.

Mais uma conquista para a década de Guardiola. Genial, sim. Mas com muito a amadurecer e corrigir. Ainda é jovem, embora a fisionomia cansada já revele sinais do enorme desgaste mental. Vai ganhar minutos, rodagem, enfrentar novos cenários. Crescer.

Nem Deus, nem uma farsa. Humano, porém na justa primeira prateleira pela contribuição ao jogo respaldada por resultados consistentes. Como nenhum outro, ao menos por enquanto. Tão bom que até quem o detesta exige o impossível que parece menos improvável para ele: vencer tudo e com o “plus” do espetáculo.

Amado e odiado. Simplesmente por ser o melhor entre seus contemporâneos. Nada mais, nem menos.


Semifinais têm tira-teima entre Bayern e Real e reedição de final
Comentários Comente

André Rocha

Mais um confronto entre Bayern de Munique e Real Madrid na Liga dos Campeões. E um tira-teima: foram 24 duelos, com 11 vitórias para cada lado e dois empates. Sétimo duelo pelas semifinais, com quatro triunfos do time bávaro. O último, porém, foi emblemático como um marco da era de domínio do time merengue nos últimos tempos: o Real atropelou o Bayern de Guardiola em 2014 com um 4 a 0 histórico na Allianz Arena.

Para apimentar, a polêmica das quartas-de-final da edição passada por arbitragens confusas que prejudicaram mais a equipe alemã. Ou seja, clima de revanche.

E o grande teste para o time de Jupp Heynckes, apesar de ter encarado o PSG, ainda com Neymar, na fase de grupos. Mas no mata-mata, a trajetória foi menos complicada contra Besiktas e Sevilla. Em tese, porque, na prática, contra os espanhois foi sofrido, com dois gols em bolas desviadas e 0 a 0 em Munique.

Para o Real, mais uma vez o grande confronto da fase. Primeiro o PSG, depois a Juventus e agora o Bayern. Com o alerta de uma quase eliminação em casa para a pentacampeã italiana. Com o trunfo da força mental e da confiança pelas conquistas recentes.

São times experientes e inteligentes, que sabem variar posse de bola e transições em velocidade. O fator de desequilíbrio, mais uma vez, pode ser a absurda eficiência de Cristiano Ronaldo nas finalizações. Foram cinco gols na última eliminatória entre os dois. Mas qualidade não vai faltar no clássico mundial.

É duelo de estrelas e camisas pesadas. Com foco total das equipes, já que o Bayern já é campeão alemão e o Real não tem mais chances de conquistar a liga espanhola. Reencontro de James Rodríguez com o time que ainda possui seus direitos econômicos. Muito em jogo!

Favoritismo do Real Madrid pelo domínio do atual bicampeão e por definir em seu estádio. Mas é dever respeitar o Bayern de Heynckes, que pode repetir a tríplice coroa de 2012/13.

Já Liverpool e Roma farão o confronto entre as “zebras” que mandaram Manchester City e Barcelona de Pep Guardiola e Lionel Messi para casa. Classificações com autoridade, especialmente do time inglês que venceu no Anfield Road e no Etihad Stadium. 5 a 1 em 180 minutos.

Reencontro de Mohamed Salah com seu ex-time. Na melhor fase da carreira, é jogador para fazer a diferença. Pela direita ou no centro do ataque, como no triunfo em Manchester. Com perfeito entendimento com Firmino e Mané no 4-3-3 armado por Jurgen Klopp.

Mas a Roma, que superou Chelsea e Atlético de Madri na fase de grupos, mandando os espanhois para a Liga Europa, e alcançou o “milagre” nos 3 a 0 sobre o Barcelona em casa merece o máximo respeito. Ainda que só tenha vivido uma semifinal no torneio continental. Exatamente em 1983/1984, quando chegou à decisão…contra o Liverpool, que venceu nos pênaltis por 4 a 2 depois do empate por 1 a 1. Conquista da então Taça dos Campeões.

Agora, os Reds têm o ataque mais positivo e também a defesa menos vazada em sua campanha invicta. Mas o jogo físico e direto buscando Dzeko contra os zagueiros pode causar estragos diante de uma retaguarda bem protegida, mas que se complica no confronto direto com os atacantes. Ainda mais na volta no Estádio Olímpico.

Tradição conta, mas não tanto. Independentemente do peso da camisa, o Liverpool é favorito natural pelo que fez até aqui. Desempenho muito consistente, com 10 a 1 no mata-mata. Autoridade e personalidade. Mas vai precisar novamente se impor em casa para não sofrer na capital italiana.

O palpite do blog é Real Madrid e Liverpool repetindo a decisão de 1980/81 no dia 26 de maio, em Kiev.

 

 


Será que Guardiola “pirou” de novo em um jogo grande de Champions?
Comentários Comente

André Rocha

Nos livros “Guardiola Confidencial” e ” A Evolução”, o autor espanhol Martí Perarnau descreve o trabalho de Pep Guardiola na preparação do Bayern de Munique para os jogos ao longo das temporadas. Observação, estudo, reuniões com auxiliares.

Nesta descrição um detalhe chamou a atenção nas duas obras: nos jogos em que foi eliminado na Liga dos Campeões, o treinador ficou obsessivo pelos adversários em busca de soluções para surpreendê-lo. Pilhado demais, como ele mesmo admitiu,  mudou sistema, time e/ou proposta.

Contra o Real Madrid em Munique armou o time bávaro praticamente num 4-2-4 e deixou espaços generosos para os contragolpes da equipe merengue; diante do Barcelona do trio MSN no auge, iniciou com três defensores atentos aos atacantes adversários em busca de superioridade no meio-campo; contra o Atlético de Madri, a aposta em um time de posse de bola fora de casa para controlar o jogo, mas sem contundência na frente. Três derrotas que custaram caro. Uma passagem sem concretizar o grande sonho do clube: voltar a vencer o maior torneio de clubes do mundo e encerrar o domínio espanhol.

Agora no Manchester City. Na temporada passada, período de adaptação e a eliminação para o Monaco nas oitavas de final. Surpresa e decepção para os citizens, mas não exatamente um confronto que tirasse o sono do treinador catalão. Já na edição 2017/18, um duelo inglês contra o Liverpool pelas quartas de final depois de despachar o Basel na fase anterior.

Mais um embate com Jurgen Klopp, que quase sempre impõe dificuldades aos times de Guardiola com a intensidade máxima e a marcação obsessiva no campo de ataque, tão logo perde a bola. Era óbvio que no Anfield Road o treinador alemão repetiria a fórmula, até pelo sucesso na última partida entre as equipes: 4 a 3 em Liverpool. A única derrota do City na Premier League.

O que fez Guardiola? Nem Sterling, nem Bernardo pela direita. A opção por Gundogan, armando um losango no meio-campo com Fernandinho plantado e David Silva mais adiantado. Deixando Walker isolado pela lateral, na defesa e no apoio. Entregue à própria sorte. Do lado oposto, a escalação do fzagueiro francês Laporte mais fixo no setor por onde circulava Salah, o grande destaque individual dos Reds na temporada. Um defensor mais lento, sem muitos minutos como titular e rodagem.

Alguém entendeu? Talvez tenha sido a obsessão de gerar superioridade numérica no meio-campo para controlar o jogo através da posse de bola e sofrer menos. Mas em um jogo naturalmente tenso, com um componente emocional muito forte e fora de casa, tirar a naturalidade do time na execução do seu modelo de jogo não parecia uma boa solução.

Não foi. Até pela competência do Liverpool no “perde-pressiona”. Poucos times no mundo viram a chave tão rapidamente e mudam o comportamento coletivo de construção de jogadas para a busca do desarme ou interceptação no campo de ataque. Sem contar a movimentação de Roberto Firmino às costas de Fernandinho, como um autêntico “falso nove” no 4-3-3 do time da casa.

Com o lateral Robertson voando com Mané para cima de Walker e Salah buscando o centro do ataque em movimentos precisos complicando Laporte, o Liverpool abriu 3 a 0 em 30 minutos. Salah, Oxlade-Chamberlain e Mané. Três das quatro finalizações na direção da meta de Ederson, num total de oito contra três do City, que teve 56% de posse e 79% de efetividade nos passes. Mas não finalizou no alvo em 45 minutos.

Faltou contundência na segunda etapa quando impôs seu estilo aproveitando o cansaço do oponente e a lesão de Salah. Guardiola demorou, mas corrigiu ao menos o problema pela direita com a óbvia entrada de Sterling na vaga de Gundogan. Seguiu forçando demais o jogo pela esquerda com Sané e criou algumas situações, mas o virtual campeão inglês parecia sem confiança. Jogadores errando mais que o habitual.

Talvez fosse o tamanho da partida. Ou a insegurança de Guardiola na montagem da equipe. Será que o treinador “pirou” de novo em um jogo grande de Champions? Só saberemos se Pep contar a Perarnau ou a outro jornalista os seus conflitos antes da partida.

Seja como for, o Liverpool vai a Manchester com vantagem considerável. Mas não definitiva. Porque o City jogando ao natural em seu estádio tem qualidade e volume de jogo para reverter. A dúvida é se outra novidade pode surgir da mente do inventivo comandante para tirar o próprio time do eixo. Quem vai saber?

(Estatísticas: UEFA)

 


Quartas de final da Champions só não têm favorito no duelo inglês
Comentários Comente

André Rocha

Barcelona x Roma  – Confronto com favoritismo claro. O Barcelona invicto no Espanhol e na Liga dos Campeões, com Messi voando, pega o adversário em tese mais frágil. Mas que merece respeito por ter fechado a fase de grupos na liderança de um grupo com Chelsea e Atlético de Madri e eliminando este último. O jogo na capital italiana terá que ser bem controlado pelo time catalão se quiser voltar à semifinal depois dos fracassos nas duas últimas disputas nesta etapa contra Atlético e Juventus. Mas são equipes em prateleiras diferentes no futebol mundial.

Palpite: Barcelona

Sevilla x Bayern de Munique – Desde o título em 2013, com Jupp Heynckes, o Bayern de Munique foi eliminado nas últimas quatro temporadas por espanhois. Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madri. Agora o adversário é o Sevilla, cinco vezes campeão da Liga Europa, mas longe de ter o mesmo peso na Champions. Merece respeito por ter eliminado o Manchester United e, pela disparidade na Bundesliga, é sempre complicado avaliar o poderio do time bávaro. Mas é impossível não tratar o gigante alemão como favorito.

Palpite: Bayern de Munique

Juventus x Real Madrid – Reedição da final da temporada passada. Com os dois times crescendo em desempenho e resultados. O atual bicampeão europeu carrega uma vantagem inegável: a força mental. Confiança pelas conquistas recentes e também a chance de priorizar o torneio continental, já que a Juventus tomou há pouco do Napoli a liderança da Série A do Calcio. Favoritismo merengue, mas é bom lembrar: no último confronto em dois jogos deu Juventus, na semifinal de 2014/15.  Justamente a única eliminação do Real nas últimas quatro edições.

Palpite: Real Madrid

Liverpool x Manchester City – A campanha fantástica do time de Pep Guardiola na Premier League só não é invicta em 30 jogos por causa de uma derrota: os 4 a 3 impostos pelo Liverpool no Anfield Road, talvez no melhor jogo da temporada 2017/18 na Europa. Adicione a isso a camisa cinco vezes campeã da Liga dos Campeões de volta ao mata-mata e Jurgen Klopp, treinador que quase sempre proporciona duelos equilibrados com os times de Guardiola, e temos o único confronto das quartas sem favorito. Apesar dos 21 pontos de vantagem na liga nacional que refletem o abismo de desempenho e da maior experiência dos jogadores do time azul de Manchester na Champions.

Palpite: Manchester City


PSG vive em março um fim de festa. Tem que rever projeto, com ou sem Neymar
Comentários Comente

André Rocha

O Paris Saint-Germain goleou o lanterna Metz por 5 a 0 no primeiro jogo de “luto” após a eliminação da Liga dos Campeões. Mantém os 14 pontos de vantagem sobre o Monaco na liderança da Ligue 1. É favorito também na Copa da França e na Copa da Liga.

Mas e daí? O foco era a Champions. A obsessão. Ainda que o título francês marque a recuperação da hegemonia nacional, o clima já é de decepção, fim de temporada. Muitas especulações de saídas. Sobre Neymar esfriaram um pouco por conta da lesão. Já Unai Emery está mesmo se despedindo do clube. A rigor, nem devia ter permanecido depois de sequer vencer a liga na temporada passada, sem contar a tragédia contra o Barcelona.

A tendência é que o clube defina o novo treinador e consulte o comandante sobre reformulação ou não do elenco. Mas tudo isso já em março?

PSG precisa refazer seu projeto. Palavra banalizada no Brasil pelo nosso amadorismo de todo dia, mas que deve ser levada muito a sério por quem despeja milhões de euros em um clube de futebol. A meta principal, inevitavelmente, será a conquista do principal torneio de clubes do planeta.

Mas os valores podem ser revistos. Não só os financeiros. Unir individualidades em torno do coletivo. Transformar a evolução da equipe com conteúdo tático como a alavanca para manter o foco. Sair um pouco dos resultados, concentrar mais no jogo.

Assim a construção das vitórias na liga seria mais tranquila e a campanha na Champions encarada de forma natural, parte do processo. Sem aumentar a pressão que já é enorme.

Olhando para o desempenho, além da fragilidade mental que é nítida, uma deficiência salta aos olhos: como o PSG defende mal pelos flancos! Até contra o fraquíssimo Metz no Parc des Princes levou alguns sustos nas costas de Berchiche pela esquerda. Muito pela indolência de quem joga na frente. Seja a estrela Neymar ou Nkunku, o garoto em busca de espaço que marcou dois gols.

Se priorizar o trabalho tático, a disparidade abissal entre as equipes francesas continuaria sendo relativizada, mas o acerto nos movimentos defensivos seria um parâmetro mais seguro que a fragilidade dos ataques adversários. Nesta temporada, o PSG venceu várias partidas marcando “com os olhos” e quando chegou na competição continental, especialmente contra o Bayern em Munique e nos confrontos com o Real Madrid, a verdade veio inexorável. Até cruel.

É hora do dinheiro formar um time na acepção da palavra. Começando pelo treinador. Se este que escreve assinasse o cheque iria atrás de Jurgen Klopp. Não só pela competência, mas pelo carisma para agregar e dar fogo e intensidade ao que parece tão morno.

Acima de tudo, fazendo o coletivo potencializar o talento. Com ou sem Neymar. Ou qualquer outra estrela. É urgente.

 

 


Bayern de Heynckes merece respeito, mas será difícil repetir feito de 2013
Comentários Comente

André Rocha

A expulsão de Domagoj Vida aos 16 minutos obviamente tornou ainda mais desigual o confronto na Allianz Arena e o Besiktas de Vágner Love não tinha como resistir. Com os 5 a 0 construídos com o primeiro gol, de Thomas Muller, no final do primeiro tempo e mais quatro no segundo  – outro do camisa 25, dois de Lewandowski e um de Coman – o Bayern de Munique encaminhou a vaga nas quartas de final da Liga dos Campeões.

Mais que isso, aumenta a série de vitórias para 14 desde a derrota por 2 a 1 para o Borussia Monchengladbach. A única de Jupp Heynckes desde que deixou a aposentadoria aos 72 anos para suceder Carlo Ancelotti até o final da temporada – até aqui sem chances de renovação de contrato.

No total, 22 triunfos, um único revés e só um empate , contra o Leipzig pela Copa da Alemanha, mas com classificação na disputa por pênaltis. 63 gols marcados, quase três por jogo, e 17 sofridos, menos de um por partida. Impressionantes 93% de aproveitamento que aumentam a esperança de repetir a tríplice coroa de 2012/2013. Com um time inesquecível para os bávaros e marcante para o futebol mundial, mesmo que por apenas uma temporada.

Porque foi o “pai” do futebol por demanda. O time alemão era um camaleão, perfeitamente adaptável às necessidades de cada jogo. Sabia jogar na paciência com posse ou na fúria com agressividade e muita velocidade. Atropelou o Barcelona na semifinal da Liga dos Campeões com 7 a 0 no agregado e menos de 40% de posse de bola na média.

A equipe atual também é fléxivel. Pode trocar passes no ritmo de James Rodríguez ou abusar das jogadas pelos flancos, como na segunda etapa para cansar e abrir o Besiktas: Robben e Coman nas pontas fazendo duplas com Kimmich e Alaba procurando Muller e Lewandowski na área.

Na Bundesliga sobra com 19 pontos de vantagem no topo da tabela e liderando em posse, acerto de passes e finalizações. No torneio continental é top 5 em tempo com a bola, aproveitamento nos passes e vitórias no jogo aéreo. Também lidera nas finalizações.

No duelo mais forte até aqui, impôs os mesmos 3 a 1 sobre o PSG que o Real aplicou na semana passada. Ainda que os dois estivessem classificados, o jogo foi tratado como teste importante e o time alemão mostrou força. Tolisso foi destaque e ontem começou no banco entrando na segunda etapa. O elenco é robusto.

No entanto, mesmo com todos os predicados listados acima, a missão agora é mais complicada do que há cinco anos.

Primeiro porque não existe a “fome” daquela época. O Bayern havia perdido na temporada anterior a final da Champions em casa para o Chelsea nos pênaltis e sofreu com o Borussia Dortmund de Jurgen Klopp bicampeão alemão. Havia motivação também nos jogadores que formavam a base da seleção em busca da conquista que consagraria essa geração. No ano anterior, eliminação na semifinal da Eurocopa para a Itália.

Agora há um título mundial no currículo dos que seguem no clube, mais um pentacampeonato nacional caminhando para um inédito hexa. Heynckes também não conta com dois pilares fantásticos: Lahm e Schweinsteiger. Praticamente insubstituíveis. Sem contar a ausência do lesionado Neuer, mesmo com as boas atuações do goleiro Sven Ulreich.

Mas principalmente por não haver no país um rival tão forte como era o Dortmund. Vice alemão com 25 pontos a menos, mas finalista da Liga dos Campeões. Ou seja, alguém para medir forças e subir o nível. Agora não existe este opositor, tanto que não há outro alemão disputando o mata-mata. A falta de concorrência tem atrapalhado quando o principal torneio de clubes do planeta afunila.

Ainda assim é bom respeitar o velho Heynckes e sua química com a equipe de Munique. De novo sem alarde e o poder midiático dos tempos de Pep Guardiola, mas com camisa e qualidade para desafiar qualquer um na Europa. Quem sabe para consagrar de novo a aposentadoria do treinador?

(Estatísticas: WhoScored.com)