Blog do André Rocha

Arquivo : kompany

Gol contra e “pane” de Fernandinho pesaram mais que a mudança de Martínez
Comentários Comente

André Rocha

Tostão costuma dizer em suas colunas que o futebol muitas vezes é mais simples e tem seus desdobramentos movidos muito mais por aleatoriedades e acasos do que propriamente por algo planejado ou pela estratégia dos treinadores.

Este blogueiro já desconfiou mais desta tese, mas quanto mais vê o jogo acontecer mais passa a crer nesta visão de quem esteve lá dentro e tem inteligência e sensibilidade para perceber os detalhes que muitas vezes escapam aos nossos olhos.

Em todo mundo pululam análises da vitória da Bélgica sobre o Brasil que carregam como elemento central o fator surpresa da formação de Roberto Martínez num 4-3-3 com Lukaku pela direita, De Bruyne como “falso nove” e Hazard à esquerda. Um tridente ofensivo que não voltava na recomposição e ficava pronto para as saídas em velocidade. Sem dúvida algo incômodo e inesperado para Tite e seus comandados. Mas será que foi tão decisivo assim?

A dúvida ao rever a partida com mais serenidade e distanciamento nasce pelo fato de que até os 13 minutos de jogo em Kazan o que se via eram duas equipes tensas e ainda se adequando ao novo cenário. O Brasil saía do plano inicial, mas a Bélgica também tinha adaptações a fazer, como voltar a se defender com quatro homens atrás depois de vários jogos com linha de cinco. Mas principalmente se fechar apenas com sete jogadores e tendo Fellaini e Chadli como elementos novos e com funções diferentes das executadas na virada sobre o Japão.

O problema era o lado direito, com Meunier contando com o apoio de Fellaini e a cobertura de Alderweireld contra Marcelo, Philippe Coutinho e Neymar. Pouco. Por ali a seleção brasileira criou espaços e conseguiu o escanteio cobrado por Neymar aos oito minutos. Desvio de Miranda e Thiago Silva, meio no susto, acertando a trave direita de Courtois.

Até os 13, a Bélgica encontrou, sim, espaços às costas do meio-campo brasileiro que também tentava se ajeitar com a entrada de Fernandinho na vaga de Casemiro. Plantado à frente da defesa no 4-1-4-1 habitual de Tite. Desta maneira que saiu o escanteio. Passe do De Bruyne, chute de Fellaini.

Assim como ficou claro em outros momentos do jogo, Martínez trabalhou a cobrança na primeira trave. Sabia das fragilidades da retaguarda adversária na bola aérea. Mas Kompany não conseguiu desviar o centro de Chadli. O gol contra foi de Fernandinho.

Logo ele. Personagem central da sequência de gols alemães no 7 a 1 do Mineirão. Foi nítido o efeito devastador na força mental do volante. A concentração tão exigida por Tite havia caído por terra. Não só do jogador do Manchester City, mas da defesa que ficou desguarnecida. Que já tinha um ponto sensível com Fagner no mano a mano com Hazard. Neste cenário, a ausência de Casemiro se fez mais impactante. E a presença de Marcelo, retornando depois de duas partidas com Filipe Luís como titular, mais desnecessária pelos espaços que deixava às suas costas. O sistema de cobertura com Miranda saindo e o volante fechando a área se perdeu.

Abalado também por ficar em desvantagem pela primeira vez no torneio, o time verde e amarelo sofreu contragolpes seguidos, mas o do segundo gol, curiosamente, não teve Lukaku à direita e De Bruyne centralizado. O centroavante buscou a bola no centro e arrancou deixando Paulinho para trás. Sem confiança e força física para a disputa, Fernandinho ficou pelo caminho. Marcelo optou por fechar o “funil” e deixou todo o lado direito para Meunier e De Bruyne, que acertou um petardo na bochecha da rede.

O resto é história, inclusive a pressão brasileira que poderia ter resultado no empate ou até na virada. Com a Bélgica mantendo a estratégia e sofrendo demais para sustentar a vantagem. A equipe de Tite corrigiu o setor defensivo, Miranda ganhou todas de Lukaku e ofensivamente teve volume e espaços para criar e finalizar. Os europeus se reduziram à luta e às defesas de Courtois. A mais espetacular em chute com efeito de Neymar. Renato Augusto e Coutinho perderam chances com liberdade e de frente para o gol. Acabou sendo a diferença no placar das quartas de final.

Nada que tire os méritos da Bélgica semifinalista. Aproveitar as instabilidades do oponente também é virtude e decide jogos. Ainda mais os eliminatórios, tantas vezes definidos pelas individualidades e pelo componente emocional.

Por isso a dúvida que ficará para sempre. O que matou o Brasil: o gol contra de Fernandinho que tirou confiança do volante e escancarou a defesa ou a surpreendente mudança de Martínez? Pelo visto, a história das Copas do Mundo já escolheu a versão mais sedutora: o inesperado. Ou o “nó tático”.

Este que escreve, mesmo valorizando a tática e a estratégia, tende a seguir a lógica de Tostão desta vez, ainda que o campeão mundial em 1970 tenha colocado os dois fatores na balança em sua análise e dado ênfase à ausência de um talento como De Bruyne no meio-campo brasileiro, o que também é uma visão mais que respeitável.

É díficil, porém, não colocar a bola que bateu em Thiago Silva e não entrou e a que Fernandinho jogou contra a meta do companheiro Alisson como os verdadeiros momentos chaves de mais uma eliminação brasileira em Mundiais.

 


Virada do United é para Guardiola repensar muita coisa, assim como Mourinho
Comentários Comente

André Rocha

A escalação inicial do City para o dérbi de Manchester deixava claro que o planejamento de Pep Guardiola era dividir esforços para garantir o título da Premier League e buscar a recuperação contra o Liverpool na Liga dos Campeões.

Bernardo Silva como “falso nove” com a clara intenção de buscar espaços entre a defesa e o meio-campo do United. Kun Aguero e Gabriel Jesus no banco, assim como Kevin De Bruyne descansando para Gundogan seguir no meio, com Fernandinho e David Silva.

A proposta funcionou por méritos na execução de seu modelo de jogo. Posse de bola e movimentação. Com o tempo, Bernardo foi para o lado direito e Sterling ficou mais adiantado no centro do ataque. Placar aberto na bola parada com Kompany e jogada bem trabalhada até Gundogan girar e tirar do alcance do goleiro De Gea.

O City pode reclamar de um pênalti no toque no braço de Ashley Young no início do jogo. Mas principalmente lamentar as quatro chances claras desperdiçadas por Sterling ao longo do jogo. Em especial as duas à frente do goleiro que poderia ter transformado os 2 a 0 no primeiro tempo em uma goleada que faria José Mourinho jogar a toalha em 45 minutos.

Período sem nenhuma agressividade dos Red Devils. Era assustadora a falta de intensidade três dias depois do Liverpool de Jurgen Klopp atropelar os citizens em 30 minutos com pressão absurda. O time de Mourinho esperava posicionado no 4-1-4-1, mas assistindo à troca de passes do rival. Permitiu nove finalizações, cinco no alvo. Não concluiu nenhuma vez. Zero. City sobrou com 66% de posse.

Não mudou muito no início do segundo tempo. Talvez tenha sido o que desligou o time de Guardiola do jogo. Relaxado, permitiu a bela articulação que terminou no gol de Pogba. E o jogo com 2 a 1 se transformou. Quem já deveria estar entregue com uma goleada se agigantou e a equipe que parecia absoluta e com título garantido se viu ameaçada. E aí a derrota na quarta-feira talvez tenha pesado na falta de confiança.

Outro de Pogba, o da virada com Smalling. Três das quatro conclusões na direção da meta de Ederson entraram, num total de cinco. Em 30 minutos o clássico de Manchester virou do avesso e só aí Guardiola mandou a campo Jesus, Aguero e De Bruyne. Mas mentalmente o cenário ficou adverso demais. No “abafa”, Aguero cabeceou para defesaça do goleiro espanhol do United e Sterling perdeu sua última chance, desviando na trave. Que tarde infeliz do atacante inglês!

E aí cabe a maior reflexão de Pep Guardiola: em dois jogos grandes, seu time pecou, entre outras coisas, pela falta de contundência na frente. Muito porque o treinador monta elenco e escala em função de sua visão de futebol. Prefere jogadores ágeis, rápidos, que façam a bola girar. No Bayern de Munique, até pela cultura do clube e da Alemanha, trabalhou com Lewandowski e Muller, dois goleadores mais típicos.

Mas, paradoxalmente, embora seus times marquem muitos gols, não são matadores. Daqueles que em quatro chances colocam duas nas redes. É preciso muito volume de jogo para aplicar goleadas. Foi a diferença que impediu o triunfo no Etihad Stadium.

Talvez por isso só tenha vencido a Liga dos Campeões com Messi, o jogador perfeito para Guardiola: rápido, habilidoso, adaptado ao jogo de posição…e um goleador implacável. Em duelos mais equilibrados é fundamental. Uma das explicações para a hegemonia europeia do Real Madrid de Cristiano Ronaldo.

Obviamente o City não é um time “arame liso” – cerca, mas não fura. Mas foi no dérbi, com 20 finalizações, seis no alvo e apenas dois gols. Não poderá ser na terça-feira de novo em Manchester. Guardiola que busque as soluções, inclusive para resgatar o ânimo de seus comandados depois de dois reveses doídos.

Grande virada do time de José Mourinho. Ficou a impressão de que não houve lá muita interferência do treinador na recuperação do United. Mas não deixa de trazer reflexões também para o treinador português.

Porque ficou provado que com uma postura mais agressiva sua equipe pode fazer suas estrelas desequilibrarem. Menos pragmatismo, mais coragem. Precisava acontecer com 2 a 0 contra? Com o título inglês praticamente perdido? Eliminado da Liga dos Campeões exatamente pelo excesso de cautela no confronto com um Sevilla, em tese, inferior? Algo a ser revisto.

Guardiola e Mourinho estão na história do esporte como responsáveis diretos pela enorme evolução do jogo. Cada um com sua contribuição. Mas o jogo segue e é preciso aprender sempre sem se escravizar às próprias convicções. O pecado do português há alguns anos.

Pep parece com a mente mais aberta,. Há, porém, o que pensar. Mesmo confirmando o título nacional daqui a duas rodadas e até virando as quartas do torneio continental contra os Reds.  Não há fórmula perfeita, por mais que se busque.

(Estatísticas: BBC)


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>