Blog do André Rocha

Arquivo : Libertadores

Já é hora de aceitar nossa alma copeira, caótica e amadora no futebol
Comentários Comente

André Rocha

Você já foi voto vencido em decisão importante dentro da família, em reunião no trabalho ou de condomínio? Sempre vem aquela sensação de frustração, mas depois você costuma aceitar a conviver com aquilo que rejeita ou apenas discorda da prática.

Pois assim acontece também com quem sonha no futebol brasileiro com um calendário organizado, uma liga nacional forte e rentável. Por pontos corridos para a grande maioria das divisões visando garantir uma temporada completa viabilizando um planejamento de acordo com as receitas. Sem os estaduais, ou ao menos reduzindo bastante as datas e sendo tratados como torneios de pré-temporada para os times grandes.

Mas como pensar nisso se o chamado torcedor médio, ou a média do pensamento da maioria das torcidas, valoriza os torneios regionais, especialmente por causa dos clássicos, e estes geram boa audiência para a emissora que detém os direitos de transmissão que, por isto mesmo, paga uma boa cota?

Como convencer o dirigente a peitar a sua federação se ele prefere a aliança que pode dar uma vantagem aqui, uma arbitragem favorável acolá e fazer uma média com a torcida, podendo dizer no final do ano, se tudo der errado, que ao menos venceu algo na temporada e o rival não?

Como defender uma temporada inteira para o time de menor investimento se, na maioria das vezes, o dirigente pensa que é melhor se garantir com a cota do estadual e a chance de enfrentar os grandes mais vezes ao invés de buscar um crescimento sustentável, ainda que as partidas mais rentáveis se limitem aos possíveis confrontos na Copa do Brasil?

Como pensar em uma liga forte se os clubes que mais investem priorizam os torneios de mata-mata e escalam reservas no que deveria ser o principal campeonato? De que adianta Zinedine Zidane, tricampeão da Liga dos Campeões com o Real Madrid, dizer que considera o título da liga espanhola da temporada 2016/17 o mais importante da sua curta carreira como treinador porque, segundo ele, a disputa por pontos corridos é a que, de fato, premia o melhor trabalho?

Aqui a lógica é que para vencer as copas bastam quatro ou oito jogos, enquanto no Brasileiro ainda falta um turno inteiro. “Dá tempo de recuperar”, “temos que pensar no tiro curto”. Imediatismo, urgência, torcidas “bipolares” e insanas querendo taças para ontem.

Como discutir trabalhos longos de treinadores se na maioria das vezes a “dança das cadeiras” beneficia a maior parte dos agentes no processo? O dirigente porque “não ficou parado vendo o barco afundar”, o jogador que se cansa dos métodos e da convivência desgastante e gosta do “fato novo”. Os próprios treinadores, ao menos os mais renomados, que reclamam, mas faturam nessa roda viva com bons salários e multas rescisórias altas. Ou mesmo a imprensa, que gera pautas e esquenta os noticiários com as demissões, especulações do novo nome e depois os debates se “agora vai” com o técnico da vez.

Como defender a renovação do mercado de treinadores se os jovens muitas vezes repetem os erros dos veteranos? Ou acabam se perdendo em idealizações, enquanto os mais vividos se adaptam à nossa realidade caótica. Como defender profissionais como Roger Machado e Fernando Diniz se os seus conceitos, ao menos por enquanto, não fizeram eco nos clubes pelos quais passaram e um Renato Gaúcho volta depois de dois anos curtindo a praia e usa seu carisma de maior ídolo da história do Grêmio para resolver com simplicidade problemas que parecem tão complexos? Como duvidar do “messias” Felipão no Palmeiras, ao menos no mata-mata?

Remar contra a maré às vezes cansa. Exigir organização e planejamento para que todas as partes de beneficiem é pregar no deserto enquanto cada um está preocupado apenas com o seu problema. É o nosso jeito, não é fácil mudar. Já é hora de entender, mesmo sem aceitar, a nossa alma no futebol. Copeira, caótica, amadora. Com espasmos aqui e ali de profissionalismo, mas sem algo mais duradouro. Não é acaso que aqui haja tanta “alternância de poder”, sem um clube construindo uma “dinastia”.

E tantos gostam por ter mais equilíbrio, sem a previsibilidade de outras grandes ligas pelo mundo. Ainda que o nível técnico não seja dos melhores. Aliás, o que mais tem por aqui é o fã do “futebol testosterona”. O jogo “pra macho”. Ou seja, porradaria, jogo direto, bola parada, lateral na área adversária, disputa física, ódio ao rival (leia-se inimigo), “contra tudo e todos”, inclusive a imprensa.

E tem que ser sofrido, senão não tem graça. Sem “nhenhenhe” de posse de bola, conceitinho, jogo bonito e outras “frescuras”. É o jogo de Libertadores! Não por acaso tantos odeiam Pep Guardiola e outros treinadores que tentam fazer diferente.

Então que seja! Uma hora a mão cansa de esmurrar a ponta da faca. Felizmente hoje temos acesso ao melhor que o futebol internacional pode oferecer – pela TV ou agora por streaming – para quem vê o jogo e os processos no esporte de outra forma. Dá para todo mundo ser feliz. Melhor assim.


Cruzeiro “cascudo” não perdoa erros do Flamengo pequeno nos jogos grandes
Comentários Comente

André Rocha

Fragilidade emocional, jogadas aéreas para se livrar da bola, gols perdidos e elos fracos falhando e facilitando a vida dos adversários. Tem sido a tônica do Flamengo nos últimos tempos em jogos grandes. O segundo tempo contra o Grêmio em Porto Alegre pela Copa do Brasil foi a exceção à regra. Talvez por isso exaltado com exagero.

O Cruzeiro pragmático e experiente não perdoaria, mesmo no Maracanã. Ainda que Thiago Neves tenha perdido gol incrível no primeiro tempo. Seria o segundo, depois de Arrascaeta aproveitar falha de Rodinei que deixou o camisa dez em condição legal para colocar nas redes.

O lateral direito rubro-negro novamente foi um dos pontos vulneráveis da equipe de Maurício Barbieri. Atacando e defendendo. Até cresceu no início da segunda etapa, mas depois voltou a nível costumeiro de atuações de um jogador que erra demais na tomada de decisão. O jogo também ficou grande demais para Jean Lucas, o substituto do suspenso Lucas Paquetá, e Marlos Moreno, opção do treinador deixando Vitinho no banco.

O Cruzeiro controlou espaços com duas linhas de quatro compactas e muitas vezes até Hernán Barcos recuando na própria intermediária. O Fla teve chance de empatar em cobrança de escanteio fechada de Diego e na cabeçada de Uribe no único centro preciso de Rodinei até sair para a entrada de Pará. Fora isso, viveu de bolas levantadas na área, especialmente de Diego, que novamente foi pouco criativo com bola rolando.

Barbieri mexeu tarde, com 18 minutos do segundo tempo. Quando o contexto da partida já era totalmente favorável à equipe celeste. Com Lincoln e Vitinho em campo, time no campo de ataque, mas errando demais. Com Raniel no lugar de Barcos, os visitantes ganharam profundidade e rapidez nos contragolpes. Com Rafinha na vaga de Robinho, mas fôlego no trabalho defensivo e na saída rápida.

Até Lucas Silva emendar e Thiago Neves desviar do goleiro, com Réver deixando o meia em condição legal. 2 a 0 construído com autoridade. Depois foi administrar o desespero do Flamengo com Fábio seguro e Dedé absoluto nas disputas por baixo e por cima. O time carioca teve 63% de posse, levantou 36 bolas na área e finalizou 12 vezes – cinco no alvo. O Cruzeiro concluiu nove, cinco no alvo. Cresceu com Raniel na frente e podia até ter marcado mais gols. No último ataque, Rafinha perdeu na frente de Diego Alves.

É bem provável que nem seja preciso. O Flamengo não parece ter força mental nem poder ofensivo para reverter a vantagem. Nos jogos grandes e parelhos vem se apequenando e as contratações milionárias dependem demais dos talentos da base para fazer o time se impor.

O Cruzeiro vai na direção contrária. Experiente, organizado, com trabalho consolidado de Mano Menezes. Tem tudo para seguir forte na Libertadores e também na Copa do Brasil. É time “cascudo”, que não alivia diante de quem erra tanto.

(Estatísticas: Footstats)


Grêmio sofre com “Everton-dependência”, mas segue vivo na Libertadores
Comentários Comente

André Rocha

O gol de Kannemann aos 43 minutos do primeiro tempo trouxe o Grêmio de volta a um jogo que parecia não tão complicado assim, mesmo no Centenário de Quilmes. Mas André perdeu gol feito e, na sequência, o jovem Juan Apaloaza acertou o efeito em um chute espetacular. Na bola parada, os 2 a 0 com o zagueiro Gaston Campi.

O Grêmio teve chances para empatar, com André e o seu substituto, Jael – escolha questionável de Renato Gaúcho, já que o centroavante que começou no banco foi muito bem contra o Flamengo e parecia com as características ideais para o contexto da partida. Com a expulsão do meio-campista Fernando Zuqui aos 31 minutos do segundo tempo, o tricolor gaúcho parecia muito perto do empate, mas não conseguiu transformar a pressão no gol que evitaria o revés.

Porque faltou Everton. Artilheiro do time na temporada com 11 gols, melhor relação finalização/gol do elenco, líder de dribles certos no Brasileiro. Partindo da esquerda é o homem da vitória pessoal, da infiltração em diagonal, do escape nos contragolpes. Com os adversários mais atentos e permitindo menos espaços entre meio-campo e defesa para Luan é o camisa 11 o jogador capaz de quebrar as linhas de marcação do oponente e transformar a posse de bola gremista em contundência na frente. Fundamental!

Sem ele, mesmo com o esforço do jovem Pepê – corretamente mantido por Renato depois da boa atuação nos 2 a 0 sobre o Flamengo, o Grêmio fica sem seu elemento desequilibrante, o que tenta algo diferente. E vem conseguindo. O time já havia sentido demais sua falta no segundo tempo em que foi empurrado para o próprio campo pelo Fla na Copa do Brasil e ficou sem a velocidade como desafogo até ceder o empate em casa. A falta de profundidade pela esquerda se agrava quando Marcelo Oliveira ocupa a lateral e não Bruno Cortez.

A “Everton-dependência” é mérito do jogador, mas também de Renato, que perdeu Pedro Rocha, destaque na reta final da conquista da Copa do Brasil em 2016, e ajudou a aprimorar o atacante para assumir a titularidade e ser um dos destaques do título continental. Agora o treinador precisa trabalhar Marinho para se adaptar rapidamente ao modelo de jogo da equipe para ser a reposição sem queda de competitividade – ainda que este tenha atuado bem no time reserva e marcado gol sobre o Fla no sábado.

De qualquer forma, a lesão muscular não é grave e Everton deve estar em campo nos jogos de volta das competições em mata-mata, prioridades do clube na temporada. Com seu atacante mais efetivo, o atual campeão da Libertadores fica mais forte para ir ao Maracanã buscar a vaga no torneio nacional e depois receber e pressionar o jovem time do Estudiantes para seguir na sua trajetória vencedora e já histórica.

(Estatísticas: Footstats)


Pratas da casa têm participação direta em 60% dos gols do Flamengo
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

O Flamengo marcou 28 gols no Brasileiro, sete na Libertadores e dois na Copa do Brasil. Total de 37. Destes, 22 foram marcados ou aconteceram completando assistências de jovens oriundos da base do clube. Os pratas da casa. Ou seja, 60%.

O Carioca não entrou na conta porque no início da competição o clube usou só a garotada e também porque, pela fragilidade dos adversários, ainda que o time não tenha sido campeão, os números ficariam “mascarados”. Vale o nível mais alto.

Vinícius Júnior marcou seis gols e serviu três passes para gols. Lucas Paquetá foi às redes cinco vezes e deu quatro assistências. Mais três de Vizeu, um de Matheus Sávio, outro de Matheus Thuler e o de Lincoln que garantiu o empate por 1 a 1 com o Grêmio em Porto Alegre pelas quartas de final da Copa do Brasil.

É evidente que todos são jogadores do Flamengo e no resultado final não há distinção entre quem é criado no clube e os contratados. Normalmente isto é até nocivo para o ambiente no elenco. Mas também é inegável que salta aos olhos os números dos meninos.

O Fla que equacionou dívidas e desde Paolo Guerrero em 2015 faz pelo menos uma contratação de impacto por temporada – Diego em 2016, Everton Ribeiro no ano passado e agora Vitinho, que fez sua estreia na arena gremista – tem precisado mais de seus jovens que o esperado.

Especialmente nos gols e assistências decisivas. Vinicius Júnior garantiu com duas conclusões cirúrgicas uma vitória fundamental para a classificação do Flamengo para o mata-mata na Libertadores: 2 a 1 sobre o Emelec em Guayaquil. Sua arrancada espetacular no Independência para servir Everton Ribeiro no 1 a 0 sobre o Atlético-MG também foi marcante. Sem contar o gol no empate contra o Vasco. Vizeu decidiu contra o Corinthians, Matheus Thuler empatou com o Palmeiras fora de casa. Matheus Sávio encaminhou o triunfo sobre o Botafogo com gol e o cruzamento que terminou no gol de Paquetá.

Em Porto Alegre, Lincoln evitou com finalização precisa no último ataque uma derrota que seria bastante doída. E injusta por conta da melhor atuação coletiva do Flamengo sob o comando de Mauricio Barbieri. Num jogo grande e fora de casa há bem mais tempo o time não rendia tanto. 58% de posse, 20 finalizações contra 14 do Grêmio. Trinta minutos dos 45 e mais os acréscimos do segundo tempo encurralando o campeão da Libertadores dentro da sua casa.

Mas de novo a dificuldade para transformar chances em gols. Mais uma vez um garoto salvou o time. Considerando que eles são minoria na maioria das partidas – só contra o Palmeiras contou com seis jovens oriundos da base na formação inicial – é um dado impressionante.

Ótimo para o clube, que forma, tem retorno técnico e financeiro, já que é inevitável perdê-los para os europeus. Mas fica uma pequena ressalva: os mais experientes e caros dentro de um dos elencos mais valiosos do país poderiam decidir mais e tornar o time de Barbieri ainda mais forte. Vizeu e Lincoln marcaram quatro gols, com o primeiro iniciando apenas um jogo como titular. Henrique Dourado, Guerrero e Uribe, começando bem mais partidas como titulares, conseguiram apenas oito. Entre as estrelas, o destaque é Everton Ribeiro com cinco gols e duas assistências.

Não é pouco, mas pode ser mais. O Fla tem mesmo que celebrar os frutos de mais investimento em estrutura e formação de talentos, porém deve cobrar também de suas estrelas. Na hora da dificuldade precisam assumir a responsabilidade e não apenas se limitar ao papel de coadjuvantes de luxo.

(Estatísticas: Footstats)

 

 


Volta de Felipão e “Caso Renato Gaúcho” têm semelhanças e diferenças
Comentários Comente

André Rocha

Quando foi anunciada a volta de Luiz Felipe Scolari ao Palmeiras depois de seis anos para suceder o demitido Roger Machado, imediatamente surgiu nos debates esportivos e nas redes sociais a discussão sobre o recuo de um grande clube na busca por treinadores mais jovens e antenados.

Impossível não associar ao “Caso Renato Gaúcho”. Não tão vivido quanto Felipão, mas que também parecia fora do mercado brasileiro e se transformou no treinador mais vitorioso dos últimos dois anos em sua volta triunfal ao Grêmio com títulos da Copa do Brasil, Libertadores, Recopa Sul-Americana e Campeonato Gaúcho.

Os casos têm semelhanças, mas também diferenças marcantes. A começar pelo tempo de inatividade. Renato deixou o Fluminense em 2014 depois de um trabalho muito aquém das expectativas e ficou mais de dois anos parado. Já Scolari estava desde 2015 no Guangzhou Evergrande e empilhou títulos: campeão asiático em 2015, tri chinês e mais a Copa e o bi da Supercopa do país. Mesmo em uma liga menos competitiva é um retrospecto respeitável.

Mas Renato tinha algumas vantagens no tricolor gaúcho. É o maior ídolo da história do clube e, principalmente, desenvolveu bons trabalhos nas passagens em 2011 e 2013, garantindo vaga para a Libertadores em campanhas de recuperação. Ao contrário de Felipão no Palmeiras, o treinador encontrou o legado de um trabalho mais estruturado e longo de Roger Machado. Sem contar que num contrato inicial de apenas três meses por conta da eleição no clube não havia tanta pressão para tirar o Grêmio do jejum de 15 anos sem uma conquista relevante desde a Copa de Brasil de 2001.

Por outro lado, Felipão pode repetir com Paulo Turra, seu auxiliar junto com Carlos Pracidelli depois que Murtosa desistiu de acompanhar a comissão técnica do treinador, a parceria mais que bem sucedida de Renato com Alexandre Mendes. Enquanto o assistente, mais estudioso, trabalha na metodologia de treinamentos para manutenção do modelo de jogo, o técnico cuida dos detalhes estratégicos da equipe e, especialmente, da gestão de grupo para manter todos mobilizados. Sem contar o carisma e a coragem para lidar com imprensas e as pressões internas e externas.

Só que a última passagem de Scolari pelo clube paulista em 2012 teve dois lados bem distintos: conquista da Copa do Brasil com uma equipe limitadíssima, mas também a campanha pífia no Brasileiro que encaminhou o rebaixamento. Uma mancha que coloca uma ponta de dúvida no torcedor, assim como o emblemático 7 a 1 para a Alemanha pela seleção brasileira.

O trabalho no Grêmio em 2014/15, também não terminou bem. Abriu espaço para Roger Machado, sucedido por Renato. Agora é Scolari quem substitui Roger, mas em um cenário bem mais complexo. No olho do furacão.

O treinador da conquista da Libertadores em 1999, porém, tem muitos créditos e chega com aura de messias. Um toque de sebastianismo em ambiente político conturbado. O típico “escudo” que todo dirigente quer para sair do foco da ira de um torcedor que quer ver o alto investimento se traduzindo em títulos e se desiludiu com a volta frustrante de Cuca no ano passado. A cobrança será proporcional à esperança.

Mas tem boas chances de funcionar, especialmente nas disputas de mata-mata. No nosso futebol brasileiro passional e um tanto caótico, já está claro que se houver química e a dosagem certa de razão e emoção tudo pode dar muito certo. Aconteceu com Renato Gaúcho, por que não com Felipão?


São Paulo cruza tempestade com nove pontos em doze. Agora é com o Flamengo!
Comentários Comente

André Rocha

A sequência dura para o São Paulo veio na volta da parada para a Copa do Mundo: o próprio time carioca no Maracanã, clássico contra o Corinthians, Grêmio em Porto Alegre e Cruzeiro no Mineirão. Sequência em que não seria nenhuma catástrofe somar quatro ou cinco pontos. O time de Diego Aguirre conseguiu nove!

Os três últimos num daqueles jogos de afirmação como candidato ao título. Logo após uma derrota doída de virada para o atual campeão da Libertadores, com um dia a menos de descanso que o adversário, sem os suspensos Militão, Arboleda e Hudson, mais o lesionado Jucilei. Diante de um Cruzeiro precisando de recuperação depois da derrota para o Corinthians em São Paulo, mesmo cumprindo boa atuação.

O tricolor paulista foi pragmático: Araruna na lateral direita, Bruno Alves na zaga, Liziero e o garoto Luan na proteção da defesa no mesmo 4-2-3-1. Novamente muita eficiência nos contragolpes. O primeiro de manual, no rebote da bola parada: partindo de Reinaldo pela direita, invertendo para Rojas deslocado pela esquerda. Assistência do equatoriano e gol de Diego Souza. No segundo tempo, outra saída rápida. De Rojas para Reinaldo, que chutou e, no rebote de Fabio, serviu Everton em condição legal.

Duas das quatro finalizações no alvo em um total de oito. 48% de bola. Também sorte na cobrança de pênalti de Barcos no travessão de Sidão com o placar em 1 a 0. O time mineiro finalizou também quatro no alvo, mas em um total de 15. O São Paulo, mais uma vez, foi letal.

E tem a chance de tomar a liderança do Brasileiro em agosto. Eliminado na Copa do Brasil, terá apenas a Copa Sul-Americana em paralelo. Dependendo do que acontecer no jogo de ida na quarta no Morumbi pode até priorizar totalmente a competição nacional. Encara Vasco, Chapecoense e Ceará em casa e sai contra Sport e Paraná. Todos na metade de baixo da tabela, Três na zona de rebaixamento antes do início da 16ª rodada. Em cinco jogos pode sonhar com 11 ou 12 pontos.

Já o Flamengo, que manteve os dois pontos de vantagem na dianteira, terá um mês insano. Com uma particularidade: enfrenta no Brasileiro os adversários nas quartas da Copa do Brasil e nas oitavas da Libertadores. Ou seja, três duelos contra Grêmio e Cruzeiro. Dois fora contra os gaúchos e dois em casa diante dos mineiros.

Com desgaste emocional, rivalidade, questões de arbitragem, entradas duras e discussões transferidos de um jogo para o outro. Sem contar a necessidade de rodar um elenco que até aqui não demonstrou força e versatilidade para a empreitada. Ainda América-MG e Atlético-PR fora. O único jogo tranquilo, em tese, seria o Vitória no Rio de Janeiro. Nove partidas contra sete do principal concorrente.

Uma missão que não é impossível e a atuação nos 4 a 1 sobre o Sport, com destaque para Marlos Moreno e Everton Ribeiro, somada à chegada de Vitinho credencia o rubro-negro a sair vivo no mata-mata e nos pontos corridos. A questão é se entra setembro ainda no topo da tabela do Brasileiro. Porque o São Paulo mostrou resistência ao cruzar a tempestade e agora espera o céu de brigadeiro para chegar à primeira colocação e até tentar abrir vantagem. Como duvidar?

(Estatísticas: Footstats)


Romero é a marca da “identidade Corinthians” em mais uma reconstrução
Comentários Comente

André Rocha

Fabio Carille teve oportunidades como interino antes de ser efetivado como treinador do Corinthians em 2017. Quando saiu com status de vencedor, o sucessor Osmar Loss não desfrutou de tempo para “estágio”. Mesmo em um time campeão brasileiro e bi do Paulista não é uma transição simples.

Para piorar, a continuação de mais um desmanche por conta dos problemas financeiros do clube. Antes Pablo, Jô e Guilherme Arana, depois Balbuena, Sidcley, Maycon. Por último, Rodriguinho. Protagonista e melhor finalizador. Como único contraponto, a permanência de Jadson.

A solução foi manter a identidade de organização e concentração defensiva, mesmo com muitos erros individuais e natural desentrosamento na última linha da retaguarda, e buscar a melhor reposição possível. Na lateral esquerda, Danilo Avelar vai ganhando confiança e encaixe. No meio, Douglas tem passe mais qualificado que Renê Júnior e melhora a dinâmica e a construção de jogadas.

Na frente, com Roger lesionado e Jonathas ainda se adaptando, Loss recorreu ao 4-4-2 sem centroavante dos tempos de Carille. Na frente, o retorno de Jadson e liberdade para o grande personagem desta tentativa de reação no Brasileiro com as vitórias por 2 a 0 sobre o Cruzeiro em Itaquera e 4 a 1 contra o Vasco no Mané Garrincha.

Ángel Romero marcou cinco dos seis gols da equipe, mas não só isso. Muita mobilidade quando atua solto na frente, sempre rondando a área adversária, e a já conhecida eficiência nas finalizações. Ainda a volta pela direita para compensar a intensidade e a resistência não tão altas de Pedrinho para fazer a função pelo lado. Dá liberdade ao jovem talentoso, mas não deixa de participar das ações ofensivas.

No segundo tempo em Brasília, a melhor atuação corintiana sob o comando de Loss. Com algumas marcas da maneira de jogar construída por Mano Menezes e Tite e ratificada por Carille: apenas 47% de posse e nove finalizações. Seis no alvo, quatro gols. Apenas oito desarmes certos contra 23 do Vasco. Mas oito interceptações corretas e nenhuma do adversário. Consequência de um time melhor posicionado. A “identidade Corinthians”.

Evolução importante para um momento fundamental da temporada, com as disputas de mata-mata na Copa do Brasil e na Libertadores chegando. Com tantas mudanças recentes é difícil vislumbrar regularidade suficiente para ser competitivo em três frentes. Mas a impressão é de que mais uma vez o Corinthians pode minimizar em campo os problemas crônicos de gestão.

Com mais um que “herda” protagonismo: já foi Jadson, depois Jô, Rodriguinho… Agora é a vez de Romero. Antes desprezado e até motivo de chacota, agora a estrela de mais uma reconstrução do atual campeão brasileiro.

(Estatísticas: Footstats)


Santos de Jair Ventura é o time mais previsível do Brasil
Comentários Comente

André Rocha

O Santos está nas quartas de final da Copa do Brasil e terminou com líder do Grupo 6 da Libertadores. Começou mal o Brasileiro, mas em seis rodadas e com uma parada para a Copa do Mundo pela frente o impacto é menor. O clube, porém, vive uma crise. Quase existencial.

Jair Ventura fala em “cobrança por show”, Gabigol critica vaias da torcida. Mas o fato é que a desconfiança que existia em relação à capacidade do treinador fazer sua equipe jogar com posse de bola no campo de ataque quando necessário, mesmo com elenco mais qualificado em relação ao Botafogo, se transformou num fato. Inquestionável.

Muito simples jogar tudo na conta da ausência de um “camisa dez” para justificar a criatividade quase nula e dependência de espaços e falhas do adversário para chegar na frente em condições de finalizar. Mas o que falta ao time, de fato, é o chamado jogo entre linhas.

Eduardo Sasha e Gabigol, mais que o garoto Rodrygo, tentam compensar voltando pelo centro para ajudar Vitor Bueno ou Jean Mota na articulação. Mas há pouca mobilidade e fluência entre a defesa e o meio-campo adversários. Sem triangulações, busca do homem livre. O time roda a bola, que chega nos laterais Daniel Guedes ou Victor Ferraz e Dodô e sai o cruzamento. Ou a tentativa de um lançamento às costas da defesa para um dos três atacantes. Ou tentar na bola parada. Sem espaços o time toca, gira e até finaliza, mas não consegue criar a chance cristalina, que facilita a conclusão.

Com isso temos o time mais previsível do Brasil entre os grandes clubes. Não é ser “retranqueiro”, mas sim sofrer para jogar como protagonista. Algo obrigatório na maioria dos jogos pela camisa santista, a condição de grande. O “DNA” vem na carona, na cultura do clube e na preferência do torcedor. A questão está longe de ser estética. O desempenho simplesmente não satisfaz, apesar dos resultados nos torneios de mata-mata que vão dando sobrevida ao treinador.

Jair sempre cita Diego Simeone como sua referência. O treinador argentino também conviveu com problemas para fazer seu Atlético de Madri criar espaços. Resolveu com mudança no perfil de contratações e de captação nas divisões de base, mas também na dinâmica da equipe. Hoje Griezmann é um dos “reis” do jogo entrelinhas na Europa, circulando fácil às costas do meio-campo do oponente. Questão de tempo, aprendizado, evolução.

É óbvio que a volta de Bruno Henrique e a contratação de um meia criativo podem dar um encaixe melhor à equipe e Jair Ventura, um jovem treinador em ascensão, pode evoluir e encontrar soluções criativas tornar a posse de bola da equipe mais objetiva. Mas o rendimento ofensivo até aqui beira a indigência.

Em um grupo que se mostrou acessível, apesar de clubes tradicionais como Estudiantes e Nacional, marcar apenas seis gols no mesmo número de partidas chega a ser ridículo. Nenhum no fraquíssimo Real Garcilaso. Apenas um ponto conquistado contra o time peruano. Justamente pela dificuldade por conta da obrigação de atacar. Sintomático.

Nas estatísticas do torneio continental é apenas o 18º que mais finaliza. Os melhores números estão nos passes certos: 92,2%  de efetividade, o sexto melhor. Muito por conta dos toques laterais, simples. Que são importantes, mas apenas como uma circulação de bola em busca do essencial: a infiltração. De preferência no funil, na zona mais perigosa – pode dentro ou nas penetrações em diagonal. Raridade no alvinegro praiano.

Uma das camisas que mais “fedem” a gol no planeta vive um período de ocaso. O primeiro passo para a mudança é admitir o problema, ainda que só internamente. A carência é de ideias, mais que de peças. O Santos precisa voltar a se reconhecer em campo.

(Estatísticas: Footstats)


River Plate “arame liso” salva um Flamengo ciente do seu tamanho na América
Comentários Comente

André Rocha

O Flamengo celebrou com a vitória sobre o Emelec no Maracanã a classificação para as oitavas de final da Libertadores que não vinha desde 2010 e cada minuto da disputa no Monumental de Nuñez deixava cada vez mais nítido que o objetivo era terminar a fase de grupos sem derrota. De preferência sem ser vazado no jogo mais complicado, em tese, desta etapa da competição.

Algo inútil na busca da primeira colocação que garantiria a decisão da vaga nas quartas de final no Rio de Janeiro. Mas importante para Mauricio Barbieri, um treinador em busca de resultados que garantam seu emprego na parada para a Copa do Mundo. O preço que o clube paga por demorar a efetivar o profissional.

Mas é óbvio que a postura rubro-negra em Buenos Aires passa também pelo temor em um jogo grande do torneio, diante de um tricampeão, vencedor da edição de 2015. A ausência dos suspensos Diego e Barbieri e dos lesionados Rever e Juan tiveram peso, mas o comportamento em partida fora de casa não é inédito. Foi assim também no empate sem gols com o Santa Fé.

Muito pela incapacidade de Henrique Dourado de reter a bola na frente e dar sequência às jogadas. No 4-1-4-1 com Jean Lucas alinhado a Lucas Paquetá por dentro na linha de meias, o time foi empurrado por um River forte na pressão logo após a perda da bola e na valorização da posse. Ponzio coordenando a saída para o ataque sem pressão do adversário e acionando os meias Enzo Pérez, Ignacio Fernández e Palacios. Chamando o apoio dos laterais Montiel e Saracchi para tentar fazer a bola chegar a Lucas Pratto e Scocco.

Volume de jogo que sufocou o Flamengo em vários momentos, porém faltou contundência. O River foi “arame liso”, cercando a área, rodando a bola, controlando a posse – terminou com 60%. Mas finalizando apenas oito vezes, cinco no alvo. Duas chances cristalinas com Scocco e o voleio de Borré no travessão de Diego Alves no final. Pouco para tamanho domínio. Ainda permitiu oito finalizações do time brasileiro, três no alvo. Só descendo na boa. Salvo pelas circunstâncias.

A imagem da TV Globo no apito final mostrou o treinador argentino Marcelo Gallardo lamentando o resultado diante de um oponente sem ambição. Perdendo a chance de ter uma das melhores campanhas na fase de grupos. Mesmo na liderança. Um contraste com o tom satisfeito das palavras de Rhodolfo e Vinicius Júnior. Ainda que a partida de ida seja em casa e sem Paquetá, suspenso.

Compreensível pelo contexto. O retrospecto recente do Flamengo no principal torneio do continente justifica o pensamento bem pequeno. Do tamanho atual do clube na América do Sul.

(Estatísticas: Footstats) 


Cruzeiro toma liderança do Racing com mais intensidade que controle do jogo
Comentários Comente

André Rocha

Construir uma identidade não é fácil. O Cruzeiro começou o processo em 2015 ao contratar Mano Menezes, precisou de uma mudança de rota com a saída do treinador para o futebol chinês e retomou com a volta de Mano no ano seguinte.

Em 2017, a marca do time celeste foi o controle do jogo. Algumas vezes com posse de bola inócua, sem infiltração. Nos jogos grandes controlando os espaços com frieza impressionante, a ponto de abrir mão do ataque na final da Copa do Brasil contra o Flamengo, mesmo jogando no Mineirão. Enfrentou críticas, mas se sustentou na conquista do título.

Mano Menezes sabe que precisa dar o salto nesta temporada, tornando seu time mais versátil, capaz de jogar também com imposição de ritmo. Descobriu a solução na intensidade. A lesão de Fred e a entrada de Sassá no centro do ataque ajudou na transformação.

Em casa, a pressão no início da partida contagiando a torcida em busca do gol logo no início para descomplicar o jogo ajudou a pavimentar a goleada por 7 a 0 sobre a Universidad de Chile com a cobrança de falta de Thiago Neves logo aos nove minutos.

Nos 2 a 1 sobre o Racing, Thiago Neves, dúvida por problemas físicos, começou cedo a construção da vitória. Logo aos três minutos, aproveitando jogada de Sassá pela direita. Além da intensidade, o atacante acrescenta profundidade também ao ataque. Cai pelos flancos, chama lançamentos, infiltra em diagonal.

Lucas Silva é outro acréscimo no meio-campo, reeditando dupla campeã brasileira com Henrique no 4-2-3-1 cruzeirense. Perde e pressiona, bola roubada e o chute de fora do meio-campista que parecia o início de nova goleada, logo aos nove minutos.

Mas o Racing não é “La U” atual. Mesmo com o time de Eduardo Coudet em queda de desempenho, de novo cedendo muitos espaços entre os setores e sofrendo com os problemas defensivos que não foram aproveitados em contragolpes pelo Cruzeiro com De Arrascaeta e Raniel, que entrou na vaga de Sassá, outro a perder chance cristalina na primeira etapa.

Mas a movimentação de Lisandro Lopez jogando às costas dos volantes adversários procurando Lautaro Martínez e, principalmente, a força pela direita com o apoio de Pillud e as aparições de Centurión ou Solari no setor de Egídio, empurraram o time da casa para a defesa. Por ali saiu a jogada do belo gol de Centurión. O empate que manteria a liderança dos visitantes não teria sido nenhum absurdo, mesmo com apenas sete finalizações, quatro no alvo, dentro de um domínio da posse com 58%. Podia ter saído ainda no primeiro tempo, no chute na trave de Solari.

Porque o Cruzeiro intenso no primeiro tempo se complicou na hora de controlar e administrar a vantagem e permitiu que o jogo ficasse mais aleatório, lá e cá. Algo que precisa ser retomado da temporada passada. Na medida certa. Mano tem elenco, tempo e confiança por conta dos resultados para buscar o equilíbrio. O objetivo da primeira fase da Libertadores, no duro Grupo 5, foi cumprido.

(Estatísticas: Footstats)