Blog do André Rocha

Arquivo : luan

Flamengo comprova sua força, Palmeiras segue na “montanha russa” de emoções
Comentários Comente

André Rocha

O Flamengo sem seus três zagueiros experientes e também o lesionado Diego claramente sentiu a pressão do ambiente nos primeiros minutos no Allianz Parque. O treinador Mauricio Barbieri também sacou Henrique Dourado para aproveitar Filipe Vizeu o máximo de minutos antes da partida para a Udinese. O resultado foi um time bastante jovem, com seis oriundos das divisões de base. Por isso, assustado nos primeiros vinte minutos.

Mas quem errou foi Rodinei, que tinha várias opões para cortar um cruzamento da direita e tomou a pior decisão: um golpe de cabeça fraco, no pé de Dudu. Longe do adversário, deu espaços para o cruzamento que encontrou Bruno Henrique e deste para Willian ir às redes aos seis minutos.

Um time confiante e seguro teria amassado o líder do campeonato até os 15 minutos. O Palmeiras, também com desfalques importantes, até tentou, pressionando muito Lucas Paquetá, que novamente prendeu demais a bola, e atacando com volume, fazendo Diego Alves trabalhar muito. Mas quando a equipe de Roger Machado é obrigada a diminuir a pressão o time controla mal o jogo. Murcha. E a torcida, que também não confia muito, deixa a arena morna.

Foi o suficiente para que o organizado time de Barbieri, novamente no 4-1-4-1, encontrasse no lado direito com Rodinei e a aproximação de Jean Lucas a válvula de escape, enquanto Everton Ribeiro passou a aproveitar os espaços às costas de Felipe Melo e Bruno Henrique, os volantes do 4-2-3-1 alviverde, que estavam muito concentrados em não dar brechas a Paquetá.

O primeiro tempo terminou com 53% de posse do Fla e seis finalizações, quatro na direção da meta de Jailson. Destaque para o Palmeiras nos 12 desarmes certos, o dobro do adversário. Foi o que sustentou a vantagem.

De novo a intensidade e a torcida quente no início do segundo tempo. Mas foi esfriando, esfriando…E o Flamengo tomou conta. Empatou no gol do jovem zagueiro Matheus Thuler subindo mais que Thiago Martins pregado no chão e completando escanteio de Rodinei. Podia ter virado não fosse o individualismo de Paquetá e um chute fraco sem goleiro de Vinícius Júnior, novamente disperso e reclamando muito da arbitragem. Ainda uma finalização perigosa de Everton Ribeiro.

Na reta final, Barbieri preferiu administrar o empate. Trocou Arão por Jean Lucas, depois tirou Vizeu e colocou Marlos Moreno para tentar acelerar os contragolpes e, por fim, Jonas na vaga de Everton Ribeiro. Roger tentou com Lucas Lima, Artur e Papagaio, mas apenas num abafa sem grande criatividade. Time muito tenso com o peso da responsabilidade. Terminou com mais finalizações – 14 a 13, cinco no alvo. Mas a maioria muito deficiente, inclusive de Bruno Henrique livre na entrada da área rubro-negra. Saiu bem longe.

Nos acréscimos, a confusão geral que terminou nas expulsões de Jailson, Dudu e do zagueiro reserva Luan do lado do time mandante e Cuéllar, Jonas e Henrique Dourado, também no banco, pelos visitantes. Desnecessário. Mas o fraquíssimo árbitro Bráulio da Silva Machado não teve peito para dar mais minutos com Moisés na meta alviverde.

O Fla também não reclamou. O empate foi resultado satisfatório, fechando os primeiros 12 jogos com surpreendentes 27 pontos para o contexto do início do Brasileiro. Pelos desfalques, o time demonstrou solidez e consciência. Faltou contundência. Algo a melhorar na volta, sem Vizeu e, provavelmente, Vinicius Júnior.

O Palmeiras segue com oito pontos de distância para o líder. Podia ser pior pelo que aconteceu na partida. A missão de Roger e de todos no clube é aproveitar a pausa pra a Copa do Mundo e tentar estabilizar o time mentalmente e minimizar a “montanha russa” emocional que torna tudo tão incerto e inconstante.

(Estatísticas: Footstats)


De Flávio Costa a Tite, toda escolha é julgada pelo resultado final da Copa
Comentários Comente

André Rocha

Foto: CBF/Divulgação

Talvez não houvesse 7 a 1 em 2014 se doze anos antes o chute de Neuville no início do segundo tempo da final da Copa do Mundo, também entre Brasil e Alemanha, não tivesse parado em Marcos e na trave esquerda. Ou alguém imagina Luiz Felipe Scolari voltando tranquilo para seguir sua carreira no país depois de perder a decisão do Mundial na Ásia para uma Alemanha enfraquecida, sem o craque Ballack, e deixando Romário fora da lista final enfrentando um clamor popular poucas vezes visto?

O que seria de Carlos Alberto Parreira em 1994 sem o tetra? Talvez viajasse direto dos Estados Unidos para assumir o Valencia. Certamente lembrariam da falta de um meia criativo como plano B para a irregularidade de Raí. Ou não ter ousado enfiando mais um atacante, Viola ou o menino Ronaldinho, junto com Bebeto e Romário.

Por outro lado, quem lembraria da romaria de políticos em campanha por São Januário na véspera da final de 1950 no Maracanã ainda que o Brasil conquistasse seu primeiro título mundial com um suado empate contra os uruguaios? E quem criticaria Flávio Costa, considerado “carioca” demais pelos paulistas e “vascaíno” demais no Rio de Janeiro?

O mesmo vale para Telê Santana em 1982. Curioso lembrar que até a derrota para a Itália a seleção brasileira era a favorita absoluta ao título, jogando um futebol considerado de outro planeta. Mas bastou ser eliminada para que Waldir Peres, Luisinho, Júnior, Cerezo e Serginho Chulapa fossem contestados como titulares. Meio time. Se Zoff não segurasse sem rebote a cabeçada certeira de Oscar no ataque final e a caminhada fosse segura para o título, estes mesmos jogadores hoje seriam lembrados como os herois de 1970.

Até Zagallo poderia virar alvo se a considerada maior seleção de todos os tempos tivesse sido vencida pelo nervosismo ao sofrer o gol do uruguaio Cubilla que abriu o placar da semifinal no México. Talvez cobrassem Marco Antonio na lateral esquerda no lugar de um Everaldo que se limitava a defender. Ou Paulo César Caju na vaga de Rivelino ou Gérson. Quem sabe até o contestado Dadá Maravilha não seria uma “solução”?

Sem contar Vicente Feola, que apostou em Pelé e Garrincha, dupla que, segundo o psicólogo a serviço da CBD, não teria capacidade cognitiva e equilíbrio emocional para disputar uma Copa. Se a anfitriã Suécia fosse mais um país a usar o fator casa para conquistar um título mundial, algo perfeitamente plausível, é bem provável que por aqui a linha de quatro na defesa e a utilização de um ponta recuando para se juntar à dupla de meio-campistas demorassem bem mais tempo para acontecer. Viraram vanguarda porque o “escrete” voltou com a taça.

No Brasil é corriqueiro dizer que o “se” não entra em campo. Mas a partir do momento que o resultado final norteia toda a análise e surgem os “profetas do acontecido” para dizer o que devia ser feito pelos derrotados e apontar os “segredos” dos vencedores, vale o exercício de imaginar o que seria caso vencidos e campeões trocassem os papéis.

O resultado é consequência das escolhas, sim. Mas também de uma infinidade de fatores, inclusive a sorte. Ou o imponderável. Um detalhe. A bola que bate na trave e quica dentro ou fora da meta. A arbitragem que erra a favor ou contra. Escorregar para fazer ou salvar um gol.

Todas as decisões podem ser questionadas. Antes, durante e depois da competição. O problema está no parâmetro único para este julgamento dos treinadores da seleção brasileira: ganhar ou perder.

Tite pode e diz que aceita ser contestado por não ter levado Arthur e Luan. Ou porque incluiu na lista final Fagner, Taison, Fred…Assume a dificuldade que é escolher. Mas merece respeito por ter trabalhado como nenhum outro treinador na história da seleção brasileira. Ele e sua comissão técnica. Acompanhando jogos in loco, na TV e até treinamentos. Estudando, atualizando, aprimorando. Em menos de dois anos de trabalho. Para enriquecer a análise e embasar as decisões. Com desempenho e resultado em campo sinalizando que a rota está correta. Ao menos até aqui.

Só que nesta terra cinco vezes campeã do mundo a derrota sempre é para si mesmo. Não há mérito do adversário. Basta fazer tudo certo que ninguém nos supera. Ainda que a Alemanha seja campeã do mundo, a Espanha jogue o melhor futebol dos últimos tempos e um português e um argentino estejam fazendo história há uma década. Somos imbatíveis. Se perdermos foi porque alguém errou.

Então se o resultado esperado na Rússia não vier o discurso já estará pronto. Mesmo que Tite mande a campo Roberto Firmino e Douglas Costa, destaques da temporada em Liverpool e Juventus, e eles até saiam do banco para melhorar o desempenho, se vier a eliminação a culpa recairá sobre a presença de Taison entre os reservas.

Usando apenas um exemplo no universo dos clubes, chega a ser engraçado ouvir ou ler que hoje”falta gente no banco para mudar o jogo” e lembrar que em 2006 os torcedores do Internacional explodiram no Orkut, a grande rede social da época, quando Abel Braga chamou o contestado Adriano Gabiru para entrar em campo. Numa final de Mundial de Clubes contra o poderoso Barcelona de Ronaldinho Gaúcho. Podia ter dado bem errado…

Como pode acontecer de tudo na trajetória brasileira em mais uma Copa do Mundo. Só uma coisa não vai mudar. Desde Flávio Costa até Tite. O julgamento será pelo resultado final. E só. Pouco, mas é o que tem para hoje. E ontem. Sempre.


É o melhor Grêmio que vi jogar, mesmo que não se torne o maior da história
Comentários Comente

André Rocha

Renato Gaúcho costuma dizer que o Grêmio em que jogou nos anos 1980 era melhor que o atual porque na época havia mais craques. Opinião que merece respeito. Afinal, ele atuou em um e dirige o outro. Mas este que escreve viu, inclusive em estádio, jogar a equipe campeã da Libertadores em 1983, finalista do torneio continental do ano seguinte e do Brasileiro em 1982.

Podia ser competitiva, guerreira, eficiente. Mas na bola jogada a equipe atual sobra. Inclusive em comparação com outras, com a também campeã da América em 1995. Começando pelo meio-campo, com Maicon, Arthur e Luan. Jogadores muito melhores que China, Bonamigo, Osvaldo, Vilson Tadei, Tita…Também Dinho, Emerson, Arilson, Luis Carlos Goiano, Carlos Miguel…

É bonito ver o atual campeão sul-americano jogar. E que bom quando Renato Gaúcho coloca os titulares também no Brasileiro. Infelicidade do Santos, que saiu da Arena em Porto Alegre com um 5 a 1, fora o baile.

Não que a equipe de Jair Ventura tenha se entregado desde o início. Procurou fechar bem os espaços, com duas linhas de quatro compactas e deixando Gabigol e a joia Rodrygo mais adiantados. Conseguiu relativamente bem, apesar da dificuldade para sair jogando diante da pressão do time da casa.

Até Maicon colocar no ângulo de Vanderlei em chute de fora da área, mais um recurso de uma equipe cada vez mais completa. Infelicidade no gol de Jean Motta logo na sequência, em chute que desviou em Kannemann. Mas tranquilidade e confiança para seguir jogando e construir a goleada na segunda etapa.

Everton, outra vez Maicon em cobrança de falta, André e Arthur. Jogando ao natural. Tocando, girando, dando opção para o jogador que está com a bola. Execução do 4-2-3-1 cada vez mais ajustada. Acelerando e desacelerando quando preciso. 61% de posse, 18 finalizações – metade na direção da meta de Vanderlei. 574 passes, com 93% de acertos.

O Grêmio gosta da bola e o futebol agradece. Se renderá mais taças o futuro dirá. Mas é o melhor Grêmio que vi jogar, mesmo que não se torne o maior da história.

(Estatísticas: Footstats)

 

 


Grêmio e Atlético-PR: um zero a zero para só se falar de futebol
Comentários Comente

André Rocha

A maior prova de respeito do Renato Gaúcho campeão da América por Fernando Diniz e seu Atlético Paranaense foi o Grêmio completo, concentrado e repetindo a marcação implacável no campo de ataque da final da Libertadores contra o Lanús.

Só assim para impor a superioridade de quase dois anos de trabalho do atual treinador. Mais de três se pensarmos em um estilo que veio com Roger Machado e ganhou polimento, consciência e objetividade com Renato. Não porque Diniz seja um gênio ou mago. Apenas quer seu time jogando futebol durante noventa minutos, em qualquer estádio.

A atuação mais consistente do time que pratica o melhor futebol do país terminou sem gols, apesar das 20 finalizações – apenas seis na direção da meta do goleiro Santos. O Atlético Paranaense se recuperou na segunda etapa e só não impôs mais dificuldades pela expulsão de Camacho.

Com inferioridade numérica e atletas já desgastados por uma disputa intensa, Diniz não foi romântico nem suicida. Priorizou o ponto na Arena do Grêmio. Porque isso faz parte do futebol competitivo. Assim como a revolta pela primeira etapa de domínio absoluto do adversário. E certamente o discurso de Renato exaltando o grande jogo seria bem diferente se fosse numa partida de ida de um mata-mata sem gol qualificado, por exemplo. O pragmatismo também faz parte do jogo. Só não precisa ser o elemento único.

Algumas ideias básicas precisam ser resgatadas no Brasil. A primeira é de que a busca por um futebol ofensivo, capaz de envolver o adversário e chegar à meta do oponente nada tem de romântico ou idealista. Muito menos é algo condicionado a quanto o clube pode gastar contratando os mais valiosos jogadores. Ou seja, um privilégio das potências europeias. É apenas uma das muitas formas de se praticar o esporte bretão e buscar o objetivo final que é a vitória. Com suas virtudes, defeitos e riscos.

Diniz vai um pouco além, quer seus jogadores resgatando aquele prazer original de ter a bola e se divertir dentro da responsabilidade de um trabalho. Algo que tantos fazem nas mais diversas atividades humanas em todo o planeta. E está provado que o rendimento aumenta exatamente quando no exercício profissional o indivíduo nem lembra que é pago para fazer aquilo. Faria até de graça se não tivesse contas para quitar.

Um contraponto nesse ambiente em que parece que tudo tem que ser sofrido. Nesta mesma segunda rodada do Brasileirão tivemos um clássico nacional entre Palmeiras e Internacional no Pacaembu. Gol único de Dudu no primeiro tempo. Celebração? Para o jogador não havia clima para isto diante de tanta tensão e cobrança. O momento máximo do mais emocionante dos esportes não passava de uma obrigação. Onde estava o prazer?

A mentalidade imediatista e que trata o resultado como um fim em si mesmo dificulta o entendimento de que o jogo é um processo. Eventualmente acontece num clique, na reunião e identificação imediata dos talentos. Também é possível vencer trabalhando mal e na base do sofrimento. Mas o que o Grêmio consegue fazer não se constroi de uma hora para outra. O Atlético está no início de sua trajetória.

Precisa ter margem de erro para o aprendizado e a correção. No Brasil parece um pecado mortal. A urgência é tão grande que se o time gaúcho tivesse vencido por um a zero com o chute de Luan no primeiro tempo que parou no travessão depois de um equívoco na saída de bola atleticana para muitos já seria motivo para demitir Diniz. A perda de um ponto dentro de um campeonato com 38 rodadas é mais importante que a consolidação de um modelo de jogo que pode render mais vitórias e pontos lá na frente. Que já conquistou quatro em duas rodadas.

Talvez por isso o zero a zero. Para que seja lembrado apenas pelo futebol praticado. Sem a arbitragem ou qualquer outra questão periférica como protagonista. Onde os desenhos táticos foram quase irrelevantes diante da dinâmica, da mobilidade e também da simplicidade de alguns movimentos que mostraram o óbvio: se um companheiro dá opção, o passe fica mais fácil. E passando o time progride em direção à meta adversária de forma mais coordenada. Não precisa ser gênio, nem craque. Apenas querer e saber fazer.

A partida parou pouco e o tempo passou rápido para quem assistiu com olhos de ver. Sem a ânsia do gol. Do “jogaço” em que não há uma bola na rede como consequência de jogada construída. Para muitos, se houver oito gols, quatro para cada lado, marcados de forma aleatória, na ligação direta ou na furada grotesca do zagueiro é o que vale. Legítimo apreciar apenas a emoção instantânea do futebol. Extrair só a adrenalina.

O que se pede aqui não é unanimidade nem ditadura de uma maneira de jogar. Há várias e todas com seu valor. O post só espera respeito à essência do esporte que é o jogo. O que Grêmio e Atlético Paranaense praticaram com excelência em Porto Alegre. Mesmo sem os maiores orçamentos do país. Mesmo sem bolas nas redes.

(Estatísticas: Footstats)


Palmeiras e Grêmio começam a sobrar no país e tudo parte do meio-campo
Comentários Comente

André Rocha

Independentemente do que acontecer nas decisões estaduais em São Paulo e no Rio Grande do Sul e também das campanhas invictas até aqui na Libertadores, a análise de desempenho, com mais ênfase nas atuações recentes, sinalizam que Palmeiras e Grêmio começam a se desgarrar dos demais como os melhores times do país.

Equipes que alternam posse de bola para controle do jogo e intensidade nas transições ofensivas e defensivas e na pressão logo após a perda da bola. Times inteligentes. Consciência que parte do meio-campo.

Reunir Arthur, Maicon e Luan de um lado e Felipe Melo, Bruno Henrique ou Moisés e Lucas Lima do outro, para o nível do futebol jogado no Brasil, é garantir eficácia nos passes desde o início da construção das jogadas e variação de ritmos de acordo com a necessidade.

O entrosamento e a combinação de características fazem o trio do Grêmio render mais e protagonizar belos lances. Sem contar a confiança pelos títulos recentes e o trabalho de Renato Gaúcho já bem assimilado. Roger Machado ainda está no início de seu trabalho e, por consequência, está um passo atrás.

Aliás, curioso observar que os treinadores acabaram influenciando um no trabalho do outro, direta ou indiretamente. Renato recebeu o Grêmio de Roger, manteve a ideia e o modelo de jogo a partir da posse de bola e das triangulações e efetuou ajustes tornando o time mais rápido e contundente na frente, intenso no trabalho defensivo e atento nas bolas paradas.

Exatamente o que Roger vem alterando em seu repertório, agora no Palmeiras. Até pela urgência de resultados para se estabilizar no comando do time mais pressionado do país em 2018. Na impossibilidade de contar com tempo para fazer com que a marcação por zona não seja passiva como aconteceu especialmente diante do Corinthians na fase de grupos do Paulista, o comandante agora estimula os encaixes e algumas perseguições individuais mais longas para garantir a concentração dos atletas.

Um pouco de Renato, outro tanto de Cuca, último técnico campeão no alviverde. Para evitar problemas como os que Alberto Valentim passou. Basicamente, adiantar a última linha de defesa, mas sem fazer pressão no adversário sem a bola e fechar as linhas de passe.

Com a posse, o Palmeiras roda a bola , concentra jogadores de um lado, preferencialmente o esquerdo, até a bola chegar a Felipe Melo ou Lucas Lima quando este recua e acontece a inversão rapidamente buscando o ponteiro do lado oposto. Normalmente Dudu, que vem crescendo de produção no setor direito. Com mais volume de jogo e ações de ataque com profundidade, Borja também cresce como o artilheiro do time no ano.

Assim como Jael, substituto de Lucas Barrios e a mudança mais significativa na virada do ano, aproveita o momento positivo para arriscar cobranças de falta, assistências de letra. Mais os gols, completando as jogadas bem articuladas. O entrosamento com Everton, que infiltra em diagonal para se juntar ao centroavante, só torna os ataques mais fluidos e com momentos de beleza. Coisa rara por aqui.

É óbvio que há ainda muita margem de evolução e alguns jogos pelo estadual – no caso do Grêmio, mesmo na final – não servem como parâmetro seguro para avaliações mais profundas. Ainda assim, a proposta e a execução parecem mais alinhadas, potencializando o talento através do trabalho coletivo. Com o toque diferente no meio-campo.

Domingo ambos podem levantar taças. Para o Grêmio significaria o fim de um período de oito anos sem conquistas na competição. Já o Palmeiras ganharia mais confiança para seguir a sua saga na temporada em que todos não aceitam menos que o máximo em conquistas.

O que se espera é que se algo der errado em termos de resultado o trabalho até aqui não seja descartado. Seria um desperdício. Mais um na terra do futebol de resultados.


Na melhor atuação no ano, Grêmio repete estratégia da final da Libertadores
Comentários Comente

André Rocha

Em 2018, o Grêmio repete a oscilação no início da temporada de 2017. Campanha irregular no estadual, início sem vitória na Libertadores. Mas o time de Renato Gaúcho se acostumou a crescer em jogos grandes. Na conquista da Recopa Sul-Americana contra o Independiente foi mais na luta e no brilho de Marcelo Grohe que na técnica ou tática.

Já no primeiro Grenal do ano no Beira-Rio, a bela atuação do primeiro tempo que construiu a vantagem de 2 a 0 foi a melhor deste ano até aqui. Mesmo administrada com sofrimento na segunda etapa depois do gol de Rodrigo Dourado no primeiro ataque colorado.

Triunfo que teve muito de estratégia. Exatamente a mesma da final da Libertadores contra o Lanús. Diante de um time que aposta mais na posse de bola que na velocidade, marcação adiantada e por pressão, com rápida reação após a perda da bola. Ao retomar, transição rápida, movimentação das peças, especialmente Everton e Luan.

Destaque para o camisa sete. Não só pelos dois gols, um de pênalti, mas pela perfeita circulação às costas de Rodrigo Dourado e Edenílson na execução do 4-2-3-1 habitual do tricolor. No último ataque do primeiro tempo, serviu Everton, que podia ter decidido o clássico novamente no setor do lateral Dudu, o “mapa da mina” gremista. A sétima finalização contra quatro do rival. Duas contra uma no alvo. Nas redes de Marcelo Lomba.

Não fez o terceiro e sofreu na segunda etapa. Renato tirou Madson, boa opção na primeira etapa cada vez mais adaptado e aproveitando o corredor deixado pela movimentação de Ramiro, que foi para a lateral. Entrou Alisson pela esquerda. Everton trocou de lado. Apesar de contar com mais jogadores rápidos, o Grêmio perdeu velocidade nos contragolpes. Para garantir os 2 a 1, entraram Michel e Marcelo Oliveira nas vagas de Jael e Everton.

O Inter foi na direção contrária. Com sua equipe ocupando o campo de ataque e precisando criar espaços, Odair Hellmann mandou a campo jogadores mais rápidos: Márcio, Gabriel e Wellington Silva. Acertou na saída de Dudu e no deslocamento de Edenilson para a lateral direita. No entanto, abusou dos cruzamentos: foram apenas quatro nos primeiros 45 minutos e nada menos que 32 no segundo tempo.

Dez de D’Alessandro. São muitas compensações para o que o ídolo e camisa dez esteja em campo. Na primeira etapa, com duas linhas de quatro pressionadas e o argentino e Roger na frente, o Inter ficou encaixotado. Sem saída. Em um jogo mais aleatório, de “abafa”, o meia veterano aparece mais, mas sem grande produtividade. Em abril faz 37 anos. Merece todas as homenagens pelos 400 jogos pelo clube. Mas está pesando para o coletivo.

Já o Grêmio teve mais uma vez Geromel sobrando na defesa. Inteligência, posicionamento, vibração. Não perdeu uma disputa. Mais um trunfo para Renato Gaúcho fazer seu time forte em momentos importantes. Vêm aí mais dois clássicos pelas quartas-de-final do Gaúcho. O rival que corra atrás para desafiar o campeão sul-americano.

 


Real Madrid campeão, mas com a cabeça no Barcelona. Grêmio fez o que pôde
Comentários Comente

André Rocha

O Grêmio teve caráter e entrega, mas faltou Arthur para qualificar o passe e sair da pressão do adversário. Também um plano de trabalho ofensivo para surpreender o favorito. Na falta de espaços, talvez arriscar mais de fora da área além da cobrança de falta com força de Edilson que Keylor Navas não pegaria se fosse no alvo.

E chances não faltaram. Porque o Real Madrid, mesmo com time completo e buscando o título do Mundial de Clubes pela cultura do clube que coleciona troféus, nitidamente jogou com freio de mão puxado. Administrando fôlego, posse, atacando com naturalidade. Mas sem forçar.

Tudo por causa do superclássico no dia 23 pela liga espanhola. Para tentar diminuir a vantagem do Barcelona na liderança. É a mentalidade do europeu, sem grandes comemorações no apito final de cada conquista intercontinental.

O campeão da Libertadores tentou aproveitar isso no início, como na entrada dura de Geromel sobre Cristiano Ronaldo. Claramente para intimidar, mostrar que dificultaria a missão. E o que se viu foi o time merengue evitando as entradas mais duras. Casemiro foi a exceção, levando o único cartão amarelo de sua equipe por uma pancada em Luan.

O camisa sete do Grêmio sentiu o jogo e a sobrecarga na criação sem Arthur. Em alguns minutos ficou perdido entre Casemiro, Modric e Kroos. Restou a luta e o time gaúcho correspondeu. Merece ser recebido com carinho por seu torcedor.

A distância é grande mesmo. Em técnica, tática, leitura de jogo, dinâmica, intensidade. O Real terminou com 65% de posse e 17 finalizações – seis no alvo. Trocou passes no ritmo de Luka Modric, o melhor da decisão. Mas, a rigor, só foi às redes na cobrança de falta de Cristiano Ronaldo que passou entre Luan e Barrios. O português fez um gol bem anulado por impedimento de Benzema e tentou outras jogadas. Mas faltou inspiração.

Ou concentração. A prova de que quando se fala na disparidade entre o futebol jogado aqui e nos principais centros e na grande diferença no tratamento dado ao Mundial, com chancela ou não da FIFA, não é “complexo de vira-latas”. É a realidade, pura e simples. Para o Grêmio era a cereja do bolo antes das férias. Na temporada do Real a viagem aos Emirados Árabes é quase um problema.

O Real Madrid carregava o favoritismo e confirmou a sexta conquista. Mas as atuações pouco consistentes são preocupantes para a sequência da jornada 2017/18. A começar pelo Barcelona, a prioridade do momento.

(Estatísticas: Footstats)


Grêmio sofre sem Arthur, mas cumpre sua missão. Agora o que vier é lucro
Comentários Comente

André Rocha

O Grêmio sentiu demais a falta de Arthur  na maior parte do jogo. Mas quando o Pachuca começou a sentir o esforço dos 120 minutos da vitória sobre o Wydad Casablanca, Renato Gaúcho compensou o meio-campo menos qualificado com força e velocidade na frente. Mais uma feliz alteração na iluminada temporada 2017.

O campeão da CONCACAF surpreendeu com Jara, mais centroavante, na vaga do rápido Sagal no ataque. Imaginava-se o time mexicano especulando mais e acelerando os contragolpes diante do campeão da Libertadores, mas sobrou coragem para montar um 4-1-4-1 com Urretaviscaya pela direita e Guzmán mais adiantado, alinhado a Honda na articulação.

A mudança do treinador Diego Alonso empurrou os volantes Jaílson e Michel para o campo gremista e dificultou ainda mais as transições ofensivas do time brasileiro, sobrecarregando Luan. O Grêmio também nitidamente sentia a tensão da estreia. Mas o Pachuca, assim como no jogo anterior, controlou a posse no primeiro tempo (58%), mas finalizou pouco – apenas duas vezes contra cinco. Nenhuma no alvo em 45 minutos.

O jogo seguiu na mesma toada na segunda etapa, até o Pachuca dar os primeiros sinais de cansaço. A senha para Renato Gaúcho trocar o cuidado na proteção da defesa pela velocidade e mais presença ofensiva em busca da vitória ainda nos 90 minutos: tirou Barrios e Michel e colocou Jael e Everton. Ramiro recuou para jogar com Jaílson, Fernandinho inverteu o lado e Everton foi para o lado esquerdo, com Jael como referência na frente. Na prorrogação, Leonardo Moura substituiu Edilson para o time seguir atacando pela direita. Proposta ofensiva atrás do gol.

Não foi possível no tempo normal, mas diante de um adversário ainda mais exaurido, sobraram espaços para Everton receber pela esquerda, cortar para dentro e fazer um belo gol, o da classificação. Confirmada sem sustos depois da expulsão de Guzmán.

O Grêmio cumpriu sua missão, não sendo frustrado na intenção de enfrentar o campeão europeu, como aconteceu com Internacional, Atlético Mineiro e Atlético Nacional. Agora o que vier é lucro, a menos que o Real Madrid protagonize um vexame sem precedentes sendo eliminado na semifinal pelo Al Jazira de Romarinho.

Na mais que provável decisão de sábado contra o time merengue, o Grêmio encontrará o cenário mais confortável: de franco atirador, sem maiores responsabilidades. Se perder, até de goleada, a disparidade de investimento, aliada ao cansaço pela prorrogação e a ausência de Arthur, serão “álibis” mais que válidos. Mas se vencer não é absurdo dizer que o feito de Renato Gaúcho será maior do que os dois gols sobre o Hamburgo em 1983.

O clichê é inevitável: será a luta Davi x Golias. Mas é sempre mais prudente não duvidar do Grêmio.

(Estatísticas: FIFA)

 


O “fator Renato Gaúcho”
Comentários Comente

André Rocha

Independentemente do que acontecer no Mundial Interclubes, o único brasileiro campeão da Libertadores como jogador e treinador merece a tão sonhada estátua do clube que o tem como maior ídolo da história. Inclusive ele nem precisava pedir tanto. É algo que não se exige. Conquista. E ele já fez jus.

Mesmo antes do tricampeonato continental. Pelas digitais, pelo sangue e suor na primeira conquista da América, na única do Mundial e nos bons trabalhos em 2010 e 2013 como treinador. Ainda que o jeitão carioca cultivado ao longo dos anos fuja do estereótipo do clube e da cidade.

Renato Portaluppi merece todas as homenagens do Grêmio e do futebol brasileiro. Mais que isso, deveria a partir de agora dar nome ao fator da imprevisibilidade no esporte. Exatamente o que o torna mais apaixonante.

Porque era difícil, quase impossível, imaginar o sucesso nesse retorno ao tricolor gaúcho. Dois anos sem comandar uma equipe, vindo de um trabalho muito ruim no Fluminense em 2014. Desconectado do futebol atual. Contrato de apenas três meses por conta das incertezas do futuro após a eleição. A impressão era de que o próprio clube não botava muita fé na escolha.

Principalmente porque pela personalidade do novo comandante, a tendência seria desmontar o bom trabalho de consolidação de uma maneira de jogar construído por Roger Machado. Herdeiro de uma passagem frustrante de Luiz Felipe Scolari. Ou seja, trazer Renato soava como uma nova volta ao passado. Um retrocesso.

Mas Renato não incorreu no equívoco de Felipão, que colocou demais a mão no esforço do Grêmio, desde Enderson Moreira em 2014, de criar uma identidade de jogo. Inteligente, manteve os alicerces e mirou no acabamento da obra dentro do campo: time mais contundente e rápido no ataque, concentrado defensivamente e atento nas jogadas aéreas com bola parada. Os problemas minaram a gestão do antecessor.

O vestiário não era problema. Sempre foi mestre em chamar os jogadores para perto, motivá-los com carinho ou provocação. Conhece o cheiro, tem sensibilidade. Foi sempre seu maior trunfo como treinador. Preenchida outra lacuna de Roger, que reconheceu internamente que havia perdido o grupo. Sempre um erro letal.

Conquista da Copa do Brasil com autoridade. Primeiro título nacional depois de 15 anos. Manutenção para o ano seguinte, com moral para, agora sim, fazer do seu jeito.

No estadual, a busca de um time mais com a sua cara: menos posse de bola, ainda mais vertical. Buscando diretamente uma referência no ataque para ganhar a segunda bola e definir mais rapidamente as ações de ataque. As primeiras tentativas não foram muito felizes e ele foi convencido a retornar ao plano original.

Talvez por isso a resistência e os atritos com o departamento de análise de desempenho que ficaram escancaradas após o “caso drone” e, em seguida, a saída de Eduardo Cecconi, responsável pelo setor e alçado à condição de chefe por Roger. O treinador que trouxe a análise para o processo decisório da comissão técnica. Com o departamento forte a assinatura do estilo de jogo não podia, nem pode ser só do Portaluppi.

Não, Roger não é campeão da Copa do Brasil, muito menos da Libertadores. Os méritos são de Renato, porque o futebol não se resume ao modelo de jogo. Renato acertou um carro com boa estrutura, mas precisando de ajustes para ganhar estabilidade e força. Mas é dever reconhecer que sem a ideia assimilada pela base do elenco de jogo apoiado, triangulações e Luan circulando entre a defesa e o meio-campo adversário a missão seria bem mais complicada.

No país do Fla-Flu, da intolerância e do pensamento binário, que despreza os vários tons de cinza entre o preto e o branco, não existem as nuances, as interseções. Ou Renato é Deus, ou você é apenas uma “viúva do Roger”. Não é, nem pode ser assim.

Agora surgem os “profetas do acontecido”, os que sempre acreditaram. É claro que eles existiam em setembro de 2016, mas movidos por uma fé no messias. No maior ídolo. Ou por ser fã do personagem Renato Gaúcho, o fanfarrão, homem das mais de mil mulheres, das tiradas geniais, das bravatas. Que para a imprensa troca o estudo pela praia, mas manda espionar os adversários.

A razão não sugeria uma empreitada tão feliz. O contexto ajudou a virar do avesso e reescrever a história.

Por isso fica a lição. Dentro de qualquer análise sempre terá que ser incluído o “fator Renato Gaúcho” de imprevisibilidade. Do “errado”, em tese, que na prática pode dar muito certo. Algo que existe em qualquer setor. É da vida. Mas só o futebol é capaz de proporcionar com tamanha intensidade. Ainda bem.


As três lições do passeio do Grêmio tricampeão da América
Comentários Comente

André Rocha

O golaço de Luan foi emblemático no passeio do Grêmio no primeiro tempo da vitória por 2 a 1 sobre o Lanús em La Fortaleza. Velocidade, técnica e confiança diante de um rival atordoado. Para encaminhar o tricampeonato da Libertadores.

Uma conquista que deixa três grandes lições para o futebol brasileiro:

1 – A identidade

O Grêmio tem uma forma de jogar. E não importa mais se tem a assinatura de Roger Machado ou de Renato Gaúcho. Porque depois dessa conquista é difícil imaginar o clube abandonando essa ideia de jogo apoiado, vocação ofensiva e valorização da qualidade técnica, simbolizada especialmente por Arthur e Luan. Com fibra e entrega, mas sem exagerar no culto à truculência, ao jogo físico e menos bonito que costuma se impor no sul do país. No primeiro tempo fantástico em Lanús, foram 10 finalizações com apenas 45% de posse de bola. Seis desarmes certos contra nenhum do Lanús.  Talento, eficiência e vontade.

2 – A personalidade

“Nós somos o Grêmio, não o River Plate”. Se Renato Portaluppi teve um papel preponderante na decisão, foi o de transmitir a confiança de maior ídolo e campeão sul-americano e mundial em 1983. O Grêmio só se entrincheirou no final, depois das lesões de Arthur e Bressan e da expulsão de Ramiro. Se entrasse assustado não aproveitaria o desespero do time argentino nos primeiros 45 minutos. Marcou em dois contragolpes, o primeiro em grande arrancada de Fernandinho, mas nunca deixou de jogar no ataque.

3 – O foco no jogo com calma

Não há razão para entrar na pilha dos argentinos, enfrentar na Libertadores como quem vai para uma guerra. Como o próprio Grêmio nas duas finais que perdeu, para Independiente e Boca Juniors. Hoje há câmeras por todos os lados, qualquer ilegalidade será observada. Basta jogar futebol. Com intensidade e concentração. Duro, mas na bola. Quando o Lanús percebeu que o tricolor gaúcho não sairia de sua proposta entrou em parafuso. Desta vez foram os “hermanos” a se apequenar numa final de Libertadores. Porque viu do outro lado a calma e o foco no que é essencial: o jogo.

Por isso o futebol é tão apaixonante. Quem diria que, em setembro de 2016, um contrato com Renato Gaúcho vindo da praia, como ele disse, por apenas três meses num ano de eleição no clube terminaria nos títulos de Copa do Brasil e Libertadores. O que parece impossível sempre pode acontecer para queimar dedos e línguas.

Parabéns, Renato! Primeiro brasileiro campeão como jogador e treinador Comemorem, tricampeões! Mas nem tanto, porque ainda tem o Mundial Interclubes. Quem agora vai duvidar que o planeta pode voltar a ser azul depois de 34 anos?

(Estatísticas: Footstats)