Blog do André Rocha

Arquivo : saopaulo

Primeira vitória do São Paulo fora passa por Araruna, o “ponta-volante”
Comentários Comente

André Rocha

No Brasileiro que em sete rodadas apresenta um cenário de apenas três pontos separando o líder Flamengo do Sport, nono colocado, vencer fora de casa pode ser a chave para brigar no topo e não se contentar com o final da primeira página da tabela. Ou nem isso.

Por isso a importância do triunfo do São Paulo sobre o América por 3 a 1 no Estádio Independência. Também foi o primeiro revés do time mineiro em seus domínio. Podia estar em quarto, caiu para 11º.

O protagonista foi Nenê, com dois gols de bola parada, mas fundamental não só tecnicamente, mas também na liderança em campo que influi na transformação anímica da equipe desde a chegada de Diego Aguirre. A invencibilidade é apenas uma indicação nos resultados que hoje não é fácil se impor diante do tricolor como em outros tempos.

Diego Souza abriu o placar completando assistência de Everton. Com Nenê formaram o trio ofensivo que vai ganhando liga. Antes fechando o quarteto com Marcos Guilherme pela direita. Ponteiro que tem contrato até 30 de junho e, sem acordo com o Atlético Paranaense, dosa as partidas para não chegar a sete e ele não poder mais atuar pelo Brasileiro. Em Belo Horizonte entrou Araruna, titular depois de quatro meses. Um volante aberto pela direita.

Com Araruna, São Paulo preencheu melhor o meio-campo no 4-2-3-1 com um “ponta-volante” pela direita no auxilío a Militão e, principalmente, deu liberdade ao trio Nenê-Everton-Diego Souza (Tactical Pad).

Não é novidade. No momento em que o 4-2-3-1 virou moda no mundo e chegou ao Brasil, uma das grandes preocupações dos treinadores era com o preenchimento do meio-campo. Um meia de criação, dois ponteiros e o centroavante. Um volante mais fixo na proteção da defesa e sobrava um imenso pedaço de campo a ser preenchido pelo volante mais adiantado.

Dunga e Jorginho encontraram uma solução com Elano para auxiliar Gilberto Silva e Felipe Melo e dando liberdade a Kaká e Robinho se juntando a Luis Fabiano. Ramires era a reposição em função que se tornou fundamental na execução do misto de 4-2-3-1 com o losango no meio-campo. Ou um 4-3-1-2 sem sacrificar tanto os laterais, motivo pelo qual o desenho caiu em desuso.

Até hoje Dunga lamenta não ter sacado Ramires com a vitória garantida sobre o Chile nas oitavas. Cartão amarelo, suspensão e, com Daniel Alves, o meio enfraquecido que sucumbiu diante da Holanda.

Ficou o legado desta variação tática, que Dunga colocou em prática na sua passagem pelo Internacional em 2013. Com Fred, hoje na seleção brasileira e de partida para o Manchester United. Fez eco em outras equipes e hoje é uma das marcas do rival colorado, o Grêmio.

Ramiro é o “ponta volante” de Renato Gaúcho. Que tem função parecida com a do ponteiro “armador”, que parte do flanco para o centro, porém é menos ofensivo. Participa da construção um pouco mais recuado, perto da dupla de volantes. Tem liberdade de movimentação e abre o corredor para o lateral, além de liberar o meia central e o ponta do lado oposto para se juntar ao centroavante. Também deixa um espaço para que alguém infiltre como elemento surpresa.

Na prática, a lógica é a mesma da origem da inclusão de um terceiro homem no meio-campo que ganhou o mundo com Zagallo mais claramente na Copa de 1962, embora já se fizesse notar quatro anos antes na Suécia. Reforça o meio-campo ao lado de Zito e Didi e o espaço pela esquerda é aproveitado por alguém do trio ofensivo. Na Copa realizado no Chile, Amarildo, o substituto do lesionado Pelé, foi quem apareceu por ali, inclusive para marcar o primeiro gol dos 3 a 1 na final sobre a Tchecoslováquia.

Voltando ao São Paulo em 2018, Araruna ajudou Militão a fechar o setor direito e equilibrou o meio-campo com Jucilei e Hudson. Nada especial, até pela falta de costume na função e o desentrosamento com os companheiros. Segundo o Footstats, acertou 13 passes, errou dois. Nenhum desarme correto, nenhuma interceptação. Dois cruzamentos errados. Não finalizou nenhuma jogada.

Importante foi o posicionamento em campo que deu um encaixe melhor ao time e facilitou o trabalho do trio da frente. No primeiro gol, o contragolpe é trabalhado por Nenê, que aciona Everton e este serve Diego Souza aparecendo pela direita para completar.

No contragolpe do primeiro gol, Nenê aciona Everton, que vai servir Diego Souza aparecendo do lado oposto. Na imagem, Araruna chega por trás porque estava mais próximo dos volantes que dos companheiros do setor ofensivo (reprodução Premiere).

Aguirre é adepto do rodízio e das mudanças táticas de acordo com o adversário e dependendo do contexto. Mas pode usar  mais vezes Araruna ou outro jogador como o “ponta-volante” que equilibra o time e distribui melhor as peças em campo.

(Estatísticas: Footstats)


São Paulo e Internacional: gigantes ancorados no passado precisam despertar
Comentários Comente

André Rocha

Em 2006, Internacional e São Paulo decidiram a Libertadores. Dois anos depois, o tricolor paulista era tricampeão brasileiro e o Colorado vencia uma Copa Sul-Americana com Tite no comando técnico.

Uma década se passou desde então e a eliminação da dupla na Copa do Brasil antes das oitavas de final, quando entram os times envolvidos com Libertadores, é emblemática. Ainda que os méritos de Atlético Paranaense e Vitória sejam enormes.

Simbolizam clubes que depois de um período muito vitorioso acreditaram na utopia de ostentarem uma fórmula vencedora no cíclico futebol brasileiro. Confundiram manutenção da linha de trabalho com “continuismo”. Hoje se veem dando voltas em torno do próprio rabo.

No Internacional, de 2002 a 2016 orbitaram no comando Fernando Carvalho, Giovanni Luigi e Vitório Piffero, culminando com a página mais triste da história do clube: o rebaixamento. Só assim para vingar uma candidatura de oposição. Mas nem tanto assim, já que Marcelo Medeiros, o atual presidente, trabalhou na direção das categorias de base na gestão de Fernando Carvalho.

É claro que a década não pode ser considerada perdida. Além do bem sucedido plano de sócio-torcedor e a modernização do Beira-Rio, o Inter conquistou outra Libertadores em 2010 e impôs um domínio estadual com oito conquistas, seis consecutivas. A importância dada ao Gauchão até se entende pela rivalidade com o Grêmio.

O período sem conquistas relevantes do tricolor, incluindo um rebaixamento em 2005, talvez tenha acomodado ainda mais o Colorado. Só com a virada na “Era Renato Gaúcho” desde a Copa do Brasil em 2016, coincidindo com o próprio rebaixamento,  para a constatação do mau momento vir forte. Mas mudar a direção do olhar não é fácil. Mais simples continuar tratando o passado como referência e ainda depender do talento de Andrés D’Alessandro aos 37 anos.

O mesmo vale para o São Paulo. De 2006 a 2014 com Juvenal Juvêncio. Depois Carlos Miguel Aidar até a renúncia e a chegada de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Sempre os mesmos cardeais no poder, blindados por um estatuto antiquado e protecionista.

Ultrapassado por Corinthians e Palmeiras com suas arenas e pelo Santos na Era Neymar. Sem o poder do Morumbi como único grande palco na cidade para jogos e espetáculos. Mas principalmente pela fé de que bastava seguir a mesma receita de bolo para tudo voltar aos “bons tempos”.

Nestes dez anos, apenas a Sul-Americana de 2012 como conquista com alguma relevância. Nenhum estadual. Ainda a seca histórica na Copa do Brasil, que em 2019 completa 30 anos. Pior é a sensação de que um gigante de seis títulos brasileiros, três Libertadores e três Mundiais está, na prática, se tornando um time médio.

As trocas seguidas de treinadores e jogadores demonstram uma incerteza quanto ao futuro. Paradoxalmente, o clube sempre parece mirar o passado atrás de um porto seguro. Contar com Raí, Ricardo Rocha e Lugano na diretoria é um exemplo claro. Só que eles não entram mais em campo. E as decisões nestes primeiros meses não parecem muito diferentes das práticas dos antecessores.

É preciso despertar. Também ter a humildade de aprender com os rivais. Se Corinthians e Grêmio hoje possuem uma identidade no futebol, São Paulo e Internacional continuam sem face. Ou com um rosto envelhecido desejando o vigor do passado. Sem ruptura ou reinvenção.

Só ficou a grandeza da história. Mas de gigantes ancorados, que ainda não se convenceram que o tempo não pára e é preciso seguir em frente, sem o olhar fixo no retrovisor.


Everton no São Paulo: persistência é a virtude; leitura de jogo, o defeito
Comentários Comente

André Rocha

Imagem: Divulgação São Paulo

Everton é do São Paulo por três anos e cerca de 15 milhões de reais. Com 29 anos, a expectativa é pelo retorno de desempenho em campo e não pensando numa futura venda.

Em uma primeira observação, o melhor encaixe no time comandado por Diego Aguirre é como ala pela esquerda em um sistema de três zagueiros, como o treinador já utilizou neste início de trabalho. Mas com a possível saída de Marcos Guilherme pelo fim do empréstimo do Atlético Paranaense no fim de junho, Everton tende a ser mais útil pela ponta.

O ex-jogador do Flamengo deixa 100% em campo. Não é referência de garra ou fibra, nem demonstra liderança perante os companheiros. Mas faz todo o corredor esquerdo, de uma linha de fundo à outra durante os 90 minutos, mesmo já chegando aos 30 anos.

O problema é a leitura de jogo. Um dos problemas para a adaptação de Everton Ribeiro como ponta articulador no time rubro-negro era que quando cortava da direita para dentro e levantava a cabeça não encontrava um colega infiltrando no espaço correto. Nem Everton, que ou afunilava e esperava a bola com o centroavante, ou não fazia a diagonal e permanecia aberto, sem dar opção.

Sem contar os erros nas tomadas de decisão. Muitas vezes irritou os flamenguistas tentando o drible quando deveria passar ou concluindo de maneira precipitada no momento em que tinha espaço para conduzir e finalizar com mais chance de acerto. Ou vice-versa.

Mas nunca desiste. Na tentativa e erro acaba sendo mais produtivo que os que se abatem. Exemplo clássico no último Fla-Flu, semifinal da Taça Rio: Carpegiani colocou Vinicius Júnior e recuou Everton como lateral. Pecou nas investidas à linha de fundo, mas acabou acertando um belo chute que empatou o clássico.

A boa notícia para o são-paulino é que ele vem de sua melhor temporada, ao menos nos números de gols e assistências: em 2017 foram dez bolas nas redes e 13 passes para gols em 57 partidas. No último Brasileiro, foi o que mais acertou cruzamentos, o segundo mais efetivo nos dribles e o terceiro nas finalizações do Fla, segundo o Footstats. Também o que mais acertou desarmes entre os jogadores do setor ofensivo. É participativo, não se omite. Mas também foi o líder na equipe em impedimentos. De novo a dificuldade para vislumbrar a melhor ação ofensiva.

O problema do tricolor paulista, porém, segue o mesmo: a falta de sequência. Everton é a nona contratação para a temporada e o clube já mudou de treinador com menos de três meses de temporada. Não adianta reunir as individualidades e esperar a mágica acontecer. Não costuma funcionar na primeira prateleira da Europa, que dirá no futebol brasileiro.

Everton não é jogador para vestir camisa e compensar no talento os problemas coletivos. Precisa de tempo para evoluir com os companheiros dentro de uma proposta de jogo. Persistência para compensar a leitura deficiente.

A má notícia é que o São Paulo não tem investido em continuidade. Dirigentes e torcida querem uma resposta rápida. Eis o maior risco de dar errado novamente.


Qualquer projeção para o Brasileirão é chute, puro e simples
Comentários Comente

André Rocha

Todo ano era a mesma tortura. Fim dos estaduais e logo aparecia alguém pedindo projeções para o Brasileirão. Título, vagas na Libertadores, rebaixados. Em maio. Para um campeonato que acaba no fim de novembro. Com uma janela de transferências que parece nunca fechar. Agora Libertadores, Sul-Americana e Copa do Brasil durando o ano todo.

E quem é pago para analisar tinha que recorrer ao tiro no escuro. Para ser cobrado depois porque para muita gente quem trabalha com futebol tem que ser adivinho e cravar o que vai acontecer, mesmo com tantas variáveis possíveis. Como se jornalistas de Economia ou Política tivessem que prever todas as oscilações de mercado ou diplomáticas e traçar um cenário preciso até o fim do ano para serem considerados minimamente competentes.

Na era dos memes e da zoeira que sempre carrega um pouco de covardia, mas dá para tirar de letra, o que é dito ou escrito tem que valer por seis meses. Se errar logo vêm os mantras “tá fácil ser jornalista”, “por isso não exigem diploma” e outras pérolas dos “jênios” da internet. Os profetas do acontecido que ficam calados no conforto do anonimato para garantirem que sabiam lá atrás e quem é pago para isso tinha que carregar a mesma certeza.

Mas como imaginar o que virá? Mesmo descontando toda a imprevisibilidade do esporte, no Brasil é ainda mais complicado. Imaginem os guias da competição já furados com as prováveis saídas de Everton do Flamengo para o São Paulo, de Maycon do Corinthians para o Shakhtar Donetsk e de Roger do Internacional para o Corinthians.

Sem contar que o time que joga o melhor futebol do país, o Grêmio, até por sua cultura copeira, deve novamente poupar jogadores na competição por pontos corridos e priorizar Libertadores e Copa do Brasil. E o Corinthians, atual campeão e favorito natural, desta vez não terá o respiro do ano passado e também dividirá esforços. Com elencos mexidos o tempo todo.

E os grandes orçamentos, como Flamengo e Palmeiras, regidos pelos humores e arroubos de dirigentes-torcedores, embalados por redes sociais? Com escolhas mais políticas que técnicas. Sem ideias ou norte, ao menos por enquanto. Só agora começam a entender a importância de ter uma identidade, como o Cruzeiro de Mano Menezes vai tentando implementar, mas também muito condicionado a resultados, até pelo alto investimento na formação do elenco.

São Paulo, Vasco, Fluminense, Botafogo, Internacional, Atlético Mineiro, Bahia, Chapecoense, Vitória e o Atlético Paranaense de Fernando Diniz formam um “blocão” de incógnitas que podem circular entre zona de Libertadores e Z-4. Como de costume, Ceará, Paraná e América-MG, os times que subiram além do “gigante redimido”, são cantados como bolas da vez para cair pela famosa dificuldade de se manter depois do acesso. Ainda que Enderson Moreira e Marcelo Chamusca tenham trabalhos consolidados em seus clubes e possam, sim, tornar suas equipes competitivas. Quem vai saber?

Para completar, um campeonato com seus desequilíbrios por forças das circunstâncias. Como um time encarar os reservas do Grêmio e outro sofrer diante da equipe principal de Renato Gaúcho focada naquela rodada específica. Ou o time beneficiado pela perda do mando de campo do adversário. Três pontos que podem fazer toda diferença. Na tabela ou no estado de ânimo de uma equipe.

Por isso o equilíbrio que gera a emoção que muitos confundem como qualidade ou virtude. Será que nossos times vão usar a concentração e a organização não só para defender e teremos times atacando melhor? Ou será novamente o campeonato do futebol reativo, de contragolpe? Nenhum time vive e viverá mais este dilema do que o Santos do DNA ofensivo, mas agora comandado pelo pragmático Jair Ventura.

Com pressão por resultados, viagens e mais viagens e pouco tempo em campo para treinar é difícil imaginar algo mais elaborado. Por mais que os treinadores da nova safra tentem. E ainda tem o vestiário, ambiente sempre espinhoso e que diz muito da verdade do campo. Por isto a lacuna ainda não preenchida pelos jovens comandantes buscando afirmação para substituírem de vez os da “Velha Guarda”.

A sorte está lançada. Vejamos quem será o mais competente, contando também com a proteção tão bem-vinda do acaso. Palpites? Ainda bem que desta vez ninguém pediu nada ao blogueiro. Projeção a esta altura é chute, puro e simples. Melhor analisar rodada a rodada. Até porque quem pensa jogo a jogo sempre está mais perto da taça nesta loucura que é o Brasileirão.

 


Paes, Ismaily, André Gomes. As várias faces da nossa crueldade
Comentários Comente

André Rocha

O goleiro Paes do São Caetano falhou no gol de Trellez e foi infeliz ao colocar nas redes a cabeçada de Diego Souza que tocou na trave direita. Os gols da classificação do São Paulo para as semifinais do Paulista. Errou, sim. Mas as lágrimas depois do jogo no Morumbi são  de quem sabe que comprometeu o trabalho de toda a equipe e também por saber que ficou marcado.

Mesmo em um time de menor investimento, será tema de memes. Talvez até debochando de suas lágrimas. O triunfo são-paulino será relativizado pelo que fez, ou deixou de fazer. Já ecoa o trocadilho “Goleiro Paes foi uma mãe para o São Paulo”.

Ismaily do Shakhtar Donetsk foi convocado por Tite para a vaga de Alex Sandro, que substituiria Filipe Luís. Ou seja, foi a quarta opção para a lateral esquerda. Dificilmente irá ao Mundial da Rússia. Mas só porque atua na Ucrânia e não fez história em um grande clube brasileiro os protestos vêm de todos os lados.

Um jogador em bom momento, de uma equipe que se classificou para as oitavas de final da Liga dos Campeões eliminando na fase de grupos o Napoli que disputa o título italiano com a Juventus. Jogos transmitidos ao vivo para o Brasil. Ismaily foi citado por Tite há dez dias. Se ninguém se informou sobre o lateral, o problema não é dele. Uma convocação circunstancial, de emergência, guiada pelo contexto. Provavelmente não vai jogar os amistosos, nem será convocado até a Copa. Nenhum motivo para alarde. Muito menos para tratá-lo como um Zé Ninguém.

André Gomes confessou à revista “Panenka” que sofre pela pressão que coloca sobre si mesmo por não render no Barcelona. A ponto de sentir vergonha de sair de casa. Não importa se o seu estilo não tem muita relação com a escola do clube, nem é um “transgressor” como Paulinho, mais intenso e infiltrador. Não interessa se o erro foi de quem contratou.

É o jogador que sofre, entra em depressão. É ele também o contestado quando está em campo, por ser uma espécie de corpo estranho. Ninguém quer saber. Porque se o sonho da maioria dos jogadores do planeta é estar nos gigantes da Espanha e jogar com Messi algo para contar para os netos é obrigação render em alto nível, não importa como.

Esquecemos que aqueles que julgamos por noventa minutos, ou pelas nossas convicções, são gente. Com sonhos e frustrações, vitórias e derrotas muito além do campo. Não precisam que sejamos impiedosos, implacáveis com os erros alheios como não agimos conosco ou com aqueles que defendemos. A maior cobrança é de quem avalia o próprio desempenho.

A crítica aos que não rendem não pode ser destruidora, definitiva. O futebol é complexo e caótico demais para este nível de exigência. Com o goleiro que falha, o meia que não encaixa, o lateral que “ninguém conhece”. Até porque não há outro esporte com tantas histórias de redenção, subvertendo a lógica.

Mas temos o péssimo hábito de ver o lado negativo de tudo. O erro salta aos nossos olhos. Diminuir alguém reduz a própria dor, esconde os fantasmas. São as várias faces da nossa crueldade. Que aprendamos a lutar contra este vício. Em nome do respeito.


Palmeiras vence combinando Roger e Cuca. São Paulo parece sem saída
Comentários Comente

André Rocha

O clássico no Allianz Parque mostrou um Palmeiras combinando, intencionalmente ou não, elementos das ideias de Roger Machado com as do campeão brasileiro com Cuca.

Pressão sufocante na saída de bola do adversário e um jogo mais direto e menos construído ao entrar no campo de ataque. Com Lucas Lima mais adiantado, recuando menos para articular. Passando do 4-1-4-1 para um 4-2-3-1 dentro de um modelo que se impôs pela intensidade. Também na jogada aérea que encontrou Antonio Carlos no gol que começou a mudar o clássico. A fração de Cuca.

Já a de Roger é uma saída de bola mais cuidadosa, liderada por Felipe Melo bem assessorado por Bruno Henrique. Também a marcação por zona, sem encaixe ou perseguições longas. Maior controle, tanto dos espaços quanto da posse de bola – terminou com 54%.

A inversão dos ponteiros, com Dudu à direita e Willian pela esquerda, funcionou com o auxílio dos laterais Marcos Rocha e Victor Luis, o melhor em campo com destaque para o voleio que terminou no gol de Borja no rebote. Volume de jogo e variações dentro de uma atuação segura. Os números dos 90 minutos dos 2 a 0 não deixam dúvidas: 16 finalizações contra sete e 25 desarmes corretos contra treze.

Domínio que desequilibrou totalmente o rival. O São Paulo de Dorival Júnior foi empurrado para a defesa, não conseguiu reter a bola, forçou demais as ligações diretas com o goleiro Jean e sofreu. A falta de confiança é nítida. Uma pressão bem feita é suficiente para desarticular tática e mentalmente a equipe.

O tricolor parece sem saída. Com jogadores rodados como Nenê e Diego Souza o time fica muito lento. Já quando escala os mais jovens, ou o “time do Dorival”, a situação do clube joga contra e qualquer obstáculo parece uma montanha. Consequência de uma espiral de equívocos, dentro e fora de campo, que não vem de hoje.

O futuro no Morumbi é duvidoso. Pela lógica brasileira, a derrota no clássico deve custar o emprego de Dorival Júnior. Embora não seja o único culpado, é inegável que o trabalho não evolui com consistência e a impressão é de que não há respaldo real para a reconstrução paciente de um gigante combalido.

Já o Palmeiras parece ganhar um norte para a sequência da temporada, mesmo considerando as fragilidades do rival. Misturando posse e intensidade. Roger e Cuca. Passado e presente. Pode dar bem certo.

(Estatísticas: Footstats)

 


Há tanta coisa errada no São Paulo que Dorival não pode ser o único culpado
Comentários Comente

André Rocha

Um clube está errado em sua gestão de futebol quando aposta todas as fichas no maior ídolo recém aposentado para ser o treinador na fé de funcionar como um escudo para a instabilidade política ou o fenômeno que em sua primeira experiência na nova função vai reproduzir fora do campo a excelência e as conquistas que alcançou dentro;

Uma direção está mais que equivocada quando começa a tomar decisões políticas e populistas recrutando craques carismáticos de tempos gloriosos como se num passo de mágica estes transferissem a mentalidade vencedora e a qualidade como atleta. Pela simples presença;

Uma instituição se perde quando não se nota mais sua identidade, a imagem construída ao longo de décadas que faz todos os agentes atuarem dentro de uma linha de conduta sintonizada com os próprios valores. Organização e força competitiva.

O São Paulo hoje é um clube morno. Não encontrou o fundo do poço para buscar a redenção, mas também não há uma força motriz para voltar a ser forte. Muito menos temido. Entrou no bloco médio do futebol brasileiro – aqueles que ora flertam com vaga na Libertadores, ora sofrem com a sombra do Z-4 e do rebaixamento.

Torcida, dirigentes, dirigentes-torcedores, imprensa, jornalistas-torcedores…todos olham para trás em busca de uma referência em um futebol que na prática não existe mais. Nem o de Telê Santana, nem o de Muricy Ramalho. O esporte evoluiu e é preciso se adequar, não buscar fórmulas que deram certo em outros contextos.

Mas é mais fácil descontar no treinador. Logo ele que sucedeu Rogério Ceni. Com imagem mais associada ao Santos pela carreira e ao Palmeiras pelo passado como jogador e laços familiares. Dorival Júnior recebeu um legado complexo. Há tanta coisa errada que ele não pode ser o único culpado.

Mas tem sua cota de responsabilidade. Inegável. Em 2018, particularmente, por abandonar o planejamento inicial de usar mais reservas e jovens da base no início do Paulista para buscar aos poucos o ajuste da equipe. Com a derrota na estreia para o São Bento cedeu às pressões dos que se contentam com o estadual para acabar com a seca de títulos desde a Sul-Americana de 2012 e queriam os titulares o mais rápido possível.

Depois Dorival errou ao virar as costas para sua essência. Em toda a sua trajetória conseguiu bons trabalhos com times jovens, rápidos e envolventes. O que se vê em campo é uma equipe lenta, que pena para abrigar Nenê e Diego Souza em um quarteto ofensivo. Jogadores que hoje precisam de uma dinâmica em função deles pois entregam pouca intensidade com e sem a bola. Com eles juntos o tricolor está vagaroso, apesar dos esforços de treinador e atletas para buscar o encaixe.

A proposta de Dorival de ter a bola não conta com o momento de aceleração no terço final do campo. Pior: defensivamente as falhas são grotescas de um conjunto frágil que expõe a retaguarda que joga adiantada. Sem pressionar o adversário com a bola é letal. E o São Paulo morreu em Itu nos 2 a 1 que não complicam a situação na tabela do Paulista, mas alimentam o clima bélico, de caça às bruxas.

Cueva fez o gol são-paulino, é um dos poucos a tentar colocar velocidade nas transições ofensivas. Mas pelos problemas disciplinares do começo do ano e pelo pênalti perdido no último lance em Itu deve ser o bode expiatório da vez. O vilão de uma história sem mocinho.

Péssimo retrospecto nos últimos clássicos estaduais, ver os rivais Palmeiras e Corinthians vencendo as principais competições do país e o Santos até o ano passado dominando o Paulista. Não é um cenário agradável para a autoestima do são-paulino. A pior notícia é que ele mesmo não se ajuda para sair de uma crise que parece ter feito o clube perder o norte.

Hoje os dedos apontam para só um culpado. Quem será o messias da vez para a missão inglória e quase impossível de consertar tantos erros acumulados?


Livre, leve e solto. Gabigol encontra no Santos o que lhe negaram na Europa
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Rafael Arbex/Estadão

Gabriel Barbosa já foi às redes três vezes no seu retorno ao Santos. Uma por partida. Mais que as duas em um ano e meio da frustrada experiência no futebol europeu – um gol pela Internazionale em dez jogos e outro pelo Benfica nas cinco vezes em que esteve em campo.

O encaixe praticamente imediato no time de Jair Ventura na volta ao Brasil tem pouco ou nada a ver com a tradicional “saudade do feijão”. O fato é que ele reencontrou na Vila Belmiro o que lhe foi negado no Velho Continente, mesmo em ligas que não estão entre as mais qualificadas e competitivas: uma equipe que jogue em função dele.

Além de não lidar bem com a reserva, outra crítica, velada ou não, que o “Gabigol” recebia de treinadores e até companheiros era a deficiência na leitura de jogo. Sem contar a pouca dedicação no trabalho sem bola. Algo já notado nos Jogos Olímpicos, quando o atacante fazia o lado direito e falhava na recomposição. Não comprometeu na conquista da sonhada medalha de ouro, mas foi o que menos se destacou no quarteto com Gabriel Jesus, Neymar e Luan.

Diante de adversários com linhas compactas fechando a área, Gabriel não conseguia ler os espaços para atacar nem buscar o jogo associativo fazendo parede para seus companheiros. Seu estilo é de receber e já partir para a conclusão. Sem muito trabalho coletivo. Ou só da equipe para serví-lo.

Para isto precisa de liberdade total. Como é talentoso, mas não um fora de série, na Itália e em Portugal não aceitaram conceder a ele este “mimo”.  Mas por aqui pode fazer a diferença. Não por acaso, Jair Ventura deixa Gabriel solto na frente. Na vitória sobre o São Paulo por 1 a 0 no Morumbi, com Eduardo Sasha pela direita, Copete à esquerda e Vecchio centralizado na linha de meias do 4-2-3-1.  Para marcar o gol único do clássico em chute preciso no canto direito de Sidão.

São dez finalizações até agora. Oito dentro da área e duas fora. Todas com a canhota que ainda pode ficar mais calibrada com a sequência de jogos. Confiança do comandante não falta: “É o jogador que salva a vida do treinador”, exaltou Jair depois do “San-São”.  No  futebol brasileiro a tendência é desequilibrar mesmo.

Porque Gabriel está como quer. Livre, leve e solto.

 

 


O que Vasco e São Paulo ganham e perdem com a transferência de Nenê
Comentários Comente

André Rocha

Quatro minutos no Morumbi. Nenê arranca pela esquerda, chega antes na bola e é derrubado na área do Bragantino. Cobrança precisa de pênalti e vitória do São Paulo no Paulista em mais uma atuação inconsistente. Muito pela nova formação que ainda busca um ajuste com duas peças novas – Diego Souza também entrou no quarteto ofensivo fazendo companhia a Marcos Guilherme e Cueva.

O encaixe e a combinação de características são complicadas para Dorival Júnior. Também porque Nenê não entrega intensidade por muito tempo nas partidas. É importante pelo talento, a personalidade para definir jogos, a liderança e a precisão nas bolas paradas. Mas para ser titular e ainda atuando pelo lado, no caso o esquerdo, fica difícil para o camisa sete de 36 anos.

O Vasco não contava em perder sua referência técnica, fundamental em jogos que ajudaram a colocar o Vasco na Libertadores, ainda que nas etapas anteriores à fase de grupos. Eficiência em faltas, escanteios e penalidades máximas.

Mas Zé Ricardo vai encontrando aos poucos no elenco após as muitas baixas algumas soluções para tornar a equipe competitiva. Além do mais que promissor Ricardo Graça herdando a vaga na defesa de Anderson Martins e o volante argentino Desábato melhorando o passe na saída de bola em relação a Jean, Evander entrou muito bem na execução do 4-2-3-1 cruzmaltino.

Talvez a equipe sinta falta de um jogador no meio-campo para variar o ritmo – embora Wagner venha cumprindo essa função como um ponta armador preferencialmente pela direita. Mas o novo camisa dez entrega mais dinâmica, participação sem a bola muitas vezes alinhado a Wellington à frente de Desábato e eficiência nas finalizações. É meia que pisa na área adversária.

Mesmo considerando a fragilidade da Universidad de Concepción no primeiro desafio na Libertadores e a eliminação na Taça Guanabara em meio ao caos político e as saídas dos jogadores, a impressão que fica é de que com calma e tempo para trabalhar Zé Ricardo terá condições de entregar um Vasco competitivo. Ainda que possa faltar um Nenê.

Paradoxalmente, o São Paulo que agora tem o meia, uma solução individual,  recebe no “kit” também um problema coletivo. Perdas e ganhos de um futebol complexo, sem receita de bolo.


Golaço é a mostra de que vale o “risco Jadson-Rodriguinho” no Corinthians
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Gazeta Press

Juninho Capixaba conduz a bola aberto pela esquerda. Kazim não está na referência do ataque, mas Rodriguinho, que recebe o passe do novo titular da lateral e serve Jadson. Um golaço pela jogada coletiva logo no primeiro minuto do Majestoso no Pacaembu. Com seis jogadores chegando ao ataque.

Flagrante da jogada iniciada pela esquerda com Juninho Capixaba e a bola chegando em Rodriguinho mais na referência do que Kazim. Jadson infiltra pela meia esquerda para marcar o primeiro gol no Majestoso. Seis corintianos no campo de ataque (Reprodução Premiere)

A vitória corintiana por 2 a 1 foi decretada na impulsão e no golpe certeiro de Balbuena após o empate tricolor com Brenner. Em um universo de 62% de posse e dez finalizações são-paulinas contra sete. Mas o time de Fabio Carille teve momentos de belas trocas de passes e jogadas que envolveram o sistema defensivo do rival. Apesar dos erros grosseiros, até bizarros, de Kazim.

Porque o Corinthians agora tem mais qualidade entre as intermediárias com a dupla de meias. Não só na articulação como nas infiltrações por dentro, pelo “funil”. Mais difíceis de conter do que as diagonais dos ponteiros Romero e Clayson, peças fundamentais na compensação dessa perda na proteção da defesa pelo meio com a saída de um volante e a presença de meias não tão intensos no trabalho sem a bola.

O esperado nesta execução do 4-1-4-1 é que os pontas joguem de uma linha de fundo à outra para permitir que a última linha de defesa fique mais estreita, com os laterais Fagner e Capixaba próximos aos zagueiros Balbuena e Pedro Henrique. Bloqueando mais o meio que os flancos. Com isso, Gabriel pode ficar mais fixo no centro, sem tantos deslocamentos para as coberturas.

Mas há efeitos colaterais, como no gol de Brenner, que completou o centro de Militão, em mais uma jogada no setor de Capixaba, com a bola encontrando o atacante fechando apenas para concluir. Fagner estava mais por dentro e não conseguiu alcançar. Mérito do ataque, mas também falha da retaguarda.

No gol do São Paulo, última linha do Corinthians estreita bloqueando o lado direito do ataque do São Paulo, mas o passe de Militão encontrou Brenner mais aberto e Fagner, por dentro, não conseguiu alcançar. Mérito do ataque do São Paulo, mas também um problema de posicionamento que necessita de ajuste (Reprodução Premiere)

Questão de acerto no posicionamento e na dinâmica da transição defensiva. Mas o ganho no volume e na fluência do jogo corintiano já é sensível. Como já dito neste blog, esta formação equilibra passe e velocidade. O campeão brasileiro joga melhor. E pode render ainda mais se encaixar um atacante com um mínimo de sintonia com os dois meias. Entre as peças disponíveis hoje deve ser Júnior Dutra.

Carille já afirmou que a volta ao 4-2-3-1 pode acontecer a qualquer momento, especialmente em jogos fora de casa pela Libertadores. Mas está provado que vale o “risco Jadson-Rodriguinho”. Não para “jogar bonito”, mas sim por representar uma evolução do atual treinador, se aproximando mais do modelo de jogo de Tite no Corinthians em 2015.

(Estatísticas: Footstats)