PUBLICIDADE
Topo

Precisamos falar sobre a arbitragem

André Rocha

16/10/2015 08h08

Ricardo Marques Ribeiro. Árbitro FIFA de Minas Gerais. Vasco 1×1 Chapecoense no Maracanã. Não era decisão, mas o empate pode empurrar um dos clubes, ou até os dois, para a Série B. Uma mancha na história, redução das receitas, impacto grande na gestão. Coisa muito séria.

Não dá mais para tratar a arbitragem como um mero detalhe no jogo, sem a profissionalização para que a cobrança seja mais forte e justa e o auxílio dos recursos eletrônicos mais uma ferramenta para minimizar os erros.

Nos dois gols anulados da Chapecoense, um impedimento claro e a falta discutível de Túlio de Melo em Luan. Mas marcável, lance de interpretação – este que escreve deixaria o jogo seguir. O mais grave aconteceu depois.

Primeiro o toque de Rodrigo no pênalti contra o Vasco. No quadril, não na mão. Nem pelas esdrúxulas orientações da FIFA sobre "movimento natural", "aumento do volume do corpo" e "ação deliberada", que no fundo rasgam as regras do jogo e recomendam que pênaltis antes não assinalados agora sejam marcados, a penalidade seria possível. Mas foi. A não reclamação do zagueiro não pode ser parâmetro para a análise do lance.

E o pior estava por vir. Cruzamento alto e lento para a área do time visitante, Thiago Luís sobe na disputa com apenas um vascaíno, estica o braço e toca na bola. Lance isolado, mais do que nítido. Pênalti claríssimo, pela regra e mais ainda pela nova recomendação. Ricardo Marques Ribeiro mandou seguir. Absoluta incoerência.

As denúncias de Eurico Miranda contra o presidente da Federação Catarinense e vice da CBF Delfim Moreira ficam no campo da especulação, da pressão natural que o dirigente vascaíno sempre soube fazer muito bem, não exatamente com a intenção de moralizar a arbitragem. Também está claro que se fosse algo "encomendado" os gols anulados da Chapecoense teriam sido validados.

Só que os erros foram graves. E não os únicos. Para muitos são estes equívocos que tornam o futebol ainda mais apaixonante por conta da polêmica. Difícil concordar quando o trabalho de um clube envolvendo vários profissionais bem remunerados fica à mercê de um amador sem o devido preparo. Já basta a imprevisibilidade e todos os outros componentes que fazem do esporte o mais popular do planeta. O árbitro tem que ser o mediador mais preciso possível.

No Maracanã ficou devendo, como o Vasco deve pontos e futebol por toda a campanha no Brasileiro de 2015, apesar da recuperação que parece tardia. O possível rebaixamento não será injusto. Mas os cruzmaltinos não deixaram de ser vítimas de uma arbitragem desastrosa. Com a chancela FIFA e a conivência da CBF e dos próprios clubes. Sintomático.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.