PUBLICIDADE
Topo

Saída de Diego Souza é mais solução que problema no Fluminense

André Rocha

24/03/2016 10h13

É histórico. No Brasil, a grande maioria dos dirigentes se comporta como Florentino Pérez no Real Madrid: contrata pela grife e pelo currículo e não com a preocupação de encaixar as características do jogador na própria equipe.

A diferença é que o espanhol tem orçamento sobrando para torrar. E mesmo quando pecou ao dispensar Makelele e contratar Beckham em 2003, soube faturar com venda de camisas e popularização da marca do clube. Aqui nem isso.

Antes mesmo da aventura com Ronaldinho Gaúcho no ano passado, o Fluminense dos tempos da Unimed incorreu no erro de reunir nomes sem pensar na montagem do time. Especialmente em 2004, quando tentou encaixar Ramon, Roger Flores, Edmundo e Romário. Não podia dar certo. Neste caso tanto pela maneira de jogar quanto pelos temperamentos.

O retorno de Diego Souza quase onze anos depois se justificava pela volta ao clube de formação e também por conta das boas atuações em 2015 pelo Sport comandado por Eduardo Baptista, então no Flu.

Totalmente compreensível, não fosse a "renovação" de um problema. Mesmo que sem o mesmo impacto.

Nas raras vezes em que Ronaldinho esteve em campo, o Fluminense que chegou a liderar o Brasileiro sob o comando de Enderson Moreira perdeu rapidez e agilidade. Porque formava com Fred uma dupla que pouco ajudava na recomposição ou na pressão na saída de bola, obrigava os meias abertos a recuarem muito e, assim, não tinham referências de velocidade para desafogar nos contragolpes ou em caso de saída de bola apertada.

Diego Souza é mais jovem e dinâmico que Ronaldinho. Por ter começado como volante também colabora mais sem a bola. Na essência, porém, o problema seguia o mesmo. O novo camisa dez e Fred mais adiantados, nas poucas vezes em que estiveram juntos em campo, deixavam o Flu mais vagaroso, menos intenso. Pior: sem Jean, que foi para o Palmeiras, o meio-campo ganhou Cícero para qualificar o passe. Mas é outro que desacelera.

Com Diego Souza atrás de Fred, o Fluminense sacrificava os meias pelos lados que eram obrigados a voltar muito na recomposição e ainda acelerar a transição ofensiva (Tactical Pad).

Com Diego Souza atrás de Fred, o Fluminense sacrificava os meias pelos lados que eram obrigados a voltar muito na recomposição e ainda acelerar a transição ofensiva (Tactical Pad).

Alegando questões particulares, Diego retornou ao Recife. E Levir Culpi, que dispensou Ronaldinho  logo no início do trabalho no Atlético Mineiro em 2014, ganhou uma solução no jogo coletivo.

Não pela vitória nos pênaltis sobre o Internacional no Mané Garrincha que colocou o Fluminense na final da Copa Sul-Minas Rio contra o Atlético Paranaense. Muito pela movimentação e dinâmica na frente com Gérson, Gustavo Scarpa e Osvaldo, este autor dos dois gols. Trio atrás de Magno Alves, substituto de Fred.

No empate com vitória nos pênaltis sobre o Internacional, mais mobilidade e rapidez do quarteto ofensivo que espera por Fred (Tactical Pad).

No empate com vitória nos pênaltis sobre o Internacional, mais mobilidade e rapidez do quarteto ofensivo que espera por Fred (Tactical Pad).

Quando o camisa nove retornar, o time pode retomar a combinação de juventude e experiência que deu química nos melhores momentos do ano passado. Cercado de jogadores rápidos, Fred  naturalmente se mexe mais, faz pivô. Serve e finaliza. Sem a bola, fica mais adiantado e os companheiros trabalham por ele. No futebol atual só há espaço para um descansar na volta.

Não há discussão de que o Flu perde tecnicamente sem Diego Souza. Atuando mais avançado na vaga de Fred desequilibrou na vitória sobre o Cruzeiro por 4 a 3 com três gols e uma bela assistência para Scarpa.

Mas nem sempre reunir talentos e esperar que eles se arrumem em campo dá liga. O velho exemplo da seleção de 1970, com Zagallo acomodando Piazza na zaga para não sacar Clodoaldo e juntando Jairzinho, Gérson, Pelé, Tostão e Rivellino na frente, é exceção. Há mais casos de insucesso.

Nunca saberemos se o time de Levir Culpi seria mais um. Até porque há mais problemas a resolver – principalmente a lateral esquerda, hoje ocupada pelo improvisado Wellington Silva. O clube deve ir ao mercado antes do Brasileiro. A base também merece atenção. Apaziguar a turbulência política é obrigação.

Se priorizar a montagem de um time competitivo independente de grifes, o Fluminense pode ser forte em 2016.

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.