PUBLICIDADE
Topo

Fluminense, o campeão da Primeira Liga de futuro incerto

André Rocha

21/04/2016 00h08

O Fluminense de Levir Culpi, novamente sem o suspenso Fred, teve mobilidade e rapidez na frente com Gustavo Scarpa e Osvaldo nas pontas, Gérson circulando atrás de Magno Alves.

Em alguns momentos faltou o camisa nove para reter a bola na frente ou estar no lugar certo para finalizar. O time funcionou, mesmo com algumas oscilações.

Também pelos méritos do Atlético Paranaense de Paulo Autuori em Juiz de Fora. Com Otávio qualificando a saída de bola nos melhores momentos, mas errando passes e dando contragolpes para o adversário.

Bola no travessão, boas aparições de Jadson, o volante mais ofensivo, e Nikão levando vantagem sobre o hesitante Giovanni.

Depois de domínio do Flu no início do segundo tempo, o Atlético voltou a avançar as linhas. Até Paulo André errar e o tricolor acelerar com Marcos Júnior, que entrou na vaga de Osvaldo para decidir a Primeira Liga. Ou Copa Sul Minas Rio.

Disputa com caráter amistoso em 2016. Para o ano que vem, incógnita. Porque os participantes contam com a presença na primeira edição oficial.

Só que o Estatuto do Torcedor exige que haja um critério técnico de classificação para qualquer competição regional. Como a Copa do Nordeste, norteada pelos estaduais.

Caminho aberto para outros clubes pleitearem vagas. Até opositores à criação do torneio, como o Vasco de Eurico Miranda. Dependendo do resultado no Carioca, pode deixar de fora Fla ou Flu, ou os dois se não houver proteção ao campeão. Um cenário de crise possível.

Os fundadores pretendem que a Primeira Liga seja apenas uma primeira iniciativa para a criação da Liga Nacional, tirando o poder da CBF na organização do Brasileiro. Mas pouco foi feito de concreto durante a passagem de Coronel Nunes como fantoche de Marco Polo Del Nero, que está de volta depois da "licença".

Os clubes avançam pouco, por falta de confiança nos próprios pares e levar a rivalidade para os bastidores, sem união para tratar o futebol de forma profissional, de fato. Muitos preferem não mudar o status quo e se aproveitar dele através da subserviência à estrutura federativa.

O Fluminense leva a taça para as Laranjeiras. Mas o futuro da Primeira Liga é incerto.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.