PUBLICIDADE
Topo

Não houve pênalti em Grafite, mas teve bom futebol de Flu e Santa Cruz

André Rocha

21/05/2016 21h21

A torcida do Fluminense tem toda razão ao reclamar do pênalti absurdo marcado de Wellington Silva sobre Grafite que garantiu os 2 a 2 no Raulino de Oliveira. Contato absolutamente normal.

Os apaixonados pelo Santa Cruz também acertam ao protestar pelo impedimento de Fred no início da jogada que terminou no escanteio que gerou o gol de Gum, além do posicionamento de Gerson atrapalhando a intervenção do goleiro Tiago Cardoso. Pesos diferentes, mas erros grosseiros.

Arbitragem mais que questionável liderada por Jailson Macedo Freitas, atrapalhando disputa interessante entre um Fluminense tentando propor o jogo com posse de bola e pressão no campo de ataque e o Santa Cruz com formação ofensiva, mas organizada em linhas compactas. Apostando na objetividade e no seu artilheiro.

Primeiro tempo de disputa tática, com o Flu adiantando linhas e propondo o jogo diante de um Santa Cruz compacto e atento no trabalho coletivo (Tactical Pad).

Primeiro tempo de disputa tática, com o Flu adiantando linhas e propondo o jogo diante de um Santa Cruz compacto e atento no trabalho coletivo (Tactical Pad).

Grafite abriu o placar completando bela combinação pela esquerda entre Tiago Costa e Fernando Gabriel. Depois de um primeiro tempo de boa disputa tática, posse tricolor de 57%, seis finalizações com duas no alvo para cada lado.

Virada do Flu, já com Gerson na vaga de Richarlison, que desta vez sentiu dificuldades para buscar os espaços entre a defesa e o meio do oponente. O substituto, porém, acrescentou pouco. Bela cobrança de falta de Gustavo Scarpa – nome que Dunga deve pensar com carinho para os Jogos Olímpicos. Depois o segundo gol no lance irregular.

Milton Mendes arriscou tudo com uma formação que seria condenada por "resultadistas" se o Flu tivesse ampliado: Wallyson volante, Arthur recuado da ponta para a lateral direita, Everaldo aberto e Bruno Moraes junto a Grafite na frente. Mas sem perder a coordenação dos setores.

Uma prova do ótimo trabalho de Milton Mendes. Solidez coletiva que é tão importante quanto a invencibilidade de 14 partidas do treinador. Também a artilharia de Grafite, com quatro gols – média de dois por jogo. Fase espetacular.

O Fluminense de Levir Culpi ganhou jogadas em profundidade com Marcos Junior no lugar de Osvaldo e teve oportunidades nos últimos minutos. E mais Levir não trocou, porque o elenco é curto. A chegada de Maranhão dá mais uma opção para o quarteto ofensivo. Mas a ideia de jogo é interessante. Promessa de time competitivo no Brasileiro.

Formação ultraofensiva do Santa Cruz em busca do empate, mas sem perder coordenação; Flu perdeu criação com Gerson, mas ganhou profundidade pela esquerda com Marcos Júnior (Tactical Pad).

Formação ultraofensiva do Santa Cruz em busca do empate, mas sem perder coordenação; Flu perdeu criação com Gerson, mas ganhou profundidade pela esquerda com Marcos Júnior (Tactical Pad).

57% de posse e 15 finalizações do tricolor carioca. Assim como nos 4 a 1 sobre o Vitória na estreia, a equipe coral foi efetiva na frente: nove finalizações, quatro no alvo e duas bolas nas redes. Protagonistas do duelo tático prejudicado por equívocos importantes da arbitragem. Sem contar as 42 faltas que travaram os times em vários momentos.

Mas não impediram o bom futebol em Volta Redonda.

(Estatísticas: Footstats)

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.