PUBLICIDADE
Topo

Brasil eliminado. A triste história do bom primeiro tempo e o gol de braço

André Rocha

13/06/2016 00h19

O futebol tem suas ironias e caprichos. Dunga não era o técnico para o início do ciclo na seleção brasileira depois dos 7 a 1. A CBF vive um momento vexatório, com seu presidente evitando viagens internacionais e o contrato com a empresa que promove amistosos questionado por interferir nas convocações. Cenário triste, desolador.

Mas dentro do campo  não merecia a eliminação na fase de grupos da Copa América Centenário. Principalmente pelo primeiro tempo no Gillette Stadium.

Sem Casemiro, Dunga optou por um meio-campo mais leve. Lucas Lima e não Walace. Voltando ao 4-2-3-1 com Elias e Renato Augusto alternando na proteção à defesa e no apoio, Lucas Lima circulando para articular e Gabriel no lugar de Jonas entregando mais mobilidade. Filipe Luís muito bem no apoio pela esquerda, melhor que Daniel Alves no lado oposto.

64% de posse, cinco finalizações contra nenhuma do Peru de Ricardo Gareca e um Paolo Guerrero nulo. Sete desarmes certos contra dois. A seleção soube defender e atacar. Faltou contundência, porém o jogo estava controlado. No rigor frio da tabela, o empate era suficiente.

Mas a queda de produção na segunda etapa levou a disputa para o aspecto psicológico. Classificação na liderança ou eliminação. Para um grupo jovem, mexido e ainda com a surra alemã no Mineirão na lembrança, não podia dar boa coisa.

O Peru foi se aventurando, Gareca colocou Yotún para qualificar o passe e ganhar chegada à frente. Depois entrou Ruidiaz, jogador limitado, porém agudo pela esquerda.

E logo no setor de Filipe Luís saiu a jogada do gol irregular. Toque claro no braço direito de Ruidiaz. Erro grotesco e decisivo da arbitragem, porque o Brasil desabou emocionalmente. Mesmo com todas as ressalvas possíveis, deu dó de Dunga à beira do campo.

Porque a ideia inicial foi interessante, atual. O problema é testar em uma partida que se tornou eliminatória. Porque o planejamento é jogo a jogo. Paradoxalmente, a seleção foi conservadora em tantos amistosos e quando valia três pontos numa competição FIFA, ainda que não tratada como prioridade, a inovação cobrou um preço: o resultado. Logo o que Dunga mais preza.

Outra ironia do futebol. Tão estranho quanto o Brasil voltar para casa tão cedo na competição continental. Aconteceu. E o que virá? Difícil prever depois de mais uma mancha na história recente da camisa cinco vezes campeã mundial.

(Estatísticas: Footstats)

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.