PUBLICIDADE
Topo

Euforia, soberba, surpresa, desespero: velho roteiro que atrapalha o Brasil

André Rocha

04/08/2016 18h34

Aconteceu de novo. A seleção brasileira, agora olímpica, viveu expectativa desmedida e midiática e um clima de euforia para a estreia no Mané Garrincha.

Como se não houvesse um adversário do outro lado. "Ah, é a África do Sul!" Aquela nossa soberba que não tem conserto, nem com 7 a 1. Se não for um campeão mundial a seleção brasileira tem obrigação de golear jogando no piloto automático. Mesmo sem conhecer quem está do outro lado.

Veio então a surpresa – não de Rogério Micale e seus comandados, que já haviam enfrentado os africanos –  pelo oponente organizado, com postura cautelosa. Sem medo, porém. Porque estamos em 2016, não há mais o desconhecido, o temor apenas pelo peso da camisa.

Os rivais compactaram as linhas, sabiam que a equipe de Micale adiantaria a defesa e tentou surpreender com a velocidade e os deslocamentos de Modiba, Masuku, Dolly e Mothiba, o quarteto ofensivo do 4-2-3-1.

O 4-3-3 brasileiro ficou espaçado no primeiro tempo. Também abusou das ligações diretas, dos cruzamentos e das tentativas individuais, principalmente de Neymar. Porque a tensão induz a agir instintivamente. Por 45 minutos, todo o jogo coletivo trabalhado ficou na Granja Comary. Por causa do desespero.

Recuperação na segunda etapa com Luan e Rafinha no meio e fazendo a bola chegar ao trio ofensivo com mais mobilidade. Com a expulsão do volante Mvala, virou ataque contra defesa. E aí faltou calma a Gabriel Jesus para não jogar na trave um gol feito.

Também duas broncas. Uma nos companheiros por procurar demais o Neymar. Outra no próprio camisa dez por tentar sempre um toque ou drible a mais. Sim, foi o brasileiro que mais pegou na bola e finalizou. Mesmo sem ritmo de jogo depois das férias, exagerou no individualismo. Quando soltou rápido serviu Gabriel em outra boa chance.

O gol para salvar a estreia não saiu. Então as vaias e um discurso apocalíptico já ecoam. Contra o Iraque, obrigação de golear. Do cenário atual, sai a euforia e entra ainda mais pressão. Em casa, a chance de jogar ao natural é nenhuma. Só atrapalha.

Os garotos e o técnico novato que se acostumem. É sempre assim.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.