Topo
Blog do André Rocha

Blog do André Rocha

Categorias

Histórico

Vanderlei Luxemburgo parou no tempo. Por isso ninguém corre mais por ele

André Rocha

2027-10-20T17:14:28

27/10/2017 14h28

Foto: Carlos Ezequiel Vannoni/Agência O Globo

Vanderlei Luxemburgo está na história do futebol brasileiro por tudo que conquistou, pelo personagem polêmico, multifacetado e com momentos hilários. Por ter comandado o Real Madrid galáctico.

Ele também tem razão, apesar da empáfia, quando se denomina um "cara de vanguarda". Especialmente nos anos 1990 nenhum treinador brasileiro foi mais criativo e visionário. Desde o primeiro 4-1-4-1 que se tem registro no Brasil (leia mais AQUI), passando pelo uso do "falso nove" com Evair recuando para armar jogadas e abrir espaços para as infiltrações de Edmundo e Edilson, depois Rivaldo, no Palmeiras bicampeão brasileiro 1993/94. Ainda que não seja algo totalmente original, já que o treinador se inspirou no movimento de Roberto Dinamite com os pontas Mauricinho e Romário, este no início da carreira, no Vasco de 1985 a 1987.

Ou Rincón recuando como volante para qualificar a saída de bola no Corinthians 1998, num 4-2-2-2 típico da época que, na prática, se convertia num losango com Vampeta e Ricardinho nos lados e Marcelinho mais solto. O 4-3-1-2 que virou sua marca nos anos 2000 por distribuir melhor os jogadores, como dizia José Mourinho, então melhor técnico do mundo.

No Real Madrid, assim que chegou encontrou o melhor posicionamento para Beckham e Zidane – pelos lados, à frente do "volante-volante" Thomas Gravesen e atrás de Raúl na ponta do losango. Na frente, Owen e Ronaldo. O time que venceu o Barcelona de Ronaldinho Gaúcho por 4 a 2 no Bernabéu e deu uma esperança de reação em busca do título, mas não houve tempo.

Luxemburgo também teve sacadas interessantes na sua aventura em 1995 de deixar o Palmeiras dominante para comandar o Flamengo de Kléber Leite e Romário. Como posicionar o canhoto Sávio pela ponta direita para usar o recurso de cortar para dentro e finalizar – ninguém tinha pensado nisso antes. Ou alternar Fabinho e Charles Guerreiro como volante e lateral pela direita e Válber e Branco do lado oposto para dosar as energias e, ao menos tempo, confundir a marcação.

Também as polêmicas do ponto eletrônico de Ricardinho no Corinthians e, no Santos, de entrar em campo com 12 jogadores e tirar um só no gramado para dificultar o trabalho do Corinthians no clássico. Sempre pensando à frente, em alguns momentos pelo típico prazer de ser (ou parecer) mais "malandro" que todo mundo.

Além das questões táticas e estratégicas, as palestras motivacionais marcaram sua trajetória e sempre foram elogiadas pelos jogadores que comandou. Algumas bizarras com o olhar de hoje, mas eficientes na proposta de fazer com que seus atletas entrassem concentrados e até "mordidos" para, se preciso, deixar até a vida no campo. Foi pioneiro também no uso do terno e do traje elegante à beira do campo. De fato, um treinador à frente do seu tempo no Brasil.

O pecado de Luxemburgo foi deitar sobre seus louros, desviar um pouco a atenção do campo e tentar ser um "manager" como Alex Ferguson interferindo em negociações. Difícil entender até hoje como um profissional bem remunerado e que dizia sempre que seu objetivo era trabalhar na Europa não se esforçou para aprender sequer o espanhol para adquirir fluência. Seu "portunhol" é piada até hoje em Madrid, assim como seus treinos em caixa de areia e a utilização do 4-2-2-2 na temporada 2005/2006.

Parou no tempo e seus trabalhos foram perdendo qualidade e capacidade competitiva. Quando os conceitos de Pep Guardiola e as respostas de Mourinho, Ancelotti, Klopp e outros treinadores fizeram o futebol evoluir 20 anos em cinco a partir de 2008/09, o brasileiro não percebeu essa revolução. Continuou vendo tudo como antes, como sempre ressalta em suas entrevistas e participações em programas de rádio e TV.

Ficou para trás, preso ao passado. Se não nota, não aplica. Muito menos cria metodologias para que suas equipes joguem, de fato, um futebol atual. Vive do nome, do impacto da mudança quando chega a um clube com sua "grife". Mas logo que a chacoalhada em motivação passa não há conteúdo para melhorar o desempenho.

O Sport foi só mais uma equipe espaçada, muitas vezes atacando com quarteto ofensivo de um 4-2-3-1, mais um volante ou um lateral. Cinco na frente, cinco atrás. Distantes. Porque Guardiola e outros atualizaram e aprofundaram os conceitos de compactação dos setores de Arrigo Sacchi no Milan do final dos anos 1980, ainda a referência de Luxemburgo, que acha que nada aconteceu.

Para piorar, o temperamento e a vaidade exacerbada de quem já foi e ainda se acha o número um faz com que ele perca força também na gestão do vestiário. Muitos jovens de 19, 20 anos que comanda eram crianças quando ele venceu seu último título relevante: o Brasileiro de 2004 com o Santos. Difícil entender tanta "marra". A consequência: enquanto outros boleiros veteranos de sua geração conseguem se manter como "paizões", ele dificulta o relacionamento.

Complica mais ainda reclamando pela imprensa, criticando assessores e outras polêmicas, tantas desnecessárias. Nas vitórias que consegue no início do trabalho chama todos os méritos para si. Quando vem a má fase, a transferência de responsabilidade aparece. "Eu venci, nós empatamos, eles perderam".

Em Recife o aproveitamento foi fraco: 40%. Em 34 partidas, 11 vitórias, oito empates e 15 derrotas. A última pela Sul-Americana para o Junior Barranquila na Ilha do Retiro, por 2 a 0. Se no Brasil está difícil se impor, que dirá nos torneios continentais que nunca venceu, nem nos tempos áureos.

Agora complicou de vez para Vanderlei Luxemburgo se reinserir no mercado. Porque ninguém mais corre por quem parou no tempo. Dentro e fora de campo. Uma pena.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Mais Blog do André Rocha