PUBLICIDADE
Topo

Na semana de reverências a Cristiano Ronaldo é obrigatório exaltar Zidane

André Rocha

06/04/2018 10h38

Imagem: Reprodução TV Globo

A bicicleta espetacular de Cristiano Ronaldo em Turim tinha mesmo que monopolizar as atenções, o noticiário e as análises sobre Real Madrid e Juventus, confronto praticamente definido nas quartas de final da Liga dos Campeões.

Serviu para muitos que desdenhavam da capacidade do português se renderem à sua genialidade que não é igual a de Lionel Messi, mas mesmo diferente não é menor. A incrível capacidade de adaptação para seguir decidindo e a inteligência em campo para facilitar o jogo de sua equipe e aparecer para o toque final é sem par na história do futebol.

No entanto, pouco se falou de outro grande personagem da vitória merengue. Ou melhor, a repercussão ficou restrita à sua reação incrédula ao momento mágico da partida. Como um espectador privilegiado de uma obra de arte.

Mas Zinedine Zidane foi muito mais que isto. Ele interferiu diretamente na disputa que culminou nos 3 a 0. Mais uma vez com a simplicidade e a discrição que são sua marca desde os tempos de jogador. Um dos melhores de todos os tempos.

Como treinador, se não é estrategista ou inovador, vem conduzindo com sabedoria e potencializando o melhor de um elenco curto. Apostando em entrosamento dentro e fora do campo. Gestão serena do grupo criando um clima positivo e mudando peças e o sistema de jogo sem alterar a proposta. Todos jogam e descansam de acordo com a necessidade.

Está claro que há três desenhos táticos bem definidos. Um 4-4-2 com Lucas Vázquez e Asensio pelos lados na linha de meio-campo que torna o time mais dinâmico, intenso e veloz; o 4-3-3 cada vez menos usado por apresentar menos variações e depender do trio "BBC" com a entrada de Bale na frente com Benzema e Cristiano Ronaldo. Mas ainda uma opção dependendo da necessidade da partida e também para dar minutos ao galês e mantê-lo motivado.

Por último, o 4-3-1-2 dos dois triunfos sobre a Juventus – na final da Champions na última temporada e no duelo de terça-feira – que valoriza a posse de bola com Kroos, Modric e Isco e ganha mobilidade com o meia espanhol circulando por todos os setores para desestabilizar a marcação e acionar a dupla de atacantes. Novamente desmontou o sistema defensivo da hexacampeã italiana.

Mérito de Zidane, mesmo com todas as relativizações. Difícil imaginá-lo tão à vontade em outro ambiente. A base de jogadores e também dos conceitos desde os tempos de Carlo Ancelotti ajuda muito. A convivência anterior com praticamente os mesmos atletas como auxiliar construiu uma cumplicidade fundamental no dia a dia tenso de um clube de ponta, do qual nunca se exige menos do que o máximo de conquistas.

É óbvio que Zidane também se equivoca no começo de sua trajetória em um novo ofício. O péssimo início na liga espanhola combinado com a campanha espetacular e invicta do Barcelona praticamente inviabilizou a disputa pelo bicampeonato nacional. Nos duelos contra o Tottenham pela fase de grupos da Champions e no clássico contra o Barça o desempenho foi bem aquém da condição de equipe que conquistou o inédito bicampeonato do maior torneio de clubes do mundo em sua versão atual.

Sem contar a inexplicável insistência com Benzema, que hoje funciona como mero suporte para Cristiano Ronaldo. Quando não atrapalha desperdiçando oportunidades cristalinas. Imperdoável em jogos grandes.

Ainda assim, "Zizou" merece o reconhecimento. Principalmente por ter convencido seu camisa sete a descansar ao longo da temporada para estar pronto e concentrado nos jogos mais importantes. Planejamento perfeito em 2016/17 e agora, mesmo com a inesperada suspensão nos cinco primeiros jogos do Espanhol, o português também está voando na reta final.

Tudo com muita naturalidade, que é a marca deste time vencedor. Sem o comandante que faz questão de deixar sua assinatura e mostrar ao mundo que buscou algo diferente para surpreender. O pecado de Pep Guardiola na derrota do Manchester City para o Liverpool no Anfield Road. Com Zidane o protagonismo é sempre dos jogadores.

Em casa ou fora o Real atua da mesma maneira. Com inteligência, sabendo o momento de pressionar o adversário no seu campo ou de recuar as linhas e aproveitar os espaços às costas da defesa do oponente. Sempre voltado para o ataque e valorizando o espetáculo. Seja no passe preciso de Kroos, no ímpeto de Marcelo pela esquerda ou na eficiência assombrosa de sua estrela máxima com direito a momentos de magia.

Na semana de reverências a Cristiano Ronaldo é obrigatório exaltar Zidane. Sem ele toda essa jornada histórica do maior time do planeta seria bem mais complicada.

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.