PUBLICIDADE
Topo

Renato Gaúcho compensa saída de Ramiro com Grêmio forte pelas pontas

André Rocha

31/01/2019 23h11

Ramiro encaixou no Grêmio de Renato Gaúcho fazendo função semelhante à de Giuliano no time de 2015, comandado por Roger Machado: o "ponta-volante", que trabalha pelo flanco, mas com a função de jogar mais próximo da dupla de meio-campistas na execução do 4-2-3-1.

A movimentação abre espaços para o apoio do lateral no setor – o direito, no caso. Também para o deslocamento do atacante de referência, do meia central ou até do ponteiro do lado oposto. Uma função que normalmente equilibra a equipe e facilita a movimentação dos companheiros. Elano no Brasil de Dunga no ciclo da Copa de 2010 e também no Santos campeão da Libertadores de 2011, além de Matuidi na França campeã mundial no ano passado são exemplos clássicos.

Ramiro foi para o Corinthians e Renato vai repaginando sua equipe no mesmo desenho tático, porém com o encaixe de Marinho. Sem oportunidades consistentes no segundo semestre de 2018 e desgastado com a torcida por um vídeo que viralizou nas redes sociais é o ponta canhoto que corta para dentro e finaliza ou serve os companheiros. No caso finalizando bem mais e marcando seu primeiro gol nos 4 a 0 em casa sobre o São Luiz.

A posse de bola segue norteando o modelo de jogo e Maicon dita o ritmo jogando mais adiantado, protegido por Michel. É um desenho mais "quadrado", menos móvel, porém mais contundente na frente. Jael na referência, Luan por trás, Marinho cortando da direita para dentro buscando o chute e Everton acelerando e infiltrando em diagonal, deixando o corredor para Bruno Cortez.

Filipe Vizeu é opção no comando de ataque, Montoya estreou pela direita substituindo Marinho e compondo mais taticamente, mas também aparecendo para marcar o quarto gol. Jean Pyerre amadurece na articulação e parece pronto para o caso de Luan oscilar no desempenho ao longo da temporada. Julio César vai ganhando confiança para compensar a saída de Marcelo Grohe. A manutenção de um trabalho que deu certo e já está na história do clube facilita os ajustes por necessidade e a adaptação de quem chega.

Não é regra. O rival Internacional, por exemplo, não vem aproveitando o "jogar de memória" por conta da continuidade de Odair Hellmann e a preservação da base do ano passado. O início ruim torna o Grêmio líder da primeira fase com melhor ataque e defesa menos vazada e ainda mais favorito ao bicampeonato gaúcho.

Também um candidato natural e competitivo aos principais títulos em 2019. Trabalhando a bola, mas agora atacando mais pelas pontas. Como Renato Gaúcho nos tempos de jogador. Como pode voltar a levantar taças em 2019.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.