Topo
Blog do André Rocha

Blog do André Rocha

Categorias

Histórico

França evolui e pode repetir ciclo histórico da geração de Zidane

André Rocha

2026-03-20T19:00:46

26/03/2019 00h46

Foto: Michel Euler/AP

As goleadas por 4 a 1 sobre a Moldávia fora de casa e 4 a 0 contra a Islândia em Paris nas eliminatórias da Eurocopa são menos relevantes para a França campeã do mundo do que a nítida evolução no desempenho da equipe de Didier Deschamps.

Entrosamento por conta da manutenção da base vencedora na Copa do Mundo e confiança pela conquista que tirou o peso do fracasso da Euro 2016 disputada em casa. O time agora está nitidamente mais solto. Na Rússia, a variação do 4-2-3-1 para o 4-3-1-2, com Matuidi ora ponta, ora volante pela esquerda alinhado a Pogba e à frente de Kanté, era mais engessada, sem tanta mobilidade.

Mbappé ficava mais à direita e o corredor do lado oposto era aproveitado pelo lateral Lucas Hernández e eventualmente por Griezmann. Rigidez no posicionamento ao atacar para garantir a organização defensiva quando perdesse a bola. Agora há mais mobilidade. No primeiro gol sobre a Moldávia, Mbappé estava mais centralizado quando Griezmann tabelou com Pogba, infiltrou pela direita e marcou lindo gol.

Giroud é outro sem a pressão do Mundial. Mantém a importância no jogo aéreo ofensivo e defensivo, em alguns momentos recua para que Mbappé fique solto na frente para acelerar os contragolpes. Continua empurrando com sua presença física a última linha da defesa adversária para trás dando espaços para Mbappé, Griezmann, Pogba e Matuidi trabalharem. Mas voltou a fazer gols. Deixou dois nestas datas-FIFA. Agora tem 35 e só fica atrás de Thierry Henry (51) e Michel Platini (41) na artilharia dos Bleus.

A equipe de Deschamps continua forte no jogo aéreo que conta com participação decisiva da dupla Varane-Umtiti. Um gol de zagueiro em cada partida. Porém não dependem mais tanto da bola parada e dos cruzamentos para descomplicar as partidas. Também porque está menos tensa.

Situação parecida com a que viveu a geração de Zinedine Zidane. Pressão pelo título em casa na Copa de 1998, ainda mais por ter ficado de fora dos Mundiais de 1990 e 1994. Campanha um tanto sofrida até a epopéia dos 3 a 0 sobre o Brasil na final.

Mais solta e entrosada, venceu a Eurocopa 2000 e seguiu poderosa, ganhando inclusive a Copa das Confederações em 2001, até chegar ao Mundial na Ásia e decepcionar com a eliminação na primeira fase em grupo com Uruguai, Dinamarca e Senegal. Zidane chegou desgastado e lesionado, entrou em campo no sacrifício e pouco pôde fazer na despedida contra a Dinamarca. Virou o fio na hora errada.

Deschamps encerrou a carreira de jogador em 2001. Se despediu da seleção um ano antes, com a conquista da Euro. Não viveu a queda depois da ascensão. Agora no comando fora de campo espera fazer diferente e manter o domínio no futebol de seleções. A França hoje é a favorita para a conquista da Eurocopa 2020 e tem futebol para repetir o ciclo histórico da geração mais vencedora do país.

 

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Mais Blog do André Rocha