Topo
Blog do André Rocha

Blog do André Rocha

Categorias

Histórico

O que deu errado na intertemporada do Corinthians

André Rocha

08/07/2019 06h55

As ausências de Cássio e Fagner, a serviço da seleção brasileira na Copa América, pesariam em qualquer clube brasileiro. Ainda mais naquele em que construíram uma história mais que vencedora nos últimos anos. Ao longo do processo a lista ainda ganhou os nomes de Jadson, Gustavo, Ramiro e Everaldo. Mas o baixo desempenho do Corinthians na intertemporada vai bem além dos desfalques importantes.

Fabio Carille segue em seu dilema: como melhorar a produção do ataque sem abalar a solidez defensiva? A equação que teve a melhor resposta recente no primeiro tempo da derrota para o Flamengo no Maracanã pela Copa do Brasil não é simples. O tricampeão paulista está acostumado a aproveitar os espaços cedidos pelo adversário para acelerar.

A construção das jogadas desde a defesa costuma ser complicada. A saída de bola é sustentada e progressiva – ou seja, aposta mais na segurança ao não projetar os jogadores no campo adversário, nem acelerar a circulação da bola para chegar mais rapidamente à frente. Muitas vezes fica rodando entre os zagueiros e volante mais plantado, normalmente Ralf, e facilita a marcação adversária. É preciso ser mais agressivo e criativo.

A ideia de centralizar Clayson e abrir vaga pela esquerda para Everaldo, dentro de um desenho mais próximo de um 4-2-3-1, pode ser interessante porque dá profundidade às ações ofensivas, mas torna o time ainda mais dependente da velocidade. Diante de um oponente mais fechado o problema se mantém, ou até agrava. O que deveria ser rapidez se transforma em pressa, o passe sai errado e o contragolpe pega a retaguarda desarrumada.

Carille só tem uma boa notícia: Régis se mostrou uma opção interessante, pela direita ou por dentro. Não só pelos gols na vitória sobre o Vila Nova por 2 a 1 e no revés diante do Londrina, mas por conta da evolução desde o primeiro amistoso – outra derrota, para o Botafogo-SP por 2 a 1. O meia canhoto de 26 anos, emprestado pelo Bahia, pode ser um ponta articulador ou um meia de chegada à frente. Encorpa o elenco no setor mais necessário: de criação.

O retorno de Gil também é importante pela experiência e a identificação com clube e ideia de jogo. Um zagueiro com qualidade técnica e cultura de vitória pode ser fundamental nesta transição na maneira de atuar. Sem contar o entrosamento e a sintonia com Cássio e Fagner.

É claro que os resultados e o futebol abaixo das expectativas não devem ser tratados como terra arrasada. Valeu ao menos para fazer testes e observações. Notar o que não deve se repetir. Com time completo é possível ser bem mais competitivo e o calendário sem Copa do Brasil entregará algumas semanas cheias a Carille para trabalhar. No nosso futebol resultadista, o período sem metas a curto prazo pode inconscientemente desmobilizar atletas e comissão.

Mas o fato é que essa nova fase de preparação não teve os efeitos desejados e reforçou uma imagem que já era preocupante: a do Corinthians travado quando precisa atacar. Continua insosso, um tanto morno. No nosso jogo intenso e emocional, a desvantagem é ainda maior. Um sinal de alerta já para a volta do Brasileiro no domingo, em casa contra o CSA. Carille ainda tem mais uma semana para achar algum coelho em sua cartola.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Mais Blog do André Rocha