Topo
Blog do André Rocha

Blog do André Rocha

Categorias

Histórico

O Internacional maduro e a virtude que virou problema no Cruzeiro

André Rocha

07/08/2019 23h55

A organização defensiva foi a grande marca, a identidade do Cruzeiro bicampeão da Copa do Brasil comandado por Mano Menezes. A escolha do treinador quase sempre foi mover pouco as peças com a bola para não se descoordenar na transição defensiva. O 4-2-3-1 que se transforma em duas linhas de quatro na recomposição. Cada um no seu lugar.

Funcionava no contragolpe, na bola parada e em um ou outro lampejo. Mas no Mineirão, em meio a uma crise grave dentro e fora de campo, a falta de mobilidade tornou o time mais que previsível. Com Thiago Neves afundando no ataque com Sassá e Robinho sem procurar os espaços às costas dos meio-campistas do oponente.

Restavam as inversões para Pedro Rocha à esquerda, mas bem controlado por Bruno, um dos melhores em campo. De um Internacional inteligente na condução do jogo. Mesmo sem uma referência de velocidade na frente e Sóbis tentando emular a função do suspenso D'Alessandro pelo lado do campo: reter a bola e acrescentar pausas, ficando com a bola.

Edenilson e Patrick mais uma vez foram os motores do 4-1-4-1 de Odair Hellmann. Dando suporte a Rodrigo Lindoso e também se aproximando de Paolo Guerrero, já que Nico López novamente não teve uma noite inspirada. Deu lugar a Wellington Silva, que foi muito mais um auxiliar de Bruno pela direita.

Porque o Inter foi às redes na bola parada. Linda cobrança de falta de Guerrero, defesa espetacular de Fábio e a onipresença de Edenilson no rebote. Depois foi administrar, sofrendo naturalmente com o abafa descoordenado do time mandante, com Fred, Marquinhos Gabriel e Maurício na frente se juntando a Thiago Neves que, no desespero, tentava de qualquer maneira.  Apenas uma finalização no alvo em onze. De nada valeram os 58% de posse.

Não podia dar certo. E será ainda mais complicado na volta em Porto Alegre. Agosto só não tem cara de dezembro para o Cruzeiro porque a volta será apenas em setembro. Talvez sem Mano Menezes, com situação quase insustentável no clube mineiro [Atualização: o treinador pediu demissão e encerrou um ciclo de três anos no clube]. Uma vitória em 18 partidas oficiais, oito partidas sem ir às redes. E o pior: sem perspectivas de melhora no desempenho. Porque a virtude virou defeito.

Melhor para o Colorado, que vai ganhando maturidade como visitante em momento importante da temporada. Só uma reviravolta improvável tira a vaga da final na Copa do Brasil. Nas quartas da Libertadores e lutando por G-6 no Brasileiro. Tem que respeitar o trabalho de Odair Hellmann.

(Estatísticas: Footstats)

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Mais Blog do André Rocha