Topo
Blog do André Rocha

Blog do André Rocha

Categorias

Histórico

São Paulo sofre com Dani Alves sacrificado no meio-campo. Dilema para Cuca

André Rocha

31/08/2019 14h03

O empate sem gols no Morumbi cheio, quente e tenso pela queda de um torcedor das arquibancadas com os reservas do Grêmio reforçados por Everton são dois pontos perdidos para o São Paulo. Irrecuperáveis pelo contexto.

A equipe de Cuca teve mais posse que o time de Renato Gaúcho (52% x 48%) e finalizou 17 vezes, dez a mais que o adversário. Mas só quatro no alvo. A chance cristalina caiu nos pés de Vitor Bueno, improvisado no centro do ataque pelas ausências de Raniel, Pablo, Alexandre Pato e Toró. Um domínio errado e a oportunidade clara se foi.

Desempenho coletivo muito oscilante e dependente das ações individuais de Antony, que acabou expulso. Chegou a correr alguns riscos de sair derrotado pelos gaúchos que tinham qualidade na frente com Diego Tardelli e Luan, além do Cebolinha.

Novamente o problema no meio-campo. Desde o Palmeiras campeão brasileiro em 2016, Cuca procura escalar os jogadores mais dotados tecnicamente no setor. No São Paulo é clara a preferência por Tchê Tchê, Liziero e Daniel Alves. Justo, mas o posicionamento é bem discutível.

No 4-2-3-1, Daniel Alves joga como um autêntico camisa dez. Com liberdade atrás do centroavante, mas muitas vezes recebendo a bola de costas e participando apenas da última etapa de construção, onde a marcação é mais dura e os espaços ficam mais raros. Tudo para não perder a participação do trio na articulação. Tchê Tchê e Liziero revezam no apoio. Em tese uma solução que torna a criação menos previsível.

Mas sacrifica Dani Alves, que em tese seria muito mais participativo como meia pela direita num 4-1-4-1. Um "oito", como atuou muito bem no PSG em várias partidas. Mas teria que sacrificar um dos outros dois como um volante mais fixo à frente da defesa. Escolha complicada. Um dilema mesmo. Ainda que a lógica sugira sempre o melhor para o mais decisivo – o camisa dez, no caso.

O que fazer? A melhor resposta só pode vir da soma de treinamentos e jogos. Com possibilidades também de retornar Dani para a lateral direita – um desperdício na realidade do futebol brasileiro – ou posicioná-lo aberto na linha de meias num 4-4-2, como jogou na Juventus. A única certeza é que novamente não funcionou como poderia e o São Paulo deixou pontos pelo caminho.

(Estatísticas: Footstats)

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Mais Blog do André Rocha