Topo

Histórico

Categorias

Com Tiago Nunes, Corinthians pode atualizar versão 2015 de Tite

André Rocha

06/11/2019 06h26

Foto: Alexandre Schneider / Getty Images

Quando se fala na "Identidade Corinthians", tão citada neste blog,  é por uma questão didática e de reforçar a imagem de uma sequência de trabalho, com alguns hiatos, que foi vencedora e teve apenas três profissionais envolvidos em quase dez anos: Mano Menezes, Tite e Fabio Carille.

Mas uma injustiça é cometida com a segunda passagem de Tite pelo clube, justamente o trabalho que o credenciou definitivamente para assumir a seleção brasileira: em 2014, o treinador resolveu ter uma "ano sabático" para repensar a carreira e estudar. Foi para a Europa, observou, consolidou conceitos e voltou com a proposta de adicionar à solidez defensiva, marca do seu trabalho mais vitorioso, mais mobilidade e criatividade.

Depois de passar boa parte da temporada de 2015 burilando o novo modelo com oscilações naturais, a reta final do Brasileiro encontrou sua melhor versão: um Corinthians no 4-1-4-1 com Renato Augusto organizando, Elias infiltrando, Jadson saindo da direita para dentro como ponta articulador e Malcom entrando em diagonal e se juntando a Vagner Love.

Campeão indiscutível, com atuação mais marcante nos 3 a 0 no Independência sobre o Atlético Mineiro, então o concorrente ao título que seria o vice. Novamente a defesa menos vazada, porém com o ataque mais positivo e um estilo envolvente, leve e agressivo. Ainda acreditando na segurança, mas agora investindo em triangulações e organização para atacar e criar espaços, obviamente sem abrir mão das rápidas transições ofensivas.

A segunda experiência de Fabio Carille – auxiliar de Mano e Tite alçado à condição de treinador que acabou campeão brasileiro em 2017 com uma espécie de "elo perdido" entre o Corinthians de 2011/12, mais pragmático, e o de 2015, com momentos de um jogo mais solto – foi traumática por não trazer nenhuma evolução e ainda revelar a dificuldade de enfrentar as limitações em um elenco menos talentoso e uma equipe que não encontrou o encaixe imediato como há dois anos. Assim como em 2018, o trabalho rendeu um título paulista e não passou disso.

A contratação de Tiago Nunes – ainda não anunciada oficialmente e o treinador só deve assumir em 2020, com Coelho comandando o time nos jogos que restam do Brasileiro – parece ser o rompimento definitivo com essa maneira de jogar. Mas na prática pode se transformar em uma retomada, com a devida atualização, dessa linha adotada por Tite há quatro anos.

Porque o jovem profissional efetivado no Athletico e que conquistou a Copa Sul-Americana e a Copa do Brasil em um ano e meio de trabalho é da escola gaúcha e acredita em organização defensiva. Mas adiciona ímpeto ofensivo, pressão logo após a perda da bola, intensidade e uma proposta que se adapta ao que pede o jogo: pode valorizar mais a posse ou apelar para um estilo mais direto, acrescentando a forte bola parada ofensiva com jogadas ensaiadas.

Tiago alcançou essa excelência em Curitiba sem recursos para grandes contratações e pinçando jovens, já que o trabalho que o credenciou a assumir a equipe principal foi com a equipe sub-23 que foi campeã paranaense e levou Léo Pereira, Renan Lodi e Bruno Guimarães para o time de cima. Fundamental para um Corinthians com problemas financeiros.

O novo treinador do time de maior torcida de São Paulo escolheu a visibilidade imediata em vez de consolidar e amadurecer o trabalho no Athletico. Talvez por perceber que os títulos conquistados sejam o teto para o clube no atual contexto do futebol brasileiro e sul-americano. Vencer nos pontos corridos ou se impor na Libertadores hoje parecem sonhos impossíveis.

Melhor se arriscar em um gigante e marcar território nessa sinalização de mudança no futebol jogado no Brasil liderada pelo Flamengo de Jorge Jesus. Justamente o time que goleou o "velho" Corinthians e parece ter encerrado um período vitorioso, mas cuja fórmula ficou obsoleta. Agora é pegar a melhor fotografia, restaurá-la, mas com o toque pessoal do novo comandante. De Tite a Tiago, um projeto que pode ser novamente vencedor.

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Blog do André Rocha