PUBLICIDADE
Topo

"Molezinha" na Inglaterra pode atrapalhar o Liverpool na Champions?

André Rocha

19/02/2020 06h47

Foto: Susana Vera / Reuters

Nos últimos anos, o argumento mais utilizado para justificar fracassos de Juventus, Bayern de Munique e Paris Saint-Germain na Liga dos Campeões foi a falta de desafios dos times, soberanos em suas ligas nacionais.

As equipes sobravam diante da concorrência e quando enfrentavam times de campeonatos mais competitivos sentiam o peso e acabavam sucumbindo.

Então, por coerência, não dá para dizer o mesmo do Liverpool em relação à Premier League?

Na temporada passada, apenas a derrota para o Manchester City que custou o titulo. Agora, as surreais 25 vitórias em 26 rodadas. 97,4% de aproveitamento. Com um desequilíbrio muito maior em relação a Bundesliga e Série A italiana nesta temporada.

É claro que o Inglês não deixou de ser competitivo, mas a equipe de Jurgen Klopp, por méritos próprios, parece ter encontrado uma espécie de fórmula, que adicionada à cultura de vitória faz o time se impor mesmo quando não apresenta bom desempenho. E os adversários vão jogando a toalha, até Pep Guardiola no bicampeão Manchester City.

Diego Simeone se recusa, especialmente em mágicas noites de Champions em Madrid. Antes no Calderón, agora Wanda Metropolitano. Mesmo na quarta colocação no Espanhol, dois pontos atrás do surpreendente Getafe e a 13 do líder Real Madrid.

É claro que o gol de Saúl Ñíguez logo aos quatro minutos condicionou o jogo e deixou o cenário à feição da concentração defensiva e do clima Davi x Golias que o treinador argentino adora criar. Compactou setores e contou com atuações gigantescas dos brasileiros Felipe e Renan Lodi para não permitir uma finalização do atual campeão europeu na direção da meta de Oblak.

E poderia ter machucado ainda mais os visitantes se Morata não perdesse duas boas chances, uma delas em furada grosseira dentro da área adversária. O Liverpool teve 67% de posse, 83% na efetividade nos passes e até alguns momentos de volume de jogo. Com a costumeira pressão pós-perda que fez o time da casa acertar apenas 67% dos passes.

Faltou, porém, a habitual contundência na frente. A ponto de Klopp, insatisfeito, mexer justamente no ataque: trocar Mané e Salah por Origi e Oxlade-Chamberlain. Sem sucesso, até porque o problema não era exatamente de qualidade individual, mas de incômodo nítido com o que o jogo impôs.

É claro que uma virada em Anfield é mais que possível, até provável. Só que os Reds terão que resgatar uma fúria que não vem sendo necessária pela "molezinha" na Inglaterra. Mas contra o Atlético de Simeone será obrigatória.

(Estatísticas: UEFA.com)

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.