PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Empate em Quito é o mundo real que queriam esconder do Flamengo

André Rocha

20/02/2020 07h33

Foto: José Jácome / EFE

A noite do Flamengo no Estádio Atahualpa em Quito não foi das mais felizes.

Começando pelo impacto físico e anímico da altitude de 2.850 metros, passando pela escolha infeliz de Jorge Jesus para substituir o suspenso Gabriel Barbosa: Diego Ribas jogou como meia central no 4-2-3-1, atrás de um Bruno Henrique empurrado para a referência no ataque. Sacrificou os dois e tirou velocidade na transição ofensiva.

Para complicar ainda mais, a qualidade do Independiente Dei Valle, campeão da Copa Sul-Americana. Do jovem e ótimo treinador espanhol Miguel Angel Ramirez. Armado em um 4-3-3/4-1-4-1 que encontrava espaços às costas de Willian Arão e Gerson com Franco e Faravelli e, principalmente, no setor de Filipe Luís com a dupla Jhon Sánchez e Guerrero. Principalmente pela baixa intensidade do Flamengo na pressão no campo de ataque.

Assim a equipe mandante terminou com 53% de posse de bola e 16 finalizações – quatro no alvo. Um time organizado, que dominou boa parte do jogo e nunca esmoreceu.

Bem diferente do mundo de faz de conta que se criou para o Flamengo nos últimos dias. Adversários entregues, superioridade incontestável e tudo dando certo o tempo todo em campo. "Outro patamar" full time, em qualquer contexto.

Mas na prática a teoria é outra. Inclusive por conta da típica arbitragem "caseira" da América do Sul. Do uruguaio Leodan González Cabrera ao VAR bastante inconclusivo em um impedimento de Bruno Henrique no primeiro tempo. O camisa 27 pareceu partir do próprio campo até driblar o goleiro Pinos e ir às redes.

Pior ainda na marcação absurda do pênalti de Rafinha sobre Murillo – autor do primeiro gol em cobrança de falta que Diego Alves deixou passar no primeiro tempo. A cobrança precisa de Pellerano decretou os 2 a 2.

Sem contar uma certa permissividade com as entradas mais duras do time equatoriano. Inclusive do próprio Pinos sobre Bruno Henrique no primeiro gol rubro-negro que tirou o atacante do jogo e o colocou numa ambulância. Nem cartão amarelo levou.

O banco de reservas salvou Jorge Jesus. Primeiro com Vitinho no lugar de Diego, que sempre perde desempenho quando joga mais adiantado por prender demais a bola. Arrascaeta centralizou e Filipe Luís ganhou um apoio pela esquerda na segunda etapa.

Depois Pedro, que deveria ter sido o substituto natural de Gabriel, até porque foi contratado para isso. Mas o treinador português insiste em dar mais oportunidades neste início a quem já faz parte do trabalho desde o ano passado.

O centroavante, porém, mais uma vez correspondeu. Sem a explosão de Bruno Henrique, mas dando sequência às jogadas, pressionando a última linha do Del Valle e com presença de área para completar linda jogada de Everton Ribeiro pela direita no segundo gol do campeão brasileiro e da Libertadores.

Favorito também à conquista da Recopa Sul-Americana na volta, no Maracanã. Sem fratura constatada em exames, Bruno Henrique provavelmente estará em campo junto com Gabriel no ataque. Outra dúvida é Rodrigo Caio, que sentiu a coxa e saiu para a entrada de Thuler.

Com qualquer escalação, não deve ser um jogo fácil. Vale taça continental. Difícil entender esse cenário ideal que pintaram para o Flamengo. No esporte mais imprevisível, em um continente tão complicado e instável para se construir hegemonia. O mundo que tentaram esconder dos rubro-negros. Por ingenuidade ou a má intenção de colocar em um pedestal esperando desabar para transformar a queda em vexame.

O jogo real é bem mais duro.

(Estatisticas: SofaScore)

 

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Blog do André Rocha