PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Bayern de Munique é o rolo compressor "silencioso" da Champions

André Rocha

25/02/2020 19h25

Gnabry chegou a seis gols na Liga dos Campeões. Quatro no Tottenham e mais dois nos 3 a 0 sobre o Chelsea. Todos em Londres.

Na sétima vitória do Bayern de Munique em sete jogos no torneio. 100% de aproveitamento, mas nenhuma menção à candidatura ao titulo europeu. Mesmo triturando os Spurs, vice-campeões na última edição.

Talvez pelo sofrimento na liderança da Bundesliga, apenas um ponto à frente do Leipzig – mais por méritos do amadurecimento do trabalho do "intruso" entre os grandes alemães. Ou pelo comando sem grife de Hans-Dieter Flick, efetivado no lugar de Niko Kovac. Ou pelos fracassos no mata-mata continental, cujo símbolo maior é justamente Lewandowski.

Mas no Stamford Bridge mostrou novamente o volume de jogo que se refletiu até aqui em 27 gols. Com a qualidade de Kimmich e Thiago Alcântara na construção, Coman abrindo o jogo pela direita e Gnabry partindo da esquerda buscando a diagonal, abrindo o corredor para o jovem e intenso lateral Davies.

No centro, a mobilidade, a inteligência na leitura de espaços e o bom entendimento por dentro de Muller e Lewandowski. Um abre espaço, outro infiltra.

Força demais diante do inconstante Chelsea de Frank Lampard, que fez sua equipe se defender no 5-4-1, mas sem velocidade nas transições ofensivas. Dependendo das vitórias de Giroud nas disputas por cima com Boateng e Alaba e do apoio de Marcos Alonso pela esquerda.

Mas muita dificuldade para circular a bola saindo da pressão bávara – apenas 37% de posse e 76% de efetividade nos passes. Quando conseguiu acelerar até criou problemas para Neuer.  Foram sete finalizações, três no alvo.

Pouco contra as doze dos visitantes, metade na direção da meta de Caballero. Em duas combinações de Lewandowski e Gnabry, dois gols do ponteiro em um início arrasador de segundo tempo. O do camisa nove, décimo primeiro na Champions, novamente pela esquerda com Davies voando nas costas de James até servir a referência de um ataque avassalador.

Que pode melhorar ainda mais os números na volta em Munique. Contra um Chelsea sem os suspensos Jorginho e Alonso. A oitava vitória consecutiva é mais que possível, até provável.

Talvez assim comecem a falar do Bayern. Até aqui o rolo compressor "silencioso" da Champions.

(Estatísticas: UEFA)

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.

Blog do André Rocha