PUBLICIDADE
Topo

Bayern cumpre obrigação na volta e Lewandowski segue fazendo história

André Rocha

17/05/2020 15h09

Não foi uma grande atuação do heptacampeão e líder Bayern de Munique. Não acompanhou a intensidade do Borussia Dortmund no sábado, até por jogar fora de casa, sempre complicado mesmo sem torcida no estádio.

Também pela maior atenção do Union Berlin na fase defensiva. No 3-4-2-1 com o sérvio Subotic, ex-Borussia Dortmund, no lado esquerdo da zaga. Linha de defesa que muitas vezes se organizou com cinco homens ao recuar os alas Trimmel e Lenz. No meio-campo, Promel protegia a retaguarda com bom posicionamento e, no ataque, o nigeriano Ujah lutava sozinho contra Boateng e Alaba.

No banco, o artilheiro Andersson, com 11 gols, e Gentner, titular no meio-campo. Talvez pensando no clássico da capital contra o Hertha. Parte de uma cultura recente da maioria dos times alemães de não contar com a possibilidade de pontuar contra os bávaros na projeção da campanha na liga. Para complicar ainda mais para o Union, o treinador Urs Fischer não estava à beira do campo, liberado para o enterro do sogro, que faleceu por Covid-19.

O Bayern é que não se ajudou muito no primeiro tempo. Armado num 4-2-3-1 por Hansi Flick, subaproveitava Thomas Muller aberto pela direita. O setor perdeu amplitude e profundidade porque Pavard apoiava pouco e o camisa 25 perdia liberdade para circular às costas dos volantes adversários. Só apareceu no gol bem anulado pela arbitragem, com auxílio do VAR, na primeira etapa.

Coman iniciou no banco e Goretzka começou no meio-campo. O meia rendeu pouco, mas sofreu o pênalti de Subotic que Lewandowski converteu. O 26º do artilheiro da competição, no mesmo número de rodadas. Apenas um jogador alcançou tal feito: ninguém menos que a lenda Gerd Muller. Em três edições do Campeonato Alemão.

Atacante histórico do Bayern que marcou 40 gols em 1970/71. Um recorde que o camisa nove polonês pode alcançar nas próximas rodadas se aumentar a média de um por jogo. É claro, se o futebol profissional continuar na Alemanha.

Na segunda etapa, mais produção pela direita do Bayern, aproximando o nível ao do lado oposto, com o jovem Davies novamente voando para se juntar a Gnabry. Muller passou a se mexer mais e encontrar companhia. De Lewandowski, Goretzka, Kimmich e também Pavard, que passou a atacar com mais frequência. Não só aproveitando o corredor, mas também aparecendo nas bolas paradas.

Perdeu um gol feito no início do segundo tempo e marcou de cabeça para fechar os 2 a 0. Já com Coman no lugar de Goretzka ajustando de vez o lado direito. Confirmando o domínio dos visitantes com 69% de posse, 12 finalizações contra oito – três a um no alvo – e 83% de efetividade nos passes.

Com o triunfo, o líder mantém os quatro pontos de vantagem sobre o Dortmund.  O suficiente depois de mais de dois meses de inatividade. Mas Lewandowski, mesmo sem brilhar, segue com eficiência impressionante. Agora são 40 gols em 34 partidas na temporada. Para seguir fazendo história na Alemanha e na Europa.

(Estatísticas: Whoscored.com)

 

 

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.