PUBLICIDADE
Topo

Atalanta é o melhor entretenimento do futebol atual

André Rocha

02/07/2020 17h39

Imagem: Divulgação / Atalanta

Este post estava na "fila" desde antes da parada por conta da pandemia. Depois ficou a dúvida se o ritmo seria mantido na retomada. Provavelmente pelo preconceito natural com equipes fora da elite do futebol mundial. Este que escreve, no caso, é réu confesso. Talvez pelos anos de janela e muitos "fogos de palha".

Mas a Atalanta de Gian Piero Gasperini não é um fenômeno de ocasião ou um "meteoro". Trata-se de um trabalho cuidadoso na gestão. Sem megalomania, mas também não deixa de ser ambicioso. Dentro e fora de campo.

A partir do cuidado com a base e de prospecção de bons jogadores fora do radar dos clubes mais ricos. Como o argentino Papu Gómez, 32 anos e o grande "maestro" do time que gira, toca e ataca.

Num 3-4-2-1 que avança com zagueiros, espeta os alas Hateboer/Castagne e Gosens no ataque, posiciona o colombiano Duván Zapata na referência do ataque, mas também com mobilidade. E muito jogo entrelinhas e mobilidade, com Gómez e Pasalic. E ainda armas saindo do banco, como o colombiano Luís Muriel.

Na perda, uma mudança de chave muito rápida para pressionar o adversário com a bola e apelando para perseguições individuais e longas. Mas com boa leitura de jogo para se adaptar ao posicionamento que estiver em campo na retomada da bola para fazer a transição ofensiva. O futebol é cíclico, o que parecia anacrônico pode ser reciclado e se encaixar em outro contexto.

Já são nove vitórias consecutivas, incluindo as duas sobre o Valencia pela Liga dos Campeões que garantiram vaga nas quartas do torneio continental, feito inédito e histórico. 31 gols marcados, treze sofridos. A última derrota na liga italiana para o Spal, em janeiro. Improvável disputar o título com 12 pontos atrás da líder Juventus, mas a quarta vaga possibilita volta à Champions. Fundamental para o projeto do clube.

Impressionante a volúpia ofensiva, a coordenação dos setores. É claro que a Atalanta se aproveita da imagem de "zebra" para enfrentar com bem menos frequência retrancas ferozes que tirariam espaços para a aceleração dos ataques. O desempenho, porém, já impõe respeito e é mais raro algum oponente encarar de peito aberto. Afinal, tem a quarta maior posse da Série A e é a equipe que mais finaliza.

O Napoli de Genaro Gattuso tentou fazer um jogo igual, mesmo fora de casa. Terminou com mais posse (53%) e finalizações (14 contra nove), segundo o Whoscored.com. Mas a Atalanta venceu por 2 a 0. Porque encontra soluções para surpreender.

Como no segundo gol, com o zagueiro brasileiro Rafael Toloi, titular para Palomino descansar iniciando no banco, descendo pela direita com o ala Castagne e recebendo na área para servir Gosens do lado oposto. Muita gente aparecendo na frente e criando um volume que complica as defesas adversárias. Mesmo sem o esloveno Josip Ilicic, destaque até março e se recuperando de lesão.

È bonito de ver. O melhor entretenimento do futebol atual. Fácil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

André Rocha é jornalista, carioca e blogueiro do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros “1981” e “É Tetra”. Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Entender de tática e estratégia é (ou deveria ser) premissa, e não a diferença, para qualquer um que trabalha com o esporte. Contato: anunesrocha@gmail.com

Sobre o Blog

O blog se propõe a trazer análises e informações sobre futebol brasileiro e internacional, com enfoque na essência do jogo, mas também abrindo o leque para todas as abordagens possíveis sobre o esporte.