Blog do André Rocha

Arquivo : campeonatobrasileiro

Apesar de Paquetá, Flamengo adia título do Palmeiras e complica Sport
Comentários Comente

André Rocha

O Palmeiras decepcionou ao empatar com o lanterna Paraná, sim. Atuação fraquíssima, mesmo com a atenuante da forte chuva. Mas objetivamente pontuou fora e aumentou a invencibilidade para 20 partidas. Com a derrota do Internacional para o Botafogo no Nílton Santos ainda manteve os cinco pontos de vantagem na liderança.

O ponto fora da curva foi a vitória do Flamengo na Ilha do Retiro sobre o Sport que evoluía em desempenho e resultados com Milton Mendes no comando técnico e vinha de cinco rodadas de invencibilidade.

Mudanças forçadas nos dois lados, cenário mais complicado para Dorival Júnior sem Rodinei e Pará na lateral direita, Diego, Uribe e ainda Everton Ribeiro, desgastado, no banco de reservas. Léo Duarte foi improvisado como lateral e Rhodolfo entrou na zaga. Milton Mendes também deslocou um zagueiro: Ernando na lateral esquerda.

Primeiro tempo de equilíbrio e o Flamengo, mesmo com 40% de posse de bola, uma raridade na competição, finalizou cinco vezes e teve boa oportunidade com Vitinho, completando jogada de Paquetá e Renê pela esquerda. O Sport também incomodava mais com Mateus Gonçalves para cima de Léo Duarte. O time carioca agredia pouco do lado oposto, mais com Willian Arão que nas jogadas de Geuvânio, novamente errando muito tecnicamente.

Disputa parelha na segunda etapa até a tola expulsão de Paquetá. Por mais que Dorival defenda seu jovem atleta e o camisa onze até tenha participado bem de alguns ataques, a dispersão do meia depois da negociação com o Milan é nítida. A cabeça não está mais na disputa do Brasileiro. A desconcentração permite faltas bobas como a que cometeu sobre Ernando. Ainda na intermediária do Sport, sem nenhum perigo de contragolpe. Já com cartão amarelo.

Atrapalhou ainda mais porque Dorival preparava as entradas de Berrío e Everton Ribeiro. Mesmo surpreendido, o treinador sacou Geuvânio e Henrique Dourado. No 4-4-1 alternando os dois substitutos no centro do ataque, o Fla cresceu porque ganhou espaços para acelerar as transições ofensivas. O Sport se lançou à frente naturalmente com a vantagem numérica e pela necessidade de três pontos para se afastar do Z-4.

O Flamengo “arame liso” pareceu dar as caras em Recife quando Berrío cabeceou na trave completamente livre. Até que surgiu o heroi improvável: Willian Arão. O volante que costuma fraquejar mentalmente quando o jogo fica mais duro e não tem o jogo aéreo como ponto forte aproveitou cobrança de escanteio de Vitinho para desviar de cabeça na primeira trave e definir o jogo.

Os minutos finais foram de Piris da Motta no lugar de Vitinho e o abafa descoordenado do Sport com Fellipe Bastos, Marlone e Matheus Peixoto, que ridiculamente tentou cavar pênalti em disputa com o goleiro César desperdiçando mais um ataque. Muitos cruzamentos, pouca eficiência. O rubro-negro pernambucano deve lutar até o fim para se manter na Série A.

O Fla ganhou uma rodada. Agora vai seguir na busca que só não é impossível por ser futebol. Jogo duro contra o Grêmio no Maracanã e o Palmeiras em casa encarando o América, que venceu o Santos e pode até dar trabalho. Mas o fato é que o campeonato pode acabar na quarta-feira – se o Internacional também não vencer em casa o Atlético-MG.

A boa notícia para o Fla é que Lucas Paquetá está suspenso. Sério desfalque em outros tempos, agora pode fazer o time render mais e tentar virar a lógica do avesso no Brasileirão. O mundo gira como a bola. Mas não deve mudar o campeão de 2018.

(Estatísticas: Footstats)


Alívio do Corinthians, agonia do Vasco. Sofrimento para todos
Comentários Comente

André Rocha

O contexto de Corinthians x Vasco amplificou todas as características do futebol jogado atualmente no Brasil: muito sentido e sofrido, pouco pensado e treinado. Improvisação sob pressão de camisas pesadas, mas times indigentes.

Tortura para o torcedor envolvido emocionalmente com a saga para se afastar do Z-4, penúria para o espectador neutro que busca algum vestígio de qualidade de jogo coletivo. Para o analista…com toda sinceridade, apenas o dever de ofício e profundo amor pelo esporte bretão.

O Corinthians pena porque Jair Ventura ainda confunde organização com um time engessado. Poucas ideias a ponto de, no final de 2018, apelar para Danilo, 39 anos e naturalmente acima do peso para um atleta profissional. Pela experiência, presença de área, capacidade de reter a bola e inteligência quando o corpo consegue responder ao raciocínio.

O Vasco nem isso. Sem Maxi Lopez, por conta de um corte no pé direito, e com a queda de desempenho de Yago Pikachu, foi a São Paulo entregue à própria sorte. No abandono de um ambiente político conturbado e as piores perspectivas em caso de rebaixamento – financeiramente seria o caos pelas mudanças nas cotas de TV e considerando que a gestão Eurico Miranda gastou antecipado.

Para piorar, o treinador Alberto Valentim expulso pelo fraco árbitro Wilton Pereira Sampaio na saída para o intervalo por exagerar na reclamação de um escanteio marcado além dos acréscimos.

Jogo duro. De suportar para o apaixonado. De ver para quem se propôs a acompanhar. Pikachu deu espaço generoso para Fagner cruzar, Raul não acompanhou Mateus Vital, que cabeceou nas redes de Fernando Miguel. Gol da revelação vascaína que não comemorou. Por respeito a quem não teve como mantê-lo. Por seguidas gestões incompetentes e irresponsáveis. Sintomático.

Mesmo com domínio da posse de bola (55%) e 15 finalizações contra nove – quatro a dois no alvo. A última do zagueiro Henriquez no travessão, já nos acréscimos. Ainda um pênalti claro de Danilo Avelar em Marrony um pouco antes – o erro grave de arbitragem não podia faltar, até para monopolizar o debate sobre a partida e servir como cortina de fumaça para a ausência de virtudes…Era preciso somar três pontos. Ao menos um. Agora é agonia.

Alívio para o Corinthians. Mesmo com 38 lançamentos e das 38 rebatidas. Apenas 251 passes trocados. Apesar de tudo, a missão foi cumprida. E no momento só é possível para o (ainda) atual campeão brasileiro entregar o resultado. Puro e simples. Muito pouco.

No apito final, sopapos e pontapés numa catarse para extravasar o resto de tensão represada. Emblemático para os tristes tempos para Corinthians e Vasco. O único sorriso possível é de quem se livra do desespero. Fiel retrato do que se joga no país.

(Estatísticas: Footstats)


O mea culpa necessário sobre Diego, Berrío e Dourado na vitória do Flamengo
Comentários Comente

André Rocha

O goleiro César foi o personagem da vitória do Flamengo sobre o Santos no Maracanã por 1 a 0. Venceu o duelo com Gabriel Barbosa, artilheiro do Brasileiro, ao defender no segundo tempo um chute do atacante sem marcação e depois pegar o pênalti cobrado pelo camisa dez do alvinegro praiano já no final do jogo.

O triunfo não muda nada na briga pelo título, mas ajuda na luta pela vaga no G-4 e, consequentemente, na fase de grupos da Libertadores 2019. Internacional, Grêmio e São Paulo agora são os rivais, não mais o campeão Palmeiras esperando apenas a matemática para receber a taça.

Mas é dever deste blog fazer um mea culpa sobre os três jogadores rubro-negros envolvidos no gol única da partida.

Diego Ribas foi e ainda é criticado por atrasar os ataques da equipe ao prender demais a bola e quase sempre precisar dar um giro para só depois pensar no que fazer. Por aqui você já leu que era uma falácia ele ser o meia criativo do Fla. Esta crítica, no geral, continua sendo justa.

Mas é preciso reconhecer que em vários momentos não houve uma opção confiável para um passe em profundidade. Seja por falta de velocidade, erro de posicionamento ou de tomada de decisão do atacante para receber a bola às costas da defesa adversária. Muito ligado em estatísticas, Diego não gosta de errar passes, por isso costuma esperar e fazer a escolha mais segura. Nem sempre a mais produtiva.

Já Orlando Berrío, quando foi contratado em 2017, foi avaliado neste espaço como um erro da diretoria. Não pelo que o colombiano poderia produzir, mas pelas características. Zé Ricardo, treinador à época, disse a este blogueiro na virada do ano que precisava de um ponteiro de bom drible e finalizador. Vitinho já era o alvo, mas não foi possível.

Veio Berrío, ponta de velocidade espantosa, mas que não tem o drible nem a conclusão como pontos fortes – apesar da jogada espetacular e surpreendente que terminou no gol de Diego sobre o Botafogo na semifinal da Copa do Brasil do ano passado. Ou seja, o treinador pediu uma coisa e a diretoria trouxe outra.

Só que a saga rubro-negra sem grandes conquistas mostrou que Berrío, quando esteve em campo, deu à equipe a alternativa de velocidade, aceleração e capacidade de explorar as costas da retaguarda do oponente. Só inferior à de Vinicius Júnior em seus momentos mais inspirados. Uma pena que quando mostrava estar mais bem adaptado ao clube e ao futebol brasileiro teve uma contusão grave e só retornou no segundo semestre de 2018, mas ganhando confiança e ritmo de competição bem aos poucos.

Henrique Dourado chegou ao Flamengo por conta da artilharia do Brasileirão 2017 pelo rival Fluminense. Outra contratação equivocada de Rodrigo Caetano pelas características do centroavante. Jogador de último toque, não de pivô para participar de ações ofensivas mais elaboradas em um time que se propõe a se instalar no campo adversário e trabalhar. Difícil dar sequência às jogadas com bola no chão. Por isso as críticas frequentes nas análises sobre o time. Ficaram apenas os 100% de aproveitamento nas cobranças de pênalti.

No gol que decidiu a partida, um contraponto ao maior problema do Fla nos últimos anos: a difícil combinação de características dos jogadores em campo. Diego arriscou e acertou o passe longo porque Berrío apareceu às costas da linha defensiva santista. O colombiano foi preciso na assistência porque Dourado estava na área para finalizar. E a bola foi parar nas redes de Vanderlei porque o centroavante teve liberdade para concluir, justamente porque a jogada foi surpreendente e bem executada.

Lance único em um universo de 19 finalizações, apenas quatro no alvo. Domínio inócuo do Flamengo na primeira etapa, com Everton Ribeiro, Diego e Vitinho cortando da ponta para dentro em jogadas já mapeadas pelos rivais e que dificilmente terminam em uma chance cristalina. Só com as mudanças de Dorival Júnior o time voltou a sair de campo com os três pontos depois de três partidas.

É final da gestão Bandeira de Mello e os candidatos à presidência já sinalizaram uma mudança profunda no elenco para o ano que vem. É bem provável que Diego, um dos símbolos dessa fase sem conquistas, deixe o clube. Mesmo sendo exemplo de comportamento com Dorival Júnior ao aceitar a reserva e lutar no campo para recuperar a titularidade, a passividade em entrevistas depois de derrotas importantes mancharam a imagem do meia junto à torcida. O futuro de Berrío e Dourado são grandes incógnitas, vai depender do novo treinador.

De qualquer forma, fica o registro desse mea culpa. Talvez em equipes com outras propostas de jogo e elencos mais ajustados ao que o time pretende fazer em campo esse trio possa render o que se espera. No Flamengo, o gol do triunfo foi raridade. Talvez um presente tardio no aniversário dos 123 anos do clube.

(Estatísticas: Footstats)

 


Diego Aguirre, Quique Setién e o parâmetro único do futebol brasileiro
Comentários Comente

André Rocha

Aconteceu de novo. Em seu terceiro trabalho no futebol brasileiro, Diego Aguirre sai sem completar uma temporada. No Internacional em 2015, título gaúcho e semifinal da Libertadores. No Atlético Mineiro, final mineira e eliminação nas quartas do torneio continental. Aproveitamento em torno de 60% nos dois clubes.

O mesmo agora no São Paulo. Quando assumiu sucedendo Dorival Júnior, a perspectiva de disputar no Brasileiro uma vaga direta na fase de grupos da principal competição sul-americana parecia distante, improvável.

Mas Aguirre virou refém do próprio sucesso momentâneo. Na volta da competição nacional depois da Copa do Mundo, o Tricolor do Morumbi assumiu a liderança e ficou no topo por oito rodadas. O suficiente para a meta subir demais: o título brasileiro que o clube não conquista desde 2008.

Só que o time vivia fundamentalmente da velocidade de Rojas e Everton pelos lados. Intensidade máxima na ida e volta para compensar o pouco dinamismo de Nenê e Diego Souza, os companheiros de quarteto ofensivo na execução do 4-2-3-1 no melhor momento da equipe no ano. Quando os pontas se lesionaram o time caiu.

Junte a isso toda a tensão pela expectativa criada com as semanas “cheias” para trabalhar, mas dentro de um ambiente de ansiedade total, e veio a queda. Em desempenho e resultados. A perspectiva anterior não servia mais e o diretor Raí agora demite o uruguaio.

Quem lê este blog sabe que não há defesa incondicional de treinadores nem obsessão por manutenção sem avaliar rendimento. É fato que o trabalho não teve a evolução esperada. Mas demitir em novembro? Buscando em André Jardine um “fato novo” para o time buscar vaga no G-4 em cinco jogos? Difícil entender.

Assim como o mundo foi surpreendido com a vitória do Real Betis no Camp Nou sobre o Barcelona, com Messi de volta, por 4 a 3. Com os visitantes disputando a posse de bola com o time catalão e chegando sempre na área adversária com no mínimo três jogadores.

A proposta ultraofensiva, de jogo de posição dentro ou fora de casa, é de Quique Setién. Treinador de 60 anos que veio do Las Palmas na temporada passada e acredita na execução de um modelo de jogo baseado no trabalho coletivo com a bola, pressão logo após a perda e aceleração e infiltração quando se aproxima da área do oponente. Coragem mesmo sem orçamento gigantesco que permita a contratação de grandes estrelas.

Aguirre é pragmático. Ainda que para a cultura brasileira de “em time que está ganhando não se mexe” o hábito de mudar formações e sistemas táticos incomode, ele está mais alinhado ao jogo praticado por aqui: muitos cuidados defensivos e no ataque jogar com espaços ou apostando nos cruzamentos, com bola parada ou rolando.

Já Setién é idealista. Não se importa com placar “roleta russa” e prefere arriscar. Seu time está em 12º lugar em doze rodadas. Quatro vitórias, quatro empates, quatro derrotas. 12 gols a favor, 15 contra. Saldo negativo de três. Só que na Espanha há um conceito mais definido de times grandes, médios e pequenos. Todos sabem seus lugares e perspectivas. Em 2017/18, o Betis terminou na mesma colocação e Setién seguiu no clube. Tem contrato até 2020.

No Brasil, se assumisse um clube grande por sua tradição, mas médio pelo contexto, seria pressionado a montar um time engessado, contrariar seus princípios inegociáveis. Décimo segundo colocado? “Professor Pardal”, “muito conceitinho”, “não conhece a realidade daqui”, etc.

Aguirre nada tem de revolucionário e deixa o Brasil pela terceira vez. No San Lorenzo, ficou de junho de 2016 a setembro do ano seguinte, entregando o cargo após eliminação para o Lanús nas quartas de final da Libertadores. Lá, em geral, há mais paciência.

Aqui só há um parâmetro: o resultado. Puro e simples. Sem análise, contexto…Placar e colocação na tabela. Está na liderança? Tudo perfeito, sem ressalvas ou críticas. “Ótima fase” e vamos atrás dos “segredos” do time e do treinador. O segundo colocado é o primeiro dos últimos e só há alguma valorização se acontece uma campanha de recuperação ou algo parecido. Uma trajetória “de campeão” pelas circunstâncias.

Todos são grandes, ambiciosos, têm que usar o discurso hipócrita de que a meta é a taça para agradar torcedores mimados e insanos. Se conseguir, mesmo com um futebol indigente, é maravilhoso. Se fracassa a porta da rua é o destino inexorável.

Por isso Aguirre parte para provavelmente não voltar tão cedo. Já Setién…bem, se o espanhol conhece a realidade do nosso futebol só deve vir mesmo a passeio. Pior para nós.


Campeão da Série B, Rogério Ceni não pode virar as costas para o Fortaleza
Comentários Comente

André Rocha

Há um costume cruel no Brasil de só prestar atenção no Nordeste quando o Sul e o Sudeste viram as costas. Preconceito injustificável com uma das regiões mais importantes do país em cultura, história e representatividade nos mais variados segmentos.

Rogério Ceni começou a carreira de treinador se impondo o desafio de trabalhar no São Paulo. O maior ídolo da história do clube sofreu em suas primeiras experiências no comando técnico e, por isso, parecia sem grandes perspectivas. O que fazer depois de iniciar no que deveria ser o ponto final?

O Fortaleza foi o destino escolhido. Depois de penar por oito anos seguidos na Série C, o clube cearense conseguiu o acesso e o clima era de mais paz e otimismo. No Cearense, mesmo com boa campanha na primeira fase, o bicampeonato do rival Ceará foi um baque, mas não a ponto de colocar a sequência do trabalho em risco.

O início da Série B foi de ótimos resultados, mas alguma oscilação no desempenho. Rogério Ceni seguia variando escalações e desenhos táticos dentro da sua ideia de ser protagonista. Até notar que precisava ser mais pragmático para não deixar escapar a possibilidade de acesso que parecia cada vez mais palpável.

Ceni entendeu a necessidade de se adaptar ao contexto e, sem perder de vista o desempenho, priorizar o resultado sendo um pouco mais conservador quando necessário. O futebol mais conceitual deu lugar ao jogo por demanda, de respostas jogo a jogo. Para se manter na liderança por 34 rodadas e sempre no G-4.

Time com mais vitórias (20) e menos derrotas (oito). Melhor saldo de gols (19) e vantagem na tabela para garantir a conquista na antepenúltima rodada com a vitória por 1 a 0 sobre o Avaí. Gol de Rodolfo nos acréscimos. Na 34ª havia confirmado o acesso com os 2 a 1 sobre o Atlético-GO. Duas vitórias fora de casa, afirmando a competitividade do time de Ceni.

Jogando em função de Gustagol, artilheiro do time com 12 gols, a quatro de Lucão do Goiás, o goleador máximo da competição. Mas mantendo o cuidado com a bola. Líder absoluto em posse e passes certos. Mas também o que mais cruza na área adversária. Ataque por baixo e pelo alto. Defensivamente, só desarma menos que o Vila Nova e é o que comete menos faltas entre os 20 times. Time bem posicionado e consciente.

Conquista com autoridade que muito provavelmente colocará Rogério Ceni na roda de especulações de treinadores para clubes do “eixo” pensando em 2019. Mas ainda que apareça uma proposta interessante financeiramente e nas condições de trabalho, o jovem treinador deve seguir no clube que o projetou e agora terá ainda mais moral e autonomia.

Em São Paulo, Rio de Janeiro ou Minas Gerais, o jovem comandante será cobrado e num período de turbulência pode ter sua imagem atrelada ao São Paulo e a primeira experiência mal sucedida lembrada com mais frequência que o triunfo no Fortaleza.

Não é hora para entrar na vala comum e virar as costas para o Nordeste. Ceni pode e deve fazer diferente.

(Estatísticas: Footstats)


Só um improvável “efeito São Paulo” pode tirar o título do Palmeiras
Comentários Comente

André Rocha

As chances de reação do Flamengo de Dorival Júnior em busca do título voaram longe como os chutes de Lucas Paquetá contra o Palmeiras e Vitinho diante do São Paulo no Morumbi. Fraqueza mental que deve minar ainda mais as forças em uma tabela complicada nos seis jogos que restam – Botafogo, Sport e Cruzeiro como visitante e Santos, Grêmio, Atlético-PR em casa.

Sobra o Internacional, novo vice-líder depois da virada dramática sobre o Atlético-PR no Beira-Rio com gol no final em pênalti mais que discutível sobre Rossi. Com o ânimo de quem chegou mais longe que imaginava pode sonhar com uma virada. A tabela é acessível: América, Atlético-MG e Fluminense em Porto Alegre e Ceará, Botafogo e Paraná fora.

Mas depois da vitória no sábado sobre o Santos por 3 a 2 em um jogo maluco com gol de falta de Victor Luis num frango de Vanderlei quando o adversário parecia mais próximo da virada, é impossível não ver o título se encaminhando para Luiz Felipe Scolari e seus comandados.

A única chance de surpresa desagradável seria um “efeito São Paulo”. Ou seja, cair vertiginosamente de produção quando passa a se dedicar exclusivamente ao Brasileiro por conta de eliminações no mata-mata. As semanas cheias jogando contra pelo tempo para pensar no peso do favoritismo. A ansiedade sufocante fazendo o desempenho despencar e os resultados seguirem a trilha ladeira abaixo.

Algo bastante improvável. Primeiro porque o Palmeiras, mesmo carregando a pressão por grandes conquistas depois que o investimento no elenco aumentou,  foi campeão brasileiro há dois anos. Não carrega o fardo de falta de títulos do Tricolor do Morumbi. Ainda há no grupo remanescentes da conquista de 2016 com Cuca. E mesmo que Felipão não tenha um título por pontos corridos no país, a experiência do treinador para lidar com essa responsabilidade também cria ambiente mais sereno. Há um escudo.

Sem contar a qualidade. É claro que a ausência de Dudu, por exemplo, seria um duro golpe, mas não do tamanho da de Everton para Diego Aguirre pela falta de reposição. Com todos à disposição é possível armar o time em função de cada adversário.

Nada muito complicado: visita Atlético-MG, Paraná e Vasco e enfrenta Fluminense, América e Vitória em São Paulo. Com cinco pontos de vantagem sobre o Inter. Uma rodada e mais dois pontos. Fruto da campanha espetacular no returno até aqui: dez vitórias e três empates. Incríveis 85% de aproveitamento. Para perder o título teria que cair para 66% – ou seja, ganhar apenas 12 dos 18 que restam –  e o Internacional responder com 100%.

Se derrapar só não será mais vexatório que em 2009, quando o time comandado por Muricy Ramalho era favorito absoluto e perdeu até a vaga na Libertadores. Nada leva a crer que possa acontecer. Parece questão de tempo. A tendência é que a matemática faça seu serviço na antepenúltima ou penúltima rodada.


Paternalismo e redes sociais: os erros do Flamengo no caso Diego Alves
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Douglas Magno/AFP

Só mesmo a busca  desesperada por um título brasileiro para fechar a gestão Bandeira de Mello e tentar eleger o sucessor da situação e os bons resultados depois da chegada de Dorival Júnior para que o Flamengo dê respaldo ao treinador no caso Diego Alves.

Porque o histórico da diretoria rubro-negra é de uma relação paternalista com os jogadores. Ainda mais quando o personagem é o goleiro que virou ídolo antes mesmo de estrear. Diego Alves chegou no ano passado com tratamento de “sonho de consumo”, palavras do próprio presidente. Muito pelo movimento de torcedores nas redes sociais. Apavorados com as falhas de Muralha e a insegurança natural do jovem Thiago, quase suplicaram para que o arqueiro acertasse com o clube.

Um início de processo equivocado e que explica a postura do jogador ao se recusar a viajar com o grupo para o jogo contra o Paraná depois de saber que seria reserva de César. Não se desculpou e agora quase chegou às vias de fato com Dorival Júnior em uma discussão diante do elenco.

Vale a lembrança de que Diego Alves só acertou com o Flamengo porque o Valencia não deu garantias de que ele seria titular e o projeto pessoal do goleiro era buscar uma vaga na seleção brasileira para a Copa do Mundo disputada na Rússia. Coincidência ou não, seu melhor momento foi justamente antes do Mundial, ajudando a alçar o time à liderança do Brasileiro. Depois veio a queda junto com a equipe, em desempenho e resultados.

Reforça a impressão de que o jogador coloca suas ambições acima do clube. Na Europa só criou problema semelhante quando ficou de fora de um jogo do Valencia contra o Real Madrid na temporada 2013/14. Mas era uma transição de treinadores e Diego cresceu para cima do interino Nico Estévez, reclamando aos gritos. Foi multado, baixou a bola e a vida seguiu.

A diretoria rubro-negra ainda não definiu o futuro do jogador. Diego Alves não deve mais atuar sob o comando de Dorival Júnior. Mas é atleta do clube e pode ser aproveitado a partir de 2019 pelo novo treinador, já que o atual só permanece se for campeão brasileiro – hipótese improvável, ao menos no momento, pelos quatro pontos de desvantagem em relação ao Palmeiras e uma sequência de jogos, em tese, mais complicada.

Nas redes sociais, a notícia da barração gerou uma gritaria inicial. Mas com o time pontuando, atuando melhor e o goleiro substituto demonstrando segurança os ânimos se acalmaram e agora a maioria das manifestações é de apoio a Dorival e diretoria. Mas se César falhar…

Seja como for, a relação que começou errada tem tudo para terminar de maneira traumática. Para clube e jogador, este um “ídolo” sem feitos ou conquistas. Típico da gestão, ou da falta de comando, do Flamengo de Bandeira de Mello.


O que mudou no meio-campo do Flamengo com Willian Arão na vaga de Diego
Comentários Comente

André Rocha

Foto: André Durão/Globoesporte.com

O Flamengo não conseguiu a vitória que contava para encostar de vez no Palmeiras e brigar pelo título brasileiro. Mas o Maracanã viu o time comandado por Dorival Júnior mais organizado, concentrado e intenso. Não se abateu com o gol de Dudu e podia ter virado na bola que Lucas Paquetá mandou na lua.

O crescimento passa inegavelmente pelo “fato novo”da mudança do comando, o olhar de alguém de fora que efetuou algumas correções na dinâmica de jogo – ainda que os rubro-negros tenham novamente exagerado nos cruzamentos e sofrido para ir às redes, mesmo finalizando muito, em um jogo grande. O desgaste também vem sendo menor com a dedicação exclusiva à principal competição nacional.

Mas um detalhe tático também ajuda a explicar a evolução coletiva. Dorival desfez o 4-1-4-1 com a ausência de Diego por lesão nas primeiras partidas e voltou ao 4-2-3-1 com a entrada de Willian Arão e o avanço de Paquetá, mais próximo de Uribe, centroavante que ganhou a vaga no ataque com o novo treinador.

Arão é um volante de chegada à frente. Um tanto disperso na marcação, com deficiências no jogo aéreo ofensivo e defensivo e que oscila muito na parte mental. Mas oferece ao time um passe mais vertical e, principalmente, sua capacidade de infiltração. Tanto por dentro quanto pela direita. Quando o canhoto Everton Ribeiro corta da direita para dentro, muitas vezes é Arão quem ataca o espaço às costas do lateral do oponente e chega ao fundo. Até porque Pará não tem a mesma velocidade e vigor que Rodinei nas ultrapassagens, embora defenda melhor.

Flagrante de Willian Arão recebendo de Everton Ribeiro e infiltrando às costas do lateral adversário. Pará dá o apoio por dentro. (Reprodução Premier)

Com isso as funções ficam mais definidas no meio-campo e mantém Paquetá avançado, sem correr pelo campo todo como nos tempos em que dividia a articulação com Diego. Fica mais focado, menos “peladeiro”. Defensivamente, Arão vem cobrindo os momentos em que Cuéllar sai à caça na intermediária do adversário. Antes se o colombiano não conseguisse o desarme ou cometesse a falha a última linha de defesa ficava totalmente exposta.

A principal mudança, porém, foi na circulação de bola ficou mais rápida, já que Arão sabe jogar tocando de primeira, enquanto Diego normalmente precisa dominar, girar, dar mais um toque e só então soltar a bola, o que atrasa muitos ataques.

Contra o Palmeiras, o time empatou com Diego na vaga de Arão. Até por necessidade. Mas a diferença foi Marlos Moreno, veloz e objetivo na vaga do lesionado Vitinho. A tendência é Dorival manter a estrutura inicial para a sequência da competição, começando pelo duelo contra o São Paulo no Morumbi.

Willian Arão não é craque, nem solução para um time que briga por grandes conquistas. Mas dentro de um elenco caro, porém desequilibrado, vai dando encaixe na maneira de jogar com Dorival Júnior. O tão sonhado título para encerrar a Era Bandeira de Mello ficou bem mais longe, mas é possível sonhar com o milagre nas últimas sete rodadas. Ou ao menos a vaga direta na fase de grupos da Libertadores 2019.

No 4-2-3-1 armado por Dorival Júnior, Willian Arão é o volante que infiltra se juntando ao quarteto ofensivo, mas também volta para colaborar com Cuéllar (Tactical Pad).


Palmeiras e Flamengo iguais na força pela esquerda. Empate encaminha taça
Comentários Comente

André Rocha

Apesar das ausências importantes e da preocupação com a volta contra o Boca Juniors pela Libertadores, o Palmeiras tinha o jogo à sua feição pelo contexto. Mesmo contra o Maracanã cheio e um Flamengo confiante depois da chegada de Dorival Júnior.

Porque no futebol jogado dentro do Brasil quem pode atuar negando espaços e explorando as costas da retaguarda adversária sempre leva vantagem. Física, tática, técnica e mental. O time de Felipão se fechava em duas linhas de quatro com muita concentração para não permitir as triangulações e sempre pressionando o adversário com a bola.

Só tinha um “ponto cego”. Já esperado pelas ausências de Marcos Rocha e Mayke. Felipão posicionou Luan na lateral direita, mas o zagueiro sofreu no duelo com Vitinho, o grande destaque rubro-negro no primeiro tempo. O ponteiro do 4-2-3-1 do Fla que teve a grande chance nos primeiros 45 minutos quando Vitinho passou como quis por Luan e teve tempo e espaço para levantar a cabeça, mas não percebeu o deslocamento perfeito de Arão, que ficaria de frente para Weverton. Cruzamento errado, chance desperdiçada.

O Palmeiras também atacava pela esquerda, com Dudu para cima de Pará. Na primeira etapa não teve grande efeito prático, mas logo após a volta do intervalo a bola longa pegou o lateral direito do Flamengo mal posicionado e cedento espaço suficiente para o melhor jogador do campeonato até aqui cortar para dentro, limpar também Léo Duarte e bater no canto esquerdo de César.

Vitinho sentiu lesão no segundo tempo e Dorival colocou Marlos Moreno. Antes havia trocado Arão por Diego e voltado ao 4-1-4-1 dos tempos de Mauricio Barbieri. Luan também saiu desgastado para a entrada de Gustavo Gómez. As trocas criaram uma vantagem clara do atacante colombiano sobre o zagueiro paraguaio na velocidade.

Marlos recebeu nas costas de Gómez, cortou Antônio Carlos e empatou. Marlos não marcava desde 2016. Já o artilheiro do Flamengo no Brasileiro com dez gols perdeu a grande chance da virada. Antes de Felipão corrigir a marcação no setor ao deslocar o volante Thiago Santos para a direita, o ponteiro disparou e serviu Paquetá que, livre, bateu por cima.

Era a bola de um jogo estrategicamente igual. Já era esperado que o Flamengo tivesse muito mais posse (62%). Talvez não tantas finalizações – 19, mas só quatro no alvo. Mas novamente exagerou nos cruzamentos em uma partida decisiva: 43. O Palmeiras efetou 64 lançamentos e 50 rebatidas, também previsível para o “padrão Felipão”. Assim como a eficiência de finalizar sete vezes, duas no alvo e uma nas redes.

De Dudu, que se sacrifica nas duas competições porque o time depende dele. Vai precisar demais do fator de desequilíbrio contra o Boca no Allianz Parque. Já no Brasileiro a missão agora é administrar. Quatro pontos de vantagem mantidos, um confronto direto a menos e sete rodadas com tabela em tese mais fácil que a sequência de jogos dos concorrentes.

O título parece encaminhado. Logo o que o Palmeiras não priorizou e, por isso, jogou com calma e leveza. Vantagem considerável no tenso, quase surtado, ambiente de time grande no Brasil.

(Estatísticas: Footstats)


Resultado ruim para Santos e Internacional empatados em erros e virtudes
Comentários Comente

André Rocha

Ricardo Marques Ribeiro quase sempre protagoniza arbitragens confusas e marcadas pela vaidade de ser o centro das atenções. A demora de oito minutos para anular o gol de Leandro Damião, apesar da dificuldade de interpretar o passe de Victor Cuesta ou desvio (ou falta) de Carlos Sánchez dentro ou fora da área, foi constrangedora. E pior: errou. Se o uruguaio do Santos não tocou na bola para configurar o impedimento, então foi falta. Ou pênalti.

A arbitragem foi o ponto fraco de um jogo divertido e com bons momentos, mas o empate em 2 a 2 no Beira-Rio não foi interessante para ninguém. Menos mal para o Santos, que somou um ponto e está a três do Atlético Mineiro para chegar ao G-6, metade plausível do clube paulista no Brasileirão.

As equipes de Odair Hellmann e Cuca alternaram o domínio e foram semelhantes em erros e virtudes. Santos no 4-2-3-1 com Sánchez aberto à direita, Rodrygo por dentro atrás de Gabriel Barbosa e Bruno Henrique pela esquerda. Diego Pituca mais recuado qualificando a saída de bola. No contragolpe em velocidade, passe de Sánchez e chute do “Gabigol” no travessão. O melhor ataque do primeiro tempo.

O Internacional ganhou posse e cadência com D’Alessandro no lugar de William Pottker no mesmo 4-1-4-1. O argentino casa melhor as características com Damião na referência, Nico López circulando pelos flancos com técnica e inteligência e Edenilson e Patrick infiltrando. Muita mobilidade e sintonia cada vez maior.

Times com bom volume ofensivo, mas sem consistência defensiva nem capacidade de controlar o jogo negando espaços quando o placar e o cenário eram favoráveis. Especialmente os donos da casa, que estiveram duas vezes à frente no placar.

Passe de Fabiano, Edenilson apareceu pela direita e finalizou. Luiz Felipe salvou sobre a linha e Damião completou. Gabigol empatou em chute característico de canhota com efeito tirando de Marcelo Lomba. 15º do artilheiro da competição. Na segunda etapa, o alvinegro praiano se empolgou com a chance de virar, cedeu espaços e, num contragolpe de manual, López serviu Patrick.

Quando a vitória que levaria o Inter à vice-liderança parecia encaminhada, um festival de trapalhadas de Fabiano no rebote de Lomba terminou no gol contra que tirou os dois pontos que o Colorado contava para se enfiar entre Flamengo e Palmeiras e ter a chance de se aproximar de vez da ponta da tabela em caso de vitória rubro-negra no duelo de sábado no Maracanã. Ainda assim, segue muito na briga. Até pela recuperação no desempenho.

Disputa com 13 finalizações do Inter, nove no alvo. Santos com 52% de posse, apenas seis finalizações, porém metade no alvo e uma nas redes. Volume contra eficiência. Mas pouco valeram os 56 passes certos em 60 de D’Alessandro e as quatro finalizações do Gabigol, três na direção da meta de Lomba.

Empate tão frustrante quanto a longa espera para um árbitro se exibir em rede nacional circulando pelo campo até tomar uma decisão. Tão infeliz quanto a noite dos times.

(Estatísticas: Footstats)