Blog do André Rocha

Arquivo : dudu

Com Goulart, Palmeiras consolida ideia de dois times fortes na temporada
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Divulgação Palmeiras

O Palmeiras vive aquele período mágico no qual já tem um elenco forte e vencedor, só necessita de contratações pontuais e, também por conta da solidez financeira, muitos jogadores querem vestir a camisa do clube e participar desse momento de conquistas.

Mas desta vez a ida ao mercado foi um pouco mais voraz. Zé Rafael, Arthur Cabral, Carlos Eduardo, Felipe Pires, Matheus Fernandes e agora Ricardo Goulart. Sem contar a contratação de Mayke, que estava emprestado pelo Cruzeiro, e o retorno de empréstimo de atletas como Raphael Veiga e Fabiano.

O cenário no Brasil é de mercado aberto durante praticamente todo o ano, mas o Palmeiras acertou ao tomar a iniciativa desde o final de 2018 e definir a grande maioria das contratações ainda na pré-temporada. Quanto mais rápido o atleta estiver ambientado ao clube, à cidade, aos companheiros e ao modelo de jogo da equipe, melhor. Algumas agremiações esperam demais e o jogador acaba chegando no olho do furacão, com jogos em sequência, sem tempo para treinar e já pressionado por resultados imediatos.

A proposta é clara: consolidar a ideia de contar com dois times fortes na temporada. Primeiro Paulista e Libertadores, depois pontos corridos (Brasileiro) e mata-mata (Copa do Brasil e o torneio continental). Elenco farto e equilibrado, de qualidade equivalente em todas as posições e funções. Nas entrevistas, Luiz Felipe Scolari tem usado muito a palavra “característica”. Com razão. É a chave para atender as demandas que podem surgir na temporada. O objetivo é repetir 2018 e disputar todos os títulos, porém com mais conquistas que o Brasileiro. A obsessão pela Libertadores é evidente.

Com Carlos Eduardo a ideia é ter velocidade na transição, um jogador que possa ser referência para lançamentos quando o time estiver pressionado. Um desafogo. Zé Rafael chega para adicionar técnica ao meio-campo. Pode também atuar como ponta articulador partindo da esquerda, assim como Gustavo Scarpa do lado oposto. Matheus Fernandes vem para que Felipe Melo, Thiago Santos e Bruno Henrique não precisem ficar se revezando na função de volante ou Moisés seja obrigado a recuar. Arthur Cabral pode atuar pelos lados ou disputar posição com Borja e Deyverson no centro do ataque.

Já Ricardo Goulart é jogador para fazer a equipe subir ainda mais o patamar no país e no continente. Não é meia de organização. Funciona mais como uma espécie de “ponta de lança” moderno. Atua como meia central num 4-2-3-1, mas faz praticamente uma dupla com o centroavante. Tem excelente leitura de espaços e ótima finalização. Marcou 102 gols em três temporadas na China.

No estilo simples e direto de Felipão, vai aproveitar a parede do atacante de referência nas bolas longas para receber e infiltrar. Forte também no jogo aéreo para completar as jogadas pelos flancos. O treinador conhece bem o potencial de Goulart dos tempos de Guangzhou Evergrande.

Se Dudu e o clube não resistirem às investidas do futebol chinês, Goulart também pode assumir a bronca de ser o líder técnico, a referência do Palmeiras. Em recuperação de lesão, só deve estrear em março, na Libertadores. Será uma opção com características diferentes das de Moisés, Lucas Lima, Guerra e Raphael Veiga.

A tendência é que Felipão defina dois times e faça alterações por meritocracia – como foi a mudança na zaga, com Luan e Gustavo Gómez virando titulares na reta final do Brasileiro – e também pelo contexto do jogo. Cabe ao treinador e à comissão técnica manter todos mobilizados e trabalhar as variações, inclusive cumprindo a promessa de trabalhar mais a bola em determinados momentos para evitar o bate-volta que desgasta física e mentalmente.

O treinador não quer sofrer nem improvisar por conta de lesões e suspensões, como aconteceu no empate contra o Flamengo no Maracanã pelo returno, nem com as ausências forçadas nas datas FIFA. A meta é ser competitivo sempre, inclusive com boas opções no banco em todas as partidas.

As perspectivas são as melhores. O Palmeiras foi ao mercado com agilidade e inteligência. Um mérito, mesmo considerando que a fase é mais de oferta que procura. Todos querem jogar no campeão brasileiro. A boa notícia para os 30 atletas que devem formar o elenco é que a grande maioria terá bons minutos na temporada para mostrar seu valor.


Palmeiras pode se impor na América com adaptações ao estilo que já é seu
Comentários Comente

André Rocha

Foto: César Greco/Folhapress

Copa do Brasil de 2015 e Brasileiros de 2016 e 2018. Os títulos do Palmeiras na Era Paulo Nobre/Crefisa tiveram Marcelo Oliveira, Cuca e Luiz Felipe Scolari no comando. Treinadores com diferenças nas visões de futebol, mas que no clube seguiram uma linha em comum pelas circunstâncias.

Um jogo mais direto, de fácil assimilação e simples execução. Marcando correndo e não posicionado, com grande desgaste físico e mental, porém crescendo em momentos decisivos, grandes jogos – final contra o Santos na competição de mata-mata. Um tanto rústico, às vezes tosco. Mas eficiente e vencedor no cenário nacional.

Estilo bem distante da Academia, de Ademir da Guia. Palmeiras não mais do Dudu volante discreto e elegante, fiel escudeiro do camisa dez eterno do clube. Mas do Dudu atacante, intenso e rápido, que chama o jogo para si e quer decidir o tempo todo. Ambos históricos.

Pode não agradar a todos e propor uma discussão profunda sobre o nível do futebol jogado no Brasil, mas no país do futebol de resultados é suficiente para dirigentes, treinadores, atletas, boa parte dos jornalistas e a grande maioria dos torcedores. Na cabeça de muitos o questionamento é simples: se venceu no mata-mata e nos pontos corridos, por que mudar?

O Palmeiras até tentou alterar a rota. Com Eduardo Baptista, Alberto Valentim e Roger Machado. Jovens treinadores com conceitos mais atuais, acreditando em um jogo elaborado, de domínio pelo controle da bola. Mas penando com problemas na gestão do grupo e/ou para fazer os jogadores assimilarem e aceitarem uma nova maneira de entender o jogo.

Na troca de Roger por Felipão, as declarações de Edu Dracena deram o tom: é melhor jogar protegido, com a última linha de defesa mais recuada, não tão exposta. A saída da defesa mais sustentada, que apela para a ligação direta assim que o adversário tenta pressionar procura um centroavante  – mais Deyverson que Borja – que disputa essa bola e tenta retê-la. Se perde, apenas ele e mais três ou quatro entraram no campo de ataque. Outros seis ou sete já estão prontos para defender. Difícil ser surpreendido em contragolpes.

Pressão no homem da bola, encaixe e perseguições impedindo jogadores livres nas tabelas, triangulações e ultrapassagens. Concentração. Bola roubada, acionamento direto e constante do pivô ou do talento maior. No caso, Dudu. Sempre partindo de uma das pontas para decidir com passes ou finalizações.

Quando o time perde a bola, pressiona, retoma e vai criando volume, mais jogadores se aproximam da área rival e aí fluem as jogadas pelos flancos com os laterais chegando e Bruno Henrique, o volante mais ofensivo na execução do 4-2-3-1, se juntando ao quarteto ofensivo.

Rodando o elenco, com mais reservas que titulares enquanto o time seguiu vivo na Copa do Brasil e na Libertadores, construiu uma campanha espetacular no Brasileiro. Invicto por 23 rodadas, melhor turno da história dos pontos corridos. Superando no saldo de gols o Corinthians do ano passado. Os mesmos 47 pontos em 57 possíveis. Impressionantes 82% de aproveitamento. Campeão só na penúltima rodada por conta dos muitos tropeços no turno com Roger e pela campanha do vice Flamengo – 72 pontos que garantiriam títulos em outras edições do campeonato, inclusive a de 2009, vencida pelos rubro-negros.

Primeira conquista de Felipão por pontos corridos no Brasil. Delegando mais poderes, liderando o vestiário de forma mais leve e serena, contando com Paulo Turra na montagem dos treinamentos. Mas ainda essencialmente Felipão.

Para 2019,  a Libertadores novamente como meta. Para buscar o tão sonhado título mundial nos moldes atuais da FIFA para sepultar de vez as provocações dos rivais. A impressão que a eliminação para o Boca Juniors na semifinal do torneio continental deixou é de que a maneira de jogar está ultrapassada numa disputa em nível mais alto e não é suficiente para vencer além das fronteiras do país. Mas talvez com alguns ajustes as chances aumentem.

Na derrota por 2 a 0 na Bombonera, o Palmeiras tentou controlar o jogo negando espaços ao time xeneize e buscando as transições ofensivas rápidas. Teve 43% de posse, acertou 242 passes. Mas efetuou 53 lançamentos e errou 40 porque eram ligações diretas com muito mais chances para os defensores. Também 56 rebatidas. Ou seja, foi um time de chutões. De positivo, os 24 desarmes corretos contra 15.

No triunfo com Roger sobre o mesmo Boca na fase de grupos, 302 passes num universo de 48% de posse, 12 finalizações contra 11 , 17 desarmes certos, mas 11 lançamentos certeiros de 36 e só 37 rebatidas. Por mais que haja diferenças óbvias de pressão, mobilização e espírito num mata-mata, são números que deixam lições.

Qual o aprendizado possível? O que Felipão já disse em coletivas desde a eliminação: tentar ficar mais com a bola. Mesmo que seja através de passes simples, com jogadores próximos. Para acalmar o jogo, respirar, pausar. Há jogadores com qualidade no fundamento para isto no meio-campo: Felipe Melo, Bruno Henrique, Moisés, Lucas Lima, Gustavo Scarpa…Basta adaptar a proposta e estimular os atletas a fazerem a leitura do momento certo para tirar velocidade, quebrar o “bate-volta”.

Já a eliminação para o Cruzeiro na Copa do Brasil, também na semifinal, teve um contexto diferente: primeiro jogo em São Paulo, mas o gol de Barcos logo no início. Diante do time de Mano Menezes, especialista na organização defensiva, o Palmeiras sofreu para criar espaços. Teve 66% de posse, finalizou 19 vezes, nove no alvo. Mas faltou preparar as chances mais cristalinas para ao menos empatar. Cruzou 37 vezes na área cruzeirense. Descontando a polêmica na disputa de Dracena com o goleiro Fabio que a arbitragem viu falta no final da partida, a equipe de Scolari produziu pouco.

Um número chama atenção: apenas três tentativas de viradas de jogo, duas bem sucedidas. Diante de um sistema defensivo com linhas compactas e atenção aos movimentos, virar o jogo tirando da zona de maior pressão na marcação para achar um Dudu com mais liberdade para o confronto direto com o marcador é o cenário desejado. O Palmeiras está acostumado a acelerar. Podemos chamar até de “vício”. Há qualidade para fazer diferente.

Basta querer e treinar certo. Missão para Felipão, Turra e comissão técnica. Se o estilo tem agradado por garantir taças não é preciso renegá-lo, só torná-lo mais versátil e adaptável às demandas. Como pede o futebol atual no mais alto nível. Com Marcelo Oliveira e Cuca, o Alviverde ficou bem distante do sonho da América. Já Felipão chegou mais perto.

Polindo, ajustando e incrementando um pouco o repertório conforme a necessidade é possível dar o tão esperado passo para dominar também o continente com o estilo que já é seu.

A Libertadores já premiou times propositivos e reativos. Superataques e retrancas. Também equipes “mutantes” ou “camaleões”. Entregou duas taças a Scolari nos anos 1990. Por que não outra a um Felipão “renovado” em 2019?

(Estatísticas: Footstats)


Palmeiras de Dudu e mais dez campeão inquestionável na eficiência
Comentários Comente

André Rocha

22 jogos de invencibilidade, melhor visitante do Brasileiro. Dudu como o craque do campeonato, que participou com passe decisivo para Willian servir Deyverson no gol da vitória sobre o Vasco e do título brasileiro. Atacante que entrou na vaga de Borja para marcar também a força do elenco.

O Palmeiras de Felipão é o campeão da eficiência. Chegou à liderança com os reservas leves por conta da prioridade ao mata-mata. Quando a conquista ficou mais próxima a tensão aumentou e o desempenho caiu. Mas não o aproveitamento. Pontuando sempre, sem maiores vacilos. Só não garantiu a taça antes pela sequência de quatro vitórias do vice Flamengo.

Estilo simples, até tosco quando necessário. Mas no Brasil funciona, principalmente quando conta com individualidades para decidir. Mas também houve atuações coletivas muito consistentes, como nos 2 a 0 sobre o Grêmio no Pacaembu e o segundo tempo dos 4 a 0 diante do América no Allianz Parque. Forte nos jogos grandes. Pragmático nas partidas em que era obrigatório vencer.

Inquestionável, como os campeões por pontos corridos. Méritos de Felipão na gestão do elenco homogêneo, potencializando Dudu, o talento maior. Ninguém fazendo beicinho no banco de reservas, até porque todos jogaram bastante. Há muito a melhorar para buscar voos maiores, mas é assunto para 2019.

A comemoração merece ganhar ares de catarse, depois de um 2017 complicado e do ano que começou mal com a perda do título paulista em casa para o rival Corinthians e teve decepções na Libertadores e na Copa do Brasil. Brasileiro nunca será prêmio de consolação, por mais que muitos desvalorizem nesta nossa cultura futebolística um tanto míope.

Campanha histórica, segundo título brasileiro de Felipão, mas primeira conquista nos pontos corridos. O “rei do mata-mata” construiu um relógio rodada a rodada. Dudu e mais dez. Agora são dez títulos brasileiros oficiais. Justo.


Dudu sobra no Palmeiras e no país porque é o típico talento brasileiro
Comentários Comente

André Rocha

Dudu faz cara de choro com a arbitragem. Reclama de qualquer coisa, já protagonizou cenas patéticas rolando no chão e pedindo VAR em cobrança de lateral na Copa do Brasil.

Dudu precisa de um paizão. Um treinador que saiba cobrar com carinho e deixar bem claro o quanto ele é fundamental, essencial para o time. Sem exigir taticamente, nem muita leitura de jogo coletivo. Liberdade total.

Dudu necessita da bola. Para ser o destaque do Palmeiras campeão da Copa do Brasil de 2015, do título brasileiro do ano seguinte e agora da conquista que deve se confirmar no domingo contra o Vasco em São Januário ou ficar para a última rodada e fazer a festa em casa diante do Vitória.

Impressiona a vontade de participar do jogo. É capaz de arrancadas seguidas com velocidade e intensidade máximas. Parece preferir esse estilo bate-volta de Cuca em 2016 e de Felipão agora. Ataca rápido, perde, recupera, volta a acioná-lo. Ele parte, conduz, dribla, finaliza o serve os companheiros.

Sete gols, 12 assistências. A grande maioria sob o comando de Scolari, que vez ou outra reclama da dificuldade de se comunicar com a geração atual. Mas pegou Dudu no colo e o camisa sete retribui voando em campo. No Palmeiras é quem mais acerta dribles e o segundo melhor finalizador, atrás de Willian. O terceiro em viradas de jogo.

Vão cobrar na seleção brasileira e Tite pode, mesmo, dar uma chance no ano que vem se Dudu mantiver o desempenho. Mesmo descontando o nível do futebol jogado no país, a vaga na ponta direita, em disputa com Douglas Costa e Willian, está aberta. Vale o teste.

Porque Dudu sobra por aqui. É o típico talento brasileiro: reclamão, manhoso, meio mala em campo. Mas desequilibrante quando se sente abraçado. Assim deve aninhar nos braços mais uma taça. Nenhuma foi tão dele.

(Estatísticas: Footstats)


Só um improvável “efeito São Paulo” pode tirar o título do Palmeiras
Comentários Comente

André Rocha

As chances de reação do Flamengo de Dorival Júnior em busca do título voaram longe como os chutes de Lucas Paquetá contra o Palmeiras e Vitinho diante do São Paulo no Morumbi. Fraqueza mental que deve minar ainda mais as forças em uma tabela complicada nos seis jogos que restam – Botafogo, Sport e Cruzeiro como visitante e Santos, Grêmio, Atlético-PR em casa.

Sobra o Internacional, novo vice-líder depois da virada dramática sobre o Atlético-PR no Beira-Rio com gol no final em pênalti mais que discutível sobre Rossi. Com o ânimo de quem chegou mais longe que imaginava pode sonhar com uma virada. A tabela é acessível: América, Atlético-MG e Fluminense em Porto Alegre e Ceará, Botafogo e Paraná fora.

Mas depois da vitória no sábado sobre o Santos por 3 a 2 em um jogo maluco com gol de falta de Victor Luis num frango de Vanderlei quando o adversário parecia mais próximo da virada, é impossível não ver o título se encaminhando para Luiz Felipe Scolari e seus comandados.

A única chance de surpresa desagradável seria um “efeito São Paulo”. Ou seja, cair vertiginosamente de produção quando passa a se dedicar exclusivamente ao Brasileiro por conta de eliminações no mata-mata. As semanas cheias jogando contra pelo tempo para pensar no peso do favoritismo. A ansiedade sufocante fazendo o desempenho despencar e os resultados seguirem a trilha ladeira abaixo.

Algo bastante improvável. Primeiro porque o Palmeiras, mesmo carregando a pressão por grandes conquistas depois que o investimento no elenco aumentou,  foi campeão brasileiro há dois anos. Não carrega o fardo de falta de títulos do Tricolor do Morumbi. Ainda há no grupo remanescentes da conquista de 2016 com Cuca. E mesmo que Felipão não tenha um título por pontos corridos no país, a experiência do treinador para lidar com essa responsabilidade também cria ambiente mais sereno. Há um escudo.

Sem contar a qualidade. É claro que a ausência de Dudu, por exemplo, seria um duro golpe, mas não do tamanho da de Everton para Diego Aguirre pela falta de reposição. Com todos à disposição é possível armar o time em função de cada adversário.

Nada muito complicado: visita Atlético-MG, Paraná e Vasco e enfrenta Fluminense, América e Vitória em São Paulo. Com cinco pontos de vantagem sobre o Inter. Uma rodada e mais dois pontos. Fruto da campanha espetacular no returno até aqui: dez vitórias e três empates. Incríveis 85% de aproveitamento. Para perder o título teria que cair para 66% – ou seja, ganhar apenas 12 dos 18 que restam –  e o Internacional responder com 100%.

Se derrapar só não será mais vexatório que em 2009, quando o time comandado por Muricy Ramalho era favorito absoluto e perdeu até a vaga na Libertadores. Nada leva a crer que possa acontecer. Parece questão de tempo. A tendência é que a matemática faça seu serviço na antepenúltima ou penúltima rodada.


Palmeiras e Flamengo iguais na força pela esquerda. Empate encaminha taça
Comentários Comente

André Rocha

Apesar das ausências importantes e da preocupação com a volta contra o Boca Juniors pela Libertadores, o Palmeiras tinha o jogo à sua feição pelo contexto. Mesmo contra o Maracanã cheio e um Flamengo confiante depois da chegada de Dorival Júnior.

Porque no futebol jogado dentro do Brasil quem pode atuar negando espaços e explorando as costas da retaguarda adversária sempre leva vantagem. Física, tática, técnica e mental. O time de Felipão se fechava em duas linhas de quatro com muita concentração para não permitir as triangulações e sempre pressionando o adversário com a bola.

Só tinha um “ponto cego”. Já esperado pelas ausências de Marcos Rocha e Mayke. Felipão posicionou Luan na lateral direita, mas o zagueiro sofreu no duelo com Vitinho, o grande destaque rubro-negro no primeiro tempo. O ponteiro do 4-2-3-1 do Fla que teve a grande chance nos primeiros 45 minutos quando Vitinho passou como quis por Luan e teve tempo e espaço para levantar a cabeça, mas não percebeu o deslocamento perfeito de Arão, que ficaria de frente para Weverton. Cruzamento errado, chance desperdiçada.

O Palmeiras também atacava pela esquerda, com Dudu para cima de Pará. Na primeira etapa não teve grande efeito prático, mas logo após a volta do intervalo a bola longa pegou o lateral direito do Flamengo mal posicionado e cedento espaço suficiente para o melhor jogador do campeonato até aqui cortar para dentro, limpar também Léo Duarte e bater no canto esquerdo de César.

Vitinho sentiu lesão no segundo tempo e Dorival colocou Marlos Moreno. Antes havia trocado Arão por Diego e voltado ao 4-1-4-1 dos tempos de Mauricio Barbieri. Luan também saiu desgastado para a entrada de Gustavo Gómez. As trocas criaram uma vantagem clara do atacante colombiano sobre o zagueiro paraguaio na velocidade.

Marlos recebeu nas costas de Gómez, cortou Antônio Carlos e empatou. Marlos não marcava desde 2016. Já o artilheiro do Flamengo no Brasileiro com dez gols perdeu a grande chance da virada. Antes de Felipão corrigir a marcação no setor ao deslocar o volante Thiago Santos para a direita, o ponteiro disparou e serviu Paquetá que, livre, bateu por cima.

Era a bola de um jogo estrategicamente igual. Já era esperado que o Flamengo tivesse muito mais posse (62%). Talvez não tantas finalizações – 19, mas só quatro no alvo. Mas novamente exagerou nos cruzamentos em uma partida decisiva: 43. O Palmeiras efetou 64 lançamentos e 50 rebatidas, também previsível para o “padrão Felipão”. Assim como a eficiência de finalizar sete vezes, duas no alvo e uma nas redes.

De Dudu, que se sacrifica nas duas competições porque o time depende dele. Vai precisar demais do fator de desequilíbrio contra o Boca no Allianz Parque. Já no Brasileiro a missão agora é administrar. Quatro pontos de vantagem mantidos, um confronto direto a menos e sete rodadas com tabela em tese mais fácil que a sequência de jogos dos concorrentes.

O título parece encaminhado. Logo o que o Palmeiras não priorizou e, por isso, jogou com calma e leveza. Vantagem considerável no tenso, quase surtado, ambiente de time grande no Brasil.

(Estatísticas: Footstats)


Palmeiras de Felipão é versão aprimorada do campeão brasileiro com Cuca
Comentários Comente

André Rocha

Everton faz uma falta tremenda ao Grêmio. É o desafogo dos contragolpes, o ponteiro do drible que desarticula o sistema defensivo adversário. Da infiltração em diagonal para a finalização. Um desfalque imenso para uma partida do tamanho do confronto fora de casa contra o líder do campeonato.

Mas convenhamos que por mais que se dedique e reforce o discurso de que a competição por pontos corridos é importante, a concentração e a intensidade do Grêmio no Brasileiro nunca é a mesma em relação à Libertadores. É cultura, assimilada por Renato Gaúcho, maior ídolo da história do clube, e por seus comandados.

Nada disso, porém, tira os méritos dos 2 a 0 do Palmeiras no Pacaembu. Uma atuação segura, sólida, que permitiu apenas três finalizações do atual campeão sul-americano. Nenhum no alvo. O Alviverde concluiu sete, cinco na direção da meta de Paulo Victor. Nem tanto assim, mas o jogo todo deixou a impressão de que poderia marcar mais gols, mesmo com apenas 40% de posse.

Porque Luiz Felipe Scolari e sua comissão técnica conseguiram fazer o elenco assimilar a proposta de jogo rapidamente e com muita precisão, aditivada pela confiança por conta dos bons resultados. A ponto de poder mesclar cada vez mais titulares e reservas sem queda de desempenho por falta de entrosamento.

Contra o Grêmio, a maior virtude foi a concentração no trabalho sem bola. Depois do sucesso no duelo com o Colo Colo pelas quartas de final da Libertadores, Felipão resolveu seguir apostando na marcação por encaixe. Diante do time de Renato Gaúcho, que no país é quem trabalha no modelo mais próximo do jogo de posição, com toques curtos e mobilidade em pequenos espaços, as perseguições nem precisavam ser tão longas, o que costuma desarrumar mais os setores.

Os duelos, então, ficavam bem definidos: Dudu e Willian voltavam com os laterais Leo Gomes e Marcelo Oliveira, Thiago Santos pegava Luan, Moisés bloqueava Maicon, Bruno Henrique batia com Cícero. Mayke esperava Pepê, o mesmo do lado oposto com Diogo Barbosa contra Alisson. Zagueiros Luan e Gustavo Gómez cuidavam de Jael. Na frente, Deyverson incomodava Geromel e Bressan.

O gremista que recebia a bola era imediatamente pressionado por seu marcador. Nas tentativas de triangulação, quase nunca o Palmeiras permitia o terceiro homem livre – ou seja, aquele que se desmarca e vai receber a bola mais à frente. Impressionante como o time da casa permaneceu ligado durante os noventa minutos.

Bola retomada, muitas ligações diretas. Foram 44 lançamentos na partida. Quase sempre buscando Deyverson no pivô ou Dudu na velocidade. Não por acaso, os dois melhores em campo. Um desequilibrou com gols, outro como o ponteiro que Everton costuma ser para o Grêmio. O centroavante finalizou três vezes, duas no alvo. Nas redes.

O camisa sete, melhor em campo, foi quem mais acertou dribles e passes para finalizações. Cruzou para Deyverson desviar para o primeiro gol. Ganhou da defesa e rolou para Bruno Henrique chutar e Cícero salvar quase sobre a linha. Apesar de ainda insistir muito nas reclamações com a arbitragem, já é candidato a grande destaque individual do campeonato.

Marcação por encaixe, perseguições individuais, ligações diretas, concentração, Dudu desequilibrando. Tudo isso lembra demais a trajetória que terminou com o título em 2016. Sob o comando de Cuca. Campanha fantástica no segundo turno, outra semelhança.

Só que o time de Felipão, pelo menos até aqui, parece uma evolução daquele Palmeiras. Que tinha o talento de Gabriel Jesus, mas nem sempre um pivô como Deyverson para reter a bola e contribuir para o volume ofensivo. Mais leve, sem o peso dos 22 anos sem título brasileiro e o clima tenso que Cuca costuma criar na gestão do elenco, o jogo flui melhor.

Conta também, e muito, o elenco mais qualificado e homogêneo que o de dois anos atrás. Para vencer o Grêmio e praticamente tirá-lo da briga pelo título. Com os 3 a 1 do Internacional sobre o São Paulo no Beira-Rio, sobram três reais candidatos à principal competição nacional. Os dois vencedores das partidas mais importantes do domingo e mais o redivivo Flamengo de Dorival Júnior.

A menos que surja um “fato novo”, a única possibilidade de queda do líder é o contexto da semifinal da Libertadores contra o Boca Juniors e de uma possível decisão continental interferir muito nas rodadas de fim de semana. Hoje parece improvável. Mais fácil os outros dois tropeçarem na ansiedade por taças.

Favoritismo absoluto do Palmeiras, maior que os três pontos de vantagem na tabela sobre o Inter. Returno de oito vitórias e dois empates, 16 gols a favor e apenas cinco contra. Praticamente imune a desfalques, com confiança no teto e tratando o Brasileiro sem obsessão. Não é a prioridade, mas parece ser levado cada vez mais a sério faltando nove rodadas.

(Estatísticas: Footstats)


A “nova ordem nacional” diz que o Palmeiras está bem vivo contra o Cruzeiro
Comentários Comente

André Rocha

Ninguém é uma coisa só e, por isso, devemos fugir dos estereótipos. Mas é inegável que Mano Menezes e Luiz Felipe Scolari, embora tenham suas origens no sul do país, têm perfis bem distintos.

Mano é mais “alemão”. Duro, pragmático, frio na maior parte do tempo. Ainda que ande cada vez mais destemperado à beira do campo, especialmente com a arbitragem. Já Felipão é “italiano”: sanguíneo, passional, protetor. Mas igualmente focado no resultado final.

Dois “europeus” que são símbolos do futebol jogado no Brasil. Não por acaso dois dos últimos quatro treinadores da seleção. Como Dunga e Tite, todos do sul.

Porque a “nova ordem nacional” copia o futebol europeu no trabalho sem bola. A sofisticação do “fechar a casinha”. O futebol gaúcho, em especial, sempre teve como característica a organização defensiva, o jogo físico e a pressão sobre o adversário com a bola. Características dos times de Ênio Andrade, Rubens Minelli e outros. Inspirações declaradas da grande maioria dos treinadores bem sucedidos vindos do Rio Grande do Sul.

A vitória do Cruzeiro sobre o Palmeiras no Allianz Parque pela semifinal da Copa do Brasil foi típica. O mando de campo induziu um dos times a avançar suas linhas e arriscar mais. Na entrevista antes da partida, Felipão foi bastante claro: “Precisamos ter cuidados principalmente quando estivermos com a bola”.

Dudu vacilou e o contragolpe foi letal. Toques rápidos, práticos até Barcos tocar na saída de Weverton. Jogada de manual. Com espaços a beleza se faz presente.

Diante de duas linhas de quatro compactas e muita concentração defensiva, o Palmeiras teve dificuldades para impor seu jogo simples e direto. Muitas vezes jogou feio. No geral, o desempenho não foi bom. Porque criar brechas em um “muro” é cada vez mais complexo.

Não basta entregar a bola para o talento resolver na base do drible ou do passe mágico no meio da defesa. Agora há mais corpos condicionados e bem posicionados para bloquear. Em jogos grandes mais ainda. Atacar requer repertório coletivo. Trocas de passes, movimentação, infiltração na hora certa e precisão no acabamento da jogada – assistência e finalização.

Tudo que o time da casa não teve. Mesmo com Lucas Lima no lugar de Thiago Santos aumentando a criatividade e a expulsão de Edilson empurrando ainda mais a equipe mineira para o próprio campo. Com 66% de posse, 19 finalizações contra apenas quatro. Levantando 37 bolas na área de Fábio. Mesmo com bola no travessão em chute de Willian faltou a chance cristalina em jogada construída.

No final, o lance polêmico. Para este que escreve, disputa normal entre Edu Dracena e Fábio. Goleiro não é intocável dentro da área. O árbitro Wagner Reway anulou antes do toque de Antonio Carlos para as redes. Podia ter sido o empate do Palmeiras. Mas também não é o fim do mundo.

O Cruzeiro não tem conseguido se impor no Mineirão. Muito pela proposta de Mano de não correr riscos mesmo quando o cenário é tão favorável. Ficou por um gol de ser eliminado pelo Santos na fase anterior da Copa do Brasil e de ter que disputar com o Flamengo nos pênaltis pela Libertadores.

É melhor se cuidar, porque o Palmeiras está bem vivo e parece mais forte que os outros oponentes eliminados. E Felipão certamente usará o tradicional discurso “contra tudo e todos” para inflamar seu time. Como visitante, a pressão diminui e o jogo costuma fluir melhor. O Cruzeiro tem sentido mais o peso, inclusive do favoritismo. Sempre incômodo no futebol brasileiro.

Confronto muito aberto. A missão do Cruzeiro é entregar em casa a atuação segura que a torcida tanto aguarda. Mas se terminar com a vaga em mais uma decisão do torneio, mesmo com sofrimento, a festa será igual. Porque a exigência no Brasil vai pouco além do resultado final. Mano e Felipão são dois grandes expoentes dessa mentalidade.

(Estatísticas: Footstats)


Palmeiras na semifinal da Copa do Brasil já com toques do “método Felipão”
Comentários Comente

André Rocha

A vitória por 1 a 0 sobre o Bahia no Pacaembu que coloca o Palmeiras na semifinal da Copa do Brasil contra o Cruzeiro é a segunda em mata-mata na volta de Luiz Felipe Scolari. A segunda com titulares num total de três em quatro jogos. Sem sofrer gols. O de Dudu foi o quarto marcado.

Pouco tempo. Mas o suficiente para perceber que já existem toques do “método Felipão” na equipe alviverde.

A começar pelo 4-2-3-1 que aproxima o meia central – Moisés, que deixa Lucas Lima no banco – de Borja, a referência do ataque. Exatamente para ser o jogador que pressiona o volante mais fixo na saída de bola do adversário. funciona como um desafogo na saída rápida em contragolpe e disputa pelo alto nas ligações diretas da defesa palmeirense quando pressionada. Certamente a estatura pesou a favor do camisa dez.

As bolas roubadas no campo do oponente continuam sendo uma arma importante quando surge a dificuldade para criar espaços. O contra-ataque mais perto da meta rival com a retaguarda desarrumada. Um recurso desde o Grêmio nos anos 1990, passando pelo Brasil campeão mundial em 2002. Quase rendeu gol em oportunidade clara de Willian após interceptação de Borja. Moisés também perdeu à frente do goleiro Anderson numa cobrança rápida de falta.

No primeiro tempo, a pressão no campo de ataque rendeu bola roubada por Borja que quase terminou em gol com Willian saindo à frente do goleiro Anderson. Velho recurso dos times de Felipão (reprodução SporTV)

Boas chances, mas construídas com pouco volume de jogo. Muito pela falta de aproximação no setor ofensivo. Willian e Dudu abertos, Moisés se juntando a Borja na maior parte do tempo e o espaço para a articulação sendo ocupado basicamente por Bruno Henrique, com um ou outro movimento de Moisés recuando para auxiliar.

O Bahia de Enderson Moreira no primeiro tempo foi um contraponto. No mesmo 4-2-3-1, porém com bola no chão e mobilidade do quarteto ofensivo. Zé Rafael saia da esquerda para dentro pensar o jogo com Vinícius e Edigar Júnio infiltrava em diagonal para se juntar a Gilberto. Assim saiu a melhor oportunidade na finalização na trave de Edigar, com Gilberto chutando no rebote em cima do próprio camisa onze e perdendo gol feito. Sorte de Felipão.

Antes do primeiro minuto da segunda etapa, Borja perdeu mais uma oportunidade cristalina tentando encobrir Anderson depois de um chutão de Edu Dracena. O Palmeiras voltou do intervalo com mais intensidade e concentração no trabalho defensivo, pressionando o adversário com a bola e melhor posicionado, especialmente Felipe Melo, para impedir a troca de passes na entrada da própria área.

Retomou domínio, ocupou o campo de ataque e chegou ao gol na melhor jogada trabalhada. Pela direita, com Mayke, que deixou Marcos Rocha no banco e foi o melhor passador da partida, tabelando com Moisés e cruzando na cabeça de Dudu. O camisa sete decisivo, mas que participava pouco do jogo. Combinação pelo flanco, cruzamento e ponta do lado oposto pisando na área para concluir, junto com Borja e Willian. Também uma prática comum dos times de Scolari.

Combinação rápida e precisa entre Mayke e Moisés e o cruzamento encontrando três palmeirenses na área adversária. Dudu completou e decidiu o jogo e a vaga nas semifinais da Copa do Brasil (reprodução SporTV).

Depois foi administrar com uma formação inusitada: Thiago Santos entrou na vaga de Borja e Hyoran substituiu Willian. Com isso, o 4-2-3-1 tinha Bruno Henrique como meia central, Moisés à direita e Hyoran mais adiantado. Força na marcação e um atacante descansado para correr sozinho na frente.

Deu certo. Triunfo com 60% de posse de bola, finalizando 13 vezes contra dez do Bahia – seis a quatro no alvo. Desarmando menos (15 a 19), porém interceptando mais (6 a 4). Também menos cruzamentos – 20 a 21 – e lançamentos – 37 a 39. O Palmeiras de Scolari não é exatamente moderno, mas tenta jogar.

Mesmo quando não consegue, tem como mérito nunca desistir. De tanto querer a vitória acaba aparecendo. Mais Felipão impossível.

(Estatísticas: Footstats)


Flamengo comprova sua força, Palmeiras segue na “montanha russa” de emoções
Comentários Comente

André Rocha

O Flamengo sem seus três zagueiros experientes e também o lesionado Diego claramente sentiu a pressão do ambiente nos primeiros minutos no Allianz Parque. O treinador Mauricio Barbieri também sacou Henrique Dourado para aproveitar Filipe Vizeu o máximo de minutos antes da partida para a Udinese. O resultado foi um time bastante jovem, com seis oriundos das divisões de base. Por isso, assustado nos primeiros vinte minutos.

Mas quem errou foi Rodinei, que tinha várias opões para cortar um cruzamento da direita e tomou a pior decisão: um golpe de cabeça fraco, no pé de Dudu. Longe do adversário, deu espaços para o cruzamento que encontrou Bruno Henrique e deste para Willian ir às redes aos seis minutos.

Um time confiante e seguro teria amassado o líder do campeonato até os 15 minutos. O Palmeiras, também com desfalques importantes, até tentou, pressionando muito Lucas Paquetá, que novamente prendeu demais a bola, e atacando com volume, fazendo Diego Alves trabalhar muito. Mas quando a equipe de Roger Machado é obrigada a diminuir a pressão o time controla mal o jogo. Murcha. E a torcida, que também não confia muito, deixa a arena morna.

Foi o suficiente para que o organizado time de Barbieri, novamente no 4-1-4-1, encontrasse no lado direito com Rodinei e a aproximação de Jean Lucas a válvula de escape, enquanto Everton Ribeiro passou a aproveitar os espaços às costas de Felipe Melo e Bruno Henrique, os volantes do 4-2-3-1 alviverde, que estavam muito concentrados em não dar brechas a Paquetá.

O primeiro tempo terminou com 53% de posse do Fla e seis finalizações, quatro na direção da meta de Jailson. Destaque para o Palmeiras nos 12 desarmes certos, o dobro do adversário. Foi o que sustentou a vantagem.

De novo a intensidade e a torcida quente no início do segundo tempo. Mas foi esfriando, esfriando…E o Flamengo tomou conta. Empatou no gol do jovem zagueiro Matheus Thuler subindo mais que Thiago Martins pregado no chão e completando escanteio de Rodinei. Podia ter virado não fosse o individualismo de Paquetá e um chute fraco sem goleiro de Vinícius Júnior, novamente disperso e reclamando muito da arbitragem. Ainda uma finalização perigosa de Everton Ribeiro.

Na reta final, Barbieri preferiu administrar o empate. Trocou Arão por Jean Lucas, depois tirou Vizeu e colocou Marlos Moreno para tentar acelerar os contragolpes e, por fim, Jonas na vaga de Everton Ribeiro. Roger tentou com Lucas Lima, Artur e Papagaio, mas apenas num abafa sem grande criatividade. Time muito tenso com o peso da responsabilidade. Terminou com mais finalizações – 14 a 13, cinco no alvo. Mas a maioria muito deficiente, inclusive de Bruno Henrique livre na entrada da área rubro-negra. Saiu bem longe.

Nos acréscimos, a confusão geral que terminou nas expulsões de Jailson, Dudu e do zagueiro reserva Luan do lado do time mandante e Cuéllar, Jonas e Henrique Dourado, também no banco, pelos visitantes. Desnecessário. Mas o fraquíssimo árbitro Bráulio da Silva Machado não teve peito para dar mais minutos com Moisés na meta alviverde.

O Fla também não reclamou. O empate foi resultado satisfatório, fechando os primeiros 12 jogos com surpreendentes 27 pontos para o contexto do início do Brasileiro. Pelos desfalques, o time demonstrou solidez e consciência. Faltou contundência. Algo a melhorar na volta, sem Vizeu e, provavelmente, Vinicius Júnior.

O Palmeiras segue com oito pontos de distância para o líder. Podia ser pior pelo que aconteceu na partida. A missão de Roger e de todos no clube é aproveitar a pausa pra a Copa do Mundo e tentar estabilizar o time mentalmente e minimizar a “montanha russa” emocional que torna tudo tão incerto e inconstante.

(Estatísticas: Footstats)