Blog do André Rocha

Arquivo : gremio

Quem com drone fere, com rádio será ferido
Comentários Comente

André Rocha

“O mundo é dos espertos”

A ação do Grêmio junto à Conmebol para tentar transformar o ato irregular do treinador Marcelo Gallardo – suspenso e utilizando dentro do estádio um rádio para se comunicar com o auxiliar à beira do campo e ainda aparecendo no vestiário durante o intervalo para dar instruções –  em perda dos pontos do River Plate foi legítima. Mas já era esperado que não daria em nada.

Porque o clube argentino sabe da conivência da entidade máxima do futebol sul-americano. Tinha certeza da impunidade. Ou de uma pena branda apenas para Gallardo e ainda passível de recurso, liminar, etc.

Uma imoralidade. Tão grande quanto invadir o treino fechado de um adversário com recurso tecnológico recente e, portanto, sem regras para punir o clube espião. É bem provável que o Grêmio vencesse o Lanús na final do ano passado sem necessidade do drone filmando as jogadas ensaiadas do time argentino, mas a prática não foi das mais éticas. Renato Gaúcho chamou de “esperteza”, depois se corrigiu e mudou para “inteligência”.

O que incomoda é que só gritamos contra o vale tudo quando ele nos prejudica. No futebol, na política, na reunião de condomínio. O desprezo ao politicamente correto é quase revolucionário quando nós somos os “malandros” da história. Se perdemos é “tudo armado” e viramos os bastiões da moralidade. Se ganhamos deixamos apenas o “chora mais” para os derrotados.

É bem provável que este texto seja alvo da ira dos gremistas. Como fizeram com a ótima Gabriela Moreira, da ESPN Brasil, que apenas fez o seu trabalho investigando o uso do drone. Está na moda no Brasil tentar calar a voz de quem pensa diferente. Ofender, perseguir, ameaçar até que o silêncio do lado oposto venha trazer alívio ao inconsciente que grita que estamos indo para o precipício moral. Uma sociedade doente.

A vida segue com o River Plate na final da Libertadores e o Grêmio protestando e colocando em dúvida a idoneidade da Conmebol, do clube argentino e de seu treinador. Com toda razão. O problema é não se olhar no espelho. Para o próprio rabo. Essa reflexão que nunca chega.

Quem com drone fere, com rádio será ferido.

 


Futebol “serotonina” está mais perto da vitória que o “testosterona”
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Agustin Marcarian/Reuters

Este que escreve não é médico e a ideia do texto é fazer apenas uma analogia.

No Brasil, com o êxodo cada vez mais cedo dos talentos, criou-se a ideia de que o único futebol possível para ser bem sucedido é o pragmático, físico, de imposição da força em detrimento da técnica e da tática.

Quando o assunto é Libertadores isto fica ainda mais acentuado. “É guerra!” Vira uma disputa de quem é mais macho, grita mais alto. Vira um jogo à parte, mundo paralelo. Uma espécie de ode à virilidade.

É o futebol “testosterona” – alusão ao hormônio masculino associado à libido, força, desenvolvimento muscular, etc. que, quando desregulado pode gerar raiva, agressividade e tendência a agir por impulsos.

Hoje o maior símbolo deste fenômeno no futebol brasileiro é Felipe Melo. Intempestivo, às vezes histérico no campo discutindo com companheiros, adversários e árbitros. Muitas vezes desperdiça energia na ânsia de se impor como o “xerifão” e acaba cansando e se desconcentrando de sua função em campo. No gol de Benedetto que ratificou a classificação do Boca Juniors no Allianz Parque, o volante estava mal posicionado, demorou a reagir e permitiu a finalização do atacante argentino.

Mas o Grêmio, grande exceção até então no Brasil, também acabou apelando para um modo mais rústico ao se deparar com um River Plate técnico e organizado. Sem contar com Luan nos dois jogos da semifinal e em boa parte deles também sem Everton Cebolinha, o grande destaque nesta temporada.

O estilo mais defensivo foi compreensível e bem aplicado no Monumental de Nuñez. Em casa, porém, o clima de final foi transformando o time de Renato Gaúcho. Pragmatismo, tensão, mais jogo de contato, marcação forte. Quando Everton entrou em campo, faltou confiança para definir o jogo e a vaga na decisão. Sobrou luta, o atual campeão vai questionar eternamente a arbitragem por conta do gol de Borré com a bola desviando em seu braço e a comunicação do treinador Marcelo Gallardo com seu auxiliar à beira do campo. Mas foi visível a queda de desempenho. Por força das circunstâncias acabou trocado pelo “jogo de Libertadores” que fez mais uma vítima no Brasil.

Melhor para o futebol “serotonina” – relativo à substância que, resumindo bastante, faz a transmissão de dados entre os neurônios. Se bem dosada regula o sono, o apetite e o humor. Contribui também para agir com confiança e na capacidade de responder aos estímulos com rapidez e qualidade. Por isso está diretamente associada ao prazer.

Exatamente as características que costumam marcar os gigantes argentinos Boca Juniors e River Plate. Especialmente na Libertadores. São times que gostam de disputá-la e entram em campo sem o peso que as equipes brasileiras carregam.

Dentro ou fora de casa conseguem impor o ritmo e jogar com naturalidade. Inteligência sem arroubos. Intensidade sem desespero ou agressividade. Trabalham com naturalidade e não se abatem com adversidades. Oscilam sem desespero e tentam retomar o mais rápido possível a capacidade de controlar o jogo e os nervos.

Mesmo quando não contam com grandes esquadrões parecem saber exatamente o que precisam fazer em campo. Não se lançam ao ataque de forma inconsequente, nem se instalam no próprio campo guardando a própria meta com temor. São adaptáveis, sabem a hora de acelerar ou “congelar” a bola ganhando preciosos segundos em reposições, faltas e também trocando passes no campo adversário.

Não é fórmula perfeita, ainda mais no esporte mais caótico e imprevisível. Mas o futebol “serotonina” está mais próximo da vitória que o “testosterona”. Porque a agressividade quase sempre é domada pela calma confiante. Por isso também é que Boca Juniors e River Plate farão a final das finais da Libertadores em Buenos Aires.


A virada improvável do River Plate em um jogo aleatório que puniu o Grêmio
Comentários Comente

André Rocha

Partida decisiva, tensa, com muito em jogo é cada vez mais decidido com força mental e individualidades. Mas a improvável e histórica virada do River Plate sobre o Grêmio não seguiu exatamente este roteiro.

O time do suspenso Marcelo Gallardo, comandado à beira do campo por Matias Biscay, dominou inteiramente o primeiro tempo. Com os laterais Montiel e Casco adiantados e arrastando Ramiro e Alisson, o que deixava o Grêmio sem desafogo no contragolpe com Jael na frente e Cícero próximo como o meia mais adiantado do 4-2-3-1. Dois jogadores mais lentos. A ausência de Luan pesou.

Já os argentinos ocupavam o campo de ataque, com Pratto circulando às costas de Maicon e Michel e Borré mais adiantado buscando as jogadas em profundidade. Alimentados por Palacios, Quintero e Fernández. 62% de posse e 12 finalizações, mas apenas uma na direção da meta de Grohe. O time gaúcho também só acertou o alvo uma vez. Com Léo Gomes no rebote de um escanteio cobrado por Alisson. Com dois desvios para sair do alcance de Armani.

Tudo parecia conspirar novamente a favor da equipe de Renato Gaúcho. Inclusive uma substituição de Gallardo que piorou o desempenho coletivo do River. Não a de Ponzio por Enzo Pérez ainda no primeiro tempo, mas a saída de Fernández para a entrada de Gonzalo Martínez na volta do intervalo. Mudança que alterou o comportamento dos laterais, que ficaram mais contidos.

Já Renato ganhou o escape para explorar os espaços às costas da defesa avançada do adversário. Mas Everton Cebolinha, que entrou na vaga de Maicon, perdeu à frente de Armani. Era a bola do jogo e da vaga. Mas nada fazia crer que uma remontada seria possível.

Porque o River perdeu ainda mais organização com Scocco no lugar de Quintero e partiu para o desespero. Na bola parada, gol de Borré – legal, já que a bola bate na cabeça do atacante e depois toca acidentalmente no seu braço, mas sem um desvio que interferisse diretamente. A disputa ficou mais tensa, a torcida gremista apoiou e o time parecia mais confiante e seguro.

Mas veio o lance só notado pelo VAR. É claro o toque no braço de Bressan – substituto de Paulo Miranda, um dos melhores em campo. O problema é a interpretação que ficou nebulosa com as novas orientações da FIFA. O movimento foi natural? O zagueiro brasileiro não estava próximo do chute de Scocco, a ponto de não ter como tirar o braço?

O árbitro Andrés Cunha preferiu marcar pênalti, convertido por Martínez. Será questionado pelos derrotados, até pela baixa credibilidade da Conmebol. Duro golpe para o atual campeão sul-americano em uma disputa equilibrada nos 180 minutos da semifinal. Em Porto Alegre, a aleatoriedade que torna o futebol ainda mais apaixonante puniu o Grêmio.

(Estatísticas: Footstats)


A vitória gigante do Grêmio “camaleão” com dez dedos de Renato Gaúcho
Comentários Comente

André Rocha

O futebol mundial caminha para a versatilidade total. Ou seja, equipes capazes de se adaptar às circunstâncias de cada momento de uma partida. Que não sejam apenas posse ou só transição. Porque vai precisar ocupar o campo de ataque e no outro de velocidade para explorar espaços às costas da defesa adversária.

O Real Madrid de Zidane e Cristiano Ronaldo tricampeão da Champions foi o exemplo mais bem acabado desta tendência. Outras equipes e técnicos buscam o mesmo caminho, cada um com sua identidade, mas se ajustando com inteligência.

No Brasil e na América do Sul, um time começa a dar os primeiros passos nesta direção. A atuação do Grêmio no Monumental de Nuñez foi de uma equipe que essencialmente gosta de controlar com a bola, mas pelo contexto, inclusive ausências importantes, teve como maior virtude a concentração absoluta no trabalho defensivo.

Venceu o River Plate no jogo de ida da semifinal da Libertadores negando espaços e oportunidades cristalinas do adversário e decidindo na bola parada. Com Michel, o volante entre as linhas de quatro que tinham Ramiro, Maicon, Cícero e Alisson atrás de Jael, o único atacante. Sem Luan e Everton, as grandes estrelas.

A equipe de Marcelo Gallardo, invicto no torneio continental, foi simplesmente encaixotada. O tricolor gaúcho impediu a circulação de bola, cortou circuitos entre Palacios, Quintero e Martínez com Borré e Scocco. Quando surgia uma brecha, Geromel e Kannemann conseguiam bloquear as finalizações. E ainda tinha Marcelo Grohe para garantir.

Com a bola, autoridade de campeão e um jogo mais vertical. Mas com Maicon ditando o ritmo quando necessário. Explorando especialmente as brechas entre os cinco jogadores mais adiantados e o já desgastado Ponzio. Dez finalizações contra oito do time da casa. Com apenas 38% de posse. Vinte desarmes corretos, cinco interceptações.

Uma enorme força mental aliada à organização. Méritos totais de Renato Gaúcho. Cada vez mais líder e estrategista. Conscientemente ou não, antenado ao que há de mais atual no futebol. Um time “camaleão”, que lê o cenário e se adapta. Uma vitória com dez dedos de Renato Gaúcho, muito perto de sua quinta final de Libertadores, a terceira como treinador.

(Estatísticas: Footstats)


Corinthians pode ter seis decisões em nove jogos para se manter na Série A
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Rodrigo Gazzanel (Agência Corinthians)

O Corinthians não terá direito a “ressaca” ou “luto” pela perda da Copa do Brasil para o Cruzeiro. No domingo já enfrenta o Vitória no Barradão. Com 35 pontos em 29 partidas, está três à frente do adversário e quatro de distância do Ceará, 17º colocado, mas ainda com um jogo a cumprir contra o já saciado Cruzeiro no Mineirão.

Cenário preocupante, principalmente porque o time não consegue evoluir no desempenho com Jair Ventura. As semanas livres para treinar sem o mata-mata para priorizar podem ajudar o treinador a encontrar uma formação que entregue mais soluções em campo.

O atual campeão brasileiro vai precisar, porque ainda terá pela frente mais seis duelos com equipes que orbitam pela metade de baixo da tabela e podem ser decisivos para se manter na Série A sem sustos: Bahia, Vasco e Chapecoense em casa e Botafogo, além do Vitória, fora. O Cruzeiro ocupa a décima colocação com 37 pontos e tem um jogo a menos, mas dependendo de como vai se comportar até o fim do campeonato, com o relaxamento natural pelo objetivo alcançado, pode se complicar e tornar dramático o confronto pela 34ª rodada, no Mineirão.

O Corinthians ainda terá o clássico com o São Paulo em Itaquera, o Atlético Paranaense que ainda nutre uma esperança de chegar ao G-6 ou G-7 fora de casa e fecha o campeonato em Porto Alegre contra o Grêmio que pode novamente estar com a cabeça no Mundial Interclubes. Ou lutando por vaga direta na fase de grupos da Libertadores 2019.

Tudo muito incerto e perigoso pelo que o time de Jair Ventura não vem fazendo em campo. É preciso resgatar a organização defensiva sem necessidade de se entrincheirar guardando a própria área e ganhar fluência ofensiva. Reunir Pedrinho, Jadson e Mateus Vital, os mais talentosos do quarteto ofensivo, com Romero, o melhor finalizador, mais próximo da meta adversária como um centroavante móvel, pode ser um bom início.

É urgente aumentar o número de finalizações – média de dez por jogo, só superior à do América. Bizarro para a equipe que é a segunda que mais acerta passes, atrás apenas do Grêmio, e está em sexto na posse de bola. Ou seja, é um time “arame liso”: cerca, mas não fura as defesas adversárias. Apenas 28 gols marcados, 27 sofridos. Irregularidade condizente com as mudanças de treinador e as dificuldades financeiras do clube.

Agora é contar com a paciência e o apoio da torcida em casa e um time mais consistente como visitante. Se não for possível na técnica e na tática, o Corinthians terá que ser coração puro para sobreviver a um 2018 que começou bem, mas foi desmoronando até sobrar a missão mais básica. Típico da montanha russa que é o futebol brasileiro.


Palmeiras de Felipão é versão aprimorada do campeão brasileiro com Cuca
Comentários Comente

André Rocha

Everton faz uma falta tremenda ao Grêmio. É o desafogo dos contragolpes, o ponteiro do drible que desarticula o sistema defensivo adversário. Da infiltração em diagonal para a finalização. Um desfalque imenso para uma partida do tamanho do confronto fora de casa contra o líder do campeonato.

Mas convenhamos que por mais que se dedique e reforce o discurso de que a competição por pontos corridos é importante, a concentração e a intensidade do Grêmio no Brasileiro nunca é a mesma em relação à Libertadores. É cultura, assimilada por Renato Gaúcho, maior ídolo da história do clube, e por seus comandados.

Nada disso, porém, tira os méritos dos 2 a 0 do Palmeiras no Pacaembu. Uma atuação segura, sólida, que permitiu apenas três finalizações do atual campeão sul-americano. Nenhum no alvo. O Alviverde concluiu sete, cinco na direção da meta de Paulo Victor. Nem tanto assim, mas o jogo todo deixou a impressão de que poderia marcar mais gols, mesmo com apenas 40% de posse.

Porque Luiz Felipe Scolari e sua comissão técnica conseguiram fazer o elenco assimilar a proposta de jogo rapidamente e com muita precisão, aditivada pela confiança por conta dos bons resultados. A ponto de poder mesclar cada vez mais titulares e reservas sem queda de desempenho por falta de entrosamento.

Contra o Grêmio, a maior virtude foi a concentração no trabalho sem bola. Depois do sucesso no duelo com o Colo Colo pelas quartas de final da Libertadores, Felipão resolveu seguir apostando na marcação por encaixe. Diante do time de Renato Gaúcho, que no país é quem trabalha no modelo mais próximo do jogo de posição, com toques curtos e mobilidade em pequenos espaços, as perseguições nem precisavam ser tão longas, o que costuma desarrumar mais os setores.

Os duelos, então, ficavam bem definidos: Dudu e Willian voltavam com os laterais Leo Gomes e Marcelo Oliveira, Thiago Santos pegava Luan, Moisés bloqueava Maicon, Bruno Henrique batia com Cícero. Mayke esperava Pepê, o mesmo do lado oposto com Diogo Barbosa contra Alisson. Zagueiros Luan e Gustavo Gómez cuidavam de Jael. Na frente, Deyverson incomodava Geromel e Bressan.

O gremista que recebia a bola era imediatamente pressionado por seu marcador. Nas tentativas de triangulação, quase nunca o Palmeiras permitia o terceiro homem livre – ou seja, aquele que se desmarca e vai receber a bola mais à frente. Impressionante como o time da casa permaneceu ligado durante os noventa minutos.

Bola retomada, muitas ligações diretas. Foram 44 lançamentos na partida. Quase sempre buscando Deyverson no pivô ou Dudu na velocidade. Não por acaso, os dois melhores em campo. Um desequilibrou com gols, outro como o ponteiro que Everton costuma ser para o Grêmio. O centroavante finalizou três vezes, duas no alvo. Nas redes.

O camisa sete, melhor em campo, foi quem mais acertou dribles e passes para finalizações. Cruzou para Deyverson desviar para o primeiro gol. Ganhou da defesa e rolou para Bruno Henrique chutar e Cícero salvar quase sobre a linha. Apesar de ainda insistir muito nas reclamações com a arbitragem, já é candidato a grande destaque individual do campeonato.

Marcação por encaixe, perseguições individuais, ligações diretas, concentração, Dudu desequilibrando. Tudo isso lembra demais a trajetória que terminou com o título em 2016. Sob o comando de Cuca. Campanha fantástica no segundo turno, outra semelhança.

Só que o time de Felipão, pelo menos até aqui, parece uma evolução daquele Palmeiras. Que tinha o talento de Gabriel Jesus, mas nem sempre um pivô como Deyverson para reter a bola e contribuir para o volume ofensivo. Mais leve, sem o peso dos 22 anos sem título brasileiro e o clima tenso que Cuca costuma criar na gestão do elenco, o jogo flui melhor.

Conta também, e muito, o elenco mais qualificado e homogêneo que o de dois anos atrás. Para vencer o Grêmio e praticamente tirá-lo da briga pelo título. Com os 3 a 1 do Internacional sobre o São Paulo no Beira-Rio, sobram três reais candidatos à principal competição nacional. Os dois vencedores das partidas mais importantes do domingo e mais o redivivo Flamengo de Dorival Júnior.

A menos que surja um “fato novo”, a única possibilidade de queda do líder é o contexto da semifinal da Libertadores contra o Boca Juniors e de uma possível decisão continental interferir muito nas rodadas de fim de semana. Hoje parece improvável. Mais fácil os outros dois tropeçarem na ansiedade por taças.

Favoritismo absoluto do Palmeiras, maior que os três pontos de vantagem na tabela sobre o Inter. Returno de oito vitórias e dois empates, 16 gols a favor e apenas cinco contra. Praticamente imune a desfalques, com confiança no teto e tratando o Brasileiro sem obsessão. Não é a prioridade, mas parece ser levado cada vez mais a sério faltando nove rodadas.

(Estatísticas: Footstats)


Grêmio x River deveria ter sido a final de 2017. Agora será duelo gigante
Comentários Comente

André Rocha

Renato Gaúcho repetiu na Arena do Grêmio o trio ofensivo do jogo de ida com Alisson e Everton nas pontas e Luan como falso nove. Mas sem Ramiro e Maicon mudou o desenho tático. Alinhou Matheus Henrique e Cícero à frente da defesa e deu liberdade a Thaciano num 4-2-3-1.

Com o meio-campo tão mexido, o time gaúcho sofreu um pouco no início contra um Atlético Tucumán obrigado a adiantar as linhas, porém mais organizado que no jogo em casa. Os argentinos terminaram o primeiro tempo dividindo a posse de bola e finalizando oito vezes, mas apenas duas no alvo.

O Grêmio foi mais eficiente: concluiu nove, quatro no alvo. Duas nas redes. Com Léo Moura como protagonista. Cruzamento na segunda trave, toque de Thaciano e gol de Luan. Depois iniciando a jogada que terminou no passe de Luan para Alisson disparar e sofrer pênalti do goleiro Lucchetti, que acabou expulso com auxílio do VAR. A cobrança precisa de Cícero resolveu o jogo e, dobrando a vantagem conquistada na ida, definiu o confronto já no primeiro tempo.

Na segunda etapa, com um homem a mais foi um passeio em ritmo de treino, com gol contra de Sánchez em finalização de Alisson e o time perdendo outras boas chances até marcar no último ataque em outro pênalti sofrido e convertido por Jael.

Quatro a zero para impor ainda mais respeito. Como esperado desde a definição do confronto, o Grêmio sobrou. Ataque mais positivo com 22 gols, apenas cinco sofridos. Líder do torneio na posse, na troca de passes e nas finalizações. 100% de aproveitamento em casa nesta edição. Encontra equilíbrio na hora de decidir.

Semifinal contra o River Plate. Equipe forte com trabalho consolidado do treinador Marcelo Gallardo. Desde 2014, com títulos da Sul-Americana e Libertadores. Também semifinalista no ano passado. Domínio absoluto no Monumental de Nuñez diante do Lanús: 59% de posse, 12 finalizações contra apenas duas. Nenhuma no alvo do time visitante. Mas só 1 a 0 no placar. Na volta, o Lanús dominou a posse, com 62%, mas novamente finalizou menos – 11 a 8 para o River, cinco no alvo para cada lado. Quatro gols contra apenas dois do então finalista inédito.

A equipe de Gallardo foi superior nos 180 minutos, mas pagou pela falta de contundência, especialmente em seus domínios. O Grêmio nada tinha com isso, dominou a decisão vencendo os dois jogos com autoridade e garantiu o tricampeonato sul-americano.

Vai buscar o tetra enfrentando outro gigante três vezes campeão. Definindo em Porto Alegre a vaga na decisão. Duelo saturado de tradição. O Estudiantes eliminado nas oitavas tem quatro taças no currículo, mas vive fase de transição. O River, não. Comprovou sua força eliminando o Independiente “Rei de Copas” e campeão da Sul-Americana. Parece mais maduro desta vez. Time de Scocco, Pratto, Quintero, Ponzo, Nacho Fernández…

Na teoria, o maior desafio da jornada épica do time de Renato Gaúcho, digna de roteiro de filme, desde setembro de 2016. Devia ter sido a final do ano passado, agora é confronto de difícil prognóstico. Mas com um favorito: o atual campeão.

(Estatísticas: Footstats)


Palmeiras B campeão será a “experiência de quase-morte” do Brasileirão
Comentários Comente

André Rocha

Você consegue imaginar um Real Madrid valorizando mais a Copa do Rei do que La Liga ou o Bayern de Munique lamentando mais a eliminação da Copa da Alemanha do que ficar para trás na disputa pela salva de prata da Bundesliga?

Improvável, não? No Brasil, porém, funciona diferente. Além da Libertadores, a Copa do Brasil é tratada como prioridade pelos grandes clubes. Não só pelo alto valor da premiação, mas por uma simples questão de cultura. Se contarmos desde 1959, foram 43 anos de disputa do Brasileiro no mata-mata. Apenas 16 nos pontos corridos. De 1989 a 2002, as duas principais competições nacionais eram definidas em jogos eliminatórios e parecia ok pra todo mundo.

Os pontos corridos, mesmo com os lamentos de muita gente, chegaram a pegar por aqui. Assim como a visão de que a regularidade, valorizando todos os jogos, normalmente era a grande virtude do campeão.

Tudo mudou com Libertadores e Copa do Brasil passando a ser disputadas durante toda a temporada, como acontece na Europa. A possibilidade de ser campeão disputando menos partidas se transformou numa sedução quase irresistível. Os clubes com maior capacidade de investimento e elencos mais robustos agora disputam o Brasileiro utilizando várias vezes seus times reservas.

O que deveria ser a principal competição nacional virou, na prática, prêmio de consolação. Só passa a ser prioridade quando não há mais nada em disputa. Dependendo do clube, até a disputa da Sul-Americana pode ser colocada na frente. Também por conta do aumento de vagas para a Libertadores. Um G-6 que pode virar até G-9. Quase metade dos participantes…

Tudo isso cria um cenário de desvalorização que pode ganhar um capítulo dramático se o atual líder Palmeiras confirmar o título nas últimas onze rodadas. Desde a chegada de Luiz Felipe Scolari disputando a maioria das partidas com reservas. O experiente treinador usa a retórica para não admitir que é um time B e valorizar todos os jogadores. Mais que legítimo.

E vem dando certo. Usando três ou quatro titulares, normalmente no meio-campo e ataque, está invicto há onze rodadas: oito vitórias e três empates. Incríveis 82% de aproveitamento. Com Gustavo Gómez, Marcos Rocha, Lucas Lima, Hyoran e Deyverson se destacando, além de Felipe Melo e Dudu, tantas vezes pinçados do time A.

Todos os méritos para Felipão, comissão técnica e atletas. Mas um claro sintoma do achatamento técnico da competição. Não só pelo momento do futebol brasileiro já analisado tantas vezes neste blog, com equipes cada vez mais organizadas para defender e sem ideias quando precisam criar espaços diante de times compactos. E ainda tensas com a responsabilidade do favoritismo.

Incrível como o São Paulo caiu de rendimento depois que passou a ser de fato candidato ao título que não conquista há dez anos. Mesmo com desfalques importantes, a queda dos comandados de Diego Aguirre foi brusca. É possível notar em campo uma equipe travada pelos próprios nervos. Precisa vencer e não sabe bem como. A torcida fica ainda mais pilhada ao ver os grandes rivais da cidade em um momento tão bom em termos de resultados – Corinthians e Palmeiras são os últimos campeões brasileiros e seguem fortes no mata-mata.

O mesmo com o Internacional vindo da Série B e que de repente se viu disputando o topo da tabela. Outro time que precisa dar respostas diante da força do grande rival, o Grêmio campeão sul-americano e praticamente garantido nas semifinais do torneio continental em 2018. Mais uma equipe que sem brechas para infiltrar entra em parafuso e sofre mais do que devia, mesmo em jogos relativamente tranquilos contra times tentando se afastar do Z-4.

Por enquanto o Palmeiras está leve. Disputa as partidas sem maiores cobranças. Não só pelo crédito histórico de seu treinador, mas principalmente por também estar com a classificação bem encaminhada para as semifinais do principal torneio sul-americano. Buscando o bi com Felipão. A eliminação na Copa do Brasil teve seu impacto em um clube ávido por taças, mas sem gerar crise.

Esta tranquilidade somada ao desempenho com notável regularidade pode, sim, acabar em título. Ainda que a tabela reserve o clássico contra o São Paulo no Morumbi já na próxima rodada e depois duelos fora de casa contra Flamengo e Atlético Mineiro.

Se acontecer será uma espécie de “experiência de quase-morte” do Brasileirão. Um duro atestado de desvalorização. A dança com a prima no final da festa. Algo para CBF, clubes e até a TV Globo repensarem. Ainda que a audiência siga com bons números e até a média de público esteja mais alta, turbinada pelos programas de sócio-torcedor que estimulam a fidelidade. Mas fica cada vez mais cristalino que o foco é mata-mata.

As quartas estão mais nobres que os fins de semana. Sinal dos tempos.


Grêmio muda time, esquema, modelo…só não perde a “casca” na Libertadores
Comentários Comente

André Rocha

Sem centroavante disponível para o jogo de ida pelas quartas de final da Libertadores, Renato Gaúcho decidiu resgatar a ideia de Luan como “falso nove”, abandonada desde a grave lesão de Douglas em 2017. Armou um 4-3-3 com Ramiro no meio-campo, abrindo vaga pela direita para Alisson. Com Everton na esquerda, o ataque tinha pontas para acelerar e buscar as infiltrações em diagonal.

No entanto, mesmo para o atual campeão sul-americano e com trabalho de dois anos consolidado, não é simples mudar um padrão. O Grêmio sofreu no primeiro tempo do Monumental José Fierro contra um Atlético Tucumán intenso e que atacava como se não houvesse amanhã e nem a partida de volta. Trunfo de uma equipe fortíssima em seus domínios – não perdia desde março.

Tanto volume que impôs superioridade na posse sobre um time que preza o controle da bola. Mas a equipe gaúcha não se perdeu. Controlou espaços e esperou a hora de acelerar as transições ofensivas. O primeiro gol em mais um momento inusitado para o Grêmio: bola longa de Maicon, toque de Cícero vencendo a disputa pelo alto para servir Alisson.

A expulsão de Gervásio Núñez com auxílio do VAR por pisar em Alisson caído no gramado esfriou time e torcida. O Grêmio até avançou as linhas, mas definiu mesmo no passe longo de Léo Gomes para Alisson dar assistência e Everton marcar seu quinto gol no torneio continental.

O tricolor gaúcho, criticado tantas vezes na temporada pela posse de bola estéril, terminou com 48% e finalizou menos que o oponente, mesmo com um a mais durante boa parte do segundo tempo: oito contra treze, mas cinco no alvo. Duas nas redes.

A objetividade também tem sua beleza. E o Grêmio venceu bonito na Argentina. Encaminha bem demais a classificação para a nona semifinal. Porque pode mudar escalação, sistema, até o modelo de jogo. O time de Renato Gaúcho só não perde a “casca” na Libertadores.

(Estatísticas: Footstats)


Internacional e Palmeiras vencem clássicos “típicos” e ganham uma rodada
Comentários Comente

André Rocha

Beira-Rio e Allianz Parque foram os palcos dos grandes clássicos da 24ª rodada do Brasileiro. Mesmo prejudicados pelo Grêmio muito desfalcado e o Palmeiras seguindo seu roteiro de colocar mais reservas em campo no fim de semana quando tem jogo de mata-mata em seguida.

Duelos que seguiram o roteiro da maioria dos clássicos e jogos decisivos no país: muita concentração defensiva, jogo simples para minimizar erros e não correr riscos, disputa física com jogadores pilhados para mostrar aos torcedores que estão ligados e, claro, pressão nas arbitragens. Ou seja, seguindo velhos discursos: “clássico não é para jogar, mas para vencer” e “será decidido nos detalhes, quem errar menos sairá com os três pontos”.

Em ambos, times sem muita ambição e mais preocupados com o trabalho defensivo no primeiro tempo. Mesmo para quem tomava a iniciativa e ficava com a bola – inicialmente os times da casa. Compreensível para o Corinthians que estreava Jair Ventura na casa do rival e buscava um reequilíbrio. Ou, no popular, “fechar a casinha”.

Vitórias dos mandantes que souberam se impor. O líder Internacional manteve sua proposta de jogo, alternando Nico López e William Pottker pelas pontas no 4-1-4-1 habitual, ora ocupando o campo de ataque, ora negando espaços ao maior rival. Até Uendel, substituto do suspenso Iago, colocar na cabeça de Edenilson e decidir.

Porque faltou ao Grêmio de Renato Gaúcho o “punch” de outros momentos. Muito pelas ausências de Kannemann, na seleção argentina, e Maicon por lesão. Também da velocidade e do drible de Everton, a serviço de Tite. Sobraram a fibra do campeão da Libertadores e a boa surpresa do meia Jean Pyerre, que entrou na vaga de Luan deu trabalho a Rodrigo Dourado e Marcelo Lomba. Foram 55% de posse e 12 finalizações contra nove do Colorado, três para cada lado.

Triunfo simbólico para comprovar a força da equipe de Odair Hellmann e tirar a má impressão do empate sem gols com os reservas do Palmeiras na primeira partida em casa contra os times na ponta da tabela.

Até porque a formação que Luiz Felipe Scolari manda a campo no Brasileiro também vai se impondo na autoridade da transformação anímica no clube com a chegada do treinador ídolo e multicampeão. Com Weverton no gol, Felipe Melo no meio e Dudu na frente. Mas usando o fator campo para acuar o rival.

Thiago Santos e Felipe Melo mais fixos liberando Lucas Lima e os laterais Marcos Rocha e Victor Luís. Passes longos, Deyverson no pivô retendo a bola ou partindo para a conclusão. Dudu e Hyoran alternando pelos flancos e buscando as infiltrações em diagonal. Jogo direto, eficiente e que vai desgastando o adversário.

Ainda mais o Corinthians em transição, abalado e que só queria retomar a solidez sem a bola. No 4-2-3-1, com Romero pela esquerda tentando acompanhar Marcos Rocha, que aparecia nas ultrapassagens e também nas cobranças de lateral diretamente na área adversária. Na segunda etapa, a entrada de Moisés no lugar de Thiago Santos deu ainda mais volume ao Alviverde.

Até o passe de Marcos Rocha para a finalização de Deyverson. A mais precisa das 12 do Palmeiras contra apenas quatro do atual campeão brasileiro – nenhuma no alvo. Mesmo verticalizando o jogo quase o tempo todo, o time da casa terminou com 54% de posse. Controlou bem a partida dentro do contexto.

Dudu foi o destaque, com cinco finalizações, um chute no travessão em bela jogada individual e levando vantagem principalmente quando aparecia pela esquerda contra o inseguro Mantuan. Muito diferente do jogador inconstante dos tempos de Roger Machado. Mais um ponto para Felipão.

Mais três para Inter e Palmeiras. Em jogos mais pegados que jogados. Clássicos “típicos”. Vencidos pelas equipes em alta que souberam aproveitar o mando de campo para não deixar o São Paulo retomar a liderança. Ganham uma rodada na busca do título.

(Estatísticas: Footstats)