Blog do André Rocha

Arquivo : juliocomesana

Atlético-PR recua demais e empate fica muito melhor do que foi o desempenho
Comentários Comente

André Rocha

O Junior Barranquilla sabia que precisava sair da partida em casa na final da Copa Sul-Americana com vantagem para encarar o “inferno” da volta na Arena da Baixada. Mesmo com quatro desfalques, o mais importante do capitão Téo Gutiérrez.

A solução era colocar intensidade máxima na pressão pós perda e adiantar as linhas na execução do 4-3-3. Os laterais em especial. Piedrahita e Germán Gutiérrez empurravam Nikão e Marcelo Cirino, os pontas atleticanos, para o próprio campo e deixando as saídas para os contragolpes menos rápidas com Raphael Veiga e Pablo, os mais adiantados sem a bola do 4-2-3-1 de Tiago Nunes.

O time do treinador Julio Comesaña saía de trás com passes verticais e rápidos do volante Luis Narváez e eventualmente dos zagueiros Jefferson Gómez e Rafael Pérez. Os laterais desciam e faziam triângulos com os meias Sánchez e Cantillo e os ponteiros Barrera e Díaz. Toques simples e cruzamentos procurando Jony González, o substituto de Téo no centro do ataque.

Mas o Atlético fechava bem o “funil” e impedia as infiltrações em diagonal dos ponteiros e Lucho González e Bruno Guimarães protegiam a entrada da área. Com os pontas voltando até o fim, Jonathan e Renan Lodi estreitavam a última linha com Thiago Heleno e Léo Pereira. Mesmo com algum sofrimento, o jogo estava controlado.

Quando Nikão ficou mais adiantado pela direita quando o lado oposto foi atacado e Cirino voltou, o time brasileiro enfim ganhou uma referência de velocidade para a transição ofensiva. Arranque e passe do ponteiro, deslocamento de Pablo entrando no tempo e no espaço certos para finalizar e abrir o placar.

Só que a equipe rubro-negra pecou de novo pela desconcentração fora de casa. O Junior saiu com tudo para um “abafa” e, três minutos depois, no vacilo em conjunto dos veteranos Jonathan e Thiago Heleno, a bola aérea terminou com a bela virada de González. O empate contagiou o Estádio Metropolitano e induziu o time da casa a novamente se lançar à frente e, por consequência, o recuo dos visitantes. Tiago Nunes acusou o golpe ao trocar Raphael Veiga pelo volante Wellington.

Depois tentou dar velocidade aos contra-ataques com Rony na vaga de Pablo – mais tarde Marcinho substituiria Lucho González. No entanto, o atacante substituto que definiu a virada sobre o Flamengo no sábado entrou mal e cometeu pênalti em Gutiérrez. O zagueiro Pérez explodiu o travessão numa cobrança fortíssima. Esfriou a torcida, mas o Junior sabia que não tinha opção além de seguir atacando.

Com Moreno, Hernández e Ruiz nas vagas de Narváez, Sánchez e González, seguiu rondando a área atleticana e teve a chance derradeira no chute forte de Barrera, mas Santos salvou com bela defesa. A última das 13 finalizações, cinco no alvo. O Junior terminou com 58% de posse, 15 desarmes corretos e apelou 30 vezes para os cruzamentos. Faltou o gol do desafogo.

O Atlético enfrentou os mesmos problemas de outras partidas sem vitória fora de casa, principalmente o recuo excessivo para defender a meta de Santos.  Mas volta da Colômbia com resultado interessante para definir o título continental em seus domínios. Com proposta ofensiva e volume de jogo tende a se impor. Mas é final, jogo tenso e que costuma atrapalhar os times brasileiros pela tensão por conta do favoritismo. É inegável, porém, que a taça e a vaga na Libertadores 2019 ficaram mais próximas de Curitiba.

(Estatísticas: Footstats)

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>