Blog do André Rocha

Arquivo : americadosul

Vitória à prova de clichês reforça: Brasil será sério sempre até a Rússia
Comentários Comente

André Rocha

A seleção brasileira tinha todo direito de escalar reservas e não se preocupar com o resultado que beneficiaria o Chile e poderia complicar a grande rival Argentina na última rodada das Eliminatórias.

Tite podia ter sacado Philippe Coutinho e Neymar no intervalo de uma disputa tensa, especialmente para o adversário, por estarem com um cartão amarelo, para evitar a expulsão e a suspensão para a estreia do Mundial na Rússia.

As 41 mil pessoas no Allianz Parque podiam ter testemunhado uma despedida em ritmo de treino do líder absoluto nas Eliminatórias. Mas esse Brasil de Tite é à prova de clichês. Refuta o comodismo, a indolência. O jogar só se for para valer.

Não está pronto para ser favorito ao hexa. É um dos candidatos pelos motivos de sempre: maior campeão, único presente em todas as edições. Tem qualidade e comando. Mas perdeu dois anos de gestão, processos, experiências, jogos. Nunca podemos esquecer o objetivo inicial quando a CBF enfim se curvou ao óbvio e deu a chance que Tite esperava desde 2014: não ficar de fora da Copa.

Mas ninguém pode dizer que essa equipe, incluindo comissão e jogadores, não entrega 100%. Cada um em seu ofício. Teve a melhor atuação brasileira na altitude de La Paz pelas eliminatórias que este que escreve lembra ter visto, superior até à última vitória na Bolivia (Santa Cruz de La Sierra) – 2 a 0 em 1985, gols de Casagrande. Só faltou o gol, porém não manchou o bom desempenho.

Na despedida, triunfo com autoridade e profissionalismo que manda para casa o campeão das últimas edições da Copa América. Paulinho para descomplicar na segunda etapa um primeiro tempo difícil no rebote da bola parada, Gabriel Jesus ganhando presentes na volta ao estádio do Palmeiras. De Neymar e Willian em contragolpes  de manual. No primeiro, lançamento primoroso de Coutinho. No último, defendendo a meta do estreante Ederson como se valesse a vida, a vaga no Mundial. Seriedade máxima.

Uma carta de intenções para a sequência de trabalho até a Copa. O Brasil pode voltar sem taça, mas será forte e sério. Sempre. Melhor assim.

 


Messi deve, sim, ser cobrado na Argentina pelo nível mais alto da história
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Alejandro Pagni (AFP/Getty Images)

Este que escreve ama e acompanha o futebol há mais de três décadas e não viu ao vivo ninguém melhor que Lionel Messi. Nenhum jogador combinou tão bem técnica, habilidade e objetividade por tanto tempo. Já completou uma década atuando em altíssimo nível e concorrendo ao prêmio de melhor do mundo – sua primeira indicação foi no ano em que Kaká venceu e o argentino terminou em segundo lugar.

Mesmo em uma temporada não tão inspirada, como a passada, é capaz de faturar a Chuteira de Ouro da UEFA pelos 37 gols no Campeonato Espanhol e só perder a artilharia da Liga dos Campeões para Cristiano Ronaldo na grande decisão, com o Barcelona eliminado nas quartas de final pela Juventus.

As conquistas e os recordes com o time catalão o colocam entre os maiores da história do esporte. Mas para as gerações que ainda colocam o desempenho na seleção como o grande parâmetro para avaliar o tamanho de um jogador, nas quais me incluo, é impossível negar que falta a Messi algo maior com a camisa albiceleste.

Os fãs mais apaixonados defendem o camisa dez alegando que ele não pode ser responsabilizado pelo caos na AFA, com constantes trocas de treinadores e sérios problemas de gestão, incluindo corrupção. Também que não tem culpa se seus companheiros não acompanham seu nível. Ainda assim, é o maior artilheiro da seleção bicampeã mundial, com 58 gols.

Não resta dúvida que depositar toda a culpa em um indivíduo pela falta de conquistas em um esporte coletivo sempre soará injusto. E Messi quase sempre entregou desempenho. Só que estamos tratando do mais alto nível. A excelência. O topo. E aí há uma dívida, sim.

Porque é inaceitável a Argentina passar pela Era Messi sem nenhuma conquista relevante. É absurdo estar há 24 anos sem títulos. Mais ainda se recordarmos que em todas as decisões o genial atacante teve chances cristalinas, que não costuma desperdiçar no seu clube, e falhou. Nas três últimas, definidas na prorrogação ou na disputa de pênaltis, podiam ter mudado a história.

Por mais que concordemos que “a bola não entra por acaso”, naqueles segundos não havia AFA, companheiros medíocres ou qualquer outro obstáculo. Era Messi, o goleiro do oponente e seu ofício de marcar gols. Não podia desperdiçar.

Assim como a Argentina não pode ficar fora de uma Copa do Mundo. Caso aconteça será inevitável lembrar das oportunidades que ele também perdeu. Ou por errar a finalização, ou por preferir passar para os conterrâneos menos confiáveis na missão de ir às redes.

Porque Messi foi criado e moldado no jogo posicional do Barcelona. No qual cada jogador sabe exatamente sua função no trabalho da equipe. Por mais que Pep Guardiola diga que o time que comandou e fez história trabalhava para que o mais talentoso brilhasse, Messi pensa coletivamente. Arranca para fazer o gol, mas se percebe que passar a bola aumentará as chances de êxito ele não hesitará em fazê-lo. Está no DNA. Porém já deu tempo de perceber que é obrigatório assumir mais a responsabilidade representando seu país.

É cruel acusá-lo de ser “menos argentino” por não ter história em um clube de lá e ter saído cedo para a Europa. Até porque ninguém acreditou e investiu naquele menino com problemas hormonais que impediam seu desenvolvimento ósseo. Por isso a gratidão e o propósito de encerrar a carreira no Barcelona.

Mas segue faltando o gol decisivo para quem já marcou tantos. 579 como profissional, para ser mais exato. Deve o toque preciso que define para que lado vai a taça. Por mais méritos que tenham o Brasil de 2007 e o Chile em 2015 nas Copas América que faturaram e, principalmente, a Alemanha no título mundial vencido no Brasil, o direito de errar na frente do goleiro adversário tem que ser menor para Messi.

Porque ele está no Olimpo, com Pelé, Maradona e outros poucos. Mas por enquanto ainda olhando para cima ao mirar aqueles que levaram taças para seus povos. Até Cristiano Ronaldo e a conquista da Eurocopa se colocam acima. Se não é melhor, o português está maior que seu grande rival. Ainda que admitamos que este mostrou menos desempenho no título que conquistou do que Messi nas competições que deixou escapar.

Por isso não pode falhar na terça contra o Equador em Quito, nem em uma eventual repescagem. Se não for à Rússia ficará para sempre um degrau abaixo. Por mais duro que seja reconhecer isto para quem venera o talento genial do argentino.


O drama na Bombonera e de Messi na conta das escolhas de Jorge Sampaoli
Comentários Comente

André Rocha

O futebol é cada vez mais coletivo. Mas o de seleções um pouco menos, por não ter o tempo dos clubes para treinamentos e a quantidade de partidas por temporada para adquirir entrosamento.

No caso da Argentina, com Jorge Sampaoli estreando em junho e fazendo seu primeiro jogo oficial em setembro, a qualidade individual ganha uma importância ainda maior. Na pressão sufocante da Bombonera e na urgência pelo resultado, a necessidade de jogadores talentosos e habituados a decidir em alto nível era imensa.

E o treinador tratado como um sopro de esperança deixou Dybala e Icardi no banco de reservas e caíram nos pés de Benedetto, “Papu” Gómez e Rigoni, que entrou na vaga de Di María no segundo tempo, as melhores oportunidades completando passes de Messi. Gênio argentino, que recuava, armava etambém teve três boas oportunidades de ir às redes.

Mas o Peru de Ricardo Gareca se fechou num compacto 4-1-4-1 totalmente concentrado em negar espaços e dificultar as finalizações do camisa dez albiceleste. A rigor, só ele podia decidir.

Piorou quando Sampaoli colocou Gago em campo. No sacrifício, durou oito minutos. Volante de passe qualificado, mas com a carreira prejudicada por lesões. Perdeu uma substituição, uma chance de resolver na individualidade. De definir o passe de Messi. Entrou Enzo Pérez…

Foram 19 finalizações, sete no alvo que consagraram o goleiro Pedro Gallese. O Peru ameaçou duas vezes, uma em cada tempo: cruzamento de Trauco e finalização perigosa de Farfán para fora e, no último lance, a cobrança de falta de Guerrero que fez Romero trabalhar. O drama podia ter virado tragédia.

A Argentina ainda respira e tem como vantagem enfrentar o eliminado Equador. Mas com os olhos do mundo voltados para este jogo e a chance de entrar para a história por tirar Messi do Mundial da Rússia pode motivar o franco-atirador. E ainda depende de outros resultados, inclusive do líder Brasil contra o Chile no Allianz Parque.

Era obrigatório vencer em casa, até para resgatar confiança. As escolhas de Sampaoli complicaram tudo e fizeram a Bombonera viver uma agonia de 90 minutos. Messi também sofreu. Lutou, criou e finalizou. Novamente não decidiu e segue devendo para o nível de um dos melhores jogadores da história do esporte. A última chance será em Quito na terça.

(Estatísticas: Footstats)

 

 


Se é momento para testes, por que não um Brasil à la Real Madrid?
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Ricardo Botelho (FolhaPress)

Para o jogo contra a Bolívia em La Paz na quinta-feira, Tite confirma a mudança forçada – Alex Sandro no lugar dos lesionados Marcelo e Filipe Luís na lateral esquerda – e uma por opção: Thiago Silva na vaga de Marquinhos, formando a zaga com Miranda.

A outra alteração em relação à última rodada das Eliminatórias é o retorno de Philippe Coutinho ao lado direito da linha de meias do 4-1-4-1 à frente de Casemiro. Com a saída de Willian, a mudança de perfil, como afirma o próprio treinador: “Tenho um mais vertical e agudo, que ataca os espaços (Willian), e outro mais construtor (Coutinho)”.

Coutinho constroi porque é meia. Dos bons. Mas costuma render melhor partindo da esquerda ou do centro. Na própria seleção, seus grandes momentos, incluindo o golaço sobre a Argentina, foi saindo do lado direito para circular às costas dos volantes adversários. Quando abre ainda fica desconfortável, não tem o timing para as combinações com Daniel Alves.

Tite deixa claro que sua convicção é na qualificação deste 4-1-4-1 até a Copa, com a variação do desenho tático para o 4-2-3-1 com Coutinho por dentro e Willian pela direita. Legítimo, até pelo pouco tempo de trabalho até aqui e menos ainda até o Mundial da Rússia.

Mas por que não um teste para ter um coelho na cartola, algo para surpreender os rivais que certamente depois de confirmarem suas vagas na Copa vão dissecar um dos candidatos ao título? E isto é possível sem mexer na formação titular.

O Real Madrid conquistou Espanhol e Liga dos Campeões na temporada europeia passada e cresceu na reta final quando Zinedine Zidane, sem o lesionado Gareth Bale, colocou Isco em seu lugar. Com isso mudou também o sistema: de um 4-3-3 rígido, com Casemiro na proteção e dois meio-campistas mais organizadores – Modric e Kroos – e o trio “BBC” na frente. para um 4-3-1-2 mais flexível, com ou sem a bola.

Porque Isco ganhou liberdade para circular e também permitiu que Cristiano Ronaldo não fosse nem centroavante, nem ponteiro, mas atacante numa dupla com Benzema. Trocando de lado, buscando as diagonais, tabelando. A  troca deu liberdade aos laterais Carvajal e Marcelo para apoiarem ao mesmo tempo, abrindo o sistema defensivo adversário.

Sem a bola, duas linhas de quatro. A do meio-campo bastante móvel,em função do posicionamento de Isco no retorno. Se ele volta pela direita, Casemiro e Modric fecham o meio e Kroos abre à esquerda; se retorna pela esquerda é Modric quem abre pela direita e Kroos se junta ao volante brasileiro no centro. Quando Isco recompõe centralizado, Casemiro se adianta na compactação e Modric e Kroos fecham os flancos.

O 4-3-1-2 com Isco se aproximando da dupla Cristiano Ronaldo-Benzema e voltando na recomposição formando uma linha de quatro móvel com Casemiro, Modric e Kroos, de acordo com o posicionamento do camisa 22 na recomposição (Tactical Pad).

Tudo executado com naturalidade e inteligência, como atua o time merengue, especialmente nos jogos grandes, decisivos. É uma equipe que se adapta às necessidades da disputa e sabe jogar com posse, instalado no campo de ataque, ou em transições ofensivas rápidas, aproveitando os espaços às costas da defesa do oponente.

Na seleção, Coutinho pode ser Isco, jogando solto, sem a obrigação de ficar ou partir do setor direito. Com isso se aproximaria mais da dupla Gabriel Jesus-Neymar, todos com autonomia para circular e procurar espaços para surpreender as retaguardas com tabelas, triangulações, infiltrações em diagonal dos atacantes.

Tite não gosta de tirar Neymar do setor esquerdo. De fato, é onde a estrela brasileira mais rende. Mas a liberdade para o talento nunca é improdutiva e as trocas com Gabriel Jesus, as diagonais mais curtas, mesmo saindo da esquerda, podem tornar o camisa dez ainda mais letal. Mais próximo da meta adversária.

Sem a bola, a lógica seria a mesma do atual bicampeão europeu: Coutinho se juntaria a Casemiro, Paulinho e Renato Augusto e a distribuição dos quatro na linha à frente da defesa se daria de acordo com o camisa onze, No caso da seleção poderia haver outra referência: o posicionamento de Paulinho e Renato Augusto, que costumam trocar muito. De lado e de função. Paulinho recua para usar seu poder de marcação. Já com Renato mais atrás o objetivo é ganhar um organizador e qualificar a saída de bola.

O meio-campo em losango na seleção teria a mesma dinâmica do Real Madrid, com Philippe Coutinho como meia de ligação e referência para a composição da segunda linha de quatro no momento defensivo. Na frente, Gabriel Jesus e Neymar com liberdade e nas laterais Daniel Alves e Marcelo aproveitando os corredores abertos (Tactical Pad).

Tite tem Casemiro e Marcelo, quando este voltar, para obter ainda mais detalhes sobre a execução. Sem contar que a referência continua sendo o seu amigo Carlo Ancelotti, já que a base do modelo de jogo, ainda que tenha amadurecido e se aprimorado, vem do italiano, que tinha Zidane como auxiliar em sua passagem pelo clube, de 2013 a 2015. Ou seja, não seria algo a surgir “do nada”.

Até porque o sistema não seria algo inédito para o comandante canarinho. Com outra dinâmica, o 4-4-2 com o meio-campo em losango já foi utilizado. O mais marcante no Internacional campeão da Copa Sul-Americana em 2008 e vice da Copa do Brasil no ano seguinte. Com Sandro ou Edinho plantado à frente da defesa, Magrão e Guiñazu pelos lados e D’Alessandro como “enganche”, articulando para a dupla Taison-Nilmar. Tempos de menos compactação e mais encaixes e perseguições individuais, mas ainda um 4-3-1-2.

Uma possibilidade, nada complexa. Algo para sair um pouco do plano original e da sua variação mais conhecida. Sem mudar a escalação ou afetar o entrosamento. Porém mexendo nas peças para ter uma alternativa. Por que não um Brasil à la Real Madrid?


Fim dos 100% do Brasil de Tite é compensado pelo valor do teste
Comentários Comente

André Rocha

O calor e a umidade em Barranquilla foram obstáculos tão grandes quanto a boa atuação da Colômbia no segundo tempo, não por acaso coincidindo com a maior produção de James Rodríguez, o meia central do 4-2-3-1 armado por Jose Pekerman. Na jogada bem trabalhada do camisa dez com Arias contra Filipe Luís sem o suporte de Renato Augusto, o cruzamento na cabeça de Falcao García, que se antecipou a Marquinhos para empatar.

Um raro vacilo brasileiro dentro de uma atuação segura de acordo com o contexto. Tite acertou ao acrescentar Fernandinho e Roberto Firmino às mudanças obrigatórias – Thiago Silva no lugar do lesionado Miranda e Filipe Luís no lugar do suspenso Marcelo. Descansou Casemiro e guardou Gabriel Jesus para a segunda etapa na vaga de Firmino, que não brilhou mas novamente contribuiu coletivamente. Mais importante: experimentou sua equipe.

Manteve Willian entre os titulares e o ponteiro pela direita do 4-1-4-1 correspondeu com bom trabalho no setor, em dupla com Daniel Alves. E ainda apareceu no centro para receber passe de Neymar, após lançamento preciso de Fernandinho, para acertar um chutaço no ângulo de Ospina. Golaço único da primeira etapa, logo depois da parada para a retirada de um cachorro do gramado.

A assistência de Neymar foi o ápice de uma atuação mais solidária. No esforço na recomposição e, principalmente, por soltar mais rapidamente a bola e fazer o jogo fluir. Quando tentou as jogadas individuais era o único recurso, como na bela arrancada desde a intermediária brasileira até a área colombiana no segundo tempo. O craque voltando aos eixos, mesmo sem desequilibrar, foi uma boa notícia.

Também a confiança do treinador ao arriscar novamente Philippe Coutinho no lugar de Renato Augusto, mudando o desenho tático para o 4-2-3-1 com o recuo de Paulinho, novamente atuando mais avançado na linha de meias. O Brasil nunca abdicou de jogar e isto é sempre positivo e merece reconhecimento.

Assim como a manutenção do desempenho, mesmo com quase meio time alterado. O fim dos 100% de aproveitamento com Tite nas Eliminatórias era esperado, até pelo peso zero do resultado na classificação. Importante foi o valor do teste e a boa resposta de maturidade de uma seleção que parece pronto, mas ainda está em formação.


Seleção: testar novidades ou entrosar e criar variações na base titular?
Comentários Comente

André Rocha

A partir dos duelos contra Equador e Colômbia pelas Eliminatórias a seleção brasileira viverá um dilema causado pela competência de Tite, comissão técnica e jogadores.

Por conta das oito vitórias seguidas alcançou a vaga para a Copa do Mundo da Rússia. Encontrou uma base titular muito rapidamente e deu liga de maneira veloz quase na mesma proporção. Mas continua sendo um trabalho de pouco mais de um ano e um universo de apenas onze partidas, incluindo amistosos contra Colômbia, Argentina e Austrália.

É pouco, mas conseguiu muito. O objetivo principal. E terminar a disputa sul-americana em primeiro lugar nada significa objetivamente para o Mundial. Por isso fica a impressão de que seria o momento para fazer testes. Para evitar o grupo fechado, a pouca importância dada ao momento dos jogadores e a preferência pela manutenção do que deu certo anteriormente. Ideias que prejudicaram Parreira, Dunga e Felipão nas três últimas Copas do Mundo.

Desta vez não houve Copa das Federações. Ou das ilusões: de time pronto e imbatível, sem considerar todas as variáveis e possibilidades de mudanças em doze meses. O engano da receita de sucesso infalível. O que deve ser evitado.

Mas por conta do espaçamento entre as partidas e das poucas sessões de treinos é natural que Tite fique tentado a ver seus titulares em ação mais vezes. Para consolidar ideias, construir o jogar de memória na execução do 4-1-4-1 já bem ajustado e até criar variações sem mexer nas peças. Ou só deixar Phillippe Coutinho de lado neste momento por não estar em ritmo de competição, sem jogar no Liverpool e esperando o desfecho deste interminável interesse do Barcelona.

Willian deve começar a partida na Arena do Grêmio, o que muda as características porque o ponteiro do Chelsea atua mais aberto e circula menos que Coutinho. Perde o ponta articulador, mas pode abrir o campo e até aproveitar Daniel Alves descendo mais por dentro.

Não seria, porém, o momento de testar mais gente, mesclar a escalação com reservas para observá-los em ação num cenário competitivo, com os adversários ainda buscando a classificação? De repente testar Luan e buscar um jogo entrelinhas mais envolvente tentando reeditar o sucesso da parceria com Neymar. Experimentar e manter todos atentos, motivados, sem risco de acomodação. Mas sem perder a identidade como equipe.

Difícil escolha que só reforça a crítica à CBF por ter perdido dois anos com Dunga quando era claro o momento do melhor treinador brasileiro que se sentia pronto para o cargo. O trabalho estaria mais maduro, haveria duas disputas de Copa América como bagagem e o planejamento teria menos urgências.

Agora cabe a Tite definir o caminho até o ano que vem. Dosando manutenção, aprimoramento e busca constante de meritocracia. Entrosar, variar e testar na justa medida. Um desafio que começa na quinta-feira em Porto Alegre.

 


Uma prova de maturidade para fechar 2016 como ninguém esperava
Comentários Comente

André Rocha

Com a derrota do Uruguai por 3 a 1 para o Chile, o Brasil tinha a certeza da liderança nas eliminatórias sul-americanas mesmo com derrota em Lima. Depois de cinco vitórias seguidas com Tite e os 3 a 0 sobre a Argentina no jogo mais esperado neste final de ano, seria natural um relaxamento. Ao menos diminuir a intensidade.

O início foi de pressão peruana com chute de Carrillo na trave. Um tanto por erros de posicionamento no setor direito com Daniel Alves, Paulinho e Philippe Coutinho, muito por méritos da equipe do argentino Ricardo Gareca, que fazia pressão no campo do ataque e Cueva circulava à frente das linhas de quatro e atrás de Guerrero, criando superioridade numérica pelos flancos.

O meia atacante do São Paulo recebeu entrada dura de Renato Augusto, que com o amarelo foi jogar mais adiantado pela direita, alternando com Coutinho. Na base da troca de passes com calma, linhas compactas e transições ofensivas mais rápidas, teve a chance com Paulinho.

Terminou a primeira etapa com 56% de posse e cinco finalizações contra três, mas apenas uma no alvo contra duas. O mais importante, porém, era a capacidade de equilibrar as ações, manter a concentração e a capacidade de competir.

O Peru repetiu a pressão com linhas adiantadas e o Brasil seguiu com a consciência de suas dificuldades, mas com paciência para sofrer e esperar o momento da estocada, que veio na arrancada de Coutinho e a “assistência” de Aquino para Gabriel Jesus marcar seu quinto gol em seis jogos com Tite.

Os donos da casa nitidamente se desmancharam mentalmente e foi a vez de Gabriel Jesus servir Renato Augusto, o meio-campista que decidiu na ponta direita com um toque de técnica e inteligência. Ainda houve a chance de ampliar com Paulinho servido por Douglas Costa, que substituiu Coutinho. Willian entrara na vaga Jesus, com Neymar indo para o centro do ataque.

A seleção peruana ameaçou, rondou a área, mas, a rigor, a chance mais cristalina foi em lance fortuito que quase surpreendeu Alisson. O Brasil de Tite finalizou 12 vezes contra sete e terminou com 57% de posse. Alguns sustos, mas sem perder o controle.

Uma prova de maturidade de quem já sobra na rota para a Rússia. Quatro pontos à frente do Uruguai e oito da quinta colocada, a Argentina. Seis vitórias seguidas igualando “As Feras do Saldanha” em 1969. Quem diria?

Para quem sofria ou era indiferente a cada jogo do Brasil de Dunga, a má notícia é que a temporada 2016 chegou ao fim.

(Estatísticas: Footstats)


A lógica continua: a Bolívia não é mais boba! O Brasil é que jogou fácil
Comentários Comente

André Rocha

Assim que o grupo brasileiro ficou definido após os cortes de Douglas Costa, Marcelo e Casemiro era possível vislumbrar uma formação mais ofensiva contra a Bolívia em Natal. Saindo temporariamente do 4-1-4-1.

Porque Neymar vem jogando bem no Barcelona como atacante ao lado de Suárez na ausência de Messi, Giuliano se sente mais à vontade pela direita e Phillipe Coutinho à esquerda numa segunda linha de quatro com Fernandinho e Renato Augusto no centro. Todos confortáveis.

Tite preferiu consolidar o desenho tático da seleção, mesmo fazendo três alterações forçadas com a suspensão de Paulinho e uma por opção, tirando Willian e posicionando Coutinho à direita para ser o ponta articulador, deixando Neymar mais agudo e próximo de Gabriel Jesus. Com mobilidade.

E eficiência, a marca do primeiro tempo na Arena das Dunas. 68% de posse de bola, seis finalizações, quatro no alvo. Nas redes. Em 45 minutos. Começando com mais uma bola roubada de Neymar no campo de ataque para tabelar com Jesus e abrir o placar.

No segundo, valeu o instinto dos jogadores. Giuliano fez bela jogada aberto pela direita e assistiu Coutinho no centro. Depois Neymar serviu Filipe Luís e Jesus para construir a goleada. E uma atuação sólida, com marcação pressão, mobilidade e troca de passes – nada menos que 300 corretos e apenas 23 errados.

Consistência. Diante de uma Bolívia que é vice-lanterna nas Eliminatórias, mas vinha de vitória sobre o Peru e empate sem gols fora de casa com o Chile campeão da Copa América. Nenhuma goleada sofrida até então. Não é mais a boba de outros tempos. Quase mais ninguém sofre pela ingenuidade no futebol atual. Foi envolvida pelo bom desempenho brasileiro. Méritos de Tite.

No segundo tempo, ritmo de treino. Até pelas entradas bruscas dos visitantes. Por isso a saída de Neymar, que cumpriu ótima atuação e marcou seu 300º gol na carreira, mas novamente se mostrou irritadiço, apanhou muito e levou mais um amarelo – está suspenso para o jogo contra a Venezuela.

Valeu para mostrar a Willian que ele ainda é importante e deve ser titular contra a Venezuela, dar minutos a Lucas Lima e Firmino, que aproveitou a oportunidade marcando o quinto gol. Alternativas que aparecem em uma seleção organizada e motivada. Em evolução. Na bola jogada e na tabela de classificação.

A lógica continua: Bolívia não é mais a carne assada de outros tempos. O Brasil é que jogou fácil.

(Estatísticas: Footstats)


Suárez, o melhor centroavante do mundo a serviço do líder Uruguai
Comentários Comente

André Rocha

suarez-comemora-gol-do-uruguai-contra-o-paraguai-nas-eliminatorias-da-copa-1473208338243_615x300

Ele é o atacante que todos sonham para seu time: se entrega como um jogador essencialmente tático, tem ótima leitura de jogo, não é individualista, muito menos estrela que desagrega elencos. Trabalha demais para potencializar o talento para marcar gols e servir os companheiros, praticamente na mesma medida. Não foge das pancadas.

Luis Suárez chegou aos 18 gols nas Eliminatórias nos 4 a 0 sobre o Paraguai em Montevidéu. Marcou um de pênalti sofrido por ele mesmo. Agora é o segundo maior artilheiro das disputas por vagas na América do Sul para a Copa do Mundo, a um gol de Hernán Crespo. Ficou de fora das quatro primeiras rodadas pela suspensão da FIFA. Terá mais dez para igualar e superar este recorde. Com naturalidade.

Também serviu os dois de Cavani como um autêntico ponteiro, uma jogada de cada lado. Ou seja, jogou para a equipe e ainda reclamou quando Oscar Tabárez resolveu poupá-lo depois de levar uma pancada dura com a goleada já construída.

Com 46, ostenta também a artilharia da seleção uruguaia, em 86 jogos. Mais 20 assistências. Um fenômeno que alça a Celeste à liderança das Eliminatórias. É mais um que no auge tem a falta de sorte de ser contemporâneo dos dois extraterrestres Messi e Cristiano Ronaldo.

Em números e desempenho, porém, a concorrência desde que chegou ao Barcelona ficou mais dura. Não por acaso, faturou a Chuteira de Ouro da Europa, com incríveis 40 gols no Espanhol, disputando com os dois gênios. Com Messi, foi líder também em assistências. Sintomático.

Porque não pára de evoluir. Sabe proteger, atacar o espaço, infiltrar em diagonal – especialmente na seleção, armada no 4-4-2 e fazendo uma dupla à moda antiga com Cavani. Posicionamento perfeito, velocidade, visão de jogo. O sangue nos olhos é a cereja do bolo. Ou, para ele, nada mais que a obrigação.

A humildade em campo também está nas palavras. “Pensava que não tinha qualidade para jogar no Barcelona”, revelou em entrevista à TV holandesa KPN. O perfeccionismo sempre carrega algo de neurótico. Mas na dose certa pode dar ótimos resultados.

Suárez quer ser melhor a cada dia. Sem um pingo de narcisismo –  é o menos midiático do trio MSN do Barça e, também por isso, corre o risco de nem figurar entre os três finalistas da Bola de Ouro 2016 – e um mar do suor uruguaio. Por isso é, hoje, o melhor centroavante do mundo.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>