Blog do André Rocha

Arquivo : andrerocha

Crise pode tirar Real Madrid da Champions. Mas não era piloto automático?
Comentários Comente

André Rocha

Precisamos mais uma vez voltar à tese simplista de que dinheiro compra bom futebol, vitórias e títulos. Que a Libertadores é melhor que a Liga dos Campeões por conta do equilíbrio e que os times bilionários da Europa vencem os demais, incluindo o campeão sul-americano no Mundial de Clubes, simplesmente pelo abismo no orçamento.

A crise do Real Madrid bicampeão europeu e do planeta, com o atual Bola de Ouro Cristiano Ronaldo e outras estrelas mostra que não é assim que funciona no futebol. Derrota para o Villareal no Santiago Bernabéu por 1 a 0 e, se o Sevilla vencer o Alavés fora de casa o time merengue ainda fica na zona de classificação da Liga dos Campeões. Mas apenas pelo confronto direto – vitória por 5 a 0, a última boa atuação do bicampeão europeu. Uma ameaça real, sem trocadilho.

É óbvio que há muito tempo para recuperação. No pior cenário, se o desempenho não melhorar pode vir a eliminação para o PSG na Liga dos Campeões e aí sobraria tempo e foco para se recuperar na liga nacional e lutar, ao menos, pelo habitual segundo lugar.

Mas eis o ponto: não há piloto automático. Superioridade pura e simplesmente pela maior capacidade de investimento. Se vacilar é alcançado. Porque o esporte é coletivo, não uma mera reunião de individualidades.

O que é difícil entender é que Barcelona e Real Madrid vêm se impondo na Espanha e na Europa sendo os vencedores das últimas quatro edições da Champions porque contam com times que estão entre os melhores de suas histórias. Com Messi e Cristiano Ronaldo, os maiores artilheiros e craques dos clubes desde sempre.

O mesmo vale para o Bayern, base da Alemanha campeã mundial e que só não igualou a geração de Beckenbauer e Gerd Muller com um tricampeonato da Champions exatamente porque tinha um Messi e um Cristiano Ronaldo pelo caminho. Mas na Bundesliga sobra encaminhando um inédito hexacampeonato porque é competente ao se impor como o mais rico.

Lógica semelhante na França com o PSG. Investiu e atropela na Ligue 1, porque o objetivo é vencer o principal torneio continental. Com Neymar e Mbappé há alguma dúvida de que formou o grande esquadrão de sua história? E é bom lembrar: o atual campeão é o Monaco, que não é um “primo pobre”, mas prova que para vencer é preciso jogar.

O Real Madrid hesita. Talvez tenha se acomodado com as muitas conquistas, alimentado uma ilusão de dinastia com os títulos seguidos. Ou a obsessão pelo tricampeonato da UCL e o planejamento de estar voando na reta final da temporada como em 2016/17 tenha deixado um buraco inesperado no meio. Algo anda muito errado com o time de Zinedine Zidane, alçado a melhor que Pep Guardiola há poucos meses e agora mais que questionado.

Exatamente porque o futebol é cíclico, imprevisível. Não existe jogo jogado e vencido. O óbvio que às vezes é preciso ser lembrado para rebater teorias criadas por estas bandas. Românticas, vitimistas, saudosistas. Como se nada pudéssemos fazer para melhorar nosso jogo e ser mais competitivo que o Grêmio de apenas uma finalização contra esse mesmo Real Madrid. Com rendimento não muito melhor que o atual.

Este blog insiste: não é apenas dinheiro. Só não vê quem não quer.


Apesar da crise, estreia indica que Abel deve manter Flu rápido e ofensivo
Comentários Comente

André Rocha

O pior de uma crise profunda é quando a falta de confiança internamente parece maior que a de quem está de fora. Quem observa o Fluminense perdendo alguns jogadores e abrindo mão de outros por não ter condições de arcar com os custos não vislumbra um 2018 promissor.

A estreia no Torneio da Flórida aumentou esta impressão, principalmente pela escolha inusitada de Abel Braga, montando sua equipe num 5-3-2. Temendo um PSV muito alterado por Phillip Cocu. Mesmo considerando que o time holandês está no meio da temporada, com mais ritmo de competição, pareceu uma cautela exagerada.

Talvez Abel estivesse correto, com uma visão realista. Mas o que se viu foi uma equipe descoordenada no trabalho sem a bola. Na transição ofensiva os laterais Gilberto e Marlon demoravam a recompor a última linha obrigando os zagueiros a ficarem mais espaçados. Na proteção, Douglas e Richard permitiam espaços às costas e sofriam com a habilidade do brasileiro Mauro Júnior.

Para piorar, a saída para o ataque que precisa ser rápida e intensa não encontrava o passe vertical de Sornoza, muito menos a velocidade de Henrique Dourado para acompanhar Marcos Júnior. O Flu roubava a bola, mas não conseguia sair da pressão do adversário logo após a perda da bola e surpreender a defesa mais adiantada do Ajax.

De tanto insistir, o PSV abriu o placar com lindo gol de Sam Lammers. 20 anos, um metro e noventa, mas habilidade para limpar a marcação e técnica para tirar do alcance do goleiro Júlio César. Consequência natural da produção das equipes nos primeiros 45 minutos.

Na segunda etapa, as muitas alterações que descaracterizam qualquer amistoso, mas úteis no trabalho de observação e para dar ritmo à maioria dos jogadores. Funciona melhor para análises de desempenho individual.

Ainda assim, serviu para Abel notar que, mesmo com o elenco despedaçado, sem Diego Cavalieri, Lucas, Henrique, Wendel, Orejuela, Gustavo Scarpa e Wellington Silva, vale mais seguir o instinto do treinador e dos jovens atletas: um estilo mais leve, rápido e com vocação ofensiva. O Flu correu riscos, porém ocupou o campo de ataque com mais volume, especialmente pela direita com Matheus Alessandro. O grande destaque  que acabou saindo contundido.

Robinho, outro que entrou na segunda etapa, compensou com mais um golaço no jogo. Saída em velocidade, troca de passes, mais gente na frente e a bela conclusão do ponteiro. Empate e derrota nos pênaltis por 5 a 4. Romarinho foi o único a desperdiçar sua cobrança.

O resultado foi o menos importante. Valeu mais para Abel iniciar o trabalho de reconstrução da equipe. Mesmo em meio ao caos e ao pessimismo pelas sérias dificuldades financeiras que devem fazer o clube perder também Henrique Dourado, o Flu sempre rende melhor tentando jogar. Mesmo correndo riscos. Ainda que falte confiança dentro e fora do campo.


O que será do Vasco? Ou é para tudo se acabar na quarta-feira?
Comentários Comente

André Rocha

A gestão Eurico Miranda no Vasco termina oficialmente na terça-feira, dia 16. A já “lendária” urna sete da eleição foi desconsiderada pela Justiça e Julio Brant, se nada mudar até lá, deve assumir a presidência.

A grande questão é como será o 2018 do Vasco a partir da sucessão. O empresário Carlos Leite é aliado do “clã” Miranda e vai tirando jogadores importantes do clube. Primeiro Anderson Martins para o São Paulo, depois Madson para o Grêmio. Jovens como Mateus Vital, Guilherme Costa, Paulo Vítor e Paulinho podem seguir o mesmo caminho. Se surgirem propostas a tendência é que  não fiquem.

No âmbito administrativo há outras complicações, com informações de retiradas de equipamentos de São Januário, corte de fornecimento de energia elétrica e outros danos ao patrimônio do clube. Sem contar os salários atrasados. Clima de fim de festa, com um nítido descaso de quem sai.

Mais uma vez, os interesses do Vasco e dos cruzmaltinos ficam de lado pela guerra política. Estranho amor este, condicionado ao poder. O que sobrará para Zé Ricardo trabalhar? A pré-temporada, já curta, fica comprometida mesmo que Brant e a nova diretoria consigam reposições, como já fechou com Erazo, emprestado pelo Atlético Mineiro, sonha com um projeto midiático para Samuel Eto’o e se aproxima de Deco, ex-jogador e agora empresário.

No último dia de janeiro já tem jogo decisivo no Chile contra o Universidad de Concepción. Com o Vasco de volta à Libertadores depois de seis anos. Os que estão de saída parecem não se importar tanto assim.

Eurico Miranda se vai, ou deve ir. Mas deixa enorme desafio para Julio Brant: é preciso evitar uma nova gestão desastrosa do futebol para garantir sua viabilidade. Sua existência. Ou é para tudo se acabar na quarta-feira?


Você rejeitaria Tite depois da Copa do Mundo ou só vale para os “gringos”?
Comentários Comente

André Rocha

Reinaldo Rueda conduziu mal a saída do Flamengo para comandar a seleção chilena. Agora não vem mais ao caso, mas, observando à distância, havia várias maneiras, em tese, de ser mais transparente com o clube brasileiro.

Só que o caso de mais um treinador sul-americano deixando o país para aceitar uma proposta de seleção, se juntando a Osório, que saiu do São Paulo para o México, e Bauza, do mesmo clube para a Argentina, está construindo uma imagem de que os técnicos estrangeiros não cumprem  contratos e usam o Brasil como “trampolim”.

O nome disso, sem meias palavras, é xenofobia. Um pouco de reserva de mercado por parte dos treinadores daqui, tema que volta sempre que surge uma oportunidade. No caso de Rueda, na chegada e na saída – será por ter “tomado” um emprego tão cobiçado como ser o treinador do time de maior torcida do país?

Muito também pela visão de que treinadores de outros países do continente nada tem a acrescentar por aqui, enfrentam a barreira do idioma e não apresentam grande vantagem nos aspectos táticos e estratégicos. Talvez pela falta de tempo para trabalhar num calendário inchado, com imediatismo, resultadismo e pressão desproporcional. Os que já estão aqui se acostumaram com o ciclo. Para o “forasteiro” requer mais tempo.

Simplesmente não faz sentido. Principalmente a acusação de não cumprirem contrato. Quem cumpre? Os clubes, que demitem por qualquer sequência de resultados ruins? Como esquecer da demissão de Jorge Fossati do Internacional classificado para a semifinal da Libertadores de 2010? Ou Ricardo Gareca do Palmeiras, Diego Aguirre do Atlético Mineiro e Paulo Bento do Cruzeiro? Nem é questão de discutir cada caso, mas os clubes não hesitaram na hora de descartar os profissionais.

Os treinadores brasileiros, que cansados de levar um pé no traseiro agora deixam os clubes por qualquer proposta mais vantajosa estão errados também? Como Guto Ferreira, da Chapecoense para o Bahia e deste para o Internacional? Ou Fernando Diniz, sem disputar um jogo sequer pelo Guarani e partindo para o Atlético Paranaense?

Sem contar os casos dos brasileiros que saíram para seleções. Como Joel Santana em 2008, deixando o Flamengo para comandar a África do Sul que seria anfitriã da Copa do Mundo dois anos depois. Se pensarmos em “seleções” mundiais como o Real Madrid, como esquecer Vanderlei Luxemburgo abandonando o Santos campeão brasileiro em 2004 para comandar o Real Madrid?

E Tite? Ele mesmo admite e pede perdão ao Corinthians por ter “deixado o clube na mão” no ano passado para comandar a seleção brasileira. Não deixa de ser o mesmo caso: treinador que encerra seu contrato com um clube para acertar com uma federação. No caso, a CBF, entidade que o próprio Tite via com reservas e assinou manifesto de repúdio às suas práticas. E como ficou o ano do então campeão brasileiro, que já havia sofrido um desmanche no início da temporada?

Questão de ponto de vista. Este que escreve até discordou na época da decisão do melhor treinador brasileiro, mas depois compreendeu que era a realização de um sonho. O contexto também mostrou que acabou sendo melhor para a seleção, já que o risco de ficar de fora do Mundial era real.

Mas se ele deixar a CBF ao final da Copa da Rússia você ficaria com um pé atrás ou mesmo rejeitaria no caso do seu time de coração fechar contrato com Tite por ele não ter cumprido o acordo com o Corinthians? Foi exatamente o mesmo caso de Bauza, que foi servir ao futebol do seu país. Ou a crítica só vale para os “gringos”?

Rueda foi mal no fim do ciclo do Flamengo, mas daí a generalizar e rotular o caráter de profissionais estrangeiros vai uma distância enorme. Do tamanho do preconceito de tantas vozes que estão gritando desde o anúncio da saída do colombiano. Tudo muito conveniente.


Carpegiani no Flamengo em 2018 é aposta maior que em 1981
Comentários Comente

André Rocha

Ao desembarcar no Rio de Janeiro, Reinaldo Rueda disse que foram irresponsáveis e precipitados os que divulgaram a negociação em curso com a federação do Chile. Para horas depois confirmar a saída do Flamengo para comandar a seleção campeã das últimas Copas América.

Se esperou demais pela resposta do treinador colombiano, ao menos o clube agiu rápido e anunciou seu substituto: Paulo César Carpegiani.

68 anos, vindo de um trabalho até interessante no Bahia, embora tenha assumido a equipe na 14º e entregado na 12ª no Brasileiro. Mas nem esta passagem, nem a também curta pelo Coritiba em 2016/17, ambas com a missão de livrar as equipes do rebaixamento, são parâmetros para a sua nova empreitada.

Os motivos são óbvios: visibilidade tão grande quanto as cobranças e maior capacidade de investimento. Mas principalmente a obrigação de jogar como protagonista, no campo de ataque e com posse de bola. Por mais que Coxa e o tricolor baiano tivessem uma proposta ofensiva em muitos momentos, não é o mesmo que carregar a responsabilidade de se impor.

A passagem vitoriosa em 1981/1982 serve ainda menos como referência. Estreante na nova função com apenas 32 anos, comandando aqueles que tinham sido seus companheiros de treinos, jogos e concentrações poucos meses antes. Sucedendo Dino Sani para resgatar os conceitos e a maneira de jogar consagrada por Cláudio Coutinho. A única mudança significativa foi a escalação de Lico montando uma equipe móvel e de toque curto liderada por Zico e com conceitos avançados para a época: sem pontas de ofício, com os laterais Leandro e Júnior liberados para apoiar ao mesmo tempo e um centroavante, Nunes, que não ficava fixo na área e abria espaços para os companheiros que chegavam de trás.

Time que em maio de 1982 “unificou” os títulos, algo só alcançado pelo Santos de Pelé vinte anos antes. Era o último campeão estadual, brasileiro, sul-americano e mundial. Todas as conquistas com Carpegiani. Mas era outro esporte se comparado com o atual. Mais lento, menos intenso e dinâmico.

A segunda passagem, em 2000, foi polêmica pela demissão inexplicável de Carlinhos, campeão estadual e da Copa Mercosul no ano anterior e querido por todos na Gávea. Os jogadores não derrubaram Carpegiani, mas sentiam falta do antigo comandante e, mesmo com o investimento da ISL, um 5 a 1 aplicado pelo Vasco na rodada final da Taça Guanabara com show de Romário num domingo de Páscoa resultou em demissão e fez voltar Carlinhos, que seria bicampeão carioca.

Alguns bons trabalhos, como no Cerro Porteño que o credenciou a comandar a seleção paraguaia na Copa de 1998. Mas também a fama de “Professor Pardal” por improvisações mal sucedidas. Participou da campanha do rebaixamento do Corinthians em 2007. Último título em 2009, o estadual pelo Vitória. Com as transformações recentes no esporte, ainda que no Brasil elas aconteçam de forma bem mais vagarosa, não há como vislumbrar a linha de trabalho do velho/novo treinador rubro-negro.

Carpegiani aprecia jogadores versáteis e exige mobilidade e agilidade na frente. Mas seus times costumam render aproveitando o espaço cedido pelo adversário e não criando brechas para infiltração. Assim foi na execução do 4-1-4-1/4-2-3-1 no Bahia. Ou seja, o mesmo problema dos tempos de Zé Ricardo que Rueda não conseguiu encontrar uma solução.

Sua vantagem em relação à maioria de seus contemporâneos é ser mais antenado com a dinâmica do futebol atual. No Flamengo, o risco de ser tratado com desdém pela lógica boleira de “ganhou o quê?” é menor por ter sido o comandante nas conquistas mais importantes do clube. Foi companheiro no meio-campo e depois treinador de Zico. Certamente terá a aprovação e críticas mais brandas dos ídolos daquela geração, sempre chamados a opinar sobre os rumos do futebol.

Ainda assim, hoje é uma aposta maior do que era há quase 37 anos. Naquele período, sua missão era dar continuidade ao que funcionava. Agora é transformar o jogo burocrático, sem ideias, em algo criativo e moderno. O Flamengo precisava de ruptura, uma guinada de 180 graus na visão de futebol. Na urgência resolveu olhar para o passado, o mais glorioso de sua história.

Uma incógnita do tamanho da missão de Carpegiani.

 


Fernando Diniz e a República do feijão com arroz
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Divulgação/Atlético Paranaense

Fernando Diniz foi tema na semana que passou por deixar o Guarani, depois de iniciar um projeto de reformulação no departamento de futebol, e aceitar a proposta do Atlético Paranaense. Havia uma cláusula de liberação no contrato com o clube de Campinas caso recebesse uma proposta de um time da Série A. O que o blogueiro pode dizer é que se fosse o treinador não pediria a cláusula e se fosse dirigente do Bugre não aceitaria.

Mas fora a questão ética, a chegada de Diniz a um time da primeira divisão, com um título brasileiro em sua história, reabriu a discussão sobre as possibilidades do técnico de estilo personalíssimo que chamou atenção do país com o Audax vice-campeão paulista em 2016. Muito ceticismo e o velho temor de que não transforme sua visão de futebol em resultados.

Este que escreve teve contato direto com Diniz apenas uma vez, em um evento. Participamos da mesma dinâmica de grupo. Superficialmente pareceu um profissional com ideias claras e preocupação com todos os aspectos do esporte, inclusive a dimensão humana. Mas em suas entrevistas dá a impressão, que pode estar equivocada, de não ter os conceitos bem claros em termos de metodologia para colocá-los em prática. Sem contar o relacionamento um tanto tenso com seus comandados. Aspectos que podem melhorar com o tempo e a maturidade, obviamente.

O maior estigma que carrega, porém, é o da ousadia. De buscar o novo. Conviver com o risco. No futebol brasileiro, isto significa enfrentar uma resistência quase intransponível. Porque vivemos na República do feijão com arroz.

Nossa cultura no esporte sempre se baseou no talento e na simplicidade. Cada jogador em sua posição e bola para os craques decidirem. Goleiro defende com as mãos, zagueiros tiram a bola da área, laterais correm, volantes marcam, meias criam, pontas driblam e vão à linha de fundo e o centroavante faz o gol.

Até hoje há quem não entenda o ponta marcar lateral. Ora, foi o nosso futebol que criou essa necessidade! No dia que um lateral apoiou e, junto com o ponta, fez dois contra um adversário apenas, o ponteiro precisou recuar para ajudar. Questão matemática e lógica. Zagallo e Telê Santana foram os primeiros “falsos pontas” e o conceito ganhou o mundo com a Inglaterra em 1966 recuando Ball e Peters, um em cada flanco, para formar o típico 4-4-2.

Além do conservadorismo, o desprezo pelo novo vem do nosso resultadismo insano. Todo jogo é fundamental, decisivo e tem que ser vencido. Contra o pequeno no estadual não pode perder porque o rival vai disparar na liderança. Nos clássicos nem pensar. No Brasileiro de pontos corridos todo jogo é importante e nas competições de mata-mata o caráter eliminatório torna tudo ainda mais tenso.

Ai do goleiro que tentar sair jogando com os pés e errar, do zagueiro que tentar um passe mais complexo. Ai do treinador que mudar a função de um atleta e este não for bem, algo que pode acontecer na sua posição original por uma infinidade de motivos.

Nunca há espaço para experiências, testes, amadurecimento de uma maneira de jogar. Tem que vencer. E aí surge uma outra lógica simplista: se a equipe tem craques ou jogadores mais qualificados que os rivais joga no ataque. Senão fecha a casinha e ganha “na tática”.

Tática que no Brasil ainda é sinônimo de “camisa de força”. De um recurso para quem não tem talento. Voltemos a 2012. Nos confrontos entre Corinthians x Santos pela Libertadores como a mídia trabalhou os jogos? Era Neymar contra Tite. A estrela de um lado e o time organizado pelo treinador do outro. Como se um não tivesse qualidade e o outro só necessitasse de um lampejo do mais talentoso para vencer.

Brasileiro, em geral, acredita que só é preciso ter organização para defender. Na hora de atacar fica tudo por conta da intuição dos jogadores. No máximo uma ou duas jogadas ensaiadas, na maioria das vezes na bola parada. Por isso a dificuldade de infiltrar em sistemas defensivos que cada vez mais negam espaços.

Ainda assim a opção quase sempre é pelo simples. Repare nos elogios que são feitos aos auxiliares que viram interinos/efetivos ou do treinador, mesmo renomado, assim que assume um time: “não inventou como o antecessor” é quase invariável quando as vitórias acontecem – normalmente por uma mera questão motivacional, o tal “fato novo”.

O treinador não conhece o elenco, não teve tempo para treinar. O que vai fazer? Só pode simplificar. Mas não pode ser assim sempre. O trabalho precisa evoluir, ganhar nuances, variações. O jogador tem que crescer junto com a equipe, ficar mais versátil. Progredir.

A maioria não quer. “Time que está ganhando não se mexe”, “o torcedor tem que saber de memória a escalação” e outras máximas que não cabem mais no futebol em 2017. Mas há uma enorme negação ao novo. Desde as mudanças nas regras até a maneira de se jogar.

Por isso tantos torcem o nariz para Guardiola. Até porque “o que um espanhol tem a ensinar ao futebol cinco vezes campeão do mundo?” Se manter no topo sem aprender, reciclar e atualizar é utopia e o Brasil vem pagando caro por esta visão curta, obtusa.

Fernando Diniz vai para o olho do furacão (sem trocadilho). Já será visto com má vontade por muitos pela maneira como chegou ao Atlético. Mais ainda por tentar quebrar paradigmas. A cada erro na saída de bola, a cada gol sofrido no contragolpe por adiantar seu time e valorizar a posse de bola terá que encarar o sorriso cínico e o deboche de quem quer as coisas sempre nos mesmos lugares.

O futebol é o esporte mais apaixonante do planeta por ser simples e poder ser praticado por qualquer um, sem exigência de peso, altura, impulsão…Mas profissionalismo não é pelada. Tem que avançar. A visão conservadora é pouco inteligente e, na prática, funciona como uma bigorna amarrada às pernas. Tudo que o país que já foi referência e parou no tempo não precisa.

Já passou da hora de temperar melhor esse feijão com arroz. O problema é convencer os que acham que vão “gourmetizar” o nosso jogo sem entender que a evolução é irreversível. Quem estacionar será atropelado. Simples assim.


Coutinho na sucessão de Iniesta é o Barcelona entrando de vez na nova era
Comentários Comente

André Rocha

Agora é oficial! Como nossos Pedro Ivo Almeida e Thiago Fernandes cravaram, Philippe Coutinho é do Barcelona por cerca de 620 milhões de reais (leia AQUI). Contrato de cinco anos. Assim já é possível analisar o contexto e as possíveis consequências desta negociação que tem tudo para ser a mais bombástica na janela de inverno europeu.

Se o meia brasileiro, staff e familia planejaram uma transição com menos pressão, sem Liga dos Campeões e desgaste, também para chegar na Copa do Mundo mais inteiro o raciocínio foi perfeito. A impressão, porém, é de que mais uma vez falou alto a urgência de realizar o sonho de atuar no gigante catalão com histórico enorme de brasileiros se destacando, sem contar o medo de que uma lesão grave prejudicasse o negócio.

Para o clube é uma contratação para fechar as feridas da saída de Neymar para o PSG. Outro brasileiro talentoso e midiático, embora bem menos que Neymar, para agradar acionistas e torcedores ao redor do mundo. Também vender camisas e a própria imagem. Estampar um rosto além de Messi e Suárez nas ações promocionais. Business.

Mas tem campo também nesta escolha. Porque ao analisar como o time blaugrana vem atuando e o que Ernesto Valverde planejou no início da temporada com Dembelé, teve que mudar pela lesão do ponteiro e agora deve retomar, a tendência é que Coutinho suceda uma lenda do clube: Iniesta.

Com a saída de Neymar, o eixo ofensivo do Barcelona mudou. Antes o brasileiro era o ponta mais agressivo pela esquerda. Do lado oposto, Rakitic aproveitava o corredor deixado por Messi, saída do meio e fazia dupla com o lateral – primeiro Daniel Alves, depois uma enorme interrogação após a saída deste para a Juventus. Sem a bola, duas linhas de quatro com Rakitic e Neymar pelos lados dando liberdade a Messi e Suárez.

No início da temporada 2017/2018, a ideia era abrir Dembelé à direita, Rakitic e Busquets centralizados e Iniesta pela esquerda. Não como um ponta, mas outro meia deixando todo o lado esquerdo para o apoio de Jordi Alba. Com a entrada de Paulinho no meio, Rakitic foi para o lado direito e Iniesta seguiu pela esquerda.

É aí que entra Coutinho. Assim como Rakitic chegou em 2014 para Xavi ficar no banco e jogar menos na reta final da carreira, o brasileiro deve fazer o mesmo com o camisa oito de 33 anos. Mais intensidade e rapidez pela esquerda. Habilidade, mudança de direção, imprevisibilidade.

Até porque Messi corre cada vez menos e é mais armador. Precisa de mais gente acelerando ao seu redor. Coutinho é meia que pensa correndo e prefere o lado esquerdo para articular e também cortar para dentro e finalizar de pé direito. Na configuração anterior do Barça teria que se adequar mais rapidamente às trocas de passes curtos e seria um armador na linha de três, com a preocupação de não ocupar o espaço de Neymar. Agora vai poder usar suas características para agregar e tornar o time mais vertical. Na hora certa.

Busquets inicia as jogadas com passe limpo, a bola chega a Messi que terá Dembelé, Paulinho ou Rakitic, Suárez e agora Coutinho para acionar em velocidade. A circulação da bola vai ficar mais rápida, assim como a definição das jogadas. Se precisar de paciência e toque num jogo posicional contra times mais fechados e menos perigosos nos contragolpes entra Iniesta descansado, sem tantos minutos na temporada.

Uma proposta para cada jogo. Futebol por demanda. Com Philippe Coutinho, o Barcelona entra de vez na nova era do esporte.

 


O que o Cruzeiro ganha e perde com Fred
Comentários Comente

André Rocha

Foto: Divulgação/Cruzeiro

A melhor versão da seleção brasileira com Mano Menezes foi sem um atacante na referência. Neymar abrindo espaços para Hulk, Kaká e Oscar. Fred foi preterido e agradeceu aos céus quando o treinador foi demitido e Luiz Felipe Scolari assumiu em 2013. Criticou publicamente o ex-comandante do escrete canarinho. Para terminar em quarto lugar na Copa do Mundo no Brasil no ano seguinte. Com Fred titular nos 7 a 1. A última partida dele com a camisa verde e amarela.

Se a polêmica que nasceu com o anúncio do retorno do centroavante ao clube depois de 13 anos para ser comandado por Mano Menezes já foi encerrada pelos dois em entrevistas, a questão no campo segue gerando dúvidas.

Porque o Cruzeiro ganha, mas também perde com a presença de Fred no ataque. Na temporada 2017, os melhores momentos do time celeste foram sem um típico camisa nove na frente. Na conquista da Copa do Brasil com Sóbis ou Raniel na reta final depois da saída de Ramón Ábila; no Brasileiro usando a dupla Thiago Neves-De Arrascaeta alternando no centro do ataque, mas com mobilidade, trocando com os ponteiros Rafinha, Alisson e Elber, além de Robinho, mais articulador.

Mano diz que seu time criava, mas não era contundente. No Brasileiro, a equipe mineira marcou 47 gols em 38 rodadas, foi apenas o 10º ataque mais efetivo. O artilheiro foi Thiago Neves com 11 gols em 33 partidas. Um a menos que Fred em 30. Atacante que precisou de menos que cinco tentativas para ir às redes. O Cruzeiro terminou com 11, a quinta pior equipe na relação gols/finalizações. Mesmo sendo o segundo colocado no total de conclusões, só atrás do Flamengo.

Portanto, na principal competição nacional, com números mais consistentes em 38 rodadas, mesmo considerando que o time priorizou a Copa do Brasil e teve um relaxamento natural depois do título, a necessidade de contratar um atacante mais definidor ficou clara. No popular, o time foi “arame liso”: cercava, porém não feria os rivais.

Mas a questão central é: a equipe vai seguir criando e tendo fluência ofensiva com um camisa nove mais fixo? Porque Fred será referência do ataque, mas também para a defesa adversária. Tem 34 anos e a mobilidade nunca foi sua maior virtude.

Mano sabe bem disso e já sinalizou a mudança no estilo de sua equipe: “Muitas vezes no ano passado, o Cruzeiro precisou de um jogador mais de movimentação porque precisa construir a jogada. Então, se nós contratamos um jogador que é um 9, vamos ter que construir a jogada diferente para esse jogador”, explicou o treinador na coletiva da reapresentação do elenco.

Mais do que nunca, futebol é um jogo de espaços. As equipes atuam em não mais que 25 metros. O atacante precisa se mexer para abrir brechas na retaguarda do oponente e dar opção para receber e finalizar com o time no ataque. Também necessita de velocidade para receber às costas da defesa em contragolpes. O Cruzeiro de Mano gosta de se fechar compacto guardando a própria área, com os ponteiros bastante recuados. Quando a bola é roubada e o adversário pressiona, a rapidez do jogador mais adiantado é fundamental.

Basta notar a dinâmica das referências da função nos principais clubes: Suárez, Cristiano Ronaldo, Cavani, Lewandowski, Diego Costa, Lukaku, Morata, Aguero, Gabriel Jesus, Roberto Firmino…Todos finalizadores, mas que chamam lançamentos. Assim como Jô, campeão e artilheiro no Corinthians. Também participativos com e sem a bola.

Não dá mais para contar com um centroavante que seja o responsável apenas pelo último toque. A tendência é que ele faça o time travar ou, no mínimo, ser mais previsível, principalmente nos jogos grandes. Os pontas e meias trabalham para ele finalizar, sem grandes variações. Até porque os companheiros muitas vezes se acomodam com a presença de alguém que assume a responsabilidade pelos gols. O Cruzeiro, assim como aconteceu com o Atlético Mineiro nas duas últimas temporadas, pode perder em dinâmica e trabalho coletivo. Mesmo com Bruno Silva e David, em tese, acrescentando força e rapidez ao setor ofensivo.

Mas ganha, além de um grande artilheiro, um rosto, uma liderança. O jogador midiático, o procurado para entrevistas depois dos jogos. O personagem que pode chamar o foco para si e poupar um companheiro menos calejado para suportar críticas. Com vivência em Libertadores. Para a gestão de vestiário é importante.

Obviamente se a sintonia com Mano seguir afinada como nas entrevistas antes de começar a rotina desgastante física e mentalmente na temporada. Fred deve ficar no banco ou até de fora em alguns jogos para administrar o fôlego e não estourar os músculos. Como será o diálogo como o treinador de personalidade forte para definir a dosagem? A conferir.

A parceria pode dar certo, é claro. Motivado, em paz e com uma equipe bem ajustada, Fred tem condições de ainda ser bem útil no futebol brasileiro. Mas o Cruzeiro de Mano terá que lidar com as perdas e ganhos dessa mudança importante em seu ataque para 2018.

(Estatísticas: Footstats)


Há um “atalho” para Jair Ventura vencer respeitando o DNA do Santos
Comentários Comente

André Rocha

Imagem: Divulgação Santos

Joel Santana adora citar em entrevistas, programas de TV e rádio e eventos dos quais participa o Vasco que comandou em 1987, num período curto mas marcante, como exemplo de time ofensivo que armou para contestar a fama de “retranqueiro”.

De fato era uma equipe com vocação para o ataque. Apesar de ter durado apenas uma Taça Guanabara, a escalação ficou na memória deste blogueiro que viu este time ao vivo, algumas vezes no estádio: Acácio; Paulo Roberto, Donato, Fernando e Mazinho; Dunga, Geovani e Tita; Mauricinho, Roberto Dinamite e Romário.

Mas havia um segredo típico do treinador, já malandro e “matreiro” aos 39 anos em sua primeira chance como treinador no Brasil. Mesmo contra times pequenos em São Januário, a equipe cruzmaltina recuava as linhas cinicamente, Dinamite voltava atraindo a atração dos zagueiros e Geovani ou o próprio centroavante lançava os ponteiros Mauricinho e Romário em velocidade com a chegada rápida de Tita. Assim marcou 24 gols em 13 partidas.

Joel tem razão ao dizer que seu Vasco campeão do primeiro turno e que depois, treinado por Sebastião Lazaroni, conquistaria o estadual tinha, na prática, quatro atacantes. Mas a maneira de jogar era baseada em organização defensiva e contragolpes. Quando precisou sair para o jogo contra o Fluminense ainda com a base tri carioca e campeã brasileira, levou um contundente 3 a 0 em contra-ataques.

A mesma dificuldade que fez penar o Botafogo de Jair Ventura desde que o jovem treinador de 38 anos sucedeu Ricardo Gomes em 2016, na primeira oportunidade no comando de um time profissional. Quase sempre que adiantou suas linhas, tentou trocar mais passes e não definir a jogada mais rapidamente, o desempenho teve uma queda significativa.

O melhor cenário no Estádio Nilton Santos, especialmente na Libertadores, era quando o “abafa” inicial com marcação no campo adversário fazia o alvinegro abrir o placar e depois ficar confortável atraindo o oponente e aproveitando as transições ofensivas em velocidade.

Mesmo sem títulos e a vaga no torneio continental para 2018, o bom trabalho em uma avaliação geral deu visibilidade a Jair. Também despertou o interesse do Santos, agora presidido por José Carlos Peres. Novo mandatário que afirmou várias vezes que o perfil do novo treinador deveria ser de respeito ao DNA ofensivo do clube e trabalho com os jovens oriundos das divisões de base.

A segunda exigência de Peres não é problema para Jair, que, até pelas limitações orçamentárias do Botafogo, deu chances à garotada e obteve boas respostas. No Santos é empreitada que costuma dar certo com quem tem sensibilidade para mandar a campo no momento certo. Mas quanto ao DNA…

O trabalho de Jair não o credencia a armar um Santos que crie espaços nas defesas rivais através de troca de passes com paciência e mobilidade. O treinador sempre afirmou que não mudava sua proposta no Botafogo porque as características dos jogadores não casavam com o estilo. Argumento legítimo, mas quando tentou mudar faltou repertório. Não só do time, mas também do comandante.

O que não significa que não possa se reinventar. Ou entregar um time competitivo, bem coordenado atrás para não fazer o goleiro Vanderlei trabalhar tanto. Mas também é possível ser forte no ataque. Ou no contragolpe. Acionando Bruno Henrique pelos flancos. Mesmo sem os passes de Lucas Lima e a presença de área de Ricardo Oliveira.

No Paulista pode aproveitar o status de “zebra” – já estão chamando de “quarta força”, o que pode ser um bom presságio – por conta da menor capacidade de investimento em comparação com os rivais. Mas na falta de recursos é preciso ter criatividade para repor ausências importantes. Inclusive de Zeca, que interessa ao Flamengo.

Se alcançar vitórias, alguma conquista relevante e muitos gols, mesmo nos contra-ataques, quem vai se importar na Vila Belmiro com uma mera questão filosófica? Nem o novo presidente…

Jair Ventura não conta neste início de trabalho com o talento que sobrava no Vasco de Joel Santana há mais de três décadas, mas pode usar o mesmo “atalho”, com uma dose de pragmatismo, para se adequar respeitando a tradição santista de marcar muitos gols. Com ou sem estrelas.


Corinthians, Grêmio ou a evolução? O que você quer do seu time em 2018?
Comentários Comente

André Rocha

Com a volta ao trabalho dos times das Séries A e B, a temporada 2018 dá os primeiros passos no Brasil. Desta vez com um retrocesso em relação a 2017: apenas duas semanas de pré-temporada por conta da pausa para a Copa do Mundo.

A lógica grita mais do que nunca que os estaduais devem servir como um torneio preparatório. Para os envolvidos em Libertadores, uma competição para testes e ajustes. O problema é que quando chegam os clássicos as cidades vivem uma espécie de vertigem, valorizando além da conta as rivalidades locais. Em busca de um título que é tratado como nada ao final da temporada pelos grandes.

O Corinthians foi campeão paulista e brasileiro. Mas o contexto ajudou, já que o time não disputou o principal torneio do continente, teve uma eliminação prematura da Copa do Brasil e não deu tanta importância à Copa Sul-Americana. Passou o ano praticamente dedicado a uma competição apenas.

O que não tira os méritos de vencedor com uma identidade. Construída por Mano Menezes e Tite, resgatada por Fabio Carille. O pilar na organização defensiva e o trabalho com a bola buscando triangulações, ultrapassagens e os apoios, inclusive de Jô como pivô. Peça fundamental que vai para o Japão e cria uma necessidade inesperada de buscar outras soluções no ataque. Mas não tira o norte do futebol do clube. Há uma linha mestra.

Assim como no Grêmio de Renato Gaúcho. Da ideia de propor o jogo, trocar passes e acelerar no ataque para infiltrar. Aproveitando alicerces já construídos e dando o acabamento que terminou no tricampeonato sul-americano. Mas não foi suficiente para superar o Real Madrid no Mundial de Clubes. Porque do outro lado havia uma seleção intercontinental, mas também por seguir faltando algo por aqui.

O futebol jogado no país foi marcado pela evolução sem a bola. Os conceitos de compactação, bloqueio dos espaços, pressão no homem da bola com marcação adiantada ou não e coordenação dos setores com a concentração máxima buscando o erro zero já foram assimilados. Até porque desde Carlos Alberto Parreira em 1994, ou mesmo Zagallo em 1970, a máxima “se não levarmos gol nosso talento decide na frente” continua valendo.

Só que apenas o talento não é suficiente para furar este bloqueio que tem uma sofisticação sem precedentes no futebol mundial. Nasceu com José Mourinho para enfrentar Pepe Guardiola. Foi lapidado e aprimorado por Diego Simeone, Carlo Ancelotti, Massimiliano Allegri e outros. Não é fácil entrar.

Ainda mais em um jogo ainda pobre coletivamente no que se refere à criação de espaços. Porque aprendemos a jogar com a bola e tentando abrir no drible, no blefe, na finta. Individualmente. Basta ver como pensamos futebol. Ainda acreditamos no “time no papel”, da reunião de craques que funciona como mágica. Adoramos comparar jogador por posição, buscar O cara do time, do campeonato. Veneramos Messi por driblar e conduzir com incrível habilidade e muitos torcem o nariz para Cristiano Ronaldo por seu estilo mais vertical e objetivo.

Questão de cultura, de história. Acreditamos no gênio Garrincha com cognitivo baixo, mas que no campo entende tudo. Nosso garoto é estimulado a partir para cima. Repare no nosso futebol em campo. Ele é pouco associativo, colaborativo. Quem se apresenta quer a bola, sem entender muitas vezes que dar a opção facilita o companheiro na tomada de decisão. Mesmo que ele resolva tentar o drible.

Há uma vaidade intrínseca. O lateral desce querendo chegar ao fundo ou finalizar. Se o ponteiro não passar em duas ultrapassagens, na terceira ele não vai. Não importa se a jogada pessoal do outro pode terminar em gol. O meia que diz que seu orgulho é dar assistências porque quer os louros dos “80% do gol foi meu” e do “te consagrei”. O centroavante aceita a responsabilidade de ser o finalizador porque vai sair no portal de esportes que ele “deu um show” se for às redes. Ainda que tenha tocado pouco na bola além dos gols que marcou. O que importa é botar para dentro.

Nosso jogo é fragmentado, ainda indigente na ideia de que atacar é estar pronto para defender (perde e pressiona) e vice-versa. O resultado prático, na maioria das vezes, é a busca do gol que fura o muro através dos cruzamentos, com bola rolando ou parada. Basta uma equipe estar bem fechada para o que está atacando começar a levantar bolas na área.

Faltam ideias, como arrastar pacientemente o rival para um lado e surpreendê-lo na inversão rápida de lado. O toque curto e o deslocamento para cansar o oponente física e mentalmente. A quase sempre vaiada bola recuada para o goleiro com o intuito de tirar um pouco o rival da trincheira. Há pressa, um futebol que sente muito – tem que ter garra, fibra, ser guerreiro, deixar o sangue – e pensa pouco.

O que teremos em 2018? Times se baseando no Corinthians e, por tabela, no Cruzeiro de Mano Menezes com princípios muito semelhantes ou no Grêmio apostando mais na técnica e no protagonismo? Mais equipes verticais, pouco se importando com a posse e aproveitando os espaços às costas da defesa do time que ataca ou controlando o jogo com a bola, se instalando no campo rival e assumindo os riscos da proposta ofensiva?

Ou ainda a evolução disso, que é o futebol por demanda. Inteligente, sabendo responder a cada necessidade que o jogo apresenta. Sabendo atacar e reagir. Um híbrido de Corinthians e Grêmio que, obviamente, saem na frente por já terem percorrido parte do caminho. Ataque e defesa numa ação contínua. O futebol total inspirado nos grandes centros. O dinheiro a menos, os jogos a mais, a desordem administrativa e as mudanças nos elencos são problemas, sem dúvida. Mas não podem ser bengalas eternas.

O que você quer para o seu time? Apenas títulos, não importando como vence? Ou jogar bem transformando o desempenho em resultados torna a conquista mais prazerosa, como Tite vem mostrando na rediviva seleção brasileira, uma realidade ainda distante da nossa pelos craques atuando na Europa? Com talento e, principalmente, a leitura de jogo e dos espaços que faltam em nossos campos.

O mercado mais modesto da maioria dos clubes pode ser positivo, investindo em entrosamento, jogar de memória, afinar a sintonia. Para que nosso futebol entre definitivamente no século 21, defendendo e atacando. Com menos lacunas, ainda que só dentro de campo. Apesar de uma gestão amadora e politiqueira na CBF, nas federações e em quase todos os clubes. Não custa sonhar.